SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Leonardo Rocha
Aula 7
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Setores
 Governo: (Primeiro Setor)
Tem funções políticas, legislativas e administrativas, isto
é, entre outras coisas, negociar com outros Estados ou
organizações internacionais, propor leis à Assembléia da
República, estudar problemas e decidir sobre eles
(normalmente fazendo leis), fazer regulamentos técnicos
para que as leis possam ser cumpridas, decidir onde se
gasta o dinheiro público, tomar decisões administrativas
para o bem comum, de acordo com a lei.
 Empresariado (Segundo Setor)
“Tem por objetivo o exercício de atividade própria
de empresário sujeito a registro”. (art 982) código civil.
O objetivo é a lucratividade, movimentação da
economia e auto sustentabilidade
Segundo Aquino Alves (1999, p.69):
“O Terceiro Setor é o espaço institucional que abriga
ações de caráter privado, associativo e voluntarista que
são voltadas para a geração de bens de consumo
coletivo, sem que haja qualquer tipo de apropriação
particular de excedentes econômicos que sejam gerados
no processo.”
Organizações privadas, sem fins
lucrativos, cuja atuação é dirigida a
finalidades coletivas ou públicas
Fischer, R.M (2002)
Mercado
Terceiro
Setor
Estado
Entre Terceiro Setor e Mercado:
Fundações de Empresas
Projetos sociais operados diretamente
por empresas
Câmaras de comércio
Entidades de benefício privado
Sindicatos
Institutos
Entre Terceiro Setor e Estado:
Fundações de Apoio
Sindicatos
Organizações Sociais
Sistema “S” - SENAI, SENAC, SESI, etc.
entidades privadas, sem fins
lucrativos, estabelecidas pelo poder público
Terceiro Setor:
Associações culturais ,educacionais
assistenciais,esportivas, etc.
Fundações Privadas
ONGs
Cooperativas
Movimentos Sociais Organizados pela
sociedade
 Surgiu nos Estados Unidos e sabe-se que este signo lingüístico
faz parte do vocabulário sociológico corrente que foi
traduzido como “Third Sector”
 Na Inglaterra, devido ao seu caráter tradicionalista, é utilizada
a expressão “charities” (caridades) .
 Na América Latina, inclusive no Brasil, hoje, o termo mais
abrangente é “Organização da Sociedade Civil - OSC”
 Nasceu da filantropia
 Tanto o Brasil, como outros Países, se viram diante de
problemas globais, cujas soluções agora dependiam da
capacidade de articulação de um aspecto mais amplo de
agentes sociais.
 Neste contexto histórico, surge a crescente intervenção da
Sociedade Civil que, de forma organizada, tenta gerenciar
espaços e propor que os aspectos sociais do desenvolvimento
passem a primeiro plano.
 A Sociedade Civil, aqui é entendida como conjunto de
instituições com base associativa que representam variados
interesses em disputa e é composta pelos: Partidos
Políticos, Sindicatos, Instituições Religiosas, Movimentos
Populares, ONG´s, OSC´s, OSCIP’S cujo papel é a novidade
deste processo de democratização.
Organizações de Sociedade Civil
Organizações de Sociedade Civil
Não tem as características de apropriação Privada que visa o
lucro... ;
 Prestam serviços públicos mas não é Publico, e sobrevivem
basicamente da transferência de recursos de terceiros
( governo, empresas e pessoas física)... ;
 Não se enquadram dentro das categorias das atividades
definidas pela metodologia das contas nacionais estatais
(setor da industria,setor agrícola e serviços ), ou atividade de
mercado. As organizações, passam a serem identificadas
como o Terceiro Setor.
Século XVI – Irmandades da Misericórdia
Século XVIII – Associações Laicas e Religiosas
Início do Séc XX
- Instituições Filantrópicas
- Sociedades de Auxílio Mútuo e Sindicatos
Década de 1970 – ONGs
Década de 1980 – Diversificação, visibilidade, institucionalização
Década de 1990
– Privatização, terceirização e publicidade
- Conselho da Comunidade Solidária
- Reforma do Marco Legal
Origem do Terceiro setor
 O termo Terceiro Setor é recente no Brasil. Ele passou a ser
utilizado a partir do início dos anos 90 para designar as
Organizações da Sociedade Civil, com fins não econômicos.
 De iniciativa privada, busca desenvolver atividades para a
promoção humana e são mantidas com apoio externo.
 Ênfase na participação voluntária, atuam nas áreas: sociais,
educacionais, meio ambiente,direitos humanos, movimentos
populares, saúde econômica, visando a solução de problemas
sociais.
OSC no Brasil
 Início do século XVI/ XVII- Inicia o registro das ações filantrópicas no Brasil,
sob a lógica da prática assistencialista, com predomínio da caridade cristã.
Surgi as Santas Casas de Misericórdia, asilos, orfanatos, com dependência
total do Estado na administração e financiamento destas organizações ...
Na década de 20 e 30 ocorreu mudanças radicais no panorama brasileiro. A
chegada da industrialização e a crescente urbanização. Crescia a massa de
operários não qualificados, crescia as cidades desordenadamente, os
problemas sociais...
 Surgimento dos sindicatos, as associações profissionais, as federações e as
confederações, que vinculava o setor privado ás práticas de assistência e
auxilio mútuo para imigrantes, operários, empregados do comércio, serviços
e funcionários públicos...
 Final do século XIX e início XX- as Instituições de assistência e amparo á
população carente, deixam de ser assistencialistas, caritáritas e passam a
profissionalizar suas ações práticas e normativas...
No Brasil, entre 1996 e 2002, o número de fundações
privadas e associações sem fins lucrativos cresceu 157%,
passando de 105 mil para 276 mil.
No mesmo período, o número de pessoas ocupadas no setor
passou de 1 milhão para 1,5 milhão de trabalhadores,
registrando um aumento de 50%.
Os dados são da pesquisa As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil (Fasfil) 2006
OSC no Brasil
Entidades Sem Fins Lucrativos Quantidade
Habitação 322
Saúde 3 798
Cultura e Recreação 37 539
Educação e Pesquisa 17 493
Assistência Social 32 249
Religião 70 446
Associações Patronais e Profissionais 44 581
Meio Ambiente e Proteção Animal 1 591
Desenvolvimento e Defesa de Direitos 45 161
Outras 22 715
TOTAL 275 895
“As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”.
IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
Região Quantidade Percentual
Norte 11 715 4,25%
Nordeste 61 295 22,22%
Sudeste 121 175 43,92%
Sul 63 562 23,04%
Centro-Oeste 18 148 6,58%
TOTAL 275 895 100%
“As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”.
IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
Funcionários assalariados Quantidade Percentual
0 212 165 76,90%
1 a 2 25 825 9,36%
3 a 4 9 421 3,35%
5 a 9 9 782 3,55%
10 a 49 13 774 4,99%
50 a 99 2 495 0,90%
100 a 499 2 198 0,80%
500 ou mais 415 0,15%
TOTAL 275 895 100%
“As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”.
IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
“As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”.
IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
Área de atuação Empregados
assalariados
Salário
Médio
Habitação 187 401,00
Saúde 351 890 821,00
Cultura e Recreação 119 692 865,00
Educação e Pesquisa 446 965 1 168,00
Assistência Social 226 510 548,00
Religião 101 513 558,00
Associações Patronais e Profissionais 84 402 780,00
Meio Ambiente e Proteção Animal 3 006 1 007,00
Desenvolvimento e Defesa de Direitos 68 972 799,00
Outras 138 153 889,00
TOTAL 1 541 290 871,00
 Suprir a lacuna deixada pela Crise do Estado.
 Mudança de atitudes e valores
 Conscientização
 Diminuir as diferenças sociais
 Associação
 Fundação
 Instituições
 Organizações não governamentais
 Cooperativas
 Grupos comunitários
“varias formas, para atender diversos objetivos”
 Atuam nas mais diversas áreas.
 Cultural,
 Proteção a criança e adolescente em estado de
vulnerabilidade,
 Meio ecológico,
 Ordem social
 Mazelas Drogas, prostituição e violência.
 uma sociedade de pessoas com forma e natureza
jurídica própria, formada para prestar serviços a seus
cooperados e terceiros.
 Para sua formação é necessário que tenha no
mínimo duas pessoas físicas, e trata-se de um
movimento mundial que consiste na organização de
pessoas para atingir objetivos comuns utilizando
seus próprios recursos.
 Entidade de Interesse Social, cuja finalidade é assistir
segmentos carentes da população, nos mais diversos
aspectos da necessidade humana, suprindo
deficiências do Estado, promovendo conscientização
sobre o papel das instituições e das pessoas no meio
cultural, científico, ambiental, econômico e político-
social.
 é uma sociedade civil sem fins lucrativos, onde vários
indivíduos se organizam de forma democrática em
defesa de seus interesses.
 Pode existir em vários campos da atividade humana e
sua constituição pode derivar de diversos motivos
sociais.
 Potencial de Crescimento
Os números sobre o Terceiro Setor no Brasil demonstram claramente que
existe uma ampla possibilidade de expansão com uma maior participação
no PIB;
 Possibilidade de ser um Setor Gerador de Emprego
Tendo em vista o processo de exclusão social que identificou-se no Brasil
e nos países da América Latina. O setor é por natureza mão-de-obra
intensiva. São pessoas que atendem pessoas na prestação de inúmeros
serviços sociais que não podem ser substituídas pelo atendimento de
máquinas.
 Atuação Permanente e Imediata na Melhoria Geral da Vida
O terceiro Setor apresenta a possibilidade de atuação permanente fora
do aparelho de estado para que a condição de vida da população excluída
possa melhorar. O ativismo político poderá ser acompanhado de ações
concretas de intervenção na transformação das pessoas e da sociedade.
 Convergência de Interesses
O antagonismo capital-trabalho pode continuar existindo da disputa por
uma melhor distribuição de renda, mas isto não impede que empresas se
dediquem a uma causa social e que possam estar ao lado dos
trabalhadores nesta causa. Por exemplo: o esforço realizado na cidade de
São Paulo pelos Sindicatos dos Bancários e alguns bancos para resolver o
problema do menor abandonado ou dos meninos e meninas de/ou na
rua.
 Ampliação da Base de Atuação Política
Além de envolver trabalhadores pode também contar com o
envolvimento de empresários progressistas, grandes segmentos da classe
média sensível aos problemas sociais, da violência e das drogas nas
nossas sociedades.
 Mobilização em Torno de Temas Mais Amplos do que o Simplesmente o
Econômico
Vida comunitária, harmonia social, segurança, desenvolvimento humano,
melhoria da vida cultural, que contribuem para a criação de uma
democracia econômica.
 Formação de Redes para Ativismo Político ( Foro Mundial )
Seattle, Davos, Washington. Recentemente o Terceiro Setor mostrou que
possui um grande poder de mobilização para o ativismo político
questionador da ordem econômica predominante. Através de sua tradição
de atuação em rede, centenas de organização podem ser mobilizadas em
torno de temas críticos para a melhoria das condições de vida em nossa
sociedade, tais como a questão da perversa dívida dos países em
desenvolvimento que absorvem recursos que poderiam ser aplicados na
área social.
Configura-se pelo crescimento de organizações sem fins
lucrativos e pelo aumento de sua importância em todo mundo
Salamon, 1998
Qualidades atribuídas: eficiência, flexibilidade,
inovação; participação, fortalecimento
democrático
Desafios: competência de gestão,
profissionalização, consolidação da identidade
organizacional
Revolução Associativa Global
 Pesquisar sobre a regulamentação e processos de
abertura de uma organização da Sociedade Civil que
sua equipe montou.
 Quais as leis?
 Quais as taxas?
 O que é preciso para formalizar um empreendimento
social do terceiro setor?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em AçãoApresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
Adriana Rocha
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidaria
Vanessa Nogueira
 
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no BrasilSurgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Rosane Domingues
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Sociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienaçãoSociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienação
Erica Frau
 
Aula1- Participação Social
Aula1- Participação SocialAula1- Participação Social
Aula1- Participação Social
eadcedaps
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
marifonseca
 
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro SetorMódulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
Jonas Araújo
 
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidades
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidadesServiço Social na Educação: desafios e potencialidades
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidades
StehRocha3
 
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptxA Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
armando jonas
 
Monitoria estudo dirigido
Monitoria estudo dirigidoMonitoria estudo dirigido
Monitoria estudo dirigido
José Leandro de Lima
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
Roberto Izoton
 
Cartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelarCartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelar
Impactto Cursos
 
Grêmio Estudantil
Grêmio EstudantilGrêmio Estudantil
Grêmio Estudantil
mendessergio
 
4 revolucao industrial
4 revolucao industrial4 revolucao industrial
4 revolucao industrial
Paula Santana
 
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
renato fabregat
 
Responsabilidade social (3)
Responsabilidade social (3)Responsabilidade social (3)
Responsabilidade social (3)
Wellington Bolzan
 
Tcc em serviço social (2)
Tcc em serviço social (2)Tcc em serviço social (2)
Tcc em serviço social (2)
Elidiane Albuquerque
 

Mais procurados (20)

Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em AçãoApresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
Apresentação do Projeto de Criação da Ong Rede em Ação
 
Fernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidariaFernanda e vanessa economia solidaria
Fernanda e vanessa economia solidaria
 
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no BrasilSurgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
Sociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienaçãoSociedade contemporanea e alienação
Sociedade contemporanea e alienação
 
Aula1- Participação Social
Aula1- Participação SocialAula1- Participação Social
Aula1- Participação Social
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro SetorMódulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro Setor
 
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
 
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidades
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidadesServiço Social na Educação: desafios e potencialidades
Serviço Social na Educação: desafios e potencialidades
 
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptxA Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
 
Monitoria estudo dirigido
Monitoria estudo dirigidoMonitoria estudo dirigido
Monitoria estudo dirigido
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
Cartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelarCartilha conselho tutelar
Cartilha conselho tutelar
 
Grêmio Estudantil
Grêmio EstudantilGrêmio Estudantil
Grêmio Estudantil
 
4 revolucao industrial
4 revolucao industrial4 revolucao industrial
4 revolucao industrial
 
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
 
Responsabilidade social (3)
Responsabilidade social (3)Responsabilidade social (3)
Responsabilidade social (3)
 
Tcc em serviço social (2)
Tcc em serviço social (2)Tcc em serviço social (2)
Tcc em serviço social (2)
 

Destaque

Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo RibeiroAula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Pablo Ribeiro
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
Criativa EaD
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Sara Levy
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começarEmpreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Felipe Carvalho
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
Tânia Lucas
 
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem! Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
Maristela Moura
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Helder Pina
 
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio LiceuEmpreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
Rafael Art
 
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko SpitzeckEmpreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Sofia Cabral
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Naianne Dias
 
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo socialMude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Gabriel Cardoso
 
Projeto empreendedorismo social e meio ambiente
Projeto empreendedorismo social e meio ambienteProjeto empreendedorismo social e meio ambiente
Projeto empreendedorismo social e meio ambiente
Gabriela Alves
 
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
Pelo Siro
 
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions    Consultoria Em Gestao EmpresarialHands On Solutions    Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
HSCE Ltda.
 
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIOHPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA
 
Araujo consult2
Araujo consult2Araujo consult2
Araujo consult2
araujoconsult
 
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de LavrasProjeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Igor Oliveira
 

Destaque (20)

Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo RibeiroAula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começarEmpreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começar
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
 
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem! Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
Empreendedorismo Social - Quando o lucro é fazer o bem!
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio LiceuEmpreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
Empreendedorismo social - Dinâmica ministrada no Colégio Liceu
 
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko SpitzeckEmpreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo socialMude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
 
Projeto empreendedorismo social e meio ambiente
Projeto empreendedorismo social e meio ambienteProjeto empreendedorismo social e meio ambiente
Projeto empreendedorismo social e meio ambiente
 
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
75662327 1248395328-movimentos-associativos-na-sociedade-civil-empreendedoris...
 
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions    Consultoria Em Gestao EmpresarialHands On Solutions    Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
 
Teste sua inteligência
Teste sua inteligênciaTeste sua inteligência
Teste sua inteligência
 
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIOHPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
 
Araujo consult2
Araujo consult2Araujo consult2
Araujo consult2
 
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de LavrasProjeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
 

Semelhante a Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor

Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Jornalismo no terceiro setor
Jornalismo no terceiro setorJornalismo no terceiro setor
Jornalismo no terceiro setor
aulasdejornalismo
 
Aula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no BrasilAula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no Brasil
Cleide Magáli dos Santos
 
Cidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade socialCidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade social
Francisco Junior
 
Cidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade socialCidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade social
Francisco Junior
 
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
Sirlene Aparecida Nogueira
 
Unidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setorUnidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setor
Sandy Faidherb
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do VoluntárioManual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
Portal Voluntários Online
 
Manual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ongManual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ong
Edvaldo TJ
 
1 terceirto setor histórico
1 terceirto setor   histórico1 terceirto setor   histórico
1 terceirto setor histórico
Larapernambuco
 
Unidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setorUnidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setor
Sandy Faidherb
 
Apostila marcoregulatorio16 1
Apostila marcoregulatorio16 1Apostila marcoregulatorio16 1
Apostila marcoregulatorio16 1
AbenyLogun
 
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica
Terceiro Setor e Comunicação EstratégicaTerceiro Setor e Comunicação Estratégica
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica
L T
 
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
Felippe Kopanakis
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Portal Voluntários Online
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho VoluntárioMódulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Portal Voluntários Online
 
O Terceiro Setor em Minas Gerais
O Terceiro Setor em Minas GeraisO Terceiro Setor em Minas Gerais
O Terceiro Setor em Minas Gerais
Adriana Ferreira
 
Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicas
Regiany Viscaino
 
A Influência do 3º Setor na Política Social
A Influência do 3º Setor na Política SocialA Influência do 3º Setor na Política Social
A Influência do 3º Setor na Política Social
João Francisco
 

Semelhante a Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor (20)

Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Jornalismo no terceiro setor
Jornalismo no terceiro setorJornalismo no terceiro setor
Jornalismo no terceiro setor
 
Aula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no BrasilAula Terceiro Setor no Brasil
Aula Terceiro Setor no Brasil
 
Cidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade socialCidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade social
 
Cidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade socialCidadania e responsabilidade social
Cidadania e responsabilidade social
 
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
A IMPORTÂNCIA DAS ONGs E A SUA INFLUÊNCIA NAS POLÍTICAS SÓCIO-GOVERNAMENTAIS ...
 
Unidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setorUnidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setor
 
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do VoluntárioManual para Capacitação Inicial do Voluntário
Manual para Capacitação Inicial do Voluntário
 
Manual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ongManual para criar_uma_ong
Manual para criar_uma_ong
 
1 terceirto setor histórico
1 terceirto setor   histórico1 terceirto setor   histórico
1 terceirto setor histórico
 
Unidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setorUnidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setor
 
Apostila marcoregulatorio16 1
Apostila marcoregulatorio16 1Apostila marcoregulatorio16 1
Apostila marcoregulatorio16 1
 
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica
Terceiro Setor e Comunicação EstratégicaTerceiro Setor e Comunicação Estratégica
Terceiro Setor e Comunicação Estratégica
 
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
 
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho VoluntárioMódulo 1 - O Trabalho Voluntário
Módulo 1 - O Trabalho Voluntário
 
O Terceiro Setor em Minas Gerais
O Terceiro Setor em Minas GeraisO Terceiro Setor em Minas Gerais
O Terceiro Setor em Minas Gerais
 
Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicas
 
A Influência do 3º Setor na Política Social
A Influência do 3º Setor na Política SocialA Influência do 3º Setor na Política Social
A Influência do 3º Setor na Política Social
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
Prof. Leonardo Rocha
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Portfólio empresarial modelo
Portfólio empresarial   modeloPortfólio empresarial   modelo
Portfólio empresarial modelo
 

Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor

  • 4.  Governo: (Primeiro Setor) Tem funções políticas, legislativas e administrativas, isto é, entre outras coisas, negociar com outros Estados ou organizações internacionais, propor leis à Assembléia da República, estudar problemas e decidir sobre eles (normalmente fazendo leis), fazer regulamentos técnicos para que as leis possam ser cumpridas, decidir onde se gasta o dinheiro público, tomar decisões administrativas para o bem comum, de acordo com a lei.
  • 5.  Empresariado (Segundo Setor) “Tem por objetivo o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro”. (art 982) código civil. O objetivo é a lucratividade, movimentação da economia e auto sustentabilidade
  • 6. Segundo Aquino Alves (1999, p.69): “O Terceiro Setor é o espaço institucional que abriga ações de caráter privado, associativo e voluntarista que são voltadas para a geração de bens de consumo coletivo, sem que haja qualquer tipo de apropriação particular de excedentes econômicos que sejam gerados no processo.”
  • 7. Organizações privadas, sem fins lucrativos, cuja atuação é dirigida a finalidades coletivas ou públicas Fischer, R.M (2002)
  • 8. Mercado Terceiro Setor Estado Entre Terceiro Setor e Mercado: Fundações de Empresas Projetos sociais operados diretamente por empresas Câmaras de comércio Entidades de benefício privado Sindicatos Institutos Entre Terceiro Setor e Estado: Fundações de Apoio Sindicatos Organizações Sociais Sistema “S” - SENAI, SENAC, SESI, etc. entidades privadas, sem fins lucrativos, estabelecidas pelo poder público Terceiro Setor: Associações culturais ,educacionais assistenciais,esportivas, etc. Fundações Privadas ONGs Cooperativas Movimentos Sociais Organizados pela sociedade
  • 9.  Surgiu nos Estados Unidos e sabe-se que este signo lingüístico faz parte do vocabulário sociológico corrente que foi traduzido como “Third Sector”  Na Inglaterra, devido ao seu caráter tradicionalista, é utilizada a expressão “charities” (caridades) .  Na América Latina, inclusive no Brasil, hoje, o termo mais abrangente é “Organização da Sociedade Civil - OSC”  Nasceu da filantropia
  • 10.  Tanto o Brasil, como outros Países, se viram diante de problemas globais, cujas soluções agora dependiam da capacidade de articulação de um aspecto mais amplo de agentes sociais.  Neste contexto histórico, surge a crescente intervenção da Sociedade Civil que, de forma organizada, tenta gerenciar espaços e propor que os aspectos sociais do desenvolvimento passem a primeiro plano.  A Sociedade Civil, aqui é entendida como conjunto de instituições com base associativa que representam variados interesses em disputa e é composta pelos: Partidos Políticos, Sindicatos, Instituições Religiosas, Movimentos Populares, ONG´s, OSC´s, OSCIP’S cujo papel é a novidade deste processo de democratização. Organizações de Sociedade Civil
  • 11. Organizações de Sociedade Civil Não tem as características de apropriação Privada que visa o lucro... ;  Prestam serviços públicos mas não é Publico, e sobrevivem basicamente da transferência de recursos de terceiros ( governo, empresas e pessoas física)... ;  Não se enquadram dentro das categorias das atividades definidas pela metodologia das contas nacionais estatais (setor da industria,setor agrícola e serviços ), ou atividade de mercado. As organizações, passam a serem identificadas como o Terceiro Setor.
  • 12. Século XVI – Irmandades da Misericórdia Século XVIII – Associações Laicas e Religiosas Início do Séc XX - Instituições Filantrópicas - Sociedades de Auxílio Mútuo e Sindicatos Década de 1970 – ONGs Década de 1980 – Diversificação, visibilidade, institucionalização Década de 1990 – Privatização, terceirização e publicidade - Conselho da Comunidade Solidária - Reforma do Marco Legal Origem do Terceiro setor
  • 13.  O termo Terceiro Setor é recente no Brasil. Ele passou a ser utilizado a partir do início dos anos 90 para designar as Organizações da Sociedade Civil, com fins não econômicos.  De iniciativa privada, busca desenvolver atividades para a promoção humana e são mantidas com apoio externo.  Ênfase na participação voluntária, atuam nas áreas: sociais, educacionais, meio ambiente,direitos humanos, movimentos populares, saúde econômica, visando a solução de problemas sociais. OSC no Brasil
  • 14.  Início do século XVI/ XVII- Inicia o registro das ações filantrópicas no Brasil, sob a lógica da prática assistencialista, com predomínio da caridade cristã. Surgi as Santas Casas de Misericórdia, asilos, orfanatos, com dependência total do Estado na administração e financiamento destas organizações ... Na década de 20 e 30 ocorreu mudanças radicais no panorama brasileiro. A chegada da industrialização e a crescente urbanização. Crescia a massa de operários não qualificados, crescia as cidades desordenadamente, os problemas sociais...  Surgimento dos sindicatos, as associações profissionais, as federações e as confederações, que vinculava o setor privado ás práticas de assistência e auxilio mútuo para imigrantes, operários, empregados do comércio, serviços e funcionários públicos...  Final do século XIX e início XX- as Instituições de assistência e amparo á população carente, deixam de ser assistencialistas, caritáritas e passam a profissionalizar suas ações práticas e normativas...
  • 15. No Brasil, entre 1996 e 2002, o número de fundações privadas e associações sem fins lucrativos cresceu 157%, passando de 105 mil para 276 mil. No mesmo período, o número de pessoas ocupadas no setor passou de 1 milhão para 1,5 milhão de trabalhadores, registrando um aumento de 50%. Os dados são da pesquisa As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil (Fasfil) 2006 OSC no Brasil
  • 16. Entidades Sem Fins Lucrativos Quantidade Habitação 322 Saúde 3 798 Cultura e Recreação 37 539 Educação e Pesquisa 17 493 Assistência Social 32 249 Religião 70 446 Associações Patronais e Profissionais 44 581 Meio Ambiente e Proteção Animal 1 591 Desenvolvimento e Defesa de Direitos 45 161 Outras 22 715 TOTAL 275 895 “As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”. IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
  • 17. Região Quantidade Percentual Norte 11 715 4,25% Nordeste 61 295 22,22% Sudeste 121 175 43,92% Sul 63 562 23,04% Centro-Oeste 18 148 6,58% TOTAL 275 895 100% “As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”. IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
  • 18. Funcionários assalariados Quantidade Percentual 0 212 165 76,90% 1 a 2 25 825 9,36% 3 a 4 9 421 3,35% 5 a 9 9 782 3,55% 10 a 49 13 774 4,99% 50 a 99 2 495 0,90% 100 a 499 2 198 0,80% 500 ou mais 415 0,15% TOTAL 275 895 100% “As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”. IBGE, IPEA, ABONG, GIFE
  • 19. “As Fundações Privadas e Associações Sem Fins Lucrativos no Brasil - 2002”. IBGE, IPEA, ABONG, GIFE Área de atuação Empregados assalariados Salário Médio Habitação 187 401,00 Saúde 351 890 821,00 Cultura e Recreação 119 692 865,00 Educação e Pesquisa 446 965 1 168,00 Assistência Social 226 510 548,00 Religião 101 513 558,00 Associações Patronais e Profissionais 84 402 780,00 Meio Ambiente e Proteção Animal 3 006 1 007,00 Desenvolvimento e Defesa de Direitos 68 972 799,00 Outras 138 153 889,00 TOTAL 1 541 290 871,00
  • 20.  Suprir a lacuna deixada pela Crise do Estado.  Mudança de atitudes e valores  Conscientização  Diminuir as diferenças sociais
  • 21.  Associação  Fundação  Instituições  Organizações não governamentais  Cooperativas  Grupos comunitários “varias formas, para atender diversos objetivos”
  • 22.  Atuam nas mais diversas áreas.  Cultural,  Proteção a criança e adolescente em estado de vulnerabilidade,  Meio ecológico,  Ordem social  Mazelas Drogas, prostituição e violência.
  • 23.  uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, formada para prestar serviços a seus cooperados e terceiros.  Para sua formação é necessário que tenha no mínimo duas pessoas físicas, e trata-se de um movimento mundial que consiste na organização de pessoas para atingir objetivos comuns utilizando seus próprios recursos.
  • 24.  Entidade de Interesse Social, cuja finalidade é assistir segmentos carentes da população, nos mais diversos aspectos da necessidade humana, suprindo deficiências do Estado, promovendo conscientização sobre o papel das instituições e das pessoas no meio cultural, científico, ambiental, econômico e político- social.
  • 25.  é uma sociedade civil sem fins lucrativos, onde vários indivíduos se organizam de forma democrática em defesa de seus interesses.  Pode existir em vários campos da atividade humana e sua constituição pode derivar de diversos motivos sociais.
  • 26.  Potencial de Crescimento Os números sobre o Terceiro Setor no Brasil demonstram claramente que existe uma ampla possibilidade de expansão com uma maior participação no PIB;  Possibilidade de ser um Setor Gerador de Emprego Tendo em vista o processo de exclusão social que identificou-se no Brasil e nos países da América Latina. O setor é por natureza mão-de-obra intensiva. São pessoas que atendem pessoas na prestação de inúmeros serviços sociais que não podem ser substituídas pelo atendimento de máquinas.  Atuação Permanente e Imediata na Melhoria Geral da Vida O terceiro Setor apresenta a possibilidade de atuação permanente fora do aparelho de estado para que a condição de vida da população excluída possa melhorar. O ativismo político poderá ser acompanhado de ações concretas de intervenção na transformação das pessoas e da sociedade.
  • 27.  Convergência de Interesses O antagonismo capital-trabalho pode continuar existindo da disputa por uma melhor distribuição de renda, mas isto não impede que empresas se dediquem a uma causa social e que possam estar ao lado dos trabalhadores nesta causa. Por exemplo: o esforço realizado na cidade de São Paulo pelos Sindicatos dos Bancários e alguns bancos para resolver o problema do menor abandonado ou dos meninos e meninas de/ou na rua.  Ampliação da Base de Atuação Política Além de envolver trabalhadores pode também contar com o envolvimento de empresários progressistas, grandes segmentos da classe média sensível aos problemas sociais, da violência e das drogas nas nossas sociedades.
  • 28.  Mobilização em Torno de Temas Mais Amplos do que o Simplesmente o Econômico Vida comunitária, harmonia social, segurança, desenvolvimento humano, melhoria da vida cultural, que contribuem para a criação de uma democracia econômica.  Formação de Redes para Ativismo Político ( Foro Mundial ) Seattle, Davos, Washington. Recentemente o Terceiro Setor mostrou que possui um grande poder de mobilização para o ativismo político questionador da ordem econômica predominante. Através de sua tradição de atuação em rede, centenas de organização podem ser mobilizadas em torno de temas críticos para a melhoria das condições de vida em nossa sociedade, tais como a questão da perversa dívida dos países em desenvolvimento que absorvem recursos que poderiam ser aplicados na área social.
  • 29. Configura-se pelo crescimento de organizações sem fins lucrativos e pelo aumento de sua importância em todo mundo Salamon, 1998 Qualidades atribuídas: eficiência, flexibilidade, inovação; participação, fortalecimento democrático Desafios: competência de gestão, profissionalização, consolidação da identidade organizacional Revolução Associativa Global
  • 30.  Pesquisar sobre a regulamentação e processos de abertura de uma organização da Sociedade Civil que sua equipe montou.  Quais as leis?  Quais as taxas?  O que é preciso para formalizar um empreendimento social do terceiro setor?