SlideShare uma empresa Scribd logo
Futuros imaginários
Leitura 1
o autor
Professor na Escola de Ciências Sociais,
Humanas e Linguísticas da Universidade
de Westminster, Londres, Inglaterra,
desde 2007.
Autor do artigo “A ideologia
californiana” com Andy Cameron nos
anos 90, destacando a relação entre os
hippies da contracultura e os
capitalistas corporativos neoliberais na
formação do vale do silício e sua
ideologia utópica de transformação
através das tecnologias digitais.
Se dedica aos estudos sobre o papel
ideológico e político das profecias sobre
inteligência artificial e sociedade da
informação, os Futuros Imaginários.
Leitura 1
pontos de discussão
“O desejo de possuir o tempo
está intimamente conectado
com a ambição de controlar o
espaço” (p. 20)
O que é uma utopia? As
profecias tecnológicas (utopias
do poder político e cultural?).
As construções de futuros
imaginários durante a Guerra
Fria (EUA x URSS, 1945-1989) e
suas derivações no Hemisfério
Sul.
Leitura 1
pontos de discussão
Dois pontos principais das
utopias: a inteligência artificial
e a sociedade da informação (o
pós-industrialismo).
As consequências no Brasil:
tentativa de saltar diretamente
para a sociedade da informação
e fascínio pelas tecnologias
digitais estadunidenses. A
desigualdade social (ricos e
pobres) e a falta de infra-
estrutura (água, esgoto,
moradia) foram ignoradas
nesses projetos?
Tecnologias imaginadas
As feiras mundiais,
apresentando
concepções de futuro e
novas tecnologias,
estimularam a
imaginação de seus
frequentadores. Nesta
imagem, a Expo
realizada em Nova
Iorque, nos EUA, em
1964.
https://upload.wikimed
ia.org/wikipedia/comm
ons/1/11/New_York_W
orld's_Fair_August_196
4.jpeg
Tecnologias imaginadas
arquitetura da cidade de Brasília
Brasília, nos anos 50 e
60, se inspira em
modelos progressistas
da arquitetura, com
amplos espaços,
praças, edifícios e
bairros planejados, com
linhas retas e curvas,
sem muitos detalhes,
testando novos
materiais como o
concreto para compor
formas inéditas. Uma
sociedade do futuro foi
imaginada na capital
do país.
https://upload.wikimed
ia.org/wikipedia/comm
ons/3/3e/Brasilia_aere
a_torredetv1304_4713.
jpg
Tecnologias imaginadas
o futuro em 1900
(concepção da educação)
No ano de 1899, 1900,
1901 e 1910, artistas
franceses como Jean-
Marc Côté desenharam
as suas concepções
sobre como seria a
França nos anos 2000.
Essas ilustrações foram
postas em caixas de
cigarros e depois em
cartões postais. Parte
delas circularam
durante a Feira Mundial
de Paris, em 1900.
http://www.independen
t.co.uk/life-
style/gadgets-and-
tech/news/paintings-
reveal-what-people-in-
1900-thought-the-year-
2000-would-look-like-
a6680196.html
A Guerra Fria
O mapa dos países
alinhados aos EUA e à
URSS mostra a divisão
do mundo em 1980 e
as competições sobre
as visões de futuro em
jogo, tanto a
tecnológica e
fabricação de novos
bens de consumo
quanto as concepções
políticas sobre
igualdade e distribuição
de renda.
https://upload.wikimed
ia.org/wikipedia/en/8/
87/New_Cold_War_Ma
p_1980.png
A Guerra Fria
corrida espacial
A indústria espacial,
com a NASA liderando
pesquisas e
explorações espaciais,
com seus lançamentos
de foguetes e
construção da Estação
Espacial Internacional,
incentivam visões de
futuro sobre a
colonização da Lua e
outros planetas do
Sistema Solar desde a
segunda metade do
século XX.
http://www.nasa.gov/i
mages/content/57426
7main_jsc2011e06760
8_hires.jpg
Entrevista
Richard Barbrook
“Richard Barbrook” falando
sobre a construção dos futuros
imaginários.
https://www.youtube.com/watc
h?v=TwD0N-FHuzI (legenda em
português) 3:54
Pontos de discussão
Trailers! Vamos assistir?
Alguns exemplos de futuros
imaginários no cinema
2001: A Space Odyssey (2001: Uma
Odisseia no Espaço, 1968) (Trailer official)
https://www.youtube.com/watch?v=E8TA
BIFAN4o 1:48
Matrix (1999)
https://www.youtube.com/watch?v=m8e-
FF8MsqU 2:30
Star Trek Into Darkness (2013) (Trailer
oficial)
https://www.youtube.com/watch?v=QAEk
uVgt6Aw 2:30
Analisar
Tipos de tecnologias imaginadas
Utopia e distopia concebida
Protagonismo ou submissão do ser
humano
Máquinas do tempo...
Máquina do tempo concebida no filme
De Volta para o Futuro (1985), com
grande consumo energético e
necessitando de alta velocidade de
deslocamento.
http://revista.socarrao.com.br/wp-
content/uploads/2015/02/14518-
MLB4394780504_052013-F.jpg
Máquina do tempo concebida no filme
A Máquina do Tempo (2002), acionada
por elementos mecânicos no século XIX.
http://orig13.deviantart.net/e849/f/20
14/020/0/b/the_time_machine_by_ha
meed-d5eup0d.jpg
Inteligência artificial...
O menino robô, que é tão semelhante a
outros meninos, concebido no filme
Inteligência Artificial (2001).
http://static1.squarespace.com/static/
51b3dc8ee4b051b96ceb10de/t/55bbb
ac4e4b03eb48fbd4663/14383664111
86/a-visual-study-on-steven-spielbergs-
ai-artificial-intellegence?format=1500w
A inteligência artificial já é tema através
do computador inteligente, que
conversa com os tripulantes da estação
espacial, no filme 2001: Uma Odisseia
no Espaço (1968).
http://www.cantodosclassicos.com/wp-
content/uploads/2015/01/dave-
bowman-y-hal.jpg
A conquista do espaço
A estação espacial
concebida para o filme
2001: Uma Odisseia no
Espaço (1968), tem
enormes proporções e
se assemelha a uma
pequena cidade.
http://i.ytimg.com/vi/U
qOOZux5sPE/maxresde
fault.jpg
Holograma...
O filme Guerra nas
Estrelas (1977)
incentivou a divulgação
do conceito imaginário
de holograma como
reprodução de um
objeto no ar através de
luz.
http://phandroid.s3.am
azonaws.com/wp-
content/uploads/2011
/11/Star-Wars-
holograph.jpg
Futuros imaginários
empresas e governos
Alguns exemplos de futuros
imaginários concebidos por
empresas e governos
“Imaginando o futuro em 1954”
https://www.youtube.com/watch?v=UaoN
sFzvwqc (legenda em português) 5:27
“Productivity Future Vision”
https://www.youtube.com/watch?v=a6cN
dhOKwi0 (somente música) 6:17
“A Day Made of Glass 2: Same Day.
Expanded Corning Vision (2012)”
https://www.youtube.com/watch?v=jZkHp
NnXLB0 (somente música) 5:58
Analisar
Tipos de tecnologias imaginadas
São futuros utópicos ou distópicos?
Que modelo de sociedade e de trabalho
esses vídeos apresentam?
Futuros imaginários
na educação
Alguns exemplos de futuros
imaginários em sala de aula
“Rey's Story: School of Thought--A Vision
for the Future of Learning”
https://www.youtube.com/watch?v=B-
gHVjv4_c4 (audio em inglês, mas pode ser
compreendido com as imagens) 6:06
“Microsoft Vision of the Classroom of the
Future”
https://www.youtube.com/watch?v=aJu6G
vA7jN8 (somente música) 5:48
“Bridging Our Future (long)”
https://www.youtube.com/watch?v=BYMd
-7Ng9Y8 (somente música) 3:16
Analisar
Tipos de tecnologias imaginadas
O que fazem de diferente no ensino?
Qual a relação entre professores e alunos?
Que espaços o aluno transita durante sua
aprendizagem?
Leitura 2 (opcional)
o autor
Felinto é professor da UERJ no
Programa de Pós-graduação em
Comunicação Social.
Entre diversas obras, é autor do
livro “A Religião das Máquinas”
em que trata do imaginário
tecnológico ao redor da
cibercultura e sua relação com
os desejos de transcendência
do corpo através das
tecnologias digitais.
Leitura 2 (opcional)
pontos de discussão
Robôs e autômatos são
máquinas artificiais que
realizam ações semelhantes
aos humanos.
Trazem uma ambiguidade:
representam o poder criativo do
homem (fascínio), mas trazem
temores sobre as
consequências de sua criação
(estranheza).
A máquina pode ir de serviçal
útil a destruidor.
Leitura 2 (opcional)
pontos de discussão
A criação de seres artificiais
ressurge com esperança
renovada através das
tecnologias digitais. A ficção
imaginou inúmeros seres
artificiais.
Há um desejo, na narrativa
utópica da cibercultura, de
transcender as limitações do
corpo (nossa finitude),
aproximando-se das narrativas
religiosas.
Leitura 2 (opcional)
autômatos
Autômatos na literatura
Frankenstein
Obra de Mary Shelley,
escritora londrina,
publicado em 1818.
Considerada a primeira
obra de ficção
científica.
http://www.uel.br/grup
o-
pesquisa/imagicom/wp
-
content/uploads/Frank
enstein-boris-karlof-em-
A-Noiva-de-Frank.jpg
Leitura 2 (opcional)
autômatos
Autômatos no cinema
Robô
Maschinenmensch
(máquina-humano)
Obra cinematográfica
de do austríaco Fritz
Lang, produzida em
1927 na Alemanha,
com 153 min.
Considerada a obra
mais cara filmada na
Europa até aquele
momento. O filme é
baseado no romance
de Thea von Harbou.
http://i.ytimg.com/vi/Q
0NzALRJifI/maxresdefa
ult.jpg
Leitura 2 (opcional)
autômatos
Autômatos no cinema
A Matrix é gerada por um
superorganismo
planetário artificial
Obra cinematográfica
dirigida pelos irmãos
Wachowski, lançada em
três partes a partir de
1999.
A obra segue o estilo
cyberpunk, distópico, em
que o humano é
degradado em seu
ambiente social apesar
das tecnologias
avançadas.
http://vignette4.wikia.no
cookie.net/matrix/image
s/1/12/Powerplant_field
s2560-1600-
178.jpg/revision/latest?c
b=20140504002340
Leitura 2 (opcional)
autômatos
Autômatos no cinema
A Matrix é gerada por
um superorganismo
planetário artificial
No desenho animado
Animatrix The Second
Renaissance (Segundo
renascimento), dos
irmãos Wachowski, 20
min, lançado em 2003,
conta-se a história da
guerra com as máquina
(autômatos) que
resultou na criação da
Matrix.
http://k40.kn3.net/tari
nga/1/4/5/6/2/3/8/bl
ackpill/C8D.jpg?7306
https://pt.wikipedia.org
/wiki/Animatrix
Atividade
da próxima aula
Assistiremos o filme “Piratas do
Vale do Silício” (95 min) sobre
as origens da fundação da
Microsoft e da Apple no fim dos
anos 70, empresas da
informática que existem até
hoje.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Futuros imaginários

Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmesMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Daniela Cartoni
 
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
Marcia Briones
 
Antecedentes da arte eletrônica
Antecedentes da arte eletrônicaAntecedentes da arte eletrônica
Antecedentes da arte eletrônica
Daniel Hora
 
Design gráfico 2a aula
Design  gráfico   2a aulaDesign  gráfico   2a aula
Design gráfico 2a aula
Unip e Uniplan
 
Cibercultura2k10web
Cibercultura2k10webCibercultura2k10web
Cibercultura2k10web
André Pase
 
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentosPpcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Marcus Vinicius Santos Kucharski
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
André Pase
 
O computador e a contracultura
O computador e a contraculturaO computador e a contracultura
O computador e a contracultura
Pedro de Vasconcellos
 
Jean Baudrillard
Jean BaudrillardJean Baudrillard
Jean Baudrillard
Hélder Pereira
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Instituto_Arquitetos
 
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistasAventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Marlus Araujo
 
Da photographia à pherographia – notas sobre arte
Da photographia à pherographia – notas sobre arteDa photographia à pherographia – notas sobre arte
Da photographia à pherographia – notas sobre arte
Carlos M. Fernandes
 
Os Precursores do Holodeck
Os Precursores do HolodeckOs Precursores do Holodeck
Os Precursores do Holodeck
Kathy Vasconcellos
 
Apresenta cyber (2)
Apresenta cyber (2)Apresenta cyber (2)
Apresenta cyber (2)
Orlando Simões
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
Aline Corso
 
Posfácio Neuromancer 2008
Posfácio Neuromancer 2008Posfácio Neuromancer 2008
Posfácio Neuromancer 2008
Adriana Amaral
 
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento HumanoFicção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
Felipe Moreira
 
Apresentação Introdução Matrix
Apresentação Introdução MatrixApresentação Introdução Matrix
Apresentação Introdução Matrix
Professor Belinaso
 
Ciborgues e Literatura
Ciborgues e LiteraturaCiborgues e Literatura
Ciborgues e Literatura
Miguel Peixe
 
O computador e a contracultura
O computador e a contraculturaO computador e a contracultura
O computador e a contracultura
Luiz Henrique Pinho de Sá
 

Semelhante a Futuros imaginários (20)

Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmesMetolodogia   daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
Metolodogia daniela cartoni - slides - parte 03 - dicas de filmes
 
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
A circulação viral: causas e consequências da produção acelerada de signos e ...
 
Antecedentes da arte eletrônica
Antecedentes da arte eletrônicaAntecedentes da arte eletrônica
Antecedentes da arte eletrônica
 
Design gráfico 2a aula
Design  gráfico   2a aulaDesign  gráfico   2a aula
Design gráfico 2a aula
 
Cibercultura2k10web
Cibercultura2k10webCibercultura2k10web
Cibercultura2k10web
 
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentosPpcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
Ppcyb2 t1 alunos_apresentacao_e_fundamentos
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
O computador e a contracultura
O computador e a contraculturaO computador e a contracultura
O computador e a contracultura
 
Jean Baudrillard
Jean BaudrillardJean Baudrillard
Jean Baudrillard
 
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e DemocraciaPlanejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
Planejamento e Projeto - Pariticpação, Transparência e Democracia
 
Aventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistasAventura em busca de imagens jamais vistas
Aventura em busca de imagens jamais vistas
 
Da photographia à pherographia – notas sobre arte
Da photographia à pherographia – notas sobre arteDa photographia à pherographia – notas sobre arte
Da photographia à pherographia – notas sobre arte
 
Os Precursores do Holodeck
Os Precursores do HolodeckOs Precursores do Holodeck
Os Precursores do Holodeck
 
Apresenta cyber (2)
Apresenta cyber (2)Apresenta cyber (2)
Apresenta cyber (2)
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
 
Posfácio Neuromancer 2008
Posfácio Neuromancer 2008Posfácio Neuromancer 2008
Posfácio Neuromancer 2008
 
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento HumanoFicção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
Ficção Científica e História: Uma Viagem no Tempo e no Pensamento Humano
 
Apresentação Introdução Matrix
Apresentação Introdução MatrixApresentação Introdução Matrix
Apresentação Introdução Matrix
 
Ciborgues e Literatura
Ciborgues e LiteraturaCiborgues e Literatura
Ciborgues e Literatura
 
O computador e a contracultura
O computador e a contraculturaO computador e a contracultura
O computador e a contracultura
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - Fotografia
 
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Futuros imaginários

  • 2. Leitura 1 o autor Professor na Escola de Ciências Sociais, Humanas e Linguísticas da Universidade de Westminster, Londres, Inglaterra, desde 2007. Autor do artigo “A ideologia californiana” com Andy Cameron nos anos 90, destacando a relação entre os hippies da contracultura e os capitalistas corporativos neoliberais na formação do vale do silício e sua ideologia utópica de transformação através das tecnologias digitais. Se dedica aos estudos sobre o papel ideológico e político das profecias sobre inteligência artificial e sociedade da informação, os Futuros Imaginários.
  • 3. Leitura 1 pontos de discussão “O desejo de possuir o tempo está intimamente conectado com a ambição de controlar o espaço” (p. 20) O que é uma utopia? As profecias tecnológicas (utopias do poder político e cultural?). As construções de futuros imaginários durante a Guerra Fria (EUA x URSS, 1945-1989) e suas derivações no Hemisfério Sul.
  • 4. Leitura 1 pontos de discussão Dois pontos principais das utopias: a inteligência artificial e a sociedade da informação (o pós-industrialismo). As consequências no Brasil: tentativa de saltar diretamente para a sociedade da informação e fascínio pelas tecnologias digitais estadunidenses. A desigualdade social (ricos e pobres) e a falta de infra- estrutura (água, esgoto, moradia) foram ignoradas nesses projetos?
  • 5. Tecnologias imaginadas As feiras mundiais, apresentando concepções de futuro e novas tecnologias, estimularam a imaginação de seus frequentadores. Nesta imagem, a Expo realizada em Nova Iorque, nos EUA, em 1964. https://upload.wikimed ia.org/wikipedia/comm ons/1/11/New_York_W orld's_Fair_August_196 4.jpeg
  • 6. Tecnologias imaginadas arquitetura da cidade de Brasília Brasília, nos anos 50 e 60, se inspira em modelos progressistas da arquitetura, com amplos espaços, praças, edifícios e bairros planejados, com linhas retas e curvas, sem muitos detalhes, testando novos materiais como o concreto para compor formas inéditas. Uma sociedade do futuro foi imaginada na capital do país. https://upload.wikimed ia.org/wikipedia/comm ons/3/3e/Brasilia_aere a_torredetv1304_4713. jpg
  • 7. Tecnologias imaginadas o futuro em 1900 (concepção da educação) No ano de 1899, 1900, 1901 e 1910, artistas franceses como Jean- Marc Côté desenharam as suas concepções sobre como seria a França nos anos 2000. Essas ilustrações foram postas em caixas de cigarros e depois em cartões postais. Parte delas circularam durante a Feira Mundial de Paris, em 1900. http://www.independen t.co.uk/life- style/gadgets-and- tech/news/paintings- reveal-what-people-in- 1900-thought-the-year- 2000-would-look-like- a6680196.html
  • 8. A Guerra Fria O mapa dos países alinhados aos EUA e à URSS mostra a divisão do mundo em 1980 e as competições sobre as visões de futuro em jogo, tanto a tecnológica e fabricação de novos bens de consumo quanto as concepções políticas sobre igualdade e distribuição de renda. https://upload.wikimed ia.org/wikipedia/en/8/ 87/New_Cold_War_Ma p_1980.png
  • 9. A Guerra Fria corrida espacial A indústria espacial, com a NASA liderando pesquisas e explorações espaciais, com seus lançamentos de foguetes e construção da Estação Espacial Internacional, incentivam visões de futuro sobre a colonização da Lua e outros planetas do Sistema Solar desde a segunda metade do século XX. http://www.nasa.gov/i mages/content/57426 7main_jsc2011e06760 8_hires.jpg
  • 10. Entrevista Richard Barbrook “Richard Barbrook” falando sobre a construção dos futuros imaginários. https://www.youtube.com/watc h?v=TwD0N-FHuzI (legenda em português) 3:54 Pontos de discussão
  • 11. Trailers! Vamos assistir? Alguns exemplos de futuros imaginários no cinema 2001: A Space Odyssey (2001: Uma Odisseia no Espaço, 1968) (Trailer official) https://www.youtube.com/watch?v=E8TA BIFAN4o 1:48 Matrix (1999) https://www.youtube.com/watch?v=m8e- FF8MsqU 2:30 Star Trek Into Darkness (2013) (Trailer oficial) https://www.youtube.com/watch?v=QAEk uVgt6Aw 2:30 Analisar Tipos de tecnologias imaginadas Utopia e distopia concebida Protagonismo ou submissão do ser humano
  • 12. Máquinas do tempo... Máquina do tempo concebida no filme De Volta para o Futuro (1985), com grande consumo energético e necessitando de alta velocidade de deslocamento. http://revista.socarrao.com.br/wp- content/uploads/2015/02/14518- MLB4394780504_052013-F.jpg Máquina do tempo concebida no filme A Máquina do Tempo (2002), acionada por elementos mecânicos no século XIX. http://orig13.deviantart.net/e849/f/20 14/020/0/b/the_time_machine_by_ha meed-d5eup0d.jpg
  • 13. Inteligência artificial... O menino robô, que é tão semelhante a outros meninos, concebido no filme Inteligência Artificial (2001). http://static1.squarespace.com/static/ 51b3dc8ee4b051b96ceb10de/t/55bbb ac4e4b03eb48fbd4663/14383664111 86/a-visual-study-on-steven-spielbergs- ai-artificial-intellegence?format=1500w A inteligência artificial já é tema através do computador inteligente, que conversa com os tripulantes da estação espacial, no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968). http://www.cantodosclassicos.com/wp- content/uploads/2015/01/dave- bowman-y-hal.jpg
  • 14. A conquista do espaço A estação espacial concebida para o filme 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968), tem enormes proporções e se assemelha a uma pequena cidade. http://i.ytimg.com/vi/U qOOZux5sPE/maxresde fault.jpg
  • 15. Holograma... O filme Guerra nas Estrelas (1977) incentivou a divulgação do conceito imaginário de holograma como reprodução de um objeto no ar através de luz. http://phandroid.s3.am azonaws.com/wp- content/uploads/2011 /11/Star-Wars- holograph.jpg
  • 16. Futuros imaginários empresas e governos Alguns exemplos de futuros imaginários concebidos por empresas e governos “Imaginando o futuro em 1954” https://www.youtube.com/watch?v=UaoN sFzvwqc (legenda em português) 5:27 “Productivity Future Vision” https://www.youtube.com/watch?v=a6cN dhOKwi0 (somente música) 6:17 “A Day Made of Glass 2: Same Day. Expanded Corning Vision (2012)” https://www.youtube.com/watch?v=jZkHp NnXLB0 (somente música) 5:58 Analisar Tipos de tecnologias imaginadas São futuros utópicos ou distópicos? Que modelo de sociedade e de trabalho esses vídeos apresentam?
  • 17. Futuros imaginários na educação Alguns exemplos de futuros imaginários em sala de aula “Rey's Story: School of Thought--A Vision for the Future of Learning” https://www.youtube.com/watch?v=B- gHVjv4_c4 (audio em inglês, mas pode ser compreendido com as imagens) 6:06 “Microsoft Vision of the Classroom of the Future” https://www.youtube.com/watch?v=aJu6G vA7jN8 (somente música) 5:48 “Bridging Our Future (long)” https://www.youtube.com/watch?v=BYMd -7Ng9Y8 (somente música) 3:16 Analisar Tipos de tecnologias imaginadas O que fazem de diferente no ensino? Qual a relação entre professores e alunos? Que espaços o aluno transita durante sua aprendizagem?
  • 18. Leitura 2 (opcional) o autor Felinto é professor da UERJ no Programa de Pós-graduação em Comunicação Social. Entre diversas obras, é autor do livro “A Religião das Máquinas” em que trata do imaginário tecnológico ao redor da cibercultura e sua relação com os desejos de transcendência do corpo através das tecnologias digitais.
  • 19. Leitura 2 (opcional) pontos de discussão Robôs e autômatos são máquinas artificiais que realizam ações semelhantes aos humanos. Trazem uma ambiguidade: representam o poder criativo do homem (fascínio), mas trazem temores sobre as consequências de sua criação (estranheza). A máquina pode ir de serviçal útil a destruidor.
  • 20. Leitura 2 (opcional) pontos de discussão A criação de seres artificiais ressurge com esperança renovada através das tecnologias digitais. A ficção imaginou inúmeros seres artificiais. Há um desejo, na narrativa utópica da cibercultura, de transcender as limitações do corpo (nossa finitude), aproximando-se das narrativas religiosas.
  • 21. Leitura 2 (opcional) autômatos Autômatos na literatura Frankenstein Obra de Mary Shelley, escritora londrina, publicado em 1818. Considerada a primeira obra de ficção científica. http://www.uel.br/grup o- pesquisa/imagicom/wp - content/uploads/Frank enstein-boris-karlof-em- A-Noiva-de-Frank.jpg
  • 22. Leitura 2 (opcional) autômatos Autômatos no cinema Robô Maschinenmensch (máquina-humano) Obra cinematográfica de do austríaco Fritz Lang, produzida em 1927 na Alemanha, com 153 min. Considerada a obra mais cara filmada na Europa até aquele momento. O filme é baseado no romance de Thea von Harbou. http://i.ytimg.com/vi/Q 0NzALRJifI/maxresdefa ult.jpg
  • 23. Leitura 2 (opcional) autômatos Autômatos no cinema A Matrix é gerada por um superorganismo planetário artificial Obra cinematográfica dirigida pelos irmãos Wachowski, lançada em três partes a partir de 1999. A obra segue o estilo cyberpunk, distópico, em que o humano é degradado em seu ambiente social apesar das tecnologias avançadas. http://vignette4.wikia.no cookie.net/matrix/image s/1/12/Powerplant_field s2560-1600- 178.jpg/revision/latest?c b=20140504002340
  • 24. Leitura 2 (opcional) autômatos Autômatos no cinema A Matrix é gerada por um superorganismo planetário artificial No desenho animado Animatrix The Second Renaissance (Segundo renascimento), dos irmãos Wachowski, 20 min, lançado em 2003, conta-se a história da guerra com as máquina (autômatos) que resultou na criação da Matrix. http://k40.kn3.net/tari nga/1/4/5/6/2/3/8/bl ackpill/C8D.jpg?7306 https://pt.wikipedia.org /wiki/Animatrix
  • 25. Atividade da próxima aula Assistiremos o filme “Piratas do Vale do Silício” (95 min) sobre as origens da fundação da Microsoft e da Apple no fim dos anos 70, empresas da informática que existem até hoje.