SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Curso: Direito do
Trabalho
UNIDADE 1:
• Aula 1: Relações de Trabalho
• Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
• Aula 3: Contratos Especiais de Trabalho
• Aula 4: Jornada de Trabalho
• Aula 5: Normas Especiais de Tutela do Trabalho
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
NATUREZA JURÍDICA
A doutrina predominante entende que o
contrato de trabalho tem natureza contratual.
A CLT no seu art. 442 dispõe que “Contrato
individual de trabalho é o acordo tácito ou
expresso, correspondente à relação de
emprego”
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
São as seguintes as características do contrato de
trabalho:
• é bilateral, pois produz direitos e obrigações para
ambos;
• é oneroso, em que a remuneração é requisito
essencial;
• é comutativo, pois as prestações de ambas as
partes apresentam relativa equivalência, sendo
conhecidas no momento da celebração do ajuste;
• é consensual, pois a lei não impõe forma especial
para a sua celebração, bastando anuência das
partes;
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
• é um contrato de adesão, pois um dos
contratantes, o empregado, limita-se a aceitar
as cláusulas e condições previamente
estabelecidas pelo empregador;
• é pessoal, pois a pessoa do empregado é
considerada pelo empregador como elemento
determinante da contratação, não podendo
aquele se fazer substituir na prestação laboral
sem o consentimento deste;
• é de execução continuada, pois a execução
do contrato não se exaure numa única
prestação, prolongandos e no tempo.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
DURAÇÃO
Quanto à sua duração os contratos
podem ser celebrados por prazo determinado
ou indeterminado.
A CLT fixa o prazo máximo de dois anos
para os contratos a prazo determinado em
geral, e de noventa dias para o contrato de
experiência (arts. 445 e 451). Admite-se uma
única prorrogação, que deve ser feita dentro
dos prazos que a lei fixou. Havendo uma
segunda prorrogação, ainda que dentro do
prazo legal, o contrato passará a ser
considerado por prazo indeterminado.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO:
É a forma comum de contratação, a qual será
sempre presumida se houver dúvida. Assim,
aquele que alegar a determinação do prazo
deverá prova-la, na forma e pelos meios
admitidos em direito, caso não tenha êxito,
considerar-se-á que o contrato é por prazo
indeterminado.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO:
A CLT define o contrato a prazo determinado
como “o contrato de trabalho cuja vigência
dependa de termo prefixado ou da execução
de serviços especificados ou ainda da
realização de certo acontecimento suscetível
de previsão aproximada” (art.443).
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
SERVIÇO TRANSITÓRIO OU DE NATUREZA
TRANSITÓRIA:
Entende-se por atividade laboral transitória a
execução de um serviço de breve duração,
contrastando, portanto, com as atividades
normais da empresa. Todavia, a atividade pode
coincidir com aquela que a empresa
permanentemente desenvolva, não
necessitando, obrigatoriamente, ser diversa.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
ATIVIDADE EMPRESARIAL DE CARÁTER
TRANSITÓRIO:
Outra hipótese para a contratação a prazo
determinado é a própria atividade normal da
empresa ter caráter transitório. Portanto, aqui, a
transitoriedade será da própria empresa,
cuja existência limitar-se-á no tempo, pelos
próprios fins a que se destina. Não se trata,
nesse caso, de transitoriedade relativa ao
empregado ou ao serviço.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
CONTRATO DE EXPERIÊNCIA:
A última hipótese prevista pela CLT para a
contratação a prazo determinado é o contrato
de experiência, que é aquele destinado a
permitir que o empregador, durante o prazo
máximo de 90 (noventa) dias, verifique as
aptidões do empregado e decida sobre a
conveniência de contrata-lo por prazo
indeterminado.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO NA LEI Nº 9601, DE 1998:
Um novo tipo de contrato de trabalho por prazo determinado
foi instituído em 1998, com a edição da Lei nº 9601, 21-01-98,
regulamentada pelo Decreto nº 2490/98, art. 1º, parágrafo
único, tendo como finalidade aumentar o nível de emprego,
em uma época em que o desemprego é tido como o maior
problema trabalhista do Brasil. A idéia governamental foi
estimular as empresas a admitirem empregados em acréscimo
ao seu quadro de pessoal, incentivando-as com a redução de
encargos e contribuições sociais relativos a esses
trabalhadores, além de garantir a elas prioridade nos
financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
ALTERAÇÃO: arts. 468 a 470 da CLT.
A CLT dispõe que “nos contratos individuais de
trabalho só é lícita a alteração das respectivas
condições por mútuo consentimento, e ainda
assim desde que não resultem, direta ou
indiretamente, prejuízos ao empregado, sob
pena de nulidade da cláusula infringente desta
garantia” (CLT, art. 468).
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
A lei nº 9601/98 determinou que as partes
estabelecerão na negociação coletiva a indenização
pela ruptura do contrato por prazo determinado antes
do advento do seu termo final, afastando, assim, a
aplicação dos arts. 479 e 480 da CLT (pagamento de
indenização pela metade) aos contratos celebrados
sob sua égide. O estabelecimento da indenização, no
momento da negociação coletiva, é obrigatório; o
seu valor é que poderá ser pactuado livremente;
poderá ser fixada a mesma garantia da CLT (art. 479),
mas nada impede. seja ajustado valor inferior ou
superior àquele. Não poderá, entretanto, a
negociação coletiva estabelecer a possibilidade de
rescisão antecipada sem pagamento de indenização.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
TRANSFERÊNCIA DE EMPREGADO:
A possibilidade de transferência do empregado decorre
do princípio do jus variandi do empregador, segundo o
qual o empresário, como decorrência do poder de
direção que tem sobre seus negócios possui prerrogativa
de fazer pequenas modificações no contrato de trabalho,
desde que atendidas as condições previstas em lei.
A CLT só considera transferência o ato pelo qual o
empregado passa a trabalhar em outra localidade,
diferente da estipulada em contrato, e desde que importe
em mudança de domicílio (art. 469).
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO: arts. 471 a 476 da CLT.
Ocorre a suspensão do contrato de trabalho quando o
empregado fica afastado, não recebendo salário, e sem
que seja contado o período de afastamento como tempo
de serviço. São hipóteses de suspensão os afastamentos
decorrentes de doença a partir do 16º dia até a alta
médica, a suspensão disciplinar, as faltas injustificadas, etc.
Ocorre a interrupção do contrato de trabalho naquelas
hipóteses em que o empregado, embora sem prestar
serviços, deva ser remunerado normalmente, contando-se
também seu tempo de serviço como se este houvesse sido
efetivamente prestado. São hipóteses de interrupção as
férias, a licença por motivo de doença nos primeiros 15
dias, a licença à gestante, as faltas justificadas, etc.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
GREVE:
Na greve, a paralisação dos trabalhadores é
considerada pela lei, em princípio, como
suspensão do contrato de trabalho. Assim, com
o início da paralisação, cessam as obrigações
do empregador e a contagem do tempo de
serviço.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
AUXÍLIO DOENÇA:
Os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento do
trabalhador em função de doença configuram
hipótese de interrupção do contrato de
trabalho, pois os salários são pagos pela
empresa, computando-se normalmente o
tempo de serviço.
A partir do 16º dia, ocorre suspensão do
contrato, cessando o pagamento de salário
pelo empregador, substituído pela concessão
do auxílio-doença pelo INSS, até a alta médica.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
ACIDENTE DE TRABALHO:
Os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento em
decorrência de acidente de trabalho são
remunerados pela empresa, contando-se
normalmente o tempo de serviço, configurando
caso de interrupção do contrato de trabalho.
A partir do 16º dia, o auxílio-doença acidentário
é pago pelo INSS (torna-se caso de suspensão),
e para a empresa cessa o dever de pagamento
de salário.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
SERVIÇO MILITAR:
O afastamento para a prestação do serviço militar
obrigatório desobriga o empregador do pagamento
de salários e, em consequência, dos recolhimentos
previdenciários. É caso de suspensão do contrato de
trabalho, muito embora o tempo de afastamento seja
contado como tempo de serviço. Durante o
afastamento os depósitos do FGTS devem ser
mantidos, e o período aquisitivo de férias é suspenso,
voltando a ser contado, com o aproveitamento do
tempo anterior ao afastamento, após o retorno do
empregado, desde que este ocorra em até 90 dias da
data da respectiva baixa (CLT, art. 132).
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
FÉRIAS:
As férias são o exemplo típico de interrupção do
contrato de trabalho, sendo mantidos o salário,
a contagem do tempo de serviço para todos os
fins e os depósitos do FGTS e recolhimentos
previdenciários.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
LICENÇA DA GESTANTE:
Constitui caso de interrupção do contrato de
trabalho, sendo mantida a contagem do tempo
de serviço para todos os fins e os depósitos do
FGTS, além de fazer a gestante jus ao salário-
maternidade.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
ABORTO:
Se o aborto não é criminoso, a empregada tem
direito a duas semanas de descanso, tratando-
se de caso de interrupção do contrato de
trabalho, pois é contado o tempo de serviço
para todos os efeitos e haverá pagamento do
salário referente aos dias parados. Se o aborto
for criminoso, a hipótese será de suspensão do
contrato de trabalho.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
LICENÇA PATERNIDADE:
A licença paternidade constitui caso de
interrupção do contrato de trabalho, sendo
assegurados ao trabalhador a contagem do
tempo e a remuneração do período de
afastamento.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
REPRESENTAÇÃO SINDICAL:
Se o empregado eleito para desempenhar mandato
sindical continua normalmente a prestar serviços ao
empregado, o que é comum, não há que se falar
em interrupção ou suspensão do contrato de
trabalho, pois não ocorre descontinuidade na
prestação de serviços.
Todavia, caso seja convencionado com a empresa o
efetivo afastamento do empregado, para que ele
melhor possa desempenhar sua missão sindical,
haverá suspensão do contrato de trabalho.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
FALTAS JUSTIFICADAS (OU ABONADAS):
As faltas ao serviço nas situações previstas em lei,
norma coletiva, regulamento da empresa ou no
próprio contrato individual de trabalho serão
consideradas justificadas, não ha vendo nenhum
prejuízo ao trabalhador. Portanto, nesses casos, temos
hipóteses de interrupção do contrato de trabalho.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
APOSENTADORIA POR INVALIDEZ:
O empregado aposentado por invalidez terá
suspenso seu contrato de trabalho durante o prazo
fixado pela legislação previdenciária para
efetivação (confirmação) do benefício (CLT, art.
475). A lei previdenciária considera que a
aposentadoria por invalidez torna-se efetiva após
cinco anos da data do início da aposentadoria ou
do auxílio doença que a antecedeu. Durante esse
período, portanto, permanece suspenso o contrato
de trabalho.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
AVISO PRÉVIO:
Durante o aviso prévio, o empregado tem direito a
uma redução em sua jornada de trabalho, ou a
ausentar-se, a fim de que possa procurar novo
emprego (duas horas por dia, ou sete dias corridos,
no caso do trabalhador urbano; um dia por
semana, no caso do trabalhador rural). Esse período
de redução ou ausência configura interrupção do
contrato de trabalho, pois será remunerado e
contado para tempo de serviço.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
SUSPENSÃO DO CONTRATO PARA PARTICIPAR DE
CURSO OU PROGRAMA PROFISSIONAL:
O recentemente acrescentado art. 476-A da CLT
permite que o contrato de trabalho seja suspenso,
por um período de dois a cinco meses, para
participação do empregado em curso ou programa
de qualificação profissional oferecido pelo
empregador, com duração equivalente à da
suspensão contratual.
Exercício
1) Qual a natureza jurídica do Contrato de Trabalho?
2) Quais as características do Contrato de Trabalho?
3) O que é Contrato de Trabalho por Prazo Determinado?
4) O que é Contrato de Trabalho por Prazo Indeterminado?
5) Diferencie Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho.
Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
Dúvidas?
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf

Direito para não juristas manual
Direito para não juristas  manualDireito para não juristas  manual
Direito para não juristas manual
Daniela Lema Barros
 
Legislação trabalhista ppt
Legislação trabalhista pptLegislação trabalhista ppt
Legislação trabalhista ppt
pri000
 
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
AnaGonalves804156
 
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadoresManual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
AnaGonalves804156
 
Resumo direito trabalho segundo periodo
Resumo direito trabalho segundo periodoResumo direito trabalho segundo periodo
Resumo direito trabalho segundo periodo
Pitágoras
 
Legislacao laboral variada v2
Legislacao laboral variada v2Legislacao laboral variada v2
Legislacao laboral variada v2
Natércia Matavele
 
Prova TRT SC - Analista da área Judiciária
Prova TRT SC - Analista da área JudiciáriaProva TRT SC - Analista da área Judiciária
Prova TRT SC - Analista da área Judiciária
Prof. Antonio Daud Jr
 
Contrato individual de trabalho
Contrato individual de trabalhoContrato individual de trabalho
Contrato individual de trabalho
Gilson Santos
 
Direito do Trabalho - Apostila Acadêmica
Direito do Trabalho - Apostila AcadêmicaDireito do Trabalho - Apostila Acadêmica
Direito do Trabalho - Apostila Acadêmica
brigidoh
 
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalho
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalhoSuspensao e interrupcao de contrato de trabalho
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalho
Jaqueline Montenegro
 
Contrato de trabalho
Contrato de trabalhoContrato de trabalho
Contrato de trabalho
Emanuel Bezerra
 
Comentários prova TRT SC
Comentários prova TRT SCComentários prova TRT SC
Comentários prova TRT SC
Prof. Antonio Daud Jr
 
Prescriçao e a fiança- entragar.docx
Prescriçao e a fiança- entragar.docxPrescriçao e a fiança- entragar.docx
Prescriçao e a fiança- entragar.docx
EstanislaudeaguilarN
 
trabalho 8 Direito Internacional.pdf
trabalho 8 Direito Internacional.pdftrabalho 8 Direito Internacional.pdf
trabalho 8 Direito Internacional.pdf
Margarida Mira
 
Jornada de trabalho
Jornada de trabalhoJornada de trabalho
Jornada de trabalho
Monica Rodrigues
 
Legislação Trabalhista
Legislação TrabalhistaLegislação Trabalhista
Legislação Trabalhista
Jesus Martins Oliveira Junior
 
Apresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
Apresentação-Reforma-Trabalhista.pptApresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
Apresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
AlexandreRobertodeAr
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito admReforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
AlmirXanfra
 
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
UWU Solutions, Lda.
 

Semelhante a Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf (20)

Direito para não juristas manual
Direito para não juristas  manualDireito para não juristas  manual
Direito para não juristas manual
 
Legislação trabalhista ppt
Legislação trabalhista pptLegislação trabalhista ppt
Legislação trabalhista ppt
 
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
Manual de Direito do Trabalho_ 2023_2024
 
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadoresManual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
Manual do Módulo de Direito do Trabalho e trabalhadores
 
Resumo direito trabalho segundo periodo
Resumo direito trabalho segundo periodoResumo direito trabalho segundo periodo
Resumo direito trabalho segundo periodo
 
Legislacao laboral variada v2
Legislacao laboral variada v2Legislacao laboral variada v2
Legislacao laboral variada v2
 
Prova TRT SC - Analista da área Judiciária
Prova TRT SC - Analista da área JudiciáriaProva TRT SC - Analista da área Judiciária
Prova TRT SC - Analista da área Judiciária
 
Contrato individual de trabalho
Contrato individual de trabalhoContrato individual de trabalho
Contrato individual de trabalho
 
Direito do Trabalho - Apostila Acadêmica
Direito do Trabalho - Apostila AcadêmicaDireito do Trabalho - Apostila Acadêmica
Direito do Trabalho - Apostila Acadêmica
 
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalho
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalhoSuspensao e interrupcao de contrato de trabalho
Suspensao e interrupcao de contrato de trabalho
 
Contrato de trabalho
Contrato de trabalhoContrato de trabalho
Contrato de trabalho
 
Comentários prova TRT SC
Comentários prova TRT SCComentários prova TRT SC
Comentários prova TRT SC
 
Prescriçao e a fiança- entragar.docx
Prescriçao e a fiança- entragar.docxPrescriçao e a fiança- entragar.docx
Prescriçao e a fiança- entragar.docx
 
trabalho 8 Direito Internacional.pdf
trabalho 8 Direito Internacional.pdftrabalho 8 Direito Internacional.pdf
trabalho 8 Direito Internacional.pdf
 
Jornada de trabalho
Jornada de trabalhoJornada de trabalho
Jornada de trabalho
 
Legislação Trabalhista
Legislação TrabalhistaLegislação Trabalhista
Legislação Trabalhista
 
Apresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
Apresentação-Reforma-Trabalhista.pptApresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
Apresentação-Reforma-Trabalhista.ppt
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito admReforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
Reforma Trabalhista - Voltado para o hambito adm
 
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
Direito a férias - Sabe quais são as regras fundamentais?
 

Mais de Pedro Luis Moraes

Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptxAula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
Pedro Luis Moraes
 
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Síntese da Aula de Previdência Social INSS.ppt
Síntese da Aula de Previdência Social  INSS.pptSíntese da Aula de Previdência Social  INSS.ppt
Síntese da Aula de Previdência Social INSS.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .pptAula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
Pedro Luis Moraes
 
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptxPolitica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Pedro Luis Moraes
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
Pedro Luis Moraes
 
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptxAula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.pptAula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).pptAula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Pedro Luis Moraes
 
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxDIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.pptDireito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.pptAula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.pptAula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdfAula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Pedro Luis Moraes
 
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.pptateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.pptAula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Pedro Luis Moraes
 
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptxAULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.pptAula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Pedro Luis Moraes
 
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptxaula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
Pedro Luis Moraes
 

Mais de Pedro Luis Moraes (20)

Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptxAula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
Aula de Gestão de Riscos Ambientais.pptx
 
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
3ª Aula de Gestão de Riscos Trabalhistas - Contrato de trabalho.ppt
 
Síntese da Aula de Previdência Social INSS.ppt
Síntese da Aula de Previdência Social  INSS.pptSíntese da Aula de Previdência Social  INSS.ppt
Síntese da Aula de Previdência Social INSS.ppt
 
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .pptAula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
Aula Os 6Ds da Tecnologia Exponencial .ppt
 
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
 
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptxPolitica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptxAula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
 
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.pptAula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
 
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).pptAula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
 
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxDIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
 
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.pptDireito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
 
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.pptAula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
 
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.pptAula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
 
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdfAula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
 
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.pptateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
 
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.pptAula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
 
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptxAULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
 
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.pptAula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
 
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptxaula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf

  • 3. UNIDADE 1: • Aula 1: Relações de Trabalho • Aula 2: Contrato Individual de Trabalho • Aula 3: Contratos Especiais de Trabalho • Aula 4: Jornada de Trabalho • Aula 5: Normas Especiais de Tutela do Trabalho
  • 4. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho
  • 5. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho NATUREZA JURÍDICA A doutrina predominante entende que o contrato de trabalho tem natureza contratual. A CLT no seu art. 442 dispõe que “Contrato individual de trabalho é o acordo tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego”
  • 6. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho São as seguintes as características do contrato de trabalho: • é bilateral, pois produz direitos e obrigações para ambos; • é oneroso, em que a remuneração é requisito essencial; • é comutativo, pois as prestações de ambas as partes apresentam relativa equivalência, sendo conhecidas no momento da celebração do ajuste; • é consensual, pois a lei não impõe forma especial para a sua celebração, bastando anuência das partes;
  • 7. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho • é um contrato de adesão, pois um dos contratantes, o empregado, limita-se a aceitar as cláusulas e condições previamente estabelecidas pelo empregador; • é pessoal, pois a pessoa do empregado é considerada pelo empregador como elemento determinante da contratação, não podendo aquele se fazer substituir na prestação laboral sem o consentimento deste; • é de execução continuada, pois a execução do contrato não se exaure numa única prestação, prolongandos e no tempo.
  • 8. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho DURAÇÃO Quanto à sua duração os contratos podem ser celebrados por prazo determinado ou indeterminado. A CLT fixa o prazo máximo de dois anos para os contratos a prazo determinado em geral, e de noventa dias para o contrato de experiência (arts. 445 e 451). Admite-se uma única prorrogação, que deve ser feita dentro dos prazos que a lei fixou. Havendo uma segunda prorrogação, ainda que dentro do prazo legal, o contrato passará a ser considerado por prazo indeterminado.
  • 9. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO: É a forma comum de contratação, a qual será sempre presumida se houver dúvida. Assim, aquele que alegar a determinação do prazo deverá prova-la, na forma e pelos meios admitidos em direito, caso não tenha êxito, considerar-se-á que o contrato é por prazo indeterminado.
  • 10. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO: A CLT define o contrato a prazo determinado como “o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada” (art.443).
  • 11. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho SERVIÇO TRANSITÓRIO OU DE NATUREZA TRANSITÓRIA: Entende-se por atividade laboral transitória a execução de um serviço de breve duração, contrastando, portanto, com as atividades normais da empresa. Todavia, a atividade pode coincidir com aquela que a empresa permanentemente desenvolva, não necessitando, obrigatoriamente, ser diversa.
  • 12. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho ATIVIDADE EMPRESARIAL DE CARÁTER TRANSITÓRIO: Outra hipótese para a contratação a prazo determinado é a própria atividade normal da empresa ter caráter transitório. Portanto, aqui, a transitoriedade será da própria empresa, cuja existência limitar-se-á no tempo, pelos próprios fins a que se destina. Não se trata, nesse caso, de transitoriedade relativa ao empregado ou ao serviço.
  • 13. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho CONTRATO DE EXPERIÊNCIA: A última hipótese prevista pela CLT para a contratação a prazo determinado é o contrato de experiência, que é aquele destinado a permitir que o empregador, durante o prazo máximo de 90 (noventa) dias, verifique as aptidões do empregado e decida sobre a conveniência de contrata-lo por prazo indeterminado.
  • 14. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO NA LEI Nº 9601, DE 1998: Um novo tipo de contrato de trabalho por prazo determinado foi instituído em 1998, com a edição da Lei nº 9601, 21-01-98, regulamentada pelo Decreto nº 2490/98, art. 1º, parágrafo único, tendo como finalidade aumentar o nível de emprego, em uma época em que o desemprego é tido como o maior problema trabalhista do Brasil. A idéia governamental foi estimular as empresas a admitirem empregados em acréscimo ao seu quadro de pessoal, incentivando-as com a redução de encargos e contribuições sociais relativos a esses trabalhadores, além de garantir a elas prioridade nos financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
  • 15. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho ALTERAÇÃO: arts. 468 a 470 da CLT. A CLT dispõe que “nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia” (CLT, art. 468).
  • 16. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho A lei nº 9601/98 determinou que as partes estabelecerão na negociação coletiva a indenização pela ruptura do contrato por prazo determinado antes do advento do seu termo final, afastando, assim, a aplicação dos arts. 479 e 480 da CLT (pagamento de indenização pela metade) aos contratos celebrados sob sua égide. O estabelecimento da indenização, no momento da negociação coletiva, é obrigatório; o seu valor é que poderá ser pactuado livremente; poderá ser fixada a mesma garantia da CLT (art. 479), mas nada impede. seja ajustado valor inferior ou superior àquele. Não poderá, entretanto, a negociação coletiva estabelecer a possibilidade de rescisão antecipada sem pagamento de indenização.
  • 17. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho TRANSFERÊNCIA DE EMPREGADO: A possibilidade de transferência do empregado decorre do princípio do jus variandi do empregador, segundo o qual o empresário, como decorrência do poder de direção que tem sobre seus negócios possui prerrogativa de fazer pequenas modificações no contrato de trabalho, desde que atendidas as condições previstas em lei. A CLT só considera transferência o ato pelo qual o empregado passa a trabalhar em outra localidade, diferente da estipulada em contrato, e desde que importe em mudança de domicílio (art. 469).
  • 18. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO: arts. 471 a 476 da CLT. Ocorre a suspensão do contrato de trabalho quando o empregado fica afastado, não recebendo salário, e sem que seja contado o período de afastamento como tempo de serviço. São hipóteses de suspensão os afastamentos decorrentes de doença a partir do 16º dia até a alta médica, a suspensão disciplinar, as faltas injustificadas, etc. Ocorre a interrupção do contrato de trabalho naquelas hipóteses em que o empregado, embora sem prestar serviços, deva ser remunerado normalmente, contando-se também seu tempo de serviço como se este houvesse sido efetivamente prestado. São hipóteses de interrupção as férias, a licença por motivo de doença nos primeiros 15 dias, a licença à gestante, as faltas justificadas, etc.
  • 19. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho GREVE: Na greve, a paralisação dos trabalhadores é considerada pela lei, em princípio, como suspensão do contrato de trabalho. Assim, com o início da paralisação, cessam as obrigações do empregador e a contagem do tempo de serviço.
  • 20. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho AUXÍLIO DOENÇA: Os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento do trabalhador em função de doença configuram hipótese de interrupção do contrato de trabalho, pois os salários são pagos pela empresa, computando-se normalmente o tempo de serviço. A partir do 16º dia, ocorre suspensão do contrato, cessando o pagamento de salário pelo empregador, substituído pela concessão do auxílio-doença pelo INSS, até a alta médica.
  • 21. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho ACIDENTE DE TRABALHO: Os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento em decorrência de acidente de trabalho são remunerados pela empresa, contando-se normalmente o tempo de serviço, configurando caso de interrupção do contrato de trabalho. A partir do 16º dia, o auxílio-doença acidentário é pago pelo INSS (torna-se caso de suspensão), e para a empresa cessa o dever de pagamento de salário.
  • 22. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho SERVIÇO MILITAR: O afastamento para a prestação do serviço militar obrigatório desobriga o empregador do pagamento de salários e, em consequência, dos recolhimentos previdenciários. É caso de suspensão do contrato de trabalho, muito embora o tempo de afastamento seja contado como tempo de serviço. Durante o afastamento os depósitos do FGTS devem ser mantidos, e o período aquisitivo de férias é suspenso, voltando a ser contado, com o aproveitamento do tempo anterior ao afastamento, após o retorno do empregado, desde que este ocorra em até 90 dias da data da respectiva baixa (CLT, art. 132).
  • 23. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho FÉRIAS: As férias são o exemplo típico de interrupção do contrato de trabalho, sendo mantidos o salário, a contagem do tempo de serviço para todos os fins e os depósitos do FGTS e recolhimentos previdenciários.
  • 24. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho LICENÇA DA GESTANTE: Constitui caso de interrupção do contrato de trabalho, sendo mantida a contagem do tempo de serviço para todos os fins e os depósitos do FGTS, além de fazer a gestante jus ao salário- maternidade.
  • 25. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho ABORTO: Se o aborto não é criminoso, a empregada tem direito a duas semanas de descanso, tratando- se de caso de interrupção do contrato de trabalho, pois é contado o tempo de serviço para todos os efeitos e haverá pagamento do salário referente aos dias parados. Se o aborto for criminoso, a hipótese será de suspensão do contrato de trabalho.
  • 26. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho LICENÇA PATERNIDADE: A licença paternidade constitui caso de interrupção do contrato de trabalho, sendo assegurados ao trabalhador a contagem do tempo e a remuneração do período de afastamento.
  • 27. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho REPRESENTAÇÃO SINDICAL: Se o empregado eleito para desempenhar mandato sindical continua normalmente a prestar serviços ao empregado, o que é comum, não há que se falar em interrupção ou suspensão do contrato de trabalho, pois não ocorre descontinuidade na prestação de serviços. Todavia, caso seja convencionado com a empresa o efetivo afastamento do empregado, para que ele melhor possa desempenhar sua missão sindical, haverá suspensão do contrato de trabalho.
  • 28. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho FALTAS JUSTIFICADAS (OU ABONADAS): As faltas ao serviço nas situações previstas em lei, norma coletiva, regulamento da empresa ou no próprio contrato individual de trabalho serão consideradas justificadas, não ha vendo nenhum prejuízo ao trabalhador. Portanto, nesses casos, temos hipóteses de interrupção do contrato de trabalho.
  • 29. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho APOSENTADORIA POR INVALIDEZ: O empregado aposentado por invalidez terá suspenso seu contrato de trabalho durante o prazo fixado pela legislação previdenciária para efetivação (confirmação) do benefício (CLT, art. 475). A lei previdenciária considera que a aposentadoria por invalidez torna-se efetiva após cinco anos da data do início da aposentadoria ou do auxílio doença que a antecedeu. Durante esse período, portanto, permanece suspenso o contrato de trabalho.
  • 30. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho AVISO PRÉVIO: Durante o aviso prévio, o empregado tem direito a uma redução em sua jornada de trabalho, ou a ausentar-se, a fim de que possa procurar novo emprego (duas horas por dia, ou sete dias corridos, no caso do trabalhador urbano; um dia por semana, no caso do trabalhador rural). Esse período de redução ou ausência configura interrupção do contrato de trabalho, pois será remunerado e contado para tempo de serviço.
  • 31. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho SUSPENSÃO DO CONTRATO PARA PARTICIPAR DE CURSO OU PROGRAMA PROFISSIONAL: O recentemente acrescentado art. 476-A da CLT permite que o contrato de trabalho seja suspenso, por um período de dois a cinco meses, para participação do empregado em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador, com duração equivalente à da suspensão contratual.
  • 32. Exercício 1) Qual a natureza jurídica do Contrato de Trabalho? 2) Quais as características do Contrato de Trabalho? 3) O que é Contrato de Trabalho por Prazo Determinado? 4) O que é Contrato de Trabalho por Prazo Indeterminado? 5) Diferencie Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Aula 2: Contrato Individual de Trabalho