SlideShare uma empresa Scribd logo
Erick Rôso Huber
Comportamento social
 Por que as pessoas aprendem o
comportamento dos outros?
 Por que algumas vezes
imitamos outras pessoas?
 Por que algumas vezes fazemos
o contrário do que outras
pessoas fazem?
Definição
 “Comportamento de duas ou mais pessoas em relação
a uma outra ou em conjunto em relação ao ambiente
comum”
(Skinner, 2003, p. 325)
O que é comportamento social?
 Comportamento de duas ou mais
pessoas, um em relação ao(s)
outro(s)
 Comportamento controlado por
conseqüências fornecidas por
outra pessoa (reforço social)
 Ex.: cooperar, seguir, conduzir,
conversar, brigar, competir,
confortar, orientar, brincar,
educar, etc.
Ambiente Social
 O ambiente social é diferenciado?
 Sim, pois um organismo depende de outro
 Contingências entrelaçadas/conectadas
Reforço e Punição Social
 Reforço que requer presença de outras pessoas
 Reforço que é mediado por outras pessoas
 Atenção, aprovação, afeição, submissão
 Punição social: desaprovação, desprezo, ridículo,
insulto
Reforço e Punição Social
 Varia de momento para momento, dependendo da
condição do agente reforçador
 Comportamento social mais extenso que
comportamento em ambiente não-social
O grupo como unidade
que se comporta
O grupo como unidade que se
comporta
 Família, clã, nação, raça
 Variáveis criadas pelo grupo que reforçam comportamento
de reunião ou conformação
 Primeiro: verificar as contingências particulares que
controlam o comportamento dos cooperadores
 Líder?
 Liderado?
 Ideologia?
 Medo?
 Proteção?
 Afirmação?
O grupo como unidade que se
comporta
 Comportar-se como outros se
comportam – grande
possibilidade de ser reforçado
 Você vê uma fila grande, o que
faz?
 Muita gente em frente uma
vitrine, o que faz?
 Juntar-se a um grupo aumenta
chance de reforço
Comportamento Social e Mídia
 Evidência de que o
comportamento violento
apresentado pelos canais de
comunicação leva algumas
pessoas a cometerem atos de
violência imitativas
 Pesquisas em laboratório –
influência de jogos e filmes
em comportamento infantil
Processo Cultural
 O que é cultura?
 Cada sociedade humana possui cultura própria e
característica
 Franceses, americanos, russos, italianos, alemães, brasileiros?
 Cultura – soma total, integrada, das características de
comportamento aprendido que são manifestas nos
membros de uma sociedade e compartilhadas por
todas.
 Por que as pessoas aprendem o
comportamento dos outros?
 Por que algumas vezes
imitamos outras pessoas?
 Por que algumas vezes fazemos o
contrário do que outras pessoas
fazem?
Tipos de Seleção
1. Seleção filogenética
seleção de populações de organismos ao longo
do tempo evolucionário
2. Seleção ontongenética
modelagem do comportamento por suas
consequências, durante a vida de um
organismo individual
Tipos de Seleção
3. Seleção cultural:
sobrevivência de padrões de comportamento à
medida que são passados de um indivíduo para
outros
 Também opera sobre o cto mas envolve mais do que
um organismo
 Cto sobrevive à morte do organismo que o aprendeu
 Cto sobrevive mesmo no cto de outros não
geneticamente relacionados.
Imitação
 Imitação como resposta operante
 A aprendizagem observacional envolve situações nas
quais o estímulo discriminativo é o comportamento de
outra pessoa e a resposta apropriada é um
comportamento semelhante por parte do observador
(Miller & Dollard, 1941)
Fatores que influenciam
 Afetando a probabilidade de ocorrência de imitação
 Consequências para o modelo
 Consequências para o aprendiz
O que é cto social?
 Comportamento de duas ou mais pessoas,
um em relação ao(s) outro(s)
 Comportamento controlado por
conseqüências fornecidas por outra pessoa
(reforço social)
 Ex.: cooperar, seguir, conduzir, conversar,
brigar, competir, confortar, orientar,
brincar, educar, etc.
 Contato frequente com situações onde podemos
observar o cto de outras pessoas
 Diferentes maneiras de sermos afetados por
modelos sociais
 EFEITOS MODELADORES:
 Aprendizagem vicariante
 Efeitos inibidores e desinibidores
 Efeitos de facilitação da resposta
Aprendizagem Vicariante Imitar um cto simplesmente olhando
 Envolve aprendizagem de novo cto
 Ex.: Em um novo emprego, observar como
executivos se vestem, andam, falam
 Cto do modelo “passos a frente” da habilidade
do observador = imitação fracassada
 Requer mais modelação, modelagem, regras
Aprendizagem Vicariante
Palavra imitação = conotações negativas
Normalmente não conduz a imitações
exatas:
 Observador introduz características novas na
reprodução refletindo aspectos particulares de seu
repertório comportamental
 Modelos múltiplos
Efeitos inibidores e desinibidores
 A pb de operantes já aprendidos é alterada com a
observação do modelo
 Nenhum cto novo é aprendido
 Efeito inibidor: Modelo punido por um cto diminui a
pb do observador emitir este cto
 Ex.: grupo de amigos criticam o fumante, diminui a pb do
observador fumar
 Efeito desinibidor: Modelo reforçado por um cto,
aumenta a pb do observador emitir este cto
 Ex.: estudante vê grupo de amigas usando bolsa rosa
Efeitos de facilitação da resposta
 Cto do modelo serve como SD para uma
resposta similar do observador
 Não envolve nova aprendizagem
 Não altera a pb de emissão do cto de forma
duradoura
 Efeito passageiro
Facilitação Social
 O cto de uma pessoa facilita que a outra faça a
mesma coisa
 Ex.: multidão como SD para parar e olhar
Aprendizagem Vicariante
 Fatores que favorecem:
1. Cto do modelo é reforçado
 Respostas emocionais do modelo (Ex.: pai é músico e
mãe é médica)
 Características de um modelo (admiração, respeito pelo
modelo)
2. Semelhança entre observador e modelo
Aprendizagem Vicariante
3. Semelhança de cto
 Ex.: Pessoas observam e copiam os outros porque
estão envolvidas em atividades semelhantes
 Ex.: Fim da palestra
Aprendizagem Vicariante
4. Visibilidade do cto a ser imitado
 Ex.: assobiar
5. Facilidade do cto a ser imitado
 Ex.: tocar guitarra
Aprendizagem Vicariante Fatores que determinam quando e como a
observação afetará o desempenho
1. Reforçamento passado (reforço/punição do cto
imitado, aumenta/diminui a pb de emitir este
cto)
 Comportamento (aprende quais ctos dever ser
emitados)
Ex.: cto do menino é reforçado ao imitar o
pai e punido ao imitar a mãe
Aprendizagem Vicariante
 Modelos (aprende que imitar algumas pessoas é mais
reforçador que imitar outras)
 Imitar pessoas competentes
 Contextos (aprende que um cto pode ser reforçado em
determinado contexto e não em outros
 Reforçamento atual (padrões de reforçamento e
punição atuais do modelo)
 Ex.: ganhar dinheiro no papa níqueis
Aprendizagem Vicariante Imitação inversa
 Quando o observador emite uma resposta que é o
contrário do comportamento modelo
1. Cto do observador deve completar o do modelo
 EX.: duas pessoas dançando valsa
2. Reforçamento por ser diferente do modelo
 Ex.: amigo sem capacete sofreu acidente
Meios de comunicação de massa
 Evidência de que o cto violento apresentado pelos
canais de comunicação leva algumas pessoas a
cometerem atos de violência imitativas
 Pesquisas em laboratório
Aprendizagem Vicariante
x Imitação
 Imitação:
 cto do observador corresponde ao cto que o
organismo observou
 Organismo duplica o cto modelado por um outro
organismo
 Não implica em que o organismo que imita tenha
aprendido alguma coisa sobre as contingências
 Aprendizagem Vicariante:
 Inclui discriminações sutis das ações das ações de
um outro organismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
Eliane Almeida
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
Lucas Vinícius
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Inteligencia emocional
Inteligencia emocionalInteligencia emocional
Inteligencia emocional
António Moreira
 
Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbal
Psicologia_2015
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Empatia slide share
Empatia slide shareEmpatia slide share
Empatia slide share
Tatiana Fukamati
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
Cassia Dias
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
Silvio Mmax
 
Valores
ValoresValores
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
Nadini de Sousa
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
As Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionaisAs Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionais
MnicaAlexandre9
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Grasiela Dourado
 

Mais procurados (20)

Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Inteligencia emocional
Inteligencia emocionalInteligencia emocional
Inteligencia emocional
 
Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbal
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Empatia slide share
Empatia slide shareEmpatia slide share
Empatia slide share
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Autoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vidaAutoconhecimento e projeto de vida
Autoconhecimento e projeto de vida
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
As Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionaisAs Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionais
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
 

Destaque

Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabuladosDistúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
Unesp
 
Içami tiba -_quem_ama_educa
Içami tiba -_quem_ama_educaIçami tiba -_quem_ama_educa
Içami tiba -_quem_ama_educa
Eliane Silvério Almeida
 
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticos
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticosQuem ama, educa! Formando cidadãos éticos
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticos
Emmanuelle Samara Both
 
Problema de comportamento em cavalos
Problema de comportamento em cavalosProblema de comportamento em cavalos
Problema de comportamento em cavalos
Pedro Carvalho
 
Quem ama educa.
Quem ama educa.Quem ama educa.
Quem ama educa.
Wilma Barbosa
 
Construção do Cidadão - Dr. Içami Tiba
Construção do Cidadão - Dr. Içami TibaConstrução do Cidadão - Dr. Içami Tiba
Construção do Cidadão - Dr. Içami Tiba
guestb69a46
 
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adultoPuberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Van Der Häägen Brazil
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Michele Pó
 
Design do Comportamento Humano
Design do Comportamento HumanoDesign do Comportamento Humano
Design do Comportamento Humano
UTFPR
 
A gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescenciaA gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescencia
cefaprodematupa
 
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolarObservação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Rita Brito
 
Assistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à SaúdeAssistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à Saúde
Centro Universitário Ages
 
A mulher e a filosofia
A mulher e a filosofiaA mulher e a filosofia
A mulher e a filosofia
Ilza Brito
 
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
Míriam Martinho
 
Drogas i
Drogas iDrogas i
Drogas e sexualidade
Drogas e sexualidadeDrogas e sexualidade
Drogas e sexualidade
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Ser mulher.pptx
Ser mulher.pptxSer mulher.pptx
Ser mulher.pptx
Ricardo Alexandre
 
Equipe multidisciplinar 2013
Equipe multidisciplinar 2013Equipe multidisciplinar 2013
Equipe multidisciplinar 2013
Hildegard Sondahl
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
Maria Clara Figueiredo
 

Destaque (20)

Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabuladosDistúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
Distúrbios comportamentais dos cavalos quando estabulados
 
Içami tiba -_quem_ama_educa
Içami tiba -_quem_ama_educaIçami tiba -_quem_ama_educa
Içami tiba -_quem_ama_educa
 
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticos
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticosQuem ama, educa! Formando cidadãos éticos
Quem ama, educa! Formando cidadãos éticos
 
Problema de comportamento em cavalos
Problema de comportamento em cavalosProblema de comportamento em cavalos
Problema de comportamento em cavalos
 
Quem ama educa.
Quem ama educa.Quem ama educa.
Quem ama educa.
 
Construção do Cidadão - Dr. Içami Tiba
Construção do Cidadão - Dr. Içami TibaConstrução do Cidadão - Dr. Içami Tiba
Construção do Cidadão - Dr. Içami Tiba
 
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adultoPuberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
Puberdade é maturação mais rápida do corpo até adulto
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Design do Comportamento Humano
Design do Comportamento HumanoDesign do Comportamento Humano
Design do Comportamento Humano
 
A gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescenciaA gravidez na adolescencia
A gravidez na adolescencia
 
Observação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolarObservação em contexto educativo - pré-escolar
Observação em contexto educativo - pré-escolar
 
Assistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à SaúdeAssistência Multidisciplinar à Saúde
Assistência Multidisciplinar à Saúde
 
A mulher e a filosofia
A mulher e a filosofiaA mulher e a filosofia
A mulher e a filosofia
 
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
Prazer sem medo (sobre saúde e sexualidade para mulheres lésbicas)
 
Drogas i
Drogas iDrogas i
Drogas i
 
Drogas e sexualidade
Drogas e sexualidadeDrogas e sexualidade
Drogas e sexualidade
 
Ser mulher.pptx
Ser mulher.pptxSer mulher.pptx
Ser mulher.pptx
 
Equipe multidisciplinar 2013
Equipe multidisciplinar 2013Equipe multidisciplinar 2013
Equipe multidisciplinar 2013
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 

Semelhante a Comportamento social-v1

Aula_07 Bandura.pptx
Aula_07 Bandura.pptxAula_07 Bandura.pptx
Aula_07 Bandura.pptx
PAMELAPITAGORASFREIT
 
Aprendizagem Social
Aprendizagem SocialAprendizagem Social
Aprendizagem Social
Jorge Barbosa
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
aritovi
 
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docxTEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
MrioMabunda1
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
CENSUPEG-PÓS GRADUAÇÃO-JUQUIÁ-SP
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
Vânia Maia
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Alessandra Pereira
 
Mente humana 4
Mente humana 4Mente humana 4
Mente humana 4
Jorge Barbosa
 
Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
Teoria da Aprendizagem Socio-CognitivaTeoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
Teoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
Renata Aprá Viana
 
Relacão Interpessoal
Relacão InterpessoalRelacão Interpessoal
Relacão Interpessoal
Valdenir Pereira
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
Rolando Almeida
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
Natália Araújo
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
Eduardo Bessa
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
Monalisa Costa
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Dorinha Alves Alves Ferreira
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Márcia Franco
 

Semelhante a Comportamento social-v1 (20)

Aula_07 Bandura.pptx
Aula_07 Bandura.pptxAula_07 Bandura.pptx
Aula_07 Bandura.pptx
 
Aprendizagem Social
Aprendizagem SocialAprendizagem Social
Aprendizagem Social
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
 
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docxTEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
TEORIA DA APRENDIZAGEM POR MODELAGEM.docx
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
 
Mente humana 4
Mente humana 4Mente humana 4
Mente humana 4
 
Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
Teoria da Aprendizagem Socio-CognitivaTeoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
Teoria da Aprendizagem Socio-Cognitiva
 
Relacão Interpessoal
Relacão InterpessoalRelacão Interpessoal
Relacão Interpessoal
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01
 
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
Psicologiadaaprendizagem 140124113741-phpapp01 (1)
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
Nilson Dias Castelano
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Comportamento social-v1

  • 2. Comportamento social  Por que as pessoas aprendem o comportamento dos outros?  Por que algumas vezes imitamos outras pessoas?  Por que algumas vezes fazemos o contrário do que outras pessoas fazem?
  • 3. Definição  “Comportamento de duas ou mais pessoas em relação a uma outra ou em conjunto em relação ao ambiente comum” (Skinner, 2003, p. 325)
  • 4. O que é comportamento social?  Comportamento de duas ou mais pessoas, um em relação ao(s) outro(s)  Comportamento controlado por conseqüências fornecidas por outra pessoa (reforço social)  Ex.: cooperar, seguir, conduzir, conversar, brigar, competir, confortar, orientar, brincar, educar, etc.
  • 5. Ambiente Social  O ambiente social é diferenciado?  Sim, pois um organismo depende de outro  Contingências entrelaçadas/conectadas
  • 6. Reforço e Punição Social  Reforço que requer presença de outras pessoas  Reforço que é mediado por outras pessoas  Atenção, aprovação, afeição, submissão  Punição social: desaprovação, desprezo, ridículo, insulto
  • 7. Reforço e Punição Social  Varia de momento para momento, dependendo da condição do agente reforçador  Comportamento social mais extenso que comportamento em ambiente não-social
  • 8. O grupo como unidade que se comporta
  • 9. O grupo como unidade que se comporta  Família, clã, nação, raça  Variáveis criadas pelo grupo que reforçam comportamento de reunião ou conformação  Primeiro: verificar as contingências particulares que controlam o comportamento dos cooperadores  Líder?  Liderado?  Ideologia?  Medo?  Proteção?  Afirmação?
  • 10. O grupo como unidade que se comporta  Comportar-se como outros se comportam – grande possibilidade de ser reforçado  Você vê uma fila grande, o que faz?  Muita gente em frente uma vitrine, o que faz?  Juntar-se a um grupo aumenta chance de reforço
  • 11. Comportamento Social e Mídia  Evidência de que o comportamento violento apresentado pelos canais de comunicação leva algumas pessoas a cometerem atos de violência imitativas  Pesquisas em laboratório – influência de jogos e filmes em comportamento infantil
  • 12. Processo Cultural  O que é cultura?  Cada sociedade humana possui cultura própria e característica  Franceses, americanos, russos, italianos, alemães, brasileiros?  Cultura – soma total, integrada, das características de comportamento aprendido que são manifestas nos membros de uma sociedade e compartilhadas por todas.
  • 13.
  • 14.  Por que as pessoas aprendem o comportamento dos outros?  Por que algumas vezes imitamos outras pessoas?  Por que algumas vezes fazemos o contrário do que outras pessoas fazem?
  • 15. Tipos de Seleção 1. Seleção filogenética seleção de populações de organismos ao longo do tempo evolucionário 2. Seleção ontongenética modelagem do comportamento por suas consequências, durante a vida de um organismo individual
  • 16. Tipos de Seleção 3. Seleção cultural: sobrevivência de padrões de comportamento à medida que são passados de um indivíduo para outros  Também opera sobre o cto mas envolve mais do que um organismo  Cto sobrevive à morte do organismo que o aprendeu  Cto sobrevive mesmo no cto de outros não geneticamente relacionados.
  • 17. Imitação  Imitação como resposta operante  A aprendizagem observacional envolve situações nas quais o estímulo discriminativo é o comportamento de outra pessoa e a resposta apropriada é um comportamento semelhante por parte do observador (Miller & Dollard, 1941)
  • 18.
  • 19. Fatores que influenciam  Afetando a probabilidade de ocorrência de imitação  Consequências para o modelo  Consequências para o aprendiz
  • 20. O que é cto social?  Comportamento de duas ou mais pessoas, um em relação ao(s) outro(s)  Comportamento controlado por conseqüências fornecidas por outra pessoa (reforço social)  Ex.: cooperar, seguir, conduzir, conversar, brigar, competir, confortar, orientar, brincar, educar, etc.
  • 21.  Contato frequente com situações onde podemos observar o cto de outras pessoas  Diferentes maneiras de sermos afetados por modelos sociais  EFEITOS MODELADORES:  Aprendizagem vicariante  Efeitos inibidores e desinibidores  Efeitos de facilitação da resposta
  • 22. Aprendizagem Vicariante Imitar um cto simplesmente olhando  Envolve aprendizagem de novo cto  Ex.: Em um novo emprego, observar como executivos se vestem, andam, falam  Cto do modelo “passos a frente” da habilidade do observador = imitação fracassada  Requer mais modelação, modelagem, regras
  • 23. Aprendizagem Vicariante Palavra imitação = conotações negativas Normalmente não conduz a imitações exatas:  Observador introduz características novas na reprodução refletindo aspectos particulares de seu repertório comportamental  Modelos múltiplos
  • 24. Efeitos inibidores e desinibidores  A pb de operantes já aprendidos é alterada com a observação do modelo  Nenhum cto novo é aprendido  Efeito inibidor: Modelo punido por um cto diminui a pb do observador emitir este cto  Ex.: grupo de amigos criticam o fumante, diminui a pb do observador fumar  Efeito desinibidor: Modelo reforçado por um cto, aumenta a pb do observador emitir este cto  Ex.: estudante vê grupo de amigas usando bolsa rosa
  • 25. Efeitos de facilitação da resposta  Cto do modelo serve como SD para uma resposta similar do observador  Não envolve nova aprendizagem  Não altera a pb de emissão do cto de forma duradoura  Efeito passageiro
  • 26. Facilitação Social  O cto de uma pessoa facilita que a outra faça a mesma coisa  Ex.: multidão como SD para parar e olhar
  • 27. Aprendizagem Vicariante  Fatores que favorecem: 1. Cto do modelo é reforçado  Respostas emocionais do modelo (Ex.: pai é músico e mãe é médica)  Características de um modelo (admiração, respeito pelo modelo) 2. Semelhança entre observador e modelo
  • 28. Aprendizagem Vicariante 3. Semelhança de cto  Ex.: Pessoas observam e copiam os outros porque estão envolvidas em atividades semelhantes  Ex.: Fim da palestra
  • 29. Aprendizagem Vicariante 4. Visibilidade do cto a ser imitado  Ex.: assobiar 5. Facilidade do cto a ser imitado  Ex.: tocar guitarra
  • 30. Aprendizagem Vicariante Fatores que determinam quando e como a observação afetará o desempenho 1. Reforçamento passado (reforço/punição do cto imitado, aumenta/diminui a pb de emitir este cto)  Comportamento (aprende quais ctos dever ser emitados) Ex.: cto do menino é reforçado ao imitar o pai e punido ao imitar a mãe
  • 31. Aprendizagem Vicariante  Modelos (aprende que imitar algumas pessoas é mais reforçador que imitar outras)  Imitar pessoas competentes  Contextos (aprende que um cto pode ser reforçado em determinado contexto e não em outros  Reforçamento atual (padrões de reforçamento e punição atuais do modelo)  Ex.: ganhar dinheiro no papa níqueis
  • 32. Aprendizagem Vicariante Imitação inversa  Quando o observador emite uma resposta que é o contrário do comportamento modelo 1. Cto do observador deve completar o do modelo  EX.: duas pessoas dançando valsa 2. Reforçamento por ser diferente do modelo  Ex.: amigo sem capacete sofreu acidente
  • 33. Meios de comunicação de massa  Evidência de que o cto violento apresentado pelos canais de comunicação leva algumas pessoas a cometerem atos de violência imitativas  Pesquisas em laboratório
  • 34. Aprendizagem Vicariante x Imitação  Imitação:  cto do observador corresponde ao cto que o organismo observou  Organismo duplica o cto modelado por um outro organismo  Não implica em que o organismo que imita tenha aprendido alguma coisa sobre as contingências  Aprendizagem Vicariante:  Inclui discriminações sutis das ações das ações de um outro organismo

Notas do Editor

  1. – comportamento sexual, lutas,
  2. Cada sociedade humana possui cultura própria e característica – comportamentos semelhantes para cada cultura.