SlideShare uma empresa Scribd logo
A bioética, o início e o fim da vida: o aborto e a
eutanásia
Ms. Luiza Colmán
Princípios Morais
• Princípio da sacralidade da vida (PSV)
• Princípio do respeito à autonomia da pessoa (PRA)
Elementos essenciais às discussões morais acerca do fim
da vida
Princípios Morais
• Princípio da sacralidade da vida (PSV):
▫ A vida consiste em um bem – concessão da divindade ou
manifestação de um finalismo intrínseco da natureza;
▫ Tem um estatuto sagrado;
▫ A vida é sempre digna de ser vivida, isto é, estar vivo é sempre um
bem, independentemente das condições em que a existência se
apresente.
A sacralidade da vida é considerada um das mais contundentes
objeções ao aborto e à eutanásia, mormente nas éticas cristãs e na
tradição hiprocrática.
Princípios Morais
• Porquê se considera sagrada apenas a vida humana? Por que não
tratar todas as formas de vida como sagrada?
▫ Peter Singer considera discriminatório esse posicionamento,
denominando-o de especismo – discriminação pela espécie animal.
▫ Termos Cristãos: possível sustentar a primazia da vida humana
sobre as demais com base no excerto bíblico;
▫ Para os não cristãos ou panteístas: se não se reconhece que a vida
humana tem estatuto “à imagem e a semelhança de Deus”, duas
perspectivas podem ser adotadas:
 Nenhuma vida é plenamente sagrada;
 Todas as vidas são.
Princípios Morais
• Princípio do respeito à autonomia da pessoa (PRA):
▫ Pressupõe que se considerem, definitivamente, as livres
escolhas dos sujeitos quando se tratar de questões morais;
 Cada pessoa tem o direito de dispor de sua vida da maneira que
melhor lhe aprouver.
▫ Reconhece que a moralidade implica o estabelecimento de
relações entre sujeitos autônomos – ou, ao menos, que um dos
implicados seja autônomo.
Princípios Morais
Indivíduo que age livremente de acordo com um pano escolhido por
ele mesmo, da mesma forma que um governo independente
administra seu território e define suas políticas.
Autonomia
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Aborto
▫ Tema mais polêmicos da atualidade e tem fomentado múltiplos debates,
mormente nos âmbitos políticos, médico, jurídico e filosófico;
▫ Antigamente:
 Aborto era aceito e praticado por membros de diferentes culturas;
 Passou a ser condenado bem mais recentemente, (1869), pela Igreja
Católica;
▫ De modo geral:
 Passou a ser repudiado no momento de declínio da taxa de natalidade,
como no período de derrocada do império romano e nos países da Europa
Ocidental.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Hemisfério norte:
▫ O espaço definitivo para a colocação do aborto em pauta, consolidou-se a
partir das transformações sociais (1960);
▫ Se relacionaram intimamente às lutas políticas das feministas em prol da
liberdade sexual e reprodutiva e ao surgimento da “pílula
anticoncepcional”, que tornou possível reduzir enormemente o risco de
que um ato sexual se transformasse em uma ação reprodutiva.
• Latino-americano:
▫ Ganhou força com um atraso de 20 anos, em decorrência do período
autoritário e arbitrário que vigorou na maior parte do país.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• O fato de ser considerado um crime no Brasil não impede que o aborto
seja amplamente utilizado para impedir a concretização da maternidade;
▫ Consequência: “aborto provocado” – sério problema de saúde , na
maioria das vezes realizado de forma velada e com resultados
catastróficos.
• Considerar o aborto apenas do ponto de vista legal é fechar os olhos para
um problema que insiste em se colocar, diurnamente, nos serviços de
saúde e no âmbito mais amplo da sociedade brasileira.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Atualidade:
▫ Maior liberdade para se interrogar e discutir acerca dos aspectos
(bio)éticos do aborto e do seu impacto social e sanitário;
▫ Pouco avanço na caracterização mais clara do problema:
 As múltiplas e díspares realidades e ordens discursivas albergadas pelo
conceito, na medida em que uma série de motivações e contextos
diferentes podem se tornar manifestos na decisão de interromper uma
gravidez em curso.
 A dificuldade em manter um debate de alto nível e embasado em
argumentação legítima – e não em espúrios “enredamentos retóricos”,
os quais têm muito mais o intuito de confundir do que esclarecer.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Definição de Aborto:
▫ De modo geral:
 Interrupção da gestação antes de ser possível ao concepto manter-se vivo
no ambiente extrauterino.
▫ Diniz e Almeirda (1998):
 Interrupção voluntária da gravidez:
 Realizada em nome da autonomia reprodutiva da grávida, ou seja, por
falta do desejo de levar a gestação a termo (quer esta seja fruto de um
estupro ou de uma relação consensual);
 Ex: Pais que optam por interrupções por impossibilidade de assumir o
compromisso com a maternidade/paternidade em um dado momento.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Diniz e Almeirda (1998):
▫ Interrupção terapêutica da gravidez:
 Praticada com o intuito último de salvar a mãe gravemente enferma,
para quem a continuação do ciclo gravídico acabará desencadeando a
morte;
 Ex: casos de eclampsia.
▫ Interrupção eugênica da gravidez:
 Executada com base em princípios da eugenia, tais como valores
racistas, sexistas, étnicos;
 Ex: práticas nazistas.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Diniz e Almeirda (1998):
▫ Interrupção seletiva da gravidez:
 Motivada pela existência de graves lesões fetais, muitas das quais
incompatíveis com a vida;
 Ex: anencefalia.
Importante distinguir o aborto segundo sua gênese: espontâneo ou
provocado.
Bioética e o início da vida: o Aborto
• Código penal brasileiro:
▫ Aborto um crime contra a vida;
▫ Artigo 128: não punir o aborto praticado por médico em algumas
circunstâncias específicas:
 Se não houver outra forma de salvar a vida da gestante;
 Se a gravidez for o resultado de estupro e o aborto for procedido
por consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu
representante legal.
Atualmente se discute essa ideia!
Bioética e o início da vida: o Aborto
• O debate bioético situa-se em dois extremos:
▫ PSV: assume a ideia de que a vida é sagrada, e consequentemente, o
aborto NUNCA é bioeticamente defensável.
 Considera que a embrião/feto é, desde a fecundação, uma pessoa em
ato ou em potência.
▫ PRA: preconiza que a mulher é livre para decisões sobre a própria
vida, incluindo sua sexualidade e reprodução.
 O aborto aqui é visto como bioeticamente defensável, exceto
quando é realizado contra a vontade da mulher
Bioética e o início da vida: a Eutanásia
• Considerado crime, seguindo o artigo 121 do Código Penal;
• Ainda se observa um pacto de silêncio nas unidades de cuidado
da saúde, nas quais a decisão por interromper, ou não, a
terapêutica acaba por ser tomada às escuras, por profissionais
habitualmente sem qualquer preparação para isso e, pior, muitas
vezes à revelia dos familiares e do próprio enfermo.
Bioética e o Final da vida: a Eutanásia
• Distinção quanto ao ato:
▫ Eutanásia ativa:
 Ato deliberado de provocar a morte sem sofrimento do paciente, por fins
humanitários;
 Ex: injeção letal.
▫ Eutanásia passiva:
 Quando a morte ocorre por omissão proposital em se iniciar uma ação
médica que garantiria a perturbação da sobrevida;
 Ex: deixar de iniciar aminas vasoativas no caso de choque não responsivo à
reposição volêmica.
Bioética e o Final da vida: a Eutanásia
• Distinção quanto ao ato:
▫ Eutanásia de duplo efeito:
 Nos casos em que a morte é acelerada como consequência de ações
médicas não visando ao êxito letal, mas sim ao alívio do sofrimento de um
paciente;
 Ex: emprego de morfina para controle da dor, gerando, secundariamente,
depressão respiratória e óbito.
Bioética e o início da vida: a Eutanásia
• Distinção quanto ao consentimento do enfermo:
▫ Eutanásia voluntária:
 Em resposta à vontade expressa do doente, o que seria um sinônimo de
suicídio assistido.
▫ Eutanásia involuntária:
 Quando o ato é realizado contra a vontade do enfermo, o que, em linhas
gerais, pode ser igualado a homicídio.
▫ Eutanásia não voluntária:
 Quando a vida é abreviada sem que se conheça a vontade do paciente.
Bioética e o início da vida: a Eutanásia
• Dispositivos legais:
▫ Código Penal:
 Penaliza a eutanásia por entendê-la como homicídio;
 Artigo 121: é crime matar alguém.
 Entretanto, em seu primeiro parágrafo determina que se o agente cometer
o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob o
domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da
vítima, o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um terço.
▫ Projeto de Lei 125/96, de 1995:
 Pessoas com sofrimento físico ou psíquico poderiam solicitar a realização
de procedimentos que visem à própria morte, desde que autorizadas por
uma junta médica e que haja expressa anuência do enfermo.
Bioética e o início da vida: a Eutanásia
• PSV:
▫ É imoral lançar mão de medidas para abreviar o processo de morrer.
• PRA:
▫ Se o sujeito autônomo é capaz de tomar inúmeras decisões ao longo da
própria existência, torna-se plenamente justificável que ele tenha,
igualmente, a possibilidade de decidir sobre o fiz de sua vida.
Bioética e o início da vida: a Eutanásia
• Dois elementos importantes para a argumentação a favor da eutanásia:
▫ O princípio da qualidade da vida (PQV), princípio prima facie:
 Aplicável somente em determinadas circunstâncias, destituído,
portanto, de um valor universal e inatacável.
▫ O conceito de compaixão laica:
 Entendido não como julgamento do outro, mas, tão somente sua
aceitação, o amparo à sua condição de vivente.
 Torna-se significativo adotar uma atitude, em relação ao enfermo
inserido no processo de morrer, de respeito a esse seu momento,
dispondo-se a atender seu desejo de morrer, sem julgá-lo e sem tomar
arbitrariamente decisões tão importantes em seu lugar.
Portanto...
• Nascer e morrer são pontos extremos na existência humana,
reconhecendo, no âmbito da cultura, um grandioso esforço para
atribuir-lhes sentido, seja por meio da religião, filosofia, ciência ou
de outras manifestações do espírito;
• Essas tentativas incluem ações capazes de trazer significativos
problemas éticos (aborto e eutanásia) – os quais deverão ser
apreciados pelo profissional da saúde, sujeito que habitualmente
precisará tomar decisões sobre a vida e a morte de outrem.
A bioética, o início e o fim da vida: o aborto e a
eutanásia
Ms. Luiza Colmán

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
Jéssica Bomfim
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Karla Ntz
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
Letícia R. Maia
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 
Aula 01 ética
Aula 01 éticaAula 01 ética
Aula 01 ética
Sabrina Felgueiras
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
Shirley Kellen Ferreira
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Jaqueline Almeida
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
Hamilton Souza
 
transplante de orgãos
transplante de orgãostransplante de orgãos
transplante de orgãos
Roseclaudia
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
Erivaldo Rosendo
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Proqualis
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Douglas Freitas
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
brunafreitas543908
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
António Morais
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
Letícia Spina Tapia
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 

Mais procurados (20)

1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente TerminalAssistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
Assistencia de Enfermagem ao Cliente Terminal
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Aula 01 ética
Aula 01 éticaAula 01 ética
Aula 01 ética
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
 
transplante de orgãos
transplante de orgãostransplante de orgãos
transplante de orgãos
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 

Destaque

Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásia
RaianeEnfermagem
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
Samuel Benjamin
 
Livro bioetica
Livro   bioeticaLivro   bioetica
Livro bioetica
Zé Vitor Rabelo
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
Maria Stella
 
Eutanásia patrick renato
Eutanásia patrick renatoEutanásia patrick renato
Eutanásia patrick renato
iosi2012
 
Ética do fim de vida
Ética do fim de vidaÉtica do fim de vida
Ética do fim de vida
jmbveiga
 
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolicaEutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
claudiaribeiro17
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSia
cab3032
 
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria VidaEutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
Sergio Menezes
 
Bioética e religião
Bioética e religiãoBioética e religião
Bioética e religião
Laíz Coutinho
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
marleneves
 
Trabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiaTrabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásia
figo
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
jekinha
 
G2 Eutanasia Bioética
G2 Eutanasia BioéticaG2 Eutanasia Bioética
G2 Eutanasia Bioética
Unidad Docente AFyC Las Palmas
 
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia RealIMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
José Roldão
 
Eutanásia
Eutanásia Eutanásia
Eutanásia
dianacmendes7
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
Fernanda Marinho
 
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrerO fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
Centro Universitário Ages
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
restartilovee
 
Bioética geral
Bioética geralBioética geral
Bioética geral
restartilovee
 

Destaque (20)

Bioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásiaBioética, aborto e eutanásia
Bioética, aborto e eutanásia
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
 
Livro bioetica
Livro   bioeticaLivro   bioetica
Livro bioetica
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
 
Eutanásia patrick renato
Eutanásia patrick renatoEutanásia patrick renato
Eutanásia patrick renato
 
Ética do fim de vida
Ética do fim de vidaÉtica do fim de vida
Ética do fim de vida
 
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolicaEutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
Eutanasia perspectivas da_doutrina_catolica
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSia
 
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria VidaEutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
 
Bioética e religião
Bioética e religiãoBioética e religião
Bioética e religião
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
 
Trabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiaTrabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásia
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
 
G2 Eutanasia Bioética
G2 Eutanasia BioéticaG2 Eutanasia Bioética
G2 Eutanasia Bioética
 
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia RealIMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
IMAGENS FORTES - A Índia da Tv e a Índia Real
 
Eutanásia
Eutanásia Eutanásia
Eutanásia
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrerO fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
O fim da vida: a eutanásia, a morte e o morrer
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Bioética geral
Bioética geralBioética geral
Bioética geral
 

Semelhante a Bioética aborto e eutanasia

Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1
António Morais
 
Bioética e Biopoder
Bioética e BiopoderBioética e Biopoder
Bioética e Biopoder
Bibiana F
 
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
hugo87
 
Aula etica neo 2
Aula etica neo 2Aula etica neo 2
Aula etica neo 2
MichelleSoeiro
 
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tccOs aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Ojr Bentes
 
Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásiaCópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
Emanuel Maldonado
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
rbgalvao
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
IsadoraPereira32
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
Rita Costa
 
Aborto - Sociologia
Aborto - SociologiaAborto - Sociologia
Aborto - Sociologia
Larissa Azevedo Milward
 
trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-
TobiasFim3
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
eutanasia
eutanasia eutanasia
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
portustfs
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
ssuserac2c8a
 
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásiaNo sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Oscar Bayerlein
 
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
Bruno Bartholomei
 
UFCD - STC7 Eutanásia.pptx
UFCD - STC7 Eutanásia.pptxUFCD - STC7 Eutanásia.pptx
UFCD - STC7 Eutanásia.pptx
Nome Sobrenome
 
Trabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTOTrabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTO
aliandra1
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
Aula Web
 

Semelhante a Bioética aborto e eutanasia (20)

Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1Violência Doméstica 9º C Grupo 1
Violência Doméstica 9º C Grupo 1
 
Bioética e Biopoder
Bioética e BiopoderBioética e Biopoder
Bioética e Biopoder
 
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
 
Aula etica neo 2
Aula etica neo 2Aula etica neo 2
Aula etica neo 2
 
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tccOs aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
Os aspectos sociais,religiosos e juridicos da malformacoes fetais.tcc
 
Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásiaCópia de trabalho de filosofia eutanásia
Cópia de trabalho de filosofia eutanásia
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Aborto - Sociologia
Aborto - SociologiaAborto - Sociologia
Aborto - Sociologia
 
trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativos
 
eutanasia
eutanasia eutanasia
eutanasia
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
 
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásiaNo sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
No sentido etimológico a palavra eutanásia, a distanásia e ortotanásia
 
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
O que dizem os espíritos sobre o aborto (juvanir borges de souza e feb)
 
UFCD - STC7 Eutanásia.pptx
UFCD - STC7 Eutanásia.pptxUFCD - STC7 Eutanásia.pptx
UFCD - STC7 Eutanásia.pptx
 
Trabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTOTrabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTO
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 

Mais de Nilson Dias Castelano

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
Nilson Dias Castelano
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
Nilson Dias Castelano
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
Nilson Dias Castelano
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
Nilson Dias Castelano
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
Nilson Dias Castelano
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
Nilson Dias Castelano
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
Nilson Dias Castelano
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
Nilson Dias Castelano
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
Nilson Dias Castelano
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
Nilson Dias Castelano
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
Nilson Dias Castelano
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 

Mais de Nilson Dias Castelano (20)

Principios da bioetica
Principios da bioeticaPrincipios da bioetica
Principios da bioetica
 
Pesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanosPesquisa com seres humanos
Pesquisa com seres humanos
 
Bioética privacidade e segredo profissional
Bioética   privacidade e segredo profissionalBioética   privacidade e segredo profissional
Bioética privacidade e segredo profissional
 
Bioética pessoas especiais
Bioética   pessoas especiaisBioética   pessoas especiais
Bioética pessoas especiais
 
Bioetica direito a informação
Bioetica   direito a informaçãoBioetica   direito a informação
Bioetica direito a informação
 
Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2Psicologia experimental - v2
Psicologia experimental - v2
 
O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1O estudo do comportamento - v1
O estudo do comportamento - v1
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Discriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacaoDiscriminacao simples-e_generalizacao
Discriminacao simples-e_generalizacao
 
Regrasx contingências
Regrasx contingênciasRegrasx contingências
Regrasx contingências
 
Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1Controle de estímulos - v1
Controle de estímulos - v1
 
Comportamento social-v1
Comportamento social-v1Comportamento social-v1
Comportamento social-v1
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 

Último

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Bioética aborto e eutanasia

  • 1. A bioética, o início e o fim da vida: o aborto e a eutanásia Ms. Luiza Colmán
  • 2. Princípios Morais • Princípio da sacralidade da vida (PSV) • Princípio do respeito à autonomia da pessoa (PRA) Elementos essenciais às discussões morais acerca do fim da vida
  • 3. Princípios Morais • Princípio da sacralidade da vida (PSV): ▫ A vida consiste em um bem – concessão da divindade ou manifestação de um finalismo intrínseco da natureza; ▫ Tem um estatuto sagrado; ▫ A vida é sempre digna de ser vivida, isto é, estar vivo é sempre um bem, independentemente das condições em que a existência se apresente. A sacralidade da vida é considerada um das mais contundentes objeções ao aborto e à eutanásia, mormente nas éticas cristãs e na tradição hiprocrática.
  • 4. Princípios Morais • Porquê se considera sagrada apenas a vida humana? Por que não tratar todas as formas de vida como sagrada? ▫ Peter Singer considera discriminatório esse posicionamento, denominando-o de especismo – discriminação pela espécie animal. ▫ Termos Cristãos: possível sustentar a primazia da vida humana sobre as demais com base no excerto bíblico; ▫ Para os não cristãos ou panteístas: se não se reconhece que a vida humana tem estatuto “à imagem e a semelhança de Deus”, duas perspectivas podem ser adotadas:  Nenhuma vida é plenamente sagrada;  Todas as vidas são.
  • 5. Princípios Morais • Princípio do respeito à autonomia da pessoa (PRA): ▫ Pressupõe que se considerem, definitivamente, as livres escolhas dos sujeitos quando se tratar de questões morais;  Cada pessoa tem o direito de dispor de sua vida da maneira que melhor lhe aprouver. ▫ Reconhece que a moralidade implica o estabelecimento de relações entre sujeitos autônomos – ou, ao menos, que um dos implicados seja autônomo.
  • 6. Princípios Morais Indivíduo que age livremente de acordo com um pano escolhido por ele mesmo, da mesma forma que um governo independente administra seu território e define suas políticas. Autonomia
  • 7. Bioética e o início da vida: o Aborto • Aborto ▫ Tema mais polêmicos da atualidade e tem fomentado múltiplos debates, mormente nos âmbitos políticos, médico, jurídico e filosófico; ▫ Antigamente:  Aborto era aceito e praticado por membros de diferentes culturas;  Passou a ser condenado bem mais recentemente, (1869), pela Igreja Católica; ▫ De modo geral:  Passou a ser repudiado no momento de declínio da taxa de natalidade, como no período de derrocada do império romano e nos países da Europa Ocidental.
  • 8. Bioética e o início da vida: o Aborto • Hemisfério norte: ▫ O espaço definitivo para a colocação do aborto em pauta, consolidou-se a partir das transformações sociais (1960); ▫ Se relacionaram intimamente às lutas políticas das feministas em prol da liberdade sexual e reprodutiva e ao surgimento da “pílula anticoncepcional”, que tornou possível reduzir enormemente o risco de que um ato sexual se transformasse em uma ação reprodutiva. • Latino-americano: ▫ Ganhou força com um atraso de 20 anos, em decorrência do período autoritário e arbitrário que vigorou na maior parte do país.
  • 9. Bioética e o início da vida: o Aborto • O fato de ser considerado um crime no Brasil não impede que o aborto seja amplamente utilizado para impedir a concretização da maternidade; ▫ Consequência: “aborto provocado” – sério problema de saúde , na maioria das vezes realizado de forma velada e com resultados catastróficos. • Considerar o aborto apenas do ponto de vista legal é fechar os olhos para um problema que insiste em se colocar, diurnamente, nos serviços de saúde e no âmbito mais amplo da sociedade brasileira.
  • 10. Bioética e o início da vida: o Aborto • Atualidade: ▫ Maior liberdade para se interrogar e discutir acerca dos aspectos (bio)éticos do aborto e do seu impacto social e sanitário; ▫ Pouco avanço na caracterização mais clara do problema:  As múltiplas e díspares realidades e ordens discursivas albergadas pelo conceito, na medida em que uma série de motivações e contextos diferentes podem se tornar manifestos na decisão de interromper uma gravidez em curso.  A dificuldade em manter um debate de alto nível e embasado em argumentação legítima – e não em espúrios “enredamentos retóricos”, os quais têm muito mais o intuito de confundir do que esclarecer.
  • 11. Bioética e o início da vida: o Aborto • Definição de Aborto: ▫ De modo geral:  Interrupção da gestação antes de ser possível ao concepto manter-se vivo no ambiente extrauterino. ▫ Diniz e Almeirda (1998):  Interrupção voluntária da gravidez:  Realizada em nome da autonomia reprodutiva da grávida, ou seja, por falta do desejo de levar a gestação a termo (quer esta seja fruto de um estupro ou de uma relação consensual);  Ex: Pais que optam por interrupções por impossibilidade de assumir o compromisso com a maternidade/paternidade em um dado momento.
  • 12. Bioética e o início da vida: o Aborto • Diniz e Almeirda (1998): ▫ Interrupção terapêutica da gravidez:  Praticada com o intuito último de salvar a mãe gravemente enferma, para quem a continuação do ciclo gravídico acabará desencadeando a morte;  Ex: casos de eclampsia. ▫ Interrupção eugênica da gravidez:  Executada com base em princípios da eugenia, tais como valores racistas, sexistas, étnicos;  Ex: práticas nazistas.
  • 13. Bioética e o início da vida: o Aborto • Diniz e Almeirda (1998): ▫ Interrupção seletiva da gravidez:  Motivada pela existência de graves lesões fetais, muitas das quais incompatíveis com a vida;  Ex: anencefalia. Importante distinguir o aborto segundo sua gênese: espontâneo ou provocado.
  • 14. Bioética e o início da vida: o Aborto • Código penal brasileiro: ▫ Aborto um crime contra a vida; ▫ Artigo 128: não punir o aborto praticado por médico em algumas circunstâncias específicas:  Se não houver outra forma de salvar a vida da gestante;  Se a gravidez for o resultado de estupro e o aborto for procedido por consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. Atualmente se discute essa ideia!
  • 15. Bioética e o início da vida: o Aborto • O debate bioético situa-se em dois extremos: ▫ PSV: assume a ideia de que a vida é sagrada, e consequentemente, o aborto NUNCA é bioeticamente defensável.  Considera que a embrião/feto é, desde a fecundação, uma pessoa em ato ou em potência. ▫ PRA: preconiza que a mulher é livre para decisões sobre a própria vida, incluindo sua sexualidade e reprodução.  O aborto aqui é visto como bioeticamente defensável, exceto quando é realizado contra a vontade da mulher
  • 16. Bioética e o início da vida: a Eutanásia • Considerado crime, seguindo o artigo 121 do Código Penal; • Ainda se observa um pacto de silêncio nas unidades de cuidado da saúde, nas quais a decisão por interromper, ou não, a terapêutica acaba por ser tomada às escuras, por profissionais habitualmente sem qualquer preparação para isso e, pior, muitas vezes à revelia dos familiares e do próprio enfermo.
  • 17. Bioética e o Final da vida: a Eutanásia • Distinção quanto ao ato: ▫ Eutanásia ativa:  Ato deliberado de provocar a morte sem sofrimento do paciente, por fins humanitários;  Ex: injeção letal. ▫ Eutanásia passiva:  Quando a morte ocorre por omissão proposital em se iniciar uma ação médica que garantiria a perturbação da sobrevida;  Ex: deixar de iniciar aminas vasoativas no caso de choque não responsivo à reposição volêmica.
  • 18. Bioética e o Final da vida: a Eutanásia • Distinção quanto ao ato: ▫ Eutanásia de duplo efeito:  Nos casos em que a morte é acelerada como consequência de ações médicas não visando ao êxito letal, mas sim ao alívio do sofrimento de um paciente;  Ex: emprego de morfina para controle da dor, gerando, secundariamente, depressão respiratória e óbito.
  • 19. Bioética e o início da vida: a Eutanásia • Distinção quanto ao consentimento do enfermo: ▫ Eutanásia voluntária:  Em resposta à vontade expressa do doente, o que seria um sinônimo de suicídio assistido. ▫ Eutanásia involuntária:  Quando o ato é realizado contra a vontade do enfermo, o que, em linhas gerais, pode ser igualado a homicídio. ▫ Eutanásia não voluntária:  Quando a vida é abreviada sem que se conheça a vontade do paciente.
  • 20. Bioética e o início da vida: a Eutanásia • Dispositivos legais: ▫ Código Penal:  Penaliza a eutanásia por entendê-la como homicídio;  Artigo 121: é crime matar alguém.  Entretanto, em seu primeiro parágrafo determina que se o agente cometer o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima, o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um terço. ▫ Projeto de Lei 125/96, de 1995:  Pessoas com sofrimento físico ou psíquico poderiam solicitar a realização de procedimentos que visem à própria morte, desde que autorizadas por uma junta médica e que haja expressa anuência do enfermo.
  • 21. Bioética e o início da vida: a Eutanásia • PSV: ▫ É imoral lançar mão de medidas para abreviar o processo de morrer. • PRA: ▫ Se o sujeito autônomo é capaz de tomar inúmeras decisões ao longo da própria existência, torna-se plenamente justificável que ele tenha, igualmente, a possibilidade de decidir sobre o fiz de sua vida.
  • 22. Bioética e o início da vida: a Eutanásia • Dois elementos importantes para a argumentação a favor da eutanásia: ▫ O princípio da qualidade da vida (PQV), princípio prima facie:  Aplicável somente em determinadas circunstâncias, destituído, portanto, de um valor universal e inatacável. ▫ O conceito de compaixão laica:  Entendido não como julgamento do outro, mas, tão somente sua aceitação, o amparo à sua condição de vivente.  Torna-se significativo adotar uma atitude, em relação ao enfermo inserido no processo de morrer, de respeito a esse seu momento, dispondo-se a atender seu desejo de morrer, sem julgá-lo e sem tomar arbitrariamente decisões tão importantes em seu lugar.
  • 23. Portanto... • Nascer e morrer são pontos extremos na existência humana, reconhecendo, no âmbito da cultura, um grandioso esforço para atribuir-lhes sentido, seja por meio da religião, filosofia, ciência ou de outras manifestações do espírito; • Essas tentativas incluem ações capazes de trazer significativos problemas éticos (aborto e eutanásia) – os quais deverão ser apreciados pelo profissional da saúde, sujeito que habitualmente precisará tomar decisões sobre a vida e a morte de outrem.
  • 24. A bioética, o início e o fim da vida: o aborto e a eutanásia Ms. Luiza Colmán