SlideShare uma empresa Scribd logo
FreuD
Dados biográficos Nasceu em Freiberg, na Morávia Nasceu em1856 e morreu em 1939 Formou-se em Medicina na Universidade de Viena em 1881 Em 1990 publicou A Interpretação dos sonhos
Teorias de freud
O inconsciente Freud concluiu através da experiência realizada com Charcot e principalmente com a de Breuer que se apenas considerarmos o consciente não é possível compreendermos certas patologias ou comportamentos humanos.  Para compreendermos o ser humano temos de admitir a existência do inconsciente. Inconsciente: zona de psiquismo constituída por desejos, pulsões, tendências e recordações recalcadas, fundamentalmente de carácter sexual.
Concepção do psiquismo Duas interpretações do psiquismo humano segundo Freud: Primeira Tópica Segunda Tópica Primeira tópica: recorre à imagem do iceberg O inconsciente é uma zona de psiquismo muito maior por comparação com o consciente e exerce uma forte influência no comportamento
Ao consciente é possível aceder através de introspecção. Os materiais inconscientes não são acessíveis através da auto-análise, tendem a tornar-se conscientes. Há uma censura que impede o acesso às pulsões e desejos inconscientes, recalcando-os. Recalcamento: mecanismo de defesa que devolve ao inconsciente os materiais que procuram tornar-se conscientes.
Segunda tópica: constituída por três instâncias Id: zona inconsciente primitiva, instintiva, a partir da qual se formam o ego e o superego. Rege-se pelo princípio do prazer. Ego: zona fundamentalmente consciente, que se forma a partir do id. Rege-se pelo princípio da realidade. É o mediador entre as pulsões inconscientes e as exigências do meio, do mundo real. Superego: zona do psiquismo que corresponde à interiorização das normas, dos valores sociais e morais.  Pressiona o ego para controlar o id.
sexualidade  A sexualidade não pode ser associada à genitalidade. Corresponde ao prazer que tem origem no corpo e que suprime a tensão.  O desenvolvimento da personalidade processa-se numa sequência de estádios psicossexuais.
Estádio Oral Decorre desde o nascimento até cerca dos 12/18 meses Zona erógena: Boca A sexualidade é auto-erótica É neste estádio que o ego se forma.
Estádio Anal Decorre desde os 12/18 meses até aos 2/3 anos Zona erógena: região anal É nesta fase que se faz a educação para a higiene.
Estádio Fálico Decorre desde os 3  aos 5/6 anos. Zona erógena: região genital Surge o complexo de Édipo Formação do superego. Complexo de Édipo: consiste na atracção da criança pelo progenitor do sexo oposto e agressividade para com  o progenitor do mesmo sexo.
Estádio de Latência Decorre desde os 5/6 anos até à puberdade. Caracteriza-se por uma aparente atenuação da actividade sexual. Poderá ocorrer amnésia infantil.
Estádio Genital Decorre a partir da puberdade Zona erógena: região genital. É o último estádio do desenvolvimento da personalidade Há uma reactivação do complexo de Édipo O prazer sexual envolve todo o corpo, integrando todas as zonas erógenas.
Metodologia de Investigação
Freud elaborou um método próprio para explorar o inconsciente. Para tal, recorreu a um conjunto de técnicas que permitem trazer ao consciente as causas não conhecidas dos problemas e conflitos dos pacientes.
Técnicas Associações livres É no decorrer deste procedimento que se manifestam resistências, desejos, recordações e recalcamentos inconscientes que o analista procurará identificar e interpretar. Interpretação dos sonhos Segundo  Freud o sonho seria a realização simbólica de desejos recalcados.  Distinção entre conteúdo manifesto do sonho e conteúdo latente. Cabe ao analista dar-lhe um sentido , interpretando os sonhos narrados.
Análise da transferência Processo em que o analisado transfere para o psicanalista os sentimentos de amor/ódio vividos na infância, sobretudo relativamente aos pais. Análise dos actos falhados Os erros involuntários manifestam desejos recalcados no inconsciente e que irrompem na vida quotidiana.
Conclusão A teoria de Freud é considerada a terceira grande revolução na forma de encarar o ser humano. Com Freud surge um novo conceito de ser humano. Reconhece a importância dos afectos no desenvolvimento cognitivo e social e na personalidade do indivíduo.
Ana Rita 12ºC Catarina Silva 12ºC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Michele Santiago
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
silvanacastellan
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
Silvia Marina Anaruma
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
UNESC
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
astraquinasns
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
psicologiaazambuja
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Jorge Barbosa
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
psicologiaazambuja
 
PsicanáLise e Educação
PsicanáLise e EducaçãoPsicanáLise e Educação
PsicanáLise e Educação
Silvia Marina Anaruma
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 

Mais procurados (20)

Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento PsicossexualFreud e o Desenvolvimento Psicossexual
Freud e o Desenvolvimento Psicossexual
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
 
PsicanáLise e Educação
PsicanáLise e EducaçãoPsicanáLise e Educação
PsicanáLise e Educação
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 

Semelhante a Freud

Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Universidade Federal do Ceará
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
27101992
 
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
guest83661f
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
MariaEduardaGonalves70
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
Caio Grimberg
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Psicanalise
PsicanalisePsicanalise
Psicanalise
familiaestagio
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt682
27101992
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
andrea cristina
 
Freud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatdaFreud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatda
gcz2dp7sff
 
Piscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifaPiscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifa
27101992
 
Introdução à psicologia para game designers
Introdução à psicologia para game designersIntrodução à psicologia para game designers
Introdução à psicologia para game designers
Gamecultura
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
GeovanaRL
 
Psicanálise Freudiana
Psicanálise FreudianaPsicanálise Freudiana
Psicanálise Freudiana
Leninha Moreira
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
Caio Grimberg
 

Semelhante a Freud (20)

Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
 
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicanalise
PsicanalisePsicanalise
Psicanalise
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
Freud ppt682
Freud ppt682Freud ppt682
Freud ppt682
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2 (1)
 
Freud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatdaFreud - teorias da personalidade aplicatda
Freud - teorias da personalidade aplicatda
 
Piscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifaPiscicanálise 3 faifa
Piscicanálise 3 faifa
 
Introdução à psicologia para game designers
Introdução à psicologia para game designersIntrodução à psicologia para game designers
Introdução à psicologia para game designers
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Psicanálise Freudiana
Psicanálise FreudianaPsicanálise Freudiana
Psicanálise Freudiana
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 

Mais de Ana Pereira

Rússia
RússiaRússia
Rússia
Ana Pereira
 
Turkiye
TurkiyeTurkiye
Turkiye
Ana Pereira
 
Tuaregues
TuareguesTuaregues
Tuaregues
Ana Pereira
 
Aborígenes australianos
Aborígenes australianosAborígenes australianos
Aborígenes australianos
Ana Pereira
 
Os cazaques
Os cazaquesOs cazaques
Os cazaques
Ana Pereira
 
Zulu
ZuluZulu
Cultura indiana
Cultura indiana Cultura indiana
Cultura indiana
Ana Pereira
 
Trabalho de Sociologia sobre os Amish de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
Trabalho de Sociologia sobre os Amish  de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...Trabalho de Sociologia sobre os Amish  de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
Trabalho de Sociologia sobre os Amish de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
Ana Pereira
 
Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1
Ana Pereira
 
Psicologia do trabalho e das organizações
Psicologia do trabalho e das organizaçõesPsicologia do trabalho e das organizações
Psicologia do trabalho e das organizações
Ana Pereira
 
Tibete, a sua cultura
Tibete, a sua culturaTibete, a sua cultura
Tibete, a sua cultura
Ana Pereira
 
A cultura japonesa
A cultura japonesaA cultura japonesa
A cultura japonesa
Ana Pereira
 
Cultura chinesa sociologia
Cultura chinesa   sociologiaCultura chinesa   sociologia
Cultura chinesa sociologia
Ana Pereira
 
Cultura indiana
Cultura indianaCultura indiana
Cultura indiana
Ana Pereira
 
O egipto
O egiptoO egipto
O egipto
Ana Pereira
 
Soc
SocSoc
Ticunas
TicunasTicunas
Ticunas
Ana Pereira
 
A cultura esquimó
A cultura esquimóA cultura esquimó
A cultura esquimó
Ana Pereira
 
Psicologia de orientação vocacional
Psicologia de orientação vocacionalPsicologia de orientação vocacional
Psicologia de orientação vocacional
Ana Pereira
 
Tatuagens e piercings
Tatuagens e piercingsTatuagens e piercings
Tatuagens e piercings
Ana Pereira
 

Mais de Ana Pereira (20)

Rússia
RússiaRússia
Rússia
 
Turkiye
TurkiyeTurkiye
Turkiye
 
Tuaregues
TuareguesTuaregues
Tuaregues
 
Aborígenes australianos
Aborígenes australianosAborígenes australianos
Aborígenes australianos
 
Os cazaques
Os cazaquesOs cazaques
Os cazaques
 
Zulu
ZuluZulu
Zulu
 
Cultura indiana
Cultura indiana Cultura indiana
Cultura indiana
 
Trabalho de Sociologia sobre os Amish de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
Trabalho de Sociologia sobre os Amish  de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...Trabalho de Sociologia sobre os Amish  de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
Trabalho de Sociologia sobre os Amish de Ana Berenguer, Nuno Silva, Rita Mag...
 
Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1Psicologia vocacional 1-1
Psicologia vocacional 1-1
 
Psicologia do trabalho e das organizações
Psicologia do trabalho e das organizaçõesPsicologia do trabalho e das organizações
Psicologia do trabalho e das organizações
 
Tibete, a sua cultura
Tibete, a sua culturaTibete, a sua cultura
Tibete, a sua cultura
 
A cultura japonesa
A cultura japonesaA cultura japonesa
A cultura japonesa
 
Cultura chinesa sociologia
Cultura chinesa   sociologiaCultura chinesa   sociologia
Cultura chinesa sociologia
 
Cultura indiana
Cultura indianaCultura indiana
Cultura indiana
 
O egipto
O egiptoO egipto
O egipto
 
Soc
SocSoc
Soc
 
Ticunas
TicunasTicunas
Ticunas
 
A cultura esquimó
A cultura esquimóA cultura esquimó
A cultura esquimó
 
Psicologia de orientação vocacional
Psicologia de orientação vocacionalPsicologia de orientação vocacional
Psicologia de orientação vocacional
 
Tatuagens e piercings
Tatuagens e piercingsTatuagens e piercings
Tatuagens e piercings
 

Freud

  • 2. Dados biográficos Nasceu em Freiberg, na Morávia Nasceu em1856 e morreu em 1939 Formou-se em Medicina na Universidade de Viena em 1881 Em 1990 publicou A Interpretação dos sonhos
  • 4. O inconsciente Freud concluiu através da experiência realizada com Charcot e principalmente com a de Breuer que se apenas considerarmos o consciente não é possível compreendermos certas patologias ou comportamentos humanos. Para compreendermos o ser humano temos de admitir a existência do inconsciente. Inconsciente: zona de psiquismo constituída por desejos, pulsões, tendências e recordações recalcadas, fundamentalmente de carácter sexual.
  • 5. Concepção do psiquismo Duas interpretações do psiquismo humano segundo Freud: Primeira Tópica Segunda Tópica Primeira tópica: recorre à imagem do iceberg O inconsciente é uma zona de psiquismo muito maior por comparação com o consciente e exerce uma forte influência no comportamento
  • 6. Ao consciente é possível aceder através de introspecção. Os materiais inconscientes não são acessíveis através da auto-análise, tendem a tornar-se conscientes. Há uma censura que impede o acesso às pulsões e desejos inconscientes, recalcando-os. Recalcamento: mecanismo de defesa que devolve ao inconsciente os materiais que procuram tornar-se conscientes.
  • 7. Segunda tópica: constituída por três instâncias Id: zona inconsciente primitiva, instintiva, a partir da qual se formam o ego e o superego. Rege-se pelo princípio do prazer. Ego: zona fundamentalmente consciente, que se forma a partir do id. Rege-se pelo princípio da realidade. É o mediador entre as pulsões inconscientes e as exigências do meio, do mundo real. Superego: zona do psiquismo que corresponde à interiorização das normas, dos valores sociais e morais. Pressiona o ego para controlar o id.
  • 8. sexualidade A sexualidade não pode ser associada à genitalidade. Corresponde ao prazer que tem origem no corpo e que suprime a tensão. O desenvolvimento da personalidade processa-se numa sequência de estádios psicossexuais.
  • 9. Estádio Oral Decorre desde o nascimento até cerca dos 12/18 meses Zona erógena: Boca A sexualidade é auto-erótica É neste estádio que o ego se forma.
  • 10. Estádio Anal Decorre desde os 12/18 meses até aos 2/3 anos Zona erógena: região anal É nesta fase que se faz a educação para a higiene.
  • 11. Estádio Fálico Decorre desde os 3 aos 5/6 anos. Zona erógena: região genital Surge o complexo de Édipo Formação do superego. Complexo de Édipo: consiste na atracção da criança pelo progenitor do sexo oposto e agressividade para com o progenitor do mesmo sexo.
  • 12. Estádio de Latência Decorre desde os 5/6 anos até à puberdade. Caracteriza-se por uma aparente atenuação da actividade sexual. Poderá ocorrer amnésia infantil.
  • 13. Estádio Genital Decorre a partir da puberdade Zona erógena: região genital. É o último estádio do desenvolvimento da personalidade Há uma reactivação do complexo de Édipo O prazer sexual envolve todo o corpo, integrando todas as zonas erógenas.
  • 15. Freud elaborou um método próprio para explorar o inconsciente. Para tal, recorreu a um conjunto de técnicas que permitem trazer ao consciente as causas não conhecidas dos problemas e conflitos dos pacientes.
  • 16. Técnicas Associações livres É no decorrer deste procedimento que se manifestam resistências, desejos, recordações e recalcamentos inconscientes que o analista procurará identificar e interpretar. Interpretação dos sonhos Segundo Freud o sonho seria a realização simbólica de desejos recalcados. Distinção entre conteúdo manifesto do sonho e conteúdo latente. Cabe ao analista dar-lhe um sentido , interpretando os sonhos narrados.
  • 17. Análise da transferência Processo em que o analisado transfere para o psicanalista os sentimentos de amor/ódio vividos na infância, sobretudo relativamente aos pais. Análise dos actos falhados Os erros involuntários manifestam desejos recalcados no inconsciente e que irrompem na vida quotidiana.
  • 18. Conclusão A teoria de Freud é considerada a terceira grande revolução na forma de encarar o ser humano. Com Freud surge um novo conceito de ser humano. Reconhece a importância dos afectos no desenvolvimento cognitivo e social e na personalidade do indivíduo.
  • 19. Ana Rita 12ºC Catarina Silva 12ºC