SlideShare uma empresa Scribd logo
Elenice Seixas Hanna
Erick Rôso Huber
 Uma criança capaz de ler uma história ou soletrar algumas
palavras.
 Um paciente que certa vez teve uma experiência ruim no
consultório de um dentista sente-se desconfortável na sala de
espera.
 Abrir uma lata de leite condensado
 Um consumidor vê um anúncio de uma liquidação que ainda não
começou e, alguns dias depois, volta à loja e aproveita os preços
baixos.
 Uma criança numa situação inventa uma mentira, em outra
situação não. Ou ainda: uma criança mente sobre um fato
enquanto outra prefere falar a verdade.
 Como essas pessoas aprenderam?
 No dicionário: aquisição de conhecimento ou habilidade;
 Uso diferenciado em psicologia
 Aprendizagem é a aquisição de habilidade ou conhecimento?
 Não.
 Falar em aquisição de conhecimento ou habilidade não diz nada sobre como
se adquire e como se sabe que foi adquirido.
 Leva ao conceito errôneo de que se refere a “alguma coisa que se consegue”.
 Não é a habilidade, nem o conhecimento, é a mudança entre não apresentar
em um momento e apresentar em outro.
 Estudar a aprendizagem é estudar como o comportamento pode ser
modificado.
 É uma mudança, um processo.
 Modificação no sistema nervoso produzida pela
experiência que implica em (produza) mudança
comportamental.
 Naturalmente a aprendizagem tem uma base fisiológica
(e a idéia de saber quais mudanças neurológicas
acompanham a aprendizagem é fascinante).
 Foco: propriedades comportamentais em vez de bases
fisiológicas.
 Mudança no desempenho que resulta da experiência
◦ “Mudança” no desempenho e não “melhoria” no
desempenho.
 Fatores que produzem mudança comportamental,
mas não aprendizagem:
◦ Maturação
◦ Fadiga
◦ Motivação
◦ Mudanças na situação de estímulos
Walker, 1974.
 Maturação
◦ Aptidões ou comportamentos que dependem da natureza do organismo e
não de sua experiência.
 Em geral animais nascem com os olhos fechados e depois eles se
abrem. Isso independe de experiência, resulta apenas da maturação.
 Pessoas com LER: abrir uma lata de leite condensado?
◦ Difícil distinguir, em alguns casos, entre maturação e aprendizagem.
 Fadiga
◦ Produz mudança no desempenho que resulta da experiência, mas não é
possível considerar como aprendida.
◦ Ex.: um corredor cansado que após um período de repouso volta a ter a
rapidez anterior.
Walker, 1974.
 Motivação
◦ A prática pode produzir mudanças na motivação e produzir
mudanças no desempenho. Porém, não são resultados de
aprendizagem.
◦ Um rato privado de comida irá buscar por comida em um
labirinto. Seu tempo e a quantidade de erros provavelmente
diminuirão com a prática. Após saciar-se irá, provavelmente,
dormir.
◦ “Após saciar-se irá, provavelmente, dormir.”
◦ Essa mudança foi resultado de aprendizagem ou de
motivação?
Walker, 1974.
 Mudanças na situação de estímulos
◦ Avaliações em situações diferentes não permitem conclusão
sobre a aprendizagem porque mudanças podem ocorrer em
função da situação diferenciada.
 A aprendizagem é uma mudança no desempenho que resulta
da experiência e que não pode ser atribuída à maturação, à
fadiga, à motivação, à mudanças na situação de estímulos
nem a outros fatores – diferentes da aprendizagem – que
possam ser identificados.
Walker, 1974.
 Mudança comportamental relativamente
duradoura e devida a alguma experiência
ou treino anterior; qualquer mudança
permanente no comportamento e que
resulta de experiência ou prática.
Morgan, 1977.
 Aprendizagem é uma modificação sistemática do
comportamento, pelo exercício ou repetição, em função de
condições ambientais e condições orgânicas. É a relação
entre variáveis dependentes (modificação do
comportamento) e variáveis independentes (ambientais-
orgânicas).
Campos, 1971.
 mudança relativamente permanente em potencialidade
comportamental que ocorre como um resultado de
prática reforçada.
Kimble, 1961.
 mudança relativamente permanente em comportamento
ou potencialidade comportamental que resulta da
experiência e não pode ser atribuída a estados
corporais temporários tais como induzidos por doenças,
fadiga ou drogas.
Hergenhahn & Olson, 1993.
mudança relativamente permanente em comportamento ou potencialidade
comportamental que resulta da experiência e não pode ser atribuída a
estados corporais temporários tais como induzidos por doenças, fadiga ou
drogas.
Hergenhahn & Olson, 1993.
Variável
Independente
(Experiência)
Variável
Dependente
(Mudança
Comportamental)
Variável
Interveniente
(Aprendizagem)
Variável
Independente
(Experiência)
Variável
Dependente
(Mudança
Comportamento e
no Sistema
Nervoso)
 Algumas vezes a mudança não é observada
imediatamente (jogador de futebol que aprende
assistindo o jogo) e portanto diz-se que o
potencial comportamental mudou.
 Ex.: alunos em sala de aula.
 Quantidade de apresentações e espaço no tempo:
 sensibilização - processo pelo qual o organismo se torna mais responsivo
a aspectos do ambiente.
◦ Após levar um choque ou passar por uma experiência difícil/deprimente pode
produzir respostas a estímulos que anteriormente eram neutros;
◦ Uma aula em que o professor repete “né” no final de cada frase.
◦ Goteira na hora de dormir.
◦ Após ver um filme ficar “chorão” com outros estímulos.
◦ Tatuagem (?)
 habituação: (continua)
 Quantidade de apresentações e espaço no tempo:
 Habituação: processo pelo qual o organismo se torna menos responsivo
aos aspectos do ambiente, por exemplo estímulos novos prontamente
produzem alguma resposta, mas sua continuidade pode produzir
habituação (ruídos constantes)
◦ Susto com um relâmpago
◦ Cortar várias cebolas em um curto período de tempo (diminui a quantidade de
lágrimas)
◦ Estar em um lugar barulhento e após algumas horas ter a impressão de que o
barulho diminuiu.
 Medida de desempenho em dois momentos
 Certos eventos devem ter ocorrido entre os dois
momentos da observação
João não conseque
ler a palavra
“chave”
João consegue
ler a palavra
“chave”
Treino planejado
envolvendo palavras
com “CH”;
acompanhamento
específico
 Considerar a maturação da criança
 Ajustar-se a condição física e ao
nível de habilidade que ela apresenta
como resultado de aprendizagem
prévia (testes em escolas de
idiomas).
 As condições de ensino são cruciais
para verificar aprendizagem
 Não aprender: o indivíduo pode ter
dificuldade de aprendizagem sob X
circunstâncias em que outras
pessoas conseguem demonstrar
aprendizado
 O que fazer com uma criança que
não consegue:
 Tocar um instrumento?
 Aprender a ler?
 Apresentar trabalhos para a turma?
 Ou adultos que não conseguem:
 Dirigir?
 Fazer amizades?
 Utilizar um computador?
 Em casos de não aprendizado, verificar
as condições e ajustá-las:
◦ Idade
◦ Características físicas (problemas de visão,
audição, etc)
◦ Nível de habilidade
◦ Repertório anterior (aprendizagens anteriores)
 Nem sempre é fácil identificar em que
condições um comportamento pode
aparecer ou não.
 Autismo
 Dificuldade de aprendizagem
 TDAH
Evento Sim / Não
Movimentar um braço descoordenadamente após
sofrer um derrame
Uma adolescente que parar de roer as unhas após
receber críticas do namorado
Uma criança que trocava o som de RR por L como
dizer “calo” ao invés de “carro” e passa a
pronunciar corretamente
Um viciado em drogas fica com a fala diferente
após sofrer lesões em áreas responsáveis pela fala
Ficar com água na boca quando vê um embrulho
da Kopenhagen
NÃO
SIM
SIM
NÃO
?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Causas do comportamento
Causas do comportamentoCausas do comportamento
Causas do comportamento
Márcio Borges Moreira
 
Observação
ObservaçãoObservação
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
Viviane Pasqualeto
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Matheus Alves
 
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
profamiriamnavarro
 
Atenção
AtençãoAtenção
Teoria crítica e educação
Teoria crítica e educaçãoTeoria crítica e educação
Teoria crítica e educação
richard_romancini
 
Factores de escolha profissional
Factores de escolha profissionalFactores de escolha profissional
Factores de escolha profissional
Laissane Dimande
 
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemAula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Fernando S. S. Barbosa
 
Slide história da pedagogia
Slide   história da pedagogiaSlide   história da pedagogia
Slide história da pedagogia
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Thais1976
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
Ana Felizardo
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
Débora Rodrigues
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Fran Maciel
 

Mais procurados (20)

Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Causas do comportamento
Causas do comportamentoCausas do comportamento
Causas do comportamento
 
Observação
ObservaçãoObservação
Observação
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Teoria crítica e educação
Teoria crítica e educaçãoTeoria crítica e educação
Teoria crítica e educação
 
Factores de escolha profissional
Factores de escolha profissionalFactores de escolha profissional
Factores de escolha profissional
 
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemAula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
 
Slide história da pedagogia
Slide   história da pedagogiaSlide   história da pedagogia
Slide história da pedagogia
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 

Semelhante a Definição de aprendizagem

Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
CENSUPEG-PÓS GRADUAÇÃO-JUQUIÁ-SP
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Márcia Franco
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Dorinha Alves Alves Ferreira
 
Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
Cassia Dias
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
Eduardo Bessa
 
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptxPROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
Henrietterusso
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
Natália Araújo
 
desenvolvimento infantil.pdf
desenvolvimento infantil.pdfdesenvolvimento infantil.pdf
desenvolvimento infantil.pdf
NancyNayra
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
Monalisa Costa
 
Ser letrado visualmente
Ser letrado visualmenteSer letrado visualmente
Ser letrado visualmente
unesp
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
Rafael Afonso de Oliveira
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
Manuela Santos
 
Aula 5 memória
Aula 5 memóriaAula 5 memória
Aula 5 memória
Psicologia_2015
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
Luis De Sousa Rodrigues
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
Ronaldo Moraes
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
Nilson Dias Castelano
 

Semelhante a Definição de aprendizagem (20)

Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
 
Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
 
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptxPROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
PROGRAMA EMAGRECIMENTO.pptx
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
 
desenvolvimento infantil.pdf
desenvolvimento infantil.pdfdesenvolvimento infantil.pdf
desenvolvimento infantil.pdf
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
 
Ser letrado visualmente
Ser letrado visualmenteSer letrado visualmente
Ser letrado visualmente
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
 
Aula 5 memória
Aula 5 memóriaAula 5 memória
Aula 5 memória
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
Nilson Dias Castelano
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Definição de aprendizagem

  • 2.  Uma criança capaz de ler uma história ou soletrar algumas palavras.  Um paciente que certa vez teve uma experiência ruim no consultório de um dentista sente-se desconfortável na sala de espera.  Abrir uma lata de leite condensado  Um consumidor vê um anúncio de uma liquidação que ainda não começou e, alguns dias depois, volta à loja e aproveita os preços baixos.  Uma criança numa situação inventa uma mentira, em outra situação não. Ou ainda: uma criança mente sobre um fato enquanto outra prefere falar a verdade.  Como essas pessoas aprenderam?
  • 3.  No dicionário: aquisição de conhecimento ou habilidade;  Uso diferenciado em psicologia  Aprendizagem é a aquisição de habilidade ou conhecimento?  Não.  Falar em aquisição de conhecimento ou habilidade não diz nada sobre como se adquire e como se sabe que foi adquirido.  Leva ao conceito errôneo de que se refere a “alguma coisa que se consegue”.  Não é a habilidade, nem o conhecimento, é a mudança entre não apresentar em um momento e apresentar em outro.  Estudar a aprendizagem é estudar como o comportamento pode ser modificado.  É uma mudança, um processo.
  • 4.
  • 5.
  • 6.  Modificação no sistema nervoso produzida pela experiência que implica em (produza) mudança comportamental.  Naturalmente a aprendizagem tem uma base fisiológica (e a idéia de saber quais mudanças neurológicas acompanham a aprendizagem é fascinante).  Foco: propriedades comportamentais em vez de bases fisiológicas.
  • 7.  Mudança no desempenho que resulta da experiência ◦ “Mudança” no desempenho e não “melhoria” no desempenho.  Fatores que produzem mudança comportamental, mas não aprendizagem: ◦ Maturação ◦ Fadiga ◦ Motivação ◦ Mudanças na situação de estímulos Walker, 1974.
  • 8.  Maturação ◦ Aptidões ou comportamentos que dependem da natureza do organismo e não de sua experiência.  Em geral animais nascem com os olhos fechados e depois eles se abrem. Isso independe de experiência, resulta apenas da maturação.  Pessoas com LER: abrir uma lata de leite condensado? ◦ Difícil distinguir, em alguns casos, entre maturação e aprendizagem.  Fadiga ◦ Produz mudança no desempenho que resulta da experiência, mas não é possível considerar como aprendida. ◦ Ex.: um corredor cansado que após um período de repouso volta a ter a rapidez anterior. Walker, 1974.
  • 9.  Motivação ◦ A prática pode produzir mudanças na motivação e produzir mudanças no desempenho. Porém, não são resultados de aprendizagem. ◦ Um rato privado de comida irá buscar por comida em um labirinto. Seu tempo e a quantidade de erros provavelmente diminuirão com a prática. Após saciar-se irá, provavelmente, dormir. ◦ “Após saciar-se irá, provavelmente, dormir.” ◦ Essa mudança foi resultado de aprendizagem ou de motivação? Walker, 1974.
  • 10.  Mudanças na situação de estímulos ◦ Avaliações em situações diferentes não permitem conclusão sobre a aprendizagem porque mudanças podem ocorrer em função da situação diferenciada.  A aprendizagem é uma mudança no desempenho que resulta da experiência e que não pode ser atribuída à maturação, à fadiga, à motivação, à mudanças na situação de estímulos nem a outros fatores – diferentes da aprendizagem – que possam ser identificados. Walker, 1974.
  • 11.  Mudança comportamental relativamente duradoura e devida a alguma experiência ou treino anterior; qualquer mudança permanente no comportamento e que resulta de experiência ou prática. Morgan, 1977.
  • 12.  Aprendizagem é uma modificação sistemática do comportamento, pelo exercício ou repetição, em função de condições ambientais e condições orgânicas. É a relação entre variáveis dependentes (modificação do comportamento) e variáveis independentes (ambientais- orgânicas). Campos, 1971.
  • 13.  mudança relativamente permanente em potencialidade comportamental que ocorre como um resultado de prática reforçada. Kimble, 1961.
  • 14.  mudança relativamente permanente em comportamento ou potencialidade comportamental que resulta da experiência e não pode ser atribuída a estados corporais temporários tais como induzidos por doenças, fadiga ou drogas. Hergenhahn & Olson, 1993.
  • 15.
  • 16. mudança relativamente permanente em comportamento ou potencialidade comportamental que resulta da experiência e não pode ser atribuída a estados corporais temporários tais como induzidos por doenças, fadiga ou drogas. Hergenhahn & Olson, 1993.
  • 18.  Algumas vezes a mudança não é observada imediatamente (jogador de futebol que aprende assistindo o jogo) e portanto diz-se que o potencial comportamental mudou.  Ex.: alunos em sala de aula.
  • 19.
  • 20.  Quantidade de apresentações e espaço no tempo:  sensibilização - processo pelo qual o organismo se torna mais responsivo a aspectos do ambiente. ◦ Após levar um choque ou passar por uma experiência difícil/deprimente pode produzir respostas a estímulos que anteriormente eram neutros; ◦ Uma aula em que o professor repete “né” no final de cada frase. ◦ Goteira na hora de dormir. ◦ Após ver um filme ficar “chorão” com outros estímulos. ◦ Tatuagem (?)  habituação: (continua)
  • 21.  Quantidade de apresentações e espaço no tempo:  Habituação: processo pelo qual o organismo se torna menos responsivo aos aspectos do ambiente, por exemplo estímulos novos prontamente produzem alguma resposta, mas sua continuidade pode produzir habituação (ruídos constantes) ◦ Susto com um relâmpago ◦ Cortar várias cebolas em um curto período de tempo (diminui a quantidade de lágrimas) ◦ Estar em um lugar barulhento e após algumas horas ter a impressão de que o barulho diminuiu.
  • 22.  Medida de desempenho em dois momentos  Certos eventos devem ter ocorrido entre os dois momentos da observação João não conseque ler a palavra “chave” João consegue ler a palavra “chave” Treino planejado envolvendo palavras com “CH”; acompanhamento específico
  • 23.  Considerar a maturação da criança  Ajustar-se a condição física e ao nível de habilidade que ela apresenta como resultado de aprendizagem prévia (testes em escolas de idiomas).  As condições de ensino são cruciais para verificar aprendizagem  Não aprender: o indivíduo pode ter dificuldade de aprendizagem sob X circunstâncias em que outras pessoas conseguem demonstrar aprendizado
  • 24.  O que fazer com uma criança que não consegue:  Tocar um instrumento?  Aprender a ler?  Apresentar trabalhos para a turma?  Ou adultos que não conseguem:  Dirigir?  Fazer amizades?  Utilizar um computador?
  • 25.  Em casos de não aprendizado, verificar as condições e ajustá-las: ◦ Idade ◦ Características físicas (problemas de visão, audição, etc) ◦ Nível de habilidade ◦ Repertório anterior (aprendizagens anteriores)  Nem sempre é fácil identificar em que condições um comportamento pode aparecer ou não.  Autismo  Dificuldade de aprendizagem  TDAH
  • 26. Evento Sim / Não Movimentar um braço descoordenadamente após sofrer um derrame Uma adolescente que parar de roer as unhas após receber críticas do namorado Uma criança que trocava o som de RR por L como dizer “calo” ao invés de “carro” e passa a pronunciar corretamente Um viciado em drogas fica com a fala diferente após sofrer lesões em áreas responsáveis pela fala Ficar com água na boca quando vê um embrulho da Kopenhagen NÃO SIM SIM NÃO ?