SlideShare uma empresa Scribd logo
PSICOLOGIA:
Diferentes
Abordagens
Por Bruno Carrasco
Psicoterapeuta existencial
PSICOLOGIA
Etimologicamente, o termo psicologia é originado pela junção de duas
palavras gregas, “psyché” e “logos”:
“PSYCHÉ” + “LOGOS” = “PSYCHOLOGIA”
Psyché = alma, mente ou espírito.
Logos = estudo, razão ou compreensão.
Psicologia significa então o estudo da alma, do que é interno, não visível.
Atualmente, a psicologia é uma ciência que estuda as emoções, as atitudes, os
comportamentos, os pensamentos, a aprendizagem, a memória, a linguagem,
a subjetividade, o desenvolvimento humano, entre outros temas.
Diferentes Abordagens
Não existe apenas uma maneira de entender o ser humano, mas diversas
abordagens e vertentes, cada uma delas possui um entendimento sobre o ser
humano, e de como este se desenvolve e como adoece psicologicamente.
Há três vertentes que embasam as distintas abordagens e terapêuticas: a
comportamental, que estuda os comportamentos observáveis; a
psicanálise, que interpreta os desejos e traumas inconscientes; e as
abordagens humanistas e existenciais, que valorizam a autonomia.
Cada uma delas segue seus estudos e práticas de acordo com suas buscas,
concepções, métodos, valores e objetivos.
ex-isto www.ex-isto.com
Não há como dizer que uma abordagem é “melhor” ou “pior” que a outra, pois
todas elas tem como intuito compreender o ser humano, utilizando de meios
e técnicas para lidar com as dificuldades e com o sofrimento emocional.
Para isso, cada uma se utiliza de saberes e práticas, compondo as diversas
teorias que são utilizadas na psicologia, tanto para o entendimento da psique,
como para sustentar o modo como lidar com as dificuldades, os conflitos
existenciais e as dores emocionais.
Nesta apresentação veremos brevemente algumas das principais abordagens
de psicologia e psicoterapia!
Intuito das distintas“Psicologias”
ex-isto www.ex-isto.com
Diferentes Abordagens em Psicologia
Psicanálise
Psicanálise
Foco: Inconsciente, traumas, conteúdos reprimidos, desejos proibidos.
Questões:
● Como o inconsciente influencia nossos sentimentos e ações?
● De que modo o inconsciente funciona?
● Como podemos entender nosso conteúdo inconsciente?
● Como lidar com traumas antigos que nos bloqueiam?
● Como acontece o desenvolvimento da sexualidade?
ex-isto www.ex-isto.com
Sigmund Freud
Sigmund Freud (1856-1939) foi um
médico neurologista alemão, criador
da Psicanálise.
Segundo ele, o inconsciente é a fonte
de impulsos, desejos reprimidos e
velhas lembranças. Ele realizou
muitas descobertas sobre sua teoria
fazendo autoanálise, analisando
seus sonhos rigorosamente e
também os de seus pacientes.
Psicanálise
A psicanálise compreende que nossos comportamentos e sentimentos são
regidos por desejos inconscientes. O objeto de estudo da psicanálise é o
inconsciente e sua análise é realizada por meio da fala do paciente e da
associação livre pelo psicanalista, que relaciona seu discurso com as
estruturas e elementos de seu inconsciente.
Busca, portanto, desvendar o funcionamento inconsciente, partindo do
pressuposto de que somos movidos por desejos e traumas inconscientes,
entendendo que as experiências traumáticas que atravessamos podem se
transformar em sintomas, e estes podem ser resolvidos por meio da análise
do funcionamento inconsciente.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicanálise
Psicanálise é uma das teorias mais conhecidas da psicologia, tendo como
foco analisar os elementos inconscientes da pessoa atendida e tratar seus
traumas.
O inconsciente é considerado tudo aquilo que sentimos, pensamos e
desejamos que não temos consciência. Seria como um local que não temos
acesso, que guarda nossos traumas passados e nossos desejos reprimidos.
A terapia psicanalítica acontece por meio do diálogo, e pode muito útil para
quem busca entender melhor e lidar com traumas e desenvolver maior
consciência de seu funcionamento inconsciente.
ex-isto www.ex-isto.com
Primeira Tópica
Consciente: é apenas uma parte de nosso funcionamento mental, o que
temos consciência do que pensamos, sentimos, falamos e fazemos, sendo
constituído pelas ideias que estamos cientes no momento.
Pré-Consciente: é constituído por elementos inconscientes que podem se
tornar conscientes quando direcionamos a atenção para eles, podendo ser
percebido nos sonhos ou nos atos falhos, por exemplo.
Inconsciente: é composto pelo que não temos consciência, onde estão
nossos desejos reprimidos, conteúdos censurados e pulsões inacessíveis à
consciência, que influencia nossos comportamentos e ações.
ex-isto www.ex-isto.com
Segunda Tópica
Id: é a fonte de nosso desejo libidinal, onde estão todas as energias psíquicas
e pulsões que possuem como intuito a obtenção do prazer.
Ego: ("eu", em grego) é resultante da tentativa de estabelecer equilíbrio entre
os desejos do id e as exigências da realidade e ordens morais do super-ego. Na
prática o que queremos é viver todo o tempo nosso "id" (desejos), mas há o
"super-ego" para nos proibir e controlar, e o "ego" surge como resultante da
tensão entre “id” e “super-ego”.
Super-Ego: é o representante das regras morais que nos impedem a realizar
desejos, que nos geram proibições e limites por meio de regras morais.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Desenvolvimento Psicossexual
Segundo Freud, a formação da personalidade está relacionada com o
desenvolvimento do instinto sexual, que se inicia no primeiro ano de vida.
Para ele, as diferenças individuais são marcadas pelo desenvolvimento dos
estágios psicossexuais de cada pessoa.
Se as questões de cada fase não forem resolvidas adequadamente, ou seja, se
não forem experimentados com a satisfação adequada, a pessoa pode se
tornar fixada numa certa fase, e procurar durante o resto da vida obter o
prazer de maneira neurótica num elemento não resolvido.
ex-isto www.ex-isto.com
Complexo de Édipo
Relacionado com o mito de Édipo, personagem da mitologia grega, que mata
o pai e casa-se com a mãe, Freud entende o complexo de édipo como um
aspecto muito importante no desenvolvimento sexual de toda pessoa, sendo
responsável por determinar grande parte de sua personalidade futura.
Segundo ele, a criança pequena (menino) sente desejo e atração por sua mãe,
por ser a primeira figura feminina que ele tem contato e que lhe oferece
carinho e cuidado. Com frequência, este menino irá sentir ciúmes do pai, pois
ele impede sua relação amorosa com a mãe. Para Freud, é essa imposição do
pai que faz com que o filho entenda que a mãe “já tem dono” e que, portanto,
deverá procurar outra mulher.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicoterapia Psicanalítica
O psicanalista trabalha por meio da associação livre de ideias, escutando a
pessoa e interpretando a sua fala com seus conteúdos inconscientes, para
tomar consciência de seu funcionamento inconsciente, defesas e traumas.
Na abordagem psicanalítica, a psicoterapia pode ser realizada com o paciente
deitado num divã, onde ele comenta livremente e sem restrições sobre suas
aflições, desejos, traumas, fantasias, sonhos, etc. Mas também pode
acontecer num sofá ou poltronas.
A terapia promove a vivência do conteúdo inconsciente, de modo a resolver
questões que estavam mal resolvidas, traumas e desejos reprimidos.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicologia Analítica
Carl Gustav Jung (1875-1961) foi um grande seguidor de Freud e da
Psicanálise, porém, com o tempo passou a desenvolver sua própria
abordagem em psicologia, que chamou de Psicologia Analítica.
Sua teoria possui bases na Psicanálise de Freud, porém há algumas
diferenças significativas.
A terapia Junguiana explora o universo simbólico da pessoa, não tão focado
em questões sexuais, mas no que Jung chama de “energia psíquica”, busca
compreender as relações entre a pessoa e seus sonhos, arquétipos, incluindo
a ideia de um “inconsciente coletivo”.
Psicologia Comportamental
ex-isto www.ex-isto.com
Psicologia Comportamental
Foco: Comportamento
Questões:
● Por que as pessoas se comportam de certa maneira?
● Como acontece a aprendizagem e o condicionamento?
● O que gera, o que mantém e o que diminui um comportamento?
● Como diminuir comportamentos que nos geram mal estar?
Método:
● Observação, análise, classificação, reforço e avaliação.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicologia Comportamental
A Psicologia Comportamental é uma teoria focada no alívio dos sintomas e
comportamentos desagradáveis e obtenção de resultados em curto prazo.
Parte do princípio de que nos movemos em busca do prazer e tentamos
evitar a dor, deste modo repetimos comportamentos que nos são
prazerosos e tentamos extinguir os que nos geram sofrimento.
Acredita que nossos comportamentos são aprendidos e que os
comportamentos indesejados podem ser substituídos por outros mais
adequados. Enquanto terapia, atua na modificação de comportamentos
indesejados e na aquisição de novos comportamentos adequados.
ex-isto www.ex-isto.com
Abordagem científica
O comportamentalismo, ou behaviorismo, é a abordagem da psicologia
mais científica, pois trata diretamente com os comportamentos observáveis,
que podem ser medidos e classificados.
Foi iniciado pelo estudo sobre o condicionamento animal, pelo fisiologista
russo Ivan Pavlov (1849-1936), e desenvolvido pelos psicólogos
estadounidenses John Watson (1878-1958) e Burrhus Skinner (1904-1990).
A Terapia Comportamental costuma ser muito indicada para situações de
sofrimento intenso, como no caso de fobias, pânico, depressão, alto nível de
ansiedade, compulsões agudas, entre outras.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicologia Comportamental
Comportamento é considerado como uma resposta ou reação da pessoa a
um estímulo, seja este observável ou não.
Para o tratamento, propõe a modificação dos comportamentos, por meio
duma intervenção a curto prazo, que muitas vezes envolve tarefas para a
pessoa realizar entre as sessões, partindo de objetivos definidos.
A depressão, por exemplo, é entendida como uma série de comportamentos
como alterações no sono e apetite, desesperança, choro excessivo, ideação
suicida e outros, esses comportamentos são relacionados com os históricos
que os determinaram e as situações presentes que os mantém.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicologia Comportamental
O terapeuta comportamental faz o levantamento criterioso dos eventos e
acontecimentos relacionados aos comportamentos indesejáveis do cliente.
Após esse levantamento, busca-se combater os comportamentos-problema, e
promover o aumento da frequência de comportamentos adequados,
desejáveis, funcionais e geradores de satisfação e felicidade.
A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) parte do entendimento de que
nossos comportamentos e sentimentos são frutos de nossos pensamentos e
do modo como valorizamos nossas experiências. Se controlarmos nossas
crenças, conseguimos alterar nossos sentimentos e comportamentos.
ex-isto www.ex-isto.com
“Daí-me uma dúzia de crianças sadias,bem formadas,e um
mundo de acordo com minhas especificações em que criá-las
e garanto que,tomando uma ao acaso,posso treiná-la para
que se torne qualquer tipo de especialista que se escolha –
médico,advogado,artista,comerciante-chefe e,sim,até
mendigo e ladrão –independente de suas inclinações,
tendências,talentos,habilidades,vocações e da raça de seus
ancestrais.”
(John Watson)
Abordagens Humanistas e Existenciais
Psicoterapia Existencial
Foco: Existência
Questões:
● O que é existir?
● Como nos pronunciamos no mundo?
● Qual o sentido da vida? Há um sentido?
● Quais são os valores sustentam nossa existência?
● O que fazemos de nossa vida e de nossas experiências?
● Como reagimos ao que experimentamos e sentimos?
● Como ir em busca do que nos faz sentir realizados?
ex-isto www.ex-isto.com
Existencialismo
O existencialismo é um conjunto de reflexões filosóficas e literárias sobre a
existência e a condição humana, em seu aspecto concreto e singular.
Concreto, no sentido de se opor a teorias abstratas e idealizações, e singular
por valorizar a pessoa em seu modo de ser particular.
Seus principais valores são a liberdade de escolha, o reconhecimento das
emoções e o respeito às diferenças. Somos livres para fazer escolhas e
responsáveis pelas consequências das escolhas que fazemos.
Estamos em permanente transformação, somos resultado das condições
que estamos inseridos mas também escolhemos a vida que levamos.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicoterapia Existencial
A psicoterapia existencial é uma constante busca do sentido que damos a
nossa própria vida, de modo que esteja alinhado com o que realmente
desejamos e com nosso modo de ser autêntico. Valoriza as experiências
subjetivas, compreendendo o indivíduo como um ser livre e único, que se faz
por meio de suas escolhas.
Não há uma essência que defina ou determine previamente como cada um
deve ser e viver sua vida, as pessoas se fazem, se desfazem e se refazem por
meio de suas experiências e escolhas de vida. Cada indivíduo é visto como
um ser singular, que possui valores e interesses próprios.
ex-isto www.ex-isto.com
Princípios
● Cada pessoa é um ser-no-mundo, isso significa que ela habita um mundo
com valores e significados, não há como compreender a pessoa fora
deste mundo, pois sempre está em relação-com;
● As pessoas são livres para fazer escolhas e responsáveis pelas
consequências de suas escolhas;
● O sentido de vida da pessoa muda com o tempo, o que é importante para
ela num período não é o mesmo que em outro;
● As pessoas estão em constante movimento e transformação;
● Criamos a nossa própria vida por meio das escolhas que fazemos e das
experiências que temos.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicoterapeuta existencial
A terapia existencial não trabalha com a ideia de um padrão do que seja
saúde ou doença, isso é relativo a cada indivíduo. O objetivo não é conduzir a
pessoa para um caminho nem ajustá-la a um modo de ser específico, mas
incentivar a tomada de consciência de seus sentimentos e valores, com a
intenção de ampliar suas possibilidades existenciais, para o encontro ou
criação de novos sentidos para sua vida.
Na medida em que o indivíduo toma consciência de si, acredita-se que ele se
aproxima de seu modo de ser autêntico, passando a fazer escolhas mais
coerentes com seus intuitos, se posicionando no mundo de acordo com o que
sente e quer, indo na direção de seus interesses genuínos.
ex-isto www.ex-isto.com
Psicoterapia Existencial
A psicoterapia existencial é uma abordagem terapêutica com foco na
existência e em sua relação com as pessoas, os espaços e consigo mesma.
Trata-se de um enfoque mais filosófico que científico, pois compreende que
cada indivíduo é singular e livre para escolher como viver sua vida, não há
uma receita de como devemos viver a vida.
Os problemas, as crises e os paradoxos fazem parte da vida, e surgem do
simples fato de viver. O objetivo desta terapia não é evitar os conflitos, mas
auxiliar a pessoa a lidar com suas dificuldades de maneira mais saudável e
autêntica, encontrando novas maneiras de lidar com seus sentimentos.
ex-isto www.ex-isto.com
“O mais importante não é aquilo
que fizeram de nós,mas o que
fazemos com o que fizeram de
nós.”
(Jean-Paul Sartre)
Abordagem Centrada na Pessoa
Abordagem Centrada na Pessoa
Foco: Emoções
Questões:
● Como perceber melhor os nossos sentimentos?
● Como ir de encontro com o desenvolvimento pessoal?
● Como valorizar o indivíduo de acordo com seu modo de ser?
● Como me aproximo da pessoa atendida, aceitando ela?
● Como compreender a pessoa do modo como ela se mostra?
ex-isto www.ex-isto.com
Carl Rogers
Proposta terapêutica criada pelo psicólogo
estadunidense Carl Rogers (1902-1987),
partindo da concepção de que toda pessoa
está se desenvolvendo para se melhorar e
superar seus obstáculos, numa tendência
constante para sentir-se bem.
O objetivo é promover o autoconhecimento e
amadurecimento da pessoa, respeitando seu
ritmo, e incentivando sua autenticidade para
lidar com os obstáculos de maneira autônoma.
Valores
● Entende que cada pessoa está sempre em busca de se desenvolver,
fazendo escolhas e alterando os eventos futuros, em busca de sentido,
valor e criatividade;
● O terapeuta se coloca com respeito e aceitação com relação aos modos
de ser e para com as escolhas de vida de cada pessoa;
● Busca a valorização das emoções e o desenvolvimento pessoal;
● Aceitação incondicional da pessoa do modo como se apresenta, de seus
sentimentos e valores sobre a vida;
● Possibilitar o desenvolvimento da pessoa de acordo com o que ela sente,
partindo da avaliação da própria pessoa sobre si mesma.
ex-isto www.ex-isto.com
Abordagem Centrada na Pessoa
Essa abordagem busca aproximar a pessoa dela mesma, acreditando no
potencial que cada um tem de se desenvolver, incentiva a tomada de
consciência dos sentimentos e comunicação de maneira autêntica.
Acredita que toda pessoa está em constante desenvolvimento, superando
seus obstáculos e se aprimorando, numa tendência ao equilíbrio.
O terapeuta respeita a pessoa tal como ela é, oferecendo condições para
promover seu autoconhecimento e amadurecimento emocional, em seu
ritmo, aceitando seus sentimentos em favor da autenticidade, valorizando o
sujeito como para elaborar a si mesmo e ampliar sua capacidade de ser.
ex-isto www.ex-isto.com
Abordagem Centrada na Pessoa
Acredita que cada pessoa está buscando constantemente sua realização
pessoal, e o uso pleno de suas potencialidades e capacidades para seu
desenvolvimento emocional e intelectual, vivendo sua jornada pessoal de seu
modo particular, onde não existem modelos prontos ou regras de como ser.
O processo terapêutico consiste num trabalho de cooperação entre o
terapeuta e a pessoa atendida, de modo a possibilitar relação autêntica,
promovendo o aumento da autoestima e da autoconfiança, incentivando o
amadurecimento psíquico de cada um. O terapeuta busca exercitar a empatia
de se colocar no lugar da pessoa, se aproximando desta emocionalmente.
ex-isto www.ex-isto.com
Abordagem Centrada na Pessoa
O terapeuta respeita a pessoa tal como ela é, oferecendo condições para que
possa se desenvolver de seu modo, aceitando e respeitando seus
sentimentos em favor da autenticidade, dando ênfase ao indivíduo no papel
central para elaborar a si mesmo, e ampliar a capacidade de ser.
Essa proposta se difere de outras concepções, que muitas vezes focam no
problema ou no passado da pessoa, buscando corrigir ou dar palpites sobre
sua vida. A abordagem centrada na pessoa observa a pessoa com intuito de
compreender seu sentimento presente, por meio da aceitação de como cada
pessoa sente, caminhando de acordo com os interesses e com o ritmo da
pessoa atendida e incentivando a sua autonomia.
ex-isto www.ex-isto.com
“A apreciação dos outros não me serve de
guia.Apenas uma pessoa pode saber que eu
procedo com honestidade,com aplicação,
com franqueza e com rigor,ou se o que faço
é falso,defensivo e fútil.E essa pessoa sou
eu mesmo.”
(Carl Rogers)
Quadro Comparativo
DIFERENÇAS ENTRE
ABORDAGENS NA 𝚿
COMPORTAMENTAIS
(Cognitiva, Comportamental)
PSICANALÍTICAS
(Freud, Jung, Lacan, Klein)
EXISTENCIAIS-HUMANISTAS
(Existencial, Gestalt-Terapia, ACP)
FOCO Comportamentos e crenças Inconsciente e traumas Existência e sentimentos
BUSCA Ajustar comportamentos Captar significados ocultos Compreender a singularidade
ORIENTAÇÃO Objetiva e observável Associação livre de ideias Subjetiva e experiencial
PROCEDIMENTO Adaptação e correção Escuta e interpretação Diálogo e autopercepção
OBJETIVO DA TERAPIA
Modificar comportamentos,
crenças e pensamentos
Entender o inconsciente e
lidar com traumas antigos
Compreender os afetos e
ampliar possibilidades de ser
BASES FILOSÓFICAS Positivismo e Pragmatismo Metafísica e Estruturalismo Fenomenológica e Existencial
TERMOS E CONCEITOS
Ajuste, crenças, transtornos,
pensamentos, reforço
Id, ego, superego, traumas,
desejos, recalque, projeção
Liberdade, escolhas, angústia,
conflitos, sentido da vida
SER HUMANO
(Concepção de)
Condicionado, orientado por
crenças sobre si e o mundo
Age por pulsões, desejos
inconscientes e defesas
Livre para fazer escolhas e
responsável por suas escolhas
SAÚDE EMOCIONAL
(Concepção de)
Promover comportamentos e
crenças “saudáveis”
Elaborar os conteúdos e
conflitos inconscientes
Perceber seus sentimentos e
fazer escolhas autônomas
Por Bruno Carrasco www.brunopsiexistencial.tk
Referências Bibliográficas
BOCK, Ana M. Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, M. de Lourdes. Psicologias -
uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 2002.
BRAGHIROLLI, Elaine Maria et. al. Psicologia Geral. Petrópolis: Vozes, 2002.
FIGUEIREDO, Luiz Cláudio; SANTI, Pedro Luiz. Psicologia, uma (nova)
introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. 2. ed. São
Paulo: Educ, 2004.
HEIDBREDER, Edna. Psicologias do Século XX. São Paulo: Palma, 1981.
TELES, Maria Luiza. Aprender Psicologia. São Paulo: Brasiliense, 1990.
Por Bruno Carrasco
Psicoterapeuta existencial e professor. Graduado em Psicologia, licenciado em
Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e Psicologia
Existencial Humanista e Fenomenológica.
Em seu trabalho busca valorizar cada pessoa em seu modo de ser singular,
colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas possibilidades de
escolha perante a vida. Acredita na liberdade de fazer escolhas saudáveis e
refazer os rumos de nossa vida, potencializando nossa existência.
www.brunopsiexistencial.tk
www.fb.com/brunopsiexistencial
ex-isto
Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e
suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia,
literatura e artes, iniciado no final de 2016.
Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os
temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por
utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a
subjetividade, a condição humana e suas possibilidades.
www.ex-isto.com
www.fb.com/existocom
ex-isto
www.ex-isto.com
www.fb.com/existocom
www.youtube.com/existo
www.instagram.com/existocom
2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
Ana Larissa Perissini
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
Maria Clara Teixeira
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Bruno Carrasco
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia social
faculdadeteologica
 
Psicologia Analítica
Psicologia AnalíticaPsicologia Analítica
Psicologia Analítica
Francisco Purcotes Júnior
 
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do TrabalhoBreve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Michelli Godoi
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
andressa bonn
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
As sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanáliseAs sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanálise
Patricia Ruiz
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
Milena Loures
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
Adriana Alves Almeida
 

Mais procurados (20)

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia social
 
Psicologia Analítica
Psicologia AnalíticaPsicologia Analítica
Psicologia Analítica
 
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do TrabalhoBreve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
Breve Histórico da Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
Desenvolvimento Humano
Desenvolvimento HumanoDesenvolvimento Humano
Desenvolvimento Humano
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
As sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanáliseAs sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanálise
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 

Semelhante a Psicologia: Diferentes Abordagens

PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
Marcel A. M. Ferraz
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
Dani Silva
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
Manuela Santos
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
José Vitor Alves
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
guest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
guest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Valdeck Oliveira
 
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto BrasileiroFormação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
lilsonasilva
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
paolacarvalho25
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
faculdadeteologica
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
coordenacaogeal
 

Semelhante a Psicologia: Diferentes Abordagens (20)

PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto BrasileiroFormação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
Formação em Psicanálise - Instituto Brasileiro
 
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdfEbook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
Ebook-Os-Tipos-Psicológicos.pdf
 
5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise5 conceitos gerais da psicanálise
5 conceitos gerais da psicanálise
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 

Mais de Bruno Carrasco

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
Bruno Carrasco
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Bruno Carrasco
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
Bruno Carrasco
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
Bruno Carrasco
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
Bruno Carrasco
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Bruno Carrasco
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
Bruno Carrasco
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Bruno Carrasco
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
Bruno Carrasco
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
Bruno Carrasco
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
Bruno Carrasco
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
Bruno Carrasco
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
Bruno Carrasco
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
Bruno Carrasco
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismo
Bruno Carrasco
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
Bruno Carrasco
 

Mais de Bruno Carrasco (20)

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismo
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Psicologia: Diferentes Abordagens

  • 2. PSICOLOGIA Etimologicamente, o termo psicologia é originado pela junção de duas palavras gregas, “psyché” e “logos”: “PSYCHÉ” + “LOGOS” = “PSYCHOLOGIA” Psyché = alma, mente ou espírito. Logos = estudo, razão ou compreensão. Psicologia significa então o estudo da alma, do que é interno, não visível. Atualmente, a psicologia é uma ciência que estuda as emoções, as atitudes, os comportamentos, os pensamentos, a aprendizagem, a memória, a linguagem, a subjetividade, o desenvolvimento humano, entre outros temas.
  • 3. Diferentes Abordagens Não existe apenas uma maneira de entender o ser humano, mas diversas abordagens e vertentes, cada uma delas possui um entendimento sobre o ser humano, e de como este se desenvolve e como adoece psicologicamente. Há três vertentes que embasam as distintas abordagens e terapêuticas: a comportamental, que estuda os comportamentos observáveis; a psicanálise, que interpreta os desejos e traumas inconscientes; e as abordagens humanistas e existenciais, que valorizam a autonomia. Cada uma delas segue seus estudos e práticas de acordo com suas buscas, concepções, métodos, valores e objetivos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 4. Não há como dizer que uma abordagem é “melhor” ou “pior” que a outra, pois todas elas tem como intuito compreender o ser humano, utilizando de meios e técnicas para lidar com as dificuldades e com o sofrimento emocional. Para isso, cada uma se utiliza de saberes e práticas, compondo as diversas teorias que são utilizadas na psicologia, tanto para o entendimento da psique, como para sustentar o modo como lidar com as dificuldades, os conflitos existenciais e as dores emocionais. Nesta apresentação veremos brevemente algumas das principais abordagens de psicologia e psicoterapia! Intuito das distintas“Psicologias” ex-isto www.ex-isto.com
  • 7. Psicanálise Foco: Inconsciente, traumas, conteúdos reprimidos, desejos proibidos. Questões: ● Como o inconsciente influencia nossos sentimentos e ações? ● De que modo o inconsciente funciona? ● Como podemos entender nosso conteúdo inconsciente? ● Como lidar com traumas antigos que nos bloqueiam? ● Como acontece o desenvolvimento da sexualidade? ex-isto www.ex-isto.com
  • 8. Sigmund Freud Sigmund Freud (1856-1939) foi um médico neurologista alemão, criador da Psicanálise. Segundo ele, o inconsciente é a fonte de impulsos, desejos reprimidos e velhas lembranças. Ele realizou muitas descobertas sobre sua teoria fazendo autoanálise, analisando seus sonhos rigorosamente e também os de seus pacientes.
  • 9. Psicanálise A psicanálise compreende que nossos comportamentos e sentimentos são regidos por desejos inconscientes. O objeto de estudo da psicanálise é o inconsciente e sua análise é realizada por meio da fala do paciente e da associação livre pelo psicanalista, que relaciona seu discurso com as estruturas e elementos de seu inconsciente. Busca, portanto, desvendar o funcionamento inconsciente, partindo do pressuposto de que somos movidos por desejos e traumas inconscientes, entendendo que as experiências traumáticas que atravessamos podem se transformar em sintomas, e estes podem ser resolvidos por meio da análise do funcionamento inconsciente. ex-isto www.ex-isto.com
  • 10. Psicanálise Psicanálise é uma das teorias mais conhecidas da psicologia, tendo como foco analisar os elementos inconscientes da pessoa atendida e tratar seus traumas. O inconsciente é considerado tudo aquilo que sentimos, pensamos e desejamos que não temos consciência. Seria como um local que não temos acesso, que guarda nossos traumas passados e nossos desejos reprimidos. A terapia psicanalítica acontece por meio do diálogo, e pode muito útil para quem busca entender melhor e lidar com traumas e desenvolver maior consciência de seu funcionamento inconsciente. ex-isto www.ex-isto.com
  • 11. Primeira Tópica Consciente: é apenas uma parte de nosso funcionamento mental, o que temos consciência do que pensamos, sentimos, falamos e fazemos, sendo constituído pelas ideias que estamos cientes no momento. Pré-Consciente: é constituído por elementos inconscientes que podem se tornar conscientes quando direcionamos a atenção para eles, podendo ser percebido nos sonhos ou nos atos falhos, por exemplo. Inconsciente: é composto pelo que não temos consciência, onde estão nossos desejos reprimidos, conteúdos censurados e pulsões inacessíveis à consciência, que influencia nossos comportamentos e ações. ex-isto www.ex-isto.com
  • 12. Segunda Tópica Id: é a fonte de nosso desejo libidinal, onde estão todas as energias psíquicas e pulsões que possuem como intuito a obtenção do prazer. Ego: ("eu", em grego) é resultante da tentativa de estabelecer equilíbrio entre os desejos do id e as exigências da realidade e ordens morais do super-ego. Na prática o que queremos é viver todo o tempo nosso "id" (desejos), mas há o "super-ego" para nos proibir e controlar, e o "ego" surge como resultante da tensão entre “id” e “super-ego”. Super-Ego: é o representante das regras morais que nos impedem a realizar desejos, que nos geram proibições e limites por meio de regras morais. ex-isto www.ex-isto.com
  • 14. Desenvolvimento Psicossexual Segundo Freud, a formação da personalidade está relacionada com o desenvolvimento do instinto sexual, que se inicia no primeiro ano de vida. Para ele, as diferenças individuais são marcadas pelo desenvolvimento dos estágios psicossexuais de cada pessoa. Se as questões de cada fase não forem resolvidas adequadamente, ou seja, se não forem experimentados com a satisfação adequada, a pessoa pode se tornar fixada numa certa fase, e procurar durante o resto da vida obter o prazer de maneira neurótica num elemento não resolvido. ex-isto www.ex-isto.com
  • 15. Complexo de Édipo Relacionado com o mito de Édipo, personagem da mitologia grega, que mata o pai e casa-se com a mãe, Freud entende o complexo de édipo como um aspecto muito importante no desenvolvimento sexual de toda pessoa, sendo responsável por determinar grande parte de sua personalidade futura. Segundo ele, a criança pequena (menino) sente desejo e atração por sua mãe, por ser a primeira figura feminina que ele tem contato e que lhe oferece carinho e cuidado. Com frequência, este menino irá sentir ciúmes do pai, pois ele impede sua relação amorosa com a mãe. Para Freud, é essa imposição do pai que faz com que o filho entenda que a mãe “já tem dono” e que, portanto, deverá procurar outra mulher. ex-isto www.ex-isto.com
  • 16. Psicoterapia Psicanalítica O psicanalista trabalha por meio da associação livre de ideias, escutando a pessoa e interpretando a sua fala com seus conteúdos inconscientes, para tomar consciência de seu funcionamento inconsciente, defesas e traumas. Na abordagem psicanalítica, a psicoterapia pode ser realizada com o paciente deitado num divã, onde ele comenta livremente e sem restrições sobre suas aflições, desejos, traumas, fantasias, sonhos, etc. Mas também pode acontecer num sofá ou poltronas. A terapia promove a vivência do conteúdo inconsciente, de modo a resolver questões que estavam mal resolvidas, traumas e desejos reprimidos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 17. Psicologia Analítica Carl Gustav Jung (1875-1961) foi um grande seguidor de Freud e da Psicanálise, porém, com o tempo passou a desenvolver sua própria abordagem em psicologia, que chamou de Psicologia Analítica. Sua teoria possui bases na Psicanálise de Freud, porém há algumas diferenças significativas. A terapia Junguiana explora o universo simbólico da pessoa, não tão focado em questões sexuais, mas no que Jung chama de “energia psíquica”, busca compreender as relações entre a pessoa e seus sonhos, arquétipos, incluindo a ideia de um “inconsciente coletivo”.
  • 19. Psicologia Comportamental Foco: Comportamento Questões: ● Por que as pessoas se comportam de certa maneira? ● Como acontece a aprendizagem e o condicionamento? ● O que gera, o que mantém e o que diminui um comportamento? ● Como diminuir comportamentos que nos geram mal estar? Método: ● Observação, análise, classificação, reforço e avaliação. ex-isto www.ex-isto.com
  • 20. Psicologia Comportamental A Psicologia Comportamental é uma teoria focada no alívio dos sintomas e comportamentos desagradáveis e obtenção de resultados em curto prazo. Parte do princípio de que nos movemos em busca do prazer e tentamos evitar a dor, deste modo repetimos comportamentos que nos são prazerosos e tentamos extinguir os que nos geram sofrimento. Acredita que nossos comportamentos são aprendidos e que os comportamentos indesejados podem ser substituídos por outros mais adequados. Enquanto terapia, atua na modificação de comportamentos indesejados e na aquisição de novos comportamentos adequados. ex-isto www.ex-isto.com
  • 21. Abordagem científica O comportamentalismo, ou behaviorismo, é a abordagem da psicologia mais científica, pois trata diretamente com os comportamentos observáveis, que podem ser medidos e classificados. Foi iniciado pelo estudo sobre o condicionamento animal, pelo fisiologista russo Ivan Pavlov (1849-1936), e desenvolvido pelos psicólogos estadounidenses John Watson (1878-1958) e Burrhus Skinner (1904-1990). A Terapia Comportamental costuma ser muito indicada para situações de sofrimento intenso, como no caso de fobias, pânico, depressão, alto nível de ansiedade, compulsões agudas, entre outras. ex-isto www.ex-isto.com
  • 22. Psicologia Comportamental Comportamento é considerado como uma resposta ou reação da pessoa a um estímulo, seja este observável ou não. Para o tratamento, propõe a modificação dos comportamentos, por meio duma intervenção a curto prazo, que muitas vezes envolve tarefas para a pessoa realizar entre as sessões, partindo de objetivos definidos. A depressão, por exemplo, é entendida como uma série de comportamentos como alterações no sono e apetite, desesperança, choro excessivo, ideação suicida e outros, esses comportamentos são relacionados com os históricos que os determinaram e as situações presentes que os mantém. ex-isto www.ex-isto.com
  • 23. Psicologia Comportamental O terapeuta comportamental faz o levantamento criterioso dos eventos e acontecimentos relacionados aos comportamentos indesejáveis do cliente. Após esse levantamento, busca-se combater os comportamentos-problema, e promover o aumento da frequência de comportamentos adequados, desejáveis, funcionais e geradores de satisfação e felicidade. A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) parte do entendimento de que nossos comportamentos e sentimentos são frutos de nossos pensamentos e do modo como valorizamos nossas experiências. Se controlarmos nossas crenças, conseguimos alterar nossos sentimentos e comportamentos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 24. “Daí-me uma dúzia de crianças sadias,bem formadas,e um mundo de acordo com minhas especificações em que criá-las e garanto que,tomando uma ao acaso,posso treiná-la para que se torne qualquer tipo de especialista que se escolha – médico,advogado,artista,comerciante-chefe e,sim,até mendigo e ladrão –independente de suas inclinações, tendências,talentos,habilidades,vocações e da raça de seus ancestrais.” (John Watson)
  • 25. Abordagens Humanistas e Existenciais
  • 26. Psicoterapia Existencial Foco: Existência Questões: ● O que é existir? ● Como nos pronunciamos no mundo? ● Qual o sentido da vida? Há um sentido? ● Quais são os valores sustentam nossa existência? ● O que fazemos de nossa vida e de nossas experiências? ● Como reagimos ao que experimentamos e sentimos? ● Como ir em busca do que nos faz sentir realizados? ex-isto www.ex-isto.com
  • 27. Existencialismo O existencialismo é um conjunto de reflexões filosóficas e literárias sobre a existência e a condição humana, em seu aspecto concreto e singular. Concreto, no sentido de se opor a teorias abstratas e idealizações, e singular por valorizar a pessoa em seu modo de ser particular. Seus principais valores são a liberdade de escolha, o reconhecimento das emoções e o respeito às diferenças. Somos livres para fazer escolhas e responsáveis pelas consequências das escolhas que fazemos. Estamos em permanente transformação, somos resultado das condições que estamos inseridos mas também escolhemos a vida que levamos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 28. Psicoterapia Existencial A psicoterapia existencial é uma constante busca do sentido que damos a nossa própria vida, de modo que esteja alinhado com o que realmente desejamos e com nosso modo de ser autêntico. Valoriza as experiências subjetivas, compreendendo o indivíduo como um ser livre e único, que se faz por meio de suas escolhas. Não há uma essência que defina ou determine previamente como cada um deve ser e viver sua vida, as pessoas se fazem, se desfazem e se refazem por meio de suas experiências e escolhas de vida. Cada indivíduo é visto como um ser singular, que possui valores e interesses próprios. ex-isto www.ex-isto.com
  • 29. Princípios ● Cada pessoa é um ser-no-mundo, isso significa que ela habita um mundo com valores e significados, não há como compreender a pessoa fora deste mundo, pois sempre está em relação-com; ● As pessoas são livres para fazer escolhas e responsáveis pelas consequências de suas escolhas; ● O sentido de vida da pessoa muda com o tempo, o que é importante para ela num período não é o mesmo que em outro; ● As pessoas estão em constante movimento e transformação; ● Criamos a nossa própria vida por meio das escolhas que fazemos e das experiências que temos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 30. Psicoterapeuta existencial A terapia existencial não trabalha com a ideia de um padrão do que seja saúde ou doença, isso é relativo a cada indivíduo. O objetivo não é conduzir a pessoa para um caminho nem ajustá-la a um modo de ser específico, mas incentivar a tomada de consciência de seus sentimentos e valores, com a intenção de ampliar suas possibilidades existenciais, para o encontro ou criação de novos sentidos para sua vida. Na medida em que o indivíduo toma consciência de si, acredita-se que ele se aproxima de seu modo de ser autêntico, passando a fazer escolhas mais coerentes com seus intuitos, se posicionando no mundo de acordo com o que sente e quer, indo na direção de seus interesses genuínos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 31. Psicoterapia Existencial A psicoterapia existencial é uma abordagem terapêutica com foco na existência e em sua relação com as pessoas, os espaços e consigo mesma. Trata-se de um enfoque mais filosófico que científico, pois compreende que cada indivíduo é singular e livre para escolher como viver sua vida, não há uma receita de como devemos viver a vida. Os problemas, as crises e os paradoxos fazem parte da vida, e surgem do simples fato de viver. O objetivo desta terapia não é evitar os conflitos, mas auxiliar a pessoa a lidar com suas dificuldades de maneira mais saudável e autêntica, encontrando novas maneiras de lidar com seus sentimentos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 32. “O mais importante não é aquilo que fizeram de nós,mas o que fazemos com o que fizeram de nós.” (Jean-Paul Sartre)
  • 34. Abordagem Centrada na Pessoa Foco: Emoções Questões: ● Como perceber melhor os nossos sentimentos? ● Como ir de encontro com o desenvolvimento pessoal? ● Como valorizar o indivíduo de acordo com seu modo de ser? ● Como me aproximo da pessoa atendida, aceitando ela? ● Como compreender a pessoa do modo como ela se mostra? ex-isto www.ex-isto.com
  • 35. Carl Rogers Proposta terapêutica criada pelo psicólogo estadunidense Carl Rogers (1902-1987), partindo da concepção de que toda pessoa está se desenvolvendo para se melhorar e superar seus obstáculos, numa tendência constante para sentir-se bem. O objetivo é promover o autoconhecimento e amadurecimento da pessoa, respeitando seu ritmo, e incentivando sua autenticidade para lidar com os obstáculos de maneira autônoma.
  • 36. Valores ● Entende que cada pessoa está sempre em busca de se desenvolver, fazendo escolhas e alterando os eventos futuros, em busca de sentido, valor e criatividade; ● O terapeuta se coloca com respeito e aceitação com relação aos modos de ser e para com as escolhas de vida de cada pessoa; ● Busca a valorização das emoções e o desenvolvimento pessoal; ● Aceitação incondicional da pessoa do modo como se apresenta, de seus sentimentos e valores sobre a vida; ● Possibilitar o desenvolvimento da pessoa de acordo com o que ela sente, partindo da avaliação da própria pessoa sobre si mesma. ex-isto www.ex-isto.com
  • 37. Abordagem Centrada na Pessoa Essa abordagem busca aproximar a pessoa dela mesma, acreditando no potencial que cada um tem de se desenvolver, incentiva a tomada de consciência dos sentimentos e comunicação de maneira autêntica. Acredita que toda pessoa está em constante desenvolvimento, superando seus obstáculos e se aprimorando, numa tendência ao equilíbrio. O terapeuta respeita a pessoa tal como ela é, oferecendo condições para promover seu autoconhecimento e amadurecimento emocional, em seu ritmo, aceitando seus sentimentos em favor da autenticidade, valorizando o sujeito como para elaborar a si mesmo e ampliar sua capacidade de ser. ex-isto www.ex-isto.com
  • 38. Abordagem Centrada na Pessoa Acredita que cada pessoa está buscando constantemente sua realização pessoal, e o uso pleno de suas potencialidades e capacidades para seu desenvolvimento emocional e intelectual, vivendo sua jornada pessoal de seu modo particular, onde não existem modelos prontos ou regras de como ser. O processo terapêutico consiste num trabalho de cooperação entre o terapeuta e a pessoa atendida, de modo a possibilitar relação autêntica, promovendo o aumento da autoestima e da autoconfiança, incentivando o amadurecimento psíquico de cada um. O terapeuta busca exercitar a empatia de se colocar no lugar da pessoa, se aproximando desta emocionalmente. ex-isto www.ex-isto.com
  • 39. Abordagem Centrada na Pessoa O terapeuta respeita a pessoa tal como ela é, oferecendo condições para que possa se desenvolver de seu modo, aceitando e respeitando seus sentimentos em favor da autenticidade, dando ênfase ao indivíduo no papel central para elaborar a si mesmo, e ampliar a capacidade de ser. Essa proposta se difere de outras concepções, que muitas vezes focam no problema ou no passado da pessoa, buscando corrigir ou dar palpites sobre sua vida. A abordagem centrada na pessoa observa a pessoa com intuito de compreender seu sentimento presente, por meio da aceitação de como cada pessoa sente, caminhando de acordo com os interesses e com o ritmo da pessoa atendida e incentivando a sua autonomia. ex-isto www.ex-isto.com
  • 40. “A apreciação dos outros não me serve de guia.Apenas uma pessoa pode saber que eu procedo com honestidade,com aplicação, com franqueza e com rigor,ou se o que faço é falso,defensivo e fútil.E essa pessoa sou eu mesmo.” (Carl Rogers)
  • 42. DIFERENÇAS ENTRE ABORDAGENS NA 𝚿 COMPORTAMENTAIS (Cognitiva, Comportamental) PSICANALÍTICAS (Freud, Jung, Lacan, Klein) EXISTENCIAIS-HUMANISTAS (Existencial, Gestalt-Terapia, ACP) FOCO Comportamentos e crenças Inconsciente e traumas Existência e sentimentos BUSCA Ajustar comportamentos Captar significados ocultos Compreender a singularidade ORIENTAÇÃO Objetiva e observável Associação livre de ideias Subjetiva e experiencial PROCEDIMENTO Adaptação e correção Escuta e interpretação Diálogo e autopercepção OBJETIVO DA TERAPIA Modificar comportamentos, crenças e pensamentos Entender o inconsciente e lidar com traumas antigos Compreender os afetos e ampliar possibilidades de ser BASES FILOSÓFICAS Positivismo e Pragmatismo Metafísica e Estruturalismo Fenomenológica e Existencial TERMOS E CONCEITOS Ajuste, crenças, transtornos, pensamentos, reforço Id, ego, superego, traumas, desejos, recalque, projeção Liberdade, escolhas, angústia, conflitos, sentido da vida SER HUMANO (Concepção de) Condicionado, orientado por crenças sobre si e o mundo Age por pulsões, desejos inconscientes e defesas Livre para fazer escolhas e responsável por suas escolhas SAÚDE EMOCIONAL (Concepção de) Promover comportamentos e crenças “saudáveis” Elaborar os conteúdos e conflitos inconscientes Perceber seus sentimentos e fazer escolhas autônomas Por Bruno Carrasco www.brunopsiexistencial.tk
  • 43. Referências Bibliográficas BOCK, Ana M. Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, M. de Lourdes. Psicologias - uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 2002. BRAGHIROLLI, Elaine Maria et. al. Psicologia Geral. Petrópolis: Vozes, 2002. FIGUEIREDO, Luiz Cláudio; SANTI, Pedro Luiz. Psicologia, uma (nova) introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. 2. ed. São Paulo: Educ, 2004. HEIDBREDER, Edna. Psicologias do Século XX. São Paulo: Palma, 1981. TELES, Maria Luiza. Aprender Psicologia. São Paulo: Brasiliense, 1990.
  • 44. Por Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial e professor. Graduado em Psicologia, licenciado em Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica. Em seu trabalho busca valorizar cada pessoa em seu modo de ser singular, colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas possibilidades de escolha perante a vida. Acredita na liberdade de fazer escolhas saudáveis e refazer os rumos de nossa vida, potencializando nossa existência. www.brunopsiexistencial.tk www.fb.com/brunopsiexistencial
  • 45. ex-isto Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes, iniciado no final de 2016. Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a subjetividade, a condição humana e suas possibilidades. www.ex-isto.com www.fb.com/existocom