SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 5
 Prof. Leonardo Rocha
EXEMPLOS:
http://www.tecnologiasocial.org.br/bts/pesquisarTec
 TECNOLOGIA: O termo tecnologia tem uma ampla conotação e
refere-se às técnicas, métodos, procedimentos, ferramentas,
equipamentos e instalações que concorrem para a realização e obtenção
de um ou vários produtos.
 Em geral, divide-se a tecnologia em duas grandes categorias:
 tecnologia de produto
 As de produto são aquelas cujos resultados são componentes tangíveis e
facilmente identificáveis, tais como: equipamentos, instalações físicas,
ferramentas, artefatos, etc.
 tecnologia de processo
 As de processo são aquelas em que se incluem as técnicas, métodos e
procedimentos utilizados para se obter um determinado produto.
 São um conjunto de produtos, técnicas ou metodologias
transformadoras, desenvolvidos na interação com a população
e apropriados por ela, que representam efetivas soluções de
transformação social.
Essas tecnologias caracterizam-se pela
simplicidade, baixo custo e fácil aplicação, que
potencializam a utilização de insumos locais e mão de obra
disponível, protegem o meio ambiente, têm impacto positivo e
capacidade de resolução de problemas sociais.
 Introduzidas por Gandhi entre 1924 e 1927 como
forma de lutar contra as injustiças sociais.
 Sua frase era “Produção pelas massas, não
produção em massa”.
 As primeiras preocupações eram com TECNOLOGIAS
ALTERNATIVAS para:
◦ Energia, Redução da pobreza e questões ambientais
São exemplos de tecnologia social:
 o clássico soro caseiro (mistura de água, açúcar e sal que
combate a desidratação e reduz a mortalidade infantil);
 Aas cisternas de placas pré-moldadas que atenuam os
problemas de acesso a água de boa qualidade à população do
semi-árido
 Aquecedores de água com materiais reciclados
Tecnologia Social implica:
 1. compromisso com a transformação social
 2. criação de um espaço de descoberta e escuta 
de demandas e necessidades sociais
 3. relevância e eficácia social 
 4. sustentabilidade socioambiental e econômica
 5. inovação
 6. organização e sistematização dos conhecimentos
 7. acessibilidade e apropriação das tecnologias
 8. um processo pedagógico para todos os envolvidos
 9. o diálogo entre diferentes saberes
 10. difusão e ação educativa
 11. processos participativos de planejamento,
acompanhamento e avaliação
 12. a construção cidadã do processo democrático 
1. Fase de criação. As TS nascem ou da sabedoria popular, ou 
do conhecimento científico, ou da combinação de ambas.
2. Fase da viabilidade técnica, na qual há a consolidação de 
um padrão tecnológico.
3.  Fase de viabilidade política. Por várias razões e meios, 
ganha autoridade e visibilidade. É o reconhecimento e 
recomendação.
4. Fase de viabilidade social, quando a tecnologia tem de se 
mostrar capaz de ganhar escala perante a sociedade. 
1. Diagnóstico
2. Metodologia
3. Indicadores
4. Projeto
5. Aplicação
6. Mensuração de resultados
7. Capacidade de Replicação
8. Divulgação  
Os projetos de tecnologias sociais são apoiados por 
intermédio de convênios, termos de parceria ou editais, 
assentados nas seguintes diretrizes:
1) Promover a sustentabilidade dos empreendimentos,
com valorização dos conhecimentos locais, insumos 
endógenos, produtos e potencialidades territoriais.
 2) Incentivar a utilização de metodologias
participativas, visando a integração dos beneficiários 
em todas as etapas - concepção, execução e avaliação 
dos projetos - incentivando o protagonismo (iniciativa) 
e emancipação das populações envolvidas.
 3) Privilegiar a abordagem interdisciplinar, na qual haja 
integração de diferentes disciplinas científicas, ou seja, 
cada uma aporta seu instrumental metodológico, 
porém compartilha uma visão da problemática a ser 
tratada.
 4) Incentivar a composição de parcerias inter e
multiinstitucional (governos, instituições de pesquisa e
extensão, instituições de ensino, organizações não
governamentais e organizações do público
beneficiário), desde a concepção do projeto, visando a
sustentabilidade e continuidade da ação.
 5) Articular pesquisa e extensão na identificação e
resolução dos problemas concretos dos beneficiários;
 6) Promover a sistematização de conhecimentos e
experiências gerados a partir das ações desenvolvidas.
 7) Priorizar ações que promovam a gestão participativa
dos empreendimentos econômicos e solidários, com a
valorização do associativismo e do cooperativismo e da
auto-gestão.
 Organização que tem por objetivo contribuir para a
promoção do desenvolvimento sustentável por meio
da difusão e reaplicação, em escala, de tecnologias
sociais.
 A Rede procura estimular a adoção de tecnologias
sociais como políticas públicas, a apropriação das
tecnologias sociais por parte das comunidades e o
desenvolvimento de novas tecnologias sociais.
RTS
 Atualmente, a RTS é composta por entidades de todas as
regiões do Brasil e também da América Latina.
 Para o biênio 2007-2008, o compromisso dessas instituições
é ampliar ainda mais a escala de reaplicação das tecnologias
sociais que têm obtido diversos resultados, promovido a
inclusão e melhorado a qualidade de vida de milhares de
pessoas e famílias.
 “A RTS foi criada a partir da constatação da importância estratégica das
tecnologias sociais para o desenvolvimento e a integração de diferentes agentes
da sociedade para a construção de uma nova estrutura social”, explica Larissa
de Oliveira Constant Barros, secretária executiva da Rede.
 Fundação Banco do Brasil
 www.tecnologiasocial.org.br
 Rede de Tecnologia Social
 www.rts.org.br
 Instituto de Tecnologia Social
 www.itsbrasil.org.br
 Prêmio CAIXA Melhores Práticas
 www.caixa.gov.br
 TECNOLOGIA APROPRIADA
 BANCO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS
 FRANQUIAS SOCIAIS
O conceito de tecnologia apropriada se relaciona com a infra-
estrutura de um país, com as necessidades de seus usuários e
com o meio ambiente onde ela flui e que, dependendo dos
objetivos, características, atuação, dá a ela funções específicas.
Processo de estabelecimento dos efeitos sociais e
ambientais de uma tecnologia proposta antes que ela seja
desenvolvida, e a tentativa de incorporar elementos
benéficos, nas várias fases de seu desenvolvimento e
utilização”.
Ex: Soro Caseiro (
IBICT. Rede Nacional de Transferência e Difusão de Tecnologias Apropriadas. Capturado em 17 Ago. 2000. On line. Disponível na Internet .
http:// www.ibict.br
Usualmente, contudo, o quanto uma tecnologia é apropriada
depende dos seguintes critérios:
1. Satisfaz as necessidades das camadas mais pobres da
população?
2. Preserva ou não o meio ambiente?
3. É adequada em relação aos recursos naturais disponíveis?
4. Depende de fontes de energia renováveis ou depende de
combustíveis fósseis?
O Banco de Tecnologias Sociais é um banco de dados que
contempla informações sobre as tecnologias sociais
certificadas e que continuam sendo aplicadas.
O Banco integra soluções que podem ser conhecidas e
consultadas por tema, área de atuação, entidade executora,
público-alvo, região, estado, problemas solucionados,
municípios atendidos, recursos necessários para
implementação, entre outros detalhamentos.
A Franquia Social consistem em replicar e disseminar
programas sociais bem-sucedidos, utilizando mecanismos
típicos de uma operação de franchising* empresarial.
Cada unidade nascida assim é implantada, operada e gerida
por uma entidade franqueada, a qual, da mesma forma que
ocorre com a franqueadora (a organização que concede a
franquia), tanto pode ser uma ONG, como uma empresa.
(Chlerto, 2005)
*Atualmente, o franchising pode ser considerado como “...um sistema de distribuição de
produtos, tecnologia e/ou serviços. Estabelece que o franqueador concede ao franqueado o
direito de explorar o seu conceito, know-how e marca, mediante uma contraprestação
financeira” (PLÁ, 2001).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - SustentabilidadeEngenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Fernando Alves
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
marcelo otenio
 
Neuro marketing marketing lessons
Neuro marketing   marketing lessonsNeuro marketing   marketing lessons
Neuro marketing marketing lessons
Lidia Caldeira Branco
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Milton Henrique do Couto Neto
 
Estrutura de uma Apresentação
Estrutura de uma ApresentaçãoEstrutura de uma Apresentação
Estrutura de uma Apresentação
Márcia Castilho de Sales
 
Desenvolvimento e qualidade ambiental
Desenvolvimento e qualidade ambientalDesenvolvimento e qualidade ambiental
Desenvolvimento e qualidade ambiental
Leticia Costa
 
Cidade v scampo
Cidade v scampoCidade v scampo
Cidade v scampo
CriatividadeTechno
 
Os mass media géneros
Os mass media génerosOs mass media géneros
Os mass media géneros
Helena Coutinho
 
Design SustentáVel
Design SustentáVelDesign SustentáVel
Design SustentáVel
Camila Márcia Contato
 
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURALANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
ids
 
Significado das Linhas no Desenho Técnico
Significado das Linhas no Desenho TécnicoSignificado das Linhas no Desenho Técnico
Significado das Linhas no Desenho Técnico
Agostinho NSilva
 
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Luciana C. L. Silva
 
Apostila de desenho_técnico (1) (1)
Apostila de desenho_técnico (1) (1)Apostila de desenho_técnico (1) (1)
Apostila de desenho_técnico (1) (1)
Tyla Ricci
 
STC 6
STC 6STC 6
Responsabilidade Socioambiental Corporativa
Responsabilidade Socioambiental CorporativaResponsabilidade Socioambiental Corporativa
Responsabilidade Socioambiental Corporativa
Vitor Vieira Vasconcelos
 
CRM - Conceitos básicos
CRM - Conceitos básicosCRM - Conceitos básicos
CRM - Conceitos básicos
Eduardo Greco
 
Gestão do relacionamento
Gestão do relacionamentoGestão do relacionamento
Gestão do relacionamento
INSTITUTO MVC
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Sandra Oliveira
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
Ricardo Deboni
 
Cp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos MigratóriosCp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos Migratórios
joaquimsousaferreira
 

Mais procurados (20)

Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - SustentabilidadeEngenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
Engenharia de Produção - Gestão ambiental - Sustentabilidade
 
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFVBiodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
Biodigestores como oportunidade no manejo de dejetos_OTENIO 26_08_2016_UFV
 
Neuro marketing marketing lessons
Neuro marketing   marketing lessonsNeuro marketing   marketing lessons
Neuro marketing marketing lessons
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
 
Estrutura de uma Apresentação
Estrutura de uma ApresentaçãoEstrutura de uma Apresentação
Estrutura de uma Apresentação
 
Desenvolvimento e qualidade ambiental
Desenvolvimento e qualidade ambientalDesenvolvimento e qualidade ambiental
Desenvolvimento e qualidade ambiental
 
Cidade v scampo
Cidade v scampoCidade v scampo
Cidade v scampo
 
Os mass media géneros
Os mass media génerosOs mass media géneros
Os mass media géneros
 
Design SustentáVel
Design SustentáVelDesign SustentáVel
Design SustentáVel
 
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURALANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL
 
Significado das Linhas no Desenho Técnico
Significado das Linhas no Desenho TécnicoSignificado das Linhas no Desenho Técnico
Significado das Linhas no Desenho Técnico
 
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
Apostila de desenho_técnico (1) (1)
Apostila de desenho_técnico (1) (1)Apostila de desenho_técnico (1) (1)
Apostila de desenho_técnico (1) (1)
 
STC 6
STC 6STC 6
STC 6
 
Responsabilidade Socioambiental Corporativa
Responsabilidade Socioambiental CorporativaResponsabilidade Socioambiental Corporativa
Responsabilidade Socioambiental Corporativa
 
CRM - Conceitos básicos
CRM - Conceitos básicosCRM - Conceitos básicos
CRM - Conceitos básicos
 
Gestão do relacionamento
Gestão do relacionamentoGestão do relacionamento
Gestão do relacionamento
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Cp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos MigratóriosCp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos Migratórios
 

Destaque

Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Sara Levy
 
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo RibeiroAula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Pablo Ribeiro
 
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo SocioambientalENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Dho ApresentaçãO
Dho ApresentaçãODho ApresentaçãO
Dho ApresentaçãO
taniamaciel
 
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de LavrasProjeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Igor Oliveira
 
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIOHPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA
 
Araujo consult2
Araujo consult2Araujo consult2
Araujo consult2
araujoconsult
 
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos HumanosCurso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
Unichristus Centro Universitário
 
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions    Consultoria Em Gestao EmpresarialHands On Solutions    Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
HSCE Ltda.
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Prof. Leonardo Rocha
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
Cursos Profissionalizantes
 
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - FolderHands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
HSCE Ltda.
 
Fotos de diagnostico empresarial
Fotos de diagnostico empresarialFotos de diagnostico empresarial
Fotos de diagnostico empresarial
yesicasb
 
Atualidades 2008 completo para vestibular
Atualidades 2008 completo para vestibularAtualidades 2008 completo para vestibular
Atualidades 2008 completo para vestibular
Cursos Profissionalizantes
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Cursos Profissionalizantes
 
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme ProgrammingAcelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
Rodrigo Branas
 
Heurística de Nielsen
Heurística de NielsenHeurística de Nielsen
Heurística de Nielsen
Renato Wajnberg
 

Destaque (20)

Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo RibeiroAula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
Aula de Empreendedorismo Social - Pablo Ribeiro
 
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo SocioambientalENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
ENCOAD 2016 - Ética no Empreendedorismo Socioambiental
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Então é natal
 
Dho ApresentaçãO
Dho ApresentaçãODho ApresentaçãO
Dho ApresentaçãO
 
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de LavrasProjeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
Projeto Atletas do Futuro - 2011 - Universidade Federal de Lavras
 
Teste sua inteligência
Teste sua inteligênciaTeste sua inteligência
Teste sua inteligência
 
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIOHPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
HPOD CONSULTORIA - CUIDE BEM DO SEU NEGÓCIO
 
Araujo consult2
Araujo consult2Araujo consult2
Araujo consult2
 
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos HumanosCurso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
Curso online Estratégia Empresarial e de Recursos Humanos
 
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions    Consultoria Em Gestao EmpresarialHands On Solutions    Consultoria Em Gestao Empresarial
Hands On Solutions Consultoria Em Gestao Empresarial
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de NegóciosAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Plano de Negócios
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
 
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - FolderHands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
Hands-on Solutions Consultoria Empresarial - Folder
 
Fotos de diagnostico empresarial
Fotos de diagnostico empresarialFotos de diagnostico empresarial
Fotos de diagnostico empresarial
 
Atualidades 2008 completo para vestibular
Atualidades 2008 completo para vestibularAtualidades 2008 completo para vestibular
Atualidades 2008 completo para vestibular
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
 
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme ProgrammingAcelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
Acelerando projetos de software com Scrum e Extreme Programming
 
Heurística de Nielsen
Heurística de NielsenHeurística de Nielsen
Heurística de Nielsen
 

Semelhante a Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais

Marco Conceitual - Social Good Brasil
Marco Conceitual - Social Good BrasilMarco Conceitual - Social Good Brasil
Marco Conceitual - Social Good Brasil
Social Good Brasil
 
Teconologiasocial
TeconologiasocialTeconologiasocial
Teconologiasocial
Anna Senturkmen
 
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em FocoTecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Ricardo Zylbergeld
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Luciano Sathler
 
E book linux_seemg_v1.0
E book linux_seemg_v1.0E book linux_seemg_v1.0
E book linux_seemg_v1.0
Karla Isaac
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
cbsaf
 
STC 5
STC 5STC 5
Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]
rodrigomunis
 
Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]
rodrigomunis
 
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão socialCiência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
Ronaldo Araújo
 
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptxDireito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
chesy7
 
Ocet78
Ocet78Ocet78
Ocet78
Artur (Ft)
 
Ocet78
Ocet78Ocet78
Ocet78
Artur (Ft)
 
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
Léo Vitor
 
42 185-1-pb
42 185-1-pb42 185-1-pb
42 185-1-pb
Francielio Lima
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
deltainfosvf
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
deltainfosvf
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
deltainfosvf
 
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
Freire Juan
 
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para ComunidadesUma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
Ana Paula Mendonça
 

Semelhante a Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais (20)

Marco Conceitual - Social Good Brasil
Marco Conceitual - Social Good BrasilMarco Conceitual - Social Good Brasil
Marco Conceitual - Social Good Brasil
 
Teconologiasocial
TeconologiasocialTeconologiasocial
Teconologiasocial
 
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em FocoTecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
 
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições EducacionaisEducação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
Educação Pós-Pandemia: Transformação Digital nas Instituições Educacionais
 
E book linux_seemg_v1.0
E book linux_seemg_v1.0E book linux_seemg_v1.0
E book linux_seemg_v1.0
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
 
STC 5
STC 5STC 5
STC 5
 
Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]
 
Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]Trabalho de ti[1]
Trabalho de ti[1]
 
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão socialCiência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
Ciência, Tecnologia e Inovação: a prática intersetorial na gestão social
 
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptxDireito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
Direito Educação e Cultura na Era da Tecnologia.pptx
 
Ocet78
Ocet78Ocet78
Ocet78
 
Ocet78
Ocet78Ocet78
Ocet78
 
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
As Redes Sociais E A ComunicaçãO Organizacional A UtilizaçãO De MíDias Digita...
 
42 185-1-pb
42 185-1-pb42 185-1-pb
42 185-1-pb
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
 
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicosEm busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
Em busca de um nível adequado no uso das ferramentas e conceitos tecnológicos
 
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
limites_tecnologias_sociais_Agora_JUL11
 
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para ComunidadesUma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
Prof. Leonardo Rocha
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Prof. Leonardo Rocha
 

Mais de Prof. Leonardo Rocha (20)

MUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONALMUDANÇA ORGANIZACIONAL
MUDANÇA ORGANIZACIONAL
 
CENÁRIOS
CENÁRIOSCENÁRIOS
CENÁRIOS
 
CONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕESCONFIGURAÇÕES
CONFIGURAÇÕES
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
MODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOSMODELO DE NEGÓCIOS
MODELO DE NEGÓCIOS
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e InovaçãoAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo e Inovação
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos SociaisAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Projetos Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Empreendedorismo Social
 
Teoria Neoclássica
Teoria NeoclássicaTeoria Neoclássica
Teoria Neoclássica
 
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de MintzbergAula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
Aula 9 - Configurações Organizacionais de Mintzberg
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Aula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DOAula 4 - Reengenharia e DO
Aula 4 - Reengenharia e DO
 
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
Aula 5  - Teoria das Relações HumanasAula 5  - Teoria das Relações Humanas
Aula 5 - Teoria das Relações Humanas
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de FayolAula 4   tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
Aula 4 tga - Fordismo e Abordagem Clássica de Fayol
 
Aula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da MudançaAula 3 - Gestão da Mudança
Aula 3 - Gestão da Mudança
 
Aula 3 tga - administração científica e taylor
Aula 3   tga - administração científica e taylorAula 3   tga - administração científica e taylor
Aula 3 tga - administração científica e taylor
 
Portfólio empresarial modelo
Portfólio empresarial   modeloPortfólio empresarial   modelo
Portfólio empresarial modelo
 

Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Tecnologias Sociais

  • 1. Aula 5  Prof. Leonardo Rocha EXEMPLOS: http://www.tecnologiasocial.org.br/bts/pesquisarTec
  • 2.  TECNOLOGIA: O termo tecnologia tem uma ampla conotação e refere-se às técnicas, métodos, procedimentos, ferramentas, equipamentos e instalações que concorrem para a realização e obtenção de um ou vários produtos.  Em geral, divide-se a tecnologia em duas grandes categorias:  tecnologia de produto  As de produto são aquelas cujos resultados são componentes tangíveis e facilmente identificáveis, tais como: equipamentos, instalações físicas, ferramentas, artefatos, etc.  tecnologia de processo  As de processo são aquelas em que se incluem as técnicas, métodos e procedimentos utilizados para se obter um determinado produto.
  • 3.  São um conjunto de produtos, técnicas ou metodologias transformadoras, desenvolvidos na interação com a população e apropriados por ela, que representam efetivas soluções de transformação social. Essas tecnologias caracterizam-se pela simplicidade, baixo custo e fácil aplicação, que potencializam a utilização de insumos locais e mão de obra disponível, protegem o meio ambiente, têm impacto positivo e capacidade de resolução de problemas sociais.
  • 4.  Introduzidas por Gandhi entre 1924 e 1927 como forma de lutar contra as injustiças sociais.  Sua frase era “Produção pelas massas, não produção em massa”.  As primeiras preocupações eram com TECNOLOGIAS ALTERNATIVAS para: ◦ Energia, Redução da pobreza e questões ambientais
  • 5.
  • 6. São exemplos de tecnologia social:  o clássico soro caseiro (mistura de água, açúcar e sal que combate a desidratação e reduz a mortalidade infantil);  Aas cisternas de placas pré-moldadas que atenuam os problemas de acesso a água de boa qualidade à população do semi-árido  Aquecedores de água com materiais reciclados
  • 7. Tecnologia Social implica:  1. compromisso com a transformação social  2. criação de um espaço de descoberta e escuta  de demandas e necessidades sociais  3. relevância e eficácia social   4. sustentabilidade socioambiental e econômica  5. inovação
  • 8.  6. organização e sistematização dos conhecimentos  7. acessibilidade e apropriação das tecnologias  8. um processo pedagógico para todos os envolvidos  9. o diálogo entre diferentes saberes  10. difusão e ação educativa  11. processos participativos de planejamento, acompanhamento e avaliação  12. a construção cidadã do processo democrático 
  • 9. 1. Fase de criação. As TS nascem ou da sabedoria popular, ou  do conhecimento científico, ou da combinação de ambas. 2. Fase da viabilidade técnica, na qual há a consolidação de  um padrão tecnológico. 3.  Fase de viabilidade política. Por várias razões e meios,  ganha autoridade e visibilidade. É o reconhecimento e  recomendação. 4. Fase de viabilidade social, quando a tecnologia tem de se  mostrar capaz de ganhar escala perante a sociedade. 
  • 10. 1. Diagnóstico 2. Metodologia 3. Indicadores 4. Projeto 5. Aplicação 6. Mensuração de resultados 7. Capacidade de Replicação 8. Divulgação  
  • 12.  2) Incentivar a utilização de metodologias participativas, visando a integração dos beneficiários  em todas as etapas - concepção, execução e avaliação  dos projetos - incentivando o protagonismo (iniciativa)  e emancipação das populações envolvidas.  3) Privilegiar a abordagem interdisciplinar, na qual haja  integração de diferentes disciplinas científicas, ou seja,  cada uma aporta seu instrumental metodológico,  porém compartilha uma visão da problemática a ser  tratada.
  • 13.  4) Incentivar a composição de parcerias inter e multiinstitucional (governos, instituições de pesquisa e extensão, instituições de ensino, organizações não governamentais e organizações do público beneficiário), desde a concepção do projeto, visando a sustentabilidade e continuidade da ação.  5) Articular pesquisa e extensão na identificação e resolução dos problemas concretos dos beneficiários;
  • 14.  6) Promover a sistematização de conhecimentos e experiências gerados a partir das ações desenvolvidas.  7) Priorizar ações que promovam a gestão participativa dos empreendimentos econômicos e solidários, com a valorização do associativismo e do cooperativismo e da auto-gestão.
  • 15.  Organização que tem por objetivo contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável por meio da difusão e reaplicação, em escala, de tecnologias sociais.  A Rede procura estimular a adoção de tecnologias sociais como políticas públicas, a apropriação das tecnologias sociais por parte das comunidades e o desenvolvimento de novas tecnologias sociais.
  • 16. RTS
  • 17.  Atualmente, a RTS é composta por entidades de todas as regiões do Brasil e também da América Latina.  Para o biênio 2007-2008, o compromisso dessas instituições é ampliar ainda mais a escala de reaplicação das tecnologias sociais que têm obtido diversos resultados, promovido a inclusão e melhorado a qualidade de vida de milhares de pessoas e famílias.  “A RTS foi criada a partir da constatação da importância estratégica das tecnologias sociais para o desenvolvimento e a integração de diferentes agentes da sociedade para a construção de uma nova estrutura social”, explica Larissa de Oliveira Constant Barros, secretária executiva da Rede.
  • 18.  Fundação Banco do Brasil  www.tecnologiasocial.org.br  Rede de Tecnologia Social  www.rts.org.br  Instituto de Tecnologia Social  www.itsbrasil.org.br  Prêmio CAIXA Melhores Práticas  www.caixa.gov.br
  • 19.  TECNOLOGIA APROPRIADA  BANCO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS  FRANQUIAS SOCIAIS
  • 20. O conceito de tecnologia apropriada se relaciona com a infra- estrutura de um país, com as necessidades de seus usuários e com o meio ambiente onde ela flui e que, dependendo dos objetivos, características, atuação, dá a ela funções específicas. Processo de estabelecimento dos efeitos sociais e ambientais de uma tecnologia proposta antes que ela seja desenvolvida, e a tentativa de incorporar elementos benéficos, nas várias fases de seu desenvolvimento e utilização”. Ex: Soro Caseiro ( IBICT. Rede Nacional de Transferência e Difusão de Tecnologias Apropriadas. Capturado em 17 Ago. 2000. On line. Disponível na Internet . http:// www.ibict.br
  • 21. Usualmente, contudo, o quanto uma tecnologia é apropriada depende dos seguintes critérios: 1. Satisfaz as necessidades das camadas mais pobres da população? 2. Preserva ou não o meio ambiente? 3. É adequada em relação aos recursos naturais disponíveis? 4. Depende de fontes de energia renováveis ou depende de combustíveis fósseis?
  • 22. O Banco de Tecnologias Sociais é um banco de dados que contempla informações sobre as tecnologias sociais certificadas e que continuam sendo aplicadas. O Banco integra soluções que podem ser conhecidas e consultadas por tema, área de atuação, entidade executora, público-alvo, região, estado, problemas solucionados, municípios atendidos, recursos necessários para implementação, entre outros detalhamentos.
  • 23. A Franquia Social consistem em replicar e disseminar programas sociais bem-sucedidos, utilizando mecanismos típicos de uma operação de franchising* empresarial. Cada unidade nascida assim é implantada, operada e gerida por uma entidade franqueada, a qual, da mesma forma que ocorre com a franqueadora (a organização que concede a franquia), tanto pode ser uma ONG, como uma empresa. (Chlerto, 2005) *Atualmente, o franchising pode ser considerado como “...um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Estabelece que o franqueador concede ao franqueado o direito de explorar o seu conceito, know-how e marca, mediante uma contraprestação financeira” (PLÁ, 2001).