SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Prod. de M a t . Di d. 2020.1 – PPGEB Mestrado Profissional em Educação Bilíngue
TEXTO 1 - Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes: articulando pesquisas sobre letramento,
matrizes de linguagem e artefatos surdos
Taveira e Rosado (2013) fazem um apelo ao estudo e ao uso do imagético; a busca pela imagem acrescenta outros
olhares ao letramento, à leitura, à escrita e à produção literária. Diante disso, investiga-se a questão visual, o
letramento visual, a necessidade de se ler a imagem como texto, além de se considerar as pistas visuais de contexto.
Após esse esforço discute-se a importância do letramento verbal, no sentido de ler o texto como imagem. Essas
práticas pedagógicas visuais circulam e permeiam outras práticas. Foi prioritário estudá-las dada a especificidade e a
pertinência que demonstram os professores instrutores surdos ao aplicá-las, o que pode impulsionar mais
adequadamente a escolarização de alunos surdos.
Referências: Revista Espaço, Rio de Janeiro, nº 39, jan. / jun. 2013, p. 27-42
Autor Foto Livro Citação
Lucia Reily é
uma
pesquisadora no
campo de Artes
Visuais e da
Educação
Especial,
preocupando-se
com a utilização
da imagem na
ação
pedagógica e no
ensino de Artes.
Lucia Reily REILY, L. Escola
inclusiva: Linguagem e
mediação. Campinas,
SP: Papirus, 2006.
Princípio democrático
de letramento visual:
(...), se a palavra é para
todos, a imagem
também tem de ser
Lucia Santaella
possui estudos
de semiótica no
campo da
comunicação
tendo como
foco o conceito
proposto por
ela de matrizes
de linguagem.
Lucia Santaella SANTAELLA, L. Matrizes
da linguagem e
pensamento: sonora
visual verbal: aplicações
na hipermídia. São
Paulo: Iluminuras:
FAPESP, 2005.
A multiplicidade de
formas de linguagens e
os canais em que as
linguagens se
materializam
demonstram
combinações e
misturas, das três
matrizes lógicas de
linguagem: verbal,
visual e sonora.
Conceito-
chave
Imagem Conceito Na prática
Pensamento O Pensamento é
processo, ato de
mediação
interpretativa.
Processo entre nós
e os fenômenos da
existência e
experiência
Qualquer coisa que
esteja presente à
mente: frases
verbais, a imagens,
diagramas relações
de qualquer
espécie, reações ou
sentimentos. Isso
tudo deve ser
considerado como
pensamento.
Signo O signo intenta
representar, em
parte, pelo menos,
um objeto que é,
portanto, num
certo sentido, a
causa do signo.
Signo =
significante +
significado
O signo precisa
afetar a nossa
mente de tal modo
que determine, em
nossa mente, algo
que é provocado,
sugerido, pelo
objeto.
Significante O significante é a
forma.
É o elemento
perceptível do
signo e que
constitui, de certo
modo, uma
imagem material
da linguagem: a
acústica, a palavra-
imagem, imagem
corporal.
Situa-se ao olhar ou
ouvir no plano da
forma, isto é, a
parte material que
está diante de nós e
esperando ser
interpretada com
olhos ou ouvidos ou
tato.
Significado O Significado é
aquilo que se
desloca, ou seja, o
signo que acaba
por se traduzir em
outro signo. O
significado de um
signo ou
pensamento é
outro signo ou
pensamento.
Ao recorrer à busca
de significado de
uma palavra ou
sinal no dicionário,
recorre-se a uma, a
outras palavras ou
sinais, deslizando
em significados
para substituir o
anterior.
Interpretante O interpretante,
por sua vez, não é
o intérprete do
signo, mas o
processo relacional
que se cria na sua
mente intérprete.
Produz na nossa
mente
interpretadora
outro signo (uma
imagem mental ou
palpável, uma ação,
uma palavra ou
reação gestual, um
sentimento).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Denise Oliveira
 
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos Nilda de Oliveira Campos
 
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusivaOs papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusivaThemeni Caroline
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoVivi Veloso
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Sinal de Acesso
 
Alfabetizar letrando
Alfabetizar letrandoAlfabetizar letrando
Alfabetizar letrandoangelafreire
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDenise Oliveira
 
Colégio dom aguirre
Colégio dom aguirreColégio dom aguirre
Colégio dom aguirrelygia almeida
 
Metodologias educacionais para alunos surdos
Metodologias educacionais para alunos surdosMetodologias educacionais para alunos surdos
Metodologias educacionais para alunos surdosMatheus Lincoln
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOJulhinha Camara
 
Potugues - Libras Completo
Potugues - Libras CompletoPotugues - Libras Completo
Potugues - Libras CompletoHudson Augusto
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Librasunidadebetinho
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoSuelen Ramos
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaJomari
 
Reinvenção da alfabetização
Reinvenção da alfabetizaçãoReinvenção da alfabetização
Reinvenção da alfabetizaçãoFabiana Esteves
 
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da língua
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da línguaAlfabetização e letramento repensando a prática de ensino da língua
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da línguaGraça Barros
 

Mais procurados (20)

Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.Tangolomangos oralidade leitura.
Tangolomangos oralidade leitura.
 
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos
Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos
 
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusivaOs papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
 
Letramento E Surdez
Letramento E SurdezLetramento E Surdez
Letramento E Surdez
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
 
Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2
 
Alfabetizar letrando
Alfabetizar letrandoAlfabetizar letrando
Alfabetizar letrando
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
 
Colégio dom aguirre
Colégio dom aguirreColégio dom aguirre
Colégio dom aguirre
 
Metodologias educacionais para alunos surdos
Metodologias educacionais para alunos surdosMetodologias educacionais para alunos surdos
Metodologias educacionais para alunos surdos
 
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOCONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINAR NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
De que bilinguismo falamos na formação de professores?
De que bilinguismo falamos na formação de professores?De que bilinguismo falamos na formação de professores?
De que bilinguismo falamos na formação de professores?
 
Potugues - Libras Completo
Potugues - Libras CompletoPotugues - Libras Completo
Potugues - Libras Completo
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
 
Reinvenção da alfabetização
Reinvenção da alfabetizaçãoReinvenção da alfabetização
Reinvenção da alfabetização
 
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da língua
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da línguaAlfabetização e letramento repensando a prática de ensino da língua
Alfabetização e letramento repensando a prática de ensino da língua
 

Semelhante a PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos

E - Pibid - apresentação aquecimento global
E - Pibid - apresentação aquecimento globalE - Pibid - apresentação aquecimento global
E - Pibid - apresentação aquecimento globalMayara2018
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfRaabedosSantosBorges
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIOAmábile Piacentine
 
Alfabetização e Linguagem.pptx
Alfabetização e Linguagem.pptxAlfabetização e Linguagem.pptx
Alfabetização e Linguagem.pptxJanainaBorba4
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagemDllubia
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaEspaço da Criatividade Encantado
 
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015DafianaCarlos
 
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinTrês de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinCursoTICs
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e linguaMoises Ribeiro
 
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptx
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptxDidática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptx
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptxGessAlves
 
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasNovos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasFelipeNbrega12
 
Atividade3334deborahb
Atividade3334deborahbAtividade3334deborahb
Atividade3334deborahbescola
 
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADE
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADEANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADE
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADEDafianaCarlos
 
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...Carlos Júnior
 

Semelhante a PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos (20)

E - Pibid - apresentação aquecimento global
E - Pibid - apresentação aquecimento globalE - Pibid - apresentação aquecimento global
E - Pibid - apresentação aquecimento global
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
 
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
 
aula 5.doc
aula 5.docaula 5.doc
aula 5.doc
 
Alfabetização e Linguagem.pptx
Alfabetização e Linguagem.pptxAlfabetização e Linguagem.pptx
Alfabetização e Linguagem.pptx
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015
TRABALHOS APROVADOS PARA O VEEV 2015
 
Linguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptxLinguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptx
 
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso TuzzinTrês de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
Três de Maio - Maria Iraci Cardoso Tuzzin
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
 
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptx
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptxDidática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptx
Didática da Língua Portuguesa: Eixos da Língua Portuguesa pptx
 
B praticas deleitura
B praticas deleituraB praticas deleitura
B praticas deleitura
 
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguasNovos letramentos e planejamento de cursos de línguas
Novos letramentos e planejamento de cursos de línguas
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
hghghjghgh
hghghjghghhghghjghgh
hghghjghgh
 
Atividade3334deborahb
Atividade3334deborahbAtividade3334deborahb
Atividade3334deborahb
 
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADE
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADEANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADE
ANAIS DO V ENCONTRO DE EDUCAÇÃO E VISUALIDADE
 
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...
O DESIGN DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: IMPLICAÇÕES PARA O PROCESSO DE PRODUÇÃO ...
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos

  • 1. Prod. de M a t . Di d. 2020.1 – PPGEB Mestrado Profissional em Educação Bilíngue TEXTO 1 - Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes: articulando pesquisas sobre letramento, matrizes de linguagem e artefatos surdos Taveira e Rosado (2013) fazem um apelo ao estudo e ao uso do imagético; a busca pela imagem acrescenta outros olhares ao letramento, à leitura, à escrita e à produção literária. Diante disso, investiga-se a questão visual, o letramento visual, a necessidade de se ler a imagem como texto, além de se considerar as pistas visuais de contexto. Após esse esforço discute-se a importância do letramento verbal, no sentido de ler o texto como imagem. Essas práticas pedagógicas visuais circulam e permeiam outras práticas. Foi prioritário estudá-las dada a especificidade e a pertinência que demonstram os professores instrutores surdos ao aplicá-las, o que pode impulsionar mais adequadamente a escolarização de alunos surdos. Referências: Revista Espaço, Rio de Janeiro, nº 39, jan. / jun. 2013, p. 27-42 Autor Foto Livro Citação Lucia Reily é uma pesquisadora no campo de Artes Visuais e da Educação Especial, preocupando-se com a utilização da imagem na ação pedagógica e no ensino de Artes. Lucia Reily REILY, L. Escola inclusiva: Linguagem e mediação. Campinas, SP: Papirus, 2006. Princípio democrático de letramento visual: (...), se a palavra é para todos, a imagem também tem de ser Lucia Santaella possui estudos de semiótica no campo da comunicação tendo como foco o conceito proposto por ela de matrizes de linguagem. Lucia Santaella SANTAELLA, L. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora visual verbal: aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras: FAPESP, 2005. A multiplicidade de formas de linguagens e os canais em que as linguagens se materializam demonstram combinações e misturas, das três matrizes lógicas de linguagem: verbal, visual e sonora.
  • 2. Conceito- chave Imagem Conceito Na prática Pensamento O Pensamento é processo, ato de mediação interpretativa. Processo entre nós e os fenômenos da existência e experiência Qualquer coisa que esteja presente à mente: frases verbais, a imagens, diagramas relações de qualquer espécie, reações ou sentimentos. Isso tudo deve ser considerado como pensamento. Signo O signo intenta representar, em parte, pelo menos, um objeto que é, portanto, num certo sentido, a causa do signo. Signo = significante + significado O signo precisa afetar a nossa mente de tal modo que determine, em nossa mente, algo que é provocado, sugerido, pelo objeto. Significante O significante é a forma. É o elemento perceptível do signo e que constitui, de certo modo, uma imagem material da linguagem: a acústica, a palavra- imagem, imagem corporal. Situa-se ao olhar ou ouvir no plano da forma, isto é, a parte material que está diante de nós e esperando ser interpretada com olhos ou ouvidos ou tato. Significado O Significado é aquilo que se desloca, ou seja, o signo que acaba por se traduzir em outro signo. O significado de um signo ou pensamento é outro signo ou pensamento. Ao recorrer à busca de significado de uma palavra ou sinal no dicionário, recorre-se a uma, a outras palavras ou sinais, deslizando em significados para substituir o anterior. Interpretante O interpretante, por sua vez, não é o intérprete do signo, mas o processo relacional que se cria na sua mente intérprete. Produz na nossa mente interpretadora outro signo (uma imagem mental ou palpável, uma ação, uma palavra ou reação gestual, um sentimento).