SlideShare uma empresa Scribd logo
Sigmund Freud nasceu em 1856, 
em Freiberg, na região da Moráva. 
Em função de problemas financeiros, sua 
família mudou-se para Viena em 1860, onde 
viveu até 1938.
Freud é forçado a abandonar Viena e mudar-se 
para Londres; 
A vida de Freud foi marcada por grande 
curiosidade pelo saber, alicerçada pela cresça 
dos pais, de tal modo que todos os seus anseios 
em relação aos estudos eram prontamente 
atendidos.
Ele ingressou no Liceu um ano antes do que 
era comum, demonstrando inteligência 
reconhecidamente privilegiada. 
A família não contribuiu apenas para seu 
desempenho nos estudos, mas influenciou no 
desenvolvimento da sua teoria.
Cursou Medicina na Universidade de Viena, 
tendo demorado a concluir seus estudos em 
virtude da ampla gama de interesses que tinha 
e que o levava a participar de vários oferecidos. 
A proximidade do casamento com Martha 
Bernays o obrigou a abdicar da pesquisa e a 
dedicar-se à prática clínica.
Tiveram seis filhos, mas apenas Anna Freud 
teu continuidade ao trabalho do pai na 
Psicanálise. 
Freud estudou com Jean Charcot, médico 
que trabalhava com pacientes histéricas; 
Posteriormente, passou a trabalhar com 
Joseph Breuer, clinico geral.
Em 1902 foi nomeado professor da Universidade de 
Viena. 
Em 1908 foi reconhecida a Associação Psicanalítica 
de Viena. 
Somente em primeiro de agosto de 1939, aos 83 
anos encerrou sua prática clínica. 
Em 23 de setembro de 1939 pois fim ao seu 
sofrimento através de uma dose de morfina.
A vida mental ou psique organiza-se a partir 
de três componentes: 
Pré-consciente; 
Consciente; 
Inconsciente. 
A essa distinção da vida mental podemos 
associar a imagem de um iceberg.
Entre 1920 e 1923, Freud elaborou uma 
segunda teoria do aparelho psíquico, 
introduzindo novos conceitos (Id, Ego e 
Superego); 
 Id é constituído pelos instintos; 
 Ego é responsável pela conduta consciente do 
individuo; 
 Superego é constituído por valores, normas, 
padrões morais e costumes.
A elaboração de Freud sobre os mecanismos 
de defesa originou-se da observação de 
diferentes tipos de manifestações 
comportamentais, nas quais se evidenciavam 
as defesas pelo Ego com o intuito 
de evitar a angústia.
Mecanismos de defesa mais importantes que 
estão presentes de maneira significativa no 
cotidiano escolar são: 
 Repressão; 
 Negação; 
 Racionalismo; 
 Projeção; 
 Regressão; 
 Sublimação; 
 Deslocamento; 
 Formação reativa; 
 Identificação; 
 Compensação.
Impede que sentimentos, lembranças, idéias 
ou desejos inaceitáveis surjam no 
consciente. É a repressão que dá origem a 
todos os outros mecanismos de defesa. Atua 
em conjunto com a resistência.
Implica em negar sensações, pensamentos 
lembranças dolorosas, sendo facilmente 
reconhecida no cotidiano, que alteram a 
realidade, negando-a se esta for muito triste 
e desagradável. 
Nos adultos, sua presença pode ser verificada 
quando estes tendem a fantasiar que certos 
acontecimentos não são, de fato, do jeito 
que são, nunca aconteceram.
Refere-se a uma explicação lógica, 
consistente ou eticamente aceitável para 
uma atitude, ação, idéia ou sentimento 
que, é inaceitável e causadora de angústia 
no próprio sujeito. Nesse sentido, o 
indivíduo busca desvincular a afetividade 
dessa explicação racional.
Mecanismo no qual o individuo atribui as 
causas de certas senções ao mundo externo, 
ao invés de procurá-las dentro dele mesmo. 
Nessas circunstâncias, o indivíduo desloca de 
si para o outro sentimentos e desejos que 
tem dificuldade em reconhecer como seus.
Trata-se de um retorno a estágio anterior do 
desenvolvimento, no qual a pessoa se sente 
segura. Ao regredir, o sujeito alivia a 
ansiedade, pois evita o confronto com a 
realidade, como o momento atual, revivendo 
comportamentos que, em anos anteriores, 
provocaram redução de sua ansiedade.
Sua função consiste em reorientar os 
objetivos sexuais de maneira que eliminem a 
frustração do mundo externo. A sublimação 
consiste na canalização da inclinação sexual 
que não pode ser realizada em atividades 
socialmente construtivas. É considerada o 
mecanismo mais evoluído e característico de 
pessoas normais.
Se expressa na mudança de exigências do Id, 
normalmente agressiva, da pessoa ou objeto 
considerado perigoso por um que não é. 
Segundo Freud, o deslocamento revela uma 
admirável aptidão para disfarçar desejos do 
sujeito.
O homem faz uso de sua atividade 
imaginativa a fim de satisfazer os desejos 
que a realidade não satisfaz. Tal condição 
proporciona à vida mental ocasiões em que 
forças motivadoras promovem a substituição 
pelo oposto da realidade e, assim, um 
impulso indesejável é mantido inconsciente, 
por conta de forte adesão ao seu contrario.
É conhecida pela psicanálise como a mais 
remota expressão de laço emocional com 
outra pessoa, a identificação pode surgir a 
partir da percepção da qualidade comum 
partilhada com alguma outra pessoa que não 
é o objeto de instinto sexual. 
Inicialmente, os pais são as figuras com as 
quais os filhos estabelecem identificação.
Em outros casos mais comuns, a identificação 
ocorre em decorrência de fortes sentimentos 
de inferioridade, que induz o indivíduo a 
internalizar características de outra pessoa 
que é socialmente va
Descoberta do inconsciente, que como já 
foi dito anteriormente, ele afirma não 
haver acaso, especialmente na vida mental. 
Todo pensamento, sentimento ou ação 
ocorre em função de uma intenção 
consciente ou inconsciente. 
Há sempre um elo entre eles.
A forma encontrada por Freud para chegar a 
conhecer essas relações foi a investigação do 
inconsciente; 
A partir da percepção de que grande parte 
das lembranças e sentimentos está reprimida 
no inconsciente; 
Na época provocou enorme polêmica.
Freud desvincula a sexualidade da reprodução 
Obra Três Ensaios sobre a sexualidade. 
A libido é vista como a energia afetiva que no 
curso do desenvolvimento, sofre progressivas 
organizações vinculadas a diferentes etapas do 
desenvolvimento biológico. 
Busca do prazer.
Zonas erógenas. 
Cada nova organização: etapa do 
desenvolvimento: 
 Oral; 
 Anal; 
 Fálica; 
 Latência (modo intermediário); 
 Genital.
Libido: boca. 
Chuchar – ele define como a repetição ritma 
de um contato de sucção com a boca, da 
qual está excluído qualquer propósito de 
nutrição. 
Primeiro vinculo afetivo da criança.
Energia libidinal: ânus, nádegas e esfíncteres; 
A criança: certo controle sobre o aspecto 
psicomotor; 
Momento de conquistas para a criança; 
Freud: a criança desenvolve fantasia que produz 
seus primeiros produtos; 
Vida adulta: rituais no uso do banheiro.
Libido: Órgãos genitais; 
Criança: curiosidade em relação ao sexo; 
A forma como os pais lidam com a sexualidade 
é vital para a criança; 
O relacionamento com a mãe é mais marcante;
Complexo de Édipo: atração pelo genitor do 
sexo oposto; 
Em função do conflito: identificação com o 
pai; 
Desenvolvimento do ego.
Período de calmaria; 
Os aspectos sociais, morais e cognitivos adquirão maior 
evidência; 
Latência: não constitui um estágio; 
É importante ressaltar a relevância da família e da 
escola; 
Devem atuar: desenvolvimento saudável;
Adolescência 
Instinto sexual se manifesta com intensidade; 
Libido: dirige-se para o exterior; 
Conclusão: pronto para a reprodução e 
vivenciar o prazer sem culpas e sem neuroses.
Freud apresenta suas concepções sobre cultura, sociedade, 
religião, política e educação a partir da Psicanálise. 
Ao longo das considerações de Freud no tocante, à 
educação fica explícita a indicação desse teórico de que os 
educadores devem procurar aproximar-se dos ensinamentos 
da Psicanálise como forma de ampliar a compreensão em 
relação aos educados, bem como pela possibilidade que ela 
oferece para o reconhecimento de algumas da possíveis 
manifestações relativas ao reconhecimento de problemas 
nos educandos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
Andréa Forgiarni Cechin
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
silvanacastellan
 
Freud
FreudFreud
As sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanáliseAs sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanálise
Patricia Ruiz
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
norberto faria
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
CatarinaNeivas
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
UNESC
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
psicologiaisecensa
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
Paulopereiraunirb
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Deisiane Cazaroto
 
O Inconciente
O InconcienteO Inconciente
O Inconciente
Darciane Brito
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Alexandre Simoes
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analíticoCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
Alexandre Simoes
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Michele Santiago
 
Além do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdfAlém do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdf
Wagner da Matta
 

Mais procurados (20)

Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
As sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanáliseAs sete escolas da psicanálise
As sete escolas da psicanálise
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
Sigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - PsicanáliseSigmund Freud - Psicanálise
Sigmund Freud - Psicanálise
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Introdução À Psicanálise
Introdução À PsicanáliseIntrodução À Psicanálise
Introdução À Psicanálise
 
aula Freud slide
aula Freud slideaula Freud slide
aula Freud slide
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
O Inconciente
O InconcienteO Inconciente
O Inconciente
 
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analíticoCURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
CURSO FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE- Aula 1: A histeria e o setting analítico
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Além do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdfAlém do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdf
 

Destaque

1. a teoria psicanalítica de freud
1. a teoria psicanalítica de freud1. a teoria psicanalítica de freud
1. a teoria psicanalítica de freud
Matrizes
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
psicologiaazambuja
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Andréa Forgiarni Cechin
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
Dani Silva
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Universidade Federal do Ceará
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
UNICEP
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Ludmila Moura
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
Contribuição da psicanálise para a educação   cópiaContribuição da psicanálise para a educação   cópia
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
amajordao
 
Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014
Magistério Magistério
 
Freud 1
Freud 1Freud 1
Freud 1
Kauê Martins
 
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADEO QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
Fabio Passerini
 
O modelo estrutural de freud e o cerebro
O modelo estrutural de freud e o cerebroO modelo estrutural de freud e o cerebro
O modelo estrutural de freud e o cerebro
UNICEP
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
L R
 
Sigmund freud
Sigmund freudSigmund freud
Sigmund freud
Ranlig
 
Livro - Noções Básicas de Psicanálise
Livro - Noções Básicas de PsicanáliseLivro - Noções Básicas de Psicanálise
Livro - Noções Básicas de Psicanálise
Edleusa Silva
 
Burrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinnerBurrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinner
magdasimone
 

Destaque (18)

1. a teoria psicanalítica de freud
1. a teoria psicanalítica de freud1. a teoria psicanalítica de freud
1. a teoria psicanalítica de freud
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISEAula  INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
Aula INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
Contribuição da psicanálise para a educação   cópiaContribuição da psicanálise para a educação   cópia
Contribuição da psicanálise para a educação cópia
 
Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014
 
Freud 1
Freud 1Freud 1
Freud 1
 
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADEO QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
O QUE MASLOW PODE ENSINAR SOBRE PROGRAMAS DE FIDELIDADE
 
O modelo estrutural de freud e o cerebro
O modelo estrutural de freud e o cerebroO modelo estrutural de freud e o cerebro
O modelo estrutural de freud e o cerebro
 
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis   vocabulário de psicanáliseLaplanche e pontalis   vocabulário de psicanálise
Laplanche e pontalis vocabulário de psicanálise
 
Sigmund freud
Sigmund freudSigmund freud
Sigmund freud
 
Livro - Noções Básicas de Psicanálise
Livro - Noções Básicas de PsicanáliseLivro - Noções Básicas de Psicanálise
Livro - Noções Básicas de Psicanálise
 
Burrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinnerBurrhus frederick skinner
Burrhus frederick skinner
 

Semelhante a A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD

Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
GeovanaRL
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdfSigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
RafaelEneamind
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
Karlaejobson
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
DeboraCaroline16
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Isis Bezerra
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
Manuela Santos
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
Marcela Montalvão Teti
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Elisa Maria Gomide
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
António Moreira
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung

Semelhante a A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD (20)

Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdfSigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
 
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e criticaEnfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
Enfatizando as fases psicossexuais em freud resumo e critica
 
Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 
Freudeodesenvolvimento
FreudeodesenvolvimentoFreudeodesenvolvimento
Freudeodesenvolvimento
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD

  • 1.
  • 2. Sigmund Freud nasceu em 1856, em Freiberg, na região da Moráva. Em função de problemas financeiros, sua família mudou-se para Viena em 1860, onde viveu até 1938.
  • 3. Freud é forçado a abandonar Viena e mudar-se para Londres; A vida de Freud foi marcada por grande curiosidade pelo saber, alicerçada pela cresça dos pais, de tal modo que todos os seus anseios em relação aos estudos eram prontamente atendidos.
  • 4. Ele ingressou no Liceu um ano antes do que era comum, demonstrando inteligência reconhecidamente privilegiada. A família não contribuiu apenas para seu desempenho nos estudos, mas influenciou no desenvolvimento da sua teoria.
  • 5. Cursou Medicina na Universidade de Viena, tendo demorado a concluir seus estudos em virtude da ampla gama de interesses que tinha e que o levava a participar de vários oferecidos. A proximidade do casamento com Martha Bernays o obrigou a abdicar da pesquisa e a dedicar-se à prática clínica.
  • 6. Tiveram seis filhos, mas apenas Anna Freud teu continuidade ao trabalho do pai na Psicanálise. Freud estudou com Jean Charcot, médico que trabalhava com pacientes histéricas; Posteriormente, passou a trabalhar com Joseph Breuer, clinico geral.
  • 7. Em 1902 foi nomeado professor da Universidade de Viena. Em 1908 foi reconhecida a Associação Psicanalítica de Viena. Somente em primeiro de agosto de 1939, aos 83 anos encerrou sua prática clínica. Em 23 de setembro de 1939 pois fim ao seu sofrimento através de uma dose de morfina.
  • 8. A vida mental ou psique organiza-se a partir de três componentes: Pré-consciente; Consciente; Inconsciente. A essa distinção da vida mental podemos associar a imagem de um iceberg.
  • 9. Entre 1920 e 1923, Freud elaborou uma segunda teoria do aparelho psíquico, introduzindo novos conceitos (Id, Ego e Superego);  Id é constituído pelos instintos;  Ego é responsável pela conduta consciente do individuo;  Superego é constituído por valores, normas, padrões morais e costumes.
  • 10. A elaboração de Freud sobre os mecanismos de defesa originou-se da observação de diferentes tipos de manifestações comportamentais, nas quais se evidenciavam as defesas pelo Ego com o intuito de evitar a angústia.
  • 11. Mecanismos de defesa mais importantes que estão presentes de maneira significativa no cotidiano escolar são:  Repressão;  Negação;  Racionalismo;  Projeção;  Regressão;  Sublimação;  Deslocamento;  Formação reativa;  Identificação;  Compensação.
  • 12. Impede que sentimentos, lembranças, idéias ou desejos inaceitáveis surjam no consciente. É a repressão que dá origem a todos os outros mecanismos de defesa. Atua em conjunto com a resistência.
  • 13. Implica em negar sensações, pensamentos lembranças dolorosas, sendo facilmente reconhecida no cotidiano, que alteram a realidade, negando-a se esta for muito triste e desagradável. Nos adultos, sua presença pode ser verificada quando estes tendem a fantasiar que certos acontecimentos não são, de fato, do jeito que são, nunca aconteceram.
  • 14. Refere-se a uma explicação lógica, consistente ou eticamente aceitável para uma atitude, ação, idéia ou sentimento que, é inaceitável e causadora de angústia no próprio sujeito. Nesse sentido, o indivíduo busca desvincular a afetividade dessa explicação racional.
  • 15. Mecanismo no qual o individuo atribui as causas de certas senções ao mundo externo, ao invés de procurá-las dentro dele mesmo. Nessas circunstâncias, o indivíduo desloca de si para o outro sentimentos e desejos que tem dificuldade em reconhecer como seus.
  • 16. Trata-se de um retorno a estágio anterior do desenvolvimento, no qual a pessoa se sente segura. Ao regredir, o sujeito alivia a ansiedade, pois evita o confronto com a realidade, como o momento atual, revivendo comportamentos que, em anos anteriores, provocaram redução de sua ansiedade.
  • 17. Sua função consiste em reorientar os objetivos sexuais de maneira que eliminem a frustração do mundo externo. A sublimação consiste na canalização da inclinação sexual que não pode ser realizada em atividades socialmente construtivas. É considerada o mecanismo mais evoluído e característico de pessoas normais.
  • 18. Se expressa na mudança de exigências do Id, normalmente agressiva, da pessoa ou objeto considerado perigoso por um que não é. Segundo Freud, o deslocamento revela uma admirável aptidão para disfarçar desejos do sujeito.
  • 19. O homem faz uso de sua atividade imaginativa a fim de satisfazer os desejos que a realidade não satisfaz. Tal condição proporciona à vida mental ocasiões em que forças motivadoras promovem a substituição pelo oposto da realidade e, assim, um impulso indesejável é mantido inconsciente, por conta de forte adesão ao seu contrario.
  • 20. É conhecida pela psicanálise como a mais remota expressão de laço emocional com outra pessoa, a identificação pode surgir a partir da percepção da qualidade comum partilhada com alguma outra pessoa que não é o objeto de instinto sexual. Inicialmente, os pais são as figuras com as quais os filhos estabelecem identificação.
  • 21. Em outros casos mais comuns, a identificação ocorre em decorrência de fortes sentimentos de inferioridade, que induz o indivíduo a internalizar características de outra pessoa que é socialmente va
  • 22. Descoberta do inconsciente, que como já foi dito anteriormente, ele afirma não haver acaso, especialmente na vida mental. Todo pensamento, sentimento ou ação ocorre em função de uma intenção consciente ou inconsciente. Há sempre um elo entre eles.
  • 23. A forma encontrada por Freud para chegar a conhecer essas relações foi a investigação do inconsciente; A partir da percepção de que grande parte das lembranças e sentimentos está reprimida no inconsciente; Na época provocou enorme polêmica.
  • 24. Freud desvincula a sexualidade da reprodução Obra Três Ensaios sobre a sexualidade. A libido é vista como a energia afetiva que no curso do desenvolvimento, sofre progressivas organizações vinculadas a diferentes etapas do desenvolvimento biológico. Busca do prazer.
  • 25. Zonas erógenas. Cada nova organização: etapa do desenvolvimento:  Oral;  Anal;  Fálica;  Latência (modo intermediário);  Genital.
  • 26. Libido: boca. Chuchar – ele define como a repetição ritma de um contato de sucção com a boca, da qual está excluído qualquer propósito de nutrição. Primeiro vinculo afetivo da criança.
  • 27. Energia libidinal: ânus, nádegas e esfíncteres; A criança: certo controle sobre o aspecto psicomotor; Momento de conquistas para a criança; Freud: a criança desenvolve fantasia que produz seus primeiros produtos; Vida adulta: rituais no uso do banheiro.
  • 28. Libido: Órgãos genitais; Criança: curiosidade em relação ao sexo; A forma como os pais lidam com a sexualidade é vital para a criança; O relacionamento com a mãe é mais marcante;
  • 29. Complexo de Édipo: atração pelo genitor do sexo oposto; Em função do conflito: identificação com o pai; Desenvolvimento do ego.
  • 30. Período de calmaria; Os aspectos sociais, morais e cognitivos adquirão maior evidência; Latência: não constitui um estágio; É importante ressaltar a relevância da família e da escola; Devem atuar: desenvolvimento saudável;
  • 31. Adolescência Instinto sexual se manifesta com intensidade; Libido: dirige-se para o exterior; Conclusão: pronto para a reprodução e vivenciar o prazer sem culpas e sem neuroses.
  • 32. Freud apresenta suas concepções sobre cultura, sociedade, religião, política e educação a partir da Psicanálise. Ao longo das considerações de Freud no tocante, à educação fica explícita a indicação desse teórico de que os educadores devem procurar aproximar-se dos ensinamentos da Psicanálise como forma de ampliar a compreensão em relação aos educados, bem como pela possibilidade que ela oferece para o reconhecimento de algumas da possíveis manifestações relativas ao reconhecimento de problemas nos educandos.