SlideShare uma empresa Scribd logo
Fases do desenvolvimento -
Sigmund Freud
Carlos Hermom, Girleide Oliveira, Haryany
Lima, Isabela Dantas e Lucas Vinícius
Roteiro
1. Fase Oral
2. Fase Anal
3. Fase Fálica
4. Periodo Latente
5. Fase Genital
6. Formação de Sintomas
Fase Oral - Prólogo [2]
● Trauma do nascimento;
● Angústia = “dificuldade de respirar”;
● Luta pela sobrevivência - luta entre os instintos de vida e morte;
● É preciso reagir, inspirar, introjetar o mundo externo - ou se recebe o externo ou se
deixa de viver;
Fase Oral - Introdução
● A boca é a estrutura sensorial mais desenvolvida após o nascimento;
● A libido está organizada em torno da zona oral;
● O Seio é primeira e mais importante descoberta afetiva:
Fase Oral - A modalidade
incorporativa
● A incorporação é um caso particular do mecanismo de introjeção.
● Simbolização não evoluída gera a necessidade de que incorporação seja de um elemento
concreto.
● A criança incorpora o leite e o seio e sente ter a mãe dentro de sí.
● Tudo o que a criança pega é levado à boca: é comendo que ela conhece o mundo e que as
identificações vão sendo feitas.
● A incorporação é a etapa concreta da introjeção e a organização primitiva da identificação.
Fase Oral - As etapas orais
● Reflexos iniciais da criança: alimentares, posturais e defensivos. São a base para formação do
indivíduo.
● Criança sente um grande prazer no ato de mamar:
○ Mamar é algo além da necessidade física da alimentação;
○ Mesmo depois de satisfeita, ela continua a sugar a chupeta;
○ Quando dorme, faz movimentos de sucção, aparentando grande prazer;
● O desenvolvimento das relações objetais deriva desse vínculo inicial de prazer ao mamar e é
progressivamente construído com o amor da criança ao seio, posteriormente ao
reconhecimento da mãe, pai, outras pessoas, objetos, mundo e por fim a futura constituição da
afetividade genital adulta.
Fase Oral - As etapas orais
● Primeira etapa - oral de sucção (precede à dentição): visa a apreensão em si (introjeção) do mundo (seio, mãe,
etc).
○ Criança ainda vive seu mundo interno de fantasias como realidae (narcisismo);
○ Realidade externa é apreendida de forma parcial e fragmentada;
○ Fixação nesta etapa caracterizará um quadro clínico denominado esquizofrenia;
● Segunda etapa - oral sádico-canibal (surge com a eclosão dos dentes): dentes surgem como a primeira
concretização de sua capacidade destrutiva.
○ Manifestação da agressividade derivará a futura combatividade social;
○ Criança posta pela primeira vez em uma posição ambivalente: amar (iincorporação oral), fantasias
destrutivas (mastigar e comer);
○ Amor é estabelecido como sentimento básico para um desenvolvimento afetivo for normal;
○ Agressividade (ódio) será predominante para um desenvolvimento dominado por angústias. Um quandro
de melancolia (psicose maníaco-depressiva) pode ser estabelecido como ponto de fixação no
sentimento de que tudo aquilo que é amado e incorporado é inevitavelmente destruído.
Fase Anal [3]
● Idade: 2 a 4 anos;
● Auto-descoberta;
● Nova fonte de prazer;
● Etapas anais
● Domínio dos processos expulsivos(Controle dos esfíncteres anais e bexiga);
● Etapa retentiva, a qual propiciará a base para os mecanismos ligados ao
controle;
● Consequencia de uma fase anal mal sucedida
● Arma destrutiva
● Neurose obsessiva .
● Caso os produtos sejam projetados numa estrutura paranóica, esses serão
controlados e retidos na estrutura obsessiva.
Fase Fálica
Fantasia.
A procura do sexo oposto é uma estrutura comportamental instintivas nos
animais,enquanto grupo geral.
Ex:...
Erotização - satisfação - Prazer.
Podemos dizer que é aprendendo a amar em casa que a criança se tornará o
adulto capaz de amar fora.
Período Latente [1]
Período Latente
● Latência significa o estado daquilo que é latente, que, por sua vez, significa algo que não se vê,
que está oculto, ou ainda, que está subentendido, dissimulado.
● O período de latência está localizado entre as fases fálica e genital. Cronologicamente, esse
período localiza-se aproximadamente entre os seis e dez anos de idade
● Na fase de latência não se identifica uma zona específica de erotização, ou seja, a energia
libidinal está investida em um outro objeto, que não o próprio corpo. Esta fase é
simultaneamente ao período de escolarização da criança, onde sua energia está investida nas
atividades escolares e nas relações sociais. A libido sexual está adormecida, em prol de outros
investimentos. [1]
● Neste período ainda há uma mudança qualitativa na relação da criança com seus pais, a partir
do processo de superação do Complexo de Édipo.
● É um período extremamente importante para o fortalecimento do ego da criança.
Período Latente - Importância
● Para se relacionar melhor com todas as pessoas que vão sendo inseridas a sua vida, a criança
tem sua sexualidade reprimida ou sublimada, para que então possa se concentrar em outras
atividades como jogos, aprendizados, brincadeiras e amizades.
● Nesse período que as crianças se tornam capazes de identificarem-se com outros, que não
seus pais, como colegas de escola, professores, personagens e heróis da ficção, que serão
importantes para o desenvolvimento da identidade sexual dessas crianças.
● Segundo Freud, é nesse período que se desenvolvem atitudes como a vergonha e a
moralidade, que serão determinantes no encaminhamento dos desejos sexuais que serão
despertados na puberdade.
Fase Genital [2]
● Segundo Freud, atingir a fase genital é fundamental para se chegar ao pleno desenvolvimento
biopsicossocial e intelectual de um adulto sendo capaz de amar, e no sentido genital se
tornando capazes de atingir sua capacidade orgástica e aceitar conscientemente suas
identidades sexuais distintas, buscando novas formas de satisfação para suas necessidades
eróticas.
Fase Genital
● Alcançar a fase genital constitui atingir o pleno desenvolvimento do adulto normal;
● Aprendeu a amar, trabalhar e competir;
● Discriminou seu papel sexual;
● Desenvolveu-se intelectual e socialmente;
● É capaz de amar num sentido genital amplo e de definir um vínculo heterosexual significativo e
duradouro;
● A procriação é a finalidade da vida e os filhos fontes de prazer.
Formação de Sintomas - prólogo
[2]
● Por que os sofrimentos com a vida fazem surgir sintomas físicos, paralelamente ao processo de
repressão de lembranças?
● Sintomas como substitutos de eventos traumáticos reprimidos;
● Deve haver portanto um caminho que progressivamente transforma os desejos e angústias
iniciais em processos completamente diferentes.;
Formação de sintomas - Atos
falhos ou paraplaxias
● Esquecimentos de nomes, os lapsos de memória, as expressões que saem exatamente
contrárias ao que queríamos dizer e os acimentes com relíquias de famílias ;
● Tendência perturbadora: têm-se em conflito um desejo ou intensão que não pode ser percebida,
por contrarias ideias morais do sujeito;
● Tendência perturbada: têm-se as atitudes ou bons pensamentos que o sujeito se acha na
obrigação de assumir, mas que não correspondem aos seus desejos inconscientes;
● Do conflito estabelecido surge uma terceira conduta que em parte satisfaz e em parte contraria
cada uma das duas. Isto é um sintoma;
● O ato falho é um modelo típico de formação de sintomas;
Formação de sintomas - os sonhos
e o simbolismo
● Os sonhos são fenômenos psíquicos que nos facilitam compreender o inconsciente;
● Nos sonhos os desejos são retomados e realizados alucinatoriamente. O ego, enfraquecido no
sono, diminui o limite que separa a fantasia da realidade. A tensão do desejo pode então ser
aliviada.
● Os sonhos são realizações alucinatórias de desejos. A este tipo de sonhos que trás a realização
literal dos desejos chamados de sonhos infantis
● O sonho é um exemplo de simbolismo inconsciente do conflito entre dois elementos, o desejo e
a repressão, surge uma solução simbólica intermediaria que em parte satisfaz e em parte
contraria ambos;
Referências
[1] FERRARI, Juliana. Spinelli. Fase de latência. Disponível em:
< http://www.brasilescola.com/psicologia/a-fase-latencia.htm>. Acesso em 24 ago. 2015.
[2] RAPPAPORT, Clara Regina; FIORI, Wagner da Rocha; DAVIS, Claudia. Psicologia do
desenvolvimento. Sao Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária, 1981. v ISBN 85-12-64610-1
[3] FADIGMAN, James. FRAGNER, Robert. Teorias da personalidade. Disponível em:
<http://www.psiquiatriageral.com.br/psicoterapia/freud4.htm>. Acesso em 23 ago. 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
MandyNeres7
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
UNICEP
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
unieubra
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
Marcela Montalvão Teti
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicanalise dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
Psicanalise   dissolucao do complexo de edipo e sexualidadePsicanalise   dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
Psicanalise dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
Marcus Teixeira
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
Ana Cristina Balthazar
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Deisiane Cazaroto
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
ruibraz
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
Thiago de Almeida
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Jorge Barbosa
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 

Mais procurados (20)

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Psicanalise dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
Psicanalise   dissolucao do complexo de edipo e sexualidadePsicanalise   dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
Psicanalise dissolucao do complexo de edipo e sexualidade
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Henri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoriaHenri Wallon e sua teoria
Henri Wallon e sua teoria
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 

Destaque

Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Universidade Federal do Ceará
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
psicologiaazambuja
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
silvanacastellan
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
UNESC
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
Elisms88
 
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERALHOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
Alexandre Simoes
 
Desenvolvimento cognitivo
Desenvolvimento cognitivoDesenvolvimento cognitivo
Desenvolvimento cognitivo
Diana Sousa
 
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Feirenses
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
Isadora Robinault
 
Desenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexualDesenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexual
Alex Vicente Spadini
 
Édipo Rei
Édipo ReiÉdipo Rei
Édipo Rei
iedalf
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
Paulopereiraunirb
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
Ligia Coppetti
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
L R
 
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
Alexandre Simoes
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Andréa Forgiarni Cechin
 
O que é desenvolvimento humano
O que é desenvolvimento humanoO que é desenvolvimento humano
O que é desenvolvimento humano
Jan Carlos
 
Teoria de enfermagem de florence nightingale
Teoria de enfermagem de florence nightingaleTeoria de enfermagem de florence nightingale
Teoria de enfermagem de florence nightingale
enfanhanguera
 
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdiComo proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
SimoneHelenDrumond
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT

Destaque (20)

Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERALHOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS (parte 1): A ESCUTA PSICANALÍTICA NO HOSPITAL GERAL
 
Desenvolvimento cognitivo
Desenvolvimento cognitivoDesenvolvimento cognitivo
Desenvolvimento cognitivo
 
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
Plano Municipal de Cultura de Feira de Santana (2016)
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
Desenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexualDesenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexual
 
Édipo Rei
Édipo ReiÉdipo Rei
Édipo Rei
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
 
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
Sintoma, Clínica e Contemporaneidade - Jornada do Parlêtre 2013
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
 
O que é desenvolvimento humano
O que é desenvolvimento humanoO que é desenvolvimento humano
O que é desenvolvimento humano
 
Teoria de enfermagem de florence nightingale
Teoria de enfermagem de florence nightingaleTeoria de enfermagem de florence nightingale
Teoria de enfermagem de florence nightingale
 
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdiComo proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
Como proceder diante das mordidas no ambiente escolar pr shdi
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Jean piaget PPT
 

Semelhante a Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud

Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
Jamile Santos Dias DE Almeida
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Elisa Maria Gomide
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AlessandraPaulaStefa
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freud
catia
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
António Moreira
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Estudos sobre Sigmund Freud
Estudos sobre Sigmund FreudEstudos sobre Sigmund Freud
Estudos sobre Sigmund Freud
FERNANDA DE HOLANDA DANTAS
 
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.pptAULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
FernandesJoseCarneir
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
DeboraCaroline16
 
437
437437
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
silbartilotti
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOSDESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
Angella Barros
 
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptxSLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
ssuser9f513e
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
GeovanaRL
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
astraquinasns
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocional
becresforte
 
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento InfantilTrabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
astraquinasns
 

Semelhante a Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud (20)

Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freud
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Estudos sobre Sigmund Freud
Estudos sobre Sigmund FreudEstudos sobre Sigmund Freud
Estudos sobre Sigmund Freud
 
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.pptAULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
 
437
437437
437
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOSDESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
DESENVOLVIMENTO HUMANO: PRIMEIROS DOIS ANOS
 
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptxSLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
SLIDES VIGOTSKI E WALLON.pptx.pptx
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
 
Sdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocionalSdi desenvolvimento emocional
Sdi desenvolvimento emocional
 
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento InfantilTrabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
Trabalho sobre Freud - Desenvolvimento Infantil
 

Mais de Lucas Vinícius

A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
Lucas Vinícius
 
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb scriptComo utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
Lucas Vinícius
 
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis AleatóriasProbabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Lucas Vinícius
 
A robustez de circuitos sequenciais
A robustez de circuitos sequenciaisA robustez de circuitos sequenciais
A robustez de circuitos sequenciais
Lucas Vinícius
 
Definição de marketing e suas implicações
Definição de marketing e suas implicaçõesDefinição de marketing e suas implicações
Definição de marketing e suas implicações
Lucas Vinícius
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Lucas Vinícius
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
Lucas Vinícius
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Lucas Vinícius
 
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Ruído em  higiene e segurança no trabalhoRuído em  higiene e segurança no trabalho
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Lucas Vinícius
 
Rethinking main memory oltp recovery
Rethinking main memory oltp recoveryRethinking main memory oltp recovery
Rethinking main memory oltp recovery
Lucas Vinícius
 
Gerenciamento de processos Linux
Gerenciamento de processos LinuxGerenciamento de processos Linux
Gerenciamento de processos Linux
Lucas Vinícius
 
Problemas clássicos de comunicação interprocessos
Problemas clássicos de comunicação interprocessosProblemas clássicos de comunicação interprocessos
Problemas clássicos de comunicação interprocessos
Lucas Vinícius
 
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe APrevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Lucas Vinícius
 
Telefone sem fio - um problema de má comunicação
Telefone sem fio - um problema de má comunicaçãoTelefone sem fio - um problema de má comunicação
Telefone sem fio - um problema de má comunicação
Lucas Vinícius
 
Pesquisas envolvendo seres humanos
Pesquisas envolvendo seres humanosPesquisas envolvendo seres humanos
Pesquisas envolvendo seres humanos
Lucas Vinícius
 
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd WarshallComplexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
Lucas Vinícius
 
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com CastaliaIntrodução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
Lucas Vinícius
 

Mais de Lucas Vinícius (17)

A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
A Evolução das Distribuições de SistemaOperacional Linux Patrocinados pela Em...
 
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb scriptComo utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
Como utilizar windows management instrumentation com a linguagem vb script
 
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis AleatóriasProbabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
 
A robustez de circuitos sequenciais
A robustez de circuitos sequenciaisA robustez de circuitos sequenciais
A robustez de circuitos sequenciais
 
Definição de marketing e suas implicações
Definição de marketing e suas implicaçõesDefinição de marketing e suas implicações
Definição de marketing e suas implicações
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
 
Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
 
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Ruído em  higiene e segurança no trabalhoRuído em  higiene e segurança no trabalho
Ruído em higiene e segurança no trabalho
 
Rethinking main memory oltp recovery
Rethinking main memory oltp recoveryRethinking main memory oltp recovery
Rethinking main memory oltp recovery
 
Gerenciamento de processos Linux
Gerenciamento de processos LinuxGerenciamento de processos Linux
Gerenciamento de processos Linux
 
Problemas clássicos de comunicação interprocessos
Problemas clássicos de comunicação interprocessosProblemas clássicos de comunicação interprocessos
Problemas clássicos de comunicação interprocessos
 
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe APrevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
 
Telefone sem fio - um problema de má comunicação
Telefone sem fio - um problema de má comunicaçãoTelefone sem fio - um problema de má comunicação
Telefone sem fio - um problema de má comunicação
 
Pesquisas envolvendo seres humanos
Pesquisas envolvendo seres humanosPesquisas envolvendo seres humanos
Pesquisas envolvendo seres humanos
 
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd WarshallComplexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
Complexidade do Algoritmo: Caminho mínimo Floyd Warshall
 
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com CastaliaIntrodução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
Introdução a Simulação de redes Sensores sem fio com Castalia
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud

  • 1. Fases do desenvolvimento - Sigmund Freud Carlos Hermom, Girleide Oliveira, Haryany Lima, Isabela Dantas e Lucas Vinícius
  • 2. Roteiro 1. Fase Oral 2. Fase Anal 3. Fase Fálica 4. Periodo Latente 5. Fase Genital 6. Formação de Sintomas
  • 3. Fase Oral - Prólogo [2] ● Trauma do nascimento; ● Angústia = “dificuldade de respirar”; ● Luta pela sobrevivência - luta entre os instintos de vida e morte; ● É preciso reagir, inspirar, introjetar o mundo externo - ou se recebe o externo ou se deixa de viver;
  • 4. Fase Oral - Introdução ● A boca é a estrutura sensorial mais desenvolvida após o nascimento; ● A libido está organizada em torno da zona oral; ● O Seio é primeira e mais importante descoberta afetiva:
  • 5. Fase Oral - A modalidade incorporativa ● A incorporação é um caso particular do mecanismo de introjeção. ● Simbolização não evoluída gera a necessidade de que incorporação seja de um elemento concreto. ● A criança incorpora o leite e o seio e sente ter a mãe dentro de sí. ● Tudo o que a criança pega é levado à boca: é comendo que ela conhece o mundo e que as identificações vão sendo feitas. ● A incorporação é a etapa concreta da introjeção e a organização primitiva da identificação.
  • 6. Fase Oral - As etapas orais ● Reflexos iniciais da criança: alimentares, posturais e defensivos. São a base para formação do indivíduo. ● Criança sente um grande prazer no ato de mamar: ○ Mamar é algo além da necessidade física da alimentação; ○ Mesmo depois de satisfeita, ela continua a sugar a chupeta; ○ Quando dorme, faz movimentos de sucção, aparentando grande prazer; ● O desenvolvimento das relações objetais deriva desse vínculo inicial de prazer ao mamar e é progressivamente construído com o amor da criança ao seio, posteriormente ao reconhecimento da mãe, pai, outras pessoas, objetos, mundo e por fim a futura constituição da afetividade genital adulta.
  • 7. Fase Oral - As etapas orais ● Primeira etapa - oral de sucção (precede à dentição): visa a apreensão em si (introjeção) do mundo (seio, mãe, etc). ○ Criança ainda vive seu mundo interno de fantasias como realidae (narcisismo); ○ Realidade externa é apreendida de forma parcial e fragmentada; ○ Fixação nesta etapa caracterizará um quadro clínico denominado esquizofrenia; ● Segunda etapa - oral sádico-canibal (surge com a eclosão dos dentes): dentes surgem como a primeira concretização de sua capacidade destrutiva. ○ Manifestação da agressividade derivará a futura combatividade social; ○ Criança posta pela primeira vez em uma posição ambivalente: amar (iincorporação oral), fantasias destrutivas (mastigar e comer); ○ Amor é estabelecido como sentimento básico para um desenvolvimento afetivo for normal; ○ Agressividade (ódio) será predominante para um desenvolvimento dominado por angústias. Um quandro de melancolia (psicose maníaco-depressiva) pode ser estabelecido como ponto de fixação no sentimento de que tudo aquilo que é amado e incorporado é inevitavelmente destruído.
  • 8. Fase Anal [3] ● Idade: 2 a 4 anos; ● Auto-descoberta; ● Nova fonte de prazer; ● Etapas anais ● Domínio dos processos expulsivos(Controle dos esfíncteres anais e bexiga); ● Etapa retentiva, a qual propiciará a base para os mecanismos ligados ao controle; ● Consequencia de uma fase anal mal sucedida ● Arma destrutiva ● Neurose obsessiva . ● Caso os produtos sejam projetados numa estrutura paranóica, esses serão controlados e retidos na estrutura obsessiva.
  • 9. Fase Fálica Fantasia. A procura do sexo oposto é uma estrutura comportamental instintivas nos animais,enquanto grupo geral. Ex:... Erotização - satisfação - Prazer. Podemos dizer que é aprendendo a amar em casa que a criança se tornará o adulto capaz de amar fora.
  • 11. Período Latente ● Latência significa o estado daquilo que é latente, que, por sua vez, significa algo que não se vê, que está oculto, ou ainda, que está subentendido, dissimulado. ● O período de latência está localizado entre as fases fálica e genital. Cronologicamente, esse período localiza-se aproximadamente entre os seis e dez anos de idade ● Na fase de latência não se identifica uma zona específica de erotização, ou seja, a energia libidinal está investida em um outro objeto, que não o próprio corpo. Esta fase é simultaneamente ao período de escolarização da criança, onde sua energia está investida nas atividades escolares e nas relações sociais. A libido sexual está adormecida, em prol de outros investimentos. [1] ● Neste período ainda há uma mudança qualitativa na relação da criança com seus pais, a partir do processo de superação do Complexo de Édipo. ● É um período extremamente importante para o fortalecimento do ego da criança.
  • 12. Período Latente - Importância ● Para se relacionar melhor com todas as pessoas que vão sendo inseridas a sua vida, a criança tem sua sexualidade reprimida ou sublimada, para que então possa se concentrar em outras atividades como jogos, aprendizados, brincadeiras e amizades. ● Nesse período que as crianças se tornam capazes de identificarem-se com outros, que não seus pais, como colegas de escola, professores, personagens e heróis da ficção, que serão importantes para o desenvolvimento da identidade sexual dessas crianças. ● Segundo Freud, é nesse período que se desenvolvem atitudes como a vergonha e a moralidade, que serão determinantes no encaminhamento dos desejos sexuais que serão despertados na puberdade.
  • 13. Fase Genital [2] ● Segundo Freud, atingir a fase genital é fundamental para se chegar ao pleno desenvolvimento biopsicossocial e intelectual de um adulto sendo capaz de amar, e no sentido genital se tornando capazes de atingir sua capacidade orgástica e aceitar conscientemente suas identidades sexuais distintas, buscando novas formas de satisfação para suas necessidades eróticas.
  • 14. Fase Genital ● Alcançar a fase genital constitui atingir o pleno desenvolvimento do adulto normal; ● Aprendeu a amar, trabalhar e competir; ● Discriminou seu papel sexual; ● Desenvolveu-se intelectual e socialmente; ● É capaz de amar num sentido genital amplo e de definir um vínculo heterosexual significativo e duradouro; ● A procriação é a finalidade da vida e os filhos fontes de prazer.
  • 15. Formação de Sintomas - prólogo [2] ● Por que os sofrimentos com a vida fazem surgir sintomas físicos, paralelamente ao processo de repressão de lembranças? ● Sintomas como substitutos de eventos traumáticos reprimidos; ● Deve haver portanto um caminho que progressivamente transforma os desejos e angústias iniciais em processos completamente diferentes.;
  • 16. Formação de sintomas - Atos falhos ou paraplaxias ● Esquecimentos de nomes, os lapsos de memória, as expressões que saem exatamente contrárias ao que queríamos dizer e os acimentes com relíquias de famílias ; ● Tendência perturbadora: têm-se em conflito um desejo ou intensão que não pode ser percebida, por contrarias ideias morais do sujeito; ● Tendência perturbada: têm-se as atitudes ou bons pensamentos que o sujeito se acha na obrigação de assumir, mas que não correspondem aos seus desejos inconscientes; ● Do conflito estabelecido surge uma terceira conduta que em parte satisfaz e em parte contraria cada uma das duas. Isto é um sintoma; ● O ato falho é um modelo típico de formação de sintomas;
  • 17. Formação de sintomas - os sonhos e o simbolismo ● Os sonhos são fenômenos psíquicos que nos facilitam compreender o inconsciente; ● Nos sonhos os desejos são retomados e realizados alucinatoriamente. O ego, enfraquecido no sono, diminui o limite que separa a fantasia da realidade. A tensão do desejo pode então ser aliviada. ● Os sonhos são realizações alucinatórias de desejos. A este tipo de sonhos que trás a realização literal dos desejos chamados de sonhos infantis ● O sonho é um exemplo de simbolismo inconsciente do conflito entre dois elementos, o desejo e a repressão, surge uma solução simbólica intermediaria que em parte satisfaz e em parte contraria ambos;
  • 18. Referências [1] FERRARI, Juliana. Spinelli. Fase de latência. Disponível em: < http://www.brasilescola.com/psicologia/a-fase-latencia.htm>. Acesso em 24 ago. 2015. [2] RAPPAPORT, Clara Regina; FIORI, Wagner da Rocha; DAVIS, Claudia. Psicologia do desenvolvimento. Sao Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária, 1981. v ISBN 85-12-64610-1 [3] FADIGMAN, James. FRAGNER, Robert. Teorias da personalidade. Disponível em: <http://www.psiquiatriageral.com.br/psicoterapia/freud4.htm>. Acesso em 23 ago. 2015.