SlideShare uma empresa Scribd logo
Aprendizagem Operante
Elenice S. Hanna
Renata Cambraia
Erick R. Huber
Contingências
• Comportamento Respondente:
Uma relação em que ambiente elicia uma
resposta do organismo.
S  R
• Comportamento Operante:
Uma resposta emitida pelo organismo produz
uma alteração no ambiente.
R  S
Contingência e Contiguidade
• Relações de contingência que envolvem
contiguidade, ou seja, estreita relação
temporal entre eventos ambientais e
comportamentos são mais efetivas.
Edward L. Thorndike
Lei do Efeito
• Primeira formulação dos princípios do
operante
• Caixa problema - tentativa e erro
– BONS EFEITOS: Comportamentos mais frequentes
– MAUS EFEITOS: Comportamentos menos freq.

Recomendado para você

Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem

O documento discute os processos de modelagem e reforçamento diferencial na aquisição de novos comportamentos. A modelagem envolve aproximações sucessivas de um comportamento inicial para um comportamento final, onde respostas intermediárias semelhantes são reforçadas diferencialmente até o comportamento alvo ser atingido. O reforçamento diferencial seleciona respostas úteis e faz com que respostas menos apropriadas desapareçam.

Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt

O documento discute as diferenças entre o behaviorismo metodológico e o behaviorismo radical proposto por Skinner. O behaviorismo radical defende que eventos privados como sentimentos devem ser considerados eventos materiais e observáveis. Ele busca explicar o comportamento humano analisando fatores como história genética, desenvolvimento e cultura de cada pessoa.

ps ychologysoci al ciências
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2

Aula 6 da disciplina "Fundamentos teóricos em Psicologia II - Comportamentalismo", ministrada ao Curso de Psicologia da Unifesspa (2016). Textos discutidos: Caps. VII e VIII do livro "Ciência e Comportamento Humano" (B. F. Skinner); Caps. 1 e 2 do livro "Controle de Estímulos e Comportamento Operante. Uma (Nova) Introdução" (Sério et al.)

discriminaçãogeneralizaçãoanálise funcional do comportamento
Edward L. Thorndike
B. F. Skinner
Sistematizou o efeito das
consequências sobre o comportamento.
Comportamento Operante
“Os homens agem sobre o mundo e o modificam
e, por sua vez, são modificados pelas
consequências de sua ação” (Skinner, 1957).
Selecionismo
• Seleção natural (Darwin):
O ambiente seleciona características
biológicas (fenótipo) de uma população.
• Seleção pelas consequências (Skinner):
O ambiente seleciona, durante a história do
indivíduo “populações” de comportamentos.

Recomendado para você

Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade

1) O documento discute análise funcional do comportamento e como contingências ambientais influenciam padrões comportamentais. 2) Contingências são relações de dependência entre eventos que podem ser descritas como "se...então...". 3) Eventos contingentes podem ou não ser contíguos no tempo/espaço, mas contingência é mais do que mera contigüidade.

Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes

[1] A aula discute os conceitos de reflexo condicionado e incondicionado, e introduz o conceito de "operante" de Skinner, que se refere a classes de comportamento cujas probabilidades são modificadas pelas consequências ambientais. [2] São analisadas as propriedades quantitativas dos operantes e o fenômeno da extinção. [3] O conceito de "reforçador" é discutido, notando-se que é circular definí-lo como aquilo que aumenta a probabilidade de resposta, sem estabelecer

skinnerciência e comportamento humanobehaviorismo radical
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem

O documento discute os tipos de aprendizagem, incluindo tentativa e erro, imitação, imitação e correção, e ensino intencional. Ensino intencional requer um tutor para transmitir conhecimento usando didática e metodologia, como mostrado no exemplo de uma aula de biologia que usou uma música para ensinar sobre eritroblastose fetal. A conclusão é que os humanos têm uma notável capacidade de aprender e ensinar, mas o aprendiz deve construir seus próprios conhecimentos.

educação
Condicionamento Operante
• Processo: Mudança (aumento ou decréscimo)
na probabilidade de respostas que produzem
consequências (reforçadoras ou punidoras)
• Procedimento: Apresentação ou retirada de
consequências contingente à emissão de
resposta, que alteram a sua probabilidade
de ocorrência.
Tríplice Contingência
Antecedentes
• Não causam comportamento, apenas
estabelecem ocasião para que ocorra.
• Indicam o tipo de consequência disponível.
Classes de respostas
• Padrões de comportamento que produzem
as mesmas consequências pertencem à
mesma classe de respostas.
• Termo classe é necessário porque a topografia
(forma) das respostas varia.

Recomendado para você

O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1

O documento discute os fundamentos da psicologia como ciência do comportamento humano. Apresenta os principais tópicos: 1) a psicologia estuda o comportamento e suas interações com o ambiente; 2) o comportamento é determinado por múltiplas variáveis biológicas, históricas e sociais; 3) a aprendizagem ocorre por meio do condicionamento respondente e operante e depende da história de reforço do indivíduo.

Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências

O documento discute a diferença entre comportamento modelado pelas contingências (CMC) e comportamento governado por regras (CGR). CMC é adquirido diretamente por consequências, enquanto CGR depende de instruções verbais. Regras podem facilitar a aprendizagem, mas também podem diminuir a sensibilidade às contingências. Várias variáveis afetam o equilíbrio entre seguir regras e ser sensível às contingências.

O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato

Os reflexos inatos são importantes para a sobrevivência dos recém-nascidos, como a sucção do dedo ou seio quando colocado na boca. Reflexos são relações entre estímulos e respostas, onde o estímulo causa uma resposta específica. Propriedades dos reflexos incluem a intensidade da resposta aumentar com a intensidade do estímulo, um limiar mínimo de intensidade para uma resposta ocorrer, e habituação onde respostas repetidas a um estímulo diminuem com o tempo.

experimentalpsicologiaexperimentalpsicologia
Gritar
Tocar a campainha
Chutar
Bater com a mão Classe de Resposta
– Produzem a
mesma
consequência: ser
recebido por
alguém.
Classes de respostas
Ligar pra abrir
Consequências
• Alterações no ambiente que aumentam ou
diminuem a probabilidade futura do
comportamento.
CONSEQUÊNCIAS QUE FORTALECEM
O COMPORTAMENTO
Reforço
• Consequência que FORTALECE o
comportamento, ou seja, AUMENTA a
probabilidade de um determinado
comportamento voltar a ocorrer.
Exemplo:
Fazer uma ligação  Falar com o amigo
R  S

Recomendado para você

Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo

Ivan Pavlov estudou o condicionamento clássico, no qual os cães aprendiam a associar estímulos como o som de uma campainha à comida. Isto levou ao desenvolvimento do behaviorismo, que enfatiza o estudo do comportamento observável e como o ambiente influencia a aprendizagem.

Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento

1) O documento apresenta um resumo do livro "Princípios de Análise do Comportamento" de J.R. Millenson, traduzido para o português. 2) O livro fornece uma introdução aos princípios fundamentais da modificação do comportamento com base na Psicologia Experimental. 3) O autor espera que o livro seja útil para estudantes de diferentes níveis, desde graduação até pós-graduação.

Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante

Este documento discute a aprendizagem por condicionamento operante. Ele define aprendizagem e condicionamento operante, explora os experimentos iniciais de Thorndike e Skinner, e explica como o reforço e a punição afetam o comportamento.

Vídeos
Tudo por uma mamadeira.
Birra
Reflita
Uma criança faz bagunça e apanha do
pai, mas continua fazendo bagunça
Reforço
• Reforço Positivo:
Aumenta a probabilidade de o comportamento
ocorrer, ACRESCENTANDO um estímulo.
 Exemplo:
Pedir um copo de água  Obter água
• Reforço Negativo:
Aumenta a probabilidade de ocorrência do
comportamento, RETIRANDO um estímulo aversivo.
 Exemplo:
Fazer dever de casa  Evitar bronca na escola
Reforço

Recomendado para você

Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos

O documento discute os conceitos de personalidade, inteligência e percepção. Apresenta definições dessas três variáveis psicológicas, seus determinantes e processos. Explica como a percepção influencia as interações pessoais e as implicações disso para a gestão de pessoas nas organizações.

Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner

Trabalho sobre e a Teoria de Skinner na educação para a disciplina de Teorias e Estratégias de Aprendizagem da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

skinner; behaviorismo; educaçaõ
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil

O documento discute o desenvolvimento infantil, dividido em três fases: primeira infância (0-3 anos), segunda infância (3-6 anos) e terceira infância (6-12 anos). São abordados os desenvolvimentos físico, cognitivo e emocional em cada fase, com base em teóricos como Piaget e Erikson. Fatores ambientais como o estilo parental também são discutidos como influenciadores do desenvolvimento da criança.

Reforço
Vídeo
Identifique o reforço negativo e positivo
Reforço Negativo
• As duas principais classes de comportamento
produzidas por reforçamento negativo são
fuga e esquiva
– Fuga: Respostas que permitem uma pessoa fugir
de estímulos aversivos depois que os estímulos
estão presentes.
– Esquiva: Respostas que permitem uma pessoa
prevenir a ocorrência de estímulos aversivos
antes que eles apareçam.
Reforço Negativo

Recomendado para você

Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1

O documento discute o controle de estímulos no comportamento, especificamente: (1) o comportamento ocorre em um contexto ambiental; (2) o controle de estímulos envolve mudar a frequência ou probabilidade de um comportamento ao mudar o contexto; (3) estímulos discriminativos combinam consequências e contexto para gerar controle de estímulos.

Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas

1) O documento discute estilos parentais e práticas educativas, identificando fatores de risco e protetivos para o desenvolvimento de problemas de comportamento em crianças e adolescentes. 2) É apresentada uma classificação das práticas educativas parentais em técnicas coercitivas e indutivas, discutindo seus efetos no desenvolvimento da criança. 3) Fatores como afetividade parental, determinantes das práticas parentais e sistemas de crenças dos pais também são abordados.

psicologiaeducação infantilcriança
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem

Este documento discute os principais tipos de aprendizagem: 1) A aprendizagem ocorre através da experiência e prática, resultando em mudanças comportamentais e de atitudes relativamente permanentes. 2) A aprendizagem por condicionamento clássico envolve a associação entre estímulos através de processos como a habituação, condicionamento e generalização. 3) A aprendizagem por condicionamento operante ocorre quando os comportamentos são reforçados ou punidos por suas consequ

SIT. A R C PROC.
1
Passar bronzeador para
pegar uma cor dourada
Praia, sol Passar
brozeador
Cor
dourada
R+
2
Criança que vem correndo ao
encontro dos pais
3
Parar de usar filtro solar
vagabundo depois de pegar
uma queimadura
4
Esconder um brinquedo
barulhento do irmão
5
Parar de fumar de tanto o
companheiro reclamar
Análise de Contingências
E daí?
• Podemos PREVER nosso comportamento e
dos outros.
• Podemos MUDAR nós mesmos e os outros.
• Podemos explicar comportamentos intrigantes
como falar, pensar, sonhar, imaginar.
Extinção Operante
• É a suspensão do reforço.
• Produz uma diminuição na frequência do
comportamento.
• Porém, no INICIO, ocorre um aumento
abrupto de frequencia.
• Outros efeitos:
– Aumento na variabilidade da topografia (forma)
– Respostas emocionais (raiva, frustração etc.)
Extinção Operante
• Resistência à extinção:
Tempo de manutenção ou aumento do número de
respostas durante a extinção até comportamento
retornar a níveis antes do condicionamento.
• Variáveis que determinam a resistência a extinção:
– Quantidade de reforçamento anterior
– Esquema de reforçamento
– Custo da resposta
– Possibilidade de reforçamento acidental

Recomendado para você

Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1

O documento discute os conceitos de comportamento social e aprendizagem vicariante. Explica que o comportamento social é controlado por consequências fornecidas por outras pessoas e inclui interações como cooperar, conversar e educar. Também descreve que a aprendizagem vicariante ocorre quando o comportamento de outra pessoa serve como modelo e estímulo para o aprendiz imitar ações semelhantes.

Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx

O documento discute as principais abordagens da psicologia, incluindo o behaviorismo de Watson, Pavlov e Skinner. O behaviorismo enfatiza o comportamento observável e como ele é moldado pela interação entre o organismo e o ambiente através dos processos de condicionamento, reforço e extinção.

Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1

1) O documento discute o comportamento operante, diferenciando-o do comportamento respondente e explicando que ele é controlado por suas consequências passadas, não por estímulos antecedentes. 2) A Lei do Efeito de Thorndike é apresentada, explicando que respostas seguidas de reforço tendem a se repetir, enquanto respostas seguidas de punição tendem a se extinguir. 3) Skinner contribui definindo comportamentos operantes como aqueles cuja frequência é determinada pelas consequências que eles produzem no amb

Vídeo
• I will always love you
Aprendizagem Operante
Aula 2
Outros efeitos do reforço
• Diminuição de frequência de outros
comportamentos.
Exemplo: Estudar vs. Sair com amigos, lavar
louça, assistir televisão etc.
• Diminuição da variabilidade da topografia
(forma) do comportamento reforçado.
Exemplo: Abrir a porta
Reforço vs. Recompensa
• Recompensa tem sentido mais limitado de
presente/prêmio para a PESSOA (não implica em
contingência entre resposta e conseqüência);
• A recompensa é definida por quem usa e não em
relação ao efeito sobre o comportamento;
• O reforçador é definido pelo efeito que causa no
comportamento.

Recomendado para você

Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA

[1] O documento apresenta os conceitos fundamentais da Análise do Comportamento Aplicada (ABA) para o tratamento de crianças com autismo, incluindo reforçadores, reforçamento positivo e negativo, punição, antecedentes, respostas e consequências de comportamentos. [2] É explicado como escolher reforçadores que funcionem com cada criança e como usar esquemas de reforçamento contínuo e intermitente. [3] Também são descritos os efeitos colaterais da punição e por que não deve ser us

Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1

O documento discute o controle de estímulos no comportamento, especificamente a discriminação e generalização. A discriminação ocorre quando a probabilidade de uma resposta depende do estímulo presente, como comer quando há comida no garfo. Estímulos discriminativos controlam a probabilidade de uma resposta ocorrer. Generalização ocorre quando organismos respondem de forma semelhante a vários estímulos.

Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem

O documento discute conceitos-chave sobre aprendizagem, definindo-a como uma mudança relativamente permanente no comportamento ou potencial comportamental resultante da experiência, e não atribuível a fatores como maturação, fadiga ou motivação. Também aborda diferentes tipos de aprendizagem como sensibilização, habituação e como avaliar se uma mudança no desempenho constitui aprendizagem.

• Esse presente é uma recompensa pelo belo serviço que
você realizou. (Aumentou algum comportamento?)
• A recompensa que João recebeu foi menor do que a
que Paulo recebeu. (Comportamento? Efeito?)
• Sempre faço escaladas porque quando chego ao topo
da montanha, a vista maravilhosa recompensa o meu
esforço. (Especifica o cpto, a conseqüência e o efeito
fortalecedor)
Reforço vs. Recompensa
Relatividade do reforço
• Estado motivacional
(operações estabelecedoras)
Ex: Privação/saciação de alimento, quarto
escuro.
• Variáveis do contexto
Ex: Comer verdura em casa vs. na casa da avó
Reforço Natural vs. Arbitrário
• Reforço natural:
Quando a consequência é produto direto do próprio
comportamento.
 Exemplo: Tocar violão  Ouvir um som legal
Montanha russa  Frio na barriga
• Reforço arbitrário:
Quando a consequência é produto indireto do
comportamento.
 Exemplos: Tocar violão  Cachê
Montanha russa  Amigos impressionados
Vídeo
The Big Bang Theory

Recomendado para você

fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].pptfdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt

Este documento discute a teoria do comportamento operante de Skinner. Apresenta exemplos de como reforços positivos, reforços negativos, punição positiva e punição negativa moldam o comportamento de acordo com essa teoria do behaviorismo. Também fornece exemplos desses conceitos no ambiente escolar, organizacional e em experimentos com ratos e seres humanos.

pedagogia
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista

O documento discute a abordagem behaviorista em ambientalismo. Apresenta os conceitos-chave do behaviorismo como estímulo-resposta, reforço e punição. Detalha experimentos seminais de Ivan Pavlov sobre condicionamento clássico e de Thorndike e Skinner sobre condicionamento operante. Explica como esses processos podem influenciar o aprendizado e comportamento humanos.

02 o ambientalismo e a abordagem behavioristabehavioristaambientalismo
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo

O documento discute os conceitos fundamentais do behaviorismo, incluindo: 1) O behaviorismo foi inaugurado por John B. Watson em 1913 e foca no estudo das interações entre indivíduos e ambientes; 2) Comportamentos operantes, como apertar uma alavanca para receber água, podem ser reforçados ou punidos para modelar o aprendizado; 3) Técnicas como reforço, extinção e discriminação são usadas para modificar comportamentos.

Reforço Condicionado vs.
Incondicionado
• Primário ou Incondicionado:
Função independe de experiência.
 Exemplos: alimento, água/líquido, equilíbrio de
temperatura, oxigênio etc.
• Secundário ou Condicionado:
Depende de experiência (emparelhamento com outro
reforçador)
 Exemplos: coca-cola, roupa, telefone, dinheiro,
informação etc.
Reforçador condicionado
• Social (atenção, broncas, elogios,
sorrisos, olhar para)
• Tokens (fichas de cassino, multas,
diplomas, medalhas)
• Generalizado (dinheiro, careta,
sorriso, atenção)
Princípio de Premack
• Reposta de maior probabilidade pode reforçar
uma anterior de menor probabilidade;
 Exemplo:
Dever de casa  Brincar com amigos
• Resposta de menor probabilidade pode punir
uma anterior de maior probabilidade;
 Exemplo:
Colocar no canal alemão  Assistir programa
que não gosta
Reforçamento e extinção
• Reforçamento Diferencial de Outras Respostas
(DRO):
Fortalecimento de uma resposta incompatível
com a resposta indesejável e extinção da resposta
indesejada.
Exemplo:
Criança que chora muito - Reforçar quando faz
alguma coisa sem chorar e ignorar (não
consequenciar) o chorar.

Recomendado para você

Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1

O documento discute extinção respondente e operante. A extinção operante envolve suspender o reforçamento de uma resposta, levando à diminuição gradual de sua frequência até níveis pré-treinamento. A extinção respondente envolve apresentar um estímulo condicionado sem o estímulo incondicionado, levando à diminuição gradual do reflexo condicionado. Ambos os processos requerem histórico de condicionamento prévio para ocorrer.

Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado

Esta aula apresentará como o aprendizado, em suas diversas formas, afeta o comportamento e torna os animais mais plásticos na adaptação ao ambiente.

imprintingmemoriaaprendizado
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdfAULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf

O documento discute os conceitos de behaviorismo de acordo com as teorias de Pavlov e Skinner. Especificamente, descreve os experimentos de Pavlov sobre condicionamento respondente e como Skinner expandiu esses conceitos para o condicionamento operante e os processos de reforço, punição e extinção.

behaviorismo.pdf
Punição
• Consequência que ENFRAQUECE o
comportamento, ou seja, DIMINUI a
probabilidade de um determinado
comportamento voltar a ocorrer.
Exemplo:
Colocar dedo na tomada  Levar choque
R  S
Punição
• Punição Positiva:
Reduz a probabilidade de o comportamento ocorrer,
ACRESCENTANDO um estímulo.
 Exemplo:
Pedir um copo de água  “Pega você”
• Punição Negativa:
Reduz a probabilidade de ocorrência do
comportamento, RETIRANDO um estímulo aversivo.
 Exemplo:
Fazer bagunça  Uma semana sem TV
Punição
Punição

Recomendado para você

Aprendizado.pdf
Aprendizado.pdfAprendizado.pdf
Aprendizado.pdf

O documento discute os principais conceitos de aprendizagem, incluindo aprendizagem por consequências, reforço, punição, extinção de comportamentos, discriminação de estímulos e modelagem de novos comportamentos.

Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx

O documento discute a teoria behaviorista. Ela foi fundada por John Watson em 1913 e foca no estudo dos comportamentos observáveis através de métodos experimentais. Uma figura central foi Skinner, que desenvolveu o conceito de condicionamento operante, no qual respostas são modificadas por estímulos subsequentes como reforço ou punição. O behaviorismo tem aplicações no controle do comportamento humano e organizacional.

Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização

O documento discute conceitos fundamentais de controle de estímulos, discriminação e generalização de estímulos no comportamento. Ele explica que a história de reforçamento determina quais estímulos antecedentes controlam uma resposta e que a generalização permite que novas respostas ocorram diante de estímulos semelhantes. Também aborda classes de estímulos, encadeamento de respostas e aplicações desses conceitos.

Punição Negativa
• Timeout:
Período de tempo durante o qual a pessoa é
impedida de emitir o comportamento que se
acha sob observação:
(a) removendo-a da situação reforçadora; ou
(b) removendo a oportunidade para responder.
IDENTIFIQUE O PROCESSO E OS TERMOS DAS
CONTINGÊNCIAS
SIT. R C PROC.
7
Deixar de jogar roupas pela
casa para não ficar sem
jogar videogame
Jogar
roupas
pela casa
Ficar s/
videogame
P-
8
Criança que tem seus
brinquedos recolhidos
após birra
Fazer birra Brinquedos
recolhidos
P-
9
Deixar de sair com amigos
que ridicularizavam
Sair com
amigos
Ser
ridicularizado
P+
10
Menos brigas na escola pra
não perder a mesada
Brigar na
escola
Perda da
mesada
P-
11
Cumprimentar uma pessoa
grossa
Cumprime
ntar pessoa
Comentário
mal-educado
P+
Punição
• Não ensina nenhum comportamento.
• Possui subprodutos:
– Aparecimento de respostas emocionais
– Surgimento de respostas de esquiva e fuga
– O agente aplicador de punição serve como
modelo para o uso de punição
– Contracontrole
Então por que punimos tanto?
• Independe de privação (água vs. choque)
• Baixo custo da resposta
• Imediaticidade da consequência
– Comportamento de “punir” é reforçado
negativamente

Recomendado para você

Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptxAula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx

O documento descreve a abordagem comportamental de Skinner, incluindo os conceitos de condicionamento clássico e operante, reforçadores, modelagem do comportamento e instrução programada. O foco é entender o comportamento humano em relação às contingências ambientais e usar reforçadores para moldar o comportamento desejado.

behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt

O documento discute o behaviorismo de acordo com Pavlov e Skinner. Explica que Pavlov estudou o reflexo condicionado através de experimentos com cães, enquanto Skinner desenvolveu o condicionamento operante e defendeu o uso de reforços positivos no ensino. O texto também descreve as máquinas de ensinar desenvolvidas por Skinner para aplicar os princípios do behaviorismo na educação.

Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt

(1) O documento descreve as teorias comportamentais de Pavlov e Skinner, enfatizando o condicionamento respondente e operante. (2) Pavlov estudou como estímulos ambientais podem controlar respostas fisiológicas através do condicionamento, enquanto Skinner focou no reforço e modelagem para explicar a aprendizagem. (3) Skinner aplicou essas ideias na instrução programada e máquinas de ensinar para tornar os alunos mais ativos no processo de aprendizagem.

Alternativas ao Controle Aversivo
• Reforço positivo em vez de negativo
• Extinção em vez de punição
• Reforçamento diferencial
• Aumento na densidade de reforço para outras
alternativas
Extinção vs. Punição
 Fazer uma ligação  Telefone fora de área
R  S
 Fazer uma ligação  Namorado reclama
R  S
 Fazer uma ligação  Não pode usar o PC
R  S
AumentoDiminuição
Conseqüências
EfeitosobreaResposta
Reforçamento
Positivo
Reforçamento
Negativo
Punição
Positiva
Punição
Negativa
Apresentação
(+)
Retirada
(-)
Cpto Consequência Frequência Processo
Fazer Birra
Ganhar um
brinquedo
Cumprimentar
uma pessoa
Receber má
resposta
Conversar em
sala de aula
Bronca do
professor
Mandar flores
para a namorada
Receber beijos e
abraços;
namorada feliz
APRENDIZAGEM OPERANTE
Reforçamento
positivo.
Reforçamento
positivo.
Punição positiva
Punição positiva

Recomendado para você

Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper

O documento discute os conceitos de controle aversivo, punição e reforçamento negativo no comportamento. Define controle aversivo como processos de punição e reforçamento negativo que envolvem um estímulo aversivo. Explora as diferenças entre punição positiva e negativa e possíveis efeitos colaterais do controle aversivo.

conferencecontrolcontent
Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica

Este documento discute os quatro principais princípios da bioética: não-maleficência, beneficência, autonomia e justiça. Os princípios fornecem uma estrutura para analisar problemas éticos na saúde e orientar decisões, embora não devam ser vistos como absolutos. O documento também discute potenciais conflitos entre esses princípios, como autonomia versus beneficência.

Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos

O documento discute os conceitos de riscos e benefícios nas pesquisas com seres humanos. Aborda a importância de ponderar cuidadosamente os riscos e benefícios de uma pesquisa, tanto individuais quanto coletivos, para garantir a integridade física e psicológica dos participantes. Também destaca a necessidade de evitar conflitos de interesse que possam comprometer a isenção da pesquisa.

Reforço ou Punição?
• Simpsons - Donut hell

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbal
Psicologia_2015
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
José Roberto Pinto
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
Caio Maximino
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
Caio Maximino
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
Eliane Almeida
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
Wildson Nunes
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Eduardo Petrucci
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
Luis Davi Salomao
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas
Ludmila Moura
 

Mais procurados (20)

Aula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbalAula 4 comportamento verbal
Aula 4 comportamento verbal
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
Tipos De Aprendizagem
Tipos De AprendizagemTipos De Aprendizagem
Tipos De Aprendizagem
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas
 

Semelhante a Aprendizagem operante

A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
Nilson Dias Castelano
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
CristianoDeOliveira20
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
Natália Araújo
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].pptfdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
SELMAPANTOJA3
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
GLEYDSON ROCHA
 
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo
jose rogerio dos santos
 
Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
Eduardo Bessa
 
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdfAULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
LuizSilveiraJunior
 
Aprendizado.pdf
Aprendizado.pdfAprendizado.pdf
Aprendizado.pdf
AgenorBentodaSilva
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Pedro Luis Moraes
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Psicologia_2015
 
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptxAula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
CndidaPsi
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
Monalisa Costa
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Alessandra Pereira
 
Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
anogueiran
 

Semelhante a Aprendizagem operante (20)

A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptxAula 1 -  Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
Aula 1 - Introdução à Psicologia Parte 2.pptx
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].pptfdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
fdocumentos.tips_slide-skinner [Salvo automaticamente].ppt
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
 
O behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumoO behaviorismo.docx resumo
O behaviorismo.docx resumo
 
Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1Passo 7 2007 1
Passo 7 2007 1
 
Aprendizado
AprendizadoAprendizado
Aprendizado
 
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdfAULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
AULA XX - BEHAVIORISMO.pdf
 
Aprendizado.pdf
Aprendizado.pdfAprendizado.pdf
Aprendizado.pdf
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
 
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalizaçãoAula 2 os conceitos de discriminação e generalização
Aula 2 os conceitos de discriminação e generalização
 
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptxAula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
Aula 01 - Skinner condicionamento e aprendizagem.pptx
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
 
Aprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.pptAprendizagens Comportamentais.ppt
Aprendizagens Comportamentais.ppt
 
Controle aversivo interação resp-oper
Controle aversivo   interação resp-operControle aversivo   interação resp-oper
Controle aversivo interação resp-oper
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
Nilson Dias Castelano
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
Nilson Dias Castelano
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
Nilson Dias Castelano
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
Nilson Dias Castelano
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Nilson Dias Castelano
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
Nilson Dias Castelano
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Nilson Dias Castelano
 
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuaisA defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
Nilson Dias Castelano
 
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (19)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Bioética aborto e eutanasia
Bioética    aborto e eutanasiaBioética    aborto e eutanasia
Bioética aborto e eutanasia
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologiaA emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
A emergência do pensamento moderno e o projeto científico da psicologia
 
causas internas x causas externas
causas internas x causas externascausas internas x causas externas
causas internas x causas externas
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Sensação e Percepção
Sensação e PercepçãoSensação e Percepção
Sensação e Percepção
 
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
Neurociências e Terapia Cognitivo-Comportamental
 
Transtorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade BorderlineTranstorno de Personalidade Borderline
Transtorno de Personalidade Borderline
 
Alcoolismo
AlcoolismoAlcoolismo
Alcoolismo
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuaisA defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
A defesa de crianças e adolescentes vítimas deviolências sexuais
 
Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1Desenvolvimento Humano Piaget 1
Desenvolvimento Humano Piaget 1
 

Último

Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 

Aprendizagem operante

  • 1. Aprendizagem Operante Elenice S. Hanna Renata Cambraia Erick R. Huber
  • 2. Contingências • Comportamento Respondente: Uma relação em que ambiente elicia uma resposta do organismo. S  R • Comportamento Operante: Uma resposta emitida pelo organismo produz uma alteração no ambiente. R  S
  • 3. Contingência e Contiguidade • Relações de contingência que envolvem contiguidade, ou seja, estreita relação temporal entre eventos ambientais e comportamentos são mais efetivas.
  • 4. Edward L. Thorndike Lei do Efeito • Primeira formulação dos princípios do operante • Caixa problema - tentativa e erro – BONS EFEITOS: Comportamentos mais frequentes – MAUS EFEITOS: Comportamentos menos freq.
  • 6. B. F. Skinner Sistematizou o efeito das consequências sobre o comportamento.
  • 7. Comportamento Operante “Os homens agem sobre o mundo e o modificam e, por sua vez, são modificados pelas consequências de sua ação” (Skinner, 1957).
  • 8. Selecionismo • Seleção natural (Darwin): O ambiente seleciona características biológicas (fenótipo) de uma população. • Seleção pelas consequências (Skinner): O ambiente seleciona, durante a história do indivíduo “populações” de comportamentos.
  • 9. Condicionamento Operante • Processo: Mudança (aumento ou decréscimo) na probabilidade de respostas que produzem consequências (reforçadoras ou punidoras) • Procedimento: Apresentação ou retirada de consequências contingente à emissão de resposta, que alteram a sua probabilidade de ocorrência.
  • 11. Antecedentes • Não causam comportamento, apenas estabelecem ocasião para que ocorra. • Indicam o tipo de consequência disponível.
  • 12. Classes de respostas • Padrões de comportamento que produzem as mesmas consequências pertencem à mesma classe de respostas. • Termo classe é necessário porque a topografia (forma) das respostas varia.
  • 13. Gritar Tocar a campainha Chutar Bater com a mão Classe de Resposta – Produzem a mesma consequência: ser recebido por alguém. Classes de respostas Ligar pra abrir
  • 14. Consequências • Alterações no ambiente que aumentam ou diminuem a probabilidade futura do comportamento.
  • 16. Reforço • Consequência que FORTALECE o comportamento, ou seja, AUMENTA a probabilidade de um determinado comportamento voltar a ocorrer. Exemplo: Fazer uma ligação  Falar com o amigo R  S
  • 17. Vídeos Tudo por uma mamadeira. Birra
  • 18. Reflita Uma criança faz bagunça e apanha do pai, mas continua fazendo bagunça
  • 19. Reforço • Reforço Positivo: Aumenta a probabilidade de o comportamento ocorrer, ACRESCENTANDO um estímulo.  Exemplo: Pedir um copo de água  Obter água • Reforço Negativo: Aumenta a probabilidade de ocorrência do comportamento, RETIRANDO um estímulo aversivo.  Exemplo: Fazer dever de casa  Evitar bronca na escola
  • 22. Vídeo Identifique o reforço negativo e positivo
  • 23. Reforço Negativo • As duas principais classes de comportamento produzidas por reforçamento negativo são fuga e esquiva – Fuga: Respostas que permitem uma pessoa fugir de estímulos aversivos depois que os estímulos estão presentes. – Esquiva: Respostas que permitem uma pessoa prevenir a ocorrência de estímulos aversivos antes que eles apareçam.
  • 25. SIT. A R C PROC. 1 Passar bronzeador para pegar uma cor dourada Praia, sol Passar brozeador Cor dourada R+ 2 Criança que vem correndo ao encontro dos pais 3 Parar de usar filtro solar vagabundo depois de pegar uma queimadura 4 Esconder um brinquedo barulhento do irmão 5 Parar de fumar de tanto o companheiro reclamar Análise de Contingências
  • 26. E daí? • Podemos PREVER nosso comportamento e dos outros. • Podemos MUDAR nós mesmos e os outros. • Podemos explicar comportamentos intrigantes como falar, pensar, sonhar, imaginar.
  • 27. Extinção Operante • É a suspensão do reforço. • Produz uma diminuição na frequência do comportamento. • Porém, no INICIO, ocorre um aumento abrupto de frequencia. • Outros efeitos: – Aumento na variabilidade da topografia (forma) – Respostas emocionais (raiva, frustração etc.)
  • 28. Extinção Operante • Resistência à extinção: Tempo de manutenção ou aumento do número de respostas durante a extinção até comportamento retornar a níveis antes do condicionamento. • Variáveis que determinam a resistência a extinção: – Quantidade de reforçamento anterior – Esquema de reforçamento – Custo da resposta – Possibilidade de reforçamento acidental
  • 29. Vídeo • I will always love you
  • 31. Outros efeitos do reforço • Diminuição de frequência de outros comportamentos. Exemplo: Estudar vs. Sair com amigos, lavar louça, assistir televisão etc. • Diminuição da variabilidade da topografia (forma) do comportamento reforçado. Exemplo: Abrir a porta
  • 32. Reforço vs. Recompensa • Recompensa tem sentido mais limitado de presente/prêmio para a PESSOA (não implica em contingência entre resposta e conseqüência); • A recompensa é definida por quem usa e não em relação ao efeito sobre o comportamento; • O reforçador é definido pelo efeito que causa no comportamento.
  • 33. • Esse presente é uma recompensa pelo belo serviço que você realizou. (Aumentou algum comportamento?) • A recompensa que João recebeu foi menor do que a que Paulo recebeu. (Comportamento? Efeito?) • Sempre faço escaladas porque quando chego ao topo da montanha, a vista maravilhosa recompensa o meu esforço. (Especifica o cpto, a conseqüência e o efeito fortalecedor) Reforço vs. Recompensa
  • 34. Relatividade do reforço • Estado motivacional (operações estabelecedoras) Ex: Privação/saciação de alimento, quarto escuro. • Variáveis do contexto Ex: Comer verdura em casa vs. na casa da avó
  • 35. Reforço Natural vs. Arbitrário • Reforço natural: Quando a consequência é produto direto do próprio comportamento.  Exemplo: Tocar violão  Ouvir um som legal Montanha russa  Frio na barriga • Reforço arbitrário: Quando a consequência é produto indireto do comportamento.  Exemplos: Tocar violão  Cachê Montanha russa  Amigos impressionados
  • 37. Reforço Condicionado vs. Incondicionado • Primário ou Incondicionado: Função independe de experiência.  Exemplos: alimento, água/líquido, equilíbrio de temperatura, oxigênio etc. • Secundário ou Condicionado: Depende de experiência (emparelhamento com outro reforçador)  Exemplos: coca-cola, roupa, telefone, dinheiro, informação etc.
  • 38. Reforçador condicionado • Social (atenção, broncas, elogios, sorrisos, olhar para) • Tokens (fichas de cassino, multas, diplomas, medalhas) • Generalizado (dinheiro, careta, sorriso, atenção)
  • 39. Princípio de Premack • Reposta de maior probabilidade pode reforçar uma anterior de menor probabilidade;  Exemplo: Dever de casa  Brincar com amigos • Resposta de menor probabilidade pode punir uma anterior de maior probabilidade;  Exemplo: Colocar no canal alemão  Assistir programa que não gosta
  • 40. Reforçamento e extinção • Reforçamento Diferencial de Outras Respostas (DRO): Fortalecimento de uma resposta incompatível com a resposta indesejável e extinção da resposta indesejada. Exemplo: Criança que chora muito - Reforçar quando faz alguma coisa sem chorar e ignorar (não consequenciar) o chorar.
  • 41. Punição • Consequência que ENFRAQUECE o comportamento, ou seja, DIMINUI a probabilidade de um determinado comportamento voltar a ocorrer. Exemplo: Colocar dedo na tomada  Levar choque R  S
  • 42. Punição • Punição Positiva: Reduz a probabilidade de o comportamento ocorrer, ACRESCENTANDO um estímulo.  Exemplo: Pedir um copo de água  “Pega você” • Punição Negativa: Reduz a probabilidade de ocorrência do comportamento, RETIRANDO um estímulo aversivo.  Exemplo: Fazer bagunça  Uma semana sem TV
  • 45. Punição Negativa • Timeout: Período de tempo durante o qual a pessoa é impedida de emitir o comportamento que se acha sob observação: (a) removendo-a da situação reforçadora; ou (b) removendo a oportunidade para responder.
  • 46. IDENTIFIQUE O PROCESSO E OS TERMOS DAS CONTINGÊNCIAS SIT. R C PROC. 7 Deixar de jogar roupas pela casa para não ficar sem jogar videogame Jogar roupas pela casa Ficar s/ videogame P- 8 Criança que tem seus brinquedos recolhidos após birra Fazer birra Brinquedos recolhidos P- 9 Deixar de sair com amigos que ridicularizavam Sair com amigos Ser ridicularizado P+ 10 Menos brigas na escola pra não perder a mesada Brigar na escola Perda da mesada P- 11 Cumprimentar uma pessoa grossa Cumprime ntar pessoa Comentário mal-educado P+
  • 47. Punição • Não ensina nenhum comportamento. • Possui subprodutos: – Aparecimento de respostas emocionais – Surgimento de respostas de esquiva e fuga – O agente aplicador de punição serve como modelo para o uso de punição – Contracontrole
  • 48. Então por que punimos tanto? • Independe de privação (água vs. choque) • Baixo custo da resposta • Imediaticidade da consequência – Comportamento de “punir” é reforçado negativamente
  • 49. Alternativas ao Controle Aversivo • Reforço positivo em vez de negativo • Extinção em vez de punição • Reforçamento diferencial • Aumento na densidade de reforço para outras alternativas
  • 50. Extinção vs. Punição  Fazer uma ligação  Telefone fora de área R  S  Fazer uma ligação  Namorado reclama R  S  Fazer uma ligação  Não pode usar o PC R  S
  • 52. Cpto Consequência Frequência Processo Fazer Birra Ganhar um brinquedo Cumprimentar uma pessoa Receber má resposta Conversar em sala de aula Bronca do professor Mandar flores para a namorada Receber beijos e abraços; namorada feliz APRENDIZAGEM OPERANTE Reforçamento positivo. Reforçamento positivo. Punição positiva Punição positiva
  • 53. Reforço ou Punição? • Simpsons - Donut hell