SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELAGEM
Psicologia da Aprendizagem
Erick R. Huber
Elenice S. Hanna
Juliana Diniz
É POSSÍVEL REFORÇAR UMA
RESPOSTA QUE NUNCA OCORREU?
COMO UMA RESPOSTA OCORRE
PELA PRIMEIRA VEZ ?
A RESPOSTA DEVE OCORRER PELA
PRIMEIRA VEZ PARA SER
REFORÇADA.
Modelagem de respostas já
existentes
Modelação (imitação)
Instrução (regras)
Indução (variação)
MODELAGEM
Qual é a origem de um novo comportamento?
Como se criam as respostas no repertório de um
indivíduo?
Repertório comportamental
Falar
Comer com garfo e faca
Escrever
Dirigir um veículo
Fazer um desenho
Andar de bicicleta
Reforçamento diferencial
Modelagem
MODELAGEM
Aprender a escrever a letra “a”
1) Segurar o lápis e fazer qualquer rabisco;
2) fazer um círculo disforme;
3) círculo mais perfeito;
4) círculo mais “perna” da letra “a”.
MODELAGEM É O PROCESSO PELO
QUAL OS COMPORTAMENTOS
OPERANTES SÃO MODIFICADOS NUMA
SÉRIE DE PASSOS, DO DESEMPENHO
INICIAL ATÉ O DESEMPENHO FINAL.
MODELAGEM
 Procedimento de reforçamento diferencial com
aproximações sucessivas, até um comportamento
final;
 Processo de mudança gradual da topografia de
um comportamento em direção a um
comportamento terminal produzido por
reforçamento diferencial de aproximações
sucessivas.
REFORÇAMENTO DIFERENCIAL
Reforço para alguns comportamentos e extinção
para outros comportamentos.
O reforçamento diferencial seleciona as respostas
que são úteis, no contexto de SD, e faz com que
desapareçam as respostas menos apropriadas.
Reforçamento diferencial
Variabilidade do comportamento;
Reforçamento, extinção e punição;
“Sempre que o comportamento de alguém é
variável e algumas de suas formas são
reforçadas e outras não...”
Reforçamento diferencial
Sa
R1
R2
R3
R4
R5
R6
Sr
Sr
Sr
Sr
Sr
Sr
Reforçamento diferencial
Aspectos fundamentais:
- Somente R que se aproximem do Cpto alvo
devem ser reforçadas;
- Modificação gradual das exigências para
reforçamento – aproximação sucessiva nas
respostas a serem reforçadas.
Reforçamento diferencial
Efeitos:
- Altera a freqüência dos comportamentos;
- Controle de SD e S∆.
Reforçamento diferencial:
Única resposta X Classe de respostas
Ex: amarrar um sapato
Reforçamento diferencial
Diferenciação de respostas
R reforçadas
R não reforçadas
SD
S∆
 Branco (copa de 1994) ou Roberto Carlos
 Lançam a bola de muito longe, com uma
velocidade muito acima da média e eventualmente
fazem gols com essas tentativas.
 Como chegaram nesse padrão?
 Algumas respostas foram reforçadas, outras não.
 A resposta final provavelmente passou por um
processo de reforçamento diferencial.
Reforçamento diferencial
Diferenciação de respostas
Ex: Salto em altura
Inicialmente: 1,60m SR
Habilidades reforçadas: melhor lugar para saltar,
tensão dos músculos, empuxo...
salto: 1,67m – Novo comportamento
Csq natural!
FOCINHAR NA FENDA
Localizações:
1 a 16
Reforçamento
Diferencial:
*Diferenciação
*Indução
MODELAGEM
Indução
“Quando um operante é reforçado e aumenta
de freqüência, respostas semelhantes
podem aparecer e aumentar de freqüência
mesmo que não tenham sido reforçadas”.
EFEITOS DO REFORÇAMENTO
 Indução (ou generalização de respostas):
fortalecimento de respostas fora da classe
seguida por reforçamento, mas que guardam
alguma proximidade; distribuição de respostas
além do conjunto reforçado
 Diferenciação (ou seleção de respostas):
fortalecimento das respostas pertencentes ao
conjunto que foi seguido pela conseqüência;
distribuição de respostas circunscrita aos limites
das respostas reforçadas
Reforçamento diferencial no
ambiente social
Padrões inconsistentes de reforçamento
dificultam a aquisição de comportamentos;
- Uma vendedora no primeiro contato com o cliente
- Um jovem que vai dar uma “cantada”
Diferenciação de respostas mais lenta;
Pode resultar em discriminações sutis;
Convivência frequente com amigo
Começo de um relacionamento
Escolher uma piada
“Mulheres e mulheres, homens e homens”
Útil na aquisição de habilidades sociais;
Ex:
Criança pedir mesada para o pai quando o
mesmo está de bom humor.
Ex:
No ambiente de trabalho, cumprir horários, fazer
um trabalho bem feito, agir de maneira
produtiva e receber elogios do chefe.
APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS
 Conjunto de comportamentos intermediários ordenados
pelo grau de semelhança que possuem com o
comportamento terminal.
 Comportamento terminal ou final: comportamento alvo a ser
produzido pela modelagem
 Sr gradual a respostas que se aproximem do comportamento
final
APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS
 Andar de bicicleta (comportamento desejado)
 Andar de triciclo com pedal
 Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes e baixas
 Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas
 Pedalar com rodas suspensas alguns centímetros
 Pedalar sem rodas mas com apoio de um adulto
 Andar de bicicleta (resposta final)
MODELAGEM –ASPECTOS FUNDAMENTAIS E
PASSOS
 Aspectos fundamentais:
 Reforçamento diferencial
 Aproximações sucessivas: Modificação gradual das exigências
para reforçamento.
 Definir o comportamento final desejado
 Medir o nível operante do comportamento final (linha de
base)
 Definir os comportamentos intermediários
 Reforçar diferencialmente aproximações sucessivas até o
comportamento terminal desejado
APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS
 Andar de bicicleta (comportamento desejado)
 Andar de triciclo com pedal
 Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes e baixas
 Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas
 Pedalar com rodas suspensas alguns centímetros
 Pedalar sem rodas mas com apoio de um adulto
 Andar de bicicleta (resposta final)
Comportamento
s Intermediários
MODELAGEM NATURAL
 Segurar colher para comer
 “Colher torta” depois colher
“normal”
 Comportamento do bebê
modelado por móbile
 Desenvolvimento motor:
engatinhar, andar, pular.
DESENVOLVIMENTO MOTOR
DESENVOLVIMENTO MOTOR FINO
DESENVOLVIMENTO MOTOR FINO:
A CAMINHO DOS ESPORTES
MODELAGEM SISTEMÁTICA
 É quando a modelagem é cuidadosamente
executada. Envolve todos os passos da
modelagem.
Ex:
Pai ensinando o filho a andar de bicicleta;
Professor modelando o comportamento de escrever do
aluno;
Terapeuta desenvolvendo assertividade no cliente.
OUTROS ASPECTOS IMPORTANTES
 Reforçamento imediato e contínuo
 Reforçamento prolongado de respostas
intermediárias dificulta a passagem para o próximo
passo, devido a estereotipia
 Mudar a resposta intermediária antes que ela
esteja bem estabelecida pode significar perda do
repertório já estabelecido
CONCLUINDO:
“A MODELAGEM É BASEADA NO REFORÇO
DIFERENCIAL: EM ESTÁGIOS SUCESSIVOS,
ALGUMAS RESPOSTAS SÃO REFORÇADAS E
OUTRAS NÃO. A MEDIDA QUE O RESPONDER SE
ALTERA, OS CRITÉRIOS PARA O REFORÇO
DIFERENCIAL TAMBÉM MUDAM, EM
APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS DA RESPOSTA A
SER MODELADA. A PROPRIEDADE DO
COMPORTAMENTO QUE TORNA A MODELAGEM
EFETIVA É A VARIABILIDADE COMPORTAMENTAL.”
(CATANIA, 1998)
Obrigado!
Reforçamento diferencial
Ex: Segurar o bebê
Lado esquerdo
Lado direito
Acima
Abaixo
Lado esquerdo
Lado direito
acima
abaixo
Ex:
Girar a tampa de uma garrafa a fim de tomar a
água que ali se encontra.
Sa: garrafa com água;
R: girar a tampa;
Csq: tomar a água.
ANDAR DE BICICLETA
ANDAR DE BICICLETA
 Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes
 Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas
 Pedalar bicicleta com rodas suspensas poucos
centímetros
 Pedalar bicicleta sem rodas com apoio de adulto
 Andar de bicicleta sozinho
PASSOS DA MODELAGEM
1) Definir o comportamento final desejado
2) Medir o nível operante do comportamento final
3) Definir os comportamentos intermediários
4) Reforçar diferencialmente aproximações sucessivas até
o comportamento terminal
EXEMPLO: ANDAR DE BICICLETA
 Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes
(NIVEL OPERANTE)
 COMPORTAMENTOS INTERMEDIÁRIOS:
 Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas
 Pedalar bicicleta com rodas suspensas poucos
centímetros
 Pedalar bicicleta sem rodas com apoio de adulto
 Andar de bicicleta sozinho
(COMPORTAMENTO FINAL)
ASPECTOS FUNDAMENTAIS DA
MODELAGEM
 Reforçamento diferencial
 Modificação gradual das exigências para
reforçamento: aproximações sucessivas
MODELAGEM
Portanto,
Indução + reforçamento =
Aumento na quantidade total de novos
comportamentos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Yasmin Behrmann
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1
Caio Maximino
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Narayane Farias
 
Psicologia Social e Gênero
Psicologia Social e GêneroPsicologia Social e Gênero
Psicologia Social e Gênero
Estef74
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
Ana Larissa Perissini
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
O behaviorismo 2
O  behaviorismo 2O  behaviorismo 2
O behaviorismo 2
Lucas Lorran
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
Thiago de Almeida
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Silvio Custódio Souza Júnior
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
Eliane Almeida
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
Caio Maximino
 

Mais procurados (20)

Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
 
Psicologia Social e Gênero
Psicologia Social e GêneroPsicologia Social e Gênero
Psicologia Social e Gênero
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
O behaviorismo 2
O  behaviorismo 2O  behaviorismo 2
O behaviorismo 2
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 

Destaque

Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
Caio Maximino
 
A influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagemA influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagem
Carolina Domingues
 
Moulage exercício criativo
Moulage   exercício criativoMoulage   exercício criativo
Moulage exercício criativo
Carolina Domingues
 
Modelagem2
Modelagem2Modelagem2
Modelagem2
Marlene Neves
 
Modelagem computadorizada
Modelagem computadorizadaModelagem computadorizada
Modelagem computadorizada
Carolina Domingues
 
Manuseio de esquadros
Manuseio de esquadrosManuseio de esquadros
Manuseio de esquadros
Carolina Domingues
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
Felipe Mago
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
Leandro Malveira
 
Senai modelagem fem.
Senai modelagem fem.Senai modelagem fem.
Senai modelagem fem.
Lidia Rodrigues
 
3apostila3 de modelagem blusa
3apostila3 de modelagem blusa3apostila3 de modelagem blusa
3apostila3 de modelagem blusa
Letícia Fortes
 
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
Denise Rodrigues
 
A modelagem como diferencial competitivo
A modelagem como diferencial competitivoA modelagem como diferencial competitivo
A modelagem como diferencial competitivo
Carolina Domingues
 
Modelagem - Aula 1
Modelagem - Aula 1Modelagem - Aula 1
Modelagem - Aula 1
Joabe Amaral
 
Tcc modelagem plana utilização em saia godê
Tcc   modelagem plana utilização em saia godêTcc   modelagem plana utilização em saia godê
Tcc modelagem plana utilização em saia godê
Vanessa Martins
 
Modelagem de Sistemas de Informação
Modelagem de Sistemas de InformaçãoModelagem de Sistemas de Informação
Modelagem de Sistemas de Informação
Helder Lopes
 
Método de corte e costura sem mestre Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
Método de corte e costura sem mestre   Toutemode ( clicar com o mouse lado di...Método de corte e costura sem mestre   Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
Método de corte e costura sem mestre Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
Beatriz Esteves
 
Pattern magic vol. 1
Pattern magic vol. 1Pattern magic vol. 1
Pattern magic vol. 1
Maverick Maverick
 
Fashion sketchbook
Fashion sketchbookFashion sketchbook
Fashion sketchbook
Luka279
 
Aulas 16 e 17 modelagem do trabalho
Aulas 16 e 17   modelagem do trabalhoAulas 16 e 17   modelagem do trabalho
Aulas 16 e 17 modelagem do trabalho
RD COACH
 
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
Claudia Luzz
 

Destaque (20)

Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
 
A influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagemA influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagem
 
Moulage exercício criativo
Moulage   exercício criativoMoulage   exercício criativo
Moulage exercício criativo
 
Modelagem2
Modelagem2Modelagem2
Modelagem2
 
Modelagem computadorizada
Modelagem computadorizadaModelagem computadorizada
Modelagem computadorizada
 
Manuseio de esquadros
Manuseio de esquadrosManuseio de esquadros
Manuseio de esquadros
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
 
Senai modelagem fem.
Senai modelagem fem.Senai modelagem fem.
Senai modelagem fem.
 
3apostila3 de modelagem blusa
3apostila3 de modelagem blusa3apostila3 de modelagem blusa
3apostila3 de modelagem blusa
 
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
Senai modelageminfantil-150326112330-conversion-gate01
 
A modelagem como diferencial competitivo
A modelagem como diferencial competitivoA modelagem como diferencial competitivo
A modelagem como diferencial competitivo
 
Modelagem - Aula 1
Modelagem - Aula 1Modelagem - Aula 1
Modelagem - Aula 1
 
Tcc modelagem plana utilização em saia godê
Tcc   modelagem plana utilização em saia godêTcc   modelagem plana utilização em saia godê
Tcc modelagem plana utilização em saia godê
 
Modelagem de Sistemas de Informação
Modelagem de Sistemas de InformaçãoModelagem de Sistemas de Informação
Modelagem de Sistemas de Informação
 
Método de corte e costura sem mestre Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
Método de corte e costura sem mestre   Toutemode ( clicar com o mouse lado di...Método de corte e costura sem mestre   Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
Método de corte e costura sem mestre Toutemode ( clicar com o mouse lado di...
 
Pattern magic vol. 1
Pattern magic vol. 1Pattern magic vol. 1
Pattern magic vol. 1
 
Fashion sketchbook
Fashion sketchbookFashion sketchbook
Fashion sketchbook
 
Aulas 16 e 17 modelagem do trabalho
Aulas 16 e 17   modelagem do trabalhoAulas 16 e 17   modelagem do trabalho
Aulas 16 e 17 modelagem do trabalho
 
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
101471857 corte-e-costura-pdf-120914125833-phpapp01
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
Nilson Dias Castelano
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
Nilson Dias Castelano
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Modelagem

  • 1. MODELAGEM Psicologia da Aprendizagem Erick R. Huber Elenice S. Hanna Juliana Diniz
  • 2.
  • 3. É POSSÍVEL REFORÇAR UMA RESPOSTA QUE NUNCA OCORREU? COMO UMA RESPOSTA OCORRE PELA PRIMEIRA VEZ ? A RESPOSTA DEVE OCORRER PELA PRIMEIRA VEZ PARA SER REFORÇADA.
  • 4. Modelagem de respostas já existentes Modelação (imitação) Instrução (regras) Indução (variação)
  • 5. MODELAGEM Qual é a origem de um novo comportamento? Como se criam as respostas no repertório de um indivíduo? Repertório comportamental Falar Comer com garfo e faca Escrever Dirigir um veículo Fazer um desenho Andar de bicicleta Reforçamento diferencial Modelagem
  • 6. MODELAGEM Aprender a escrever a letra “a” 1) Segurar o lápis e fazer qualquer rabisco; 2) fazer um círculo disforme; 3) círculo mais perfeito; 4) círculo mais “perna” da letra “a”.
  • 7. MODELAGEM É O PROCESSO PELO QUAL OS COMPORTAMENTOS OPERANTES SÃO MODIFICADOS NUMA SÉRIE DE PASSOS, DO DESEMPENHO INICIAL ATÉ O DESEMPENHO FINAL.
  • 8. MODELAGEM  Procedimento de reforçamento diferencial com aproximações sucessivas, até um comportamento final;  Processo de mudança gradual da topografia de um comportamento em direção a um comportamento terminal produzido por reforçamento diferencial de aproximações sucessivas.
  • 9. REFORÇAMENTO DIFERENCIAL Reforço para alguns comportamentos e extinção para outros comportamentos. O reforçamento diferencial seleciona as respostas que são úteis, no contexto de SD, e faz com que desapareçam as respostas menos apropriadas.
  • 10. Reforçamento diferencial Variabilidade do comportamento; Reforçamento, extinção e punição; “Sempre que o comportamento de alguém é variável e algumas de suas formas são reforçadas e outras não...”
  • 12. Reforçamento diferencial Aspectos fundamentais: - Somente R que se aproximem do Cpto alvo devem ser reforçadas; - Modificação gradual das exigências para reforçamento – aproximação sucessiva nas respostas a serem reforçadas.
  • 13. Reforçamento diferencial Efeitos: - Altera a freqüência dos comportamentos; - Controle de SD e S∆.
  • 14. Reforçamento diferencial: Única resposta X Classe de respostas Ex: amarrar um sapato
  • 15. Reforçamento diferencial Diferenciação de respostas R reforçadas R não reforçadas SD S∆
  • 16.  Branco (copa de 1994) ou Roberto Carlos  Lançam a bola de muito longe, com uma velocidade muito acima da média e eventualmente fazem gols com essas tentativas.  Como chegaram nesse padrão?  Algumas respostas foram reforçadas, outras não.  A resposta final provavelmente passou por um processo de reforçamento diferencial. Reforçamento diferencial Diferenciação de respostas
  • 17. Ex: Salto em altura Inicialmente: 1,60m SR Habilidades reforçadas: melhor lugar para saltar, tensão dos músculos, empuxo... salto: 1,67m – Novo comportamento Csq natural!
  • 18. FOCINHAR NA FENDA Localizações: 1 a 16 Reforçamento Diferencial: *Diferenciação *Indução
  • 19. MODELAGEM Indução “Quando um operante é reforçado e aumenta de freqüência, respostas semelhantes podem aparecer e aumentar de freqüência mesmo que não tenham sido reforçadas”.
  • 20. EFEITOS DO REFORÇAMENTO  Indução (ou generalização de respostas): fortalecimento de respostas fora da classe seguida por reforçamento, mas que guardam alguma proximidade; distribuição de respostas além do conjunto reforçado  Diferenciação (ou seleção de respostas): fortalecimento das respostas pertencentes ao conjunto que foi seguido pela conseqüência; distribuição de respostas circunscrita aos limites das respostas reforçadas
  • 21. Reforçamento diferencial no ambiente social Padrões inconsistentes de reforçamento dificultam a aquisição de comportamentos; - Uma vendedora no primeiro contato com o cliente - Um jovem que vai dar uma “cantada” Diferenciação de respostas mais lenta; Pode resultar em discriminações sutis; Convivência frequente com amigo Começo de um relacionamento Escolher uma piada “Mulheres e mulheres, homens e homens” Útil na aquisição de habilidades sociais;
  • 22. Ex: Criança pedir mesada para o pai quando o mesmo está de bom humor. Ex: No ambiente de trabalho, cumprir horários, fazer um trabalho bem feito, agir de maneira produtiva e receber elogios do chefe.
  • 23. APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS  Conjunto de comportamentos intermediários ordenados pelo grau de semelhança que possuem com o comportamento terminal.  Comportamento terminal ou final: comportamento alvo a ser produzido pela modelagem  Sr gradual a respostas que se aproximem do comportamento final
  • 24. APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS  Andar de bicicleta (comportamento desejado)  Andar de triciclo com pedal  Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes e baixas  Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas  Pedalar com rodas suspensas alguns centímetros  Pedalar sem rodas mas com apoio de um adulto  Andar de bicicleta (resposta final)
  • 25. MODELAGEM –ASPECTOS FUNDAMENTAIS E PASSOS  Aspectos fundamentais:  Reforçamento diferencial  Aproximações sucessivas: Modificação gradual das exigências para reforçamento.  Definir o comportamento final desejado  Medir o nível operante do comportamento final (linha de base)  Definir os comportamentos intermediários  Reforçar diferencialmente aproximações sucessivas até o comportamento terminal desejado
  • 26. APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS  Andar de bicicleta (comportamento desejado)  Andar de triciclo com pedal  Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes e baixas  Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas  Pedalar com rodas suspensas alguns centímetros  Pedalar sem rodas mas com apoio de um adulto  Andar de bicicleta (resposta final) Comportamento s Intermediários
  • 27. MODELAGEM NATURAL  Segurar colher para comer  “Colher torta” depois colher “normal”  Comportamento do bebê modelado por móbile  Desenvolvimento motor: engatinhar, andar, pular.
  • 30. DESENVOLVIMENTO MOTOR FINO: A CAMINHO DOS ESPORTES
  • 31. MODELAGEM SISTEMÁTICA  É quando a modelagem é cuidadosamente executada. Envolve todos os passos da modelagem. Ex: Pai ensinando o filho a andar de bicicleta; Professor modelando o comportamento de escrever do aluno; Terapeuta desenvolvendo assertividade no cliente.
  • 32. OUTROS ASPECTOS IMPORTANTES  Reforçamento imediato e contínuo  Reforçamento prolongado de respostas intermediárias dificulta a passagem para o próximo passo, devido a estereotipia  Mudar a resposta intermediária antes que ela esteja bem estabelecida pode significar perda do repertório já estabelecido
  • 33. CONCLUINDO: “A MODELAGEM É BASEADA NO REFORÇO DIFERENCIAL: EM ESTÁGIOS SUCESSIVOS, ALGUMAS RESPOSTAS SÃO REFORÇADAS E OUTRAS NÃO. A MEDIDA QUE O RESPONDER SE ALTERA, OS CRITÉRIOS PARA O REFORÇO DIFERENCIAL TAMBÉM MUDAM, EM APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS DA RESPOSTA A SER MODELADA. A PROPRIEDADE DO COMPORTAMENTO QUE TORNA A MODELAGEM EFETIVA É A VARIABILIDADE COMPORTAMENTAL.” (CATANIA, 1998)
  • 35. Reforçamento diferencial Ex: Segurar o bebê Lado esquerdo Lado direito Acima Abaixo Lado esquerdo Lado direito acima abaixo
  • 36. Ex: Girar a tampa de uma garrafa a fim de tomar a água que ali se encontra. Sa: garrafa com água; R: girar a tampa; Csq: tomar a água.
  • 38. ANDAR DE BICICLETA  Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes  Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas  Pedalar bicicleta com rodas suspensas poucos centímetros  Pedalar bicicleta sem rodas com apoio de adulto  Andar de bicicleta sozinho
  • 39. PASSOS DA MODELAGEM 1) Definir o comportamento final desejado 2) Medir o nível operante do comportamento final 3) Definir os comportamentos intermediários 4) Reforçar diferencialmente aproximações sucessivas até o comportamento terminal
  • 40. EXEMPLO: ANDAR DE BICICLETA  Pedalar bicicleta com rodas laterais grandes (NIVEL OPERANTE)  COMPORTAMENTOS INTERMEDIÁRIOS:  Pedalar bicicleta com rodas laterais pequenas  Pedalar bicicleta com rodas suspensas poucos centímetros  Pedalar bicicleta sem rodas com apoio de adulto  Andar de bicicleta sozinho (COMPORTAMENTO FINAL)
  • 41. ASPECTOS FUNDAMENTAIS DA MODELAGEM  Reforçamento diferencial  Modificação gradual das exigências para reforçamento: aproximações sucessivas
  • 42. MODELAGEM Portanto, Indução + reforçamento = Aumento na quantidade total de novos comportamentos