SlideShare uma empresa Scribd logo
Administração 2013.1
Origens da Teoria
Comportamental
0 Teoria Comportamental ou Teoria Behaviorista da
administração veio com um novo conceito: a abordagem
das ciências do comportamento;
0 Houve o abandono das posições normativas e prescritivas
das teorias anteriores;
Origens da Teoria
Comportamental
0 Surgiu no final da década de 1940 com uma redefinição
total de conceitos administrativos: criticando as teorias
anteriores (o behaviorismo não só reformula as
abordagens anteriores como desenvolve seu conteúdo e
diversifica sua natureza).
Novas Proposições
sobre a Motivação Humana
0 A Teoria Comportamental
baseia-se no comportamento
individual das pessoas, para
melhor explicar o
comportamento organizacional;
0 Para poder explicar melhor o
comportamento humano, é
necessário que se estude a sua
motivação;
0 Desse modo, um dos temas
essenciais da Teoria
Comportamental da
Administração é a motivação
humana.
Hierarquia das necessidades de Maslow
0 Abraham Maslow nasceu no
Brooklin, Nova York, em 1° de
abril de 1908.
0 Estudou Direito no City College
of New York (CCNY), mas
interessou-se pela
psicologia, curso que faria na
Universidade de
Wisconsin, onde também fez
mestrado e doutorado.
0 No fim dos anos 60, recebeu da
Associação Americana de
Psicologia a honra “Humanista
do ano”. Faleceu em 8 de junho
de 1970, de ataque cardíaco.
Hierarquia das necessidades de Maslow
0 Maslow apresentou uma teoria da motivação, a qual as
necessidades humanas estão organizadas e dispostas em
uma hierarquia de importância e de influenciação;
0 Na base dessa pirâmide estão as menores necessidades e
no topo, as maiores necessidades.
1. Necessidades Fisiológicas;
2. Necessidades de Segurança;
3. Necessidades Sociais;
4. Necessidades de Estima;
5. Necessidades de auto-realização.
Hierarquia das necessidades de Maslow
0 A teoria da hierarquia de necessidades de Maslow se fundamenta
nos seguintes aspectos:
• Um nível mais elevado só surge no comportamento de um
indivíduo, quando o de nível mais baixo está satisfeito;
• Nem todo indivíduo consegue chegar ao topo da pirâmide de
necessidades;
• Quando as necessidades mais baixas não estão satisfeitas, o
indivíduo não consegue avançar para próxima necessidade;
• Cada pessoa possui sempre mais de uma motivação;
• A possibilidade de frustração da satisfação de certas
necessidades passa a ser uma ameaça psicológica.
Hierarquia das necessidades de Maslow
Teoria dos dois fatores de
Herzberg
0 Frederick Herzberg nasceu em
Boston, Massachusetts, no dia 18 de
Abril de 1923.
0 Foi um psicólogo clínico norte-
americano, e foi um dos primeiros
investigadores a tomar em
consideração as opiniões dos
trabalhadores nas pesquisas acerca
das condições de trabalho.
0 Morreu em Salt Lake City, no dia 18
de Janeiro de 2000.
Teoria dos dois fatores de
Herzberg
0 Frederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para
melhor explicar o comportamento das pessoas na área de
trabalho:
• Fatores Higiênicos;
• Fatores Motivacionais.
0 Os fatores higiênicos e motivacionais são independentes,
não se vinculam entre si.
0 O oposto da satisfação profissional, não é a insatisfação,
mas a ausência de satisfação profissional;
0 Também o oposto da insatisfação profissional é a
ausência dela e não a satisfação.
Teoria dos dois fatores de Herzberg
O “enriquecimento de tarefas” ou “enriquecimento do
cargo”
Semelhança entre a Teoria de
Herzberg e a Teoria de Maslow
0 Os fatores higiênicos relacionam-se com as necessidades
primárias de Maslow;
0 Os fatores motivacionais relacionam-se com as
necessidades secundárias.
0 DOUGLAS MCGREGOR Nasceu em
Detroit no ano de 1906, e falecido
em 1964
0 McGregor partilhou as suas ideias
sobre as necessidades do
indivíduo com Maslow e Likert.
0 Psicólogo social especialista em
comportamento
humano, professor de
Harvard, tornou-se famoso pela
sua teoria X (gestão autoritária) e
teoria Y (gestão participativa)
criadas em 1960, sendo citadas na
obra “O lado humano da empresa”.
DOUGLAS MCGREGOR
TEORIA X- A concepção tradicional de
direção e controle
1. O ser humano tem aversão ao
trabalho e o evita sempre que
possível.
TEORIA X- A concepção tradicional de
direção e controle
2. A maioria das pessoas precisa ser
controlada, e ameaçada de punição
para se esforçar pelos objetivos
organizacionais.
TEORIA X- A concepção tradicional de
direção e controle
3. O ser humano prefere ser dirigido, quer evitar
responsabilidades, tem pouca ambição, e quer
garantia acima de tudo
TEORIA Y- Concepção moderna de
gerenciamento
1. O ser humano
comum não
detesta, por
natureza, o trabalho.
TEORIA Y- Concepção moderna de
gerenciamento
2.Não é só através do controle externo e a ameaça de
punição que se estimula o trabalho.
TEORIA Y- Concepção moderna de
gerenciamento
3. Ser humano comum aprende, sob condições
adequadas, não só a aceitar responsabilidades, como
também a procura-las.
TEORIA Y- Concepção moderna de
gerenciamento
4. A imaginação, a engenhosidade e a criatividade na solução
de problemas organizacionais estão presentes na população
mais do que se pensa.
RENSIS LIKERT
0 Nascido nos EUA em 1903
0 Recebeu seu B.A. em Sociologia pela
Universidade de Michigan em 1926, e
Ph.D em psicologia pela Universidade
de Columbia e 1932.
0 Na década de 1960 Likert
desenvolveu quatro sistemas de
gestão, que descreveram a relação, o
envolvimento e funções entre a
direção e os subordinados em
ambientes industriais.
0 Os quatro sistemas são o resultado do
estudo que ele fez com os
supervisores altamente produtivos e
os membros da equipe de uma
companhia de seguros americana.
Sistemas de administração
Concepção Nova
Tradicional da Concepção da
Administração: Administração:
Teoria Teoria
SISTEMA SISTEMA SISTEMA SISTEMA
ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO
1 2 3 4
x Y
Organização comum sistema social
cooperativo
0 Para Barnard, as pessoas não atuam isoladamente, mas
por meio de interações com outras pessoas para
alcançarem seus objetivos
0 As organizações são sistemas sociais baseados na
cooperação entre pessoas
0 Uma organização só existe quando ocorrem três condições:
 Interação entre duas ou mais pessoas
 Desejo e disposição para cooperar
 Finalidade de alcançar um objetivo comum
Organização comum sistema social
cooperativo
0 O desejo de cooperar depende dos
incentivos oferecidos pela organização
0 Cada pessoa precisa alcançar os
objetivos organizacionais (para se
manter ou crescer na organização) e
os objetivos pessoais (para obter
satisfações)
0 A função básica do executivo consiste
em criar condições capazes de
incentivar a coordenação da atividade
organizada
Processo decisório
0 A Teoria das decisões nasceu com
Simon
0 A teoria comportamental concebe
a organização como um sistema de
decisões no qual o indivíduo
participa racional e
conscientemente
0 Todas as pessoas na organização
estão constantemente tomando
decisões relacionadas ou não com o
seu trabalho
0 As teorias anteriores deram muita
importância às ações e nenhuma às
decisões que a provocaram.
Processo decisório
0 Toda decisão envolve seis elementos:
• Tomador de decisão
• Objetivos
• Preferências
• Estratégia
• Situação
• Resultado
0 Decisões programadas são as caracterizadas pela rotina e
repetitividade.
0 Decisões não-programadas são as caracterizadas pela não-
estruturação e, basicamente, pela novidade.
Etapas do processo decisório
Etapas do processo decisório
0 Simon propõe o estudo psicológico das decisões com
base em diversos critérios pressupostos:
0 Racionalidade limitada
0 Imperfeição das decisões
0 Relatividade das decisões
0 Hierarquia das decisões
0 Racionalidade administrativa
0 Influência organizacional
0 Homem administrativo
0 O comportamento administrativo
não procura a melhor
maneira, mas a maneira
satisfatória entre as que
conseguiu para comparar.
0 Considera suas satisfações
contentando-se com o que está ao
seu alcance, mesmo que seja o
mínimo, mas que na situação ou
no momento, representa para ele
o máximo.
Comportamento organizacional
0 É o estudo da dinâmica das organizações e como os
grupos e indivíduos se comportam dentro delas.
0 É uma ciência interdisciplinar.
0 Terá duas teorias:
• Teoria do equilíbrio organizacional;
• Teoria da aceitação de autoridade.
Chester Barnard
0 Nasceu em 1886, faleceu em 1961
0 2 critérios essências para sua
sobrevivência: efetividade e
eficiência.
0 Barnard formulou duas
interessantes teorias: uma sobre
autoridade, e outra sobre
incentivos.
0 Considerava as empresas como
instrumentos mais eficazes para o
progresso social do que o Estado
ou as igrejas.
Chris Argyris
0 Nasceu em 1923.
0 professor de Comportamento
Educacional e Organizacional na
Harvard.
0 Argyris é considerado uma
autoridade mundial na área de
comportamento organizacional.
0 Ele foi o precursor do conceito de
aprendizagem dupla (double-loop
learning).
0 primeiros trabalhos de Argyris
exploravam o impacto de
estruturas organizacionais
formais.
Teoria do equilíbrio organizacional
0 Um sistema que recebe contribuições dos participantes
na forma de dedicação ou trabalho e em troca oferece
incentivos.
0 Conceitos básicos dessa teoria são:
• Incentivos ou aliciantes
• Utilidade dos incentivos
• Contribuições
• Utilidades das contribuições
Teoria da aceitação de autoridade
0Barnard teoria clássica.
0A autoridade não flui de cima para baixo como é vista na
teoria clássica, e sim na aceitação do subordinado
Conflitos entre objetivos organizacionais e
objetivos individuais
0 A colocação de Barnard diz que o indivíduo deve ser eficaz (na
medida em que o seu trabalho consegue atingir objetivos da
organização) e ser eficiente (na medida em que seu trabalho
consegue atingir objetivos pessoais).
0 Chris Argyris diz que a responsabilidade pela integração entre os
objetivos da organização e dos indivíduos recai sobre a
administração.
• Indivíduos buscam salário,lazer,conforto,horário
favorável, oportunidades de crescimento etc.
• A organização busca capital, edifícios, equipamentos, potencial
humano lucratividade e sobretudo oportunidade para se ajustar
a mudanças.
Negociação
0 Para os behavioristas o administrador
trabalha em situação de negociação
• Envolve pelo menos duas partes.
• As partes envolvidas apresentam
conflito de interesses;
• As partes estão temporariamente
unidas sem um tipo de
relacionamento voluntário;
• Esse relacionamento está voltado
para a divisão ou troca de recursos
específicos ou resolução de assuntos
entre as partes;
• A negociação envolve a apresentação
de demandas ou propostas por uma
parte, a sua avaliação pela outra
parte e,em seguida as concessões e
as contra propostas.
Novas Proposições sobre
Liderança
Transacional(Status Quo)
Burns: Liderança
Transformadora(Transforma e renova)
Autoritário Explorador
Likert: Estilos de liderança Autoritário benevolente;
Consultivo;
Participativo.
Estabelecer direção;
John Kotter Alinhar pessoas;
Motivar e inspirar.
Gerência de atenção;
Warren Bennis Gerência do significado;
Gerência da confiança;
Gerência de si próprio.
0 Bennis defende que a liderança é uma habilidade que
pode ser aprendida e desenvolvida;
0 Defendia ainda que o séc. XXI requer líderes e não
gerentes;
Apreciação crítica...
0 Ênfase nas pessoas;
0 Abordagem mais descritiva e menos prescritiva;
0 Profunda reformulação na filosofia administrativa;
0 Dimensões bipolares:
• Análise Teórica x Empírica
• Análise Macro x Micro
• Organização Formal x Informal
• Análise Cognitiva x Afetiva
Apreciação crítica...
0 A Relatividade das Teorias de Motivação;
0 Influência das ciências do comportamento sobre a
Administração;
0 A organização como um sistema de decisões;
0 Análise organizacional a partir do comportamento;
0 Visão tendenciosa.
0 Sejam quais forem as críticas que se façam à Teoria
Comportamental esta deu um novo rumo à Teoria
Geral da Gestão enriquecendo profundamente o seu
conteúdo e a sua abordagem.
Teoria comportamental  slide
Teoria comportamental  slide
Teoria comportamental  slide

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Aula 1   - Gestão de PessoalAula 1   - Gestão de Pessoal
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Rafael Gonçalves
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
Eliseu Fortolan
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
Marcos Alves
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
University
 
Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
AJESM
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
Jose Silvio Damacena Damacena
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
César de Souza
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
Fatima Silva
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Aline Corso
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
Luiz Siles
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
Valéria Fratini
 
Etica e postura profissional
Etica e postura profissionalEtica e postura profissional
Etica e postura profissional
adelynny
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacional
Denise Selegato
 

Mais procurados (20)

Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Aula 1 - Gestão de Pessoal
Aula 1   - Gestão de PessoalAula 1   - Gestão de Pessoal
Aula 1 - Gestão de Pessoal
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
 
Etica e postura profissional
Etica e postura profissionalEtica e postura profissional
Etica e postura profissional
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacional
 

Semelhante a Teoria comportamental slide

Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
guest06f340
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
Antonio Diniz
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamental
Fabiano Augusto
 
Teoria Behaviorismo
Teoria BehaviorismoTeoria Behaviorismo
Teoria Behaviorismo
Adm Unime
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
vitoraugustomb
 
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Cassia da Silva
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
Cursos Profissionalizantes
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
Leon Pires
 
Teoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregorTeoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregor
Chaque Júnior
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
Oswaldo Oliveira Filho
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
Oswaldo Oliveira Filho
 
339
339339
Den
DenDen
119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo
Pelo Siro
 
Aula7
Aula7Aula7
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
RosineiaSantos8
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
RosineiaSantos8
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
ramalho01
 
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7   To Abordagem Comportamental da AdministraçãoAula 7   To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
Angelo Peres
 
Comportamentoorganizacional
ComportamentoorganizacionalComportamentoorganizacional
Comportamentoorganizacional
marioedsonminillo
 

Semelhante a Teoria comportamental slide (20)

Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamental
 
Teoria Behaviorismo
Teoria BehaviorismoTeoria Behaviorismo
Teoria Behaviorismo
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
 
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismoAula rodrigo   estruturalismo - comportamentalismo
Aula rodrigo estruturalismo - comportamentalismo
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 
Teoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregorTeoria X e Y de McGregor
Teoria X e Y de McGregor
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
 
339
339339
339
 
Den
DenDen
Den
 
119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
 
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7   To Abordagem Comportamental da AdministraçãoAula 7   To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
 
Comportamentoorganizacional
ComportamentoorganizacionalComportamentoorganizacional
Comportamentoorganizacional
 

Último

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 

Teoria comportamental slide

  • 2. Origens da Teoria Comportamental 0 Teoria Comportamental ou Teoria Behaviorista da administração veio com um novo conceito: a abordagem das ciências do comportamento; 0 Houve o abandono das posições normativas e prescritivas das teorias anteriores;
  • 3. Origens da Teoria Comportamental 0 Surgiu no final da década de 1940 com uma redefinição total de conceitos administrativos: criticando as teorias anteriores (o behaviorismo não só reformula as abordagens anteriores como desenvolve seu conteúdo e diversifica sua natureza).
  • 4. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 0 A Teoria Comportamental baseia-se no comportamento individual das pessoas, para melhor explicar o comportamento organizacional; 0 Para poder explicar melhor o comportamento humano, é necessário que se estude a sua motivação; 0 Desse modo, um dos temas essenciais da Teoria Comportamental da Administração é a motivação humana.
  • 5. Hierarquia das necessidades de Maslow 0 Abraham Maslow nasceu no Brooklin, Nova York, em 1° de abril de 1908. 0 Estudou Direito no City College of New York (CCNY), mas interessou-se pela psicologia, curso que faria na Universidade de Wisconsin, onde também fez mestrado e doutorado. 0 No fim dos anos 60, recebeu da Associação Americana de Psicologia a honra “Humanista do ano”. Faleceu em 8 de junho de 1970, de ataque cardíaco.
  • 6. Hierarquia das necessidades de Maslow 0 Maslow apresentou uma teoria da motivação, a qual as necessidades humanas estão organizadas e dispostas em uma hierarquia de importância e de influenciação; 0 Na base dessa pirâmide estão as menores necessidades e no topo, as maiores necessidades. 1. Necessidades Fisiológicas; 2. Necessidades de Segurança; 3. Necessidades Sociais; 4. Necessidades de Estima; 5. Necessidades de auto-realização.
  • 8. 0 A teoria da hierarquia de necessidades de Maslow se fundamenta nos seguintes aspectos: • Um nível mais elevado só surge no comportamento de um indivíduo, quando o de nível mais baixo está satisfeito; • Nem todo indivíduo consegue chegar ao topo da pirâmide de necessidades; • Quando as necessidades mais baixas não estão satisfeitas, o indivíduo não consegue avançar para próxima necessidade; • Cada pessoa possui sempre mais de uma motivação; • A possibilidade de frustração da satisfação de certas necessidades passa a ser uma ameaça psicológica. Hierarquia das necessidades de Maslow
  • 9. Teoria dos dois fatores de Herzberg 0 Frederick Herzberg nasceu em Boston, Massachusetts, no dia 18 de Abril de 1923. 0 Foi um psicólogo clínico norte- americano, e foi um dos primeiros investigadores a tomar em consideração as opiniões dos trabalhadores nas pesquisas acerca das condições de trabalho. 0 Morreu em Salt Lake City, no dia 18 de Janeiro de 2000.
  • 10. Teoria dos dois fatores de Herzberg 0 Frederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para melhor explicar o comportamento das pessoas na área de trabalho: • Fatores Higiênicos; • Fatores Motivacionais.
  • 11. 0 Os fatores higiênicos e motivacionais são independentes, não se vinculam entre si. 0 O oposto da satisfação profissional, não é a insatisfação, mas a ausência de satisfação profissional; 0 Também o oposto da insatisfação profissional é a ausência dela e não a satisfação. Teoria dos dois fatores de Herzberg
  • 12. O “enriquecimento de tarefas” ou “enriquecimento do cargo”
  • 13. Semelhança entre a Teoria de Herzberg e a Teoria de Maslow 0 Os fatores higiênicos relacionam-se com as necessidades primárias de Maslow; 0 Os fatores motivacionais relacionam-se com as necessidades secundárias.
  • 14. 0 DOUGLAS MCGREGOR Nasceu em Detroit no ano de 1906, e falecido em 1964 0 McGregor partilhou as suas ideias sobre as necessidades do indivíduo com Maslow e Likert. 0 Psicólogo social especialista em comportamento humano, professor de Harvard, tornou-se famoso pela sua teoria X (gestão autoritária) e teoria Y (gestão participativa) criadas em 1960, sendo citadas na obra “O lado humano da empresa”. DOUGLAS MCGREGOR
  • 15. TEORIA X- A concepção tradicional de direção e controle 1. O ser humano tem aversão ao trabalho e o evita sempre que possível.
  • 16. TEORIA X- A concepção tradicional de direção e controle 2. A maioria das pessoas precisa ser controlada, e ameaçada de punição para se esforçar pelos objetivos organizacionais.
  • 17. TEORIA X- A concepção tradicional de direção e controle 3. O ser humano prefere ser dirigido, quer evitar responsabilidades, tem pouca ambição, e quer garantia acima de tudo
  • 18. TEORIA Y- Concepção moderna de gerenciamento 1. O ser humano comum não detesta, por natureza, o trabalho.
  • 19. TEORIA Y- Concepção moderna de gerenciamento 2.Não é só através do controle externo e a ameaça de punição que se estimula o trabalho.
  • 20. TEORIA Y- Concepção moderna de gerenciamento 3. Ser humano comum aprende, sob condições adequadas, não só a aceitar responsabilidades, como também a procura-las.
  • 21. TEORIA Y- Concepção moderna de gerenciamento 4. A imaginação, a engenhosidade e a criatividade na solução de problemas organizacionais estão presentes na população mais do que se pensa.
  • 22. RENSIS LIKERT 0 Nascido nos EUA em 1903 0 Recebeu seu B.A. em Sociologia pela Universidade de Michigan em 1926, e Ph.D em psicologia pela Universidade de Columbia e 1932. 0 Na década de 1960 Likert desenvolveu quatro sistemas de gestão, que descreveram a relação, o envolvimento e funções entre a direção e os subordinados em ambientes industriais. 0 Os quatro sistemas são o resultado do estudo que ele fez com os supervisores altamente produtivos e os membros da equipe de uma companhia de seguros americana.
  • 24. Concepção Nova Tradicional da Concepção da Administração: Administração: Teoria Teoria SISTEMA SISTEMA SISTEMA SISTEMA ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO ADMINISTRATIVO 1 2 3 4 x Y
  • 25. Organização comum sistema social cooperativo 0 Para Barnard, as pessoas não atuam isoladamente, mas por meio de interações com outras pessoas para alcançarem seus objetivos 0 As organizações são sistemas sociais baseados na cooperação entre pessoas 0 Uma organização só existe quando ocorrem três condições:  Interação entre duas ou mais pessoas  Desejo e disposição para cooperar  Finalidade de alcançar um objetivo comum
  • 26. Organização comum sistema social cooperativo 0 O desejo de cooperar depende dos incentivos oferecidos pela organização 0 Cada pessoa precisa alcançar os objetivos organizacionais (para se manter ou crescer na organização) e os objetivos pessoais (para obter satisfações) 0 A função básica do executivo consiste em criar condições capazes de incentivar a coordenação da atividade organizada
  • 27. Processo decisório 0 A Teoria das decisões nasceu com Simon 0 A teoria comportamental concebe a organização como um sistema de decisões no qual o indivíduo participa racional e conscientemente 0 Todas as pessoas na organização estão constantemente tomando decisões relacionadas ou não com o seu trabalho 0 As teorias anteriores deram muita importância às ações e nenhuma às decisões que a provocaram.
  • 28. Processo decisório 0 Toda decisão envolve seis elementos: • Tomador de decisão • Objetivos • Preferências • Estratégia • Situação • Resultado 0 Decisões programadas são as caracterizadas pela rotina e repetitividade. 0 Decisões não-programadas são as caracterizadas pela não- estruturação e, basicamente, pela novidade.
  • 29. Etapas do processo decisório
  • 30. Etapas do processo decisório 0 Simon propõe o estudo psicológico das decisões com base em diversos critérios pressupostos: 0 Racionalidade limitada 0 Imperfeição das decisões 0 Relatividade das decisões 0 Hierarquia das decisões 0 Racionalidade administrativa 0 Influência organizacional
  • 31.
  • 32. 0 Homem administrativo 0 O comportamento administrativo não procura a melhor maneira, mas a maneira satisfatória entre as que conseguiu para comparar. 0 Considera suas satisfações contentando-se com o que está ao seu alcance, mesmo que seja o mínimo, mas que na situação ou no momento, representa para ele o máximo.
  • 33. Comportamento organizacional 0 É o estudo da dinâmica das organizações e como os grupos e indivíduos se comportam dentro delas. 0 É uma ciência interdisciplinar. 0 Terá duas teorias: • Teoria do equilíbrio organizacional; • Teoria da aceitação de autoridade.
  • 34. Chester Barnard 0 Nasceu em 1886, faleceu em 1961 0 2 critérios essências para sua sobrevivência: efetividade e eficiência. 0 Barnard formulou duas interessantes teorias: uma sobre autoridade, e outra sobre incentivos. 0 Considerava as empresas como instrumentos mais eficazes para o progresso social do que o Estado ou as igrejas.
  • 35. Chris Argyris 0 Nasceu em 1923. 0 professor de Comportamento Educacional e Organizacional na Harvard. 0 Argyris é considerado uma autoridade mundial na área de comportamento organizacional. 0 Ele foi o precursor do conceito de aprendizagem dupla (double-loop learning). 0 primeiros trabalhos de Argyris exploravam o impacto de estruturas organizacionais formais.
  • 36. Teoria do equilíbrio organizacional 0 Um sistema que recebe contribuições dos participantes na forma de dedicação ou trabalho e em troca oferece incentivos. 0 Conceitos básicos dessa teoria são: • Incentivos ou aliciantes • Utilidade dos incentivos • Contribuições • Utilidades das contribuições
  • 37.
  • 38. Teoria da aceitação de autoridade 0Barnard teoria clássica. 0A autoridade não flui de cima para baixo como é vista na teoria clássica, e sim na aceitação do subordinado
  • 39. Conflitos entre objetivos organizacionais e objetivos individuais 0 A colocação de Barnard diz que o indivíduo deve ser eficaz (na medida em que o seu trabalho consegue atingir objetivos da organização) e ser eficiente (na medida em que seu trabalho consegue atingir objetivos pessoais). 0 Chris Argyris diz que a responsabilidade pela integração entre os objetivos da organização e dos indivíduos recai sobre a administração. • Indivíduos buscam salário,lazer,conforto,horário favorável, oportunidades de crescimento etc. • A organização busca capital, edifícios, equipamentos, potencial humano lucratividade e sobretudo oportunidade para se ajustar a mudanças.
  • 40. Negociação 0 Para os behavioristas o administrador trabalha em situação de negociação • Envolve pelo menos duas partes. • As partes envolvidas apresentam conflito de interesses; • As partes estão temporariamente unidas sem um tipo de relacionamento voluntário; • Esse relacionamento está voltado para a divisão ou troca de recursos específicos ou resolução de assuntos entre as partes; • A negociação envolve a apresentação de demandas ou propostas por uma parte, a sua avaliação pela outra parte e,em seguida as concessões e as contra propostas.
  • 41. Novas Proposições sobre Liderança Transacional(Status Quo) Burns: Liderança Transformadora(Transforma e renova)
  • 42. Autoritário Explorador Likert: Estilos de liderança Autoritário benevolente; Consultivo; Participativo.
  • 43. Estabelecer direção; John Kotter Alinhar pessoas; Motivar e inspirar. Gerência de atenção; Warren Bennis Gerência do significado; Gerência da confiança; Gerência de si próprio.
  • 44. 0 Bennis defende que a liderança é uma habilidade que pode ser aprendida e desenvolvida; 0 Defendia ainda que o séc. XXI requer líderes e não gerentes;
  • 45. Apreciação crítica... 0 Ênfase nas pessoas; 0 Abordagem mais descritiva e menos prescritiva; 0 Profunda reformulação na filosofia administrativa; 0 Dimensões bipolares: • Análise Teórica x Empírica • Análise Macro x Micro • Organização Formal x Informal • Análise Cognitiva x Afetiva
  • 46. Apreciação crítica... 0 A Relatividade das Teorias de Motivação; 0 Influência das ciências do comportamento sobre a Administração; 0 A organização como um sistema de decisões; 0 Análise organizacional a partir do comportamento; 0 Visão tendenciosa.
  • 47. 0 Sejam quais forem as críticas que se façam à Teoria Comportamental esta deu um novo rumo à Teoria Geral da Gestão enriquecendo profundamente o seu conteúdo e a sua abordagem.