SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA EXPERIMENTAL – TURMA 010
                                       PASSO 12 - Controle de Estímulos
Objetivos: 1) Definir e dar exemplos de estímulos discriminativos e de procedimentos de discriminação. 2) Definir e
dar exemplos de estímulos generalizados e de procedimentos de generalização. 3) Discorrer sobre as extensões do
controle de estímulos.
Discriminação
      Usamos o termo discriminação para indicar que a probabilidade de uma dada resposta depende da situação, ou
seja, dos estímulos presentes em um dado momento. Quando observamos alguém almoçando, com um garfo na mão,
constatamos que a probabilidade de levar o garfo à boca é alta quando há comida nele, e baixa quando ele está vazio.
Dizemos, nesse caso, que a resposta de levar o garfo à boca está sob controle do estímulo “garfo cheio”. A maneira
com que o garfo é levado à boca a cada vez que essa ação ocorre pode variar um pouco, mas a conseqüência é sempre
a mesma: a comida é colocada na boca.
      Como passamos a nos comportar diferentemente na presença de diferentes estímulos? Para responder a essa
pergunta, vamos primeiro relembrar alguns conceitos que já estudamos e, em seguida, introduziremos o fenômeno
comportamental chamado discriminação.
      Sabemos que um estímulo reforçador é aquele que, quando é apresentado contingentemente a uma resposta,
aumenta a probabilidade de emissões futuras daquela resposta e de outras respostas pertencentes à mesma classe, isto
é, o conjunto das respostas que, naquela situação, podem produzir o reforço. A esse conjunto de respostas ou classe de
respostas, que têm em comum o fato de, na mesma situação, produzirem a mesma conseqüência, denominamos
“operante” ou uma “classe operante”. Além disso, o reforço não só aumenta a probabilidade futura da resposta a que
se seguiu; ele também coloca a resposta, ou a classe de respostas, sob controle dos estímulos que distinguem a
situação em que a resposta é reforçada da situação em que não é reforçada.
      Um estímulo é chamado de estímulo discriminativo (SD) quando passa a controlar o comportamento (uma classe
de respostas) em função de estar associado a uma determinado esquema de reforçamento. Não é o sujeito que associa
o estímulo discriminativo ao reforçamento da resposta, mas essa associação ocorre de fato no ambiente do sujeito.
Para mencionar um exemplo que se tornará conhecido a você, quem associa a barra da câmara de condicionamento
operante ao reforço (água) não é o ratinho mas o experimentador: não devemos dizer “que o sujeito discriminou a
resposta”, mas sim que “o responder se tornou discriminado”.
      Um exemplo prático de que as respostas são discriminadas por seus efeitos, e não que os indivíduos discriminam
entre os estímulos, é o fato de esquimós apresentarem respostas diferenciais para vinte e uma tonalidades da cor
branca. Isto não pode ser uma característica do esquimó, pois qualquer um que seja inserido naquele ambiente será
capaz responder da mesma forma a cada tom de branco após uma exposição mais prolongada àquelas contingências.
As conseqüências de se responder de forma discriminada entre Branco “Gelo Fino” e Branco “Gelo Espesso” são
bem diferenciadas, e por isto encontram-se sob controle discriminativo. É algo bastante diferente de ser reforçado por
combinar uma bolsa branca com um sapato branco, onde o reforço (elogios) é generalizado para a cor branca,
independente da tonalidade de branco de cada uma das peças.
      Do ponto de vista temporal, um estímulo discriminativo antecede a resposta, pois é na sua presença que, como
resultado de uma história de reforçamento, um operante tem uma probabilidade maior de ocorrer. A função que os
estímulos discriminativos exercem em relação a uma resposta operante difere da função exercida pelos estímulos
eliciadores em relação a uma reposta reflexa, na medida em que os estímulos eliciadores evocam respostas
selecionadas na história da espécie e os estímulos discriminativos controlam respostas selecionadas durante a vida do
indivíduo. Na realidade, durante todo o tempo estamos emitindo respostas reflexas e operantes. Virar-se para o lado
de onde vem um ruído é uma resposta selecionada na história da espécie – é o reflexo de orientação – e essa resposta
é parte dos operantes que se desenvolvem nos indivíduos como pegar uma bola que é jogada em sua direção.
      Assim, do ponto de vista da relação com a resposta, ainda que os estímulos discriminativos precedam um
operante, eles não o eliciam. Pelo contrário, diz-se que os estímulos discriminativos ocasionam ou estabelecem
condições para as respostas operantes. Isso significa que um conjunto de condições, nem sempre sob controle do
experimentador, afeta a probabilidade da resposta, junto com o estímulo discriminativo. Suponha, por exemplo, que
um rato privado de água esteja recebendo uma gota de água a cada dez vezes que pressiona a barra, quando a luz
sobre a caixa estiver acesa, e que essa resposta nunca seja reforçada quando a luz sobre a caixa estiver apagada. Isso
significa que o rato ficará pressionando a barra por todo o tempo em que a luz estiver acesa? Sabemos que não, e que
o rato deixará de pressionar a barra quando estiver bebendo a água e fará uma pausa nas pressões à barra após esse
reforço, mesmo que a luz continue acesa. Também é provável que a freqüência de respostas na ausência da luz não
seja completamente zero, havendo sempre uma freqüência residual, mesmo depois de longa exposição a essas
condições.
      A relação entre o estímulo discriminativo e a resposta discriminativa é estabelecida em termos probabilísticos, ou
seja, o estímulo apenas aumenta ou diminui a chance de que a resposta ocorra. A apresentação de um estímulo
discriminativo não implica que a resposta vá ocorrer imediatamente e obrigatoriamente, ao contrário do que ocorre
quando da apresentação de um estímulo eliciador condicionado ou incondicionado. Neste sentido podemos dizer que,
Fundamentos de Psicologia Experimental        Passo 12                            2
havendo ocorrido no passado o reforçamento freqüente de alguma resposta na presença de um estímulo
discriminativo, a presença deste estímulo tende a evocar a emissão da resposta.
     Um estímulo continuará a ser discriminativo, isto é, controlando a probabilidade de emissão de respostas de uma
classe, se estas, ocorrendo na presença do estímulo, continuarem sendo seguidas de reforço. Noutras palavras, a
função discriminativa do estímulo é adquirida e mantida por sua associação com o estímulo reforçador e é extinta
quando a associação for suspensa.
     Do ponto de vista da manipulação do comportamento, dado que respostas que estão sob o controle de um
estímulo discriminativo aparecem, em presença do estímulo, com uma freqüência diferente daquela com que
aparecem em sua ausência, podemos controlar a emissão dessas respostas manipulando (apresentando ou retirando) o
estímulo discriminativo. Nosso comportamento social em pequenos grupos depende desse mecanismo. Como nós – e
nossas ações – fazemos parte do ambiente dos outros membros do nosso grupo familiar ou de amigos ou de colegas,
nós criamos a ocasião para a emissão de certos comportamentos, assim como nos comportamos respondendo a
situações criadas pelos nossos parentes, amigos ou colegas. Na nossa cultura é bastante comum, por exemplo,
provocarmos os outros (tease em inglês), isto é, criar situações em que sabemos de antemão qual será a reação da
"vítima".
     O procedimento para desenvolver uma discriminação requer a especificação de duas situações de estímulo
distintas para o sujeito. Na presença de uma delas (o SD) a resposta operante produz reforço. Na presença da outra,
(S∆) a resposta não produz reforço. O processo é caracterizado inicialmente pelo responder generalizado em ambas
as situações e pela gradual extinção do responder na situação S∆ e manutenção ou fortalecimento do responder na
situação SD. O resultado é o responder totalmente diferenciado entre as duas situações de tal maneira que a resposta
se torna muito mais provável na situação SD e pouco provável na situação S∆. Podemos adotar esse procedimento no
laboratório: aproveitando a existência de uma probabilidade maior do que zero da resposta de pressão à barra,
podemos colocar uma caixa de som junto da câmara experimental e passar a reforçar respostas de pressão à barra
emitidas quando o som estiver ligado (SD) e colocar essa resposta em extinção quando estiver desligado (S∆). Nesse
processo, poder-se-á observar que a freqüência da resposta vai se manter e até aumentar na presença de SD e a mesma
resposta será gradualmente extinta na presença de S∆. O resultado final será que o responder se tornará discriminado,
ou seja, o sujeito responderá muito mais na presença do que na ausência do som (estímulo ambiental associado pelo
experimentador a reforçamento). Como já dissemos, o estímulo discriminativo positivo, associado à disponibilidade
de reforçamento para a resposta é chamado SD, o estímulo discriminativo negativo, associado à extinção da resposta é
chamado SΔ (ésse delta) (ver Millenson, 1975, p. 206).
     A curva acumulada de respostas ficaria assim:
                              120     SD      S!       SD      S!          SD     S!       SD

                               90

                               60

                               30



                                                                                           Tempo
                        Figura 1 - Freqüência acumulada das respostas de pressão à barra sob esquema
                   de reforçamento intermitente. Durante a sessão, foram alternados intervalos de
                   apresentação de SD e SΔ.

     Observe que o sujeito responde mais nos períodos de apresentação do SD e responde menos nos períodos de SΔ.
     Um outro exemplo pode ser o que segue: uma criança cujo comportamento foi reforçado ao dizer "papá" na
presença de seu pai, pode dizer "papá" a outras pessoas, e ainda assim essa resposta pode ser reforçada; é possível,
entretanto, que estas outras pessoas, com o passar do tempo, não se mostrem tão satisfeitas por serem confundidas
com o pai da criança. Se isso ocorrer, essa criança deixará de receber reforços na presença dessas pessoas quando
disser "papá", continuando, porém, a recebê-lo quando o disser na presença de seu pai. Este procedimento de reforçar
diferencialmente essa resposta da criança na presença de seu pai acabará por produzir a extinção da resposta de dizer
"papá" na presença das outras pessoas. Assim, quando a criança, olhando para seu pai, diz "papá", seu comportamento
é reforçado com um sorriso ou afago de seu pai, mas quando olha para a babá e diz essa palavra, a resposta não é
reforçada. Se a família dessa criança organizar as contingências convenientemente, ela provavelmente não ficará
apenas muda na presença de outras pessoas, como a mãe por exemplo, mas passará a dizer "mama" em sua presença,
Fundamentos de Psicologia Experimental    Passo 12                                3
desde que haja reforço programado para essa resposta. A essa mudança no controle de estímulo exercido pela figura
do pai e/ou da mãe, denominamos discriminação. (ver Millenson, p. 210)
      Dizemos que uma resposta do organismo é discriminativa, entre dois ou mais estímulos, quando ela é emitida
diferentemente na presença de cada um desses estímulos. Se, pelo contrário, um organismo responde de maneira mais
ou menos idêntica na presença de vários estímulos, dizemos que ele responde de forma generalizada a esses
estímulos.
      O indivíduo que já emite respostas discriminativas em uma situação, apresenta com muito mais freqüência os
comportamentos que serão seguidos por reforçamento. Por exemplo, em uma sala de espetáculos, apesar de estarmos
rodeados de amigos todo o tempo, em geral só conversamos nos intervalos da apresentação, o que indica uma história
de reforço para conversar nos intervalos, ao contrário do que ocorre por conversar durante a apresentação. Já vimos,
no exemplo anterior, que o comportamento de uma criança dizer “papa” tinha uma alta probabilidade de ser reforçado
se a criança o fizesse na presença de seu pai, e não na presença da empregada. Porém, se essa criança dissesse "papá"
na presença de seu pai e "mama" na presença da mãe, seu comportamento seria reforçado em ambas as situações.
      Embora os organismos possam emitir respostas discriminativas em função de diferenças físicas bastante sutis
entre os estímulos, há um limite em relação a quão pequena pode ser essa diferença. Esse limite pode ser imposto
pelas condições do ambiente ou do próprio organismo. Por exemplo, podemos distinguir entre dois toques de
diferentes buzinas num bairro silencioso, porém, quando essas buzinas soam no meio de um tráfego barulhento
podemos não distingui-las. Também não conseguiremos distinguir entre esses toques de buzina se estivermos com um
resfriado tão forte que afete o nosso ouvido.
      Pode ser precipitado, contudo, dizer que um organismo não pode emitir respostas discriminativas entre dois
estímulos só porque quando observamos suas respostas elas não exibem evidências dessa discriminação. Isto só
poderia ser afirmado após um treino discriminativo, isto é, após a aplicação de reforçamento diferencial na presença
desses diferentes estímulos. Podemos dizer, sem muito risco de errar, que os organismos podem emitir respostas
discriminativas muito além do que em geral demonstram e que, na realidade, certas discriminações nunca se
desenvolvem porque seus ambientes nunca forneceram conseqüências diferenciais para diferentes comportamentos na
presença desses diferentes estímulos. Um provador de vinho, um chaveiro abridor de cofres, um pintor ou um músico,
representam casos de discriminações extremamente acuradas e refinadas diante de estímulos gustativos, táteis, visuais
e sonoros. Uma pessoa que apresente grande deficiência visual pode apresentar respostas discriminativas de estímulos
táteis que as pessoas com acuidade visual normal só não o fazem porque seus ambientes não conseqüenciaram
diferencialmente esse tipo de repertório.
     Generalização
     Um determinado estímulo discriminativo aumenta a probabilidade de ocorrência de uma determinada classe de
respostas em sua presença, mas estímulos fisicamente semelhantes ao estímulo discriminativo também podem
ocasionar a ocorrência dessas respostas, com probabilidade tanto maior quanto maior a semelhança entre os
estímulos. Dito de outra forma, reforçamento de uma resposta na presença de um estímulo aumenta a probabilidade
de que respostas dessa mesma classe ocorram não apenas na presença desse estímulo, mas também na presença de
estímulos fisicamente semelhantes. Quando isto ocorre, diz-se que ocorreu GENERALIZAÇÃO primária de
estímulos. Generalização é, portanto, a ocorrência de uma resposta diante de um estímulo FISICAMENTE
SEMELHANTE àquele na presença do qual a resposta foi originalmente reforçada.
     A generalização, assim como a discriminação, não é um processo do organismo e sim uma relação funcional
entre as condições de estimulação e a distribuição de respostas. A discriminação é uma facilitação, ou aumento de
freqüência de uma resposta, na presença de um estímulo diante do qual a emissão dessa resposta foi e continua sendo
seguida de reforçamento, em contraste com baixas freqüências de respostas na presença de outros estímulos, ocasião
em que essas emissões não foram seguidas de reforçamento. Por seu turno, a generalização é uma facilitação ou
aumento de freqüência de respostas na presença de estímulos que contêm parte das propriedades do estímulo na
presença do qual a resposta foi reforçada. Se todos os motoristas dos veículos que transitam pela Almirante Barroso
param seus carros diante de um sinal vermelho (discriminação) boa parte dos motoristas parariam seus carros se o
sinal de trânsito um dia emitisse luz rosa-choque. Algumas vezes, cumprimentamos uma pessoa desconhecida e só
depois vamos perceber que se tratava de uma pessoa fisicamente semelhante a uma pessoa conhecida.
     Casos de generalização de estímulos são comuns. Como já foi dito anteriormente, quando o comportamento de
uma criança dizer “papá" diante de seu pai é reforçado, ela inicialmente também chama outras pessoas de "papá",
embora talvez com uma freqüência menor do que aquela quando nomeia seu próprio pai. Quando um pombo bica um
painel vermelho, ele bicará, embora talvez com menor freqüência, painéis iluminados com outras cores próximas
como laranja e cor de rosa. Em cada caso, o reforçamento na presença de um estímulo aumentou a probabilidade do
respectivo operante aparecer, não só na presença desse estímulo, mas também na presença de outros estímulos
semelhantes. Deve-se acrescentar que a probabilidade desses outros estímulos controlarem tais operantes dependerá,
em parte, das características físicas que estes estímulos têm em comum, de forma que quanto mais características em
comum, maior a possibilidade de que ocorra o fenômeno da generalização.
Fundamentos de Psicologia Experimental      Passo 12                                 4
     Em nossa vida diária, exemplos de generalização são tão comuns que freqüentemente passam despercebidos. Os
pais sorriem quando uma criança diz "au-au" à vista de um cavalo, uma vaca, um gato, ou qualquer outro quadrúpede.
O fato é que uma criança, um adulto ou um animal que foram reforçados quando responderam de uma certa maneira a
uma dada situação, responderão da mesma maneira quando um ou mais aspectos da situação tiverem sidos alterados
ao longo de uma ou mais dimensões básicas, ou mesmo quando algum elemento da situação original não estiver
presente. Quando dois objetos ou situações possuem vários aspectos ou dimensões em comum, temos a tendência a
responder a eles de forma semelhante. Quem sofre muito com esse fenômeno são as cobras não venenosas, que nos
são úteis por eliminarem ratos, mas que são atacadas e mortas pelas pessoas que as vêem. Há poucas pessoas que
emitem respostas discriminativas entre cobras venenosas e cobras não venenosas.
     Apesar de uma resposta ocorrida na presença de um estímulo discriminativo tender a ocorrer na presença de
estímulos que apresentem alguma(s) propriedade(s) em comum com o estímulo discriminativo original, esta resposta
só manterá sua freqüência se for reforçada na presença deste novo estimulo a exemplo do que ocorria com o estímulo
original. Caso contrário, um novo processo de discriminação ocorrerá entre o estímulo original e o novo estímulo
(reforçamento diferencial). Por exemplo, a resposta de cumprimentar uma pessoa parecida com um amigo pode
ocorrer umas poucas vezes e logo ser extinta, pois não é reforçada. Ou seja, se inicialmente respondíamos de maneira
similar aos dois indivíduos (generalização), após a ausência de reforço seguido por cumprimentar o estranho e a
manutenção do reforço por cumprimentarmos nosso conhecido, passamos a responder de maneira diferenciada entre
ambos (discriminação). Observe que nenhuma mudança no estímulo é necessária para que se possa discriminar entre
ambos (você não precisa marcar a testa do seu amigo para ser capaz de reconhecê-lo), basta que a contingência de
reforço seja diferente para cada estímulo para que a generalização dê lugar a discriminação. Podemos dizer então que
há um continuo entre discriminação e generalização.
     Extensões do Controle de Estímulos
     Discriminação e generalização estão envolvidas em uma série de comportamentos que tradicionalmente têm sido
estudados sob os nomes de atenção, percepção, abstração e até mesmo imitação. Ao contrário da opinião popular, a
imitação nem sempre é uma capacidade natural ou herdada. O comportamento a ser imitado funciona como estímulo
discriminativo. Um gatinho pode emitir a mesma resposta que o irmão ou a mãe emitem numa dada situação. Essa
resposta pode produzir conseqüências no ambiente que aumentam a probabilidade dessa resposta voltar a ocorrer. O
estímulo discriminativo que inicialmente controlou a resposta foi o comportamento da mãe (ou do irmão), mas em
seguida o comportamento do gatinho pode ter ficado sob controle dos estímulos envolvidos intrinsecamente na
situação. Imitamos uma pessoa que olha para o céu porque esse comportamento certamente foi reforçado
anteriormente (vimos um avião ou uma manobra arriscada de um bombeiro sobre um prédio). O comportamento de
seguidores e líderes desenvolve-se de maneira semelhante. Os seguidores, ao invés de fazerem uso dos estímulos
discriminativos do ambiente físico, utilizam-se do comportamento de outras pessoas, mas deixariam de imitar se as
respostas emitidas não fossem reforçadas.
     No comportamento chamado de “conceitual” lidamos com classes de objetos como estímulos e temos, diante de
todos esses estímulos, uma resposta comum: o nome da classe. Tomando a classe "árvores" podemos incluir árvores
pequenas ou grandes, com ou sem frutos, pinheiros, figueiras, carvalhos etc, agrupados por terem uma ou algumas
propriedades ou dimensões em comum. Nós as discriminamos de outras classes como "cães", "casas" ou "pessoas"
que não possuem essas dimensões. Desenvolvemos o conceito de "árvore" quando respondemos diante de diferentes
objetos dizendo "árvore", e nossa comunidade reforça nosso comportamento de fazê-lo. Ou seja, generalizamos
dentro das dimensões relevantes (não importa o tipo de galho ou folha, de circunferência e/ou altura da copa e/ou
tronco, existência ou não de frutos etc). Contudo, só completamos o conceito quando também discriminamos entre
dimensões diferentes (folha vs pêlo vs telha vs cabelo; tronco ou galhos vs patas vs paredes vs membros superiores e
inferiores etc). Para se ter uma idéia de como os conceitos dependem das conseqüências providas para as respostas
pela comunidade, saiba que, do ponto de vista botânico, um abacaxi é uma flor complexa, uma espécie de cacho de
flores cujos talos se colaram uns aos outros. No entanto, abacaxis são frutas, para todos nós, porque só há reforço para
dizer fruta e não para dizer flor, ao vermos ou lidarmos com abacaxis. Se você quiser tentar se opor a essa prática
cultural, experimente enviar um arranjo com abacaxis para o(a) namorado(a) para comemorar uma data festiva.
     O repertório comportamental de um indivíduo resulta de uma longa e contínua história de aprendizagem, em que
relações ambiente-ambiente e relações comportamento-ambiente vão sendo selecionadas. Ao discutirmos controle de
estímulo, estamos nos referindo à aprendizagem de um organismo, isto é, ao efeito de suas interações com o meio. A
eficiência com que as pessoas lidam com o ambiente é medida pela variabilidade e adequação de seus
comportamentos e qualquer tentativa de estudar os fatores envolvidos na aquisição desses comportamentos envolve,
necessariamente, um estudo desse ambiente. No primeiro capítulo de sua obra "About Behaviorism" (Sobre o
Comportamentalismo), Skinner sugere que um maior conhecimento a respeito do controle exercido pelo ambiente
sobre os organismos tornaria possível a análise dos efeitos do "mundo dentro da pele" sobre o comportamento, bem
como da natureza do autoconhecimento.
     Complete os estudos do Passo 12 com a leitura dos capítulos de Controle de Estímulos do livro de J. R.
Millenson, Princípios de Análise do Comportamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
Caio Maximino
 
Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
anogueiran
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Narayane Farias
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
Marcus Alves
 
Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013
Rosana Musumeci
 
Mente Humana 3
Mente Humana 3Mente Humana 3
Mente Humana 3
Jorge Barbosa
 
Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1
unieubra
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
Caio Maximino
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
Silvia Marina Anaruma
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
augustodefranco .
 
Bock behaviorismo
Bock behaviorismoBock behaviorismo
Bock behaviorismo
Psandra
 
Passo 4 2007 1
Passo 4 2007 1Passo 4 2007 1
Passo 4 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Behaviorismo ss
Behaviorismo ssBehaviorismo ss
Behaviorismo ss
Mariana Lima de Oliveira
 

Mais procurados (16)

Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 
Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamentoRelatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
Relatório - Reforço contínuo e extinção de um comportamento
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
 
Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013Gongora controle aversivo 2013
Gongora controle aversivo 2013
 
Mente Humana 3
Mente Humana 3Mente Humana 3
Mente Humana 3
 
Trabalho aec 1
Trabalho aec 1Trabalho aec 1
Trabalho aec 1
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
 
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
APRENDIZAGEM OU DERIVA ONTOGENICA
 
Bock behaviorismo
Bock behaviorismoBock behaviorismo
Bock behaviorismo
 
Passo 4 2007 1
Passo 4 2007 1Passo 4 2007 1
Passo 4 2007 1
 
Behaviorismo ss
Behaviorismo ssBehaviorismo ss
Behaviorismo ss
 

Destaque

Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
Passo 3 2007 1
Passo 3 2007 1Passo 3 2007 1
Passo 3 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Passo 13 2007 1
Passo 13 2007 1Passo 13 2007 1
Passo 13 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Origens históricas do behaviorismo
Origens históricas do behaviorismoOrigens históricas do behaviorismo
Origens históricas do behaviorismo
Caio Maximino
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
Tiago Malta
 
Introdução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia ExperimentalIntrodução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia Experimental
Caio Maximino
 
Variáveis e mensuração
Variáveis e mensuraçãoVariáveis e mensuração
Variáveis e mensuração
Caio Maximino
 
Esquema de reforçamento
Esquema de reforçamentoEsquema de reforçamento
Esquema de reforçamento
Tiago Malta
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
MandyNeres7
 
Psicologia Experimental
Psicologia ExperimentalPsicologia Experimental
Psicologia Experimental
Marcus Alves
 
Punição positiva x negativa
Punição positiva x negativaPunição positiva x negativa
Punição positiva x negativa
Nelson Novaes Neto
 
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequências
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequênciasReflexões sobre o modelo de seleção por consequências
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequências
Márcio Borges Moreira
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
Leandro Malveira
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Alexandre Simoes
 

Destaque (16)

Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Passo 3 2007 1
Passo 3 2007 1Passo 3 2007 1
Passo 3 2007 1
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
 
Passo 13 2007 1
Passo 13 2007 1Passo 13 2007 1
Passo 13 2007 1
 
Origens históricas do behaviorismo
Origens históricas do behaviorismoOrigens históricas do behaviorismo
Origens históricas do behaviorismo
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
 
Introdução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia ExperimentalIntrodução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia Experimental
 
Variáveis e mensuração
Variáveis e mensuraçãoVariáveis e mensuração
Variáveis e mensuração
 
Esquema de reforçamento
Esquema de reforçamentoEsquema de reforçamento
Esquema de reforçamento
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
Psicologia Experimental
Psicologia ExperimentalPsicologia Experimental
Psicologia Experimental
 
Punição positiva x negativa
Punição positiva x negativaPunição positiva x negativa
Punição positiva x negativa
 
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequências
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequênciasReflexões sobre o modelo de seleção por consequências
Reflexões sobre o modelo de seleção por consequências
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Reforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e NegativoReforço Positivo e Negativo
Reforço Positivo e Negativo
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 

Semelhante a Passo 12 2007 1

Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Psicologia_2015
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
PAMELAPITAGORASFREIT
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
Natália Araújo
 
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo
jose rogerio dos santos
 
Aprendizado.pdf
Aprendizado.pdfAprendizado.pdf
Aprendizado.pdf
AgenorBentodaSilva
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
Wildson Nunes
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
CristianoDeOliveira20
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Alessandra Pereira
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
Rafael Afonso de Oliveira
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
CENSUPEG-PÓS GRADUAÇÃO-JUQUIÁ-SP
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Jorge925180
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
Monalisa Costa
 

Semelhante a Passo 12 2007 1 (20)

Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
 
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo
 
Aprendizado.pdf
Aprendizado.pdfAprendizado.pdf
Aprendizado.pdf
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Passo 12 2007 1

  • 1. FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA EXPERIMENTAL – TURMA 010 PASSO 12 - Controle de Estímulos Objetivos: 1) Definir e dar exemplos de estímulos discriminativos e de procedimentos de discriminação. 2) Definir e dar exemplos de estímulos generalizados e de procedimentos de generalização. 3) Discorrer sobre as extensões do controle de estímulos. Discriminação Usamos o termo discriminação para indicar que a probabilidade de uma dada resposta depende da situação, ou seja, dos estímulos presentes em um dado momento. Quando observamos alguém almoçando, com um garfo na mão, constatamos que a probabilidade de levar o garfo à boca é alta quando há comida nele, e baixa quando ele está vazio. Dizemos, nesse caso, que a resposta de levar o garfo à boca está sob controle do estímulo “garfo cheio”. A maneira com que o garfo é levado à boca a cada vez que essa ação ocorre pode variar um pouco, mas a conseqüência é sempre a mesma: a comida é colocada na boca. Como passamos a nos comportar diferentemente na presença de diferentes estímulos? Para responder a essa pergunta, vamos primeiro relembrar alguns conceitos que já estudamos e, em seguida, introduziremos o fenômeno comportamental chamado discriminação. Sabemos que um estímulo reforçador é aquele que, quando é apresentado contingentemente a uma resposta, aumenta a probabilidade de emissões futuras daquela resposta e de outras respostas pertencentes à mesma classe, isto é, o conjunto das respostas que, naquela situação, podem produzir o reforço. A esse conjunto de respostas ou classe de respostas, que têm em comum o fato de, na mesma situação, produzirem a mesma conseqüência, denominamos “operante” ou uma “classe operante”. Além disso, o reforço não só aumenta a probabilidade futura da resposta a que se seguiu; ele também coloca a resposta, ou a classe de respostas, sob controle dos estímulos que distinguem a situação em que a resposta é reforçada da situação em que não é reforçada. Um estímulo é chamado de estímulo discriminativo (SD) quando passa a controlar o comportamento (uma classe de respostas) em função de estar associado a uma determinado esquema de reforçamento. Não é o sujeito que associa o estímulo discriminativo ao reforçamento da resposta, mas essa associação ocorre de fato no ambiente do sujeito. Para mencionar um exemplo que se tornará conhecido a você, quem associa a barra da câmara de condicionamento operante ao reforço (água) não é o ratinho mas o experimentador: não devemos dizer “que o sujeito discriminou a resposta”, mas sim que “o responder se tornou discriminado”. Um exemplo prático de que as respostas são discriminadas por seus efeitos, e não que os indivíduos discriminam entre os estímulos, é o fato de esquimós apresentarem respostas diferenciais para vinte e uma tonalidades da cor branca. Isto não pode ser uma característica do esquimó, pois qualquer um que seja inserido naquele ambiente será capaz responder da mesma forma a cada tom de branco após uma exposição mais prolongada àquelas contingências. As conseqüências de se responder de forma discriminada entre Branco “Gelo Fino” e Branco “Gelo Espesso” são bem diferenciadas, e por isto encontram-se sob controle discriminativo. É algo bastante diferente de ser reforçado por combinar uma bolsa branca com um sapato branco, onde o reforço (elogios) é generalizado para a cor branca, independente da tonalidade de branco de cada uma das peças. Do ponto de vista temporal, um estímulo discriminativo antecede a resposta, pois é na sua presença que, como resultado de uma história de reforçamento, um operante tem uma probabilidade maior de ocorrer. A função que os estímulos discriminativos exercem em relação a uma resposta operante difere da função exercida pelos estímulos eliciadores em relação a uma reposta reflexa, na medida em que os estímulos eliciadores evocam respostas selecionadas na história da espécie e os estímulos discriminativos controlam respostas selecionadas durante a vida do indivíduo. Na realidade, durante todo o tempo estamos emitindo respostas reflexas e operantes. Virar-se para o lado de onde vem um ruído é uma resposta selecionada na história da espécie – é o reflexo de orientação – e essa resposta é parte dos operantes que se desenvolvem nos indivíduos como pegar uma bola que é jogada em sua direção. Assim, do ponto de vista da relação com a resposta, ainda que os estímulos discriminativos precedam um operante, eles não o eliciam. Pelo contrário, diz-se que os estímulos discriminativos ocasionam ou estabelecem condições para as respostas operantes. Isso significa que um conjunto de condições, nem sempre sob controle do experimentador, afeta a probabilidade da resposta, junto com o estímulo discriminativo. Suponha, por exemplo, que um rato privado de água esteja recebendo uma gota de água a cada dez vezes que pressiona a barra, quando a luz sobre a caixa estiver acesa, e que essa resposta nunca seja reforçada quando a luz sobre a caixa estiver apagada. Isso significa que o rato ficará pressionando a barra por todo o tempo em que a luz estiver acesa? Sabemos que não, e que o rato deixará de pressionar a barra quando estiver bebendo a água e fará uma pausa nas pressões à barra após esse reforço, mesmo que a luz continue acesa. Também é provável que a freqüência de respostas na ausência da luz não seja completamente zero, havendo sempre uma freqüência residual, mesmo depois de longa exposição a essas condições. A relação entre o estímulo discriminativo e a resposta discriminativa é estabelecida em termos probabilísticos, ou seja, o estímulo apenas aumenta ou diminui a chance de que a resposta ocorra. A apresentação de um estímulo discriminativo não implica que a resposta vá ocorrer imediatamente e obrigatoriamente, ao contrário do que ocorre quando da apresentação de um estímulo eliciador condicionado ou incondicionado. Neste sentido podemos dizer que,
  • 2. Fundamentos de Psicologia Experimental Passo 12 2 havendo ocorrido no passado o reforçamento freqüente de alguma resposta na presença de um estímulo discriminativo, a presença deste estímulo tende a evocar a emissão da resposta. Um estímulo continuará a ser discriminativo, isto é, controlando a probabilidade de emissão de respostas de uma classe, se estas, ocorrendo na presença do estímulo, continuarem sendo seguidas de reforço. Noutras palavras, a função discriminativa do estímulo é adquirida e mantida por sua associação com o estímulo reforçador e é extinta quando a associação for suspensa. Do ponto de vista da manipulação do comportamento, dado que respostas que estão sob o controle de um estímulo discriminativo aparecem, em presença do estímulo, com uma freqüência diferente daquela com que aparecem em sua ausência, podemos controlar a emissão dessas respostas manipulando (apresentando ou retirando) o estímulo discriminativo. Nosso comportamento social em pequenos grupos depende desse mecanismo. Como nós – e nossas ações – fazemos parte do ambiente dos outros membros do nosso grupo familiar ou de amigos ou de colegas, nós criamos a ocasião para a emissão de certos comportamentos, assim como nos comportamos respondendo a situações criadas pelos nossos parentes, amigos ou colegas. Na nossa cultura é bastante comum, por exemplo, provocarmos os outros (tease em inglês), isto é, criar situações em que sabemos de antemão qual será a reação da "vítima". O procedimento para desenvolver uma discriminação requer a especificação de duas situações de estímulo distintas para o sujeito. Na presença de uma delas (o SD) a resposta operante produz reforço. Na presença da outra, (S∆) a resposta não produz reforço. O processo é caracterizado inicialmente pelo responder generalizado em ambas as situações e pela gradual extinção do responder na situação S∆ e manutenção ou fortalecimento do responder na situação SD. O resultado é o responder totalmente diferenciado entre as duas situações de tal maneira que a resposta se torna muito mais provável na situação SD e pouco provável na situação S∆. Podemos adotar esse procedimento no laboratório: aproveitando a existência de uma probabilidade maior do que zero da resposta de pressão à barra, podemos colocar uma caixa de som junto da câmara experimental e passar a reforçar respostas de pressão à barra emitidas quando o som estiver ligado (SD) e colocar essa resposta em extinção quando estiver desligado (S∆). Nesse processo, poder-se-á observar que a freqüência da resposta vai se manter e até aumentar na presença de SD e a mesma resposta será gradualmente extinta na presença de S∆. O resultado final será que o responder se tornará discriminado, ou seja, o sujeito responderá muito mais na presença do que na ausência do som (estímulo ambiental associado pelo experimentador a reforçamento). Como já dissemos, o estímulo discriminativo positivo, associado à disponibilidade de reforçamento para a resposta é chamado SD, o estímulo discriminativo negativo, associado à extinção da resposta é chamado SΔ (ésse delta) (ver Millenson, 1975, p. 206). A curva acumulada de respostas ficaria assim: 120 SD S! SD S! SD S! SD 90 60 30 Tempo Figura 1 - Freqüência acumulada das respostas de pressão à barra sob esquema de reforçamento intermitente. Durante a sessão, foram alternados intervalos de apresentação de SD e SΔ. Observe que o sujeito responde mais nos períodos de apresentação do SD e responde menos nos períodos de SΔ. Um outro exemplo pode ser o que segue: uma criança cujo comportamento foi reforçado ao dizer "papá" na presença de seu pai, pode dizer "papá" a outras pessoas, e ainda assim essa resposta pode ser reforçada; é possível, entretanto, que estas outras pessoas, com o passar do tempo, não se mostrem tão satisfeitas por serem confundidas com o pai da criança. Se isso ocorrer, essa criança deixará de receber reforços na presença dessas pessoas quando disser "papá", continuando, porém, a recebê-lo quando o disser na presença de seu pai. Este procedimento de reforçar diferencialmente essa resposta da criança na presença de seu pai acabará por produzir a extinção da resposta de dizer "papá" na presença das outras pessoas. Assim, quando a criança, olhando para seu pai, diz "papá", seu comportamento é reforçado com um sorriso ou afago de seu pai, mas quando olha para a babá e diz essa palavra, a resposta não é reforçada. Se a família dessa criança organizar as contingências convenientemente, ela provavelmente não ficará apenas muda na presença de outras pessoas, como a mãe por exemplo, mas passará a dizer "mama" em sua presença,
  • 3. Fundamentos de Psicologia Experimental Passo 12 3 desde que haja reforço programado para essa resposta. A essa mudança no controle de estímulo exercido pela figura do pai e/ou da mãe, denominamos discriminação. (ver Millenson, p. 210) Dizemos que uma resposta do organismo é discriminativa, entre dois ou mais estímulos, quando ela é emitida diferentemente na presença de cada um desses estímulos. Se, pelo contrário, um organismo responde de maneira mais ou menos idêntica na presença de vários estímulos, dizemos que ele responde de forma generalizada a esses estímulos. O indivíduo que já emite respostas discriminativas em uma situação, apresenta com muito mais freqüência os comportamentos que serão seguidos por reforçamento. Por exemplo, em uma sala de espetáculos, apesar de estarmos rodeados de amigos todo o tempo, em geral só conversamos nos intervalos da apresentação, o que indica uma história de reforço para conversar nos intervalos, ao contrário do que ocorre por conversar durante a apresentação. Já vimos, no exemplo anterior, que o comportamento de uma criança dizer “papa” tinha uma alta probabilidade de ser reforçado se a criança o fizesse na presença de seu pai, e não na presença da empregada. Porém, se essa criança dissesse "papá" na presença de seu pai e "mama" na presença da mãe, seu comportamento seria reforçado em ambas as situações. Embora os organismos possam emitir respostas discriminativas em função de diferenças físicas bastante sutis entre os estímulos, há um limite em relação a quão pequena pode ser essa diferença. Esse limite pode ser imposto pelas condições do ambiente ou do próprio organismo. Por exemplo, podemos distinguir entre dois toques de diferentes buzinas num bairro silencioso, porém, quando essas buzinas soam no meio de um tráfego barulhento podemos não distingui-las. Também não conseguiremos distinguir entre esses toques de buzina se estivermos com um resfriado tão forte que afete o nosso ouvido. Pode ser precipitado, contudo, dizer que um organismo não pode emitir respostas discriminativas entre dois estímulos só porque quando observamos suas respostas elas não exibem evidências dessa discriminação. Isto só poderia ser afirmado após um treino discriminativo, isto é, após a aplicação de reforçamento diferencial na presença desses diferentes estímulos. Podemos dizer, sem muito risco de errar, que os organismos podem emitir respostas discriminativas muito além do que em geral demonstram e que, na realidade, certas discriminações nunca se desenvolvem porque seus ambientes nunca forneceram conseqüências diferenciais para diferentes comportamentos na presença desses diferentes estímulos. Um provador de vinho, um chaveiro abridor de cofres, um pintor ou um músico, representam casos de discriminações extremamente acuradas e refinadas diante de estímulos gustativos, táteis, visuais e sonoros. Uma pessoa que apresente grande deficiência visual pode apresentar respostas discriminativas de estímulos táteis que as pessoas com acuidade visual normal só não o fazem porque seus ambientes não conseqüenciaram diferencialmente esse tipo de repertório. Generalização Um determinado estímulo discriminativo aumenta a probabilidade de ocorrência de uma determinada classe de respostas em sua presença, mas estímulos fisicamente semelhantes ao estímulo discriminativo também podem ocasionar a ocorrência dessas respostas, com probabilidade tanto maior quanto maior a semelhança entre os estímulos. Dito de outra forma, reforçamento de uma resposta na presença de um estímulo aumenta a probabilidade de que respostas dessa mesma classe ocorram não apenas na presença desse estímulo, mas também na presença de estímulos fisicamente semelhantes. Quando isto ocorre, diz-se que ocorreu GENERALIZAÇÃO primária de estímulos. Generalização é, portanto, a ocorrência de uma resposta diante de um estímulo FISICAMENTE SEMELHANTE àquele na presença do qual a resposta foi originalmente reforçada. A generalização, assim como a discriminação, não é um processo do organismo e sim uma relação funcional entre as condições de estimulação e a distribuição de respostas. A discriminação é uma facilitação, ou aumento de freqüência de uma resposta, na presença de um estímulo diante do qual a emissão dessa resposta foi e continua sendo seguida de reforçamento, em contraste com baixas freqüências de respostas na presença de outros estímulos, ocasião em que essas emissões não foram seguidas de reforçamento. Por seu turno, a generalização é uma facilitação ou aumento de freqüência de respostas na presença de estímulos que contêm parte das propriedades do estímulo na presença do qual a resposta foi reforçada. Se todos os motoristas dos veículos que transitam pela Almirante Barroso param seus carros diante de um sinal vermelho (discriminação) boa parte dos motoristas parariam seus carros se o sinal de trânsito um dia emitisse luz rosa-choque. Algumas vezes, cumprimentamos uma pessoa desconhecida e só depois vamos perceber que se tratava de uma pessoa fisicamente semelhante a uma pessoa conhecida. Casos de generalização de estímulos são comuns. Como já foi dito anteriormente, quando o comportamento de uma criança dizer “papá" diante de seu pai é reforçado, ela inicialmente também chama outras pessoas de "papá", embora talvez com uma freqüência menor do que aquela quando nomeia seu próprio pai. Quando um pombo bica um painel vermelho, ele bicará, embora talvez com menor freqüência, painéis iluminados com outras cores próximas como laranja e cor de rosa. Em cada caso, o reforçamento na presença de um estímulo aumentou a probabilidade do respectivo operante aparecer, não só na presença desse estímulo, mas também na presença de outros estímulos semelhantes. Deve-se acrescentar que a probabilidade desses outros estímulos controlarem tais operantes dependerá, em parte, das características físicas que estes estímulos têm em comum, de forma que quanto mais características em comum, maior a possibilidade de que ocorra o fenômeno da generalização.
  • 4. Fundamentos de Psicologia Experimental Passo 12 4 Em nossa vida diária, exemplos de generalização são tão comuns que freqüentemente passam despercebidos. Os pais sorriem quando uma criança diz "au-au" à vista de um cavalo, uma vaca, um gato, ou qualquer outro quadrúpede. O fato é que uma criança, um adulto ou um animal que foram reforçados quando responderam de uma certa maneira a uma dada situação, responderão da mesma maneira quando um ou mais aspectos da situação tiverem sidos alterados ao longo de uma ou mais dimensões básicas, ou mesmo quando algum elemento da situação original não estiver presente. Quando dois objetos ou situações possuem vários aspectos ou dimensões em comum, temos a tendência a responder a eles de forma semelhante. Quem sofre muito com esse fenômeno são as cobras não venenosas, que nos são úteis por eliminarem ratos, mas que são atacadas e mortas pelas pessoas que as vêem. Há poucas pessoas que emitem respostas discriminativas entre cobras venenosas e cobras não venenosas. Apesar de uma resposta ocorrida na presença de um estímulo discriminativo tender a ocorrer na presença de estímulos que apresentem alguma(s) propriedade(s) em comum com o estímulo discriminativo original, esta resposta só manterá sua freqüência se for reforçada na presença deste novo estimulo a exemplo do que ocorria com o estímulo original. Caso contrário, um novo processo de discriminação ocorrerá entre o estímulo original e o novo estímulo (reforçamento diferencial). Por exemplo, a resposta de cumprimentar uma pessoa parecida com um amigo pode ocorrer umas poucas vezes e logo ser extinta, pois não é reforçada. Ou seja, se inicialmente respondíamos de maneira similar aos dois indivíduos (generalização), após a ausência de reforço seguido por cumprimentar o estranho e a manutenção do reforço por cumprimentarmos nosso conhecido, passamos a responder de maneira diferenciada entre ambos (discriminação). Observe que nenhuma mudança no estímulo é necessária para que se possa discriminar entre ambos (você não precisa marcar a testa do seu amigo para ser capaz de reconhecê-lo), basta que a contingência de reforço seja diferente para cada estímulo para que a generalização dê lugar a discriminação. Podemos dizer então que há um continuo entre discriminação e generalização. Extensões do Controle de Estímulos Discriminação e generalização estão envolvidas em uma série de comportamentos que tradicionalmente têm sido estudados sob os nomes de atenção, percepção, abstração e até mesmo imitação. Ao contrário da opinião popular, a imitação nem sempre é uma capacidade natural ou herdada. O comportamento a ser imitado funciona como estímulo discriminativo. Um gatinho pode emitir a mesma resposta que o irmão ou a mãe emitem numa dada situação. Essa resposta pode produzir conseqüências no ambiente que aumentam a probabilidade dessa resposta voltar a ocorrer. O estímulo discriminativo que inicialmente controlou a resposta foi o comportamento da mãe (ou do irmão), mas em seguida o comportamento do gatinho pode ter ficado sob controle dos estímulos envolvidos intrinsecamente na situação. Imitamos uma pessoa que olha para o céu porque esse comportamento certamente foi reforçado anteriormente (vimos um avião ou uma manobra arriscada de um bombeiro sobre um prédio). O comportamento de seguidores e líderes desenvolve-se de maneira semelhante. Os seguidores, ao invés de fazerem uso dos estímulos discriminativos do ambiente físico, utilizam-se do comportamento de outras pessoas, mas deixariam de imitar se as respostas emitidas não fossem reforçadas. No comportamento chamado de “conceitual” lidamos com classes de objetos como estímulos e temos, diante de todos esses estímulos, uma resposta comum: o nome da classe. Tomando a classe "árvores" podemos incluir árvores pequenas ou grandes, com ou sem frutos, pinheiros, figueiras, carvalhos etc, agrupados por terem uma ou algumas propriedades ou dimensões em comum. Nós as discriminamos de outras classes como "cães", "casas" ou "pessoas" que não possuem essas dimensões. Desenvolvemos o conceito de "árvore" quando respondemos diante de diferentes objetos dizendo "árvore", e nossa comunidade reforça nosso comportamento de fazê-lo. Ou seja, generalizamos dentro das dimensões relevantes (não importa o tipo de galho ou folha, de circunferência e/ou altura da copa e/ou tronco, existência ou não de frutos etc). Contudo, só completamos o conceito quando também discriminamos entre dimensões diferentes (folha vs pêlo vs telha vs cabelo; tronco ou galhos vs patas vs paredes vs membros superiores e inferiores etc). Para se ter uma idéia de como os conceitos dependem das conseqüências providas para as respostas pela comunidade, saiba que, do ponto de vista botânico, um abacaxi é uma flor complexa, uma espécie de cacho de flores cujos talos se colaram uns aos outros. No entanto, abacaxis são frutas, para todos nós, porque só há reforço para dizer fruta e não para dizer flor, ao vermos ou lidarmos com abacaxis. Se você quiser tentar se opor a essa prática cultural, experimente enviar um arranjo com abacaxis para o(a) namorado(a) para comemorar uma data festiva. O repertório comportamental de um indivíduo resulta de uma longa e contínua história de aprendizagem, em que relações ambiente-ambiente e relações comportamento-ambiente vão sendo selecionadas. Ao discutirmos controle de estímulo, estamos nos referindo à aprendizagem de um organismo, isto é, ao efeito de suas interações com o meio. A eficiência com que as pessoas lidam com o ambiente é medida pela variabilidade e adequação de seus comportamentos e qualquer tentativa de estudar os fatores envolvidos na aquisição desses comportamentos envolve, necessariamente, um estudo desse ambiente. No primeiro capítulo de sua obra "About Behaviorism" (Sobre o Comportamentalismo), Skinner sugere que um maior conhecimento a respeito do controle exercido pelo ambiente sobre os organismos tornaria possível a análise dos efeitos do "mundo dentro da pele" sobre o comportamento, bem como da natureza do autoconhecimento. Complete os estudos do Passo 12 com a leitura dos capítulos de Controle de Estímulos do livro de J. R. Millenson, Princípios de Análise do Comportamento.