SlideShare uma empresa Scribd logo
Categorias de Esquemas de Reforçamento
Pode-se dividir os esquemas de reforçamento em duas
categorias maiores:
1. Esquema de Reforçamento Contínuo
2. Esquema de Reforçamento Intermitente, e suas
subcategorias:
RC: reforçamento contínuo
RI: reforçamento intermitente
RRF: reforçamento em razão fixa
RRV: reforçamento em razão variável
RIF: reforçamento em intervalo fixo
RIV: reforçamento em intervalo variável
Esquema de Reforçamento Contínuo
Em um esquema de reforçamento contínuo toda
resposta será reforçada; dessa forma, o aprendizado
ocorre mais rápido.
Esquema de Reforçamento Intermitente
Em um esquema de reforçamento intermitente, somente
algumas respostas serão reforçadas. Estes esquemas
dividem-se em esquemas de reforçamento em razão e
esquemas de reforçamento de intervalo.
Esquemas de Reforçamento em Razão
o reforço é apresentado após um determinado número de respostas.
O critério para apresentação do reforço é o número de respostas
emitido pelo organismo.
Esquemas de Razão Fixa
o reforço é apresentado após um número fixo de respostas.
Resultados: freqüência alta e constante de respostas e uma pausa
após a apresentação do reforço. A duração desta pausa dependerá
da razão; quanto maior a razão, maior será a pausa após o
reforçamento. Menor resistência à extinção
Esquemas de Razão Variável
o reforço é apresentado após um número variável de respostas. O
Resultado: freqüência alta de resposta, sem gerar pausas após a
apresentação do reforço. Maior resistência à extinção.
Esquemas de Reforçamento de Intervalo
a apresentação do reforço depende tanto da passagem do tempo,
quanto da emissão da resposta após este intervalo de tempo.
Esquemas de Reforçamento de Intervalo Fixo
o reforço é apresentado se o organismo emitir pelo menos uma
resposta após um intervalo fixo de tempo.
Resultados: freqüência baixa de respostas no início do intervalo,
aumentando conforme o final do intervalo se aproxima. Menor
resistência à extinção
Esquemas de Reforçamento de Intervalo Variável
o reforço é apresentado se o organismo emitir pelo menos uma
resposta após um intervalo variável de tempo.
Resultados: frequência alta de respostas. Maior resistência à
extinção.
RAZÃO FIXA RAZÃO VARIÁVEL
MENOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO MAIOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO
INTERVALO FIXO INTERVALO VARIÁVEL
MENOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO MAIOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO
EXTINÇÃO: enfraquecimento gradual e desaparecimento da
tendência a uma resposta condicionada, pela supressão do
reforçamento
Recuperação espontânea
Identifique os esquemas de reforçamento nos casos abaixo. Coloque
RC: reforço contínuo
RRF: reforço em razão fixa
RRV: reforço em razão variável
RIF:reforço em intervalo fixo
RIV: reforço em intervalo variável
1. Sara é paga por uma comissão na venda de computadores. Ela recebe um
prêmio em dinheiro para cada três computadores vendidos.
2. Gabriel recebe uma vez por semana, aproximadamente, algum dinheiro de seus
pais por ajudá-los nos trabalhos da casa.
3. Marta está pescando e pega um peixe na primeira vez que joga a linha. Depois, pega na
terceira, depois joga 5 vezes a linha antes de pegar outro peixe.
4. Marcos recebe uma estrelinha dourada de sua professora por livro que lê.
5. Oscar, jogador de basquetebol, assina um acordo para que seus salários sejam
negociados a cada três anos.
1. Sara é paga por uma comissão na venda de computadores. Ela recebe
um prêmio em dinheiro para cada três computadores vendidos. RRF
2. Gabriel recebe uma vez por semana, aproximadamente, algum dinheiro
de seus pais por ajudá-los nos trabalhos da casa. RIV
3. Marta está pescando e pega um peixe na primeira vez que joga a linha.
Depois, pega na terceira, depois joga 5 vezes a linha antes de pegar
outro peixe. RRV
4. Marcos recebe uma estrelinha dourada de sua professora por livro que
lê. RC
5. Oscar, jogador de basquetebol, assina um acordo para que seus salários
sejam negociados a cada três anos. RIF

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
Caio Maximino
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
Caio Maximino
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
Caio Maximino
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Carolina Pacheco
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Márcio Borges Moreira
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
marta12l
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
Eliane Almeida
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Eduardo Manfré
 

Mais procurados (20)

Modelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamentoModelagem e manutenção do comportamento
Modelagem e manutenção do comportamento
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
GESTALT
GESTALTGESTALT
GESTALT
 
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 

Esquemas de reforço (1)

  • 1. Categorias de Esquemas de Reforçamento Pode-se dividir os esquemas de reforçamento em duas categorias maiores: 1. Esquema de Reforçamento Contínuo 2. Esquema de Reforçamento Intermitente, e suas subcategorias: RC: reforçamento contínuo RI: reforçamento intermitente RRF: reforçamento em razão fixa RRV: reforçamento em razão variável RIF: reforçamento em intervalo fixo RIV: reforçamento em intervalo variável
  • 2. Esquema de Reforçamento Contínuo Em um esquema de reforçamento contínuo toda resposta será reforçada; dessa forma, o aprendizado ocorre mais rápido. Esquema de Reforçamento Intermitente Em um esquema de reforçamento intermitente, somente algumas respostas serão reforçadas. Estes esquemas dividem-se em esquemas de reforçamento em razão e esquemas de reforçamento de intervalo.
  • 3. Esquemas de Reforçamento em Razão o reforço é apresentado após um determinado número de respostas. O critério para apresentação do reforço é o número de respostas emitido pelo organismo. Esquemas de Razão Fixa o reforço é apresentado após um número fixo de respostas. Resultados: freqüência alta e constante de respostas e uma pausa após a apresentação do reforço. A duração desta pausa dependerá da razão; quanto maior a razão, maior será a pausa após o reforçamento. Menor resistência à extinção Esquemas de Razão Variável o reforço é apresentado após um número variável de respostas. O Resultado: freqüência alta de resposta, sem gerar pausas após a apresentação do reforço. Maior resistência à extinção.
  • 4. Esquemas de Reforçamento de Intervalo a apresentação do reforço depende tanto da passagem do tempo, quanto da emissão da resposta após este intervalo de tempo. Esquemas de Reforçamento de Intervalo Fixo o reforço é apresentado se o organismo emitir pelo menos uma resposta após um intervalo fixo de tempo. Resultados: freqüência baixa de respostas no início do intervalo, aumentando conforme o final do intervalo se aproxima. Menor resistência à extinção Esquemas de Reforçamento de Intervalo Variável o reforço é apresentado se o organismo emitir pelo menos uma resposta após um intervalo variável de tempo. Resultados: frequência alta de respostas. Maior resistência à extinção.
  • 5. RAZÃO FIXA RAZÃO VARIÁVEL MENOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO MAIOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO INTERVALO FIXO INTERVALO VARIÁVEL MENOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO MAIOR RESISTÊNCIA À EXTINÇÃO
  • 6. EXTINÇÃO: enfraquecimento gradual e desaparecimento da tendência a uma resposta condicionada, pela supressão do reforçamento Recuperação espontânea
  • 7. Identifique os esquemas de reforçamento nos casos abaixo. Coloque RC: reforço contínuo RRF: reforço em razão fixa RRV: reforço em razão variável RIF:reforço em intervalo fixo RIV: reforço em intervalo variável 1. Sara é paga por uma comissão na venda de computadores. Ela recebe um prêmio em dinheiro para cada três computadores vendidos. 2. Gabriel recebe uma vez por semana, aproximadamente, algum dinheiro de seus pais por ajudá-los nos trabalhos da casa. 3. Marta está pescando e pega um peixe na primeira vez que joga a linha. Depois, pega na terceira, depois joga 5 vezes a linha antes de pegar outro peixe. 4. Marcos recebe uma estrelinha dourada de sua professora por livro que lê. 5. Oscar, jogador de basquetebol, assina um acordo para que seus salários sejam negociados a cada três anos.
  • 8. 1. Sara é paga por uma comissão na venda de computadores. Ela recebe um prêmio em dinheiro para cada três computadores vendidos. RRF 2. Gabriel recebe uma vez por semana, aproximadamente, algum dinheiro de seus pais por ajudá-los nos trabalhos da casa. RIV 3. Marta está pescando e pega um peixe na primeira vez que joga a linha. Depois, pega na terceira, depois joga 5 vezes a linha antes de pegar outro peixe. RRV 4. Marcos recebe uma estrelinha dourada de sua professora por livro que lê. RC 5. Oscar, jogador de basquetebol, assina um acordo para que seus salários sejam negociados a cada três anos. RIF