SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria geral da Administração  Prof. Leonardo rocha
 
Administração  Científica  ÊNFASE NAS  TAREFAS “ A TEORIA DA MÁQUINA”
Frederick Winslow Taylor  (1856/1915) Frederick Winslow Taylor iniciou a sua carreira na companhia de aço Midvale Steel Works como  operário , tornando-se mais tarde  engenheiro-chefe . Foi  consultor   na Bethlehem Steel Works de Pittsburgh, onde realizou as suas famosas experiências.  A máxima de Taylor era de que  só havia uma melhor maneira de desempenhar uma tarefa , pelo que cabe aos gestores fazerem a supervisão do trabalho, recompensando ou punindo as pessoas de acordo com o seu desempenho.  Taylor foi o precursor do estudo da Administração como Ciência.
1880 – Midvale Steel Company
Fatos
A OBRA  DE  TAYLOR .  “Arrumando o chão de Fábrica” PRIMEIRO PERIODO DE TAYLOR. Corresponde à época da publicação de seu livro  Shop Managemant  (administração de Oficinas). Nesta obra mostra as técnicas de racionalização do trabalho do operário por meio do Estudo de Tempos e Movimentos.  Taylor diz que o  Objetivo da Administração/Chefia  é: 1. Pagar salários melhores e reduzir custos unitários de produção; 2. Aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos; 3. Selecionar cientificamente os trabalhadores  “O homem certo para a função certa” 4. Treinar os trabalhadores para que haja uma única maneira de fazer a coisas.  “The one best way” 5. Estabelecer um ambiente psicológico de cooperação entre administração e trabalhador.
[object Object],[object Object],[object Object],IDÉIAS BÁSICAS
PRINCÍPIO DE  PLANEJAMENTO substituição de métodos empíricos por procedimentos científicos – sai de cena o improviso e o julgamento individual, o trabalho deve ser planejado e testado, seus movimentos decompostos a fim de reduzir e racionalizar sua execução. PRINCÍPIO DE  PREPARO DOS TRABALHADORES selecionar os operários de acordo com as suas aptidões e então prepará-los e treiná-los para produzirem mais e melhor, de acordo com o método planejado para que atinjam a meta estabelecida. PRINCÍPIO DE  CONTROLE   controlar o desenvolvimento do trabalho para se certificar de que está sendo realizado de acordo com a metodologia estabelecida e dentro da meta. PRINCÍPIO DA  EXECUÇÃO   distribuir as atribuições e responsabilidades para que o trabalho seja o mais disciplinado possível. 4 PRINCÍPIOS
MODELO
O ponto de partida dos estudos de Taylor foi o  O MÉTODO CARTESIANO  *  de René Descartes como base da aplicação dos princípios tecnológicos de sua época ao trabalho manual.  Verificar   se existem evidências reais e indubitáveis acerca do fenômeno ou coisa estudada;    Analisar   suas unidades de composição, fundamentais, e estudar a fundo cada elemento;    Sintetizar ou seja, agrupar novamente as unidades estudadas em um todo verdadeiro;    Enumerar   todas as conclusões e princípios utilizados, a fim de manter a ordem do pensamento.  O  método cartesiano : Duvida-se de cada ideia que pode ser duvidada. Só se pode dizer que existe aquilo que possa ser provado.
SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR - 1911 Este período corresponde a publicação do seu Livro  Princípios de Administração Científica  ,  quando concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser acompanhada de uma estruturação geral da empresa e que tornasse coerente a aplicação dos seus princípios. Para Taylor, as industrias de sua época padeciam de três males: 1. Vadiagem sistemática dos operários;   a) O engano disseminado entre os trabalhadores, de que o maior rendimento do homem e da máquina provoca  desemprego;   b)  O sistema defeituoso da administração que força os operários à ociosidade no trabalho a fim de proteger  seus interesses;   c)  Os métodos empíricos ineficientes utilizados nas empresas, com os quais o operário desperdiça grande parte de seu esforço e tempo;
2. Desconhecimento, pela gerencia, das rotinas de trabalho e    do tempo necessários para sua realização; Segundo Taylor a Administração Científica é uma evolução e não uma teoria, tendo como ingrediente 75% de análise e 25% de bom senso. 3. Falta de uniformidade das técnicas e métodos de trabalho; Apesar de sua atitude pessimista a respeito da natureza humana, já que considerava o operário como “irresponsável”, “vadio” e “negligente”, Taylor se preocupou em criar um  sistema baseado na intensificação do ritmo de trabalho em busca da eficiência empresarial.
ADMINISTRACAO COMO CIÊNCIA  “Primeiros estudos” Para Taylor, a improvisação deve ceder lugar ao planejamento e o empirismo à Ciência.  Ou seja, usar a razão .   A idéia de substituir métodos empíricos e rudimentares pelos métodos científicos recebeu o nome de    ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO  (ORT ). A ORT se fundamenta em :  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
Vantagens  do estudo dos Tempos e Movimentos a)  Elimina movimentos inúteis e os substitui por outros; b)  Racionaliza a seleção e treinamento do pessoal; c)  Melhora a eficiência do operário e o rendimento da produção; d) Distribui uniformemente o trabalho, para que não haja  períodos de falta ou excesso de trabalho; e) Oferece base uniforme para salários eqüitativos e prêmios de  produção;
Objetivos  do estudo dos Tempos e Movimentos 1. Eliminação de todo o desperdício de esforço humano; 2. Adaptação dos operários à tarefa; 3. Adequar os trabalhadores ao que deve ser feito, através de treinamentos ; 4. Maior especialização de atividades; 5. Estabelecimento de normas detalhadas de execução do  trabalho.
DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALIZAÇÃO DO OPERÁRIO. Uma das decorrências do estudo dos tempos e movimentos foi a divisão do trabalho e a especialização do operário a fim de elevar sua produtividade.  Um operário  Vários operários  Vários operários desempenha  desempenham  em  desempenham a tarefa total  paralelo partes da  suas atividades  tarefa.  Uma após o outro
DESENHO DE CARGOS E TAREFAS. Tarefa  é toda atividade executada por uma pessoa no seu trabalho dentro da organização.  Desenhar um cargo é  especificar seu conteúdo (tarefas),os métodos de executar as tarefas e as relações com os demais cargos existentes . Vantagens: a) admissão de empregados com qualificações mínimas e salários  menores,reduzindo os custos de produção. b) minimização dos custos de treinamento; c) redução de erros na execução,diminuindo os refugos e rejeições; d) facilidade de supervisão; e) aumento da eficiência do trabalhador;
CONDIÇÕES DE TRABALHO. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PADRONIZAÇãO Padrão é uma unidade de medida adotada e aceita comumente como critério.  A organização racional do trabalho foi mais além e passou a se preocupar com a  padronização dos métodos e processos de trabalho. Padronização do que?  Das maquinas e equipamentos, ferramentas e instrumentos de trabalho, matérias-primas e componentes e principalmente o método de trabalho. O intuito é de se  reduzir a variabilidade e a diversidade no processo produtivo  e daí,  eliminar o desperdício e aumentar a eficiência.
Taylor adotou um sistema de controle operacional simples e baseado na verificação das exceções. Ou seja, Taylor se preocupava somente com os  resultados que saiam  fora   dos padrões esperados , para corrigi-los.  Assim, este princípio é um sistema de informação que apresenta dados somente quando os resultados efetivamente verificados na prática  divergem ou se distanciam dos resultados previstos  em algum programa. O  administrador deve prioritariamente  verificar as ocorrências que se afastem dos padrões , ou seja, as  exceções , para que sejam corrigidas. princípio DA  EXCEÇÃO.
SUPERVISÃO FUNCIONAL ,[object Object],[object Object],[object Object]
ESTUDO DA FADIGA HUMANA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Frank B. Gilbreth  e sua esposa Lilian E. Gilbreth “Todo o trabalho pode ser reduzido a movimentos elementares, o  therblig  ( anagrama de Gilbreth )”
CONCEITO DE HOMO ECONOMICUS A Administração científica baseou-se no conceito de  homo economicus , isto é, do homem econômico. Segundo este conceito, toda pessoa é concebida como  influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais. Desta forma, explica-se a intenção de Taylor em instituir  incentivos salariais e prêmios por produção
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],SEGUIDORES DE TAYLOR
SEGUIDORES DE TAYLOR ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CRÍTICAS AO TAYLORISMO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],TO-02
Tarefa do conteúdo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
edgarklein
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
Jose Angelo Ferreira
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
Debora Miceli
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
icbianchi
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Gustavo Zimmermann
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão de Pessoas
Gestão de PessoasGestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Luis Cunha
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
Isabella Couto Reis
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria Clássica de Fayol
Teoria Clássica de FayolTeoria Clássica de Fayol
Teoria Clássica de Fayol
Julyana Ju
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
Emma Baltazar
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
Letícia Vilela de Aquino
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm
Jean Leão
 
Introdução a gestão
Introdução a gestãoIntrodução a gestão
Introdução a gestão
UNIMETRO
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
UFMT Universidade Federal de Mato Grosso
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Franciéle Garcês
 

Mais procurados (20)

Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Aula 2.2 administração cientifica
Aula 2.2  administração cientificaAula 2.2  administração cientifica
Aula 2.2 administração cientifica
 
04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica04. Teoria Clássica
04. Teoria Clássica
 
Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
Noções de Administração: Funções da Administração (aula 1)
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01Teoria clássica da administração 2012_01
Teoria clássica da administração 2012_01
 
Gestão de Pessoas
Gestão de PessoasGestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
2 escola classica da administracao
2   escola classica da administracao2   escola classica da administracao
2 escola classica da administracao
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Teoria Clássica de Fayol
Teoria Clássica de FayolTeoria Clássica de Fayol
Teoria Clássica de Fayol
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
 
Administração Científica de Taylor
Administração Científica de TaylorAdministração Científica de Taylor
Administração Científica de Taylor
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm
 
Introdução a gestão
Introdução a gestãoIntrodução a gestão
Introdução a gestão
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Teorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri FayolTeorias Administrativas - Henri Fayol
Teorias Administrativas - Henri Fayol
 

Semelhante a Aula 3 tga - administração científica e taylor

54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
Mel Morgann
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
Rafael Santos
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
Rafael Santos
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
Sergio Finamore
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
Marcio Galvao
 
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsicaAula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Solange Marques
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
Francisco Inácio
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
Jose Pedro Silva
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow Taylor
Laura Marcht
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
Leonel Mendes
 
Aula3
Aula3Aula3
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
Hugo Silva
 
Resenha Taylor
Resenha TaylorResenha Taylor
Resenha Taylor
roneison
 
UNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.pptUNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.ppt
PauloCesarAraujoNegr
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
Rafael Lima
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
Pedro César
 
Administração científica
Administração científicaAdministração científica
Administração científica
Aline Lima
 
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
PatrickAnjos1
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
Walter Calombe
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
angelo nagahy
 

Semelhante a Aula 3 tga - administração científica e taylor (20)

54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol54814206 taylor-e-fayol
54814206 taylor-e-fayol
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 
Fundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylorFundamentos de aministraçao taylor
Fundamentos de aministraçao taylor
 
Administração cientifica taylor
Administração cientifica   taylorAdministração cientifica   taylor
Administração cientifica taylor
 
Abordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administraçãoAbordagem clássica da administração
Abordagem clássica da administração
 
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsicaAula De Ta I   Aula 3 Abordagem CláSsica
Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica
 
Aula de tga
Aula de tgaAula de tga
Aula de tga
 
Taylorismo
TaylorismoTaylorismo
Taylorismo
 
Frederick Winslow Taylor
Frederick Winslow TaylorFrederick Winslow Taylor
Frederick Winslow Taylor
 
Adinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylorAdinstração cientifca resumo taylor
Adinstração cientifca resumo taylor
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)Psicologia resumo (1)
Psicologia resumo (1)
 
Resenha Taylor
Resenha TaylorResenha Taylor
Resenha Taylor
 
UNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.pptUNIDADE II -FAA001.ppt
UNIDADE II -FAA001.ppt
 
teorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagemteorias administrativas - administração em enfermagem
teorias administrativas - administração em enfermagem
 
Aulas de TGA
Aulas de TGAAulas de TGA
Aulas de TGA
 
Administração científica
Administração científicaAdministração científica
Administração científica
 
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdfTEORIA CIENTIFICA 04.pdf
TEORIA CIENTIFICA 04.pdf
 
Gso temas trabalho
Gso temas trabalhoGso temas trabalho
Gso temas trabalho
 
Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2Anexo apostilha adm.2
Anexo apostilha adm.2
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
Prof. Leonardo Rocha
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Portfólio empresarial modelo
Portfólio empresarial   modeloPortfólio empresarial   modelo
Portfólio empresarial modelo
 

Aula 3 tga - administração científica e taylor

  • 1. Teoria geral da Administração Prof. Leonardo rocha
  • 2.  
  • 3. Administração Científica ÊNFASE NAS TAREFAS “ A TEORIA DA MÁQUINA”
  • 4. Frederick Winslow Taylor (1856/1915) Frederick Winslow Taylor iniciou a sua carreira na companhia de aço Midvale Steel Works como operário , tornando-se mais tarde engenheiro-chefe . Foi consultor na Bethlehem Steel Works de Pittsburgh, onde realizou as suas famosas experiências. A máxima de Taylor era de que só havia uma melhor maneira de desempenhar uma tarefa , pelo que cabe aos gestores fazerem a supervisão do trabalho, recompensando ou punindo as pessoas de acordo com o seu desempenho. Taylor foi o precursor do estudo da Administração como Ciência.
  • 5. 1880 – Midvale Steel Company
  • 7. A OBRA DE TAYLOR . “Arrumando o chão de Fábrica” PRIMEIRO PERIODO DE TAYLOR. Corresponde à época da publicação de seu livro Shop Managemant (administração de Oficinas). Nesta obra mostra as técnicas de racionalização do trabalho do operário por meio do Estudo de Tempos e Movimentos. Taylor diz que o Objetivo da Administração/Chefia é: 1. Pagar salários melhores e reduzir custos unitários de produção; 2. Aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos; 3. Selecionar cientificamente os trabalhadores “O homem certo para a função certa” 4. Treinar os trabalhadores para que haja uma única maneira de fazer a coisas. “The one best way” 5. Estabelecer um ambiente psicológico de cooperação entre administração e trabalhador.
  • 8.
  • 9. PRINCÍPIO DE PLANEJAMENTO substituição de métodos empíricos por procedimentos científicos – sai de cena o improviso e o julgamento individual, o trabalho deve ser planejado e testado, seus movimentos decompostos a fim de reduzir e racionalizar sua execução. PRINCÍPIO DE PREPARO DOS TRABALHADORES selecionar os operários de acordo com as suas aptidões e então prepará-los e treiná-los para produzirem mais e melhor, de acordo com o método planejado para que atinjam a meta estabelecida. PRINCÍPIO DE CONTROLE controlar o desenvolvimento do trabalho para se certificar de que está sendo realizado de acordo com a metodologia estabelecida e dentro da meta. PRINCÍPIO DA EXECUÇÃO distribuir as atribuições e responsabilidades para que o trabalho seja o mais disciplinado possível. 4 PRINCÍPIOS
  • 11. O ponto de partida dos estudos de Taylor foi o O MÉTODO CARTESIANO * de René Descartes como base da aplicação dos princípios tecnológicos de sua época ao trabalho manual. Verificar se existem evidências reais e indubitáveis acerca do fenômeno ou coisa estudada; Analisar suas unidades de composição, fundamentais, e estudar a fundo cada elemento; Sintetizar ou seja, agrupar novamente as unidades estudadas em um todo verdadeiro; Enumerar todas as conclusões e princípios utilizados, a fim de manter a ordem do pensamento. O método cartesiano : Duvida-se de cada ideia que pode ser duvidada. Só se pode dizer que existe aquilo que possa ser provado.
  • 12. SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR - 1911 Este período corresponde a publicação do seu Livro Princípios de Administração Científica , quando concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser acompanhada de uma estruturação geral da empresa e que tornasse coerente a aplicação dos seus princípios. Para Taylor, as industrias de sua época padeciam de três males: 1. Vadiagem sistemática dos operários; a) O engano disseminado entre os trabalhadores, de que o maior rendimento do homem e da máquina provoca desemprego; b) O sistema defeituoso da administração que força os operários à ociosidade no trabalho a fim de proteger seus interesses; c) Os métodos empíricos ineficientes utilizados nas empresas, com os quais o operário desperdiça grande parte de seu esforço e tempo;
  • 13. 2. Desconhecimento, pela gerencia, das rotinas de trabalho e do tempo necessários para sua realização; Segundo Taylor a Administração Científica é uma evolução e não uma teoria, tendo como ingrediente 75% de análise e 25% de bom senso. 3. Falta de uniformidade das técnicas e métodos de trabalho; Apesar de sua atitude pessimista a respeito da natureza humana, já que considerava o operário como “irresponsável”, “vadio” e “negligente”, Taylor se preocupou em criar um sistema baseado na intensificação do ritmo de trabalho em busca da eficiência empresarial.
  • 14.
  • 15.  
  • 16.  
  • 17. Vantagens do estudo dos Tempos e Movimentos a) Elimina movimentos inúteis e os substitui por outros; b) Racionaliza a seleção e treinamento do pessoal; c) Melhora a eficiência do operário e o rendimento da produção; d) Distribui uniformemente o trabalho, para que não haja períodos de falta ou excesso de trabalho; e) Oferece base uniforme para salários eqüitativos e prêmios de produção;
  • 18. Objetivos do estudo dos Tempos e Movimentos 1. Eliminação de todo o desperdício de esforço humano; 2. Adaptação dos operários à tarefa; 3. Adequar os trabalhadores ao que deve ser feito, através de treinamentos ; 4. Maior especialização de atividades; 5. Estabelecimento de normas detalhadas de execução do trabalho.
  • 19. DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALIZAÇÃO DO OPERÁRIO. Uma das decorrências do estudo dos tempos e movimentos foi a divisão do trabalho e a especialização do operário a fim de elevar sua produtividade. Um operário Vários operários Vários operários desempenha desempenham em desempenham a tarefa total paralelo partes da suas atividades tarefa. Uma após o outro
  • 20. DESENHO DE CARGOS E TAREFAS. Tarefa é toda atividade executada por uma pessoa no seu trabalho dentro da organização. Desenhar um cargo é especificar seu conteúdo (tarefas),os métodos de executar as tarefas e as relações com os demais cargos existentes . Vantagens: a) admissão de empregados com qualificações mínimas e salários menores,reduzindo os custos de produção. b) minimização dos custos de treinamento; c) redução de erros na execução,diminuindo os refugos e rejeições; d) facilidade de supervisão; e) aumento da eficiência do trabalhador;
  • 21.
  • 22. PADRONIZAÇãO Padrão é uma unidade de medida adotada e aceita comumente como critério. A organização racional do trabalho foi mais além e passou a se preocupar com a padronização dos métodos e processos de trabalho. Padronização do que? Das maquinas e equipamentos, ferramentas e instrumentos de trabalho, matérias-primas e componentes e principalmente o método de trabalho. O intuito é de se reduzir a variabilidade e a diversidade no processo produtivo e daí, eliminar o desperdício e aumentar a eficiência.
  • 23. Taylor adotou um sistema de controle operacional simples e baseado na verificação das exceções. Ou seja, Taylor se preocupava somente com os resultados que saiam fora dos padrões esperados , para corrigi-los. Assim, este princípio é um sistema de informação que apresenta dados somente quando os resultados efetivamente verificados na prática divergem ou se distanciam dos resultados previstos em algum programa. O administrador deve prioritariamente verificar as ocorrências que se afastem dos padrões , ou seja, as exceções , para que sejam corrigidas. princípio DA EXCEÇÃO.
  • 24.
  • 25.
  • 26. CONCEITO DE HOMO ECONOMICUS A Administração científica baseou-se no conceito de homo economicus , isto é, do homem econômico. Segundo este conceito, toda pessoa é concebida como influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais. Desta forma, explica-se a intenção de Taylor em instituir incentivos salariais e prêmios por produção
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.