SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Leonardo Rocha Aula 7
Introdução Seis elementos segundo Robbins (2000) são considerados  elementares na construção da estrutura organizacional :  Especialização do trabalho, Departamentalização, Cadeia de comando, Margem de controle, Centralização e descentralização, Formalização
Introdução “ Os  elementos  da  estrutura  devem ser selecionados para a obtenção de uma consistência ou harmonia interna, bem como uma consistência básica como a situação da organização.”  Mintzberg  (2003 pg;13) Especialização do Trabalho Formalização do Comportamento Treinamento e Doutrinação Agrupamento das unidades Tamanho das Unidades Sistemas de Planejamento e Controle Dispositivos de Ligação Descentralização (vertical e Horizontal)
Comparação entre Robbins e Mintzberg Especialização do trabalho Formalização Departamentalização Cadeia de comando Margem de controle Centralização e descentralização Especialização do Trabalho Formalização do Comportamento Treinamento e Doutrinação Agrupamento das unidades Tamanho das Unidades Sistemas de Planejamento e Controle Dispositivos de Ligação Descentralização  (vertical e Horizontal)
Especialização do Trabalho O termo especialização do trabalho descreve o grau em que as tarefas na organização são subdivididas em funções separadas. A essência da especialização do trabalho é que, em vez de uma atividade ser completada inteiramente por uma única pessoa, ela é dividida em um certo número de etapas, cada qual sendo realizada por um individuo.  Essencialmente, os  indivíduos se especializam em realizar parte de uma atividade  em vez de fazer a atividade inteira De acordo com Wagner e Hollenbeck (2003), quanto mais alto o grau de especialização, menor a quantidade de tarefas. Robbins
Especialização do Trabalho Especialização horizontal  É a forma tradicional de divisão do trabalho onde um  trabalho específico pode ser dividido em pequenas tarefas , cada uma sendo executada por um operador. diz respeito à extensão ou ao escopo do trabalho.  Ex: trabalho altamente repetitivo. Foco na qualidade do trabalho Aumento de órgãos especializados Divisão de Tarefas Especialização vertical  Refere-se à separação da performance do trabalho de sua administração, ou seja, a separação da execução do trabalho da sua tomada de decisão. Relaciona-se com a  profundidade e ao controle sobre o trabalho .  Ex: executar o trabalho  tendo o controle de cada aspecto do trabalho. Foco na qualidade da supervisão Aumento de níveis hierárquicos Divisão de autoridade Mintzberg
Cadeia de Comando Cadeia de comando é uma linha única de autoridade que vai do topo da organização até o escalão mais baixo, determinando  quem se reporta a quem na empresa. Está diretamente ligada a hierarquia e a unidade de comando. Aponta que  uma pessoa deve ter um, e apenas um, superior a quem se reportar . Robbins Obs. Em uma Estrutura funcional, a cadeia de comando refere-se a questão de se ter apenas 1 supervisor por função
Margem de Controle Refere-se à  quantidade de níveis, departamentos e funcionários que um administrador pode dirigir  com eficácia e eficiência. É a margem de controle que vai determinar o número de escalões de chefia que uma empresa terá. Quando a margem de controle é pequena, aumenta o número de níveis hierárquicos. Quando a margem de controle é grande, diminui o número de níveis hierárquicos. Quanto maior a margem, mas a necessidade de coordenação e de dependência das competências da equipe Robbins
Tamanho das Unidades MINTZBERG  (1983), prefere usar o termo tamanho da unidade ao invés de amplitude de controle (margem de controle) pois é mais amplo. O tamanho das unidades depende de vários fatores tais como tecnologia, grau de delegação, uso dos mecanismos de coordenação, dentre outros Para o autor o tamanho das Unidades varia : CRESCE  QUANDO: - É utilizada a padronização;  - Existe semelhança das tarefas na unidade;  - Existe  autonomia e auto-atualização por parte dos empregados;  REDUZ  QUANDO:  - Existe necessidade de supervisão;  - Existe necessidade de coordenação  entre tarefas complexas;  - Quando os gerentes assumem tarefas operacionais ; - Quando as tarefas não tem auto indice de autonomia; Mintzberg
Centralização e Descentralização Centralização:  A tomada de decisão e a autoridade estão concentradas em um único ponto da organização.  Não há contribuição  dos níveis mais baixos. Ex: Exército e empresas familiares Descentralização:  A tomada de decisão é compartilhada e a autoridade é delegada aos níveis mais baixos.  Há contribuição dos níveis mais baixos . Ex: Empresas com filiais Robbins
Descentralização Vertical  Entre níveis hierárquicos Descentralização Horizontal  Dentro do mesmo nível hierárquico (informal) Fora da cadeia de comando formal Descentralização Limitada ( Seletiva ) Em locais diferentes da organização Descentralização Limitada ( Paralela) Em unidades ou divisões de mercado Descentralização  (vertical e horizontal) Mintzberg
Formalização O  grau em que a padronização em que as tarefas dentro da organização são realizadas  é conhecida como formalização. Quando uma tarefa é muito padronizada, seu responsável tem pouca autonomia para decidir o quê, quando e como deve ser feito. Nas organizações altamente formalizadas existem descrições explícitas de tarefas, muitas regras organizacionais e procedimentos claramente definidos sobre os processos de trabalho. Robbins
Formalização do Comportamento A formalização do comportamento refere-se aos  meios que a organização adota para prescrever comportamentos, essencialmente, através da padronização . A organização formaliza o comportamento para reduzir a variabilidade, visando sua previsibilidade e controle.  O autor divide em três formas básicas:  a) Padronização de posição Onde especificações são atribuídas ao trabalho, como em uma descrição de cargo.  b) Padronização do fluxo de trabalho Onde especificações são atribuídas a cada etapa do trabalho, como em uma receita culinária.  c) Padronização de regras Onde são emitidas especificações gerais, tais como normas e regulamentos contidas em manuais de políticas. Mintzberg
Treinamento e Doutrinação O  treinamento  refere-se ao processo em que as habilidades e conhecimentos de um trabalho são ensinadas e a  doutrinação  ao processo em que as normas organizacionais são adquiridas e internalizadas.  Em tarefas complexas, não repetitivas, é difícil alcançar a coordenação das mesmas através da padronização, neste caso, pode-se utilizar o treinamento para alcançar a coordenação necessária.  Ex: A realização de uma cirurgia A doutrinação é importante nos casos em que determinado trabalho é exercido de forma autônoma, sem o mínimo de supervisão, geralmente, distante da empresa. Ex: executivos numa unidade distante da matriz ou vendedores que trabalham longe da matriz.  Mintzberg
Sistemas de Planejamento e Controle MINTZBERG  (1983)  aponta que os sistemas de planejamento e controle são  instrumentos de avaliação da eficiência e eficácia de uma organização por meio de indicadores.  O autor distingue dois tipos fundamentais de sistemas de planejamento e controle, denominados  controle de performance e planejamento da ação .  O objetivo do  planejamento da ação  é especificar qual o resultado desejado no futuro e como alcançá-lo.  O foco esta na identificação dos objetivos e processos  -  Em organizações com subordinação funcional, são necessários diversos planos interligados para melhor desempenho. O objetivo do  controle de performance  é avaliar se este resultado tem sido alcançado.  O Foco está na avaliação dos resultados  -  Quando uma organização  possui  diversas unidades  trabalhando com produtos específicos, há pouca interdependência, e o comportamento regula-se mais pelo resultado final do que pelos meios utilizados. Mintzberg
Dispositivos de Ligação Conforme Mintzberg (1983), os dispositivos de ligação servem para  sistematizar a interação inter-unidades e ligar as estruturas organizacionais da cada uma para o melhor desempenho . Para o autor, existem quatro tipos de dispositivos:  Posições de Ligação  - estabelecida quando é necessário muito contato entre duas  unidades , sua função principal é servir de elo de comunicação entre duas ou mais unidades, mas não possui autoridade formal. Força Tarefa e Comitês  - formada para executar determinado projeto ou tarefa, dissolvendo-se quando concluída tal tarefa. O comitê é mais permanente, sendo normalmente estabelecido para discutir questões de comum interesse entre uma ou mais unidades, como por exemplo, comitê de produção e vendas.  Gerentes de Integração   - diferentemente da posição de ligação, que não possui autoridade formal, o gerente de integração é estabelecido com autoridade formal sobre outros departamentos com objetivo de integrá-los. São exemplos: gerente de marcas em empresas de alimentos, gerentes de  unidades  em hospitais responsáveis por integrar médicos, enfermeiras e  staff  de suporte.  Estrutura Matricial  -   A estrutura matricial  (Ver departamentalização)  funciona no sentido da existência de  um gerente de projeto e um gerente funcional, podendo  (ou não) estarem em unidades diferentes. O trabalho coordenado por estas duas posições caracteriza um dispositivo de ligação. Mintzberg
Departamentalização Departamentalização é a divisão do trabalho por meio da especialização, onde é necessário  agrupar as atividades e funções  para que as tarefas comuns possam ser coordenadas Ao departamentalizar, a organização define  onde cada atividade será executada e onde cada recurso será utilizado .
Agrupamento em Unidades Para Mintzberg (1983), o agrupamento em unidades refere-se à  forma e aos critérios que serão adotados para agrupar posições ou cargos em unidades.  De acordo com o autor são seis tipos mais comuns de agrupamento: Por conhecimento ou habilidade Por função ou processo de trabalho Por tempo Por produto Por cliente Por lugar  O autor considera o agrupamento com base no mercado como uma forma de agrupar fins e o agrupamento com base na função, como uma forma de agrupar meios para produzir os fins Mintzberg Agrupamento com base na Função Agrupamento com base no Mercado
Faça um quadro comparativo entre Robbins e Mintzberg, apontando os elementos da estrutura organizacional  (EXCETO DEPARTAMENTALIZAÇÃO / AGRUPAMENTO EM UNIDADES)  e uma grande característica de cada um. Aponte quais elementos aparecem com mais força na empresa analisada pela sua empresa de consultoria Tarefa do portfólio 3
Departamentalização Prof. Leonardo Rocha Aula 8
Conceitos Para Robbins (1999) Departamentalização é  o  agrupamento das atividades e recursos em unidades organizacionais, de acordo com um critério   específico de homogeneidade. Para Mintzberg (1983), o agrupamento em unidades  refere-se à forma e aos critérios que serão adotados para agrupar posições ou cargos em unidades , sendo considerado o mais poderoso parâmetro de desenho organizacional.
Funcional Divisional (6) Matricial Híbrida (mista) Tipos de Departamentalização por quantidade territorial (geográfica ) por produtos / serviços por clientes por processo por projeto
5 FATORES INERENTES AO PROCESSO DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO   1. Quanto maior for a  importância da atividade,  maior deve ser o seu nível na hierarquia.  2. A  ênfase na especialização  possibilita maior efetividade à organização pelo aproveitamento das habilidades dos seus integrantes  3. As atividades que possuem um  objetivo único  devem ser coordenadas por um  único supervisor  4. Se uma  atividade se destina a controlar  a outra,  deverá ser subordinada a chefias diferentes  (ex: funcional)
Depart. Funcional Na prática, a funcional não deve ser considerada adequada, pois as funções acima devem estar alocadas em todas as unidades da empresa. Também pode ser agrupada por área de conhecimento
Depart. Funcional Vantagens Maior estabilidade ,  em termos relativos a outros tipos como de projetos; Maior segurança , baseada na execução das tarefas, como relacionamento com os colegas; Especialização do trabalho , quando se considera a estabilidade e as definições claras e precisas, talvez esta seja seja uma das maiores vantagens para a empresa. Maior concentração e uso de recursos especializados , por estar alocados em unidades organizacionais específicas.
Depart. Funcional Vantagens Influências positivas sobre a satisfação dos técnicos pela  proximidade com elementos de mesma especialidade , pela estabilidade da equipe e por ter um chefe de mesma área técnica; Economia de escala , pela utilização máxima de máquinas e produção em massa; Orienta pessoas para uma específica atividade , concentrando sua competência de maneira eficaz. Indicada para circunstâncias estáveis e de pouca mudança , que requeiram desempenho continuado de tarefas rotineiras.
Depart. Funcional Desvantagens Insegurança das pessoas , devido ao aumento de complexidade; Especialização do trabalho , quando as pessoas fazem com que a sua função seja mais importante da empresa, levando ao isolamento no sistema; Responsabilidade pelo desempenho total está só na cúpula , já que cada gerente fiscaliza apenas uma função estreita. Comunicação é geralmente deficiente ,  Decisões são centralizadas  nos níveis mais elevados. Baixa adaptabilidade , relacionada aos feudos especializados da empresa
Depart. Funcional Desvantagens visão parcial de empresa , quando apenas os elementos dos níveis superiores têm uma visão de conjunto provocando problemas de compreensão e de operacionalização das decisões superiores resistência à inovação , porque este critério tem alta estabilidade e baixa adaptabilidade. Algumas idéias novas podem ser destruídas no início em vez de serem discutidas e analisadas pior cumprimento de prazos e orçamentos , porque a departamentalização funcional não cria condições para uma perfeita interligação entre as várias atividades da empresa.
Depart. Divisional  por Quantidade
É um  agrupamento de pessoas não diferenciáveis , que executam tarefas sob ordens de um supervisor, sua utilidade tem diminuído pelos seguintes aspectos O desenvolvimento de recursos humanos; Os trabalhos de equipe especializada são mais eficientes que os baseados em número de pessoas; Não serve para os níveis intermediários e mais elevados de empresa. E mesmo para os níveis mais baixos de hierarquia a sua validade se restringe a determinados setores do processo produtivo. Depart. Divisional  por Quantidade
Depart. Divisional  por Território (geográfica) Ex: A American Telephone & Telegraph Company (AT&T) estabeleceu suas divisões principais desta maneira – South Central Bell, New England Bell, Pacific Bell, Mountain Bell, e assim por diante.
Utilizada por empresas territorialmente dispersas. Baseia-se no princípio de que  todas as atividades que se realizam em um determinado local devem ser agrupadas  e colocadas sob as ordens de um executivo para: obter  vantagens econômicas   de operações locais; possibilidade de maior  treinamento de pessoal   para atuação direta no local; possibilidade de  ação mais imediata em um local ; e maior  facilidade de conhecer os fatores e problemas   por ocasião da decisão. Depart. Divisional  por Território (geográfica)
Desvantagens duplicação   de instalação e de pessoal; pode deixar em segundo plano a coordenação [planejamento, execução e controle] face do  grau de liberdade e autonomia   colocado nas regiões ou filiais; e a preocupação estritamente territorial  concentra-se mais nos aspectos mercadológicos e de produção   quase não requer especialização . As outras áreas da empresa tornam-se secundárias. Depart. Divisional  por Território (geográfica)
Depart. Divisional  por Produto / Serviço IBM reorganizou sua estrutura de administração. Mudou de uma orientação funcional em que produção, marketing e desenvolvimento de produtos centralizados serviam a todos os produtos, para uma orientação de produto, de tal forma  colocando funções em grupos de produtos. Feito de acordo com as  atividades inerentes a cada um dos produtos ou serviços  da empresa.
Vantagens facilita a coordenação dos resultados  esperados de cada grupo de produto; propicia alocação de capital especializado  para cada grupo de produto; facilita a utilização máxima dos recursos ; fixa a  responsabilidade p/o produto  ; cria maior facilidade para a  coordenação interdepartamental. permite maior  flexibilidade de tamanho , pois as unidades de produção podem ser maiores ou menores conforme as condições mudem. Desvantagens pode ser de  difícil coordenação ; aumenta os  custos pelas duplicidades de atividades ; pode  aumentar o poder dos gerentes de produtos Depart. Divisional  por Produto / Serviço
Depart. Divisional  por Clientes As lojas de departamentos, por exemplo, podem  ter uma seção para o grupo dos catorze aos vinte anos, uma seção para gestantes ou uma seção de roupas masculinas sociais, sem mencionar os departamentos para bebês e crianças. Em cada caso, o esforço de vendas pode concentrar-se nos atributos e necessidades especificas do cliente.
De acordo com as  necessidades variadas e especiais dos clientes. Vantagens criar uma  situação favorável para tirar proveito de clientes  bem definidos; assegurar  reconhecimento e atendimento contínuo e rápido aos diferentes tipos e classes de clientes ;  Desvantagens dificuldades de coordenação  entre esse tipo de departamentalização e outros tipos. [trat. especial];  cria a  utilização inadequada de recursos humanos e de equipamentos  em termos de grupos de clientes. Depart. Divisional  por Clientes
Depart. Divisional  por Projetos Uma empresa manufatureira, um especialista em produção, um engenheiro mecânico e um químico poderiam ser indicados para , sob a chefia de um administrador de projeto, completar o projeto de controle de poluição.
As   atividades e as pessoas recebem atribuições temporárias .  Vantagens  permite  alto grau de responsabilidade   do grupo de execução do projeto; alto grau de conhecimento ; versatilidade e adaptabilidade   [aceitação de novas idéias e técnicas]; melhor  atendimento do cliente do projeto ; e permite  melhor cumprimento dos prazos e orçamentos Desvantagens pode gerar uma  situação de recursos ociosos   ou mal empregados se for não for bem administrado; gera  problemas de comunicação  e  tomada de decisão , porque cada grupo se dedica ao seu próprio projeto, esquecendo que é parte integrante da empresa. o  tamanho do grupo pode apresentar problemas , quanto maior o grupo, menor é a probabilidade de sucesso. Depart. Divisional  por Projetos
Depart. Divisional  por Processos Você perceberá uma modificação deste agrupamento organizacional quando comprar um hambúrguer em um restaurante de serviço rápido. Note que algumas pessoas estão assando a carne, outras estão fritando as batatas, e outras preparando a bebida. Usualmente há um anotador de pedidos que também recebe o pagamento e compõe o pedido. De  acordo com as etapas   lógicas de um processo.  Empregado basicamente nas indústrias nos níveis hierárquicos mais baixos .
Vantagens maior especialização de recursos   alocados possibilidade de  comunicação mais rápida de informações   técnicas Desvantagens possibilidade de  perda da visão global  Possibilidade de  não visualizar todo o andamento do processo ;  flexibilidade restrita   para ajustes no processo. Depart. Divisional  por Processos
Departamentalização Matricial Recursos Humanos e  Materiais Recursos Humanos e  Materiais Recursos Humanos e  Materiais
 
Depart. Matricial Sobreposição de dois ou mais tipos de departamentalização sob a mesma pessoa , geralmente, uma fusão  entre a estrutura funcional e a por projetos. A característica de responsabilidade do agrupamento matricial, exige nível de  confiança mútua e capacidade de improvisação  na solução de problemas. organização de matriz proporciona uma hierarquia que responde rapidamente às mudanças em tecnologia. Por isso, é tipicamente encontrada em organização de  orientação técnica , como a Boeing, General Dynamics, NASA e GE onde os cientistas, engenheiros, ou especialistas técnicos trabalham em projetos ou programas sofisticados. Também é usada por empresas com projetos de construção complexos
VANTAGENS possibilidade de maior  aprimoramento técnico   de sua equipe de trabalho; coordenação de equipe de forma mais adequada   e coerente; maior desenvolvimento   de pessoal; maior especialização nas atividades   desenvolvidas; uso adequado dos vários recursos ; maior cumprimento dos prazos e do orçamento ; melhor atendimento dos clientes   do projeto. DESVANTAGENS dupla subordinação , gerando um clima de ambigüidade de papéis e relações; e conflitos de interesse   entre chefes funcionais e os chefes de projetos.  Monopolização de recursos ,  dificuldade de definir claramente atribuições e autoridade   de cada elemento e minimizar conflitos inevitáveis. Depart. Matricial
Depart. Híbrida (Mista)
Depart. Mista É o  tipo mais freqüente , onde cada parte da empresa deve ter sua  estrutura que mais se adapte à sua realidade  organizacional. É a  utilização de mais de um tipo de departamentalização  em uma estrutura ou organização Agrupado por área Agrupado por  Produto Agrupado por  Função Agrupado por função de trabalho Agrupado por função de trabalho
Escolha da Melhor Depart. Princípio da  Diferenciação : Estabelece que as  atividades diferentes  devem ficar em  departamentos separados . Princípio da  Integração : Estabelece que, quanto mais as  atividades trabalham integradas , maior razão há para ficarem no  mesmo departamento.  Princípio de maior  uso ; O departamento que mais uso fizer de uma atividade deve tê-la sob sua jurisdição. Princípio de maior  interesse ; O departamento que mais interesse tiver por uma atividade deve supervisioná-la . Princípio de  separação do controle ; As atividades de controle devem ser autônomas, independentes e separadas das atividades que estão sendo controladas. Princípio da  eliminação da concorrência entre departamentos . Agrupando atividades correlatas em um único departamento .
Tarefa do portfólio 4 Faça uma análise da departamentalização da empresa que a sua consultoria está analisando. Qual o tipo de departamentalização da organização como um todo? Se ela for uma mista, quais tipos e onde se encontram? Sua equipe considera a forma de departamentalização a mais adequada?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Liderança e gestão.ppt
Liderança e gestão.ppt Liderança e gestão.ppt
Liderança e gestão.ppt
WM Treinamentos Cursos e Palestras Ltda
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
Valéria Fratini
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
André Boaratti
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
Kenneth Corrêa
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
Funções da Administração
Funções da AdministraçãoFunções da Administração
Funções da Administração
Divino Fredson
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
Correios
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
Carlos Alves
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 
Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramas
cattonia
 
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
Peopleup Consultoria em Remuneração e RH
 
Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
Caroline Ricci
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
Andrey Martins
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Rafael Evans
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
Kenneth Corrêa
 

Mais procurados (20)

Liderança e gestão.ppt
Liderança e gestão.ppt Liderança e gestão.ppt
Liderança e gestão.ppt
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Funções da Administração
Funções da AdministraçãoFunções da Administração
Funções da Administração
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Organogramas
OrganogramasOrganogramas
Organogramas
 
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
Plano de Cargos e Salário - Como Implantar?
 
Recrutamento e Seleção
Recrutamento e SeleçãoRecrutamento e Seleção
Recrutamento e Seleção
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 

Semelhante a Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional

Aula 4 - organizacional
Aula 4 - organizacionalAula 4 - organizacional
Aula 4 - organizacional
Psicologia_2015
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Universidade Pedagogica
 
Organizar e Dirigir
Organizar e DirigirOrganizar e Dirigir
Organizar e Dirigir
André Silva
 
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigir
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigirBloco ii aulas-organizar_e_dirigir
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigir
André Silva
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Estrutura organizacional influência da estrutura na eficiência da organizaç...
Estrutura organizacional   influência da estrutura na eficiência da organizaç...Estrutura organizacional   influência da estrutura na eficiência da organizaç...
Estrutura organizacional influência da estrutura na eficiência da organizaç...
DigicomInformtica
 
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptxPOT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
JackellynneSilvadoNa
 
organogramas.pdf
organogramas.pdforganogramas.pdf
organogramas.pdf
KellyCristianyRodrig
 
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Gracietti Santana de Oliveira
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
Niloar Bissani
 
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdfaula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
dudacco2024
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
Eduardo da Silva
 
Eorg
EorgEorg
Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2
Raquel Alves
 
Slides - Organização.pdf processos administrativos
Slides - Organização.pdf processos administrativosSlides - Organização.pdf processos administrativos
Slides - Organização.pdf processos administrativos
RicardodeQueirozMach
 
Palestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresaPalestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresa
R Gómez
 
Características básicas das organizações formais
Características básicas das organizações formaisCaracterísticas básicas das organizações formais
Características básicas das organizações formais
ilanafranca
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Luis Cunha
 
Apostila administração
Apostila administraçãoApostila administração
Apostila administração
Juliana Rocha
 
3.departa..
3.departa..3.departa..
3.departa..
Anderson Rogério
 

Semelhante a Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional (20)

Aula 4 - organizacional
Aula 4 - organizacionalAula 4 - organizacional
Aula 4 - organizacional
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Organizar e Dirigir
Organizar e DirigirOrganizar e Dirigir
Organizar e Dirigir
 
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigir
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigirBloco ii aulas-organizar_e_dirigir
Bloco ii aulas-organizar_e_dirigir
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Estrutura organizacional influência da estrutura na eficiência da organizaç...
Estrutura organizacional   influência da estrutura na eficiência da organizaç...Estrutura organizacional   influência da estrutura na eficiência da organizaç...
Estrutura organizacional influência da estrutura na eficiência da organizaç...
 
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptxPOT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
POT - Aula 3 - Dimensões Básicas de Análises das Organizações.pptx
 
organogramas.pdf
organogramas.pdforganogramas.pdf
organogramas.pdf
 
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
Aula3 dimenso1-estruturaorganizacional-110924131822-phpapp02
 
Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
 
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdfaula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
aula5-teorianeoclssica-120423123405-phpapp02 (1).pdf
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Eorg
EorgEorg
Eorg
 
Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2Mqa setembro semana 2
Mqa setembro semana 2
 
Slides - Organização.pdf processos administrativos
Slides - Organização.pdf processos administrativosSlides - Organização.pdf processos administrativos
Slides - Organização.pdf processos administrativos
 
Palestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresaPalestra estrutura da empresa
Palestra estrutura da empresa
 
Características básicas das organizações formais
Características básicas das organizações formaisCaracterísticas básicas das organizações formais
Características básicas das organizações formais
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Apostila administração
Apostila administraçãoApostila administração
Apostila administração
 
3.departa..
3.departa..3.departa..
3.departa..
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
Prof. Leonardo Rocha
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 

Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional

  • 2. Introdução Seis elementos segundo Robbins (2000) são considerados elementares na construção da estrutura organizacional : Especialização do trabalho, Departamentalização, Cadeia de comando, Margem de controle, Centralização e descentralização, Formalização
  • 3. Introdução “ Os elementos da estrutura devem ser selecionados para a obtenção de uma consistência ou harmonia interna, bem como uma consistência básica como a situação da organização.” Mintzberg (2003 pg;13) Especialização do Trabalho Formalização do Comportamento Treinamento e Doutrinação Agrupamento das unidades Tamanho das Unidades Sistemas de Planejamento e Controle Dispositivos de Ligação Descentralização (vertical e Horizontal)
  • 4. Comparação entre Robbins e Mintzberg Especialização do trabalho Formalização Departamentalização Cadeia de comando Margem de controle Centralização e descentralização Especialização do Trabalho Formalização do Comportamento Treinamento e Doutrinação Agrupamento das unidades Tamanho das Unidades Sistemas de Planejamento e Controle Dispositivos de Ligação Descentralização (vertical e Horizontal)
  • 5. Especialização do Trabalho O termo especialização do trabalho descreve o grau em que as tarefas na organização são subdivididas em funções separadas. A essência da especialização do trabalho é que, em vez de uma atividade ser completada inteiramente por uma única pessoa, ela é dividida em um certo número de etapas, cada qual sendo realizada por um individuo. Essencialmente, os indivíduos se especializam em realizar parte de uma atividade em vez de fazer a atividade inteira De acordo com Wagner e Hollenbeck (2003), quanto mais alto o grau de especialização, menor a quantidade de tarefas. Robbins
  • 6. Especialização do Trabalho Especialização horizontal É a forma tradicional de divisão do trabalho onde um trabalho específico pode ser dividido em pequenas tarefas , cada uma sendo executada por um operador. diz respeito à extensão ou ao escopo do trabalho. Ex: trabalho altamente repetitivo. Foco na qualidade do trabalho Aumento de órgãos especializados Divisão de Tarefas Especialização vertical Refere-se à separação da performance do trabalho de sua administração, ou seja, a separação da execução do trabalho da sua tomada de decisão. Relaciona-se com a profundidade e ao controle sobre o trabalho . Ex: executar o trabalho tendo o controle de cada aspecto do trabalho. Foco na qualidade da supervisão Aumento de níveis hierárquicos Divisão de autoridade Mintzberg
  • 7. Cadeia de Comando Cadeia de comando é uma linha única de autoridade que vai do topo da organização até o escalão mais baixo, determinando quem se reporta a quem na empresa. Está diretamente ligada a hierarquia e a unidade de comando. Aponta que uma pessoa deve ter um, e apenas um, superior a quem se reportar . Robbins Obs. Em uma Estrutura funcional, a cadeia de comando refere-se a questão de se ter apenas 1 supervisor por função
  • 8. Margem de Controle Refere-se à quantidade de níveis, departamentos e funcionários que um administrador pode dirigir com eficácia e eficiência. É a margem de controle que vai determinar o número de escalões de chefia que uma empresa terá. Quando a margem de controle é pequena, aumenta o número de níveis hierárquicos. Quando a margem de controle é grande, diminui o número de níveis hierárquicos. Quanto maior a margem, mas a necessidade de coordenação e de dependência das competências da equipe Robbins
  • 9. Tamanho das Unidades MINTZBERG (1983), prefere usar o termo tamanho da unidade ao invés de amplitude de controle (margem de controle) pois é mais amplo. O tamanho das unidades depende de vários fatores tais como tecnologia, grau de delegação, uso dos mecanismos de coordenação, dentre outros Para o autor o tamanho das Unidades varia : CRESCE QUANDO: - É utilizada a padronização; - Existe semelhança das tarefas na unidade; - Existe autonomia e auto-atualização por parte dos empregados; REDUZ QUANDO: - Existe necessidade de supervisão; - Existe necessidade de coordenação entre tarefas complexas; - Quando os gerentes assumem tarefas operacionais ; - Quando as tarefas não tem auto indice de autonomia; Mintzberg
  • 10. Centralização e Descentralização Centralização: A tomada de decisão e a autoridade estão concentradas em um único ponto da organização. Não há contribuição dos níveis mais baixos. Ex: Exército e empresas familiares Descentralização: A tomada de decisão é compartilhada e a autoridade é delegada aos níveis mais baixos. Há contribuição dos níveis mais baixos . Ex: Empresas com filiais Robbins
  • 11. Descentralização Vertical Entre níveis hierárquicos Descentralização Horizontal Dentro do mesmo nível hierárquico (informal) Fora da cadeia de comando formal Descentralização Limitada ( Seletiva ) Em locais diferentes da organização Descentralização Limitada ( Paralela) Em unidades ou divisões de mercado Descentralização (vertical e horizontal) Mintzberg
  • 12. Formalização O grau em que a padronização em que as tarefas dentro da organização são realizadas é conhecida como formalização. Quando uma tarefa é muito padronizada, seu responsável tem pouca autonomia para decidir o quê, quando e como deve ser feito. Nas organizações altamente formalizadas existem descrições explícitas de tarefas, muitas regras organizacionais e procedimentos claramente definidos sobre os processos de trabalho. Robbins
  • 13. Formalização do Comportamento A formalização do comportamento refere-se aos meios que a organização adota para prescrever comportamentos, essencialmente, através da padronização . A organização formaliza o comportamento para reduzir a variabilidade, visando sua previsibilidade e controle. O autor divide em três formas básicas: a) Padronização de posição Onde especificações são atribuídas ao trabalho, como em uma descrição de cargo. b) Padronização do fluxo de trabalho Onde especificações são atribuídas a cada etapa do trabalho, como em uma receita culinária. c) Padronização de regras Onde são emitidas especificações gerais, tais como normas e regulamentos contidas em manuais de políticas. Mintzberg
  • 14. Treinamento e Doutrinação O treinamento refere-se ao processo em que as habilidades e conhecimentos de um trabalho são ensinadas e a doutrinação ao processo em que as normas organizacionais são adquiridas e internalizadas. Em tarefas complexas, não repetitivas, é difícil alcançar a coordenação das mesmas através da padronização, neste caso, pode-se utilizar o treinamento para alcançar a coordenação necessária. Ex: A realização de uma cirurgia A doutrinação é importante nos casos em que determinado trabalho é exercido de forma autônoma, sem o mínimo de supervisão, geralmente, distante da empresa. Ex: executivos numa unidade distante da matriz ou vendedores que trabalham longe da matriz. Mintzberg
  • 15. Sistemas de Planejamento e Controle MINTZBERG (1983) aponta que os sistemas de planejamento e controle são instrumentos de avaliação da eficiência e eficácia de uma organização por meio de indicadores. O autor distingue dois tipos fundamentais de sistemas de planejamento e controle, denominados controle de performance e planejamento da ação . O objetivo do planejamento da ação é especificar qual o resultado desejado no futuro e como alcançá-lo. O foco esta na identificação dos objetivos e processos - Em organizações com subordinação funcional, são necessários diversos planos interligados para melhor desempenho. O objetivo do controle de performance é avaliar se este resultado tem sido alcançado. O Foco está na avaliação dos resultados - Quando uma organização possui diversas unidades trabalhando com produtos específicos, há pouca interdependência, e o comportamento regula-se mais pelo resultado final do que pelos meios utilizados. Mintzberg
  • 16. Dispositivos de Ligação Conforme Mintzberg (1983), os dispositivos de ligação servem para sistematizar a interação inter-unidades e ligar as estruturas organizacionais da cada uma para o melhor desempenho . Para o autor, existem quatro tipos de dispositivos: Posições de Ligação - estabelecida quando é necessário muito contato entre duas unidades , sua função principal é servir de elo de comunicação entre duas ou mais unidades, mas não possui autoridade formal. Força Tarefa e Comitês - formada para executar determinado projeto ou tarefa, dissolvendo-se quando concluída tal tarefa. O comitê é mais permanente, sendo normalmente estabelecido para discutir questões de comum interesse entre uma ou mais unidades, como por exemplo, comitê de produção e vendas. Gerentes de Integração - diferentemente da posição de ligação, que não possui autoridade formal, o gerente de integração é estabelecido com autoridade formal sobre outros departamentos com objetivo de integrá-los. São exemplos: gerente de marcas em empresas de alimentos, gerentes de unidades em hospitais responsáveis por integrar médicos, enfermeiras e staff de suporte. Estrutura Matricial - A estrutura matricial (Ver departamentalização) funciona no sentido da existência de um gerente de projeto e um gerente funcional, podendo (ou não) estarem em unidades diferentes. O trabalho coordenado por estas duas posições caracteriza um dispositivo de ligação. Mintzberg
  • 17. Departamentalização Departamentalização é a divisão do trabalho por meio da especialização, onde é necessário agrupar as atividades e funções para que as tarefas comuns possam ser coordenadas Ao departamentalizar, a organização define onde cada atividade será executada e onde cada recurso será utilizado .
  • 18. Agrupamento em Unidades Para Mintzberg (1983), o agrupamento em unidades refere-se à forma e aos critérios que serão adotados para agrupar posições ou cargos em unidades. De acordo com o autor são seis tipos mais comuns de agrupamento: Por conhecimento ou habilidade Por função ou processo de trabalho Por tempo Por produto Por cliente Por lugar O autor considera o agrupamento com base no mercado como uma forma de agrupar fins e o agrupamento com base na função, como uma forma de agrupar meios para produzir os fins Mintzberg Agrupamento com base na Função Agrupamento com base no Mercado
  • 19. Faça um quadro comparativo entre Robbins e Mintzberg, apontando os elementos da estrutura organizacional (EXCETO DEPARTAMENTALIZAÇÃO / AGRUPAMENTO EM UNIDADES) e uma grande característica de cada um. Aponte quais elementos aparecem com mais força na empresa analisada pela sua empresa de consultoria Tarefa do portfólio 3
  • 21. Conceitos Para Robbins (1999) Departamentalização é o agrupamento das atividades e recursos em unidades organizacionais, de acordo com um critério específico de homogeneidade. Para Mintzberg (1983), o agrupamento em unidades refere-se à forma e aos critérios que serão adotados para agrupar posições ou cargos em unidades , sendo considerado o mais poderoso parâmetro de desenho organizacional.
  • 22. Funcional Divisional (6) Matricial Híbrida (mista) Tipos de Departamentalização por quantidade territorial (geográfica ) por produtos / serviços por clientes por processo por projeto
  • 23. 5 FATORES INERENTES AO PROCESSO DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO 1. Quanto maior for a importância da atividade, maior deve ser o seu nível na hierarquia. 2. A ênfase na especialização possibilita maior efetividade à organização pelo aproveitamento das habilidades dos seus integrantes 3. As atividades que possuem um objetivo único devem ser coordenadas por um único supervisor 4. Se uma atividade se destina a controlar a outra, deverá ser subordinada a chefias diferentes (ex: funcional)
  • 24. Depart. Funcional Na prática, a funcional não deve ser considerada adequada, pois as funções acima devem estar alocadas em todas as unidades da empresa. Também pode ser agrupada por área de conhecimento
  • 25. Depart. Funcional Vantagens Maior estabilidade , em termos relativos a outros tipos como de projetos; Maior segurança , baseada na execução das tarefas, como relacionamento com os colegas; Especialização do trabalho , quando se considera a estabilidade e as definições claras e precisas, talvez esta seja seja uma das maiores vantagens para a empresa. Maior concentração e uso de recursos especializados , por estar alocados em unidades organizacionais específicas.
  • 26. Depart. Funcional Vantagens Influências positivas sobre a satisfação dos técnicos pela proximidade com elementos de mesma especialidade , pela estabilidade da equipe e por ter um chefe de mesma área técnica; Economia de escala , pela utilização máxima de máquinas e produção em massa; Orienta pessoas para uma específica atividade , concentrando sua competência de maneira eficaz. Indicada para circunstâncias estáveis e de pouca mudança , que requeiram desempenho continuado de tarefas rotineiras.
  • 27. Depart. Funcional Desvantagens Insegurança das pessoas , devido ao aumento de complexidade; Especialização do trabalho , quando as pessoas fazem com que a sua função seja mais importante da empresa, levando ao isolamento no sistema; Responsabilidade pelo desempenho total está só na cúpula , já que cada gerente fiscaliza apenas uma função estreita. Comunicação é geralmente deficiente , Decisões são centralizadas nos níveis mais elevados. Baixa adaptabilidade , relacionada aos feudos especializados da empresa
  • 28. Depart. Funcional Desvantagens visão parcial de empresa , quando apenas os elementos dos níveis superiores têm uma visão de conjunto provocando problemas de compreensão e de operacionalização das decisões superiores resistência à inovação , porque este critério tem alta estabilidade e baixa adaptabilidade. Algumas idéias novas podem ser destruídas no início em vez de serem discutidas e analisadas pior cumprimento de prazos e orçamentos , porque a departamentalização funcional não cria condições para uma perfeita interligação entre as várias atividades da empresa.
  • 29. Depart. Divisional por Quantidade
  • 30. É um agrupamento de pessoas não diferenciáveis , que executam tarefas sob ordens de um supervisor, sua utilidade tem diminuído pelos seguintes aspectos O desenvolvimento de recursos humanos; Os trabalhos de equipe especializada são mais eficientes que os baseados em número de pessoas; Não serve para os níveis intermediários e mais elevados de empresa. E mesmo para os níveis mais baixos de hierarquia a sua validade se restringe a determinados setores do processo produtivo. Depart. Divisional por Quantidade
  • 31. Depart. Divisional por Território (geográfica) Ex: A American Telephone & Telegraph Company (AT&T) estabeleceu suas divisões principais desta maneira – South Central Bell, New England Bell, Pacific Bell, Mountain Bell, e assim por diante.
  • 32. Utilizada por empresas territorialmente dispersas. Baseia-se no princípio de que todas as atividades que se realizam em um determinado local devem ser agrupadas e colocadas sob as ordens de um executivo para: obter vantagens econômicas de operações locais; possibilidade de maior treinamento de pessoal para atuação direta no local; possibilidade de ação mais imediata em um local ; e maior facilidade de conhecer os fatores e problemas por ocasião da decisão. Depart. Divisional por Território (geográfica)
  • 33. Desvantagens duplicação de instalação e de pessoal; pode deixar em segundo plano a coordenação [planejamento, execução e controle] face do grau de liberdade e autonomia colocado nas regiões ou filiais; e a preocupação estritamente territorial concentra-se mais nos aspectos mercadológicos e de produção quase não requer especialização . As outras áreas da empresa tornam-se secundárias. Depart. Divisional por Território (geográfica)
  • 34. Depart. Divisional por Produto / Serviço IBM reorganizou sua estrutura de administração. Mudou de uma orientação funcional em que produção, marketing e desenvolvimento de produtos centralizados serviam a todos os produtos, para uma orientação de produto, de tal forma colocando funções em grupos de produtos. Feito de acordo com as atividades inerentes a cada um dos produtos ou serviços da empresa.
  • 35. Vantagens facilita a coordenação dos resultados esperados de cada grupo de produto; propicia alocação de capital especializado para cada grupo de produto; facilita a utilização máxima dos recursos ; fixa a responsabilidade p/o produto ; cria maior facilidade para a coordenação interdepartamental. permite maior flexibilidade de tamanho , pois as unidades de produção podem ser maiores ou menores conforme as condições mudem. Desvantagens pode ser de difícil coordenação ; aumenta os custos pelas duplicidades de atividades ; pode aumentar o poder dos gerentes de produtos Depart. Divisional por Produto / Serviço
  • 36. Depart. Divisional por Clientes As lojas de departamentos, por exemplo, podem ter uma seção para o grupo dos catorze aos vinte anos, uma seção para gestantes ou uma seção de roupas masculinas sociais, sem mencionar os departamentos para bebês e crianças. Em cada caso, o esforço de vendas pode concentrar-se nos atributos e necessidades especificas do cliente.
  • 37. De acordo com as necessidades variadas e especiais dos clientes. Vantagens criar uma situação favorável para tirar proveito de clientes bem definidos; assegurar reconhecimento e atendimento contínuo e rápido aos diferentes tipos e classes de clientes ; Desvantagens dificuldades de coordenação entre esse tipo de departamentalização e outros tipos. [trat. especial]; cria a utilização inadequada de recursos humanos e de equipamentos em termos de grupos de clientes. Depart. Divisional por Clientes
  • 38. Depart. Divisional por Projetos Uma empresa manufatureira, um especialista em produção, um engenheiro mecânico e um químico poderiam ser indicados para , sob a chefia de um administrador de projeto, completar o projeto de controle de poluição.
  • 39. As atividades e as pessoas recebem atribuições temporárias . Vantagens permite alto grau de responsabilidade do grupo de execução do projeto; alto grau de conhecimento ; versatilidade e adaptabilidade [aceitação de novas idéias e técnicas]; melhor atendimento do cliente do projeto ; e permite melhor cumprimento dos prazos e orçamentos Desvantagens pode gerar uma situação de recursos ociosos ou mal empregados se for não for bem administrado; gera problemas de comunicação e tomada de decisão , porque cada grupo se dedica ao seu próprio projeto, esquecendo que é parte integrante da empresa. o tamanho do grupo pode apresentar problemas , quanto maior o grupo, menor é a probabilidade de sucesso. Depart. Divisional por Projetos
  • 40. Depart. Divisional por Processos Você perceberá uma modificação deste agrupamento organizacional quando comprar um hambúrguer em um restaurante de serviço rápido. Note que algumas pessoas estão assando a carne, outras estão fritando as batatas, e outras preparando a bebida. Usualmente há um anotador de pedidos que também recebe o pagamento e compõe o pedido. De acordo com as etapas lógicas de um processo. Empregado basicamente nas indústrias nos níveis hierárquicos mais baixos .
  • 41. Vantagens maior especialização de recursos alocados possibilidade de comunicação mais rápida de informações técnicas Desvantagens possibilidade de perda da visão global Possibilidade de não visualizar todo o andamento do processo ; flexibilidade restrita para ajustes no processo. Depart. Divisional por Processos
  • 42. Departamentalização Matricial Recursos Humanos e Materiais Recursos Humanos e Materiais Recursos Humanos e Materiais
  • 43.  
  • 44. Depart. Matricial Sobreposição de dois ou mais tipos de departamentalização sob a mesma pessoa , geralmente, uma fusão entre a estrutura funcional e a por projetos. A característica de responsabilidade do agrupamento matricial, exige nível de confiança mútua e capacidade de improvisação na solução de problemas. organização de matriz proporciona uma hierarquia que responde rapidamente às mudanças em tecnologia. Por isso, é tipicamente encontrada em organização de orientação técnica , como a Boeing, General Dynamics, NASA e GE onde os cientistas, engenheiros, ou especialistas técnicos trabalham em projetos ou programas sofisticados. Também é usada por empresas com projetos de construção complexos
  • 45. VANTAGENS possibilidade de maior aprimoramento técnico de sua equipe de trabalho; coordenação de equipe de forma mais adequada e coerente; maior desenvolvimento de pessoal; maior especialização nas atividades desenvolvidas; uso adequado dos vários recursos ; maior cumprimento dos prazos e do orçamento ; melhor atendimento dos clientes do projeto. DESVANTAGENS dupla subordinação , gerando um clima de ambigüidade de papéis e relações; e conflitos de interesse entre chefes funcionais e os chefes de projetos. Monopolização de recursos , dificuldade de definir claramente atribuições e autoridade de cada elemento e minimizar conflitos inevitáveis. Depart. Matricial
  • 47. Depart. Mista É o tipo mais freqüente , onde cada parte da empresa deve ter sua estrutura que mais se adapte à sua realidade organizacional. É a utilização de mais de um tipo de departamentalização em uma estrutura ou organização Agrupado por área Agrupado por Produto Agrupado por Função Agrupado por função de trabalho Agrupado por função de trabalho
  • 48. Escolha da Melhor Depart. Princípio da Diferenciação : Estabelece que as atividades diferentes devem ficar em departamentos separados . Princípio da Integração : Estabelece que, quanto mais as atividades trabalham integradas , maior razão há para ficarem no mesmo departamento. Princípio de maior uso ; O departamento que mais uso fizer de uma atividade deve tê-la sob sua jurisdição. Princípio de maior interesse ; O departamento que mais interesse tiver por uma atividade deve supervisioná-la . Princípio de separação do controle ; As atividades de controle devem ser autônomas, independentes e separadas das atividades que estão sendo controladas. Princípio da eliminação da concorrência entre departamentos . Agrupando atividades correlatas em um único departamento .
  • 49. Tarefa do portfólio 4 Faça uma análise da departamentalização da empresa que a sua consultoria está analisando. Qual o tipo de departamentalização da organização como um todo? Se ela for uma mista, quais tipos e onde se encontram? Sua equipe considera a forma de departamentalização a mais adequada?