SlideShare uma empresa Scribd logo
Freud e o
Desenvolvimento
Psicossexual
Psicologia B – 12.º Ano
Prof.ª Isaura Silva
Sexualidade e Desenvolvimento
Para Freud, o desenvolvimento humano e a constituição do aparelho
psíquico são explicados pela evolução da psicossexualidade.
A sexualidade está integrada no nosso desenvolvimento desde o
nascimento, evoluindo através de estádios, com predomínio de uma zona
erógena, isto é, de uma região do corpo (epiderme ou mucosa) que, quando
estimulada, dá prazer.

Cada estádio é marcado pelo confronto entre as pulsões sexuais
(Libido, que em Latim significa desejo, sexualidade) e as forças
que se lhe opõem.
A Psicanálise foi a primeira
corrente de psicologia a
atribuir aos primeiros anos
de vida uma importância
fulcral na estruturação da
personalidade. Dizer que a
criança é o pai do Homem
ilustra a importância da
infância.

Um dos conceitos mais
importantes
da
teoria
psicanalítica é a existência da
Sexualidade Infantil.
Esta sexualidade envolve todo
o corpo, é pré-genital e não
apenas genital e é, nos
primeiros anos, autoerótica,
isto é, a criança satisfaz-se
com o seu próprio corpo.
Estádios de Desenvolvimento

Freud apresenta uma teoria de desenvolvimento da personalidade que segundo
ele se processa numa sequência de estádios psicossexuais que decorrem desde
o nascimento até à adolescência.

 Estádio Oral – do nascimento aos 12/18 meses
 Estádio Anal – dos 12/18 meses aos 2/3 anos
 Estádio Fálico – dos 2/3 anos aos 5/6 anos
 Estádio de Latência – dos 5/6 anos até à puberdade
 Estádio Genital – a partir da puberdade
ESTÁDIO ORAL - zona erógena: cavidade bucal e
lábios
(0 – 12/18 meses)

 Este
estádio
decorre
do
nascimento até cerca dos 12/18
meses.
 A zona erógena é a boca e
lábios: o bebé obtém prazer ao
mamar, ao levar objetos à boca,
bem
como
através
de
estimulações corporais.
 A alimentação é fonte de grande
satisfação, assumindo grande
impor­tância a relação com a
mãe.

 O desmame corresponde a
um dos primeiros conflitos
e frustrações vividos pela
criança que a vai situar em
relação à realidade do
mundo.
 É neste estádio que o ego
se forma
Enquanto o id é orientado pelo princípio do prazer, ego
rege-se pelo princípio da realidade, que corresponde às
normas e às exigências da vida em sociedade.
ESTÁDIO ANAL
(12/18 MESES - 2/3 ANOS)
 Este estádio decorre dos
12/18 meses aos 2/3 anos e
a zona erógena é a regai
anal.
 A criança obtém prazer
pela estimulação do ânus
ao reter e expulsar as
fezes.
 O controlo da defecação
gera,
simultaneamente,
sentimentos de prazer e de
dor.

É nesta fase que se faz a
educação para a higiene,
relativamente à qual criança ou
cede
ou
se
opõe
ao
cumprimento das regras. A
ambivalência assim, presente
nas interações que estabelece
com a mãe ou outros
cuidadores
Ambivalência - vivência de desejos ou emoções opostos.

A ambivalência está também presente na forma como a
criança hesita entre ceder ou opor-se às regras de higiene
que a mãe exige. As relações interpessoais – com a mãe e
com as outras pessoas – vão estabelecer-se neste contexto,
daí a importância dada à forma como se educa a criança a
ser asseada.
ESTÁDIO FÁLICO
(2/3 ANOS – 5/6 ANOS)
 Este estádio decorre dos 2/3 aos
5/6 anos.
 A zona erógena é a região
genital: órgãos sexuais são
estimulados pela criança, que
assim obtém prazer.
A
curiosidade
sobre
as
diferenças sexuais é grande
nesta fase.

• As crianças estão interessadas em
questões do género: Como
nascem os bebés;
• Estão atentas às diferenças
anatómicas entre os sexos, às
relações entre os pais e às
relações
entre
homens
e
mulheres;
• têm brincadeiras onde explorar
estes interesses, como brincar aos
médicos e aos pais e ás
mães( alguns comportamentos
exibicionistas e “voyeuristas”
[espreitar] podem surgir nesta
idade.)
Freud deu particular importância a este estádio por ser
durante este período que as crianças vão vivenciar o
Complexo de Édipo
(Édipo, na mitologia grega, sem ter consciência, mata o pai,
Laios, e casa com a mãe, Jocasta),
e por ser no fim desta etapa que a estrutura da personalidade
está formada com a existência do superego.
O complexo de Édipo

Corresponde à atração que
o rapaz tem pela mãe, a
quem ele esteve sempre
ligado desde que nasceu, e
que agora é diferentemente
sentida.
A sexualidade, que era até
esta idade exclusivamente
autoerótica, vai agora ser
investida nos pais.

Ele pode assim falar do
desejo de casar com a mãe,
mas, ao descobrir o tipo de
relação que liga os seus
progenitores, sente rivalidade
(por vezes com expressões
de agressividade) com o pai,
que considera um intruso.
O complexo de Édipo, na rapariga, é uma triangulação
relacional idêntica.
Complexo de Electra
( na mitologia grega , Electra, filha de Agamémnon, instigou o
irmão a matar a mãe para se vingar por esta ter morto o pai)

Uma importante diferença é que a rapariga esteve desde sempre
muito ligada à mãe e, nesta idade , vai investir e seduzir o pai. É
mais difícil rivalizar com a mãe porque receia perder o seu amor.
O complexo edipiano da
rapariga e do rapaz é
atravessado por vivências tais
como:
receios,
angústias,
o
medo
fantasiado
da
castração,
agressividade e culpabilidade.

Alguns destes complexos passamse de forma invertida, isto é, a
criança investe sensualmente no
progenitor do mesmo sexo.
O complexo de Édipo é
ultrapassado pela renúncia aos
desejos sexuais pelos pais e por um
processo de identificação com o
progenitor do mesmo sexo.
Freud considera que a forma
como se resolve o complexo
edipiano influenciará a vida
afetiva futura.
A terceira instância do
aparelho psíquico, o superego,
vai agora ser constituída.
O superego é uma instância
com funções morais.

Estes não são os pais
reais, mas os
imaginários, isto é, os
idealizados na infância.
ESTÁDIO DE LATÊNCIA
(5/6 ANOS – PUBERDADE)
 Este período é caracterizado
por uma atenuação da
atividade sexual.
 Seria neste estádio que
ocorre a amnésia infantil: a
criança
reprime
no
inconsciente experiências e
sensações
vivida
nos
primeiros anos, sobretudo
no estádio fálico.

 A criança investe a sua energia
nas
atividades
escolares,
ganhando especial importância
as relações que estabelece com
os colegas e com os professores.
 Uma das grandes aprendizagens
é a compreensão dos papéis
sexuais, isto é, o que é ser
mulher e ser homem, na
sociedade em que vive.
ESTÁDIO GENITAL (depois da puberdade)


Para a psicanálise, a
adolescência vai reativar uma
sexualidade que esteve como
que adormecida durante o
período da latência.
 Assim, retomam-se algumas
problemáticas do estádio
fálico, como o complexo de
Édipo.

 A puberdade traz novas
pulsões sexuais genitais.
 Também
o
mundo
relacional do adolescente é
alargado
a
pessoas
exteriores à família.
O adolescente vai reviver o complexo de Édipo, e a sua
liquidação está ligada a um processo de autonomização dos
adolescentes em relação à família.
O adolescente poderá, assim, fazer escolhas sexuais fora do mundo
familiar, bem como adaptar-se a um conjunto de exigências
socioculturais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
norberto faria
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
Jorge Barbosa
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
psicologiaazambuja
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
Isadora Robinault
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
norberto faria
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
Viviane Pasqualeto
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
psicologiaazambuja
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
Sara Afonso
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
psicologiaazambuja
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
CatarinaNeivas
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Jorge Barbosa
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
Saul Marques da Silva
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
marta12l
 

Mais procurados (20)

Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Adolescência 213
Adolescência 213Adolescência 213
Adolescência 213
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 

Destaque

Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
Andréa Forgiarni Cechin
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
psicologiaisecensa
 
Estádios de Erikson
Estádios de EriksonEstádios de Erikson
Estádios de Erikson
TeeOliveira
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
UNESC
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Rodrigo Castro
 
Estádios de Erikson
Estádios de Erikson Estádios de Erikson
Estádios de Erikson
klismael
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Universidade Federal do Ceará
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
marco14cdc
 
A teoria de erikson
A teoria de eriksonA teoria de erikson
A teoria de erikson
Psicologia4
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Geiza F. Barbosa
 
A Teoria de Erikson
A Teoria de EriksonA Teoria de Erikson
A Teoria de Erikson
junioragogo
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Débora Silveira
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Thiago de Almeida
 

Destaque (13)

Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
Estádios de Erikson
Estádios de EriksonEstádios de Erikson
Estádios de Erikson
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
 
Estádios de Erikson
Estádios de Erikson Estádios de Erikson
Estádios de Erikson
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
 
A teoria de erikson
A teoria de eriksonA teoria de erikson
A teoria de erikson
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
 
A Teoria de Erikson
A Teoria de EriksonA Teoria de Erikson
A Teoria de Erikson
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 

Semelhante a Freud e o desenvolvimento

Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
António Moreira
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freud
catia
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Leonardo Alves
 
Desenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexualDesenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexual
Alex Vicente Spadini
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
Jamile Santos Dias DE Almeida
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AlessandraPaulaStefa
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Aluisio Èvora
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
escola 2/3 Bernardino Machado
 
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.pptAULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
FernandesJoseCarneir
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Camila Oliveira
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
Felipe Spessatto
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Laura Reis
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Lucas Vinícius
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
norberto faria
 
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urcaFases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Universidade Federal do Ceará
 
Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade
jakelyne Alvez
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Elisa Maria Gomide
 

Semelhante a Freud e o desenvolvimento (20)

Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
1203276436 freud
1203276436 freud1203276436 freud
1203276436 freud
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Desenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexualDesenvolvimento sexual
Desenvolvimento sexual
 
Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud Psicanálise Sigmund Freud
Psicanálise Sigmund Freud
 
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.pptAULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
AULA+DESENVOLVIMENTO+PSICOSSEXUAL+FREUD.ppt
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.pptAULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
AULA DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL FREUD.ppt
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
 
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de FreudFases do desenvolvimento  de acordo com a Teoria de Freud
Fases do desenvolvimento de acordo com a Teoria de Freud
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urcaFases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
 
Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade Aula de Sexualidade
Aula de Sexualidade
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 

Mais de psicologiaazambuja

A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
psicologiaazambuja
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
psicologiaazambuja
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
psicologiaazambuja
 
Memória a longo prazo
Memória a longo prazoMemória a longo prazo
Memória a longo prazo
psicologiaazambuja
 
Memória1
Memória1Memória1
A memória
A memóriaA memória
A memória
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhiceDesenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhice
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatalDesenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatal
psicologiaazambuja
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
psicologiaazambuja
 
Life span piaget
Life span piagetLife span piaget
Life span piaget
psicologiaazambuja
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
psicologiaazambuja
 
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamentoIntegração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
psicologiaazambuja
 
Resgate do conceito de mente
Resgate do conceito de menteResgate do conceito de mente
Resgate do conceito de mente
psicologiaazambuja
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
psicologiaazambuja
 
Psic doc4 m1
Psic doc4 m1Psic doc4 m1
Psic doc4 m1
psicologiaazambuja
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
psicologiaazambuja
 

Mais de psicologiaazambuja (20)

A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
 
Memória a longo prazo
Memória a longo prazoMemória a longo prazo
Memória a longo prazo
 
Memória1
Memória1Memória1
Memória1
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Desenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhiceDesenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhice
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Desenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatalDesenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatal
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
Life span piaget
Life span piagetLife span piaget
Life span piaget
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamentoIntegração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
 
Resgate do conceito de mente
Resgate do conceito de menteResgate do conceito de mente
Resgate do conceito de mente
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Psic doc4 m1
Psic doc4 m1Psic doc4 m1
Psic doc4 m1
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
 

Freud e o desenvolvimento

  • 1. Freud e o Desenvolvimento Psicossexual Psicologia B – 12.º Ano Prof.ª Isaura Silva
  • 2. Sexualidade e Desenvolvimento Para Freud, o desenvolvimento humano e a constituição do aparelho psíquico são explicados pela evolução da psicossexualidade. A sexualidade está integrada no nosso desenvolvimento desde o nascimento, evoluindo através de estádios, com predomínio de uma zona erógena, isto é, de uma região do corpo (epiderme ou mucosa) que, quando estimulada, dá prazer. Cada estádio é marcado pelo confronto entre as pulsões sexuais (Libido, que em Latim significa desejo, sexualidade) e as forças que se lhe opõem.
  • 3. A Psicanálise foi a primeira corrente de psicologia a atribuir aos primeiros anos de vida uma importância fulcral na estruturação da personalidade. Dizer que a criança é o pai do Homem ilustra a importância da infância. Um dos conceitos mais importantes da teoria psicanalítica é a existência da Sexualidade Infantil. Esta sexualidade envolve todo o corpo, é pré-genital e não apenas genital e é, nos primeiros anos, autoerótica, isto é, a criança satisfaz-se com o seu próprio corpo.
  • 4. Estádios de Desenvolvimento Freud apresenta uma teoria de desenvolvimento da personalidade que segundo ele se processa numa sequência de estádios psicossexuais que decorrem desde o nascimento até à adolescência.  Estádio Oral – do nascimento aos 12/18 meses  Estádio Anal – dos 12/18 meses aos 2/3 anos  Estádio Fálico – dos 2/3 anos aos 5/6 anos  Estádio de Latência – dos 5/6 anos até à puberdade  Estádio Genital – a partir da puberdade
  • 5. ESTÁDIO ORAL - zona erógena: cavidade bucal e lábios (0 – 12/18 meses)  Este estádio decorre do nascimento até cerca dos 12/18 meses.  A zona erógena é a boca e lábios: o bebé obtém prazer ao mamar, ao levar objetos à boca, bem como através de estimulações corporais.  A alimentação é fonte de grande satisfação, assumindo grande impor­tância a relação com a mãe.  O desmame corresponde a um dos primeiros conflitos e frustrações vividos pela criança que a vai situar em relação à realidade do mundo.  É neste estádio que o ego se forma
  • 6. Enquanto o id é orientado pelo princípio do prazer, ego rege-se pelo princípio da realidade, que corresponde às normas e às exigências da vida em sociedade.
  • 7. ESTÁDIO ANAL (12/18 MESES - 2/3 ANOS)  Este estádio decorre dos 12/18 meses aos 2/3 anos e a zona erógena é a regai anal.  A criança obtém prazer pela estimulação do ânus ao reter e expulsar as fezes.  O controlo da defecação gera, simultaneamente, sentimentos de prazer e de dor. É nesta fase que se faz a educação para a higiene, relativamente à qual criança ou cede ou se opõe ao cumprimento das regras. A ambivalência assim, presente nas interações que estabelece com a mãe ou outros cuidadores
  • 8. Ambivalência - vivência de desejos ou emoções opostos. A ambivalência está também presente na forma como a criança hesita entre ceder ou opor-se às regras de higiene que a mãe exige. As relações interpessoais – com a mãe e com as outras pessoas – vão estabelecer-se neste contexto, daí a importância dada à forma como se educa a criança a ser asseada.
  • 9. ESTÁDIO FÁLICO (2/3 ANOS – 5/6 ANOS)  Este estádio decorre dos 2/3 aos 5/6 anos.  A zona erógena é a região genital: órgãos sexuais são estimulados pela criança, que assim obtém prazer. A curiosidade sobre as diferenças sexuais é grande nesta fase. • As crianças estão interessadas em questões do género: Como nascem os bebés; • Estão atentas às diferenças anatómicas entre os sexos, às relações entre os pais e às relações entre homens e mulheres; • têm brincadeiras onde explorar estes interesses, como brincar aos médicos e aos pais e ás mães( alguns comportamentos exibicionistas e “voyeuristas” [espreitar] podem surgir nesta idade.)
  • 10. Freud deu particular importância a este estádio por ser durante este período que as crianças vão vivenciar o Complexo de Édipo (Édipo, na mitologia grega, sem ter consciência, mata o pai, Laios, e casa com a mãe, Jocasta), e por ser no fim desta etapa que a estrutura da personalidade está formada com a existência do superego.
  • 11. O complexo de Édipo Corresponde à atração que o rapaz tem pela mãe, a quem ele esteve sempre ligado desde que nasceu, e que agora é diferentemente sentida. A sexualidade, que era até esta idade exclusivamente autoerótica, vai agora ser investida nos pais. Ele pode assim falar do desejo de casar com a mãe, mas, ao descobrir o tipo de relação que liga os seus progenitores, sente rivalidade (por vezes com expressões de agressividade) com o pai, que considera um intruso.
  • 12. O complexo de Édipo, na rapariga, é uma triangulação relacional idêntica. Complexo de Electra ( na mitologia grega , Electra, filha de Agamémnon, instigou o irmão a matar a mãe para se vingar por esta ter morto o pai) Uma importante diferença é que a rapariga esteve desde sempre muito ligada à mãe e, nesta idade , vai investir e seduzir o pai. É mais difícil rivalizar com a mãe porque receia perder o seu amor.
  • 13. O complexo edipiano da rapariga e do rapaz é atravessado por vivências tais como: receios, angústias, o medo fantasiado da castração, agressividade e culpabilidade. Alguns destes complexos passamse de forma invertida, isto é, a criança investe sensualmente no progenitor do mesmo sexo. O complexo de Édipo é ultrapassado pela renúncia aos desejos sexuais pelos pais e por um processo de identificação com o progenitor do mesmo sexo.
  • 14. Freud considera que a forma como se resolve o complexo edipiano influenciará a vida afetiva futura. A terceira instância do aparelho psíquico, o superego, vai agora ser constituída. O superego é uma instância com funções morais. Estes não são os pais reais, mas os imaginários, isto é, os idealizados na infância.
  • 15. ESTÁDIO DE LATÊNCIA (5/6 ANOS – PUBERDADE)  Este período é caracterizado por uma atenuação da atividade sexual.  Seria neste estádio que ocorre a amnésia infantil: a criança reprime no inconsciente experiências e sensações vivida nos primeiros anos, sobretudo no estádio fálico.  A criança investe a sua energia nas atividades escolares, ganhando especial importância as relações que estabelece com os colegas e com os professores.  Uma das grandes aprendizagens é a compreensão dos papéis sexuais, isto é, o que é ser mulher e ser homem, na sociedade em que vive.
  • 16. ESTÁDIO GENITAL (depois da puberdade)  Para a psicanálise, a adolescência vai reativar uma sexualidade que esteve como que adormecida durante o período da latência.  Assim, retomam-se algumas problemáticas do estádio fálico, como o complexo de Édipo.  A puberdade traz novas pulsões sexuais genitais.  Também o mundo relacional do adolescente é alargado a pessoas exteriores à família.
  • 17. O adolescente vai reviver o complexo de Édipo, e a sua liquidação está ligada a um processo de autonomização dos adolescentes em relação à família. O adolescente poderá, assim, fazer escolhas sexuais fora do mundo familiar, bem como adaptar-se a um conjunto de exigências socioculturais.