SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Leonardo Rocha
                       1
Características principais
 “ Estudo científico do comportamento humano aplicado à
  Administração.”

 Origem Militar – Seleção por testes de inteligência

 Aplicação em empresas – O melhor homem com a melhor
  aptidão

 Mayo e National Labor Relations Act (tentativas de
  “agradar os trabalhadores”

                                                           2
Características principais
 Novas proposições a respeito da motivação humana.

  MOTIVAÇÃO: é o desejo de exercer altos níveis de esforço em
  direção a determinados objetivos
  organizacionais, condicionados pela capacidade de satisfazer
  necessidades individuais.

 O administrador precisa conhecer os mecanismos
  motivacionais das pessoas para poder dirigi-las.
 Preocupação com o comportamento organizacional
  (processos e dinâmica org.)

                                                                 3
A motivação humana
   enfoque comportamental
  O comportamento humano está associado a motivação das
  pessoas

 Behavioristas:
   “É necessário o conhecimento das necessidades humanas
     para poder compreender o comportamento humano e
     utilizar os conhecimentos sobre motivação para a melhoria
     da qualidade de vida nas organizações”.


                                                                 4
Principais Teóricos
 Ross Stagner.
  Conflitos Industriais (organização e sindicato)
   Familiarização com o funcionamento da organização
   Percepção de cada um sobre os seus anseios
       Resposta: Motivação (Biológica, física, social e ideológica)
 Frederick Herzberg.
  Pesquisa por entrevistas (sentir-se bem ou sentir-se mal no trabalho)
Fatores Intrínsecos (próprio ao indivíduo)
Fatores Extrínsecos (que vem de fora)

Classificação: Fatores motivadores e fatores higiênicos
  Resposta: Enriquecimento de Cargos (Responsabilidades)
                                                                          5
 Fatores motivadores ou intrínsecos
   Relacionados ao conteúdo do cargo;
   A natureza das tarefas inerentes a ele;
   Estão sob o controle da pessoa;
   Envolvendo os sentimentos de crescimento
    individual, reconhecimento profissional
   E as necessidades de auto-realização
   Dependem das tarefas realizadas no trabalho.
   Quando os fatores motivacionais são ótimos provocam a
    satisfação; quando deficientes impedem a satisfação.


                                                            6
 Fatores higiênicos ou extrínsecos

   Contextuais, relacionados com o meio ambiente de trabalho;
   São de responsabilidade da organização;
   Fora do controle das pessoas.
   São chamados de higiênicos (profiláticos e preventivos) pois
    evitam a insatisfação mas não levam a satisfação.
   Exemplos comuns: Salários, benefícios sociais, tipo de chefia ou
    supervisão, condições físicas e ambientais de trabalho, políticas
    e diretrizes da empresa, regulamentos internos, clima de
    relações entre a empresa e as pessoas.


                                                                   7
Enriquecimento de tarefas
(job enrichment)
   Constitui na substituição de tarefas mais simples por mais
   complexas,

   Oferecendo condições desafiadoras e de satisfação
   profissional.

   É uma reação contra os excessos da divisão do trabalho;

   Reduz a monotonia, rotina, restrição e suas consequências.




                                                                 8
Principais Teóricos
 David McClelland.
  Conceitos de Necessidades (aprendidas /
  adquiridas)
     Necessidade de Realização (Êxito)
     Necessidade de Afiliação (Relacionamentos)
     Necessidade de Poder (Controle)
Trabalho x Necessidade
Decisões arriscadas/ Metas = Realização
Cooperação/Equipes = Afiliação
Persuasão/ Negociação = Poder

                                              9
Abraham Maslow
 A hierarquia das necessidades
 A “visão de Maslow” constitui-se numa teoria da motivação
 humana, hierarquizando por importância as necessidades
 humanas.




                                                          10
 “A motivação humana é conseqüência de uma
  necessidade insatisfeita”.
 Uma satisfação se torna premente quando a imediatamente
  inferior estiver satisfeita;

 quando as necessidades inferiores estiverem satisfeitas, as
  dos níveis superiores começam a dominar o
  comportamento;

 Quando uma necessidade de nível mais baixo deixa de ser
  satisfeita, ela volta a predominar no comportamento;


                                                                11
 Cada pessoa sempre possui mais de uma
  motivação, todos os níveis atuam conjuntamente
  dominando as necessidades mais elevadas sobre as
  mais baixas, desde que estas estejam
  suficientemente atendidas;

 O efeito das necessidades é sempre global, nunca
  isolado;

 Qualquer frustração da satisfação de certas necessidades
  transformam-se em uma ameaça psicológica
  (descontentamento).
                                                             12
Douglas McGregor




                   13
Douglas McGregor
Teoria X
  Modelos de Taylor, Fayol e Weber
  Homem visto como máquina, recursos de produção, concepções
  consideradas inadequadas sobre o comportamento humano.
      O homem é indolente por natureza, trabalha o mínimo possível em troca de
       recompensas salariais ou materiais.
      O homem caracteriza-se pela falta de ambição, não gosta de assumir
       responsabilidades, preferindo ser dirigido e sentir-se seguro nessa condição;
      O homem é egocêntrico por essência e geralmente os seus objetivos pessoais
       opõem-se aos da organização;
      O homem é resistente a mudanças que poderiam comprometer a sua
       segurança, não desejando assumir riscos;
      O homem é incapaz de autocontrolar-se e autodisciplinar-se, necessitando de
       direcionamento e controle pela administração.


                                                                               14
Teoria Y
  Concepções e premissas atuais, valores humanos e sociais (oposto
  “a visão clássica da Teoria X);
      O homem médio não tem desprazer inerente em trabalhar, o trabalho é
       uma atividade natural como outra qualquer;
      As pessoas por si só passivas ou resistentes às necessidades da
       empresa, podendo adquirir tal condição como decorrência de
       experiências negativas anteriores;
      As pessoas tem motivação e condições de assumir
       responsabilidades, necessitando é de capacitação;
      O homem médio aprende sob certas condições não só a aceitar, mas
       também procurar responsabilidades;
      A capacidade mental das pessoas, imaginação e criatividade na solução de
       problemas é amplamente distribuída entre elas, ocorrendo sob certas
       condições pouca utilização.



                                                                          15
Homem Administrativo
“O Homem administrativo procura apenas
 de maneira satisfatória de realizar um
 trabalho e não a melhor maneira.
Não se preocupa com o lucro máximo, mas
 o adequado; não o preço ótimo, mas o
 razoável”.


                                          16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
zalucty
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
carlossono
 
Evolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias AdministrativasEvolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias Administrativas
William Costa
 

Mais procurados (20)

Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
Teorias das relações humanas
Teorias das relações humanasTeorias das relações humanas
Teorias das relações humanas
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Evolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias AdministrativasEvolução das Teorias Administrativas
Evolução das Teorias Administrativas
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 

Destaque

Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
guest06f340
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamental
LIVROS PSI
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
admetz01
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
Lílian Reis
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administração
angelaadan
 
Abordagem sócio cultural
Abordagem sócio culturalAbordagem sócio cultural
Abordagem sócio cultural
Ariella Araujo
 

Destaque (20)

Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
 
Abordagem comportamentalista
Abordagem comportamentalistaAbordagem comportamentalista
Abordagem comportamentalista
 
Teoria Comportamental
Teoria  ComportamentalTeoria  Comportamental
Teoria Comportamental
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamental
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
 
5 abordagem comportamental
5   abordagem comportamental5   abordagem comportamental
5 abordagem comportamental
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICASABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administração
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
Abordagem sócio cultural
Abordagem sócio culturalAbordagem sócio cultural
Abordagem sócio cultural
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Abordagem Humanista
Abordagem HumanistaAbordagem Humanista
Abordagem Humanista
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 

Semelhante a Aula 5 abordagem comportamental

Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Tania Montandon
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saude
admcontabil
 
Rh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rhRh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rh
admcontabil
 
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
Debora Miceli
 
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Roberto Possarle
 

Semelhante a Aula 5 abordagem comportamental (20)

Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Douglas McGregor e a Teoria X e Y
Douglas McGregor e a Teoria X e YDouglas McGregor e a Teoria X e Y
Douglas McGregor e a Teoria X e Y
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saude
 
Rh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rhRh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rh
 
Trabalho de psicologia
Trabalho de psicologiaTrabalho de psicologia
Trabalho de psicologia
 
Motivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing MultinívelMotivação e Sucesso no Marketing Multinível
Motivação e Sucesso no Marketing Multinível
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
 
2009 05-06 aula maslow
2009 05-06 aula maslow2009 05-06 aula maslow
2009 05-06 aula maslow
 
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
02. Dinâmica das Relações Interpessoais: Motivação
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
.10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional..10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional.
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
 
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
 
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdfAula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
 
Psicologia_e_Trabalho_ -_Motivacao_e_Trabalho.pptx
Psicologia_e_Trabalho_ -_Motivacao_e_Trabalho.pptxPsicologia_e_Trabalho_ -_Motivacao_e_Trabalho.pptx
Psicologia_e_Trabalho_ -_Motivacao_e_Trabalho.pptx
 
Teorias motivacionais
Teorias motivacionaisTeorias motivacionais
Teorias motivacionais
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura OrganizacionalAula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Portfólio empresarial modelo
Portfólio empresarial   modeloPortfólio empresarial   modelo
Portfólio empresarial modelo
 
Aula 2 introdução à tga - parte 2
Aula 2   introdução à tga - parte 2Aula 2   introdução à tga - parte 2
Aula 2 introdução à tga - parte 2
 
Como você aprende
Como você aprendeComo você aprende
Como você aprende
 
Aula 1 - Modelos de Gestão
Aula 1 - Modelos de GestãoAula 1 - Modelos de Gestão
Aula 1 - Modelos de Gestão
 
Introdução à TGA - Aula 1
Introdução à TGA - Aula 1Introdução à TGA - Aula 1
Introdução à TGA - Aula 1
 
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura OrganizacionalAula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Aula 5 abordagem comportamental

  • 2. Características principais  “ Estudo científico do comportamento humano aplicado à Administração.”  Origem Militar – Seleção por testes de inteligência  Aplicação em empresas – O melhor homem com a melhor aptidão  Mayo e National Labor Relations Act (tentativas de “agradar os trabalhadores” 2
  • 3. Características principais  Novas proposições a respeito da motivação humana. MOTIVAÇÃO: é o desejo de exercer altos níveis de esforço em direção a determinados objetivos organizacionais, condicionados pela capacidade de satisfazer necessidades individuais.  O administrador precisa conhecer os mecanismos motivacionais das pessoas para poder dirigi-las.  Preocupação com o comportamento organizacional (processos e dinâmica org.) 3
  • 4. A motivação humana enfoque comportamental O comportamento humano está associado a motivação das pessoas  Behavioristas: “É necessário o conhecimento das necessidades humanas para poder compreender o comportamento humano e utilizar os conhecimentos sobre motivação para a melhoria da qualidade de vida nas organizações”. 4
  • 5. Principais Teóricos  Ross Stagner. Conflitos Industriais (organização e sindicato) Familiarização com o funcionamento da organização Percepção de cada um sobre os seus anseios Resposta: Motivação (Biológica, física, social e ideológica)  Frederick Herzberg. Pesquisa por entrevistas (sentir-se bem ou sentir-se mal no trabalho) Fatores Intrínsecos (próprio ao indivíduo) Fatores Extrínsecos (que vem de fora) Classificação: Fatores motivadores e fatores higiênicos Resposta: Enriquecimento de Cargos (Responsabilidades) 5
  • 6.  Fatores motivadores ou intrínsecos  Relacionados ao conteúdo do cargo;  A natureza das tarefas inerentes a ele;  Estão sob o controle da pessoa;  Envolvendo os sentimentos de crescimento individual, reconhecimento profissional  E as necessidades de auto-realização  Dependem das tarefas realizadas no trabalho.  Quando os fatores motivacionais são ótimos provocam a satisfação; quando deficientes impedem a satisfação. 6
  • 7.  Fatores higiênicos ou extrínsecos  Contextuais, relacionados com o meio ambiente de trabalho;  São de responsabilidade da organização;  Fora do controle das pessoas.  São chamados de higiênicos (profiláticos e preventivos) pois evitam a insatisfação mas não levam a satisfação.  Exemplos comuns: Salários, benefícios sociais, tipo de chefia ou supervisão, condições físicas e ambientais de trabalho, políticas e diretrizes da empresa, regulamentos internos, clima de relações entre a empresa e as pessoas. 7
  • 8. Enriquecimento de tarefas (job enrichment)  Constitui na substituição de tarefas mais simples por mais complexas,  Oferecendo condições desafiadoras e de satisfação profissional.  É uma reação contra os excessos da divisão do trabalho;  Reduz a monotonia, rotina, restrição e suas consequências. 8
  • 9. Principais Teóricos  David McClelland. Conceitos de Necessidades (aprendidas / adquiridas) Necessidade de Realização (Êxito) Necessidade de Afiliação (Relacionamentos) Necessidade de Poder (Controle) Trabalho x Necessidade Decisões arriscadas/ Metas = Realização Cooperação/Equipes = Afiliação Persuasão/ Negociação = Poder 9
  • 10. Abraham Maslow  A hierarquia das necessidades  A “visão de Maslow” constitui-se numa teoria da motivação humana, hierarquizando por importância as necessidades humanas. 10
  • 11.  “A motivação humana é conseqüência de uma necessidade insatisfeita”.  Uma satisfação se torna premente quando a imediatamente inferior estiver satisfeita;  quando as necessidades inferiores estiverem satisfeitas, as dos níveis superiores começam a dominar o comportamento;  Quando uma necessidade de nível mais baixo deixa de ser satisfeita, ela volta a predominar no comportamento; 11
  • 12.  Cada pessoa sempre possui mais de uma motivação, todos os níveis atuam conjuntamente dominando as necessidades mais elevadas sobre as mais baixas, desde que estas estejam suficientemente atendidas;  O efeito das necessidades é sempre global, nunca isolado;  Qualquer frustração da satisfação de certas necessidades transformam-se em uma ameaça psicológica (descontentamento). 12
  • 14. Douglas McGregor Teoria X  Modelos de Taylor, Fayol e Weber  Homem visto como máquina, recursos de produção, concepções consideradas inadequadas sobre o comportamento humano.  O homem é indolente por natureza, trabalha o mínimo possível em troca de recompensas salariais ou materiais.  O homem caracteriza-se pela falta de ambição, não gosta de assumir responsabilidades, preferindo ser dirigido e sentir-se seguro nessa condição;  O homem é egocêntrico por essência e geralmente os seus objetivos pessoais opõem-se aos da organização;  O homem é resistente a mudanças que poderiam comprometer a sua segurança, não desejando assumir riscos;  O homem é incapaz de autocontrolar-se e autodisciplinar-se, necessitando de direcionamento e controle pela administração. 14
  • 15. Teoria Y  Concepções e premissas atuais, valores humanos e sociais (oposto “a visão clássica da Teoria X);  O homem médio não tem desprazer inerente em trabalhar, o trabalho é uma atividade natural como outra qualquer;  As pessoas por si só passivas ou resistentes às necessidades da empresa, podendo adquirir tal condição como decorrência de experiências negativas anteriores;  As pessoas tem motivação e condições de assumir responsabilidades, necessitando é de capacitação;  O homem médio aprende sob certas condições não só a aceitar, mas também procurar responsabilidades;  A capacidade mental das pessoas, imaginação e criatividade na solução de problemas é amplamente distribuída entre elas, ocorrendo sob certas condições pouca utilização. 15
  • 16. Homem Administrativo “O Homem administrativo procura apenas de maneira satisfatória de realizar um trabalho e não a melhor maneira. Não se preocupa com o lucro máximo, mas o adequado; não o preço ótimo, mas o razoável”. 16