SlideShare uma empresa Scribd logo
» É uma forma de aprendizagem em que um
estímulo previamente neutro passa, após o
emparelhamento com um estímulo
incondicionado, a eliciar uma resposta reflexa.
» Antes do condicionamento:
» Durante o condicionamento:
» Depois o condicionamento:
» Estímulo neutro (NS);
» Emparelhamento de estímulos;
» Estímulo incondicionado (US);
» Resposta incondicionada (UR);
» Reflexo incondicionado/condicionado;
» Estímulo condicionado (CS)
» Resposta condicionada (CR)
» Estímulo Neutro (NS)  Nenhuma resposta
» Estímulo Neutro (NS) emparelhado ao estímulo
incondicionado (US)  estímulo condicionado (CS).
» O cachorro ao atacar a moça, causando dor a mesma,
gera um sentimento de medo.
» Estímulo condicionado (CS)  resposta condicionada
(CR), que caracteriza o reflexo condicionado.
» Quando o indivíduo passa a emitir a mesma
resposta para estímulos parecidos fisicamente.
» A magnitude da resposta eliciada dependerá do
grau de semelhança entre os estímulos em
questão, quanto mais parecido com o estímulo
condicionado, maior a magnitude da resposta.
» Uma pessoa que tenha sido atacada por um pavão
por exemplo, pode generalizar seu medo para
diversos outros tipos de aves.
» O condicionamento pavloviano se refere ao
processo e ao procedimento pelos quais
organismos aprendem novos reflexos.
» Se os organismos podem aprender novos
reflexos,podem também aprender a sentir novas
emoções, que não estão presentes em seu
repertório comportamental quando nascem.
» Um experimento feito por John Watson,em1920,
Ficou conhecido como O Pequeno Albert e o rato.
» É difícil controlar emoções, pois elas são respostas reflexas.
» Todos nós temos sensações de prazer ou de desprazer, em
maior ou menor grau, diferente das outras pessoas, da
mesma forma que podemos sentir emoções diferentes em
relação a estímulos iguais.
» A razão de “responder emocionalmente” diferente aos
mesmos estímulos está na história de condicionamento de
cada um de nós.
» Passamos por diferentes emparelhamentos e estímulos em
nossa vida. Esse emparelhamento produzem o nosso
“jeito” característico de sentir emoções hoje.
» Exemplo: Alguém que tenha comido um lanche com
maionese estragada(passado mal) pode sentir náuseas ao
sentir novamente o cheiro do lanche ou da maionese.
»
» No experimento de Pavlov do Som da sineta
com a salivação do cão, essa resposta reflexa
condicionada pode desaparecer se o estimulo
condicionado (som) for apresentado repetidas
vezes sem a presença do estimulo (alimento);
ou seja se o CS é apresentado sem o US ao qual
foi emparelhado, seu efeito eliciador se
extingue gradualmente, o CS vai perdendo a
função de eliciar a resposta até não eliciar mais
a resposta. Denominamos de Extinção
respondente.
» Para um reflexo condicionado perca sua força, o estímulo condicionado
deve ser apresentado sem novos emparelhamento com o estimulo
incondicionado.
» Exemplo: Se uma pessoa passou a ter medo de andar de moto após um
acidente, esse medo só irá deixar de ocorrer se a pessoa se expuser ao
estimulo condicionado(moto) sem a presença dos estímulos
incondicionados que estavam presentes no momento do acidente.
» Uma característica interessante da extinção respondente é que, ás vezes,
após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado CS não eliciar
mais uma determinada CR, a força de reflexo pode voltar
espontaneamente.
» Exemplo: uma pessoa que tem medo de altura é forçada a ficar a beira
de um local alto por um longo período de tempo. No inicio ela sentira
todas as respostas condicionadas que caracterizam o medo de altura.
Passado algum tempo ela não sentirá medo: Extinção da resposta medo.
Se essa pessoa passar alguns dias sem subir em lugares altos e
novamente é forçada a ficar no mesmo lugar alto que foi anteriormente.
É possível que ocorra o fenômeno conhecido como Recuperação
espontânea, o reflexo altura- medo ganha força outra vez, após ter sido
extinto. Sua força será menor, o medo que a pessoa sente é menor que
ela sentiu antes da extinção. Porém sendo exposta novamente ao CS sem
novos emparelhamentos com o US, o medo tornará a desaparecer, e as
chances de uma nova recuperação espontânea ocorrer diminuem.
» Trata-se de condicionar uma resposta contrária
aquela produzida pelo estímulo condicionado.
Por exemplo, se um determinado estímulo
condicionado elicia ansiedade, o
contracondicionamento consistiria em
emparelhar este estímulo condicionado a outro
que elicie o relaxamento (neste exemplo).
» Essa técnica é utilizada como base na generalização
respondente. Ela consiste em dividir o procedimento
de extinção em pequenos passos, ou seja, o
psicólogo começa com um estímulo pouco parecido
fisicamente ao que produz a resposta que ele quer
extinguir, e aos poucos, de acordo com a evolução
do paciente, ele vai aumentando progressivamente
a semelhança entre o estímulo apresentado e o que
produz a resposta a ser extinta.
» A dessensibilização sistemática é das principais
técnicas utilizadas no tratamento de fobias.
» Condicionamento de ordem superior é um processo em que um
estimulo previamente neutro passa a eliciar uma resposta
condicionada como resultado de seu emparelhamento a um estimulo
condicionado que já elicia a resposta condicionada em questão.
Muitos casais têm uma musica especial: Associam som a sentimentos
agradáveis que eles experimentaram pela primeira vez. A “musica do
casal”, por ter sido emparelhada a beijos e caricias do primeiro
encontro, tornou-se estímulos condicionados para respostas
semelhantes ás eliciadas pelos beijos e caricias . Vale lembrar que
quanto mais alta é a ordem do reflexo condicionado, menor é a sua
força.Nesse exemplo a magnitude das respostas de prazeres eliciadas
pelo som do nome do cantor é menor que a magnitude das respostas
eliciadas pela música, e é claro, a magnitude das respostas eliciadas
pela música é menor do que a das resposta eliciadas pelos beijos e
pelas caricias.
»
» Palavras eliciam emoções;
» São estímulos auditivos;
Bife > > Salivação
(Palavra - som)
» Emoções e estímulos semelhantes;
» Exemplos:
- Medo de falar em público.
- Medo de altura.
Integrantes:
BRUNA R.
BRUNA T.
IVAN
VIVIANE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Punição positiva x negativa
Punição positiva x negativaPunição positiva x negativa
Punição positiva x negativa
Nelson Novaes Neto
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
Lucas Vinícius
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Aula 1 aprendizagem - condicionamento operante
Aula 1   aprendizagem - condicionamento operanteAula 1   aprendizagem - condicionamento operante
Aula 1 aprendizagem - condicionamento operante
Psicologia_2015
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
José Roberto Pinto
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
Leandro Malveira
 

Mais procurados (20)

Punição positiva x negativa
Punição positiva x negativaPunição positiva x negativa
Punição positiva x negativa
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Aula 1 aprendizagem - condicionamento operante
Aula 1   aprendizagem - condicionamento operanteAula 1   aprendizagem - condicionamento operante
Aula 1 aprendizagem - condicionamento operante
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
 

Destaque

Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Yasmin Behrmann
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Andre Thieme
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do ComportamentoPolíticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
Márcio Borges Moreira
 
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamentalO que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
Márcio Borges Moreira
 
Autismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Autismo: Prática Baseada em Evidências CientíficasAutismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Autismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Márcio Borges Moreira
 
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
Márcio Borges Moreira
 
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violênciaEstratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
Márcio Borges Moreira
 
Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo  Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo
Mariane Meneghel
 
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
Márcio Borges Moreira
 
Ensino baseado em evidências
Ensino baseado em evidênciasEnsino baseado em evidências
Ensino baseado em evidências
Márcio Borges Moreira
 
Personalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamentalPersonalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamental
Márcio Borges Moreira
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
Marcus Alves
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
Vitor Manuel de Carvalho
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Eduardo Manfré
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
psicologiaisecensa
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Rodrigo Castro
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 

Destaque (20)

Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
 
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do ComportamentoPolíticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
Políticas Públicas: Contribuições da Análise do Comportamento
 
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamentalO que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
O que é e o que pode vir a ser tecnologia comportamental
 
Autismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Autismo: Prática Baseada em Evidências CientíficasAutismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Autismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
 
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
Psicólogo só faz terapia? Diferentes produtos e serviços que um psicólogo pod...
 
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violênciaEstratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
Estratégias baseadas em dados para uma cultura de não-violência
 
Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo  Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo
 
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
Reforçamento diferencial de comportamentos verbais alternativos de um esquizo...
 
Ensino baseado em evidências
Ensino baseado em evidênciasEnsino baseado em evidências
Ensino baseado em evidências
 
Personalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamentalPersonalidade na visão analítico-comportamental
Personalidade na visão analítico-comportamental
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
 
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIAO OBJECTO DA PSICOLOGIA
O OBJECTO DA PSICOLOGIA
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 

Semelhante a Trabalho aec 1

discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
PAMELAPITAGORASFREIT
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Débora Prado
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Psicologia_2015
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estudo Sobre Reich
Estudo Sobre ReichEstudo Sobre Reich
Estudo Sobre Reich
Amanda Thomé
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
Helio Cruz
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema
PlusJuh
 
Condicionamento clássico
Condicionamento clássicoCondicionamento clássico
Condicionamento clássico
Luis De Sousa Rodrigues
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
Lu1zFern4nando
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Billy Nascimento
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman
 
Pensamento e vida3
Pensamento e vida3Pensamento e vida3
Pensamento e vida3
Manoel Gamas
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
Rafael Afonso de Oliveira
 
Apostila de ataque e defesa psiquica
Apostila de ataque e defesa psiquicaApostila de ataque e defesa psiquica
Apostila de ataque e defesa psiquica
RobertoSilvaGomesPrets
 
Medidor De Stresse
Medidor De StresseMedidor De Stresse
Medidor De Stresse
guest53d1c35
 

Semelhante a Trabalho aec 1 (20)

discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
Estudo Sobre Reich
Estudo Sobre ReichEstudo Sobre Reich
Estudo Sobre Reich
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema Neurocinema - A Emoção no Cinema
Neurocinema - A Emoção no Cinema
 
Condicionamento clássico
Condicionamento clássicoCondicionamento clássico
Condicionamento clássico
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
 
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
Neurociência do consumo: Entendendo o que é Neuromarketing. Aula 2 - Emoção e...
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
Pensamento e vida3
Pensamento e vida3Pensamento e vida3
Pensamento e vida3
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
 
Apostila de ataque e defesa psiquica
Apostila de ataque e defesa psiquicaApostila de ataque e defesa psiquica
Apostila de ataque e defesa psiquica
 
Medidor De Stresse
Medidor De StresseMedidor De Stresse
Medidor De Stresse
 

Mais de unieubra

Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para AlunosTutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
unieubra
 
Tutorial da plataforma da unieubra para professores
Tutorial da plataforma da unieubra para professoresTutorial da plataforma da unieubra para professores
Tutorial da plataforma da unieubra para professores
unieubra
 
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRA
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRATutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRA
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRAunieubra
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
unieubra
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
unieubra
 
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRAMetodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
unieubra
 
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
unieubra
 
Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2
unieubra
 
Aula antropologia da educação
Aula antropologia da educaçãoAula antropologia da educação
Aula antropologia da educação
unieubra
 
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUALSEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
unieubra
 
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
unieubra
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
unieubra
 
Alfabetização e Leitura
Alfabetização e LeituraAlfabetização e Leitura
Alfabetização e Leitura
unieubra
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
unieubra
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
unieubra
 
Gestão Escolar
Gestão EscolarGestão Escolar
Gestão Escolar
unieubra
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
unieubra
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
unieubra
 
Gestão pedagógica do ensino fundamental II
Gestão pedagógica do ensino fundamental IIGestão pedagógica do ensino fundamental II
Gestão pedagógica do ensino fundamental II
unieubra
 
Gestão escolar mestrado em educação
Gestão escolar   mestrado em educaçãoGestão escolar   mestrado em educação
Gestão escolar mestrado em educação
unieubra
 

Mais de unieubra (20)

Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para AlunosTutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem da UNIEUBRA Para Alunos
 
Tutorial da plataforma da unieubra para professores
Tutorial da plataforma da unieubra para professoresTutorial da plataforma da unieubra para professores
Tutorial da plataforma da unieubra para professores
 
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRA
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRATutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRA
Tutorial Plataforma de Ensino a Distância da UNIEUBRA
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRAMetodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
Metodologia do ensino - Mestrado em educação - UNIEUBRA
 
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
 
Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2
 
Aula antropologia da educação
Aula antropologia da educaçãoAula antropologia da educação
Aula antropologia da educação
 
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUALSEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
 
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
SEMINARIO 2 - A EVOLUÇÃO NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS PARA O DIRETOR GESTOR, NA...
 
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃOINTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
INTRODUÇÃO, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO
 
Alfabetização e Leitura
Alfabetização e LeituraAlfabetização e Leitura
Alfabetização e Leitura
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
 
Gestão Escolar
Gestão EscolarGestão Escolar
Gestão Escolar
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
 
Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --Ferramentas+de+qu --
Ferramentas+de+qu --
 
Gestão pedagógica do ensino fundamental II
Gestão pedagógica do ensino fundamental IIGestão pedagógica do ensino fundamental II
Gestão pedagógica do ensino fundamental II
 
Gestão escolar mestrado em educação
Gestão escolar   mestrado em educaçãoGestão escolar   mestrado em educação
Gestão escolar mestrado em educação
 

Trabalho aec 1

  • 1.
  • 2. » É uma forma de aprendizagem em que um estímulo previamente neutro passa, após o emparelhamento com um estímulo incondicionado, a eliciar uma resposta reflexa.
  • 3.
  • 4. » Antes do condicionamento:
  • 5. » Durante o condicionamento:
  • 6. » Depois o condicionamento:
  • 7. » Estímulo neutro (NS); » Emparelhamento de estímulos; » Estímulo incondicionado (US); » Resposta incondicionada (UR); » Reflexo incondicionado/condicionado; » Estímulo condicionado (CS) » Resposta condicionada (CR)
  • 8.
  • 9. » Estímulo Neutro (NS)  Nenhuma resposta
  • 10. » Estímulo Neutro (NS) emparelhado ao estímulo incondicionado (US)  estímulo condicionado (CS). » O cachorro ao atacar a moça, causando dor a mesma, gera um sentimento de medo.
  • 11. » Estímulo condicionado (CS)  resposta condicionada (CR), que caracteriza o reflexo condicionado.
  • 12. » Quando o indivíduo passa a emitir a mesma resposta para estímulos parecidos fisicamente. » A magnitude da resposta eliciada dependerá do grau de semelhança entre os estímulos em questão, quanto mais parecido com o estímulo condicionado, maior a magnitude da resposta.
  • 13. » Uma pessoa que tenha sido atacada por um pavão por exemplo, pode generalizar seu medo para diversos outros tipos de aves.
  • 14. » O condicionamento pavloviano se refere ao processo e ao procedimento pelos quais organismos aprendem novos reflexos. » Se os organismos podem aprender novos reflexos,podem também aprender a sentir novas emoções, que não estão presentes em seu repertório comportamental quando nascem. » Um experimento feito por John Watson,em1920, Ficou conhecido como O Pequeno Albert e o rato.
  • 15. » É difícil controlar emoções, pois elas são respostas reflexas. » Todos nós temos sensações de prazer ou de desprazer, em maior ou menor grau, diferente das outras pessoas, da mesma forma que podemos sentir emoções diferentes em relação a estímulos iguais. » A razão de “responder emocionalmente” diferente aos mesmos estímulos está na história de condicionamento de cada um de nós. » Passamos por diferentes emparelhamentos e estímulos em nossa vida. Esse emparelhamento produzem o nosso “jeito” característico de sentir emoções hoje. » Exemplo: Alguém que tenha comido um lanche com maionese estragada(passado mal) pode sentir náuseas ao sentir novamente o cheiro do lanche ou da maionese.
  • 16. »
  • 17. » No experimento de Pavlov do Som da sineta com a salivação do cão, essa resposta reflexa condicionada pode desaparecer se o estimulo condicionado (som) for apresentado repetidas vezes sem a presença do estimulo (alimento); ou seja se o CS é apresentado sem o US ao qual foi emparelhado, seu efeito eliciador se extingue gradualmente, o CS vai perdendo a função de eliciar a resposta até não eliciar mais a resposta. Denominamos de Extinção respondente.
  • 18. » Para um reflexo condicionado perca sua força, o estímulo condicionado deve ser apresentado sem novos emparelhamento com o estimulo incondicionado. » Exemplo: Se uma pessoa passou a ter medo de andar de moto após um acidente, esse medo só irá deixar de ocorrer se a pessoa se expuser ao estimulo condicionado(moto) sem a presença dos estímulos incondicionados que estavam presentes no momento do acidente. » Uma característica interessante da extinção respondente é que, ás vezes, após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado CS não eliciar mais uma determinada CR, a força de reflexo pode voltar espontaneamente. » Exemplo: uma pessoa que tem medo de altura é forçada a ficar a beira de um local alto por um longo período de tempo. No inicio ela sentira todas as respostas condicionadas que caracterizam o medo de altura. Passado algum tempo ela não sentirá medo: Extinção da resposta medo. Se essa pessoa passar alguns dias sem subir em lugares altos e novamente é forçada a ficar no mesmo lugar alto que foi anteriormente. É possível que ocorra o fenômeno conhecido como Recuperação espontânea, o reflexo altura- medo ganha força outra vez, após ter sido extinto. Sua força será menor, o medo que a pessoa sente é menor que ela sentiu antes da extinção. Porém sendo exposta novamente ao CS sem novos emparelhamentos com o US, o medo tornará a desaparecer, e as chances de uma nova recuperação espontânea ocorrer diminuem.
  • 19.
  • 20. » Trata-se de condicionar uma resposta contrária aquela produzida pelo estímulo condicionado. Por exemplo, se um determinado estímulo condicionado elicia ansiedade, o contracondicionamento consistiria em emparelhar este estímulo condicionado a outro que elicie o relaxamento (neste exemplo).
  • 21. » Essa técnica é utilizada como base na generalização respondente. Ela consiste em dividir o procedimento de extinção em pequenos passos, ou seja, o psicólogo começa com um estímulo pouco parecido fisicamente ao que produz a resposta que ele quer extinguir, e aos poucos, de acordo com a evolução do paciente, ele vai aumentando progressivamente a semelhança entre o estímulo apresentado e o que produz a resposta a ser extinta. » A dessensibilização sistemática é das principais técnicas utilizadas no tratamento de fobias.
  • 22.
  • 23. » Condicionamento de ordem superior é um processo em que um estimulo previamente neutro passa a eliciar uma resposta condicionada como resultado de seu emparelhamento a um estimulo condicionado que já elicia a resposta condicionada em questão. Muitos casais têm uma musica especial: Associam som a sentimentos agradáveis que eles experimentaram pela primeira vez. A “musica do casal”, por ter sido emparelhada a beijos e caricias do primeiro encontro, tornou-se estímulos condicionados para respostas semelhantes ás eliciadas pelos beijos e caricias . Vale lembrar que quanto mais alta é a ordem do reflexo condicionado, menor é a sua força.Nesse exemplo a magnitude das respostas de prazeres eliciadas pelo som do nome do cantor é menor que a magnitude das respostas eliciadas pela música, e é claro, a magnitude das respostas eliciadas pela música é menor do que a das resposta eliciadas pelos beijos e pelas caricias.
  • 24. »
  • 25. » Palavras eliciam emoções; » São estímulos auditivos;
  • 26. Bife > > Salivação (Palavra - som)
  • 27. » Emoções e estímulos semelhantes; » Exemplos: - Medo de falar em público. - Medo de altura.