SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
• Behavioristas radicais estudam
sentimentos?
• Afinal, o que são sentimentos?
• Os sentimentos são as causas
de nossos comportamentos?
• O que acontece quando
sentimos algo?
• O que vem primeiro? Os
sentimentos ou os
comportamentos?
BR e sentimentos
• são tidos como estímulos e
respostas não acessíveis à
observação pública direta,
mas acessíveis diretamente
ao próprio indivíduo a quem
dizem respeito.
• Um estímulo privado é
localizado no próprio corpo
do indivíduo e, em geral,
afeta-o de um modo único,
como não pode afetar
outros indivíduos.
Eventos privados
• “um evento privado pode
distinguir-se por sua
acessibilidade limitada, mas,
até onde sabemos, não por
qualquer estrutura ou
natureza especial” (Skinner,
1953/1965,p. 257).
• “uma pequena parte do
universo está contida dentro
da pele de cada um de nós.
Não há razão porque devesse
ter qualquer status especial
apenas por localizar-se entre
estes limites” (1974/1976)
Público e privado:
uma dicotomia?
Esta referência a uma fronteira
definida pela pele não
pretende implicar uma
identificação do “privado”
com o “interno”, mas apenas o
reconhecimento de que,
eventualmente, uma condição
corporal pode adquirir a
função de estímulo e de que
isso é o que acontece quando
falamos de estímulos
privados. (Tourinho, 2010)
Privado não é
interno!
• A noção de interioridade dos
eventos privados costuma estar
relacionada à suposição de que
eventos privados coincidem
com condições anátomo-
fisiológicas do organismo.
• Sabe-se, entretanto, que as
condições corporais, tomadas
isoladamente, sem qualquer
função comportamental, não
são objeto de estudo da
psicologia. Além disso, não
existe comportamento “sob a
pele”. Toda resposta é uma
resposta do organismo como
um todo (Tourinho, 1997b,
1997d, 1999a).
É fisiológico?
• Um conjunto indiferenciado de
alterações fisiológicas só será
identificado pelo indivíduo
como “alegria”, “felicidade”,
“depressão” ou “ansiedade”
após a aquisição de um
repertório verbal autodescritivo,
promovido por uma
comunidade que observa os
indivíduos e os ensina a
descreverem suas sensações de
acordo com os correlatos
públicos aos quais têm acesso.
O papel da
comunidade verbal.
• É fácil confundir o que sentimos como
uma causa, porque nós o sentimos
enquanto estamos nos comportando
(ou mesmo antes de nos
comportarmos), mas os eventos que
são de fato responsáveis pelo que
fazemos (e, portanto, pelo que
sentimos) encontram-se num passado
possivelmente distante. A análise
experimental do comportamento
favorece a nossa compreensão dos
sentimentos por esclarecer os papéis
dos ambientes passado e presente.
(Skinner, 1991)
Sentimentos são as causas
dos comportamentos?
Um evento privado pode assumir
diversas funções em uma relação
comportamental, como a de
eliciador incondicionado ou
condicionado, estímulo reforçador,
discriminativo ou estabelecedor.
Sentimentos são as causas
dos comportamentos?
A maneira como as
pessoas se sentem é,
frequentemente, tão
importante quanto o
que elas fazem.
(Skinner, 1991)
• Amor
• Ansiedade
• Medo
• Tristeza
• Alegria
• Quando queremos mudar
sentimentos é mais importante
enfatizar o que é sentido do que
o sentimento.
• Os sentimentos são mais
facilmente mudados alterando os
contextos responsáveis pelo que
é sentido.
• Felizmente, nem tudo o que
sentimos é perturbador. Nós
apreciamos vários estados de
nossos corpos e, porque são
positivamente reforçadores,
fazemos o que for necessário
para produzi-los.
• Referências
SKINNER, B. F. (1991). Questões recentes na análise
comportamental. Campinas, SP: Papirus. Cap. 1.
TOURINHO, E. et.al. A interpretação de cognições e emoções
com o conceito de eventos privados e a abordagem analítico-
comportamental da
ansiedade e depressão. Perspectivas. 1(2), pp.70-85, 2010.
Iara Andriele Carvalho
• Aluna do 8º semestre do curso de Psicologia da UFC/ Sobral
• Bolsista do programa de Educação Tutorial – PET
• Extensionista do Laboratório de Análise do Comportamento - LANAC
• Contatos:
E-mail: iaraandriele@hotmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/iaraandriele.carvalho
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1Nilson Dias Castelano
 
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Caio Maximino
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Cassia Dias
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaViviane Pasqualeto
 
Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalPsicologia_2015
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Maju Fontenele
 
Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoCaio Maximino
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovEduardo Manfré
 
Código de Ética do Psicólogo
Código de Ética do PsicólogoCódigo de Ética do Psicólogo
Código de Ética do PsicólogoDrielle Santos
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasMarceloSantos887
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismosLudmila Moura
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxReverendo Celiomar Tiago Freitas
 
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattellAula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattellPedro R. Coutinho
 

Mais procurados (20)

O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Emoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptxEmoções e sentimentos.pptx
Emoções e sentimentos.pptx
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescência
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Aula 3 social ii
Aula 3 social iiAula 3 social ii
Aula 3 social ii
 
Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbal
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)
 
Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
Código de Ética do Psicólogo
Código de Ética do PsicólogoCódigo de Ética do Psicólogo
Código de Ética do Psicólogo
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Psicologia Analítica
Psicologia AnalíticaPsicologia Analítica
Psicologia Analítica
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
 
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattellAula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
Aula 1. a teoria de traço fatorial analítica de raymond cattell
 

Destaque

Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Ana Arantes
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosClécio Doroteu
 
A influencia dos pensamentos e sentimentos
A influencia dos pensamentos e sentimentosA influencia dos pensamentos e sentimentos
A influencia dos pensamentos e sentimentosGloriaAccioly
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentesCaio Maximino
 
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t famaGraça Martins
 
Actividades intervenção precoce
Actividades   intervenção precoceActividades   intervenção precoce
Actividades intervenção precoceipifaro
 
Livro de sugestões habilidades de percepção visual
Livro de sugestões habilidades de percepção visualLivro de sugestões habilidades de percepção visual
Livro de sugestões habilidades de percepção visualIsabel Amorim
 
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção PrecoceConceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção PrecoceJoaquim Colôa
 
Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagemGustavo Blank
 
Apresentação ELIATB
Apresentação ELIATBApresentação ELIATB
Apresentação ELIATBMaria Babo
 
Aba análise aplicada do comportamento - desvendando o autismo
Aba   análise aplicada do comportamento - desvendando o autismoAba   análise aplicada do comportamento - desvendando o autismo
Aba análise aplicada do comportamento - desvendando o autismoalinebenedito93
 
Estimulação precoce -
Estimulação precoce -Estimulação precoce -
Estimulação precoce -Rafael Islanne
 

Destaque (20)

Sentimentos
SentimentosSentimentos
Sentimentos
 
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
 
Sentimentos
SentimentosSentimentos
Sentimentos
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 
A influencia dos pensamentos e sentimentos
A influencia dos pensamentos e sentimentosA influencia dos pensamentos e sentimentos
A influencia dos pensamentos e sentimentos
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
EMOÇOES
EMOÇOESEMOÇOES
EMOÇOES
 
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama01 publicado emoções na vida afetiva   p.p.b.i 2 t fama
01 publicado emoções na vida afetiva p.p.b.i 2 t fama
 
Actividades intervenção precoce
Actividades   intervenção precoceActividades   intervenção precoce
Actividades intervenção precoce
 
Livro de sugestões habilidades de percepção visual
Livro de sugestões habilidades de percepção visualLivro de sugestões habilidades de percepção visual
Livro de sugestões habilidades de percepção visual
 
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção PrecoceConceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Trabalho emoção
Trabalho emoçãoTrabalho emoção
Trabalho emoção
 
Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagem
 
Escotismo e atividades para autista gejo
Escotismo e atividades para autista gejoEscotismo e atividades para autista gejo
Escotismo e atividades para autista gejo
 
Apresentação ELIATB
Apresentação ELIATBApresentação ELIATB
Apresentação ELIATB
 
Aba análise aplicada do comportamento - desvendando o autismo
Aba   análise aplicada do comportamento - desvendando o autismoAba   análise aplicada do comportamento - desvendando o autismo
Aba análise aplicada do comportamento - desvendando o autismo
 
Estimulação precoce -
Estimulação precoce -Estimulação precoce -
Estimulação precoce -
 

Semelhante a Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.

Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizado
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizadoSlides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizado
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizadoMariaG78
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas thaissamaia
 
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdf
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdfConsciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdf
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdfmariamwrtins
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Jordano Santos Cerqueira
 
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - PsicologiaProcessos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - Psicologiaprofdeniseismarsi
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfpaolacarvalho25
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaCristina Maria de S Miranda
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Matheus Alves
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos BásicosFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptalinerabelo31
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxMatildePaulo1
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)julilp10
 

Semelhante a Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento. (20)

Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizado
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizadoSlides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizado
Slides_aula_gestalt_psicologia_2024_atualizado
 
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Tecendo o amanhã
 
Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdf
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdfConsciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdf
Consciência e Autoconhecimento_f4f9fe50a2dcf31f075d95196cd0e4e5.pdf
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - PsicologiaProcessos Psicológicos Básicos - Psicologia
Processos Psicológicos Básicos - Psicologia
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
 
2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx2-TIPOS-aula-1.pptx
2-TIPOS-aula-1.pptx
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 

Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.

  • 1.
  • 2. • Behavioristas radicais estudam sentimentos? • Afinal, o que são sentimentos? • Os sentimentos são as causas de nossos comportamentos? • O que acontece quando sentimos algo? • O que vem primeiro? Os sentimentos ou os comportamentos? BR e sentimentos
  • 3. • são tidos como estímulos e respostas não acessíveis à observação pública direta, mas acessíveis diretamente ao próprio indivíduo a quem dizem respeito. • Um estímulo privado é localizado no próprio corpo do indivíduo e, em geral, afeta-o de um modo único, como não pode afetar outros indivíduos. Eventos privados
  • 4. • “um evento privado pode distinguir-se por sua acessibilidade limitada, mas, até onde sabemos, não por qualquer estrutura ou natureza especial” (Skinner, 1953/1965,p. 257). • “uma pequena parte do universo está contida dentro da pele de cada um de nós. Não há razão porque devesse ter qualquer status especial apenas por localizar-se entre estes limites” (1974/1976) Público e privado: uma dicotomia?
  • 5. Esta referência a uma fronteira definida pela pele não pretende implicar uma identificação do “privado” com o “interno”, mas apenas o reconhecimento de que, eventualmente, uma condição corporal pode adquirir a função de estímulo e de que isso é o que acontece quando falamos de estímulos privados. (Tourinho, 2010) Privado não é interno!
  • 6. • A noção de interioridade dos eventos privados costuma estar relacionada à suposição de que eventos privados coincidem com condições anátomo- fisiológicas do organismo. • Sabe-se, entretanto, que as condições corporais, tomadas isoladamente, sem qualquer função comportamental, não são objeto de estudo da psicologia. Além disso, não existe comportamento “sob a pele”. Toda resposta é uma resposta do organismo como um todo (Tourinho, 1997b, 1997d, 1999a). É fisiológico?
  • 7. • Um conjunto indiferenciado de alterações fisiológicas só será identificado pelo indivíduo como “alegria”, “felicidade”, “depressão” ou “ansiedade” após a aquisição de um repertório verbal autodescritivo, promovido por uma comunidade que observa os indivíduos e os ensina a descreverem suas sensações de acordo com os correlatos públicos aos quais têm acesso. O papel da comunidade verbal.
  • 8. • É fácil confundir o que sentimos como uma causa, porque nós o sentimos enquanto estamos nos comportando (ou mesmo antes de nos comportarmos), mas os eventos que são de fato responsáveis pelo que fazemos (e, portanto, pelo que sentimos) encontram-se num passado possivelmente distante. A análise experimental do comportamento favorece a nossa compreensão dos sentimentos por esclarecer os papéis dos ambientes passado e presente. (Skinner, 1991) Sentimentos são as causas dos comportamentos?
  • 9. Um evento privado pode assumir diversas funções em uma relação comportamental, como a de eliciador incondicionado ou condicionado, estímulo reforçador, discriminativo ou estabelecedor. Sentimentos são as causas dos comportamentos?
  • 10. A maneira como as pessoas se sentem é, frequentemente, tão importante quanto o que elas fazem. (Skinner, 1991)
  • 11. • Amor • Ansiedade • Medo • Tristeza • Alegria
  • 12. • Quando queremos mudar sentimentos é mais importante enfatizar o que é sentido do que o sentimento. • Os sentimentos são mais facilmente mudados alterando os contextos responsáveis pelo que é sentido. • Felizmente, nem tudo o que sentimos é perturbador. Nós apreciamos vários estados de nossos corpos e, porque são positivamente reforçadores, fazemos o que for necessário para produzi-los.
  • 13. • Referências SKINNER, B. F. (1991). Questões recentes na análise comportamental. Campinas, SP: Papirus. Cap. 1. TOURINHO, E. et.al. A interpretação de cognições e emoções com o conceito de eventos privados e a abordagem analítico- comportamental da ansiedade e depressão. Perspectivas. 1(2), pp.70-85, 2010.
  • 14. Iara Andriele Carvalho • Aluna do 8º semestre do curso de Psicologia da UFC/ Sobral • Bolsista do programa de Educação Tutorial – PET • Extensionista do Laboratório de Análise do Comportamento - LANAC • Contatos: E-mail: iaraandriele@hotmail.com Facebook: https://www.facebook.com/iaraandriele.carvalho