SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Propedêutica de abdome II
DISCIPLINA DE CLÍNICA
MÉDICA I
2017
Alambert, PA
Exame Físico de
Fígado,Vesícula Biliar,Baço e
Aorta Abdominal
PROPEDEUTICA DE ABDOME II
Propedêutica Física do Fígado
• INSPEÇÃO
• PALPAÇÃO
• PERCUSSÃO
• AUSCULTA
INSPEÇÃO
• Abaulamento em toda a área de projeção hepática:
hepatomegalias
• Imobilidade respiratória nas grandes hepatomegalias
Hepatomegalia
Palpação
• 1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu
• 2-Palpação hepática “bimanual” ou Processo de
Lemos Torres
• Objetivo:descrever as características do limite
inferior:borda fina? granulosa? “em saco de batatas?
Cortante?romba? dura? mole? dolorosa? indolor?
Processo de Mathieu
• As mãos paralelas,no abdome,dispostas com os
dedos “em garra”,pesquisando,desde a fossa ilíaca
direita,a borda inferior do fígado durante as
inspirações.
Processo de Mathieu
Processo de Mathieu
Processo de Lemos Torres
• A mão esquerda do examinador é utilizada na tração
anterior enquanto a direita palpa buscando a borda
hepática.
Processo de Lemos Torres
Percussão do Fígado
 1-Delimita o limite superior do fígado (5º EICD)
 2-A macicez absoluta marca o contato direto do fígado com
a parede torácica.
 3-Timpanismo 1:Sinal de Jobertperfuração gastro-
intestinal ou da vesícula biliar.
 4-Timpanismo 2:Inter-posição de uma porção do colo
transverso entre o fígado e o gradeado costal.
 5-Dor à percussão:hepatomegalias ou abscesso hepático
(Sinal de Torres-Homem)
Percussão do Fígado
Ausculta do Fígado
• AtritoInflamação fibrinosa da cápsula de Glisson e
do peritônio correspondente nos processos
inflamatórios ou neoplásicos do parênquima
hepático,ou fazendo parte da peritonite genealizada.
Propedêutica Física da VesículaPropedêutica Física da Vesícula
BiliarBiliar
• INSPEÇÃO
• PALPAÇÃO
INSPEÇÃO DA VESÍCULA
BILIAR
 Normalmente, a vesícula biliar não é visível à
inspeção da parede anterior do abdome.
 A vesícula em condições patológicas é raramente
visível, somente na distensão pronunciada em casos
de empiema,colecistite aguda.Aparece como tumor
móvel com os movimentos respiratórios,ocupando
a situação da sua projeção anatõmica.
Palpação da Vesícula Biliar
• 1-A vesícula normal é impalpável e somente se torna
palpável quando obstruída e distendida pela bile
• 2-Sinal de Murphy
• 3-Lei de Courvoisier-Terrier
Sinal de Murphy
Após expiração, o examinador aprofunda a mão ou o polegar na junção do
Rebordo costal com o reto abdominal e , na inspiração, observa-se se ocorrerá
a parada na inspiração.
Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier
 Ocorre quando em um paciente ictérico,ao
palparmos o hipocôndrio direito encontramos uma
massa ovalada ,que é a vesícula biliar distendida que
se torna palpável por efeito de massa de neoplasia
de vias biliares extra-hepáticas- tumores
periampulares (principalmente câncer de cabeça de
pancreas).
 Portanto,a presença de icterícia associada a vesícula
palpável constitui a regra de Courvoisier-Terrier.
Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier
Propedêutica Física do Baço
• INSPEÇÃO
• PALPAÇÃO
• PERCUSSÃO
• AUSCULTA
INSPEÇÃO DO BAÇO
• 1-Em condições normais não há abaulamento na área
esplênica
• 2-Nas esplenomegalias o abaulamento no
hipocondrio esquerdo pode extender-se para
epigástrio,flanco esquerdo,região umbilical e até a
fossa ilíaca esquerda.
INSPEÇÃO DO BAÇO
PALPAÇÃO DO BAÇO
• 1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu-
Cardarelli
• 2-Processo bimanual
• 3-Posição de Schuster
ObjetivoVerificar se o baço é palpável,borda dura?
lisa?mole? Cortante ou romba?dolorosa?
Processo de Mathieu-Cardarelli
O examinador fica à esquerda do paciente;com as mãos “em garra”,, a cada
Inspiração,e a borda do baço será percebida pelas polpas digitais,quando o
Baço estiver aumentado de volume.
Processo bimanual
Posição de Schuster
Percussão do Baço
• O baço não é percutível
• Todo baço que se mostra percutível está aumentado
de volume, o que nem sempre se identifica pela
palpação.
• Portanto,nem todo baço percutível é palpável,porém
todo baço palpável é percutível
Percussão do Baço
AUSCULTA DO
BAÇO
Atrito nas peri-esplenites
Semiologia da Aorta
Abdominal
Inspeção
Palpação da Aorta abdominal
PALPAÇÃO DA AORTAPALPAÇÃO DA AORTA
ABDOMINALABDOMINAL
A direção da pulsação
indica se ela é
oriunda diretamente
da aorta (acima) ou
se transmitida por
massa localizada
sobre os tecidos
(abaixo)
Ausculta da Aorta
Semiologia
Ausculta da Aorta Abdominal
Terminou!!!Terminou!!!
Obrigado pela atençãoObrigado pela atenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdôme
dapab
 
examinando o torax
examinando o toraxexaminando o torax
examinando o torax
Carla Taxini
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 

Mais procurados (20)

Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdôme
 
.pdf
.pdf.pdf
.pdf
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Abdome ii 2019
Abdome ii 2019Abdome ii 2019
Abdome ii 2019
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
examinando o torax
examinando o toraxexaminando o torax
examinando o torax
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
Exame fsico do abdome (Davyson Sampaio Braga)
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Propedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal lPropedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal l
 
Exame físico abdome I
Exame físico abdome IExame físico abdome I
Exame físico abdome I
 

Semelhante a Semiologia de Abdome II

simiologia do abdomem.pptx
simiologia do abdomem.pptxsimiologia do abdomem.pptx
simiologia do abdomem.pptx
NiraLumbo
 
Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)
Vanessacalim
 

Semelhante a Semiologia de Abdome II (20)

Abdome ii 2018
Abdome ii 2018Abdome ii 2018
Abdome ii 2018
 
Abdome II
Abdome IIAbdome II
Abdome II
 
Abdome l 2019
Abdome l 2019Abdome l 2019
Abdome l 2019
 
Abdome l 2018
Abdome l 2018Abdome l 2018
Abdome l 2018
 
Exame físico abdome i
Exame físico abdome iExame físico abdome i
Exame físico abdome i
 
Hepatoesplenomegalia
HepatoesplenomegaliaHepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegalia
 
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho DigestivoAula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
 
simiologia do abdomem.pptx
simiologia do abdomem.pptxsimiologia do abdomem.pptx
simiologia do abdomem.pptx
 
semio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdfsemio-abdominal.pdf
semio-abdominal.pdf
 
Semiologia do Abdomen.pptx
Semiologia do Abdomen.pptxSemiologia do Abdomen.pptx
Semiologia do Abdomen.pptx
 
Hepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegalia Hepatoesplenomegalia
Hepatoesplenomegalia
 
Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)Slaid semiologia (2)
Slaid semiologia (2)
 
ABDOMEN PRATICA.pdf
ABDOMEN PRATICA.pdfABDOMEN PRATICA.pdf
ABDOMEN PRATICA.pdf
 
Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Abdome agudo 15
Abdome agudo 15Abdome agudo 15
Abdome agudo 15
 
Resumo semio abdominal e neuro
Resumo semio abdominal e neuroResumo semio abdominal e neuro
Resumo semio abdominal e neuro
 
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdfresumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
resumo Semiologia Cirurgica I medicina.pdf
 
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdfIMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
IMPRIMIR - ABDOM. CLASE 01.04.2024 (2).pdf
 
Semiologia abdominal final
Semiologia abdominal finalSemiologia abdominal final
Semiologia abdominal final
 

Mais de pauloalambert

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Semiologia de Abdome II

  • 1. Propedêutica de abdome II DISCIPLINA DE CLÍNICA MÉDICA I 2017 Alambert, PA
  • 2. Exame Físico de Fígado,Vesícula Biliar,Baço e Aorta Abdominal PROPEDEUTICA DE ABDOME II
  • 3. Propedêutica Física do Fígado • INSPEÇÃO • PALPAÇÃO • PERCUSSÃO • AUSCULTA
  • 4. INSPEÇÃO • Abaulamento em toda a área de projeção hepática: hepatomegalias • Imobilidade respiratória nas grandes hepatomegalias
  • 6. Palpação • 1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu • 2-Palpação hepática “bimanual” ou Processo de Lemos Torres • Objetivo:descrever as características do limite inferior:borda fina? granulosa? “em saco de batatas? Cortante?romba? dura? mole? dolorosa? indolor?
  • 7. Processo de Mathieu • As mãos paralelas,no abdome,dispostas com os dedos “em garra”,pesquisando,desde a fossa ilíaca direita,a borda inferior do fígado durante as inspirações.
  • 10. Processo de Lemos Torres • A mão esquerda do examinador é utilizada na tração anterior enquanto a direita palpa buscando a borda hepática.
  • 12. Percussão do Fígado  1-Delimita o limite superior do fígado (5º EICD)  2-A macicez absoluta marca o contato direto do fígado com a parede torácica.  3-Timpanismo 1:Sinal de Jobertperfuração gastro- intestinal ou da vesícula biliar.  4-Timpanismo 2:Inter-posição de uma porção do colo transverso entre o fígado e o gradeado costal.  5-Dor à percussão:hepatomegalias ou abscesso hepático (Sinal de Torres-Homem)
  • 14. Ausculta do Fígado • AtritoInflamação fibrinosa da cápsula de Glisson e do peritônio correspondente nos processos inflamatórios ou neoplásicos do parênquima hepático,ou fazendo parte da peritonite genealizada.
  • 15. Propedêutica Física da VesículaPropedêutica Física da Vesícula BiliarBiliar • INSPEÇÃO • PALPAÇÃO
  • 16. INSPEÇÃO DA VESÍCULA BILIAR  Normalmente, a vesícula biliar não é visível à inspeção da parede anterior do abdome.  A vesícula em condições patológicas é raramente visível, somente na distensão pronunciada em casos de empiema,colecistite aguda.Aparece como tumor móvel com os movimentos respiratórios,ocupando a situação da sua projeção anatõmica.
  • 17. Palpação da Vesícula Biliar • 1-A vesícula normal é impalpável e somente se torna palpável quando obstruída e distendida pela bile • 2-Sinal de Murphy • 3-Lei de Courvoisier-Terrier
  • 18. Sinal de Murphy Após expiração, o examinador aprofunda a mão ou o polegar na junção do Rebordo costal com o reto abdominal e , na inspiração, observa-se se ocorrerá a parada na inspiração.
  • 19. Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier  Ocorre quando em um paciente ictérico,ao palparmos o hipocôndrio direito encontramos uma massa ovalada ,que é a vesícula biliar distendida que se torna palpável por efeito de massa de neoplasia de vias biliares extra-hepáticas- tumores periampulares (principalmente câncer de cabeça de pancreas).  Portanto,a presença de icterícia associada a vesícula palpável constitui a regra de Courvoisier-Terrier.
  • 20. Sinal ou regra de Courvoisier-Terrier
  • 21. Propedêutica Física do Baço • INSPEÇÃO • PALPAÇÃO • PERCUSSÃO • AUSCULTA
  • 22. INSPEÇÃO DO BAÇO • 1-Em condições normais não há abaulamento na área esplênica • 2-Nas esplenomegalias o abaulamento no hipocondrio esquerdo pode extender-se para epigástrio,flanco esquerdo,região umbilical e até a fossa ilíaca esquerda.
  • 24. PALPAÇÃO DO BAÇO • 1-Palpação “em garra” ou Processo de Mathieu- Cardarelli • 2-Processo bimanual • 3-Posição de Schuster ObjetivoVerificar se o baço é palpável,borda dura? lisa?mole? Cortante ou romba?dolorosa?
  • 25. Processo de Mathieu-Cardarelli O examinador fica à esquerda do paciente;com as mãos “em garra”,, a cada Inspiração,e a borda do baço será percebida pelas polpas digitais,quando o Baço estiver aumentado de volume.
  • 28. Percussão do Baço • O baço não é percutível • Todo baço que se mostra percutível está aumentado de volume, o que nem sempre se identifica pela palpação. • Portanto,nem todo baço percutível é palpável,porém todo baço palpável é percutível
  • 30. AUSCULTA DO BAÇO Atrito nas peri-esplenites
  • 33. Palpação da Aorta abdominal
  • 34.
  • 35. PALPAÇÃO DA AORTAPALPAÇÃO DA AORTA ABDOMINALABDOMINAL A direção da pulsação indica se ela é oriunda diretamente da aorta (acima) ou se transmitida por massa localizada sobre os tecidos (abaixo)
  • 37.
  • 38. Ausculta da Aorta Abdominal