SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Causas Internas e Externas
Variáveis dos quais o comportamento é função
Ambiente imediato e história ambiental
Análise Funcional
Relação funcional
Fontes de Informação sobre o comportamento
Observações casuais, de campo controlada, clínica, pesquisa aplicada,
estudo com animais em laboratório, estudos com humanos em laboratórios,
VI e VD
Como avaliar a probabilidade de ocorrência de um comportamento?
Elenice S. Hanna
Erick R. Huber
Qual o objeto de estudo da Psicologia?
 “O estudo da mente”
 O que é mente?
 “O estudo do comportamento”
 O que é comportamento?
 Ainda não há, entre os psicólogos, um consenso sobre qual
o objeto de estudo da Psicologia.
 O objetivo final é a compreensão do comportamento
humano.
Todorov, 1989; Matos, 1997.
Comportamento e Interação
 A Psicologia estuda interações de
organismos, vistos como um
todo, com seu ambiente.
 O homem como parte da
natureza
 Nem acima do reino animal
 Nem como robôs respondendo a
pressões do ambiente
Harzem e Miles, 1978.
Comportamento e Interação
 “Os homens agem sobre o mundo,
modificando-o e, por sua vez são
modificados pelas consequências de sua
ação”.
 Quando o meio se modifica, antigos
comportamentos desaparecem enquanto
novas consequências produzem novas
formas de comportamento.
Skinner, 1978.
Probabilidade de
ligação no celular
Probabilidade de
ligação no fixo
Probabilidade de
ligação no fixo
Comportamento e Interação
 A idéia de que o ambiente
promove mudanças
comportamentais não é nova, não
é exclusiva da Psicologia ou
mesmo do Comportamentalismo.
 O que faz da Análise do
Comportamento uma ciência
distinta é a amplitude do uso e da
exploração das possibilidades
(hospitais, escolas, indústrias,
esporte, empresas, governo, etc).
Todorov, 1989.
Com o que o Behaviorista Radical trabalha?
 Ele trabalha com comportamento?
 Ele estuda e trabalha com contingências comportamentais, ou seja,
com o comportar-se dentro de contextos.
 Observar propriedades do ambiente e propriedades do
comportamento.
 Com uma análise experimental é possível determinar se existem alguns
tipos de relações entre essas propriedades do ambiente e o
comportamento. Para isso é preciso avaliar o comportamento e o
contexto em que ele ocorre ao longo de extensos períodos de tempo.
 Mas, o que é comportamento e o que é ambiente?
Matos, 1997; Catania, 1999.
 O comportamento pode ser analisado em diferentes
graus de complexidade.
 Complexidade não entendida como
quantidade/qualidade de músculos ou glândulas
envolvidas ou movimentos executados mas sim a
consideração do contexto.
 Não há sentido uma descrição do comportamento sem
referência ao ambiente
Com o que o Behaviorista Radical trabalha?
Todorov, 1989; Matos, 1997.
O que é o ambiente?
 “Duas pessoas estão no mesmo lugar”; “duas crianças
que foram criados na mesma casa”
 Compreensão estreita do conceito de ambiente
 Refere-se ao mundo físico (as coisas materiais), ao
mundo social (interação entre ou com outras pessoas),
nossa história de vida e nossa interação com nós
mesmos
O que é comportamento?
 “Comportamento é apenas parte da atividade total de um
organismo, é aquilo que um organismo está fazendo, é aquela
parte do funcionamento de um organismo envolvido em agir
sobre, ou em interação com o mundo externo. Por
comportamento então, eu me refiro simplesmente ao
movimento de um organismo, ou de suas partes, num quadro
de referência fornecido pelo organismo ele próprio, ou por
vários objetos ou campos de força externos. É conveniente falar
disto como a ação do organismo sobre o mundo externo, e é
frequentemente desejável lidar com um efeito mais do que
com o movimento em si mesmo”.
Skinner, 1938.
O que é comportamento?
 Comportar-se é uma função biológica do organismo, como
respirar, digerir, crescer.
 Dinâmico, processo, relação, multideterminado
 A diferença é que o comportamento é ação.
 “parte do funcionamento de um organismo envolvido em agir
sobre, ou em interação com o mundo externo” (Skinner,
1938).
 Mundo externo: não é aquilo que está fora da pele, mas
tudo que está fora da ação.
Matos, 1997.
 “e é frequentemente desejável lidar com um efeito
mais do que com o movimento em si mesmo”.
 Aquilo que encerra ou define o encerramento da
ação e não no sentido de fim a ser atingido.
O que é comportamento?
O que é comportamento?
 Em decorrência de
interações passadas, os
comportamentos atuais
são controlados por seus
estímulos antecedentes
(situações) e por seus
estímulos consequentes
(ou consequências).
Estímulo e Resposta
 Estímulo – evento anterior
 “uma parte ou mudança de uma parte do ambiente”
 Resposta
 “uma parte ou mudança em uma parte do comportamento”
 Um estímulo não pode ser definido independentemente de
uma resposta
 Estímulos são eventos no mundo e respostas são instâncias
do comportamento
Catania, 1999.
Estímulo e Resposta
 Quais são os estímulos no exemplo?
 Risadas?
 O chamado do pai?
 A fala de uma mulher “I love that”?
 Provavelmente cada um deles possui alguma influência no
comportamento do menino.
 Para avaliar qual deles controla o comportamento dele, seria
necessário separar os estímulos e ver qual deles produz resposta.
 Qual (ou quais) as respostas?
 “Evil eye”
 Ele dá apenas uma resposta ou várias respostas?
 Classe de Respostas
- Adquiridas e mantidas pelas mesmas
conseqüências
- Termo classe é necessário porque a topografia
das respostas variam.
- No vídeo, cada “evil eye” do garoto é uma
resposta, com topografias diferentes mas com a
mesma função, ou seja, cada resposta produz a
mesma consequência.
Classe de Respostas
Gritar;
Tocar a
campainha;
Chutar;
Bater com a mão. Classe de Resposta –
Produzem a mesma
consequência: ser
recebido por alguém.
Gritar;
Tocar a
campainha;
Chutar;
Bater com a mão.
Ser recebido por
alguém.
Dono da casa chamar a
polícia.
São operantes da mesma classe?
Não, pois produzem consequências diferentes.
Contingência
 Instrumento para o estudo de interações
 Regras que especificam relações entre eventos ambientais ou entre
comportamentos e eventos ambientais
 “Se, então”
 Se nuvem escura, então alta probabilidade de chuva
 Se mamadeira agora, então próxima mamadeira daqui 2 horas.
 São utilizadas na procura por relações funcionais
 Relação entre resposta e eventos ambientais
 Se eu levo guarda chuva quando nuvem escura, então alta probabilidade de não
me molhar
 Relação temporal: contiguidade
 Contíguos: “próximos”. Quanto maior a proximidade entre dois eventos, mais
efica a contingência é.
Exemplo
 Um namorado que não atende o celular em 90% das vezes que a
namorada liga. Esse mesmo namorado atende o telefone fixo em 80%
das vezes.
 Onde a namorada irá ligar primeiro?
 Provavelmente no fixo.
 Digamos que a mãe do namorado e a namorada se odeiam e
eventualmente a mãe do namorado é quem atende os chamados do
fixo. É mais ou menos provável que a namorada tente contato pelo
telefone fixo caso isso aconteça com mais frequência?
 Caso a mãe do namorado viaje, o que acontece?
 Provavelmente a namorada voltará a ligar no telefone fixo, talvez até vá
mais vezes à casa do namorado.
 Enfim, o ponto aqui é: mudanças no ambiente (nas interações)
produzem mudanças no comportamento [nesse caso, da namorada].

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeNilson Dias Castelano
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoAndre Thieme
 
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoYasmin Behrmann
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologiaLaércio Góes
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoNarayane Farias
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteTalita Queiroz
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovEduardo Manfré
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerThiago de Almeida
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosThales Rocha
 
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoSlide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoestudosacademicospedag
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptBruna Talita
 

Mais procurados (20)

O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do ComportamentoBehaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
Behaviorismo x Análise Experimental do Comportamento
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamentoRelatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
Relatório de aulas práticas de análise experimental do comportamento
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Teoria Comportamental
Teoria  ComportamentalTeoria  Comportamental
Teoria Comportamental
 
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
Terapia Racional Emotiva Comportamental: visão geral.
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
 
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacaoSlide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
Slide psicologia da aprendizagem-posgraduacao
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 

Destaque

Análise do comportamento aplicada à educação
Análise do comportamento aplicada à educaçãoAnálise do comportamento aplicada à educação
Análise do comportamento aplicada à educaçãoIara Andriele Carvalho
 
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...Ana Arantes
 
Aula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da GestaltAula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da GestaltDanilo Aroeira
 
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)Técnicas de modelagem de teste (parte 1)
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)Fabrício Campos
 
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Ana Arantes
 
Esquema de reforçamento
Esquema de reforçamentoEsquema de reforçamento
Esquema de reforçamentoTiago Malta
 
Análise de correlação
Análise de correlaçãoAnálise de correlação
Análise de correlaçãoEconomia Silva
 
CéLulas Tronco (Power Point)
CéLulas Tronco (Power Point)CéLulas Tronco (Power Point)
CéLulas Tronco (Power Point)Bio
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestaltDiego Avila
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaAdriane Fernandes
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autistaSimoneHelenDrumond
 

Destaque (18)

Análise do comportamento aplicada à educação
Análise do comportamento aplicada à educaçãoAnálise do comportamento aplicada à educação
Análise do comportamento aplicada à educação
 
Leis da Gestalt
Leis da GestaltLeis da Gestalt
Leis da Gestalt
 
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...
Pré Requisitos Para Aprendizagem Relacional em Crianças com Histórico de Frac...
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Aula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da GestaltAula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da Gestalt
 
Gestaltpedagogia
GestaltpedagogiaGestaltpedagogia
Gestaltpedagogia
 
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)Técnicas de modelagem de teste (parte 1)
Técnicas de modelagem de teste (parte 1)
 
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
Análise do Comportamento Aplicada: usando avaliação funcional para identifica...
 
Gestalt Slides
Gestalt SlidesGestalt Slides
Gestalt Slides
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Esquema de reforçamento
Esquema de reforçamentoEsquema de reforçamento
Esquema de reforçamento
 
Análise de correlação
Análise de correlaçãoAnálise de correlação
Análise de correlação
 
Condutas
CondutasCondutas
Condutas
 
CéLulas Tronco (Power Point)
CéLulas Tronco (Power Point)CéLulas Tronco (Power Point)
CéLulas Tronco (Power Point)
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Teoria da Gestalt
Teoria da GestaltTeoria da Gestalt
Teoria da Gestalt
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
 

Semelhante a Definições e conceitos básicos em análise do comportamento

Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagemGustavo Blank
 
4316578 (1).ppt
4316578 (1).ppt4316578 (1).ppt
4316578 (1).pptNcleoJoy
 
Aula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcionalAula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcionalPsicologia_2015
 
A Psicologia Como o Estudo de Interações
A Psicologia Como o Estudo de InteraçõesA Psicologia Como o Estudo de Interações
A Psicologia Como o Estudo de InteraçõesMárcio Borges Moreira
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismomairamatoscosta
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalLima Venancio
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoCaio Aguiar
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Caio Aguiar
 
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptxAula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptxRosangelaPagnota
 
Monografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemMonografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemGracieli Henicka
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalRésia Morais
 

Semelhante a Definições e conceitos básicos em análise do comportamento (20)

Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1Passo 2 2007 1
Passo 2 2007 1
 
Cap 3 Teorias da aprendizagem
Cap 3   Teorias da aprendizagemCap 3   Teorias da aprendizagem
Cap 3 Teorias da aprendizagem
 
4316578 (1).ppt
4316578 (1).ppt4316578 (1).ppt
4316578 (1).ppt
 
Aula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcionalAula 3 análise funcional
Aula 3 análise funcional
 
A Psicologia Como o Estudo de Interações
A Psicologia Como o Estudo de InteraçõesA Psicologia Como o Estudo de Interações
A Psicologia Como o Estudo de Interações
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 
Educação
EducaçãoEducação
Educação
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
Humanismo x Behaviorismo
Humanismo x BehaviorismoHumanismo x Behaviorismo
Humanismo x Behaviorismo
 
O behaviorismo
O behaviorismoO behaviorismo
O behaviorismo
 
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
 
Psicologia do trabalho
Psicologia do trabalhoPsicologia do trabalho
Psicologia do trabalho
 
Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)Psicologia do trabalho (1)
Psicologia do trabalho (1)
 
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptxAula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
 
Monografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemMonografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagem
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
 
Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1Passo 14 2007 1
Passo 14 2007 1
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissionalNilson Dias Castelano
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoNilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaNilson Dias Castelano
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Nilson Dias Castelano
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineNilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Definições e conceitos básicos em análise do comportamento

  • 1. Causas Internas e Externas Variáveis dos quais o comportamento é função Ambiente imediato e história ambiental Análise Funcional Relação funcional Fontes de Informação sobre o comportamento Observações casuais, de campo controlada, clínica, pesquisa aplicada, estudo com animais em laboratório, estudos com humanos em laboratórios, VI e VD Como avaliar a probabilidade de ocorrência de um comportamento?
  • 3. Qual o objeto de estudo da Psicologia?  “O estudo da mente”  O que é mente?  “O estudo do comportamento”  O que é comportamento?  Ainda não há, entre os psicólogos, um consenso sobre qual o objeto de estudo da Psicologia.  O objetivo final é a compreensão do comportamento humano. Todorov, 1989; Matos, 1997.
  • 4. Comportamento e Interação  A Psicologia estuda interações de organismos, vistos como um todo, com seu ambiente.  O homem como parte da natureza  Nem acima do reino animal  Nem como robôs respondendo a pressões do ambiente Harzem e Miles, 1978.
  • 5. Comportamento e Interação  “Os homens agem sobre o mundo, modificando-o e, por sua vez são modificados pelas consequências de sua ação”.  Quando o meio se modifica, antigos comportamentos desaparecem enquanto novas consequências produzem novas formas de comportamento. Skinner, 1978.
  • 6. Probabilidade de ligação no celular Probabilidade de ligação no fixo Probabilidade de ligação no fixo
  • 7. Comportamento e Interação  A idéia de que o ambiente promove mudanças comportamentais não é nova, não é exclusiva da Psicologia ou mesmo do Comportamentalismo.  O que faz da Análise do Comportamento uma ciência distinta é a amplitude do uso e da exploração das possibilidades (hospitais, escolas, indústrias, esporte, empresas, governo, etc). Todorov, 1989.
  • 8. Com o que o Behaviorista Radical trabalha?  Ele trabalha com comportamento?  Ele estuda e trabalha com contingências comportamentais, ou seja, com o comportar-se dentro de contextos.  Observar propriedades do ambiente e propriedades do comportamento.  Com uma análise experimental é possível determinar se existem alguns tipos de relações entre essas propriedades do ambiente e o comportamento. Para isso é preciso avaliar o comportamento e o contexto em que ele ocorre ao longo de extensos períodos de tempo.  Mas, o que é comportamento e o que é ambiente? Matos, 1997; Catania, 1999.
  • 9.  O comportamento pode ser analisado em diferentes graus de complexidade.  Complexidade não entendida como quantidade/qualidade de músculos ou glândulas envolvidas ou movimentos executados mas sim a consideração do contexto.  Não há sentido uma descrição do comportamento sem referência ao ambiente Com o que o Behaviorista Radical trabalha? Todorov, 1989; Matos, 1997.
  • 10. O que é o ambiente?  “Duas pessoas estão no mesmo lugar”; “duas crianças que foram criados na mesma casa”  Compreensão estreita do conceito de ambiente  Refere-se ao mundo físico (as coisas materiais), ao mundo social (interação entre ou com outras pessoas), nossa história de vida e nossa interação com nós mesmos
  • 11. O que é comportamento?  “Comportamento é apenas parte da atividade total de um organismo, é aquilo que um organismo está fazendo, é aquela parte do funcionamento de um organismo envolvido em agir sobre, ou em interação com o mundo externo. Por comportamento então, eu me refiro simplesmente ao movimento de um organismo, ou de suas partes, num quadro de referência fornecido pelo organismo ele próprio, ou por vários objetos ou campos de força externos. É conveniente falar disto como a ação do organismo sobre o mundo externo, e é frequentemente desejável lidar com um efeito mais do que com o movimento em si mesmo”. Skinner, 1938.
  • 12. O que é comportamento?  Comportar-se é uma função biológica do organismo, como respirar, digerir, crescer.  Dinâmico, processo, relação, multideterminado  A diferença é que o comportamento é ação.  “parte do funcionamento de um organismo envolvido em agir sobre, ou em interação com o mundo externo” (Skinner, 1938).  Mundo externo: não é aquilo que está fora da pele, mas tudo que está fora da ação. Matos, 1997.
  • 13.  “e é frequentemente desejável lidar com um efeito mais do que com o movimento em si mesmo”.  Aquilo que encerra ou define o encerramento da ação e não no sentido de fim a ser atingido. O que é comportamento?
  • 14.
  • 15. O que é comportamento?  Em decorrência de interações passadas, os comportamentos atuais são controlados por seus estímulos antecedentes (situações) e por seus estímulos consequentes (ou consequências).
  • 16. Estímulo e Resposta  Estímulo – evento anterior  “uma parte ou mudança de uma parte do ambiente”  Resposta  “uma parte ou mudança em uma parte do comportamento”  Um estímulo não pode ser definido independentemente de uma resposta  Estímulos são eventos no mundo e respostas são instâncias do comportamento Catania, 1999.
  • 17.
  • 18. Estímulo e Resposta  Quais são os estímulos no exemplo?  Risadas?  O chamado do pai?  A fala de uma mulher “I love that”?  Provavelmente cada um deles possui alguma influência no comportamento do menino.  Para avaliar qual deles controla o comportamento dele, seria necessário separar os estímulos e ver qual deles produz resposta.  Qual (ou quais) as respostas?  “Evil eye”  Ele dá apenas uma resposta ou várias respostas?  Classe de Respostas
  • 19. - Adquiridas e mantidas pelas mesmas conseqüências - Termo classe é necessário porque a topografia das respostas variam. - No vídeo, cada “evil eye” do garoto é uma resposta, com topografias diferentes mas com a mesma função, ou seja, cada resposta produz a mesma consequência. Classe de Respostas
  • 20. Gritar; Tocar a campainha; Chutar; Bater com a mão. Classe de Resposta – Produzem a mesma consequência: ser recebido por alguém.
  • 21. Gritar; Tocar a campainha; Chutar; Bater com a mão. Ser recebido por alguém. Dono da casa chamar a polícia. São operantes da mesma classe? Não, pois produzem consequências diferentes.
  • 22. Contingência  Instrumento para o estudo de interações  Regras que especificam relações entre eventos ambientais ou entre comportamentos e eventos ambientais  “Se, então”  Se nuvem escura, então alta probabilidade de chuva  Se mamadeira agora, então próxima mamadeira daqui 2 horas.  São utilizadas na procura por relações funcionais  Relação entre resposta e eventos ambientais  Se eu levo guarda chuva quando nuvem escura, então alta probabilidade de não me molhar  Relação temporal: contiguidade  Contíguos: “próximos”. Quanto maior a proximidade entre dois eventos, mais efica a contingência é.
  • 23. Exemplo  Um namorado que não atende o celular em 90% das vezes que a namorada liga. Esse mesmo namorado atende o telefone fixo em 80% das vezes.  Onde a namorada irá ligar primeiro?  Provavelmente no fixo.  Digamos que a mãe do namorado e a namorada se odeiam e eventualmente a mãe do namorado é quem atende os chamados do fixo. É mais ou menos provável que a namorada tente contato pelo telefone fixo caso isso aconteça com mais frequência?  Caso a mãe do namorado viaje, o que acontece?  Provavelmente a namorada voltará a ligar no telefone fixo, talvez até vá mais vezes à casa do namorado.  Enfim, o ponto aqui é: mudanças no ambiente (nas interações) produzem mudanças no comportamento [nesse caso, da namorada].

Notas do Editor

  1. O ponto aqui é: se o meio se modifica, formas antigas de comportamento desaparecem enquanto novas consequências produzem novas formas de comportamento.