SlideShare uma empresa Scribd logo
LESÕES DOS NERVOS
CRANIANOS
Grupo de estudos de Neuroanatomia
Alunas:
Bruna Zibetti
Thayse Fachin Cormanique
Professor: Carlos Frederico de Almeida Rodrigues
Lesões+do..
Nervo Olfatório
• Anosmia (Perda do olfato):
Causas possíveis: infecções respiratórias altas, doença
dos seios e traumatismo craniano, tumores, abscessos.
Com o envelhecimento é fisiológica a perda de algumas
fibras olfatórias.
Principal queixa dos pacientes com anosmia é a perda do
paladar, porém a maioria das pessoas confunde paladar
com o sabor.
Nervo Olfatório
• Anosmia (Perda do olfato):
Exame clínico: Venda-se o paciente e o convida a
identificar odores comuns, como café, desde que o odor
não seja desagradável.
O teste é feito com uma narina de cada vez.
Em casos de traumatismos cranianos pode ocorrer lesão
nas fibras nervosas olfatórias do bulbo olfatório ou do trato
olfatório, o que pode comprometer o olfato. Pode haver
separação entre os nervos e o bulbo olfatório, o que
também pode gerar anosmia.
Um tumor ou abscesso pode pressionar o bulbo olfatório e
gerar anosmia.
Lesões+do..
Nervo Olfatório
• Alucinações olfatórias:
As lesões no lobo temporal podem gerar epilepsia do lobo
temporal ou convulsões do uncinado, caracterizado por
odores desagradáveis imaginários e movimentos
involuntários dos lábios e da língua.
Nervo Óptico
• Doenças desmielinizantes:
As doenças desmielinizantes ocorrem apenas em
neurônios envoltos por bainha de mielina formada pelos
oligodendrócitos, o que ocorrem em células do SNC. Como
o nervo óptico é um trato do SNC, ele esta vulnerável a
sofrer essas doenças, um exemplo é a esclerose múltipla
(EM).
Nervo Óptico
• Neurite Óptica
São lesões do nervo óptico, causadas por processos
inflamatórios, degenerativos, desmielinizantes ou tóxicos.
Os sintomas são diminuição da acuidade visual e alteração
nos campos visuais periféricos. O exame é realizado com
o auxílio de um oftalmoscópio.
Lesões+do..
Nervo Óptico
• Defeito no campo visual:
O tipo de defeito depende do local de interrupção da via,
lembrando que parte das fibras do trato óptico se cruzam
no quiasma óptico.
 Secção completa de um nervo óptico:
Sintoma: Amaurose completa de um olho ipsilateral
Causas possíveis: Traumatismo ou glaucoma
Nervo Óptico
• Defeito no campo visual:
Secção completa do quiasma óptico:
Sintoma: Reduz a visão periférica resultando em
hemianopsia heterônima bitemporal, perda da visão de
metade do campo visual de ambos os olhos.
Causas possíveis: Tumores da hipófise.
Nervo Óptico
• Defeito no campo visual:
Secção completa do trato óptico:
Sintoma: Amaurose parcial, eliminado a visão dos campos
visuais temporal do olho oposto e nasal do olho ipsilateral.
Em pacientes que sofreram AVC a perda mais comum da
visão se encaixa nos casos de hemianopsia homônima
contralateral.
Causas possíveis: Traumatismos, tumores, AVC.
Lesões+do..
Lesões+do..
Nervo Oculomotor
• Lesão no nervo oculomotor:
Sintomas: Paralisia motora ipsilateral, afetando músculos
do olho ( reto medial, reto superior, reto inferior, oblíquo
inferior), o levantador da pálpebra superior e o esfíncter da
pupila (musculatura lisa da íris).
Lesões+do..
Nervo Oculomotor
• Compressão oculomotor:
Possível causa: rápido aumento da pressão intracraniana.
Comprime o NC III contra a crista da parte petrosa do osso
temporal.
Sintomas: lentidão ipsilateral da reação pupilar a luz.
Lesões+do..
Nervo Troclear
• Lesão do NC IV:
Sintomas: paralisia do músculo oblíquo superior,
comprometimento da rotação ínfero-medial do bulbo do
olho afetado, sinal característico é a diplopia ao olhar para
baixo.
Nervo Trigêmio
• Lesão do NC V:
Causas possíveis: traumatismo, tumores, aneurismas ou
infecções meníngeas. As vezes é acometido na
poliomielite ou polineuropatia generalizada. A Esclerose
múltipla também pode lesar parcialmente o trato trigeminal
espinal.
Nervo Trigêmio
• Lesão do NC V:
Sintomas: Paralisia dos músculos da mastigação com o
desvio da mandíbula para o lado da lesão.
Perda da percepção táctil, térmica ou dolorosa da face.
Perda do reflexo corneano e do reflexo do espirro.
Nervo Trigêmio
• Neuralgia do trigêmio:
É um distúrbio da raiz sensitiva do NC V.
Sintomas: Caracteriza-se por crises súbitas de golpes
excruciantes semelhantes a faíscas, um paroxismo (dor
súbita e aguda). Pode durar 15 minutos ou mais. Em
alguns casos, a dor é tão intensa que pode causar
alterações psicológicas, podendo levar à depressão ou até
mesmo à tentativa de suicídio.
Nervo Trigêmio
• Neuralgia do trigêmio:
Causas Possíveis: pode ser causada pela desmielinização
nos axônios na raiz sensitiva (EM).
Entretanto, na maioria dos casos, é causada por pressão
de uma pequena artéria aberrante (que sofre desvio).
Nervo Trigêmio
Avaliação da função sensitiva do NC V:
Instrui-se a pessoa a fechar os olhos e responder quando
sentir os tipos de toque. Por exemplo: um pedaço de gaze
seca é passado suavemente sobre a pele de ambos os
lados da face na mesma posição correspondente. O teste
é repetido até que seja examinada a pele da fronte (NC
V1), bochechas (NC V2) e mandíbula (NC V3).
Lesões+do..
Nervo Abducente
• Lesão do NC VI:
Sintomas: paralisia do músculo reto lateral, causando
desvio medial do olho afetado.
Possível causa: tumor encefálico, pressão pela Artéria
Carótida Interna arterosclerótica no seio cavernoso.
Aneurisma do círculo artérial do cérebro (base do
encéfalo).
Nervo
abducente
Nervo Facial
• Lesão do NC VII:
É o nervo craniano que sofre paralisia com maior
frequência.
Lesão do NC VII perto de sua origem ou perto do gânglio
geniculado:
Sintomas: Perda das funções motoras, gustativas e
autônomas.
Nervo Facial
Lesão central do NC VII (SNC):
Sintomas: paralisia de músculos na região inferior contra-
lateral da face. Consequentemente, não há
comprometimento visível do enrugamento da fronte,
porque a inervação dessa região é bilateral.
Nervo Facial
Causas possíveis de lesão no NC VII:
Superficiais: Facas, projéteis de arma de fogo, cortes,
traumatismos de parto.
Internos: Tumores do encéfalo e do crânio, aneurismas,
infecções meníngeas e herpes vírus. Inflamação próxima
ao forame estilo-mastoide (origem aparente do crânio do
NC VII).
Lesões+do..
Nervo Vestíbulo-Coclear
Embora os nervos Vestibular e Coclear sejam
praticamente independentes, muitas vezes as lesões
periféricas produzem efeitos clínicos concomitantes.
• Lesões no NC VIII:
Sintomas: acúfenos, vertigem e comprometimento ou
perda da audição.
Nervo Vestíbulo-Coclear
Há dois tipos de surdez:
De condução: acomete a orelha externa ou média. Ex.:
otite média.
Neurossensorial: resultante da doença na cóclea ou na
via da cóclea para o encéfalo (auditiva).
Nervo Vestíbulo-Coclear
• Traumas e vertigem:
Geralmente, pessoas que sofrem TC, são
acometidas por lesão periférica do N. Vestibular,
ocasionando vertigem, uma sensação se rotação que pode
ser percebida com o balanço para frente ou para trás ou
queda.
Teste de Weber
• O diapasão, após ser colocado a vibrar, é posicionado
com a haste apoiada no vértice da cabeça.Os dois
ouvidos percebem o som com igual intensidade.
• Interpretação
1-Lesão no ouvido médio ou externo, disacusia de
transmissão
- o som é percebido melhor, paradoxalmente, pelo ouvido
lesado.
2-Lesão no nervo acústico ou no centro cortical
auditivo
- o som é melhor percebido pelo ouvido normal.
Lesões+do..
Teste de Rinne
• Compara a audição por via aérea e audição por via
óssea.
• Técnica
Faz-se vibrar o diapasão, colocando-o primeiro com
haste apoiada na mastóide (via óssea) até o paciente
acusar não mais percebê-lo e de imediato, o
reposicionamos próximo ao pavilhão auricular (via aérea).
Em ambos, anotamos o tempo em que o diapasão é
percebido até o paciente deixá-lo de perceber.
Teste de Rinne
• Interpretação
• 1- Rinne positivo normal
- Tempo em torno de +/- 20 seg. para a via óssea e, + 20 seg.
via aérea, que tem duração 2x maior.
2- Rinne positivo encurtado ou patológico
- Tempo por via óssea diminuído (exemplo: 10 seg.). Traduz
disacusia neurossensorial por lesão do órgão de Corti ou dos
neurônios cocleares.
3. Rinne negativo
- Tempo por via óssea mais prolongado, melhor que por via
aérea (o inverso do normal). Traduz disacusia de transmissão,
lesão da orelha externa ou média; exemplos:otite externa, otite
média, afecção do tímpano, objeto estranho em conduto
auditivo externo, tampão ceroso)
Lesões+do..
Nervo Glossofaríngeo
Lesões isoladas do NC IX ou de seus núcleos são
raras. As lesões no NC IX resultantes de infecções ou
tumores geralmente são acompanhadas por sinais de
acometimentos dos nervos adjacentes.
Como os NC IX, X e XI atravessam o forame
jugular, tumores que acometem essa região podem
ocasionar múltiplas paralisias nos NCs, denominadas
síndromes do forame jugular.
Nervo Vago
• Lesão dos ramos faríngeos do NC X:
Causa possível: aneurisma do arco da aorta, complicações
em cirurgia do pescoço.
Sintomas: disfagia (dificuldade na deglutição); a lesão do
N. laríngeo superior produz anestesia na porção superior
da laringe e paralisia do M. Cricotireoideo. A voz é fraca e
cansa com facilidade. Causa rouquidão e disfonia
secundária.
Nervo Acessório
Em decorrência de sua posição quase subcutânea
através de sua passagem na região cervical posterior, o
NC XI é suscetível a lesões durante procedimentos
cirúrgicos, como biópsia de linfonodos, canulação da veia
jugular interna e endarterectomia da carótida
Abertura da artéria em sua origem e
retirada da placa aterosclerótica com a túnica
íntima.
Nervo Hipoglosso
A lesão do NC XII paralisa a metade ipsilateral da
língua; depois de algum tempo, ocorre atrofia da língua,
fazendo parecer retraída e enrugada.
Ao protrair a língua, o ápice desvia-se em direção
ao lado paralisado, em consequência da ação sem
oposição do M. Genioglosso no lado normal da língua.
Causa possível: fratura da mandíbula.
Lesões+do..
Referências
• MOORE, keith L. & DALLEY, Arthur F.Anatomia
Orientada para Clínica .5ªEd.Canadá:Guanabara.
• Sistema Nervoso. Disponível em
http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&ma
teria_id=487&materiaver=1 . Acesso em 22/05/2013.
• Vieira R., Semiologia Médica, 12ª ed., Editora Guanabara
Koogan S.A., Rio de Janeiro, 1980 apud Prof ª
M.Lourdes A. Neto e Santos, docente da Cadeira de
Clínica Médica, Semiologia, da Faculdade de Medicina da
F.TE.S.M.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ausculta
AuscultaAusculta
Ausculta
Coralina Nunes
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Fisioterapeuta
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
pauloalambert
 
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico NeurológicoNervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Dr. Rafael Higashi
 
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Jucie Vasconcelos
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
Dr. Rafael Higashi
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Retina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose PigmentarRetina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose Pigmentar
Bruno Catão
 
Semiologia vascular periférica
Semiologia vascular periféricaSemiologia vascular periférica
Semiologia vascular periférica
pauloalambert
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Paulo Alambert
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
Iapes Ensino
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
Hamilton Lima
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Coma
ComaComa

Mais procurados (20)

Ausculta
AuscultaAusculta
Ausculta
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico NeurológicoNervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
 
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Retina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose PigmentarRetina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose Pigmentar
 
Semiologia vascular periférica
Semiologia vascular periféricaSemiologia vascular periférica
Semiologia vascular periférica
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
 
Coma
ComaComa
Coma
 

Destaque

Exames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosExames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianos
Luciano
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
Rafaella
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
Olavo Valente
 
IX e X par craniano
IX e X par cranianoIX e X par craniano
IX e X par craniano
Joao Sousa
 
Nervos motores oculares
Nervos motores ocularesNervos motores oculares
Nervos motores oculares
neuroligaunivasf
 
Nervos cranianos e núcleos
Nervos cranianos e núcleosNervos cranianos e núcleos
Nervos cranianos e núcleos
Priscila R. de Menezes
 
Nervos cranianos – i par
Nervos cranianos – i parNervos cranianos – i par
Nervos cranianos – i par
Penélope Almeida
 
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
Rollan Hirano
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
pauloalambert
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Aula cabeça e pescoço 3
Aula cabeça e pescoço 3Aula cabeça e pescoço 3
Aula cabeça e pescoço 3
Sergio Vidal
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
Rodrigo Biondi
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomiaRevisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia
pauloalambert
 
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia SinusalSinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
Marco Aurélio
 
Cefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunesCefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunes
Leandro Junior
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento   Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias
Marco Aurélio
 
Cefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatriaCefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatria
Henrique Fiorillo
 

Destaque (20)

Exames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosExames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianos
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
IX e X par craniano
IX e X par cranianoIX e X par craniano
IX e X par craniano
 
Nervos motores oculares
Nervos motores ocularesNervos motores oculares
Nervos motores oculares
 
Nervos cranianos e núcleos
Nervos cranianos e núcleosNervos cranianos e núcleos
Nervos cranianos e núcleos
 
Nervos cranianos – i par
Nervos cranianos – i parNervos cranianos – i par
Nervos cranianos – i par
 
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
Semiologia nervos cranianos( Olfatório e óptico)
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Aula cabeça e pescoço 3
Aula cabeça e pescoço 3Aula cabeça e pescoço 3
Aula cabeça e pescoço 3
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Neuroanatomia nervos
 
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomiaRevisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia
 
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia SinusalSinnus headache - Cefaléia Sinusal
Sinnus headache - Cefaléia Sinusal
 
Cefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunesCefaléia nas doenças autoimunes
Cefaléia nas doenças autoimunes
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
 
Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento   Enxaqueca Aguda Tratamento
Enxaqueca Aguda Tratamento
 
Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias
 
Cefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatriaCefaleia na pediatria
Cefaleia na pediatria
 

Semelhante a Lesões+do..

Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
JuniorRamos97
 
Nervos cranianos andrey neuroliga
Nervos cranianos andrey   neuroligaNervos cranianos andrey   neuroliga
Nervos cranianos andrey neuroliga
neuroliga-nortemineira
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Renato Almeida
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
neuroligaunivasf
 
Meningite e aneurisma
Meningite e aneurismaMeningite e aneurisma
Meningite e aneurisma
william_oak
 
Neurofisiologia cefaleia
Neurofisiologia   cefaleiaNeurofisiologia   cefaleia
Neurofisiologia cefaleia
Andressa Miranda Magalhães
 
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
Vanessa Queiroz
 
Propedeutica nc19 (1)
Propedeutica nc19 (1)Propedeutica nc19 (1)
Propedeutica nc19 (1)
pauloalambert
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
mujaci
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
patologias_lesões de cotovelo.pptx
patologias_lesões de cotovelo.pptxpatologias_lesões de cotovelo.pptx
patologias_lesões de cotovelo.pptx
RanielyMatias1
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
hihdidushd
 
Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares
Fabiana Vallina
 
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologiaPerguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
Vinicius Oliveira
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
Daniela Tartarotti Conte
 
Ufop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correaUfop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correa
Paulo Corrêa
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
Priscila Ferro
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Andreé Sigala Escamilla
 
Nervo Facial
Nervo FacialNervo Facial
Nervo Facial
Fabiana Vallina
 

Semelhante a Lesões+do.. (20)

Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
 
Nervos cranianos andrey neuroliga
Nervos cranianos andrey   neuroligaNervos cranianos andrey   neuroliga
Nervos cranianos andrey neuroliga
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
 
Meningite e aneurisma
Meningite e aneurismaMeningite e aneurisma
Meningite e aneurisma
 
Neurofisiologia cefaleia
Neurofisiologia   cefaleiaNeurofisiologia   cefaleia
Neurofisiologia cefaleia
 
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
Exameclnicodosparescranianos grupo3-100917081629-phpapp01
 
Propedeutica nc19 (1)
Propedeutica nc19 (1)Propedeutica nc19 (1)
Propedeutica nc19 (1)
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
 
Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
patologias_lesões de cotovelo.pptx
patologias_lesões de cotovelo.pptxpatologias_lesões de cotovelo.pptx
patologias_lesões de cotovelo.pptx
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
 
Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares
 
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologiaPerguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
Perguntas e respostas para a prova de neurocsemiologia
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
 
Ufop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correaUfop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correa
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
 
Nervo Facial
Nervo FacialNervo Facial
Nervo Facial
 

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Toc
TocToc
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Vias motoras
Vias motorasVias motoras

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues (20)

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
 
Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Neurocirurgia
 
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
 
Toc
TocToc
Toc
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Uno cc febril
 
Vias motoras
Vias motorasVias motoras
Vias motoras
 

Lesões+do..

  • 1. LESÕES DOS NERVOS CRANIANOS Grupo de estudos de Neuroanatomia Alunas: Bruna Zibetti Thayse Fachin Cormanique Professor: Carlos Frederico de Almeida Rodrigues
  • 3. Nervo Olfatório • Anosmia (Perda do olfato): Causas possíveis: infecções respiratórias altas, doença dos seios e traumatismo craniano, tumores, abscessos. Com o envelhecimento é fisiológica a perda de algumas fibras olfatórias. Principal queixa dos pacientes com anosmia é a perda do paladar, porém a maioria das pessoas confunde paladar com o sabor.
  • 4. Nervo Olfatório • Anosmia (Perda do olfato): Exame clínico: Venda-se o paciente e o convida a identificar odores comuns, como café, desde que o odor não seja desagradável. O teste é feito com uma narina de cada vez. Em casos de traumatismos cranianos pode ocorrer lesão nas fibras nervosas olfatórias do bulbo olfatório ou do trato olfatório, o que pode comprometer o olfato. Pode haver separação entre os nervos e o bulbo olfatório, o que também pode gerar anosmia. Um tumor ou abscesso pode pressionar o bulbo olfatório e gerar anosmia.
  • 6. Nervo Olfatório • Alucinações olfatórias: As lesões no lobo temporal podem gerar epilepsia do lobo temporal ou convulsões do uncinado, caracterizado por odores desagradáveis imaginários e movimentos involuntários dos lábios e da língua.
  • 7. Nervo Óptico • Doenças desmielinizantes: As doenças desmielinizantes ocorrem apenas em neurônios envoltos por bainha de mielina formada pelos oligodendrócitos, o que ocorrem em células do SNC. Como o nervo óptico é um trato do SNC, ele esta vulnerável a sofrer essas doenças, um exemplo é a esclerose múltipla (EM).
  • 8. Nervo Óptico • Neurite Óptica São lesões do nervo óptico, causadas por processos inflamatórios, degenerativos, desmielinizantes ou tóxicos. Os sintomas são diminuição da acuidade visual e alteração nos campos visuais periféricos. O exame é realizado com o auxílio de um oftalmoscópio.
  • 10. Nervo Óptico • Defeito no campo visual: O tipo de defeito depende do local de interrupção da via, lembrando que parte das fibras do trato óptico se cruzam no quiasma óptico.  Secção completa de um nervo óptico: Sintoma: Amaurose completa de um olho ipsilateral Causas possíveis: Traumatismo ou glaucoma
  • 11. Nervo Óptico • Defeito no campo visual: Secção completa do quiasma óptico: Sintoma: Reduz a visão periférica resultando em hemianopsia heterônima bitemporal, perda da visão de metade do campo visual de ambos os olhos. Causas possíveis: Tumores da hipófise.
  • 12. Nervo Óptico • Defeito no campo visual: Secção completa do trato óptico: Sintoma: Amaurose parcial, eliminado a visão dos campos visuais temporal do olho oposto e nasal do olho ipsilateral. Em pacientes que sofreram AVC a perda mais comum da visão se encaixa nos casos de hemianopsia homônima contralateral. Causas possíveis: Traumatismos, tumores, AVC.
  • 15. Nervo Oculomotor • Lesão no nervo oculomotor: Sintomas: Paralisia motora ipsilateral, afetando músculos do olho ( reto medial, reto superior, reto inferior, oblíquo inferior), o levantador da pálpebra superior e o esfíncter da pupila (musculatura lisa da íris).
  • 17. Nervo Oculomotor • Compressão oculomotor: Possível causa: rápido aumento da pressão intracraniana. Comprime o NC III contra a crista da parte petrosa do osso temporal. Sintomas: lentidão ipsilateral da reação pupilar a luz.
  • 19. Nervo Troclear • Lesão do NC IV: Sintomas: paralisia do músculo oblíquo superior, comprometimento da rotação ínfero-medial do bulbo do olho afetado, sinal característico é a diplopia ao olhar para baixo.
  • 20. Nervo Trigêmio • Lesão do NC V: Causas possíveis: traumatismo, tumores, aneurismas ou infecções meníngeas. As vezes é acometido na poliomielite ou polineuropatia generalizada. A Esclerose múltipla também pode lesar parcialmente o trato trigeminal espinal.
  • 21. Nervo Trigêmio • Lesão do NC V: Sintomas: Paralisia dos músculos da mastigação com o desvio da mandíbula para o lado da lesão. Perda da percepção táctil, térmica ou dolorosa da face. Perda do reflexo corneano e do reflexo do espirro.
  • 22. Nervo Trigêmio • Neuralgia do trigêmio: É um distúrbio da raiz sensitiva do NC V. Sintomas: Caracteriza-se por crises súbitas de golpes excruciantes semelhantes a faíscas, um paroxismo (dor súbita e aguda). Pode durar 15 minutos ou mais. Em alguns casos, a dor é tão intensa que pode causar alterações psicológicas, podendo levar à depressão ou até mesmo à tentativa de suicídio.
  • 23. Nervo Trigêmio • Neuralgia do trigêmio: Causas Possíveis: pode ser causada pela desmielinização nos axônios na raiz sensitiva (EM). Entretanto, na maioria dos casos, é causada por pressão de uma pequena artéria aberrante (que sofre desvio).
  • 24. Nervo Trigêmio Avaliação da função sensitiva do NC V: Instrui-se a pessoa a fechar os olhos e responder quando sentir os tipos de toque. Por exemplo: um pedaço de gaze seca é passado suavemente sobre a pele de ambos os lados da face na mesma posição correspondente. O teste é repetido até que seja examinada a pele da fronte (NC V1), bochechas (NC V2) e mandíbula (NC V3).
  • 26. Nervo Abducente • Lesão do NC VI: Sintomas: paralisia do músculo reto lateral, causando desvio medial do olho afetado. Possível causa: tumor encefálico, pressão pela Artéria Carótida Interna arterosclerótica no seio cavernoso. Aneurisma do círculo artérial do cérebro (base do encéfalo).
  • 28. Nervo Facial • Lesão do NC VII: É o nervo craniano que sofre paralisia com maior frequência. Lesão do NC VII perto de sua origem ou perto do gânglio geniculado: Sintomas: Perda das funções motoras, gustativas e autônomas.
  • 29. Nervo Facial Lesão central do NC VII (SNC): Sintomas: paralisia de músculos na região inferior contra- lateral da face. Consequentemente, não há comprometimento visível do enrugamento da fronte, porque a inervação dessa região é bilateral.
  • 30. Nervo Facial Causas possíveis de lesão no NC VII: Superficiais: Facas, projéteis de arma de fogo, cortes, traumatismos de parto. Internos: Tumores do encéfalo e do crânio, aneurismas, infecções meníngeas e herpes vírus. Inflamação próxima ao forame estilo-mastoide (origem aparente do crânio do NC VII).
  • 32. Nervo Vestíbulo-Coclear Embora os nervos Vestibular e Coclear sejam praticamente independentes, muitas vezes as lesões periféricas produzem efeitos clínicos concomitantes. • Lesões no NC VIII: Sintomas: acúfenos, vertigem e comprometimento ou perda da audição.
  • 33. Nervo Vestíbulo-Coclear Há dois tipos de surdez: De condução: acomete a orelha externa ou média. Ex.: otite média. Neurossensorial: resultante da doença na cóclea ou na via da cóclea para o encéfalo (auditiva).
  • 34. Nervo Vestíbulo-Coclear • Traumas e vertigem: Geralmente, pessoas que sofrem TC, são acometidas por lesão periférica do N. Vestibular, ocasionando vertigem, uma sensação se rotação que pode ser percebida com o balanço para frente ou para trás ou queda.
  • 35. Teste de Weber • O diapasão, após ser colocado a vibrar, é posicionado com a haste apoiada no vértice da cabeça.Os dois ouvidos percebem o som com igual intensidade. • Interpretação 1-Lesão no ouvido médio ou externo, disacusia de transmissão - o som é percebido melhor, paradoxalmente, pelo ouvido lesado. 2-Lesão no nervo acústico ou no centro cortical auditivo - o som é melhor percebido pelo ouvido normal.
  • 37. Teste de Rinne • Compara a audição por via aérea e audição por via óssea. • Técnica Faz-se vibrar o diapasão, colocando-o primeiro com haste apoiada na mastóide (via óssea) até o paciente acusar não mais percebê-lo e de imediato, o reposicionamos próximo ao pavilhão auricular (via aérea). Em ambos, anotamos o tempo em que o diapasão é percebido até o paciente deixá-lo de perceber.
  • 38. Teste de Rinne • Interpretação • 1- Rinne positivo normal - Tempo em torno de +/- 20 seg. para a via óssea e, + 20 seg. via aérea, que tem duração 2x maior. 2- Rinne positivo encurtado ou patológico - Tempo por via óssea diminuído (exemplo: 10 seg.). Traduz disacusia neurossensorial por lesão do órgão de Corti ou dos neurônios cocleares. 3. Rinne negativo - Tempo por via óssea mais prolongado, melhor que por via aérea (o inverso do normal). Traduz disacusia de transmissão, lesão da orelha externa ou média; exemplos:otite externa, otite média, afecção do tímpano, objeto estranho em conduto auditivo externo, tampão ceroso)
  • 40. Nervo Glossofaríngeo Lesões isoladas do NC IX ou de seus núcleos são raras. As lesões no NC IX resultantes de infecções ou tumores geralmente são acompanhadas por sinais de acometimentos dos nervos adjacentes. Como os NC IX, X e XI atravessam o forame jugular, tumores que acometem essa região podem ocasionar múltiplas paralisias nos NCs, denominadas síndromes do forame jugular.
  • 41. Nervo Vago • Lesão dos ramos faríngeos do NC X: Causa possível: aneurisma do arco da aorta, complicações em cirurgia do pescoço. Sintomas: disfagia (dificuldade na deglutição); a lesão do N. laríngeo superior produz anestesia na porção superior da laringe e paralisia do M. Cricotireoideo. A voz é fraca e cansa com facilidade. Causa rouquidão e disfonia secundária.
  • 42. Nervo Acessório Em decorrência de sua posição quase subcutânea através de sua passagem na região cervical posterior, o NC XI é suscetível a lesões durante procedimentos cirúrgicos, como biópsia de linfonodos, canulação da veia jugular interna e endarterectomia da carótida Abertura da artéria em sua origem e retirada da placa aterosclerótica com a túnica íntima.
  • 43. Nervo Hipoglosso A lesão do NC XII paralisa a metade ipsilateral da língua; depois de algum tempo, ocorre atrofia da língua, fazendo parecer retraída e enrugada. Ao protrair a língua, o ápice desvia-se em direção ao lado paralisado, em consequência da ação sem oposição do M. Genioglosso no lado normal da língua. Causa possível: fratura da mandíbula.
  • 45. Referências • MOORE, keith L. & DALLEY, Arthur F.Anatomia Orientada para Clínica .5ªEd.Canadá:Guanabara. • Sistema Nervoso. Disponível em http://www.sistemanervoso.com/pagina.php?secao=7&ma teria_id=487&materiaver=1 . Acesso em 22/05/2013. • Vieira R., Semiologia Médica, 12ª ed., Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, 1980 apud Prof ª M.Lourdes A. Neto e Santos, docente da Cadeira de Clínica Médica, Semiologia, da Faculdade de Medicina da F.TE.S.M.