SlideShare uma empresa Scribd logo
Liga Acadêmica Radiologia e Diagnóstico por Imagem - LARDI
Centro Universitário de Patos de Minas – Unipam
Brenda N. B. LahlouPatos de Minas 2015
Sinais Radiológicos:
> São padrões característicos, reconhecíveis, por vezes com nome de objetos
familiares com os quais são vagamente parecidos.
> Auxiliam no diagnóstico e na subsequente orientação terapêutica de doenças.
> São muitas vezes característicos ou altamente sugestivos de um determinado grupo
de patologias. O conhecimento destes sinais pode encurtar
a lista de diagnósticos diferenciais.
Sinal da Silhueta:
Uma lesão intratorácica que faz contato com os contornos da silhueta mediastínica
ou dos hemidiafragmas e que apresenta densidade radiológica idêntica irá apagar
esses contornos na radiografia.
“Borrramento da silhueta / do contorno do coração”
Pode acontecer com o diafragma ou com a fissura pleural
Se Sinal da Silhueta
estiver presente,
significa que a lesão
é no lobo médio ou
língula.
Pneumonia total do pulmão esquerdo
A – Radiografia do tórax com incidência PA
mostrando opacidade em toalha homogénea
ocupando todo o campo pulmonar esquerdo e
condicionando sinal de silhueta com o
contorno esquerdo da silhueta mediastínica e
da hemicúpula diafragmática homolateral.
B – Na incidência de perfil esquerdo, apenas
é visível a hemicúpula diafragmática direita
devido ao referido sinal da silhueta que
condiciona apagamento do hemi-diafragma
esquerdo
Sinal POSITIVO
Sinal POSITIVO
SEM o Sinal
Sinal do Broncograma Aéreo:
Visualização do Ar no interior dos brônquios intrapulmonares chama-se sinal do
broncograma aéreo.
Aparece quando os brônquios mantêm-se arejados no seio de uma consolidação.
(Se o brônquio contém gás, para ser visto na radiografia, deve ser cercado por matéria
com densidade água) como nos casos de:
-Pneumonia, em que há secreção nos espaços alveolares ao redor
-Edema Pulmonar
-Infartos pulmonares
-Algumas lesões pulmonares Crônicas
Pneumonia Lobar Esquerda
Opacidade em toalha ocupando o lobo
esquerdo e a língula, individualizando-se
opacidades tubulares radiotransparentes
(seta) na região central - seta
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal da Asa de Borboleta:
- Traduz edema alveolar extenso, no contexto de edema agudo do pulmão.
- Infiltrado interstício-alveolar parahilar com preservação da periferia.
- Opacidades alveolares bilaterais, nos campos pulmonares médios.
Diminuição da radiotransparência pulmonar na
região peri-hilar, de forma simétrica, poupando
a periferia.
Edema Agudo de Pulmão
Sinais do Raio X de Tórax
Capacete Apical:
Opacidade no vértice pulmonar em forma de crescente (seta), geralmente
traduzindo espessamento da pleura apical, de natureza cicatricial.
Este sinal pode contudo surgir noutras patologias nomeadamente pulmonares,
como o carcinoma do sulco superior ou colapso periférico do lobo superior.
(Sequela de tuberculose)
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal do Duplo Contorno:
Indica aumento das dimensões da aurícula esquerda, que se torna perceptível na
radiografia do tórax com incidência de frente, formando conjuntamente com o contorno da
aurícula direita, este sinal radiológico.
Superposição das bordas dos átrios.
Nota-se um segundo contorno, ligeiramente superior e mais convexo, que se projeta como
uma sombra oval.
Nos grandes aumentos o átrio esquerdo projeta-se para fora do contorno, formando uma
pequena angulação na borda direita do coração imediatamente abaixo da entrada da veia
cava superior.
Densidade curvilínea projetada
medialmente ao contorno da aurícula
direita (seta), representando a imagem
infero-lateral da aurícula esquerda
aumentada.
Dilatação da aurícula esquerda por
insuficiência mitral
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal Cervico-Torácico:
Permite determinar se uma lesão do mediastino superior é anterior ou posterior,
consoante a definição dos seus limites acima das clavículas.
- Se for bem definida a esse nível, a lesão será posterior
(Tumor do esôfago, massas paravertebrais)
- Enquanto que se for mal definida, significa que contata com os tecidos moles
cervicais, pelo que será anterior
(Timoma, bócio mergulhante, adenopatias).
“O limite anterior do opérculo torácico é mais baixo que o posterior, o que condiciona que, acima do
opérculo torácico, na porção posterior, ainda exista pulmão, não havendo sinal da silhueta. Pelo
contrário, uma lesão anterior confunde-se com as partes moles existentes na base do pescoço,
fazendo sinal da silhueta”
Sinais do Raio X de Tórax
A – Radiografia de tórax com incidência
PA, mostra uma massa no mediastino
superior, paratraqueal direita, com limites
mal definidos acima do nível das
clavículas.
Bócio mergulhante
B – TC comprova a localização, a origem
e natureza da massa mediastínica
superior
Lesão no Mediastino Anterior
Lesão no Mediastino Posterior
Sinal Cervico-Toraco-Abdominal:
Está apenas presente quando uma lesão se localiza no mediastino posterior, com
extensão num nível abaixo ao do diafragma.
A – Radiografia do tórax de frente mostrando alargamento do mediastino à
direita, não fazendo contudo sinal de silhueta com o seu contorno (*) e
estendendo-se para além da hemicúpula diafragmática direita (seta). Estes 2
sinais radiológicos sugerem a sua localização posterior.
Acalásia
B – Na incidência de perfil, comprova-
se a sua localização posterior e pela
sua morfologia, a sua origem
esofágica.
Sinal “S” de Golden:
Traduz uma deformação da fissura horizontal consequente à existência de uma massa hilar,
neoplásica.
Esta condiciona obstrução do brônquio lobar superior direito e subsequentemente colapso do
respectivo lobo.
A fissura horizontal que delimita estas alterações apresenta-se com a forma de um “S invertido”,
de concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) e convexidade central (massa).
Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
A –Radiografia de tórax de frente mostrando
opacidade em toalha delimitada
inferiormente pela pequena cisura, desviada
para cima (colapso lobar superior) e com sinal
“S” de Golden.
Neoplasia pulmonar, hilar direita.
B e C – TC torácica após CIV confirma o colapso
do lobo superior direito (*) condicionado por uma
massa tumoral hilar(seta).
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal de Luftsichel:
- Significa “crescente de ar” em alemão e está presente no contexto de colapso
lobar superior esquerdo.
- Ocorre a hiperinsulflação do segmento superior do lobo inferior esquerdo,
afastando o lobo atelectasiado lateralmente.
Surge na radiografia do tórax como uma
radiotransparência com morfologia de
crescente (seta) adjacente ao botão aórtico e
correspondendo ao segmento superior do lobo
inferior esquerdo hiperinsuflado.
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal do Pico Justa-frênico:
Opacidade triangular que se projeta superiormente na metade medial do
diafragma, consequente a atelectasia do lobo superior.
Colapso lobar superior direito (*)
condicionando o sinal do pico justa-frénico (seta).
Sinal da Cauda de Cometa:
- Característico de uma atelectasia redonda em TC, representa a deformação em
“remoinho” (seta) das estruturas bronco-vasculares, desde o hilo pulmonar até à
periferia da lesão.
- Quando vasos e brônquios convergem para uma massa periférica arredondada
em contato com a pleura e penetra em sua margem anterior.
- Esse sinal é característico de atelectasia redonda e a exposição ao asbesto
(amianto) é a causa mais comum.
(*) – atelectasia redonda
Sinal do Diafragma Contínuo:
Linha radiotransparente que atravessa a linha média (seta), acima do diafragma,
na radiografia do tórax PA, indicativa de pneumomediastino.
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal do 1-2-3:
Padrão clássico na sarcoidose que consiste na combinação de adenopatias
- paratraqueais direitas (1),
- hilares direitas (2) e
- hilares esquerdas (3).
A – Radiografia do tórax de frente mostrando aumento simétrico das
dimensões e da densidade dos hilos, que apresentam contornos
lobulados.
Alargamento do mediastino superior em sede para-traqueal direita. Estes
achados são compatíveis com o sinal do 1-2-3
Sarcoidose
Confirmado por TC torácica - adenopatias para traqueais direitas (B) e
hilares bilaterais (C)
Sinais do Raio X de Tórax
Imagem em Carril:
Opacidades lineares paralelas (seta), representando as paredes brônquicas
espessadas, em secção longitudinal.
Características das bronquiectasias
cilíndricas, neste caso em contexto
de fibrose cística.
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal do Anel de Sinete:
Imagem formada por um brônquio dilatado acoplado à sua respectiva artéria, de
calibre normal, em secção transversal (círculo).
Sinal da Sobreposição Hilar:
Quando existe, significa que a lesão projetada ao hilo Não tem origem Hilar.
Massa mediastínica anterior. Opacidade projetada ao hilo
esquerdo e através da qual se visualizam as estruturas
vasculares do hilo – sobreposição hilar.
NÃO tem o sinal (origem mediastínica e não hilar)
Sinal do Crescente:
Coleção de ar periférica (seta) rodeando uma massa localizada dentro de uma
cavidade (onde o ar separa a parede externa da lesão de uma área interna de
sequestro).
A causa mais frequente é um aspergiloma (forma uma bola fúngica de Aspergillus sp).
Sinal do Halo:
Opacidade em vidro despolido que rodeia um nódulo pulmonar denso, traduzindo
geralmente hemorragia periférica.
Nódulo com halo em vidro despolido (seta) no
segmento posterior do lobo superior direito.
Aspergilose invasiva
Sinais do Raio X de Tórax
Sinal do Atol ou do Halo Invertido:
Opacidade em vidro despolido rodeada por halo periférico mais denso (aneis de
consolidação).
É patognomônico de pneumonia organizativa.
Split Pleura Sign:
Espessamento e realce dos folhetos pleurais parietal e visceral, rodeando uma
coleção líquida.
Indicativo de empiema.
brendaboechat@hotmail.com
http://rihuc.huc.min-saude.pt/bitstream/10400.4/1569/1/sinais_rad_torax.pdf
http://chest-medicine.blogspot.com.br/2015/04/chest-x-ray-silhouette-
hiddenareas.html#.Vgt4DflViko
http://pt.slideshare.net/Cleidenisia-Daiana/reviso-radio-trax
http://www.pneumoimagem.com.br/imagens_pneumo_detalhe.asp?idcat=54&imagem=
341
http://www.acervosaber.com.br/trabalhos/medicina1/radiologia_do_coracao.php
http://www.imaginologia.com.br/dow/radiologia_basica/Metodos-de-Imagem-na-
Avaliacao-do-Torax.pdf
http://www.jornaldepneumologia.com.br/detalhe_artigo.asp?id=2414

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
Jucie Vasconcelos
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
Paulo Alambert
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Flávia Salame
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
pauloalambert
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
pauloalambert
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
blogped1
 
Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
Eduardo Santana Cordeiro
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
Flávia Salame
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Bruna Cesário
 
TC de tórax janela de mediastino
TC de tórax  janela de mediastinoTC de tórax  janela de mediastino
TC de tórax janela de mediastino
Flávia Salame
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Paulo Alambert
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
Flávia Salame
 
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Hercules Antonio Kozorosky Junior
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
Flávia Salame
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
Fernando de Oliveira Dutra
 
Achados radiográficos na radiografia de tórax
Achados radiográficos na radiografia de tóraxAchados radiográficos na radiografia de tórax
Achados radiográficos na radiografia de tórax
isadoracordenonsi
 

Mais procurados (20)

Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
 
TC de tórax janela de mediastino
TC de tórax  janela de mediastinoTC de tórax  janela de mediastino
TC de tórax janela de mediastino
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Radiografia normal do tórax
Radiografia normal do tóraxRadiografia normal do tórax
Radiografia normal do tórax
 
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Achados radiográficos na radiografia de tórax
Achados radiográficos na radiografia de tóraxAchados radiográficos na radiografia de tórax
Achados radiográficos na radiografia de tórax
 

Destaque

Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.
isadoracordenonsi
 
Ganglios linfaticos calcificados,
Ganglios linfaticos calcificados, Ganglios linfaticos calcificados,
Ganglios linfaticos calcificados,
dentometric
 
Métodos de exame, anatomia normal e achados
Métodos de exame, anatomia normal e achadosMétodos de exame, anatomia normal e achados
Métodos de exame, anatomia normal e achados
isadoracordenonsi
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
Meiry Vieira
 
Atelectasia
AtelectasiaAtelectasia
Atelectasia
Natha Fisioterapia
 
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
edersonpinguim
 
Malformações do torax
Malformações do toraxMalformações do torax
Malformações do torax
upload718
 
Mediastino e hilos
Mediastino e hilosMediastino e hilos
Mediastino e hilos
isadoracordenonsi
 
Patologias do tórax
Patologias do tóraxPatologias do tórax
Patologias do tórax
Débora Souto
 

Destaque (9)

Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.
 
Ganglios linfaticos calcificados,
Ganglios linfaticos calcificados, Ganglios linfaticos calcificados,
Ganglios linfaticos calcificados,
 
Métodos de exame, anatomia normal e achados
Métodos de exame, anatomia normal e achadosMétodos de exame, anatomia normal e achados
Métodos de exame, anatomia normal e achados
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
 
Atelectasia
AtelectasiaAtelectasia
Atelectasia
 
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção Resolução nº 06 1988 Radioproteção
Resolução nº 06 1988 Radioproteção
 
Malformações do torax
Malformações do toraxMalformações do torax
Malformações do torax
 
Mediastino e hilos
Mediastino e hilosMediastino e hilos
Mediastino e hilos
 
Patologias do tórax
Patologias do tóraxPatologias do tórax
Patologias do tórax
 

Semelhante a Sinais do Raio X de Tórax

Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
isadoracordenonsi
 
Vias aéreas parte 1
Vias aéreas parte 1Vias aéreas parte 1
Vias aéreas parte 1
upload718
 
Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.
isadoracordenonsi
 
1501
15011501
1501
Mlopes008
 
Monitoria revisão radio
Monitoria revisão radioMonitoria revisão radio
Monitoria revisão radio
Norberto Werle
 
Vias aéreas parte 1 pdf eee
Vias aéreas parte 1 pdf eeeVias aéreas parte 1 pdf eee
Vias aéreas parte 1 pdf eee
upload718
 
Anatomia do tórax
Anatomia do tóraxAnatomia do tórax
Anatomia do tórax
Patrícia Borges
 
Revisão radio tórax
Revisão radio tóraxRevisão radio tórax
Revisão radio tórax
Cleidenisia-Daiana
 
Revisão radio tórax
Revisão radio tóraxRevisão radio tórax
Revisão radio tórax
Cleidenisia-Daiana
 
1408
14081408
1402
14021402
TC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitasTC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitas
arbarretto
 
Radiologia apostila
Radiologia   apostilaRadiologia   apostila
Radiologia apostila
penhalver
 
Raio x Torax
Raio x ToraxRaio x Torax
Raio x Torax
BrunaCares
 
Anatomia mediastino ao rx
Anatomia mediastino ao rxAnatomia mediastino ao rx
Anatomia mediastino ao rx
crisvbarros
 
TC tórax: alterações pleurais
TC tórax: alterações pleuraisTC tórax: alterações pleurais
TC tórax: alterações pleurais
arbarretto
 
Chest radiology 2009 traducao
Chest radiology 2009 traducaoChest radiology 2009 traducao
Chest radiology 2009 traducao
Inaiara Bragante
 
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptxBanco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
JeffersonEstevanFran
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
DborahVictoy
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 

Semelhante a Sinais do Raio X de Tórax (20)

Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
 
Vias aéreas parte 1
Vias aéreas parte 1Vias aéreas parte 1
Vias aéreas parte 1
 
Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.Vias aéreas parte 1.
Vias aéreas parte 1.
 
1501
15011501
1501
 
Monitoria revisão radio
Monitoria revisão radioMonitoria revisão radio
Monitoria revisão radio
 
Vias aéreas parte 1 pdf eee
Vias aéreas parte 1 pdf eeeVias aéreas parte 1 pdf eee
Vias aéreas parte 1 pdf eee
 
Anatomia do tórax
Anatomia do tóraxAnatomia do tórax
Anatomia do tórax
 
Revisão radio tórax
Revisão radio tóraxRevisão radio tórax
Revisão radio tórax
 
Revisão radio tórax
Revisão radio tóraxRevisão radio tórax
Revisão radio tórax
 
1408
14081408
1408
 
1402
14021402
1402
 
TC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitasTC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitas
 
Radiologia apostila
Radiologia   apostilaRadiologia   apostila
Radiologia apostila
 
Raio x Torax
Raio x ToraxRaio x Torax
Raio x Torax
 
Anatomia mediastino ao rx
Anatomia mediastino ao rxAnatomia mediastino ao rx
Anatomia mediastino ao rx
 
TC tórax: alterações pleurais
TC tórax: alterações pleuraisTC tórax: alterações pleurais
TC tórax: alterações pleurais
 
Chest radiology 2009 traducao
Chest radiology 2009 traducaoChest radiology 2009 traducao
Chest radiology 2009 traducao
 
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptxBanco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
Banco - P1 practica - UCP - 2021 - RESPONDENDO.pptx
 
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
Semiologia Clínica-Manole (2021) - cap. 10 O exame do tórax e do sistema resp...
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 

Mais de Brenda Lahlou

Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0
Brenda Lahlou
 
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites AutoimunesEpilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
Brenda Lahlou
 
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICATUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
Brenda Lahlou
 
Sindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares CompressivasSindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares Compressivas
Brenda Lahlou
 
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Brenda Lahlou
 
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagemEndometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
Brenda Lahlou
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Brenda Lahlou
 
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras AnomaliasCarcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Brenda Lahlou
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELORESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
Brenda Lahlou
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
Brenda Lahlou
 
Mediastinite Fibrosante
Mediastinite FibrosanteMediastinite Fibrosante
Mediastinite Fibrosante
Brenda Lahlou
 
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Brenda Lahlou
 
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
Brenda Lahlou
 
OTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITESOTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITES
Brenda Lahlou
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
Brenda Lahlou
 
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoAspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Brenda Lahlou
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Brenda Lahlou
 
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e TratamentoDiabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Brenda Lahlou
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite Aguda
Brenda Lahlou
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 

Mais de Brenda Lahlou (20)

Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0
 
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites AutoimunesEpilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
 
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICATUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
 
Sindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares CompressivasSindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares Compressivas
 
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
 
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagemEndometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
 
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras AnomaliasCarcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELORESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
 
Mediastinite Fibrosante
Mediastinite FibrosanteMediastinite Fibrosante
Mediastinite Fibrosante
 
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
 
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
 
OTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITESOTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITES
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
 
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoAspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
 
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e TratamentoDiabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite Aguda
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 

Sinais do Raio X de Tórax

  • 1. Liga Acadêmica Radiologia e Diagnóstico por Imagem - LARDI Centro Universitário de Patos de Minas – Unipam Brenda N. B. LahlouPatos de Minas 2015
  • 2. Sinais Radiológicos: > São padrões característicos, reconhecíveis, por vezes com nome de objetos familiares com os quais são vagamente parecidos. > Auxiliam no diagnóstico e na subsequente orientação terapêutica de doenças. > São muitas vezes característicos ou altamente sugestivos de um determinado grupo de patologias. O conhecimento destes sinais pode encurtar a lista de diagnósticos diferenciais.
  • 3. Sinal da Silhueta: Uma lesão intratorácica que faz contato com os contornos da silhueta mediastínica ou dos hemidiafragmas e que apresenta densidade radiológica idêntica irá apagar esses contornos na radiografia. “Borrramento da silhueta / do contorno do coração” Pode acontecer com o diafragma ou com a fissura pleural
  • 4. Se Sinal da Silhueta estiver presente, significa que a lesão é no lobo médio ou língula.
  • 5. Pneumonia total do pulmão esquerdo A – Radiografia do tórax com incidência PA mostrando opacidade em toalha homogénea ocupando todo o campo pulmonar esquerdo e condicionando sinal de silhueta com o contorno esquerdo da silhueta mediastínica e da hemicúpula diafragmática homolateral. B – Na incidência de perfil esquerdo, apenas é visível a hemicúpula diafragmática direita devido ao referido sinal da silhueta que condiciona apagamento do hemi-diafragma esquerdo
  • 9. Sinal do Broncograma Aéreo: Visualização do Ar no interior dos brônquios intrapulmonares chama-se sinal do broncograma aéreo. Aparece quando os brônquios mantêm-se arejados no seio de uma consolidação. (Se o brônquio contém gás, para ser visto na radiografia, deve ser cercado por matéria com densidade água) como nos casos de: -Pneumonia, em que há secreção nos espaços alveolares ao redor -Edema Pulmonar -Infartos pulmonares -Algumas lesões pulmonares Crônicas
  • 10. Pneumonia Lobar Esquerda Opacidade em toalha ocupando o lobo esquerdo e a língula, individualizando-se opacidades tubulares radiotransparentes (seta) na região central - seta
  • 14. Sinal da Asa de Borboleta: - Traduz edema alveolar extenso, no contexto de edema agudo do pulmão. - Infiltrado interstício-alveolar parahilar com preservação da periferia. - Opacidades alveolares bilaterais, nos campos pulmonares médios.
  • 15. Diminuição da radiotransparência pulmonar na região peri-hilar, de forma simétrica, poupando a periferia. Edema Agudo de Pulmão
  • 17. Capacete Apical: Opacidade no vértice pulmonar em forma de crescente (seta), geralmente traduzindo espessamento da pleura apical, de natureza cicatricial. Este sinal pode contudo surgir noutras patologias nomeadamente pulmonares, como o carcinoma do sulco superior ou colapso periférico do lobo superior. (Sequela de tuberculose)
  • 20. Sinal do Duplo Contorno: Indica aumento das dimensões da aurícula esquerda, que se torna perceptível na radiografia do tórax com incidência de frente, formando conjuntamente com o contorno da aurícula direita, este sinal radiológico. Superposição das bordas dos átrios. Nota-se um segundo contorno, ligeiramente superior e mais convexo, que se projeta como uma sombra oval. Nos grandes aumentos o átrio esquerdo projeta-se para fora do contorno, formando uma pequena angulação na borda direita do coração imediatamente abaixo da entrada da veia cava superior.
  • 21. Densidade curvilínea projetada medialmente ao contorno da aurícula direita (seta), representando a imagem infero-lateral da aurícula esquerda aumentada. Dilatação da aurícula esquerda por insuficiência mitral
  • 25. Sinal Cervico-Torácico: Permite determinar se uma lesão do mediastino superior é anterior ou posterior, consoante a definição dos seus limites acima das clavículas. - Se for bem definida a esse nível, a lesão será posterior (Tumor do esôfago, massas paravertebrais) - Enquanto que se for mal definida, significa que contata com os tecidos moles cervicais, pelo que será anterior (Timoma, bócio mergulhante, adenopatias). “O limite anterior do opérculo torácico é mais baixo que o posterior, o que condiciona que, acima do opérculo torácico, na porção posterior, ainda exista pulmão, não havendo sinal da silhueta. Pelo contrário, uma lesão anterior confunde-se com as partes moles existentes na base do pescoço, fazendo sinal da silhueta”
  • 27. A – Radiografia de tórax com incidência PA, mostra uma massa no mediastino superior, paratraqueal direita, com limites mal definidos acima do nível das clavículas. Bócio mergulhante B – TC comprova a localização, a origem e natureza da massa mediastínica superior
  • 29. Lesão no Mediastino Posterior
  • 30. Sinal Cervico-Toraco-Abdominal: Está apenas presente quando uma lesão se localiza no mediastino posterior, com extensão num nível abaixo ao do diafragma.
  • 31. A – Radiografia do tórax de frente mostrando alargamento do mediastino à direita, não fazendo contudo sinal de silhueta com o seu contorno (*) e estendendo-se para além da hemicúpula diafragmática direita (seta). Estes 2 sinais radiológicos sugerem a sua localização posterior. Acalásia B – Na incidência de perfil, comprova- se a sua localização posterior e pela sua morfologia, a sua origem esofágica.
  • 32. Sinal “S” de Golden: Traduz uma deformação da fissura horizontal consequente à existência de uma massa hilar, neoplásica. Esta condiciona obstrução do brônquio lobar superior direito e subsequentemente colapso do respectivo lobo. A fissura horizontal que delimita estas alterações apresenta-se com a forma de um “S invertido”, de concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) e convexidade central (massa). Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
  • 33. A –Radiografia de tórax de frente mostrando opacidade em toalha delimitada inferiormente pela pequena cisura, desviada para cima (colapso lobar superior) e com sinal “S” de Golden. Neoplasia pulmonar, hilar direita. B e C – TC torácica após CIV confirma o colapso do lobo superior direito (*) condicionado por uma massa tumoral hilar(seta).
  • 35. Sinal de Luftsichel: - Significa “crescente de ar” em alemão e está presente no contexto de colapso lobar superior esquerdo. - Ocorre a hiperinsulflação do segmento superior do lobo inferior esquerdo, afastando o lobo atelectasiado lateralmente.
  • 36. Surge na radiografia do tórax como uma radiotransparência com morfologia de crescente (seta) adjacente ao botão aórtico e correspondendo ao segmento superior do lobo inferior esquerdo hiperinsuflado.
  • 38. Sinal do Pico Justa-frênico: Opacidade triangular que se projeta superiormente na metade medial do diafragma, consequente a atelectasia do lobo superior. Colapso lobar superior direito (*) condicionando o sinal do pico justa-frénico (seta).
  • 39. Sinal da Cauda de Cometa: - Característico de uma atelectasia redonda em TC, representa a deformação em “remoinho” (seta) das estruturas bronco-vasculares, desde o hilo pulmonar até à periferia da lesão. - Quando vasos e brônquios convergem para uma massa periférica arredondada em contato com a pleura e penetra em sua margem anterior. - Esse sinal é característico de atelectasia redonda e a exposição ao asbesto (amianto) é a causa mais comum.
  • 41. Sinal do Diafragma Contínuo: Linha radiotransparente que atravessa a linha média (seta), acima do diafragma, na radiografia do tórax PA, indicativa de pneumomediastino.
  • 43. Sinal do 1-2-3: Padrão clássico na sarcoidose que consiste na combinação de adenopatias - paratraqueais direitas (1), - hilares direitas (2) e - hilares esquerdas (3). A – Radiografia do tórax de frente mostrando aumento simétrico das dimensões e da densidade dos hilos, que apresentam contornos lobulados. Alargamento do mediastino superior em sede para-traqueal direita. Estes achados são compatíveis com o sinal do 1-2-3 Sarcoidose Confirmado por TC torácica - adenopatias para traqueais direitas (B) e hilares bilaterais (C)
  • 45. Imagem em Carril: Opacidades lineares paralelas (seta), representando as paredes brônquicas espessadas, em secção longitudinal. Características das bronquiectasias cilíndricas, neste caso em contexto de fibrose cística.
  • 47. Sinal do Anel de Sinete: Imagem formada por um brônquio dilatado acoplado à sua respectiva artéria, de calibre normal, em secção transversal (círculo).
  • 48. Sinal da Sobreposição Hilar: Quando existe, significa que a lesão projetada ao hilo Não tem origem Hilar. Massa mediastínica anterior. Opacidade projetada ao hilo esquerdo e através da qual se visualizam as estruturas vasculares do hilo – sobreposição hilar.
  • 49. NÃO tem o sinal (origem mediastínica e não hilar)
  • 50. Sinal do Crescente: Coleção de ar periférica (seta) rodeando uma massa localizada dentro de uma cavidade (onde o ar separa a parede externa da lesão de uma área interna de sequestro). A causa mais frequente é um aspergiloma (forma uma bola fúngica de Aspergillus sp).
  • 51. Sinal do Halo: Opacidade em vidro despolido que rodeia um nódulo pulmonar denso, traduzindo geralmente hemorragia periférica. Nódulo com halo em vidro despolido (seta) no segmento posterior do lobo superior direito. Aspergilose invasiva
  • 53. Sinal do Atol ou do Halo Invertido: Opacidade em vidro despolido rodeada por halo periférico mais denso (aneis de consolidação). É patognomônico de pneumonia organizativa.
  • 54. Split Pleura Sign: Espessamento e realce dos folhetos pleurais parietal e visceral, rodeando uma coleção líquida. Indicativo de empiema.