SlideShare uma empresa Scribd logo
Comportamento respondente
Ivan Petrovich Pavlov
Setembro/2013
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1879
Academia Médica
Militar
1891
Pesquisador chefe
do laboratório
fisiológico
1904
Prêmio Nobel
Fisiologia e
medicina
1915
1849
Copley Medal
1936
Ѱ Foi um fisiólogo russo que estudou o aparelho digestivo utilizando cães em experimentos.
Ѱ Descobriu acidentalmente o CONDICIONAMENTO RESPONDENTE.
Ѱ Serviu de base para a forma de behaviorismo de WATSON e SKINNER.
Ѱ Propôs a o PARADIGMA RESPONDENTE.
Ѱ Agenda
1. Reflexos (Inato e aprendido)
2. Estímulos e respostas
3. Descoberta acidental do condicionamento respondente
4. Aprendizagem
5. Generalização de estímulos
6. Extinção respondente
7. Recuperação espontânea
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo.
Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte.
Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma
martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo.
Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura
ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume.
1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo.
Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte.
Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma
martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo.
Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura
ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume.
Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas.
Lei da intensidade – magnitude: A lei da intensidade-magnitude estabelece que a intensidade do
estímulo é uma medida diretamente proporcional à magnitude da resposta, ou seja, em um reflexo,
quanto maior a intensidade do estímulo, maior será a magnitude da resposta.
Exemplo: Quanto maior for o barulho em um susto (intensidade do estímulo), maior será a
taquicardia experimentada pelo sujeito (magnitude da resposta).
1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo.
Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte.
Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma
martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo.
Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura
ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume.
Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas.
Lei do limiar: Esta lei estabelece que, para todo reflexo, existe uma intensidade mínima do estímulo
necessária para que a resposta seja eliciada.
Exemplo: Um choque elétrico é um estímulo que elicia a resposta de contração muscular. Segundo
a lei do limiar, existe uma intensidade mínima do choque (de 5 a 10 volts, apenas como exemplo -
esses valores são fictícios) que é necessária para que a resposta de contração muscular ocorra. Essa
faixa de valores, no exemplo, que varia de 5 a 10 volts, é chamada limiar. Portanto, valores abaixo do
limiar não eliciam respostas, enquanto valores acima do limiar eliciam respostas.
1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo.
Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte.
Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma
martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo.
Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura
ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume.
Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas.
Lei da latência: Latência é o nome dado a um intervalo entre dois eventos. No caso dos reflexos,
latência é o tempo decorrido entre apresentação do estímulo e a ocorrência da resposta. A lei da
latência estabelece que, quanto maior a intensidade do estímulo, menor a latência entre a apresentação
desse estímulo e a ocorrência da resposta.
Exemplo: Quanto mais forte está o sol (estímulo) , menos tempo (latência) um indivíduo demora
para começar a suar (resposta).
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Reflexo
patelar
Estímulo: Martelada no joelho (modificação no ambiente)
Resposta: Chute no ar (modificação no organismo)
Exemplos:
+
Reflexo de
mamar
Estímulo: Seio da mãe toca o lábio do bebe (modificação no ambiente)
Resposta: Boca faz movimentos de sucção (modificação no organismo)
+
2. ESTÍMULOS E RESPOSTAS: Os reflexos são a relação entre estímulos e respostas.
Estímulos: Toda modificação no ambiente que produza uma modificação em um organismo
Respostas: Toda modificação no organismo proveniente de uma modificação no ambiente.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
3. DESCOBERTAACIDENTAL : Pavlov estudava os REFLEXOS SALIVARES dos cães,
oferecendo alimento (carne) e medindo a quantidade de saliva que produziam ao comer o
alimento.
O cão comia a carne
(Estímulo)
A saliva produzida ao
comer era coletada por
este tubo cirurgicamente
inserido em sua boca.
(Resposta)
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Para a surpresa de Pavlov,
os cães começaram a
salivar antes de o alimento
entrar em sua boca
Outros estímulos, que não eram a comida
fizeram os cães salivar:
• O barulho de seus passos
• O horário em que a comida era apresentada
• A simples visão da comida
• A visão do recipiente onde era servida a
comida.
!
3. DESCOBERTAACIDENTAL: Pavlov estudava os REFLEXOS SALIVARES dos cães,
apresentando-lhes alimento (carne)
e medindo a quantidade de saliva que produziam ao ver o alimento.
....
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
3. DESCOBERTAACIDENTAL: Pavlov ficou interessado em estudar com mais cuidado o fato
de que estímulos que não eram a comida estavam eliciando resposta de salivação em seus cães.
Fez um experimento:
1°
passo
Barulho
sino
Sem salivação
2°
passo
Apresentou
o alimento
Com salivação
3°
passo
Barulho
sino
Barulho
sino
....
Com salivação
....
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Ѱ Pavlov ficou interessado em estudar com mais cuidado o fato de que estímulos que não eram
a comida estavam eliciando resposta de salivação em seus cães.
1°
passo
Barulho
sino
Sem salivação
2°
passo
Apresentou
o alimento
Com salivação
3°
passo
Barulho
sino
Barulho
sino
....
Com salivação
Nota: Este experimento clássico envolveu o seguinte processo:
1) Pavlov tocou uma sineta para ver se provocava algum tipo de resposta de salivação no cão. Como
não provocou nenhuma resposta, foi nomeado como Estímulo Neutro.
2) Pavlov já sabia que a carne eliciava a resposta de salivação nos cães, portanto, é chamada de
Estímulo Incondicionado.
3) Ao tocar o sino e apresentar a carne, Pavlov fez um Emparelhamento de estímulos.
4) O estímulo do som da sineta, antes neutro, agora elicia a resposta de salivação. Portanto o som da
sineta passa a se chamar Estímulo condicionado.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
4. APRENDIZAGEM: Em Pavlov, aprendizagem pode ser definida pela aquisição de
novas respostas ao repertório comportamental do indivíduo, a partir de outras respostas já
existentes. Abaixo, um esquema que explica o paradigma respondente:
S1 R1
Estímulo
incondicionado
Resposta
incondicionada
S2 R2
Estímulo
condicionado
Resposta
condicionada
S2
REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO
APRENDIZAGEM
Estímulo
neutro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Exemplo 1: Pavlov e seus cães no laboratório.
Carne Salivação
Estímulo
incondicionado
Resposta
incondicionada
Sineta Salivação
Estímulo
condicionado
Resposta
condicionada
Sineta
REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO
APRENDIZAGEM
Estímulo
neutro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Exemplo 2: Sentir fome sempre nos mesmos horários.
Refeição Fome
Estímulo
incondicionado
Resposta
incondicionada
Meio dia Fome
Estímulo
condicionado
Resposta
condicionada
Meio dia
REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO
APRENDIZAGEM
Estímulo
neutro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Exemplo 3: Aceleração do coração ao sentir o perfume da namorada.
Namorada Taquicardia
Estímulo
incondicionado
Resposta
incondicionada
Perfume Taquicardia
Estímulo
condicionado
Resposta
condicionada
Perfume
REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO
APRENDIZAGEM
Estímulo
neutro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
Exemplo 3: Disparar o coração ao sentir o perfume da namorada.
Namorada Taquicardia
Estímulo
incondicionado
Resposta
incondicionada
Perfume Taquicardia
Estímulo
condicionado
Resposta
condicionada
Perfume
REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO
APRENDIZAGEM
Estímulo
neutro
Nota: O emparelhamento de estímulos é o que garante o condicionamento. Alguns fatores devem ser
levados em consideração:
a) Frequência dos emparelhamentos: Em geral, quanto mais frequentemente o estímulo neutro for
emparelhado com o estímulo incondicionado, mais forte será a resposta condicionada.
b) Tipo de emparelhamento: Respostas condicionadas mais fortes surgem quando o estímulo
neutro é apresentado antes do estímulo incondicionado e permanece após a apresentação do
estímulo incondicionado.
c) Grau de predição: O estímulo neutro deve ter um caráter preditivo da ocorrência do estímulo
incondicionado. Um som que ocorre sempre antes da apresentação de alimento eliciará com mais
facilidade a salivação do que um som que às vezes ocorre antes da apresentação da comida, ou às
vezes não ocorre.
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
5. GENERALIZAÇÃO: Após um condicionamento, estímulos que se assemelhem ao
estímulo condicionado, podem passar a eliciar a resposta condicionada também.
Exemplo: Uma pessoa que aprendeu a ter medo de cães após uma mordida, pode passar a
ter medo de várias raças de cães e não apenas daquela raça específica que a mordeu.
Quanto maior o grau de semelhança com o estímulo condicionado, maior a magnitude da
resposta de medo que será eliciada. Esta relação é chamada de gradiente de generalização.
Semelhança
Medoeliciado
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
6. EXTINÇÃO RESPONDENTE: Quando um estímulo condicionado é apresentado
várias vezes, sem o estímulo incondicionado ao qual foi emparelhado, seu efeito eliciador
se extingue gradualmente, ou seja, o estímulo condicionado começa a perder a função de
eliciar a resposta condicionada até não mais eliciar tal res-posta.
Exemplo: Se um individuo passou a ter medo de dirigir após sofrer um acidente
automobilístico, este medo pode ser extinto se o individuo dirigir várias vezes sem sofrer
nenhum acidente.
Medodedirigir
Passeios de carro sem acidentes
Momento da extinção da resposta de
medo ao sair de carro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
7. RECUPERAÇÃO ESPONTÂNEA: Uma característica interessante da extinção
respondente é que, às vezes, após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado
estímulo condicionado não eliciar mais uma determinada resposta condicionada, a força do
reflexo pode voltar espontaneamente.
Exemplo: O indivíduo após vários passeios bem sucedidos de carro, parou de temer a
situação (reflexo entrou em extinção). Após alguns outros passeios, o medo volta a
acontecer sem que haja acontecido nenhum acidente.
Medodedirigir
Passeios de carro sem acidentes
Momento da recuperação espontânea
da resposta de medo ao sair de carro
Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
7. RECUPERAÇÃO ESPONTÂNEA: Uma característica interessante da extinção
respondente é que, às vezes, após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado
estímulo condicionado não eliciar mais uma determinada resposta condicionada, a força do
reflexo pode voltar espontaneamente.
Exemplo: O indivíduo após vários passeios bem sucedidos de carro, parou de temer a
situação (reflexo entrou em extinção). Após alguns outros passeios, o medo volta a
acontecer sem que haja acontecido nenhum acidente.
Medodedirigir
Passeios de carro sem acidentes
Momento da recuperação espontânea
da resposta de medo ao sair de carro
Nota: A força deste reflexo será menor nesse momento, ou seja, o medo que a pessoa sente é menor
que o medo que sentiu antes da extinção. Porém, sendo exposta novamente ao estímulo condicionado
sem novos emparelhamentos com o estímulo incondicionado (dirigir sem sofrer acidentes) o medo
tornará a desaparecer, e as chances de uma nova recuperação espontânea ocorrer diminuem.
Obrigado por ler o material!  Bibliografia no próximo slide.
Sobre mim:
Estudante de psicologia com formação prevista para 2016 e profissional de marketing e vendas .
Com o objetivo de estudar mais e ao mesmo tempo desenvolver melhor a habilidade de montar
apresentações, decidiu compartilhar os assuntos que estuda na faculdade através do slideshare, facebook,
linkedin para explicar as fascinantes teorias psicológicas. Claro, tudo com base em uma bibliografia, que
você encontra sempre no último slide.
Obrigado,
Eduardo Manfré
Bibliografia
MOREIRA, Márcio Borges; MEDEIROS, Carlos Augusto de. Princípios básicos da análise do
comportamento . Artmed 2007.
SCHULTZ, Duane P. ; SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. 9ª edição.
Cengage Learning 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Skinner e a educação
Skinner e a educaçãoSkinner e a educação
Skinner e a educação
marizagama
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
Nilson Dias Castelano
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
Wildson Nunes
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Thiago de Almeida
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Márcio Borges Moreira
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
Nilson Dias Castelano
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Eduardo Petrucci
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
carolmorbach
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
Josevânia Silva
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Thiago de Almeida
 

Mais procurados (20)

Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Skinner e a educação
Skinner e a educaçãoSkinner e a educação
Skinner e a educação
 
Análise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidadeAnálise funcional, contingência e contiguidade
Análise funcional, contingência e contiguidade
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
O reflexo inato
O reflexo inato O reflexo inato
O reflexo inato
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Reflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicosReflexos Inatos - conceitos básicos
Reflexos Inatos - conceitos básicos
 
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1O comportamento humano e a aprendizagem - v1
O comportamento humano e a aprendizagem - v1
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
 

Destaque

Condicionamento operante
Condicionamento operanteCondicionamento operante
Condicionamento operante
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
zalucty
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
Luis De Sousa Rodrigues
 
Burrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinnerBurrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinner
magdasimone
 
Piaget e vygotsky
Piaget e vygotskyPiaget e vygotsky
Piaget e vygotsky
Eric Marcel Machado Dias
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
Andréa Kochhann
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
Karina Reimberg
 
Piaget x Vygotsky
Piaget x VygotskyPiaget x Vygotsky
Piaget x Vygotsky
Elcielle .
 
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS - SELO UNICEF 2013 - 2016
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS -  SELO UNICEF  2013 - 2016AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS -  SELO UNICEF  2013 - 2016
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS - SELO UNICEF 2013 - 2016
Sec. Mul. de Educação
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
Tiago Malta
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
Silvia Marina Anaruma
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Elisa Maria Gomide
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
LD35
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
escolamarialuiza
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
Carlos Caldas
 

Destaque (16)

Condicionamento operante
Condicionamento operanteCondicionamento operante
Condicionamento operante
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
Burrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinnerBurrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinner
 
Piaget e vygotsky
Piaget e vygotskyPiaget e vygotsky
Piaget e vygotsky
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
 
14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...14 piaget vygotsky e wallon ...
14 piaget vygotsky e wallon ...
 
Piaget x Vygotsky
Piaget x VygotskyPiaget x Vygotsky
Piaget x Vygotsky
 
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS - SELO UNICEF 2013 - 2016
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS -  SELO UNICEF  2013 - 2016AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS -  SELO UNICEF  2013 - 2016
AÇOES ESTRATÉGICAS EDUCACIONAIS - SELO UNICEF 2013 - 2016
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
 
Teoria Behaviorista
Teoria BehavioristaTeoria Behaviorista
Teoria Behaviorista
 
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallonDesenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
Desenvolvimento infantil piaget-vygtsky-maturama-wallon
 
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
Quadro comparativo das concepções de aprendizagem entre os teóricos piaget, v...
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 

Semelhante a Comportamento Respondente - Ivan Pavlov

01 introdução
01   introdução01   introdução
01 introdução
andreinfpuc
 
Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
Lima Venancio
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
José Roberto Pinto
 
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicologLivro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
Cláudia Ribeiro
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
inesaalexandra
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
inesaalexandra
 
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANOpavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
moniquedornelas
 
Descobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologiaDescobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologia
Ana Couto
 
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Débora Prado
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
João Heleno
 
Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo  Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo
Mariane Meneghel
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
LusCludioRosa1
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
ceciliamonteiro12
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Jorge925180
 
Aula os reflexologistas russos
Aula   os reflexologistas russosAula   os reflexologistas russos
Aula os reflexologistas russos
Alesandro39
 
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIASPAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
moniquedornelas
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - Behaviorismo
Diego Sampaio
 

Semelhante a Comportamento Respondente - Ivan Pavlov (20)

01 introdução
01   introdução01   introdução
01 introdução
 
Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
 
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicologLivro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
Livro tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-psicolog
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANOpavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
 
Descobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologiaDescobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologia
 
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo  Comportamento aprendido e instintivo
Comportamento aprendido e instintivo
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
 
Aula os reflexologistas russos
Aula   os reflexologistas russosAula   os reflexologistas russos
Aula os reflexologistas russos
 
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIASPAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
PAVLOV-UMA-EXPERIENCIA-NEUROLOGICA, NEUROCIENCIAS
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - Behaviorismo
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Comportamento Respondente - Ivan Pavlov

  • 2. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 1879 Academia Médica Militar 1891 Pesquisador chefe do laboratório fisiológico 1904 Prêmio Nobel Fisiologia e medicina 1915 1849 Copley Medal 1936 Ѱ Foi um fisiólogo russo que estudou o aparelho digestivo utilizando cães em experimentos. Ѱ Descobriu acidentalmente o CONDICIONAMENTO RESPONDENTE. Ѱ Serviu de base para a forma de behaviorismo de WATSON e SKINNER. Ѱ Propôs a o PARADIGMA RESPONDENTE.
  • 3. Ѱ Agenda 1. Reflexos (Inato e aprendido) 2. Estímulos e respostas 3. Descoberta acidental do condicionamento respondente 4. Aprendizagem 5. Generalização de estímulos 6. Extinção respondente 7. Recuperação espontânea Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)
  • 4. 1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo. Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte. Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo. Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume.
  • 5. 1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo. Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte. Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo. Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume. Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas. Lei da intensidade – magnitude: A lei da intensidade-magnitude estabelece que a intensidade do estímulo é uma medida diretamente proporcional à magnitude da resposta, ou seja, em um reflexo, quanto maior a intensidade do estímulo, maior será a magnitude da resposta. Exemplo: Quanto maior for o barulho em um susto (intensidade do estímulo), maior será a taquicardia experimentada pelo sujeito (magnitude da resposta).
  • 6. 1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo. Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte. Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo. Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume. Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas. Lei do limiar: Esta lei estabelece que, para todo reflexo, existe uma intensidade mínima do estímulo necessária para que a resposta seja eliciada. Exemplo: Um choque elétrico é um estímulo que elicia a resposta de contração muscular. Segundo a lei do limiar, existe uma intensidade mínima do choque (de 5 a 10 volts, apenas como exemplo - esses valores são fictícios) que é necessária para que a resposta de contração muscular ocorra. Essa faixa de valores, no exemplo, que varia de 5 a 10 volts, é chamada limiar. Portanto, valores abaixo do limiar não eliciam respostas, enquanto valores acima do limiar eliciam respostas.
  • 7. 1. REFLEXO INATO: Comportamento biologicamente pertencente a um organismo. Acompanha o indivíduo desde seu nascimento, mas não necessariamente até sua morte. Exemplos: Contração da pupila ao entrar em contato com a luz solar ; “Chute no ar” ao receber uma martelada no joelho ; taquicardia ao levar um susto. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 1.1. REFLEXO APRENDIDO: Comportamento adquirido durante a vida de um organismo. Exemplos: Ficar com o rosto “corado” ao dizer uma bobagem em uma reunião ; Sentir medo da altura ao se colocar em um lugar alto; ficar com saudades da namorada ao sentir o cheiro de seu perfume. Nota: Os reflexos possuem algumas leis, que são importantes de serem observadas. Lei da latência: Latência é o nome dado a um intervalo entre dois eventos. No caso dos reflexos, latência é o tempo decorrido entre apresentação do estímulo e a ocorrência da resposta. A lei da latência estabelece que, quanto maior a intensidade do estímulo, menor a latência entre a apresentação desse estímulo e a ocorrência da resposta. Exemplo: Quanto mais forte está o sol (estímulo) , menos tempo (latência) um indivíduo demora para começar a suar (resposta).
  • 8. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Reflexo patelar Estímulo: Martelada no joelho (modificação no ambiente) Resposta: Chute no ar (modificação no organismo) Exemplos: + Reflexo de mamar Estímulo: Seio da mãe toca o lábio do bebe (modificação no ambiente) Resposta: Boca faz movimentos de sucção (modificação no organismo) + 2. ESTÍMULOS E RESPOSTAS: Os reflexos são a relação entre estímulos e respostas. Estímulos: Toda modificação no ambiente que produza uma modificação em um organismo Respostas: Toda modificação no organismo proveniente de uma modificação no ambiente.
  • 9. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 3. DESCOBERTAACIDENTAL : Pavlov estudava os REFLEXOS SALIVARES dos cães, oferecendo alimento (carne) e medindo a quantidade de saliva que produziam ao comer o alimento. O cão comia a carne (Estímulo) A saliva produzida ao comer era coletada por este tubo cirurgicamente inserido em sua boca. (Resposta)
  • 10. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Para a surpresa de Pavlov, os cães começaram a salivar antes de o alimento entrar em sua boca Outros estímulos, que não eram a comida fizeram os cães salivar: • O barulho de seus passos • O horário em que a comida era apresentada • A simples visão da comida • A visão do recipiente onde era servida a comida. ! 3. DESCOBERTAACIDENTAL: Pavlov estudava os REFLEXOS SALIVARES dos cães, apresentando-lhes alimento (carne) e medindo a quantidade de saliva que produziam ao ver o alimento.
  • 11. .... Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 3. DESCOBERTAACIDENTAL: Pavlov ficou interessado em estudar com mais cuidado o fato de que estímulos que não eram a comida estavam eliciando resposta de salivação em seus cães. Fez um experimento: 1° passo Barulho sino Sem salivação 2° passo Apresentou o alimento Com salivação 3° passo Barulho sino Barulho sino .... Com salivação
  • 12. .... Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Ѱ Pavlov ficou interessado em estudar com mais cuidado o fato de que estímulos que não eram a comida estavam eliciando resposta de salivação em seus cães. 1° passo Barulho sino Sem salivação 2° passo Apresentou o alimento Com salivação 3° passo Barulho sino Barulho sino .... Com salivação Nota: Este experimento clássico envolveu o seguinte processo: 1) Pavlov tocou uma sineta para ver se provocava algum tipo de resposta de salivação no cão. Como não provocou nenhuma resposta, foi nomeado como Estímulo Neutro. 2) Pavlov já sabia que a carne eliciava a resposta de salivação nos cães, portanto, é chamada de Estímulo Incondicionado. 3) Ao tocar o sino e apresentar a carne, Pavlov fez um Emparelhamento de estímulos. 4) O estímulo do som da sineta, antes neutro, agora elicia a resposta de salivação. Portanto o som da sineta passa a se chamar Estímulo condicionado.
  • 13. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 4. APRENDIZAGEM: Em Pavlov, aprendizagem pode ser definida pela aquisição de novas respostas ao repertório comportamental do indivíduo, a partir de outras respostas já existentes. Abaixo, um esquema que explica o paradigma respondente: S1 R1 Estímulo incondicionado Resposta incondicionada S2 R2 Estímulo condicionado Resposta condicionada S2 REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO APRENDIZAGEM Estímulo neutro
  • 14. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Exemplo 1: Pavlov e seus cães no laboratório. Carne Salivação Estímulo incondicionado Resposta incondicionada Sineta Salivação Estímulo condicionado Resposta condicionada Sineta REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO APRENDIZAGEM Estímulo neutro
  • 15. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Exemplo 2: Sentir fome sempre nos mesmos horários. Refeição Fome Estímulo incondicionado Resposta incondicionada Meio dia Fome Estímulo condicionado Resposta condicionada Meio dia REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO APRENDIZAGEM Estímulo neutro
  • 16. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Exemplo 3: Aceleração do coração ao sentir o perfume da namorada. Namorada Taquicardia Estímulo incondicionado Resposta incondicionada Perfume Taquicardia Estímulo condicionado Resposta condicionada Perfume REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO APRENDIZAGEM Estímulo neutro
  • 17. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) Exemplo 3: Disparar o coração ao sentir o perfume da namorada. Namorada Taquicardia Estímulo incondicionado Resposta incondicionada Perfume Taquicardia Estímulo condicionado Resposta condicionada Perfume REFLEXO INATO REFLEXO APRENDIDO APRENDIZAGEM Estímulo neutro Nota: O emparelhamento de estímulos é o que garante o condicionamento. Alguns fatores devem ser levados em consideração: a) Frequência dos emparelhamentos: Em geral, quanto mais frequentemente o estímulo neutro for emparelhado com o estímulo incondicionado, mais forte será a resposta condicionada. b) Tipo de emparelhamento: Respostas condicionadas mais fortes surgem quando o estímulo neutro é apresentado antes do estímulo incondicionado e permanece após a apresentação do estímulo incondicionado. c) Grau de predição: O estímulo neutro deve ter um caráter preditivo da ocorrência do estímulo incondicionado. Um som que ocorre sempre antes da apresentação de alimento eliciará com mais facilidade a salivação do que um som que às vezes ocorre antes da apresentação da comida, ou às vezes não ocorre.
  • 18. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 5. GENERALIZAÇÃO: Após um condicionamento, estímulos que se assemelhem ao estímulo condicionado, podem passar a eliciar a resposta condicionada também. Exemplo: Uma pessoa que aprendeu a ter medo de cães após uma mordida, pode passar a ter medo de várias raças de cães e não apenas daquela raça específica que a mordeu. Quanto maior o grau de semelhança com o estímulo condicionado, maior a magnitude da resposta de medo que será eliciada. Esta relação é chamada de gradiente de generalização. Semelhança Medoeliciado
  • 19. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 6. EXTINÇÃO RESPONDENTE: Quando um estímulo condicionado é apresentado várias vezes, sem o estímulo incondicionado ao qual foi emparelhado, seu efeito eliciador se extingue gradualmente, ou seja, o estímulo condicionado começa a perder a função de eliciar a resposta condicionada até não mais eliciar tal res-posta. Exemplo: Se um individuo passou a ter medo de dirigir após sofrer um acidente automobilístico, este medo pode ser extinto se o individuo dirigir várias vezes sem sofrer nenhum acidente. Medodedirigir Passeios de carro sem acidentes Momento da extinção da resposta de medo ao sair de carro
  • 20. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 7. RECUPERAÇÃO ESPONTÂNEA: Uma característica interessante da extinção respondente é que, às vezes, após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado estímulo condicionado não eliciar mais uma determinada resposta condicionada, a força do reflexo pode voltar espontaneamente. Exemplo: O indivíduo após vários passeios bem sucedidos de carro, parou de temer a situação (reflexo entrou em extinção). Após alguns outros passeios, o medo volta a acontecer sem que haja acontecido nenhum acidente. Medodedirigir Passeios de carro sem acidentes Momento da recuperação espontânea da resposta de medo ao sair de carro
  • 21. Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936) 7. RECUPERAÇÃO ESPONTÂNEA: Uma característica interessante da extinção respondente é que, às vezes, após a extinção ter ocorrido, ou seja, após um determinado estímulo condicionado não eliciar mais uma determinada resposta condicionada, a força do reflexo pode voltar espontaneamente. Exemplo: O indivíduo após vários passeios bem sucedidos de carro, parou de temer a situação (reflexo entrou em extinção). Após alguns outros passeios, o medo volta a acontecer sem que haja acontecido nenhum acidente. Medodedirigir Passeios de carro sem acidentes Momento da recuperação espontânea da resposta de medo ao sair de carro Nota: A força deste reflexo será menor nesse momento, ou seja, o medo que a pessoa sente é menor que o medo que sentiu antes da extinção. Porém, sendo exposta novamente ao estímulo condicionado sem novos emparelhamentos com o estímulo incondicionado (dirigir sem sofrer acidentes) o medo tornará a desaparecer, e as chances de uma nova recuperação espontânea ocorrer diminuem.
  • 22. Obrigado por ler o material!  Bibliografia no próximo slide. Sobre mim: Estudante de psicologia com formação prevista para 2016 e profissional de marketing e vendas . Com o objetivo de estudar mais e ao mesmo tempo desenvolver melhor a habilidade de montar apresentações, decidiu compartilhar os assuntos que estuda na faculdade através do slideshare, facebook, linkedin para explicar as fascinantes teorias psicológicas. Claro, tudo com base em uma bibliografia, que você encontra sempre no último slide. Obrigado, Eduardo Manfré
  • 23. Bibliografia MOREIRA, Márcio Borges; MEDEIROS, Carlos Augusto de. Princípios básicos da análise do comportamento . Artmed 2007. SCHULTZ, Duane P. ; SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. 9ª edição. Cengage Learning 2011.