SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Leonardo Rocha   1
Abordagem Humanística ocorre com o aparecimento da
Teoria das Relações Humanas, nos EUA, a partir da década
de 1930.

Surgiu graças ao desenvolvimento das ciências sociais, notadamente
da Psicologia e, em particular, a Psicologia do Trabalho, que por sua
vez, desenvolveu-se em duas etapas:



1. A análise do trabalho ;
2. A adaptação do trabalhador ao trabalho e vice
versa.
                                                                        2
3
ELTON GEORGE MAYO
•   O trabalho é uma atividade tipicamente grupal.

•   O operário não reage como indivíduo isolado,
    mas como membro de um grupo social.

•   A tarefa básica da Administração é formar uma
    elite capaz de compreender e de comunicar ...

•   O ser humano é motivado pela necessidade de
    “estar junto”, de “ser reconhecido”, de receber
    adequada comunicação.

•   A civilização industrializada traz como
    consequência a desintegração dos grupos
    primários da sociedade ...


                                                      4
A TRH mostra o esmagamento do homem pelo impetuoso desenvolvimento da civilização industrializada.
A civilização baseada na industrialização e na tecnologia trouxe sérios problemas humanos, sociais e
políticos, e Elton Mayo dedicou três livros a esses problemas.
A cooperação humana não é o resultado das determinações legais ou da lógica organizacional.
EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE




                           6
“ Tinha por objetivo inicial estudar a fadiga, os acidentes, a rotação do pessoal (turnover) e o
efeito das condições físicas de trabalho sobre a produtividade dos empregados.
           Na primeira fase se pretendia confirmar a influência da iluminação sobre o
desempenho dos operários. Os observadores não encontraram correlação direta entre as
variáveis, não havendo comprovação do objetivo inicial, e sim a preponderância do fator
psicológico ao fisiológico.
           Na segunda fase ocorreu o desenvolvimento dos seguintes campos: social, gerado
pelo trabalho em equipe; e de liderança, gerado pelos objetivos comuns. As condições da sala
experimental permitia que se trabalhasse com liberdade e menor ansiedade: supervisão branda
(sem temor ao supervisor, desempenhando um papel mais para orientador), ambiente amistoso
e sem pressões, proporcionando um desenvolvimento social e a integração do grupo entre si.
           Seguiu-se a terceira fase, na qual foi verificada, por meio do Programa de Entrevistas
que compreendia entrevistas com os empregados para conhecer suas opiniões e sentimentos,
onde foi constatado a existência de uma organização informal de operários, em que existia
lealdade e liderança de certos funcionários em relação ao grupo. A punição não era formalizada,
mas aplicada pelo grupo ao membro.
            Por fim, veio à quarta fase, tendo como foco de observação a igualdade de
sentimentos entre os membros do grupo e a relação de organização formal e informal, que
tinha por finalidade a proteção contra o que o grupo considerava ameaças da Administração”

                                                                                                    7
CONCLUSÕES           DA EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE

•   O nível de produção é resultante da integração social
          normas sociais e expectativas grupais
•   O comportamento do individuo se apóia totalmente no grupo
         comportamento social dos empregados.
•   O comportamento dos trabalhadores está condicionado a normas sociais
         recompensas e sanções sociais.
•   As pessoas participam de grupos e mantêm uma constante interação social
                             relações humanas.
•   Os grupos definem suas regras d comportamentos, valores sociais e crenças
    Grupos Informais.
•   A especialização não é a maneira mais eficiente de divisão de trabalho
    importância do conteúdo do cargo.
•   O elementos emocionais não planejados e irracionais do comportamento
    ênfase nos aspectos emocionais.
                                                                                8
ORGANIZAÇÕES INFORMAIS

“O agregado de contatos e interações pessoais e o
agrupamento de pessoas associadas, que pode ser
estabelecido entre duas ou mais pessoas. Pode se dar de
forma hostil ou amigável, acidental ou incidental”


                        1.   Existência inerente à qualquer estrutura
                        2.   A necessidade de pertencer a um grupo
                                               3.   Propósito comum


                                                                        9
As Funções Básicas da Organização

Produzir bens e
serviços




                          Dar satisfação a seus
                          funcionários e clientes
A Civilização Industrializada e o Homem
               “A Teoria das Relações Humanas preocupou-se intensamente com o
               esmagamento do homem pelo impetuoso desenvolvimento da
               civilização industrializada.

               Mayo salienta que, enquanto a eficiência material aumentou
               poderosamente nos últimos duzentos anos, a capacidade humana para o
               trabalho colectivo não manteve o mesmo ritmo de desenvolvimento.
Preocupações
               O que deve haver é uma nova concepção das relações humanas no
               trabalho.

               Como resultado da Experiência de Hawthorne, verificou-se que a
               colaboração na sociedade industrializada não pode ser entregue ao
               acaso, enquanto se cuida apenas dos aspectos materiais e tecnológicos
               do progresso humano.

               “Os métodos de trabalho tendem todos para a eficiência, nenhum para a
               cooperação…surge o conflito social nessa sociedade industrial: a
               incompatibilidade entre os objectivos organizacionais da empresa e os
               objectivos pessoais dos empregados…As relações humanas e cooperação
               constituem a chave para evitar o conflito social.”

               "O conflito é uma chaga social, a cooperação é o bem-estar social.“
                                                                                       11
O homem Social
                 nova concepção sobre a natureza do homem:

O homem é motivado, não por estímulos económicos ou salariais (homo
economicus), mas por recompensas sociais, simbólicas e não materiais.
O Homem Social




                 13
TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS



•   MOTIVAÇÃO
•   ORGANIZAÇÃO INFORMAL
•   DINÂMICA DE GRUPO
•   COMUNICAÇÃO
•   LIDERANÇA
Motivação no comportamento humano
      Teoria de Campo de Lewin
 o comportamento humano é derivado da totalidade de factos coexistentes
 esses factos coexistentes têm um carácter de um campo dinâmico, no qual
 cada parte do campo depende de uma inter-relação com as demais partes



   C = f (P,M)
comportamento (C) é função (f) ou resultado da interacção entre a pessoa (P) e o meio ambiente (M) que a rodeia.




 MOTIVAÇÃO são forças conscientes ou inconscientes que levam
 um indivíduo a um determinado comportamento. No caso da motivação, é o
 comportamento que é causado por necessidades dentro do individuo e que é dirigido aos
 objetivos que podem satisfazer essas necessidades.
As necessidades humanas básicas
 Ao longo da vida o homem evolui por 3 níveis ou estágios do motivação:


 Necessidades   fisiológicas
 Necessidades vitais ou vegetativas relacionadas com a sobrevivência do individuo, inatas e instintivas, comuns
 aos animais. Exigem satisfação periódica e cíclica.



 Necessidades   psicológicas
 Exclusivas do homem, aprendidas e adquiridas no decorrer da vida. São raramente satisfeitas na sua plenitude e
 com o passar do tempo vão desenvolvendo-se e sofisticando-se (segurança intima, autoconfiança, afeição).



 Necessidades de   auto realização
 São produto da educação e da cultura. São a síntese de todas as outras necessidades, é o impulso de cada um
 realizar o seu próprio potencial, continuo auto-desenvolvimento no sentido mais elevado.
Ciclo motivacional

Desorganização do comportamento,
Agressividade,
Reações emocionais,
Alienação,
Apatia.


      frustração


                    E IRA
              RR
           BA
Moral e suas atitudes
                                                     Fanatismo      Moral elevado
O moral é uma consequência do grau de
                                                       Euforia
                                                  Atitudes positivas
Satisfação das necessidades individuais.              Satisfação
                                                     Optimismo
                                                     cooperação
É um conceito abstrato, porém perceptível.
                                                       Coesão
                                               Aceitação dos objectivos

Uma atitude mental provocada pela satisfação        Boa vontade
ou não das necessidades dos indivíduos.             Identificação
                                                  Atitudes negativas
                                                     Insatisfação
                                                     Pessimismo
                                                  Oposição negação
                                               Rejeição dos objectivos
                                               Má vontade resistência
                                                      Dispersão
                                                      Agressão
                                                                    Moral baixo
CRÍTICAS À TRH
Após o domínio da Teoria das Relações humanas por cerca de mais de uma década, ao final dos anos
50, entrou em declínio, passando a ser intensamente criticada, a tal ponto que suas concepções
passaram a ser profundamente revistas e alteradas. Citamos a seguir as principais críticas à teoria:


• Oposição cerrada à Teoria Clássica
• Inadequada visualização dos problemas das relações industriais
• Concepção ingénua e romântica do operário
• Limitação do campo experimental
• Parcialidade das conclusões
• Ênfase nos grupos informais
• Enfoque manipulativo das relações humanas
Outras críticas
                               Ambiente de pesquisa: fábrica (administração
                                                                                  Manipulação
                               Cientifica), ficando de parte os ambientes
                                                                                Apresenta uma
                               como os bancos, hospitais, universidades…         tendência de
                                                                              favorecer a Gestão
Empirismo radical                                                             em detrimento dos
                                                                                trabalhadores



      Investigou a indústria
      com a exclusão quase                                                       Ignora a teoria e
        completa do seu                                                        exalta o empirismo, a
       background social.                                                         observação e a
                                                                               descoberta de dados.



     Enfatizou os aspectos
     informais da
     organização passando
     os aspectos formais                                                      Restringe-se á área
     para um nível bastante                                                   operacional, deixando
     inferior.                                                                de lado as outras áreas
                                                                              da empresa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalho
Hugo Cordeiro
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
Letícia Vilela de Aquino
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
Mara Izidoro
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
Jose Silvio Damacena Damacena
 
Abordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações HumanasAbordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações Humanas
George Maia
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Rosario Cação
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
carlossono
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
Hélia
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
Marcelo Vianello
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
Fatima Silva
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
Marcos Alves
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Benjamim Garcia Netto
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais procurados (20)

Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalho
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
 
Relações humanas
Relações humanasRelações humanas
Relações humanas
 
Abordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações HumanasAbordagem das Relações Humanas
Abordagem das Relações Humanas
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
Gestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- IntroduçãoGestão de Pessoas- Introdução
Gestão de Pessoas- Introdução
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 

Destaque

Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula VeraTeoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
edgarklein
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
Debora Miceli
 
Teoria das relações humanas e comportamental
Teoria das relações humanas e comportamentalTeoria das relações humanas e comportamental
Teoria das relações humanas e comportamental
Thales Guimaraes
 
A Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações HumanasA Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações Humanas
henrique42
 
Relações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No TrabalhoRelações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No Trabalho
Thiago de Almeida
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
lupajero
 
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro socialPsicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
Ivan Celio
 
Relações humanas na sala de aula
Relações humanas na sala de aulaRelações humanas na sala de aula
Relações humanas na sala de aula
Alexey Carvalho
 
Resenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações HumanasResenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações Humanas
admetz01
 
Psicologia das relações humanas slides aula 1
Psicologia das relações humanas slides aula 1Psicologia das relações humanas slides aula 1
Psicologia das relações humanas slides aula 1
souzacamila
 
Teoria das relaçoes humanas
Teoria das relaçoes humanasTeoria das relaçoes humanas
Teoria das relaçoes humanas
Karol Cantuaria
 
Experiência de hawthorne
Experiência de hawthorneExperiência de hawthorne
Experiência de hawthorne
marilia.leo
 
Escola das relações humanas mayo (2)
Escola das relações humanas   mayo (2)Escola das relações humanas   mayo (2)
Escola das relações humanas mayo (2)
RafaelaLemosGaspar
 
Georges Elton Mayo
Georges Elton MayoGeorges Elton Mayo
Georges Elton Mayo
Patty Coelho
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Abordagem social
Abordagem socialAbordagem social
Abordagem social
Luciana Lopes
 
Apostila teorias da administração
Apostila teorias da administraçãoApostila teorias da administração
Apostila teorias da administração
Luiz Cláudio Machado Silva
 
RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1
guestaaea96
 

Destaque (20)

Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula VeraTeoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
Teoria Das RelaçõEs Humanas.Ppt Aula Vera
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
 
Teoria das relações humanas e comportamental
Teoria das relações humanas e comportamentalTeoria das relações humanas e comportamental
Teoria das relações humanas e comportamental
 
A Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações HumanasA Escola das Relações Humanas
A Escola das Relações Humanas
 
Relações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No TrabalhoRelações Humanas No Trabalho
Relações Humanas No Trabalho
 
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas DanielTeoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
Teoria Das RelaçõEs Humanas Daniel
 
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro socialPsicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
Psicologia aplicada à segurança do trabalho econtro social
 
Relações humanas na sala de aula
Relações humanas na sala de aulaRelações humanas na sala de aula
Relações humanas na sala de aula
 
Resenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações HumanasResenha: Teoria das Relações Humanas
Resenha: Teoria das Relações Humanas
 
Psicologia das relações humanas slides aula 1
Psicologia das relações humanas slides aula 1Psicologia das relações humanas slides aula 1
Psicologia das relações humanas slides aula 1
 
Teoria das relaçoes humanas
Teoria das relaçoes humanasTeoria das relaçoes humanas
Teoria das relaçoes humanas
 
Experiência de hawthorne
Experiência de hawthorneExperiência de hawthorne
Experiência de hawthorne
 
Escola das relações humanas mayo (2)
Escola das relações humanas   mayo (2)Escola das relações humanas   mayo (2)
Escola das relações humanas mayo (2)
 
Georges Elton Mayo
Georges Elton MayoGeorges Elton Mayo
Georges Elton Mayo
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Abordagem social
Abordagem socialAbordagem social
Abordagem social
 
Apostila teorias da administração
Apostila teorias da administraçãoApostila teorias da administração
Apostila teorias da administração
 
RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1RelaçOes Humanas V2.1
RelaçOes Humanas V2.1
 

Semelhante a Aula 5 - Teoria das Relações Humanas

12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
Cursos Profissionalizantes
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
guestf9582a
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Deomari Fragoso
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Tania Montandon
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
robsonnasc
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
Mariana Rezende
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Marcus Vinícius Machado
 
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Adriely Negrine Azevedo
 
Motivacao (1)
Motivacao (1)Motivacao (1)
Motivacao (1)
Julyana Carvalho
 
Caderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacionalCaderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacional
Cadernos PPT
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
Andreecm
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
digosdigos
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
Juliana Baino
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
carlossono
 

Semelhante a Aula 5 - Teoria das Relações Humanas (20)

12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Apresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valoresApresentação personalidade e valores
Apresentação personalidade e valores
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
 
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
 
Motivacao (1)
Motivacao (1)Motivacao (1)
Motivacao (1)
 
Caderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacionalCaderno - Comportamento organizacional
Caderno - Comportamento organizacional
 
Sessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d plSessao 1 pso ecm d pl
Sessao 1 pso ecm d pl
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
 
Modulo3
Modulo3Modulo3
Modulo3
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
Prof. Leonardo Rocha
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 2 introdução à tga - parte 2
Aula 2   introdução à tga - parte 2Aula 2   introdução à tga - parte 2
Aula 2 introdução à tga - parte 2
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Portfólio empresarial modelo
Portfólio empresarial   modeloPortfólio empresarial   modelo
Portfólio empresarial modelo
 
Aula 2 introdução à tga - parte 2
Aula 2   introdução à tga - parte 2Aula 2   introdução à tga - parte 2
Aula 2 introdução à tga - parte 2
 

Aula 5 - Teoria das Relações Humanas

  • 2. Abordagem Humanística ocorre com o aparecimento da Teoria das Relações Humanas, nos EUA, a partir da década de 1930. Surgiu graças ao desenvolvimento das ciências sociais, notadamente da Psicologia e, em particular, a Psicologia do Trabalho, que por sua vez, desenvolveu-se em duas etapas: 1. A análise do trabalho ; 2. A adaptação do trabalhador ao trabalho e vice versa. 2
  • 3. 3
  • 4. ELTON GEORGE MAYO • O trabalho é uma atividade tipicamente grupal. • O operário não reage como indivíduo isolado, mas como membro de um grupo social. • A tarefa básica da Administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar ... • O ser humano é motivado pela necessidade de “estar junto”, de “ser reconhecido”, de receber adequada comunicação. • A civilização industrializada traz como consequência a desintegração dos grupos primários da sociedade ... 4
  • 5. A TRH mostra o esmagamento do homem pelo impetuoso desenvolvimento da civilização industrializada. A civilização baseada na industrialização e na tecnologia trouxe sérios problemas humanos, sociais e políticos, e Elton Mayo dedicou três livros a esses problemas. A cooperação humana não é o resultado das determinações legais ou da lógica organizacional.
  • 7. “ Tinha por objetivo inicial estudar a fadiga, os acidentes, a rotação do pessoal (turnover) e o efeito das condições físicas de trabalho sobre a produtividade dos empregados. Na primeira fase se pretendia confirmar a influência da iluminação sobre o desempenho dos operários. Os observadores não encontraram correlação direta entre as variáveis, não havendo comprovação do objetivo inicial, e sim a preponderância do fator psicológico ao fisiológico. Na segunda fase ocorreu o desenvolvimento dos seguintes campos: social, gerado pelo trabalho em equipe; e de liderança, gerado pelos objetivos comuns. As condições da sala experimental permitia que se trabalhasse com liberdade e menor ansiedade: supervisão branda (sem temor ao supervisor, desempenhando um papel mais para orientador), ambiente amistoso e sem pressões, proporcionando um desenvolvimento social e a integração do grupo entre si. Seguiu-se a terceira fase, na qual foi verificada, por meio do Programa de Entrevistas que compreendia entrevistas com os empregados para conhecer suas opiniões e sentimentos, onde foi constatado a existência de uma organização informal de operários, em que existia lealdade e liderança de certos funcionários em relação ao grupo. A punição não era formalizada, mas aplicada pelo grupo ao membro. Por fim, veio à quarta fase, tendo como foco de observação a igualdade de sentimentos entre os membros do grupo e a relação de organização formal e informal, que tinha por finalidade a proteção contra o que o grupo considerava ameaças da Administração” 7
  • 8. CONCLUSÕES DA EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE • O nível de produção é resultante da integração social normas sociais e expectativas grupais • O comportamento do individuo se apóia totalmente no grupo comportamento social dos empregados. • O comportamento dos trabalhadores está condicionado a normas sociais recompensas e sanções sociais. • As pessoas participam de grupos e mantêm uma constante interação social relações humanas. • Os grupos definem suas regras d comportamentos, valores sociais e crenças Grupos Informais. • A especialização não é a maneira mais eficiente de divisão de trabalho importância do conteúdo do cargo. • O elementos emocionais não planejados e irracionais do comportamento ênfase nos aspectos emocionais. 8
  • 9. ORGANIZAÇÕES INFORMAIS “O agregado de contatos e interações pessoais e o agrupamento de pessoas associadas, que pode ser estabelecido entre duas ou mais pessoas. Pode se dar de forma hostil ou amigável, acidental ou incidental” 1. Existência inerente à qualquer estrutura 2. A necessidade de pertencer a um grupo 3. Propósito comum 9
  • 10. As Funções Básicas da Organização Produzir bens e serviços Dar satisfação a seus funcionários e clientes
  • 11. A Civilização Industrializada e o Homem “A Teoria das Relações Humanas preocupou-se intensamente com o esmagamento do homem pelo impetuoso desenvolvimento da civilização industrializada. Mayo salienta que, enquanto a eficiência material aumentou poderosamente nos últimos duzentos anos, a capacidade humana para o trabalho colectivo não manteve o mesmo ritmo de desenvolvimento. Preocupações O que deve haver é uma nova concepção das relações humanas no trabalho. Como resultado da Experiência de Hawthorne, verificou-se que a colaboração na sociedade industrializada não pode ser entregue ao acaso, enquanto se cuida apenas dos aspectos materiais e tecnológicos do progresso humano. “Os métodos de trabalho tendem todos para a eficiência, nenhum para a cooperação…surge o conflito social nessa sociedade industrial: a incompatibilidade entre os objectivos organizacionais da empresa e os objectivos pessoais dos empregados…As relações humanas e cooperação constituem a chave para evitar o conflito social.” "O conflito é uma chaga social, a cooperação é o bem-estar social.“ 11
  • 12. O homem Social nova concepção sobre a natureza do homem: O homem é motivado, não por estímulos económicos ou salariais (homo economicus), mas por recompensas sociais, simbólicas e não materiais.
  • 14. TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS • MOTIVAÇÃO • ORGANIZAÇÃO INFORMAL • DINÂMICA DE GRUPO • COMUNICAÇÃO • LIDERANÇA
  • 15. Motivação no comportamento humano Teoria de Campo de Lewin o comportamento humano é derivado da totalidade de factos coexistentes esses factos coexistentes têm um carácter de um campo dinâmico, no qual cada parte do campo depende de uma inter-relação com as demais partes C = f (P,M) comportamento (C) é função (f) ou resultado da interacção entre a pessoa (P) e o meio ambiente (M) que a rodeia. MOTIVAÇÃO são forças conscientes ou inconscientes que levam um indivíduo a um determinado comportamento. No caso da motivação, é o comportamento que é causado por necessidades dentro do individuo e que é dirigido aos objetivos que podem satisfazer essas necessidades.
  • 16. As necessidades humanas básicas Ao longo da vida o homem evolui por 3 níveis ou estágios do motivação: Necessidades fisiológicas Necessidades vitais ou vegetativas relacionadas com a sobrevivência do individuo, inatas e instintivas, comuns aos animais. Exigem satisfação periódica e cíclica. Necessidades psicológicas Exclusivas do homem, aprendidas e adquiridas no decorrer da vida. São raramente satisfeitas na sua plenitude e com o passar do tempo vão desenvolvendo-se e sofisticando-se (segurança intima, autoconfiança, afeição). Necessidades de auto realização São produto da educação e da cultura. São a síntese de todas as outras necessidades, é o impulso de cada um realizar o seu próprio potencial, continuo auto-desenvolvimento no sentido mais elevado.
  • 17. Ciclo motivacional Desorganização do comportamento, Agressividade, Reações emocionais, Alienação, Apatia. frustração E IRA RR BA
  • 18. Moral e suas atitudes Fanatismo Moral elevado O moral é uma consequência do grau de Euforia Atitudes positivas Satisfação das necessidades individuais. Satisfação Optimismo cooperação É um conceito abstrato, porém perceptível. Coesão Aceitação dos objectivos Uma atitude mental provocada pela satisfação Boa vontade ou não das necessidades dos indivíduos. Identificação Atitudes negativas Insatisfação Pessimismo Oposição negação Rejeição dos objectivos Má vontade resistência Dispersão Agressão Moral baixo
  • 19. CRÍTICAS À TRH Após o domínio da Teoria das Relações humanas por cerca de mais de uma década, ao final dos anos 50, entrou em declínio, passando a ser intensamente criticada, a tal ponto que suas concepções passaram a ser profundamente revistas e alteradas. Citamos a seguir as principais críticas à teoria: • Oposição cerrada à Teoria Clássica • Inadequada visualização dos problemas das relações industriais • Concepção ingénua e romântica do operário • Limitação do campo experimental • Parcialidade das conclusões • Ênfase nos grupos informais • Enfoque manipulativo das relações humanas
  • 20. Outras críticas Ambiente de pesquisa: fábrica (administração Manipulação Cientifica), ficando de parte os ambientes Apresenta uma como os bancos, hospitais, universidades… tendência de favorecer a Gestão Empirismo radical em detrimento dos trabalhadores Investigou a indústria com a exclusão quase Ignora a teoria e completa do seu exalta o empirismo, a background social. observação e a descoberta de dados. Enfatizou os aspectos informais da organização passando os aspectos formais Restringe-se á área para um nível bastante operacional, deixando inferior. de lado as outras áreas da empresa.