SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Teorias do Desenvolvimento
Prof. Felipe Pinho
A Teoria Psicanalítica
• Sigismund Schlomo
Freud nasceu em
Freiberg, em 6 de
maio de 1856 e
morreu em Londres
em 23 de setembro de
1939, aos 83 anos
vítima de um câncer
de mandíbula.
Prof. Felipe Pinho
A Psicanálise
• Conjunto de conhecimentos que tem como objetivo encontrar
as leis gerais sobre a estruturação e funcionamento do
psiquismo (psicodinâmica) e dos processos inconscientes,
buscando compreender de que forma esses processos podem
influenciar a conduta normal ou patológica dos indivíduos;
• Para Freud nossas ações e escolhas são o resultado de vivências
esquecidas e armazenadas numa área sem acesso ao
consciente, que ele denominou de inconsciente;
• A herança mais fundamental deixada pelos estudos de Freud,
chamada por ele de terceira ferida narcísica da humanidade, é
o abalo às crenças sobre o sujeito racional. A crença no ser
humano como um ser racional dominou todo o pensamento
científico/filosófico do mundo ocidental.
prof. Felipe Pinho
As duas naturezas humanas
Homem
Animal
ID
Social
EGO
prof. Felipe Pinho
Freud e o Mal-Estar na Cultura
• Em seu clássico livro: O mal-estar na Cultura, Freud
apresenta a tese de que o homem aculturado trocou a sua
felicidade pela segurança.
• Para Freud, a cultura obrigaria o indivíduo a renunciar aos
seus verdadeiros desejos de natureza sexual
(recalcamento);
• Esse recalcamento da sexualidade levaria ao
desenvolvimento dos sintomas neuróticos (transtornos
mentais).
• O recalcamento é visto como uma barreira, situada entre os
sistemas inconsciente/pré-consciente-consciente que
impede a livre passagem dos conteúdos do inconsciente
para a consciência.
Prof. Felipe Pinho
Níveis de Consciência
Consciente
-inclui tudo aquilo de que estamos cientes em
um determinado momento;
-É formado pelas percepções momentâneas
(internas e externas);
Pré-consciente
- memórias que podem se tornar conscientes;
- depósito de lembranças acessíveis
Inconsciente
- elementos instintivos e material reprimido;
- não temos acesso direto ao inconsciente.
prof. Felipe Pinho
Níveis de consciência
Prof. Felipe Pinho
A divisão do aparelho Psíquico
prof. Felipe Pinho
• O aparelho psíquico foi divido, por Freud, em dois
sistemas:
Sistema inconsciente: busca o prazer absoluto através
da descarga completa da tensão. Nesse sistema a busca
pelo prazer é soberana, por isso ele é regido pelo
Princípio do Prazer. Ele funciona através de mecanismo
de condensação e deslocamento;
Sistema pré-consciente/consciente: busca o prazer
parcial ou moderado, pois não pode realizar o prazer
absoluto, uma vez que sofre o controle das normas
culturais. Ele é por isso controlado pelo Princípio da
Realidade, e utiliza mecanismos sublimatórios para
descarregar a tensão psíquica.
O ID, o EGO e o SUPEREGO
prof. Felipe Pinho
A Estrutura da Personalidade
ID
- Fonte da energia psíquica – Libido;
- é uma estrutura biológica e inata;
- É formado em parte por conteúdos biológicos e em parte por
conteúdos recalcados;
- opera pelo princípio do prazer;
- É amoral (desconhece o bem e o mal)
- é totalmente inconsciente
-Essa instância da personalidade é considerada o pólo pulsional da
personalidade. Os seus conteúdos são inconscientes, e são tanto
inatos como também recalcados e adquiridos. Do ponto de vista
econômico essa instância é o reservatório inicial da energia psíquica e
opera pelo princípio do prazer. (Adaptação de Laplanche e Pontalis.
Vocabulario de Psicanalise).
A Estrutura da Personalidade
Prof. Felipe Pinho
EGO
- estrutura que tem como objetivo promover o contato e a
troca entre o sujeito e a realidade objetiva;
- o ego está numa relação de dependência tanto para com as
reivindicações do id, como para os imperativos do superego
e exigências da realidade.
- opera pelo princípio da realidade;
- controla todas as funções cognitivas: perceber, pensar,
planejar, decidir;
- responsável pelos mecanismos de defesa psíquicos;
- é o que nós reconhecemos como nossa personalidade
- tem como função inibir os impulsos do Id
A Estrutura da Personalidade
Prof. Felipe Pinho
SUPEREGO
- Consciência moral: o seu papel é assimilável ao de um
juiz ou de um censor relativamente ao ego
- - é o representante interno das normas e valores sociais;
- é a lei internalizada (autopunição e autocontrole) pelo
sujeito a partir de sua relação com o pai e a mãe (herdeiro
do complexo de Édipo);
- Representa também um ideal de perfeição e age na
formação de ideais para o Ego.
Esquema do Funcionamento do Psiquismo
Desenvolvimento Psicossexual
• As fases do desenvolvimento da infância correspondem
a mudanças sucessivas no investimento da energia
sexual (libido) que tem origem em determinadas
regiões do corpo ou zonas erógenas: boca, ânus e
órgãos genitais;
• Estágios evolutivos: Fase Oral (nascimento até 2 ano);
Fase Anal (2 a 3 anos); Fase Fálica (3 a 5 anos –
complexo de Édipo e desenvolvimento do Superego);
Período de Latência (infância - puberdade); Fase Genital
(puberdade - adulto);
• O desenvolvimento normal depende da resolução
dessas 5 fases.
prof. Felipe Pinho
Erik Erikson
• “Uma personalidade
saudável domina
ativamente seu meio,
demonstra possuir uma
certa unidade de
personalidade (...).”.
Prof. Felipe Pinho
Erik Erikson
• Psicanalista Alemão (1902 – 1994).
• Estudou com Anna Freud, formando-se em Psicanálise no
Instituto de Psicanálise de Viena.
• Seu interesse pela arte, o levou a destacar a importância da
observação das brincadeiras infantis.
• Formulou a Teoria do desenvolvimento Psicossocial,
considerada uma teoria do ciclo de vida.
• Mudou o enfoque do desenvolvimento Psicossexual de Freud
para o problema da identidade e das crises do ego,
destacando a influência da sociedade no desenvolvimento da
personalidade.
• Realizou estudos clínicos e antropológicos (tribos indígenas
norte-americanas) Prof. Felipe Pinho
Desenvolvimento Psicossexual
Freud
Desenvolvimento Psicossocial
Erikson
A motivação primária do
comportamento humano é sexual
por natureza
A motivação primária do
comportamento é social e reflete o
desejo de se afiliar a outras pessoas
Ênfase no ID Ênfase no EGO
Nossa personalidade básica é
moldada nos primeiros cinco anos de
vida
As mudanças do desenvolvimento
ocorrem ao longo de toda a vida
As experiência precoces são mais
importantes que as experiências
posteriores
Ambas as experiências, precoces e
posteriores são importantes.
Prof. Felipe Pinho
Erik Erikson
• Elaborou uma perspectiva ativa do desenvolvimento
ao destacar a interação da criança com a ambiente
social, apresentando um contraponto à ênfase
psicanalítica na concepção intrapsíquica de base
biológica.
• Defendia que o desenvolvimento do Ego se estende
por toda a vida (ciclo vital).
• Em suas principal obra Infância e Sociedade
(Childhood and Society – 1950), defendeu que a
psicodinâmica individual, a sociedade e a história se
interinfluenciam. Prof. Felipe Pinho
Teoria do Desenvolvimento
Psicossocial
• O desenvolvimento ocorre em oito estágios do ciclo
vital, cada um implicando uma crise (ou tendências
conflitantes que implicam em uma potencialidade) na
personalidade.
• Cada estágio requer o equilíbrio entre uma tendência
positiva e uma tendência negativa.
• O conflito deve ser superado e a tendência positiva
deve prevalecer para o desenvolvimento de um ego
saudável.
• O êxito em cada estágio determina uma virtude ou
força. Prof. Felipe Pinho
Os oito estágios Psicossociais
Prof. Felipe Pinho
IDADE ESTÁGIO VIRTUDE
(Força básica)
Nascimento aos 12 -18 meses Confiança básica x desconfiança esperança
12-18 meses aos 3 anos Autonomia x vergonha e dúvida vontade
3 aos 6 anos Iniciativa x culpa propósito
6 anos à puberdade Diligência (produtividade)
x inferioridade
habilidade
Puberdade ao início da vida
adulta (adolescência, 10 aos 20
anos)
Identidade x confusão fidelidade
Início da vida adulta (20 aos 30,
40 anos)
Intimidade x isolamento amor
Vida adulta intermediária
(40, 50 anos)
Generatividade x estagnação Cuidado
Vida adulta tardia
(60 anos em diante)
Integridade x desespero sabedoria
Jean Piaget
• Epistemólogo Suíço (1896 -
1980)
• Formou-se em Biologia (PHD
em Zoologia)
• Considerado o Einstein da
Psicologia.
• Linhas Teóricas:
– Epistemologia Genética.
– Construtivismo.
Visão interacionista
ORGANISMO MEIOINTERAÇÃO
NATIVISMO
PSICOLÓGICO
AMBIENTALISMO
ADAPTAÇÃO
A aprendizagem para Piaget
• Entender como as crianças pensam é mais
importante e revelador que entender o que
elas sabem.
• O que instigou Piaget não foi descobrir as
respostas que as crianças poderiam dar em
cada idade, mas perceber que as crianças da
mesma idade partilhavam conceitos errôneos
parecidos.
• Para Piaget o desenvolvimento da inteligência
e da cognição é qualitativo.
Desenvolvimento Cognitivo
• A função da inteligência é a adaptação do
indivíduo ao meio.
• Busca do equilibro cognitivo.
Desequilíbrio equilibro
Prof. Felipe Pinho
Adaptação
Desenvolvimento Cognitivo
• Esquema: conceito mental ou estrutura que
organiza e estrutura a informação.
• Assimilação: incorporação de novas
informações aos esquemas existentes
• Acomodação: adaptação de um esquema à
uma informação nova; leva a um crescimento
intelectual (visão mais ampliada e
abrangente).
Prof. Felipe Pinho
assimilação
O processo de inteligência
Experiência desequilíbrio
acomodação
Equilíbrio e
nova
organização
mental
(esquema)
EQUILIBRAÇÃO
Organização
Adaptação
Teses principais da teoria de Piaget
• Todo organismo possui uma estrutura que se
modifica sob a influência do meio.
• Todo conhecimento é sempre assimilação de um
dado exterior às estruturas do sujeito
• Todo organismo possui a necessidade de equilíbrio
por autorregulação.
Toda gênese parte de uma estrutura e chega a outra
estrutura.
Processo de assimilação e acomodação.
Crescer é reorganizar-se.
Os estágios do desenvolvimento da
inteligência
• A aprendizagem não se dá em um continuum (linear)
mas sim por estágios, por saltos qualitativos.
• A sequência do desenvolvimento da inteligência passa
obrigatoriamente por todos os estágios, em sequência.
Sensório-motor (0 a 2 anos)
Pré-operatório (2 a 7 anos)
Operatório concreto (7 a 11 ou 12 anos)
Operatório
Operatório formal (11 ou 12 anos em diante)
Sensório-motor (0 a 2 anos)
• Compreensão do mundo coordenando as
experiências sensoriais com ações físicas e
motoras.
• Sem pensamento conceitual ou reflexivo.
• Principais conquistas:
– Permanência do objeto
– Progressão da ação reflexa para o pensamento
simbólico.
Prof. Felipe Pinho
Pré-operatório (2 a 7 anos)
• Utilização do pensamento simbólico e da
linguagem para representar e compreender o
mundo.
• Egocentrismo e centralização.
• Principais conquistas:
– Imaginação e linguagem
– Progressão para a descentralização
Prof. Felipe Pinho
Operatório concreto (7 a 11 ou 12 anos)
• Raciocínio lógico e objetivo sobre eventos
concretos.
• Entende os conceitos de conservação,
classificação (hierarquização) e seriação
(ordenação em série).
• Principais conquistas:
– Desenvolvimento das capacidades lógicas e pré-
científicas
Prof. Felipe Pinho
Operatório formal (11 ou 12 anos em diante)
• Capacidade de pensar por meio de abstrações
e de conceitos hipotéticos e fictícios.
• Pensamento idealista.
• Raciocínio hipotético-dedutivo.
• Principais conquistas:
– Pensamento político e ético
– Ampliação da compreensão teórica sobre a
experiência.
Prof. Felipe Pinho
O Desenvolvimento Moral da Criança
• Assim como a inteligência se desenvolve, a moral também
se desenvolve (evolui).
• Estágios do desenvolvimento moral:
Anomia
Heteronomia
Autonomia
Lev Vygotsky
• Psicólogo Bielo-Russo (1896 – 1934).
• Morreu prematuramente de
Tuberculose aos 37 anos.
• Realizou uma crítica à Psicologia
(teoria x prática).
• Seu pensamento é fundamentado
no materialismo histórico dialético.
BIOLÓGICO
VISÃO
INTERACIONISTA CULTURAL
Pressupostos principais do
materialismo histórico dialético
• O modo de produção da vida material
condiciona a vida social, política e espiritual
do homem.
• O homem é um ser histórico, que se constrói
através de suas relações com o mundo natural
e social.
Planos Genéticos
FILOGÊNESE ONTOGÊNESE
SOCIOGÊNESE MICROGÊNESE
INDIVÍDUO
Conceitos importantes da teoria de
Vygotsky
• O ser humano se constitui enquanto tal na relação com o
outro social.
• A cultura, que deve ser considerada parte da natureza
humana, molda o funcionamento psíquico do ser
humano.
• A plasticidade cerebral: as estruturas e funções mentais
não são fixas ou imutáveis, elas são flexíveis e, por isso,
são moldadas.
• A relação do homem com o mundo é uma relação
mediada: por instrumentos, por signos
(linguagem/simbólico), pelas experiências anteriores e
pela experiência dos outros.
Desenvolvimento e Aprendizagem
segundo Vygotsky
Nível de desenvolvimento potencial
(o que a criança faz com ajuda)
Zona de desenvolvimento proximal
(espaço da mudança = aprendizagem)
Nível de desenvolvimento real
(o que a criança faz sozinha)
A importância da intervenção
pedagógica
• Para Vygotsky o aprendizado
vem antes do
desenvolvimento.
• A escola deve se antecipar ao
que o aluno ainda não sabe
nem é capaz de aprender
sozinho.
• O Processo de ensino-
aprendizagem deve ser
construído tomando como
ponto de partida o nível de
desenvolvimento real da
criança.
Reflexão final: Qual é a importância das
reflexões epistemológicas para o
desenvolvimento do saber psicológico?
Bibliografia indicada:
• DANTAS, Heloysa, LA TAILLE, Yves, OLIVEIRA, Marta Kohl.
Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em
discussão. São Paulo: Summus, 1992.
• JAPIASSU, H. Introdução a epistemologia da psicologia. Rio
de Janeiro: Imago, 1982
• MARX, M. H.; HILLIX, W. A. Sistemas e Teorias em Psicologia.
São Paulo: Cultrix, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEndriely Teodoro
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARCassia Dias
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoThiago de Almeida
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Carlos Caldas
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoruibraz
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRiaSilvia Marina Anaruma
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
AutoconhecimentoDalila Melo
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaDeisiane Cazaroto
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa MandyNeres7
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOZoel Alvarenga
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - PiagetElisms88
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANOOS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
OS CICLOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Personalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e TestesPersonalidade - Teorias e Testes
Personalidade - Teorias e Testes
 
Fases do desenvolvimento - Piaget
Fases do desenvolvimento -  PiagetFases do desenvolvimento -  Piaget
Fases do desenvolvimento - Piaget
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Competencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escolaCompetencias socioemocionais--nova-escola
Competencias socioemocionais--nova-escola
 

Semelhante a Teorias do desenvolvimento

Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoGeovanaRL
 
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdfSigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdfRafaelEneamind
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPERodrigo Castro
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxDeboraCaroline16
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Daniele Rubim
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMariaEduardaGonalves70
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Elisa Maria Gomide
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialLu1zFern4nando
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE09108303
 
Psicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do DesenvolvimentoPsicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do DesenvolvimentoAclecio Dantas
 

Semelhante a Teorias do desenvolvimento (20)

Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdfSigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
Sigmund-Freud-e-Carl-Jung-slides.pdf
 
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPEAula sobre Psicanalise/Freud - FPE
Aula sobre Psicanalise/Freud - FPE
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptxCopia_de_aula_3_-_freud.pptx
Copia_de_aula_3_-_freud.pptx
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Psicanalise
PsicanalisePsicanalise
Psicanalise
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Psicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do DesenvolvimentoPsicologia Do Desenvolvimento
Psicologia Do Desenvolvimento
 
Jean Piajet
Jean PiajetJean Piajet
Jean Piajet
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho

POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidadoFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Mais de Felipe Saraiva Nunes de Pinho (20)

Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Introdução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacionalIntrodução ao comportamento organizacional
Introdução ao comportamento organizacional
 
Comportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacionalComportamento microorganizacional
Comportamento microorganizacional
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
 
Perspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativasPerspectiva histórica das teorias administrativas
Perspectiva histórica das teorias administrativas
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
 
Ética, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologiaÉtica, violência, justiça e psicologia
Ética, violência, justiça e psicologia
 
Existência e Eticidade
Existência e EticidadeExistência e Eticidade
Existência e Eticidade
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Ética nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidadeÉtica nas organizações e sustentabilidade
Ética nas organizações e sustentabilidade
 
O modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber rossO modelo do luto de kluber ross
O modelo do luto de kluber ross
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
A síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normalA síndrome da adolescência normal
A síndrome da adolescência normal
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 

Último

[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

Teorias do desenvolvimento

  • 2. A Teoria Psicanalítica • Sigismund Schlomo Freud nasceu em Freiberg, em 6 de maio de 1856 e morreu em Londres em 23 de setembro de 1939, aos 83 anos vítima de um câncer de mandíbula. Prof. Felipe Pinho
  • 3. A Psicanálise • Conjunto de conhecimentos que tem como objetivo encontrar as leis gerais sobre a estruturação e funcionamento do psiquismo (psicodinâmica) e dos processos inconscientes, buscando compreender de que forma esses processos podem influenciar a conduta normal ou patológica dos indivíduos; • Para Freud nossas ações e escolhas são o resultado de vivências esquecidas e armazenadas numa área sem acesso ao consciente, que ele denominou de inconsciente; • A herança mais fundamental deixada pelos estudos de Freud, chamada por ele de terceira ferida narcísica da humanidade, é o abalo às crenças sobre o sujeito racional. A crença no ser humano como um ser racional dominou todo o pensamento científico/filosófico do mundo ocidental. prof. Felipe Pinho
  • 4. As duas naturezas humanas Homem Animal ID Social EGO prof. Felipe Pinho
  • 5. Freud e o Mal-Estar na Cultura • Em seu clássico livro: O mal-estar na Cultura, Freud apresenta a tese de que o homem aculturado trocou a sua felicidade pela segurança. • Para Freud, a cultura obrigaria o indivíduo a renunciar aos seus verdadeiros desejos de natureza sexual (recalcamento); • Esse recalcamento da sexualidade levaria ao desenvolvimento dos sintomas neuróticos (transtornos mentais). • O recalcamento é visto como uma barreira, situada entre os sistemas inconsciente/pré-consciente-consciente que impede a livre passagem dos conteúdos do inconsciente para a consciência. Prof. Felipe Pinho
  • 6. Níveis de Consciência Consciente -inclui tudo aquilo de que estamos cientes em um determinado momento; -É formado pelas percepções momentâneas (internas e externas); Pré-consciente - memórias que podem se tornar conscientes; - depósito de lembranças acessíveis Inconsciente - elementos instintivos e material reprimido; - não temos acesso direto ao inconsciente. prof. Felipe Pinho
  • 8. A divisão do aparelho Psíquico prof. Felipe Pinho • O aparelho psíquico foi divido, por Freud, em dois sistemas: Sistema inconsciente: busca o prazer absoluto através da descarga completa da tensão. Nesse sistema a busca pelo prazer é soberana, por isso ele é regido pelo Princípio do Prazer. Ele funciona através de mecanismo de condensação e deslocamento; Sistema pré-consciente/consciente: busca o prazer parcial ou moderado, pois não pode realizar o prazer absoluto, uma vez que sofre o controle das normas culturais. Ele é por isso controlado pelo Princípio da Realidade, e utiliza mecanismos sublimatórios para descarregar a tensão psíquica.
  • 9. O ID, o EGO e o SUPEREGO prof. Felipe Pinho
  • 10. A Estrutura da Personalidade ID - Fonte da energia psíquica – Libido; - é uma estrutura biológica e inata; - É formado em parte por conteúdos biológicos e em parte por conteúdos recalcados; - opera pelo princípio do prazer; - É amoral (desconhece o bem e o mal) - é totalmente inconsciente -Essa instância da personalidade é considerada o pólo pulsional da personalidade. Os seus conteúdos são inconscientes, e são tanto inatos como também recalcados e adquiridos. Do ponto de vista econômico essa instância é o reservatório inicial da energia psíquica e opera pelo princípio do prazer. (Adaptação de Laplanche e Pontalis. Vocabulario de Psicanalise).
  • 11. A Estrutura da Personalidade Prof. Felipe Pinho EGO - estrutura que tem como objetivo promover o contato e a troca entre o sujeito e a realidade objetiva; - o ego está numa relação de dependência tanto para com as reivindicações do id, como para os imperativos do superego e exigências da realidade. - opera pelo princípio da realidade; - controla todas as funções cognitivas: perceber, pensar, planejar, decidir; - responsável pelos mecanismos de defesa psíquicos; - é o que nós reconhecemos como nossa personalidade - tem como função inibir os impulsos do Id
  • 12. A Estrutura da Personalidade Prof. Felipe Pinho SUPEREGO - Consciência moral: o seu papel é assimilável ao de um juiz ou de um censor relativamente ao ego - - é o representante interno das normas e valores sociais; - é a lei internalizada (autopunição e autocontrole) pelo sujeito a partir de sua relação com o pai e a mãe (herdeiro do complexo de Édipo); - Representa também um ideal de perfeição e age na formação de ideais para o Ego.
  • 13. Esquema do Funcionamento do Psiquismo
  • 14.
  • 15. Desenvolvimento Psicossexual • As fases do desenvolvimento da infância correspondem a mudanças sucessivas no investimento da energia sexual (libido) que tem origem em determinadas regiões do corpo ou zonas erógenas: boca, ânus e órgãos genitais; • Estágios evolutivos: Fase Oral (nascimento até 2 ano); Fase Anal (2 a 3 anos); Fase Fálica (3 a 5 anos – complexo de Édipo e desenvolvimento do Superego); Período de Latência (infância - puberdade); Fase Genital (puberdade - adulto); • O desenvolvimento normal depende da resolução dessas 5 fases. prof. Felipe Pinho
  • 16. Erik Erikson • “Uma personalidade saudável domina ativamente seu meio, demonstra possuir uma certa unidade de personalidade (...).”. Prof. Felipe Pinho
  • 17. Erik Erikson • Psicanalista Alemão (1902 – 1994). • Estudou com Anna Freud, formando-se em Psicanálise no Instituto de Psicanálise de Viena. • Seu interesse pela arte, o levou a destacar a importância da observação das brincadeiras infantis. • Formulou a Teoria do desenvolvimento Psicossocial, considerada uma teoria do ciclo de vida. • Mudou o enfoque do desenvolvimento Psicossexual de Freud para o problema da identidade e das crises do ego, destacando a influência da sociedade no desenvolvimento da personalidade. • Realizou estudos clínicos e antropológicos (tribos indígenas norte-americanas) Prof. Felipe Pinho
  • 18. Desenvolvimento Psicossexual Freud Desenvolvimento Psicossocial Erikson A motivação primária do comportamento humano é sexual por natureza A motivação primária do comportamento é social e reflete o desejo de se afiliar a outras pessoas Ênfase no ID Ênfase no EGO Nossa personalidade básica é moldada nos primeiros cinco anos de vida As mudanças do desenvolvimento ocorrem ao longo de toda a vida As experiência precoces são mais importantes que as experiências posteriores Ambas as experiências, precoces e posteriores são importantes. Prof. Felipe Pinho
  • 19. Erik Erikson • Elaborou uma perspectiva ativa do desenvolvimento ao destacar a interação da criança com a ambiente social, apresentando um contraponto à ênfase psicanalítica na concepção intrapsíquica de base biológica. • Defendia que o desenvolvimento do Ego se estende por toda a vida (ciclo vital). • Em suas principal obra Infância e Sociedade (Childhood and Society – 1950), defendeu que a psicodinâmica individual, a sociedade e a história se interinfluenciam. Prof. Felipe Pinho
  • 20. Teoria do Desenvolvimento Psicossocial • O desenvolvimento ocorre em oito estágios do ciclo vital, cada um implicando uma crise (ou tendências conflitantes que implicam em uma potencialidade) na personalidade. • Cada estágio requer o equilíbrio entre uma tendência positiva e uma tendência negativa. • O conflito deve ser superado e a tendência positiva deve prevalecer para o desenvolvimento de um ego saudável. • O êxito em cada estágio determina uma virtude ou força. Prof. Felipe Pinho
  • 21. Os oito estágios Psicossociais Prof. Felipe Pinho IDADE ESTÁGIO VIRTUDE (Força básica) Nascimento aos 12 -18 meses Confiança básica x desconfiança esperança 12-18 meses aos 3 anos Autonomia x vergonha e dúvida vontade 3 aos 6 anos Iniciativa x culpa propósito 6 anos à puberdade Diligência (produtividade) x inferioridade habilidade Puberdade ao início da vida adulta (adolescência, 10 aos 20 anos) Identidade x confusão fidelidade Início da vida adulta (20 aos 30, 40 anos) Intimidade x isolamento amor Vida adulta intermediária (40, 50 anos) Generatividade x estagnação Cuidado Vida adulta tardia (60 anos em diante) Integridade x desespero sabedoria
  • 22. Jean Piaget • Epistemólogo Suíço (1896 - 1980) • Formou-se em Biologia (PHD em Zoologia) • Considerado o Einstein da Psicologia. • Linhas Teóricas: – Epistemologia Genética. – Construtivismo.
  • 24. A aprendizagem para Piaget • Entender como as crianças pensam é mais importante e revelador que entender o que elas sabem. • O que instigou Piaget não foi descobrir as respostas que as crianças poderiam dar em cada idade, mas perceber que as crianças da mesma idade partilhavam conceitos errôneos parecidos. • Para Piaget o desenvolvimento da inteligência e da cognição é qualitativo.
  • 25. Desenvolvimento Cognitivo • A função da inteligência é a adaptação do indivíduo ao meio. • Busca do equilibro cognitivo. Desequilíbrio equilibro Prof. Felipe Pinho Adaptação
  • 26. Desenvolvimento Cognitivo • Esquema: conceito mental ou estrutura que organiza e estrutura a informação. • Assimilação: incorporação de novas informações aos esquemas existentes • Acomodação: adaptação de um esquema à uma informação nova; leva a um crescimento intelectual (visão mais ampliada e abrangente). Prof. Felipe Pinho
  • 27. assimilação O processo de inteligência Experiência desequilíbrio acomodação Equilíbrio e nova organização mental (esquema) EQUILIBRAÇÃO Organização Adaptação
  • 28. Teses principais da teoria de Piaget • Todo organismo possui uma estrutura que se modifica sob a influência do meio. • Todo conhecimento é sempre assimilação de um dado exterior às estruturas do sujeito • Todo organismo possui a necessidade de equilíbrio por autorregulação. Toda gênese parte de uma estrutura e chega a outra estrutura. Processo de assimilação e acomodação. Crescer é reorganizar-se.
  • 29. Os estágios do desenvolvimento da inteligência • A aprendizagem não se dá em um continuum (linear) mas sim por estágios, por saltos qualitativos. • A sequência do desenvolvimento da inteligência passa obrigatoriamente por todos os estágios, em sequência. Sensório-motor (0 a 2 anos) Pré-operatório (2 a 7 anos) Operatório concreto (7 a 11 ou 12 anos) Operatório Operatório formal (11 ou 12 anos em diante)
  • 30. Sensório-motor (0 a 2 anos) • Compreensão do mundo coordenando as experiências sensoriais com ações físicas e motoras. • Sem pensamento conceitual ou reflexivo. • Principais conquistas: – Permanência do objeto – Progressão da ação reflexa para o pensamento simbólico. Prof. Felipe Pinho
  • 31. Pré-operatório (2 a 7 anos) • Utilização do pensamento simbólico e da linguagem para representar e compreender o mundo. • Egocentrismo e centralização. • Principais conquistas: – Imaginação e linguagem – Progressão para a descentralização Prof. Felipe Pinho
  • 32. Operatório concreto (7 a 11 ou 12 anos) • Raciocínio lógico e objetivo sobre eventos concretos. • Entende os conceitos de conservação, classificação (hierarquização) e seriação (ordenação em série). • Principais conquistas: – Desenvolvimento das capacidades lógicas e pré- científicas Prof. Felipe Pinho
  • 33. Operatório formal (11 ou 12 anos em diante) • Capacidade de pensar por meio de abstrações e de conceitos hipotéticos e fictícios. • Pensamento idealista. • Raciocínio hipotético-dedutivo. • Principais conquistas: – Pensamento político e ético – Ampliação da compreensão teórica sobre a experiência. Prof. Felipe Pinho
  • 34. O Desenvolvimento Moral da Criança • Assim como a inteligência se desenvolve, a moral também se desenvolve (evolui). • Estágios do desenvolvimento moral: Anomia Heteronomia Autonomia
  • 35. Lev Vygotsky • Psicólogo Bielo-Russo (1896 – 1934). • Morreu prematuramente de Tuberculose aos 37 anos. • Realizou uma crítica à Psicologia (teoria x prática). • Seu pensamento é fundamentado no materialismo histórico dialético. BIOLÓGICO VISÃO INTERACIONISTA CULTURAL
  • 36. Pressupostos principais do materialismo histórico dialético • O modo de produção da vida material condiciona a vida social, política e espiritual do homem. • O homem é um ser histórico, que se constrói através de suas relações com o mundo natural e social.
  • 38. Conceitos importantes da teoria de Vygotsky • O ser humano se constitui enquanto tal na relação com o outro social. • A cultura, que deve ser considerada parte da natureza humana, molda o funcionamento psíquico do ser humano. • A plasticidade cerebral: as estruturas e funções mentais não são fixas ou imutáveis, elas são flexíveis e, por isso, são moldadas. • A relação do homem com o mundo é uma relação mediada: por instrumentos, por signos (linguagem/simbólico), pelas experiências anteriores e pela experiência dos outros.
  • 39. Desenvolvimento e Aprendizagem segundo Vygotsky Nível de desenvolvimento potencial (o que a criança faz com ajuda) Zona de desenvolvimento proximal (espaço da mudança = aprendizagem) Nível de desenvolvimento real (o que a criança faz sozinha)
  • 40. A importância da intervenção pedagógica • Para Vygotsky o aprendizado vem antes do desenvolvimento. • A escola deve se antecipar ao que o aluno ainda não sabe nem é capaz de aprender sozinho. • O Processo de ensino- aprendizagem deve ser construído tomando como ponto de partida o nível de desenvolvimento real da criança.
  • 41. Reflexão final: Qual é a importância das reflexões epistemológicas para o desenvolvimento do saber psicológico?
  • 42. Bibliografia indicada: • DANTAS, Heloysa, LA TAILLE, Yves, OLIVEIRA, Marta Kohl. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. • JAPIASSU, H. Introdução a epistemologia da psicologia. Rio de Janeiro: Imago, 1982 • MARX, M. H.; HILLIX, W. A. Sistemas e Teorias em Psicologia. São Paulo: Cultrix, 2008.