SlideShare uma empresa Scribd logo
Visualidade na surdez:
intersecções entre arte, educação e gramática visual
Educação, Mídias e Comunidade Surda
Cristiane Taveira | Alexandre Rosado
O problema central está no
letramento de alunos surdos,
o que levou à reflexão sobre a
constituição do pensamento
através de signos e seus possíveis
significados construídos
socialmente.
O nosso enfoque está nas práticas
advindas da experiência
visual da surdez e a quais eventos
de letramento se referem esses
discursos.
Understanding Deaf Culture (ROURKE, 2010)
Problema Central
Busca inicial de teorias e práticas das
Pedagogias Surdas
Problema Central
Estudo de
Fundamentos
fundamentos
teóricos e
práticos das
Pedagogias
Surdas e
Alfabetismo ou
letramento
visual.
Apesar do uso intensivo da
imagem fora do ambiente escolar
(jogos eletrônicos, publicidade,
entretenimento, quadrinhos, entre outros),
ainda é muito tímida a
sistematização de seu uso
para fins pedagógicos.
Textos não-lineares
http://srid4fun.blogspot.com.br/
Opção por mesclas de textos
lineares com os não-lineares.
Princípio democrático de acesso a imagem.
Pensamento impossível sem memórias
imagéticas.
Conceito tradicional de texto linear é
dominante.
Uma imagem pode ser lida como
argumento.
Textos não-lineares
Pesquisa e tese
de doutorado
Pesquisa e tese
https://ines.academia.edu/CristianeTaveira
Os tipos de leitura ou de leitores
se revezam ao longo das atividades de um mesmo leitor
Leitor imersivo
(mídia digital, internet, conexões,
navegação)
Leitor movente
(a cidade, a publicidade, a rua, os
letreiros)
Leitor contemplativo
(a leitura, a biblioteca, a atenção
focada)
Importa-nos com maior intensidade, abrir mão
da disputa entre as línguas, e observar o
comportamento de ambas na constituição de suportes
e de recursos no que se refere aos encadeamentos, as
misturas entre imagem e texto.
Aprender a ler imagens, desenvolver a observação de seus aspectos e
traços constitutivos. Dar o tempo necessário para que a
imagem nos enriqueça, dialogue conosco.
Letramento visual
PietMondrian“BroadwayBoogieWoogie,”(1943)
Tal processo
depende da
experiência dos
sujeitos e com os
sujeitos em campo,
nos envolvendo
com suas
interpretações de
mundo para
seleção leitura e
significação de
imagens.
GerritRietveld“CadeiraVermelhoeAzul”(1917)
Nosso interesse está na Comunidade surda, como esta produz
condições de registro, no enfrentamento de limitações de
estocagem de vídeos e de obstáculos às revisões de suas
próprias mensagens armazenadas.
Obstáculos e limitações
Vilém Flusser e as comunicações não-humanas abissais:
o exemplo do Vampyroteuthis infernalis
As limitações estão na dificuldade de
registrar e manipular o próprio
pensamento em artefatos de outra
ordem que não o suporte impresso, da
armazenagem à decodificação por
maior número de pares surdos e não-
surdos.
Considerações
sobre a
visualidade
Característica principal da coleção de artefatos produzidos
durante a prática pedagógica: o apelo imagético.
Este apelo acrescenta outros olhares ao letramento e à
produção literária.
1
Em primeiro lugar, o artista surdo (arte) e o
professor surdo (ensino) são colagens
justapostas, necessárias na didática da invenção
surda.
Na hora que a língua portuguesa perde seu
aspecto central, o corpo, a oralidade, a
sinalidade e o visual, ganham terreno. Volta-se
ao referente (ao objeto, à situação propriamente
dita, referenciada, mais próxima do real). Isso não
significaria abrir mão do território do simbólico.
2
3
Os suportes e modalidades de comunicação
que ainda não possuem tanto relevo na escola,
tais como teatro, o cinema, a fotografia, a
informática, o uso da visualidade surda, abrem
caminhos para um pensamento-imagem.
4
A consciência da substância visual pelos que
veem não é algo inato. Alguns dos professores
surdos e não-surdos bilíngues possuem
intuições (feeling) sobre os usos do letramento
visual e o fazem por experimentação.
Para selecionar ou criar objetos educativos,
necessitamos ampliar a disposição de tempo e
de espaços para codificar e decodificar
mensagens visuais, para seleção, leitura e
significação dessas imagens.
4
5
Pudemos observar que o arranjo imagético onde
há a incidência da experiência de um surdo
adulto é dominado pelo uso de extensões do
corpo tais como câmeras fotográficas, filmadoras,
computadores, notebooks, celulares, iPhones,
iPads, tablets, internet.
Há a necessidade urgente de armazenar e
divulgar as experiências que ainda estão
dispersas.
Intervenções
práticas
criação estratégias
visuais
novas tecnologias na
produção de vídeo
leitura compartilhada
Aprofundar o entendimento sobre as
diferentes linguagens que compõem a
realização, utilização e finalidade dos
recursos teatrais, fílmicos e imagéticos
presentes na vida dos surdos.
Nossa agenda
Pensar em matrizes de
linguagem (verbal, visual e sonora)
presentes em diferentes categorias de
artefatos, necessário para o
enriquecimento da experiência de um
leitor (da língua de sinais, da
performance, do corpo).
Matrizes de linguagem
Nossa agenda
Pensar que os surdos, ao fazerem as suas
próprias produções (autoria), possam avaliá-
las (exercício crítico) e compreendê-las,
desenvolvendo leitura de mensagens cada
vez mais sofisticadas.
Nossa agenda
Andamento do projeto
Nossa agenda
Nossa agenda
Nossa agenda
Pensamos que a Educação de
surdos possa se dar em termos
de compreensão de técnicas, da
estética, dos estilos e também
dos atributos mercadológicos
ou ideológicos, seja das
produções da Comunidade
Surda em geral e, mais ainda,
das produções massificadas
pela mídia.
Produtos
gerados
Produção de
Monografia em Libras
Há a necessidade de um
acervo de vídeos
em prol de uma didática e
da constituição do
conhecimento
científico por/para
leitores surdos.
Produtos gerados
Produtos geradosProdutos gerados
Produtos gerados
Produtos gerados
Produtos gerados
Produtos gerados
Produtos geradosProdutos gerados
Materiais para cursos
de extensão
O fazer cotidiano gera a
necessidade de
experimentar esquemas
visuais traduzidos em
infografia.
Produtos gerados
Produção de informes
bilíngues
O desafio do bilinguismo
inclui o exercício da
comunicação em modelos
que hibridizam linguagens
consagradas (ex:
jornalística) com
necessidades da
comunidade surda.
Produtos gerados
Produção de vídeos
com alunos
A mídia-educação nos
leva a pensar além da
crítica aos meios (sobre),
mas o uso dos meios
(através) como expressão
autoral e inserção social.
Produtos gerados
Todas as produções podem ser acessadas em nosso site
https://edumidiascomunidadesurda.wordpress.com
Produtos gerados
Conclusão
O que significa
ser letrado
para o surdo?
O que significa
ser letrado
para o surdo?
O que significa
ser letrado
para o surdo?
O que significa
ser letrado
para o surdo?
O que significa
ser letrado
para o surdo?
O letramento da pessoa surda, ou o que significa ser letrado para um surdo,
perpassa a busca e a experimentação de práticas que entrecruzem
arte, educação e gramática visual.
Só os visualmente letrados podem se elevar acima dos modismos e
fazer os próprios juízos de valor sobre o que consideram apropriado e
esteticamente agradável, um primeiro passo para a formação autoral.
E para isso há a necessidade da vivência estética e da
produção de artefatos cotidianamente.
Refletindo
Precisamos trocar experiências!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ferraz e Duboc workshop ufs car 2011
Ferraz e Duboc   workshop ufs car 2011Ferraz e Duboc   workshop ufs car 2011
Ferraz e Duboc workshop ufs car 2011
Daniel Ferraz
 
EAD- antes e depois da cibercultura
EAD- antes e depois da ciberculturaEAD- antes e depois da cibercultura
EAD- antes e depois da cibercultura
Vania Queiroz
 
Cibercultura: O que muda na educação
Cibercultura: O que muda na educaçãoCibercultura: O que muda na educação
Cibercultura: O que muda na educação
Universidade Federal Fluminense
 
A pedagogia dos multiletramentos
A pedagogia dos multiletramentosA pedagogia dos multiletramentos
A pedagogia dos multiletramentos
Eliana Prado Verneque
 
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
fabiolamore
 
Carajás canaãn-2012)
Carajás canaãn-2012)Carajás canaãn-2012)
Carajás canaãn-2012)
FALE - UFMG
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
Elaine Teixeira
 
Universidades Abertas e Educação Online
Universidades Abertas e Educação OnlineUniversidades Abertas e Educação Online
Universidades Abertas e Educação Online
Antonio Quintas-Mendes
 
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguasA multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
Elaine Teixeira
 
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
Márcio Martins
 
Descolonizando o Ateliê de Projetos
Descolonizando o Ateliê de ProjetosDescolonizando o Ateliê de Projetos
Descolonizando o Ateliê de Projetos
UTFPR
 
Narrativa uerj semiotica
Narrativa uerj semioticaNarrativa uerj semiotica
Narrativa uerj semiotica
Cristiane Marcelino
 
Ad2 educação a distância
Ad2 educação a distânciaAd2 educação a distância
Ad2 educação a distância
debalcel
 
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidiaInterfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
mfiorelli
 
Um pouco de teoria sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
Um pouco de teoria  sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...Um pouco de teoria  sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
Um pouco de teoria sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
Gonzalo Abio
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e cibercultura
nicepeda
 
Educação com web 2.0?
Educação com web 2.0?Educação com web 2.0?
Educação com web 2.0?
Maria Izabel Chaves
 
Cibercultura e Educação
Cibercultura e EducaçãoCibercultura e Educação
Cibercultura e Educação
Fernandes Rocha Junior
 
Ad2 educação a distância
Ad2 educação a distânciaAd2 educação a distância
Ad2 educação a distância
debalcel
 
Digital storytelling
Digital storytellingDigital storytelling
Digital storytelling
vmlgraca
 

Mais procurados (20)

Ferraz e Duboc workshop ufs car 2011
Ferraz e Duboc   workshop ufs car 2011Ferraz e Duboc   workshop ufs car 2011
Ferraz e Duboc workshop ufs car 2011
 
EAD- antes e depois da cibercultura
EAD- antes e depois da ciberculturaEAD- antes e depois da cibercultura
EAD- antes e depois da cibercultura
 
Cibercultura: O que muda na educação
Cibercultura: O que muda na educaçãoCibercultura: O que muda na educação
Cibercultura: O que muda na educação
 
A pedagogia dos multiletramentos
A pedagogia dos multiletramentosA pedagogia dos multiletramentos
A pedagogia dos multiletramentos
 
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
Leitura internacional da América Latina no Brasil 2019
 
Carajás canaãn-2012)
Carajás canaãn-2012)Carajás canaãn-2012)
Carajás canaãn-2012)
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
 
Universidades Abertas e Educação Online
Universidades Abertas e Educação OnlineUniversidades Abertas e Educação Online
Universidades Abertas e Educação Online
 
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguasA multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
A multimodalidade como recurso para o ensino de línguas
 
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
TIC no ensino revisão sobre teorias e práticas de elaboração de material didá...
 
Descolonizando o Ateliê de Projetos
Descolonizando o Ateliê de ProjetosDescolonizando o Ateliê de Projetos
Descolonizando o Ateliê de Projetos
 
Narrativa uerj semiotica
Narrativa uerj semioticaNarrativa uerj semiotica
Narrativa uerj semiotica
 
Ad2 educação a distância
Ad2 educação a distânciaAd2 educação a distância
Ad2 educação a distância
 
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidiaInterfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
Interfaces Convergentes - da Bauhaus ao design multimidia
 
Um pouco de teoria sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
Um pouco de teoria  sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...Um pouco de teoria  sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
Um pouco de teoria sobre multimodalidade e multiletramentos. Parte 4.2 - Inf...
 
Educação e cibercultura
Educação e ciberculturaEducação e cibercultura
Educação e cibercultura
 
Educação com web 2.0?
Educação com web 2.0?Educação com web 2.0?
Educação com web 2.0?
 
Cibercultura e Educação
Cibercultura e EducaçãoCibercultura e Educação
Cibercultura e Educação
 
Ad2 educação a distância
Ad2 educação a distânciaAd2 educação a distância
Ad2 educação a distância
 
Digital storytelling
Digital storytellingDigital storytelling
Digital storytelling
 

Destaque

Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Destaque (7)

Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
 

Semelhante a Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)

Alfabetização audiovisual
Alfabetização audiovisual Alfabetização audiovisual
Alfabetização audiovisual
Tatiana Teixeira
 
Considerações da aula dia 25 09
Considerações da aula dia  25 09Considerações da aula dia  25 09
Considerações da aula dia 25 09
marcos augusto
 
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
Maria Jose Vitorino
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
Prof.Paulo/geografia
 
Desenho didático online
Desenho didático onlineDesenho didático online
Desenho didático online
marcoparangole
 
Curso online desenho didático-méa
Curso online   desenho didático-méaCurso online   desenho didático-méa
Curso online desenho didático-méa
marcoparangole
 
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docxGuia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
WALDIRENEPINTODEMACE
 
Mapa Conceitual
Mapa ConceitualMapa Conceitual
Mapa Conceitual
maglomaria
 
Set of slides 2 - Ourilândia
Set of slides 2 - OurilândiaSet of slides 2 - Ourilândia
Set of slides 2 - Ourilândia
diasreinildes
 
Inglês na educação básica
Inglês na educação básicaInglês na educação básica
Inglês na educação básica
FALE - UFMG
 
ze
zeze
Novas tecnologias e conhecimento
Novas tecnologias e conhecimentoNovas tecnologias e conhecimento
Novas tecnologias e conhecimento
Joaquim Borgato
 
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluirTecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
Elis Zampieri
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
Dilene Matos
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
Ambiente Virtual Aprendizagem
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
computacaoufjf
 
Apresentação Helena
Apresentação HelenaApresentação Helena
Apresentação Helena
Helena Andrade
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015
Adriana Bruno
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Taís Ferreira
 
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e uma exper...
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e  uma exper...Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e  uma exper...
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e uma exper...
Sebastiao Vieira
 

Semelhante a Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado) (20)

Alfabetização audiovisual
Alfabetização audiovisual Alfabetização audiovisual
Alfabetização audiovisual
 
Considerações da aula dia 25 09
Considerações da aula dia  25 09Considerações da aula dia  25 09
Considerações da aula dia 25 09
 
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
Gerir e organizar_a_biblioteca_escolar_mjvitorino[1]
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
 
Desenho didático online
Desenho didático onlineDesenho didático online
Desenho didático online
 
Curso online desenho didático-méa
Curso online   desenho didático-méaCurso online   desenho didático-méa
Curso online desenho didático-méa
 
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docxGuia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
Guia-de-Aprendizagem_3aserie_-_1_bim._Arte.docx
 
Mapa Conceitual
Mapa ConceitualMapa Conceitual
Mapa Conceitual
 
Set of slides 2 - Ourilândia
Set of slides 2 - OurilândiaSet of slides 2 - Ourilândia
Set of slides 2 - Ourilândia
 
Inglês na educação básica
Inglês na educação básicaInglês na educação básica
Inglês na educação básica
 
ze
zeze
ze
 
Novas tecnologias e conhecimento
Novas tecnologias e conhecimentoNovas tecnologias e conhecimento
Novas tecnologias e conhecimento
 
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluirTecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
Tecnologias educacionais, para quem precisa se incluir
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
 
Ambientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliadosAmbientes virtuais aliados
Ambientes virtuais aliados
 
Apresentação Helena
Apresentação HelenaApresentação Helena
Apresentação Helena
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
 
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e uma exper...
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e  uma exper...Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e  uma exper...
Documentário de divulgação científica em tempos de redes sociais e uma exper...
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - Fotografia
 
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 

Último

atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)

  • 1. Visualidade na surdez: intersecções entre arte, educação e gramática visual Educação, Mídias e Comunidade Surda Cristiane Taveira | Alexandre Rosado
  • 2. O problema central está no letramento de alunos surdos, o que levou à reflexão sobre a constituição do pensamento através de signos e seus possíveis significados construídos socialmente. O nosso enfoque está nas práticas advindas da experiência visual da surdez e a quais eventos de letramento se referem esses discursos. Understanding Deaf Culture (ROURKE, 2010) Problema Central
  • 3. Busca inicial de teorias e práticas das Pedagogias Surdas Problema Central
  • 4. Estudo de Fundamentos fundamentos teóricos e práticos das Pedagogias Surdas e Alfabetismo ou letramento visual.
  • 5. Apesar do uso intensivo da imagem fora do ambiente escolar (jogos eletrônicos, publicidade, entretenimento, quadrinhos, entre outros), ainda é muito tímida a sistematização de seu uso para fins pedagógicos. Textos não-lineares http://srid4fun.blogspot.com.br/
  • 6. Opção por mesclas de textos lineares com os não-lineares. Princípio democrático de acesso a imagem. Pensamento impossível sem memórias imagéticas. Conceito tradicional de texto linear é dominante. Uma imagem pode ser lida como argumento. Textos não-lineares
  • 7. Pesquisa e tese de doutorado Pesquisa e tese https://ines.academia.edu/CristianeTaveira
  • 8. Os tipos de leitura ou de leitores se revezam ao longo das atividades de um mesmo leitor Leitor imersivo (mídia digital, internet, conexões, navegação) Leitor movente (a cidade, a publicidade, a rua, os letreiros) Leitor contemplativo (a leitura, a biblioteca, a atenção focada)
  • 9. Importa-nos com maior intensidade, abrir mão da disputa entre as línguas, e observar o comportamento de ambas na constituição de suportes e de recursos no que se refere aos encadeamentos, as misturas entre imagem e texto.
  • 10. Aprender a ler imagens, desenvolver a observação de seus aspectos e traços constitutivos. Dar o tempo necessário para que a imagem nos enriqueça, dialogue conosco. Letramento visual PietMondrian“BroadwayBoogieWoogie,”(1943) Tal processo depende da experiência dos sujeitos e com os sujeitos em campo, nos envolvendo com suas interpretações de mundo para seleção leitura e significação de imagens. GerritRietveld“CadeiraVermelhoeAzul”(1917)
  • 11. Nosso interesse está na Comunidade surda, como esta produz condições de registro, no enfrentamento de limitações de estocagem de vídeos e de obstáculos às revisões de suas próprias mensagens armazenadas. Obstáculos e limitações Vilém Flusser e as comunicações não-humanas abissais: o exemplo do Vampyroteuthis infernalis As limitações estão na dificuldade de registrar e manipular o próprio pensamento em artefatos de outra ordem que não o suporte impresso, da armazenagem à decodificação por maior número de pares surdos e não- surdos.
  • 13. Característica principal da coleção de artefatos produzidos durante a prática pedagógica: o apelo imagético. Este apelo acrescenta outros olhares ao letramento e à produção literária.
  • 14. 1 Em primeiro lugar, o artista surdo (arte) e o professor surdo (ensino) são colagens justapostas, necessárias na didática da invenção surda.
  • 15. Na hora que a língua portuguesa perde seu aspecto central, o corpo, a oralidade, a sinalidade e o visual, ganham terreno. Volta-se ao referente (ao objeto, à situação propriamente dita, referenciada, mais próxima do real). Isso não significaria abrir mão do território do simbólico. 2
  • 16. 3 Os suportes e modalidades de comunicação que ainda não possuem tanto relevo na escola, tais como teatro, o cinema, a fotografia, a informática, o uso da visualidade surda, abrem caminhos para um pensamento-imagem.
  • 17. 4 A consciência da substância visual pelos que veem não é algo inato. Alguns dos professores surdos e não-surdos bilíngues possuem intuições (feeling) sobre os usos do letramento visual e o fazem por experimentação. Para selecionar ou criar objetos educativos, necessitamos ampliar a disposição de tempo e de espaços para codificar e decodificar mensagens visuais, para seleção, leitura e significação dessas imagens.
  • 18. 4
  • 19. 5 Pudemos observar que o arranjo imagético onde há a incidência da experiência de um surdo adulto é dominado pelo uso de extensões do corpo tais como câmeras fotográficas, filmadoras, computadores, notebooks, celulares, iPhones, iPads, tablets, internet. Há a necessidade urgente de armazenar e divulgar as experiências que ainda estão dispersas.
  • 20. Intervenções práticas criação estratégias visuais novas tecnologias na produção de vídeo leitura compartilhada
  • 21. Aprofundar o entendimento sobre as diferentes linguagens que compõem a realização, utilização e finalidade dos recursos teatrais, fílmicos e imagéticos presentes na vida dos surdos. Nossa agenda
  • 22. Pensar em matrizes de linguagem (verbal, visual e sonora) presentes em diferentes categorias de artefatos, necessário para o enriquecimento da experiência de um leitor (da língua de sinais, da performance, do corpo). Matrizes de linguagem Nossa agenda
  • 23. Pensar que os surdos, ao fazerem as suas próprias produções (autoria), possam avaliá- las (exercício crítico) e compreendê-las, desenvolvendo leitura de mensagens cada vez mais sofisticadas. Nossa agenda
  • 27. Pensamos que a Educação de surdos possa se dar em termos de compreensão de técnicas, da estética, dos estilos e também dos atributos mercadológicos ou ideológicos, seja das produções da Comunidade Surda em geral e, mais ainda, das produções massificadas pela mídia.
  • 29. Produção de Monografia em Libras Há a necessidade de um acervo de vídeos em prol de uma didática e da constituição do conhecimento científico por/para leitores surdos. Produtos gerados
  • 36. Materiais para cursos de extensão O fazer cotidiano gera a necessidade de experimentar esquemas visuais traduzidos em infografia. Produtos gerados
  • 37. Produção de informes bilíngues O desafio do bilinguismo inclui o exercício da comunicação em modelos que hibridizam linguagens consagradas (ex: jornalística) com necessidades da comunidade surda. Produtos gerados
  • 38. Produção de vídeos com alunos A mídia-educação nos leva a pensar além da crítica aos meios (sobre), mas o uso dos meios (através) como expressão autoral e inserção social. Produtos gerados
  • 39. Todas as produções podem ser acessadas em nosso site https://edumidiascomunidadesurda.wordpress.com Produtos gerados
  • 40. Conclusão O que significa ser letrado para o surdo?
  • 41. O que significa ser letrado para o surdo?
  • 42. O que significa ser letrado para o surdo?
  • 43. O que significa ser letrado para o surdo?
  • 44. O que significa ser letrado para o surdo?
  • 45. O letramento da pessoa surda, ou o que significa ser letrado para um surdo, perpassa a busca e a experimentação de práticas que entrecruzem arte, educação e gramática visual. Só os visualmente letrados podem se elevar acima dos modismos e fazer os próprios juízos de valor sobre o que consideram apropriado e esteticamente agradável, um primeiro passo para a formação autoral. E para isso há a necessidade da vivência estética e da produção de artefatos cotidianamente. Refletindo