SlideShare uma empresa Scribd logo
Interação
Operante -
Respondente
Elenice S. Hanna
Erick R. Huber
Interação Respondente-Operante
 Na maioria das situações, o operante e o respondente estão em
constante interação
 Qual a diferença entre eles?
 Condicionamento clássico se constrói a partir de reflexos, o
operante não.
 Reflexos: preparação mínima para sobrevivência e interação com o
mundo
Diferenças
 O comportamento operante pode ser
modificado mais facilmente que o
comportamento respondente
 O condicionamento clássico depende de
emparelhamento com estímulos
incondicionados
Diferenças
 Reflexos: eliciados
 Operantes: emitidos
 Um comportamento reflexo é eliciado enquanto
um comportamento operante é emitido.
 S – R - reflexo
 R – C - operante
Diferenças
Respondentes Operantes
Construído a partir de reflexos Não necessariamente deriva de
reflexos, consequentemente
maior possibilidade de
variação
Comportamento eliciado,
disparado, produzido p(R)=1,0
Comportamento emitido;
ocorrência depende de
padrões de reforçamento,
motivação, contexto;
Menos previsível
p(R)=0-1
Diferenças
Respondentes Operantes
Independe de
conseqüências
Reforços são essenciais
Aprende-se um novo
reflexo
Aprende-se novos padrões e
sensibilidade a situações que
sinalizam quando o
comportamento será
provavelmente reforçado
Interação entre contingências
 processos (repondente e operante)
frequentemente juntos ou sobrepostos
 Exemplos:
 Dirigir rápido e freiar (pista molhada) -> carro roda
 R -> SR- (OPERANTE)
 Rodar carro (pista molhada) -> medo, apreensão
 S- R (RESPONDENTE)
 Carro rodar é estímulo com dupla função: SR- e Seliciador
Mais Exemplos
 Andar na praia descalço -> brisa, contato com
areia, beleza da natureza, água do mar
 R -> SR- (OPERANTE)
 Areia nos pés -> sentir prazer
 Brisa em dia quente -> sentir prazer
 S- R (RESPONDENTE)
 Areia, brisa, água, vista são estímulos com dupla função:
 Sreforçador positivo e Seliciador
Mais Exemplos
 Brigar com pai -> festa
 R -> SR (OPERANTE)
 festa -> raiva
 S- R (RESPONDENTE)
 Festa é um estímulo com dupla função: Sreforçador
positivo e Seliciador
Mais Exemplos
 filme de terror medo
 S- R (RESPONDENTE)
 desligar televisão filme de terror
 R -> SR- (OPERANTE)
 Filme de terror é um estímulo com dupla função:
Sreforçador negativo e Seliciador
Mais Exemplos
Mais Exemplos
 filme de terror medo excitante
 S- R (RESPONDENTE)
 ligar televisão filme de terror
 R -> SR- (OPERANTE)
 Filme de terror é um estímulo com dupla função:
 Sreforçador positivo e Seliciador
Continuum Interno-Externo
 “Respostas reflexas usualmente funcionam para
manter a harmonia dos processos corporais
internos, enquanto o comportamento operante é
usualmente instrumental, ao afetar o ambiente
externo.”
 Reflexos envolvem sistema nervoso involuntário
e músculos lisos
 Equilíbrio / sobrevivência
O papel dos reforçadores
 Necessário para o condicionamento operante,
não para o clássico
 Operante: Sd : R -> Sr
 Clássico: US -> UR / CS -> CR
 Estímulos reforçadores são essenciais para a
aquisição e manutenção de comportamentos
operantes
 Srs fazem com que estímulos antecedentes se
tornem S+ ou S-
O papel dos reforçadores
 O reflexo incondicionado é disparado
biologicamente, não precisa de reforçamento
(consequência) para acontecer
 Basta apenas emparelhar um US com um CS
(NS)
 Reflexo sexual (excitação) pode ser disparado
sem consequências (reforço)
O papel dos reforçadores
 Condicionamento clássico como efeito colateral do
condicionamento operante:
 Um garoto recebe uma bronca do pai, ouve a palavra “NÃO” e
depois o pai bate na criança.
 O operante pelo qual a criança recebeu a bronca pode diminuir
 Já a palavra “não” vinda do pai pode eliciar respondentes que
foram emparelhados com a surra
 O próprio comportamento operante pode vir a se tornar um CS
e eliciar os respondentes
Condicionamento Respondente
como subproduto de Operante
 Reforçadores positivos e negativos eliciam
respostas
 Errar (O) Bronca/perde nota
 Raiva (CR)
 Emparelhamento de estímulos em reforçamento
ou punição podem produzir condicionamento
respondente
 Professor X: Errar (O) Bronca (SR-)
 Professor X (CS)
 Bronca (CS) Raiva (CR)
O que é aprendido?
 A aprendizagem está nos dois e ambos estão em interação
frequente
 Respondente: aprende a responder a um novo estímulo (CS) –
responder frente a novos estímulos
 Operante: aprende novos padrões de comportamento – através
do reforço e da punição é possível modificar a forma e a frequência
de padrões comportamentais
 No respondente os padrões de resposta são relativamente fixos
 O condicionamento operante pode produzir condicionamento
respondente como efeito colateral
 Após repetidas experiências, o engajar-se em algum
comportamento que é reforçado socialmente, por exemplo, pode
passar a eliciar sensações agradáveis.
 Antes: comportamento – reforço social
 Depois: comportamento – CRs de prazer
 Concurso “Dylan-Dylan” (Mentes Perigosas)
 “Prazer da atividade, por ela mesma”
Entrelaçamento operante-respondente
CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir
comportamento operante
 Um estímulo condicionado pode funcionar como
reforçador ou como punidor se ele elicia respostas
emocionais agradáveis ou aversivas.
 Ouvir a “1ª música” do casal
 SR+ para o operante de ligar o rádio e colocar o cd
 Eliciar “bons” respondentes (consequência)
 Uso de drogas
 Eliciar respondentes agradáveis
 Laranja Mecânica
 Curso no DETRAN: vídeo de acidentes e resgates?
 Qual o efeito desejado ao mostrar os vídeos?
 Eliciar respondentes?
 Suprimir: correr, tirar racha, beber e dirigir
 Reforçar: uso do cinto de segurança, cautela ao dirigir,
respeitar limite de velocidade, regulagem do carro, etc
CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir
comportamento operante
 Propagandas anti-tabaco:
CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir
comportamento operante
Por que parece não funcionar?
 É possível que uma pessoa
seja reforçada por situações
onde existem estímulos
incondicionados e respostas
incondicionadas?
CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir
comportamento operante
Desorganização da Resposta
 O comportamento operante pode ser
desorganizado por respostas reflexas
Desorganização das Respostas
Chandler (Friends)
nervoso começa a contar
piadas.
Respostas Reflexas e Operantes
 Respostas reflexas podem ser suprimidas ou
interrompidas por atividades operantes
 Rir na igreja – punição social, logo, tentativa de
controle do riso. É fácil controlar?
 Rir da namorada quando ela cai?
Reflexos modificados por condicionamento operante
 Frequência e forma de muitos reflexos podem
ser modificados por reforçamento e punição
 Uma pessoa chora mais que outra, por quê?
 Uma pessoa fica vermelha mais facilmente que
outras, por quê?
 “Engole esse choro!!!” – é possível que com o
passar do tempo e de exposições o choro
realmente diminua.
Respondentes que interrompem
Operantes
 A eliciação de respostas fortes pode impedir ou
modificar a emissão de operantes que estão em
curso
 Ex1: Tocando piano; Entra pessoa muito crítica;
Aumenta o número de erros ou para de tocar
 Ex2: Estudando na biblioteca concentrado;
alguém faz uma gracinha; para de estudar/ri
Operantes que interrompem
Respondentes
 Operantes podem impedir ou modificar a
eliciação de respondentes que estão em curso se:
 a topografia das respostas são semelhantes
 Tensionar os músculos do estômago e diafragma
para parar de rir de uma piada;
 Tapar o nariz para reduzir a altura do espirro
 o operante reduz ou termina o US/CS:
 Desligar a música que o entristesse
 Tapar o nariz antes de espirrar
Obrigado!
Reflexos modificados por operantes
 Respondentes sistematicamente seguidos por
estímulos reforçadores podem ser modificados
 Ex: Sugar
 Demonstração de emoções é invariante na
infância, mas diferente entre adultos
 Biofeedback; ampliação/externalização das
mudanças em respostas automáticas (batimento
cardíaco, pressão arterial) e identificação de
condições/comportamentos que produzem as
mudanças
Os conceitos de operante e
respondentes são suficientes?
 Fenômenos não se encaixam em uma categoria
comportamental:
 automodelagem
Diagramando diferente
Ligar TV (O1)
Filme terror
Medo (CR) Desligar televisão (O2)
Filme de terror
Operação Estabelecedora
(SR-)
(CS)
(SR-)
Controle Remoto (SD)
:
 Comportamento = relação entre organismo e
ambiente
 Resposta: parte ou mudança em parte do
comportamento
 Estímulo: parte ou mudança em parte do ambiente
Comportamento
respondente S -> R
operante R -> S
Exercício
 Como um fetiche pode adquirir a função de
estímulo eliciador de prazer sexual? Analise a
dupla função do objeto?
Condicionamento Operante como
produto de CS para emoções
 Qualquer estímulo que se torna um eliciador de
respostas emocionais prazeirozas ou negativas pode
funcionar como estímulo reforçador positivo ou
negativo
 Ex: música previamente pareada com situações
que produziram emoções fortes, torna-se CS e
ao mesmo tempo pode reforçar operantes como
comprar CD, pedir para alguém tocar.
Exercício: Faça o diagrama do
exemplo anterior
 Grande amor Emoções fortes
 Música Emoções
 Comprar CD, pedir para alguém tocar
 Elabore um exemplo baseado em propaganda.
US UR
CS CR
Roperante
SR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1
unieubra
 
Passo 9 2007 1
Passo 9 2007 1Passo 9 2007 1
Passo 9 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)
Maju Fontenele
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
Caio Maximino
 
Aula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcionalAula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcional
Psicologia_2015
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamentalSelecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
マル シオ
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Eduardo Manfré
 
historia da tcc
historia da tcchistoria da tcc
historia da tcc
Fred Clementino
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
O behaviorismo 2
O  behaviorismo 2O  behaviorismo 2
O behaviorismo 2
Lucas Lorran
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
Ludmila Moura
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
Ana Larissa Perissini
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 

Mais procurados (20)

Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1
 
Passo 9 2007 1
Passo 9 2007 1Passo 9 2007 1
Passo 9 2007 1
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 
Aula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcionalAula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcional
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamentalSelecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
Selecionando e definindo comportamento alvo em terapia analítico comportamental
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
historia da tcc
historia da tcchistoria da tcc
historia da tcc
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
O behaviorismo 2
O  behaviorismo 2O  behaviorismo 2
O behaviorismo 2
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 

Destaque

Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
Caio Maximino
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
Milena Silva
 
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Iara Andriele Carvalho
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
Felipe Mago
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
Graça Martins
 
Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Thesis in Filipino Sample
Thesis in Filipino SampleThesis in Filipino Sample
Thesis in Filipino Sample
Justine Faith Dela Vega
 

Destaque (10)

Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Teorias Behavioristas
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Thesis in Filipino Sample
Thesis in Filipino SampleThesis in Filipino Sample
Thesis in Filipino Sample
 

Semelhante a Interação operante-respondente

Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
anogueiran
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
Ronaldo Moraes
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
PAMELAPITAGORASFREIT
 
Conceitos Básicos ABA.pdf
Conceitos Básicos ABA.pdfConceitos Básicos ABA.pdf
Conceitos Básicos ABA.pdf
emanoelefreitas2
 
Operantes respondenteskj
Operantes respondenteskjOperantes respondenteskj
Operantes respondenteskj
Mary caparotti
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Psicologia_2015
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013
Rosana Musumeci
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
Tiago Malta
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Pedro Luis Moraes
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Márcio Borges Moreira
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
CristianoDeOliveira20
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
Marcus Alves
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
colaboracaocriativa2
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
Nilson Dias Castelano
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Alessandra Pereira
 

Semelhante a Interação operante-respondente (17)

Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
 
Conceitos Básicos ABA.pdf
Conceitos Básicos ABA.pdfConceitos Básicos ABA.pdf
Conceitos Básicos ABA.pdf
 
Operantes respondenteskj
Operantes respondenteskjOperantes respondenteskj
Operantes respondenteskj
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
Nilson Dias Castelano
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
Nilson Dias Castelano
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Nilson Dias Castelano
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Interação operante-respondente

  • 2.
  • 3. Interação Respondente-Operante  Na maioria das situações, o operante e o respondente estão em constante interação  Qual a diferença entre eles?  Condicionamento clássico se constrói a partir de reflexos, o operante não.  Reflexos: preparação mínima para sobrevivência e interação com o mundo
  • 4. Diferenças  O comportamento operante pode ser modificado mais facilmente que o comportamento respondente  O condicionamento clássico depende de emparelhamento com estímulos incondicionados
  • 5. Diferenças  Reflexos: eliciados  Operantes: emitidos  Um comportamento reflexo é eliciado enquanto um comportamento operante é emitido.  S – R - reflexo  R – C - operante
  • 6. Diferenças Respondentes Operantes Construído a partir de reflexos Não necessariamente deriva de reflexos, consequentemente maior possibilidade de variação Comportamento eliciado, disparado, produzido p(R)=1,0 Comportamento emitido; ocorrência depende de padrões de reforçamento, motivação, contexto; Menos previsível p(R)=0-1
  • 7. Diferenças Respondentes Operantes Independe de conseqüências Reforços são essenciais Aprende-se um novo reflexo Aprende-se novos padrões e sensibilidade a situações que sinalizam quando o comportamento será provavelmente reforçado
  • 8. Interação entre contingências  processos (repondente e operante) frequentemente juntos ou sobrepostos  Exemplos:  Dirigir rápido e freiar (pista molhada) -> carro roda  R -> SR- (OPERANTE)  Rodar carro (pista molhada) -> medo, apreensão  S- R (RESPONDENTE)  Carro rodar é estímulo com dupla função: SR- e Seliciador
  • 9. Mais Exemplos  Andar na praia descalço -> brisa, contato com areia, beleza da natureza, água do mar  R -> SR- (OPERANTE)  Areia nos pés -> sentir prazer  Brisa em dia quente -> sentir prazer  S- R (RESPONDENTE)  Areia, brisa, água, vista são estímulos com dupla função:  Sreforçador positivo e Seliciador
  • 10. Mais Exemplos  Brigar com pai -> festa  R -> SR (OPERANTE)  festa -> raiva  S- R (RESPONDENTE)  Festa é um estímulo com dupla função: Sreforçador positivo e Seliciador
  • 11. Mais Exemplos  filme de terror medo  S- R (RESPONDENTE)  desligar televisão filme de terror  R -> SR- (OPERANTE)  Filme de terror é um estímulo com dupla função: Sreforçador negativo e Seliciador
  • 13. Mais Exemplos  filme de terror medo excitante  S- R (RESPONDENTE)  ligar televisão filme de terror  R -> SR- (OPERANTE)  Filme de terror é um estímulo com dupla função:  Sreforçador positivo e Seliciador
  • 14. Continuum Interno-Externo  “Respostas reflexas usualmente funcionam para manter a harmonia dos processos corporais internos, enquanto o comportamento operante é usualmente instrumental, ao afetar o ambiente externo.”  Reflexos envolvem sistema nervoso involuntário e músculos lisos  Equilíbrio / sobrevivência
  • 15. O papel dos reforçadores  Necessário para o condicionamento operante, não para o clássico  Operante: Sd : R -> Sr  Clássico: US -> UR / CS -> CR  Estímulos reforçadores são essenciais para a aquisição e manutenção de comportamentos operantes  Srs fazem com que estímulos antecedentes se tornem S+ ou S-
  • 16. O papel dos reforçadores  O reflexo incondicionado é disparado biologicamente, não precisa de reforçamento (consequência) para acontecer  Basta apenas emparelhar um US com um CS (NS)  Reflexo sexual (excitação) pode ser disparado sem consequências (reforço)
  • 17. O papel dos reforçadores  Condicionamento clássico como efeito colateral do condicionamento operante:  Um garoto recebe uma bronca do pai, ouve a palavra “NÃO” e depois o pai bate na criança.  O operante pelo qual a criança recebeu a bronca pode diminuir  Já a palavra “não” vinda do pai pode eliciar respondentes que foram emparelhados com a surra  O próprio comportamento operante pode vir a se tornar um CS e eliciar os respondentes
  • 18. Condicionamento Respondente como subproduto de Operante  Reforçadores positivos e negativos eliciam respostas  Errar (O) Bronca/perde nota  Raiva (CR)  Emparelhamento de estímulos em reforçamento ou punição podem produzir condicionamento respondente  Professor X: Errar (O) Bronca (SR-)  Professor X (CS)  Bronca (CS) Raiva (CR)
  • 19. O que é aprendido?  A aprendizagem está nos dois e ambos estão em interação frequente  Respondente: aprende a responder a um novo estímulo (CS) – responder frente a novos estímulos  Operante: aprende novos padrões de comportamento – através do reforço e da punição é possível modificar a forma e a frequência de padrões comportamentais  No respondente os padrões de resposta são relativamente fixos
  • 20.  O condicionamento operante pode produzir condicionamento respondente como efeito colateral  Após repetidas experiências, o engajar-se em algum comportamento que é reforçado socialmente, por exemplo, pode passar a eliciar sensações agradáveis.  Antes: comportamento – reforço social  Depois: comportamento – CRs de prazer  Concurso “Dylan-Dylan” (Mentes Perigosas)  “Prazer da atividade, por ela mesma” Entrelaçamento operante-respondente
  • 21. CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir comportamento operante  Um estímulo condicionado pode funcionar como reforçador ou como punidor se ele elicia respostas emocionais agradáveis ou aversivas.  Ouvir a “1ª música” do casal  SR+ para o operante de ligar o rádio e colocar o cd  Eliciar “bons” respondentes (consequência)  Uso de drogas  Eliciar respondentes agradáveis  Laranja Mecânica
  • 22.  Curso no DETRAN: vídeo de acidentes e resgates?  Qual o efeito desejado ao mostrar os vídeos?  Eliciar respondentes?  Suprimir: correr, tirar racha, beber e dirigir  Reforçar: uso do cinto de segurança, cautela ao dirigir, respeitar limite de velocidade, regulagem do carro, etc CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir comportamento operante
  • 23.  Propagandas anti-tabaco: CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir comportamento operante Por que parece não funcionar?
  • 24.  É possível que uma pessoa seja reforçada por situações onde existem estímulos incondicionados e respostas incondicionadas? CSs que eliciam emoções podem reforçar ou punir comportamento operante
  • 25. Desorganização da Resposta  O comportamento operante pode ser desorganizado por respostas reflexas
  • 26. Desorganização das Respostas Chandler (Friends) nervoso começa a contar piadas.
  • 27. Respostas Reflexas e Operantes  Respostas reflexas podem ser suprimidas ou interrompidas por atividades operantes  Rir na igreja – punição social, logo, tentativa de controle do riso. É fácil controlar?  Rir da namorada quando ela cai?
  • 28. Reflexos modificados por condicionamento operante  Frequência e forma de muitos reflexos podem ser modificados por reforçamento e punição  Uma pessoa chora mais que outra, por quê?  Uma pessoa fica vermelha mais facilmente que outras, por quê?  “Engole esse choro!!!” – é possível que com o passar do tempo e de exposições o choro realmente diminua.
  • 29. Respondentes que interrompem Operantes  A eliciação de respostas fortes pode impedir ou modificar a emissão de operantes que estão em curso  Ex1: Tocando piano; Entra pessoa muito crítica; Aumenta o número de erros ou para de tocar  Ex2: Estudando na biblioteca concentrado; alguém faz uma gracinha; para de estudar/ri
  • 30. Operantes que interrompem Respondentes  Operantes podem impedir ou modificar a eliciação de respondentes que estão em curso se:  a topografia das respostas são semelhantes  Tensionar os músculos do estômago e diafragma para parar de rir de uma piada;  Tapar o nariz para reduzir a altura do espirro  o operante reduz ou termina o US/CS:  Desligar a música que o entristesse  Tapar o nariz antes de espirrar
  • 32. Reflexos modificados por operantes  Respondentes sistematicamente seguidos por estímulos reforçadores podem ser modificados  Ex: Sugar  Demonstração de emoções é invariante na infância, mas diferente entre adultos  Biofeedback; ampliação/externalização das mudanças em respostas automáticas (batimento cardíaco, pressão arterial) e identificação de condições/comportamentos que produzem as mudanças
  • 33. Os conceitos de operante e respondentes são suficientes?  Fenômenos não se encaixam em uma categoria comportamental:  automodelagem
  • 34. Diagramando diferente Ligar TV (O1) Filme terror Medo (CR) Desligar televisão (O2) Filme de terror Operação Estabelecedora (SR-) (CS) (SR-) Controle Remoto (SD) :
  • 35.  Comportamento = relação entre organismo e ambiente  Resposta: parte ou mudança em parte do comportamento  Estímulo: parte ou mudança em parte do ambiente Comportamento respondente S -> R operante R -> S
  • 36. Exercício  Como um fetiche pode adquirir a função de estímulo eliciador de prazer sexual? Analise a dupla função do objeto?
  • 37. Condicionamento Operante como produto de CS para emoções  Qualquer estímulo que se torna um eliciador de respostas emocionais prazeirozas ou negativas pode funcionar como estímulo reforçador positivo ou negativo  Ex: música previamente pareada com situações que produziram emoções fortes, torna-se CS e ao mesmo tempo pode reforçar operantes como comprar CD, pedir para alguém tocar.
  • 38. Exercício: Faça o diagrama do exemplo anterior  Grande amor Emoções fortes  Música Emoções  Comprar CD, pedir para alguém tocar  Elabore um exemplo baseado em propaganda. US UR CS CR Roperante SR