SlideShare uma empresa Scribd logo
Cultura hacker: origem e ideário
Leitura
pontos de discussão
A ética do trabalho protestante
e sua relação com os valores do
capitalismo da revolução
industrial.
Os hackers subvertem esse
modelo de trabalho clássico,
em que a acumulação de
capital é secundária e o foco
está na motivação pela
atividade desenvolvida no
trabalho.
Há uma diferença de hackers e
crackers, os invasores e
violadores de sistemas
informáticos.
Leitura
pontos de discussão
“O termo hacker, que Himanen
resgata, surgiu, no início dos anos
1960, como a autodenominação
utilizada por um grupo de jovens
programadores do Massachusetts
Institute of Technology (MIT), que
tinham em comum o gosto pelos
estudos, o apurado conhecimento
de informática e o jeito passional
de lidar com os negócios.”
Jeito passional: trabalho
obsessivo e por prazer (sem visar
o dinheiro), ritmo próprio, crença
em grandes realizações, união de
forças. O “jeito hacker de ser” não
se limitaria à informática.
Cultura hacker
5 princípios
(1) a colaboração
comunitária como forma
de resolução de problemas
(2) a recusa de uma
autoridade central e de
hierarquias burocráticas
de governos e grandes
empresas
(3) o julgamento pelo
trabalho realizado e não
por titulação acadêmica
(4) o acesso ilimitado aos
computadores, permitindo
a criação de arte e coisas
belas
(5) a liberdade de acesso e
compartilhamento de
informações através da
transparência dos dados
disponibilizados
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
pós-guerra
A contracultura tem
sua força nos anos 60
a partir de
movimentos de
contestação de
padrões sociais
estabelecidos, sendo
difundida pelos meios
de comunicação em
massa.
Após a 2ª Guerra
Mundial, o mundo vive
a tensão de um
possível fim através do
holocausto nuclear.
http://www.myyearof
mardigras.com/wp-
content/uploads/201
3/06/nuclear_explosi
on_by_theabp-
d59sy3y.jpg
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
Geração “Beat”
Os movimentos de
contestação das
convenções da classe
média, liderados por
jovens poetas e
escritores
universitários nos anos
40 e 50 nos EUA,
forneceu as bases do
movimento hippie nos
anos 60.
A geração “Beat”
desafiou a monotonia
através do uso de
drogas, música (jazz),
sexo livre e longas
viagens através dos
EUA. Não
conformidade e
criatividade eram
bases do movimento.
https://pt.wikipedia.org/wiki/
Gera%C3%A7%C3%A3o_Beat
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
movimento hippie
A contracultura é
liderada por jovens
com espírito libertário
através de uma
cultura marginal e
alternativa, visando a
transformação de
consciência, valores e
comportamentos,
sendo o movimento
hippie considerado o
seu auge.
O símbolo hippie da
paz é formado pelas
letras N e D, criado em
1958 por Gerald
Holtom, designer
inglês.
http://3.bp.blogspot.com/-
d_kcd3inVog/U1UyUVKnrqI/AAA
AAAAADV4/xT47aFvUx9k/s160
0/Se%CC%81maphore-Nuclear-
Disarmament.gif
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
movimento hippie
Registros do festival de
música Woodstock,
símbolo do movimento
da contracultura norte-
americana, ocorrido em
uma vila do estado
americano de Nova
Iorque em 1969,
reunindo 450 mil
pessoas durante três
dias.
http://www.hypeness.co
m.br/2015/01/woodsto
ck-fotos-ineditas-
mostram-a-magia-do-
festival-de- musica-
mais-marcante-da-
historia/
http://www.hypeness.co
m.br/2013/09/veja-
fotos-ineditas-festival-
woodstock/
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
movimento hippie
Registros do festival de
música Woodstock,
símbolo do movimento
da contracultura norte-
americana, ocorrido em
uma vila do estado
americano de Nova
Iorque em 1969,
reunindo 450 mil
pessoas durante três
dias.
http://www.hypeness.co
m.br/2015/01/woodsto
ck-fotos-ineditas-
mostram-a-magia-do-
festival-de- musica-
mais-marcante-da-
historia/
http://www.hypeness.co
m.br/2013/09/veja-
fotos-ineditas-festival-
woodstock/
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
modo de vida hippie dos anos 60 e 70
Participação coletiva e
Modo de vida
comunitário (socialismo
anarquista)
Liberdade política,
sexual e de expressão
criativa
Comunhão com a
natureza e não violência
Contra os valores da
classe média americana
e o capitalismo em geral
Arte musical e visual
como difusão do
movimento
Origens da cultura hacker
A contracultura estadunidense
comunidades autossustentáveis
As comunidades
autossustentáveis se
afastaram do modelo
de consumo das
grandes cidades.
O cultivo dos próprios
alimentos leva a um
estilo próprio de
alimentação: frutas,
verduras e alimentos
integrais.
http://1.bp.blogspot.co
m/_Ijk5FGQE5Sw/S7UV
XAz5XaI/AAAAAAAAAS
4/NIVxkH9IZxU/s1600/
Peter+simon+COMMUN
E+Dancing.jpg
Origens da cultura hacker
Os centros universitários de tecnologia
O MIT é o Massachusetts
Institute of Technology,
uma instituição de
pesquisa privada
localizada na cidade de
Cambridge no estado
norte-americano de
Massachusetts.
Foi criada em 1861 face
à crescente
industrialização dos EUA,
focando-se em ciência
aplicada e engenharia.
Do MIT já saíram mais de
70 prêmios Nobel.
Atualmente 8 docentes
premiados são docentes
da instituição.
http://i.huffpost.com/gen/
1618084/images/o-
MASSACHUSETTS-
INSTITUTE-OF-
TECHNOLOGY-facebook.jpg
https://pt.wikipedia.org/wi
ki/Instituto_de_Tecnologia_
de_Massachusetts
Origens da cultura hacker
Os centros universitários de tecnologia
Há uma relação entre
o modo de trabalhar
dos intelectuais
universitários e os
princípios da cultura
hacker, nascido nas
universidades
americanas.
O trabalho criativo, a
busca de inovações, o
julgamento pela
comunidade, o
reconhecimento social
pelo trabalho, o olhar
para o objetivo a ser
atingido são princípios
intimamente ligados
ao fazer acadêmico.
Ao lado vemos
acadêmicos
trabalhando no MIT.
http://mitadmissions.org
/blogs/entry/a_halfcentu
ry_of_hacking
(1) Problema/lacuna
de pesquisa
(motivação)
(2) Consulta aos pares
e às pesquisas prévias
(3) Realização da
pesquisa
(4) Discussão na
comunidade
acadêmica
(argumentação)
(5) Publicação da
pesquisa à toda
comunidade (abertura
da solução temporária)
Origens da cultura hacker
hackers nos centros universitários: inspiração no
modelo acadêmico de trabalho
Origens da cultura hacker
Os centros universitários de tecnologia
A antítese do modelo
hacker de trabalho livre
seria a empresa
Microsoft de Bill Gates
(hoje comandada por
outros CEOs), com o
fechamento dos códigos
fonte dos seus programas
(Windows, Office),
inacassíveis à
comunidade de
programadores, e a
orientação do trabalho
voltado ao lucro.
Capa da Revista Time de
1995.
http://content.time.com/ti
me/covers/0,16641,1995
0605,00.html
https://cdn1.vox-
cdn.com/thumbor/ns4L8j7
sq0XG6afPsAsA6LInXOA=/
0x53:1019x626/1600x90
0/cdn0.vox-
cdn.com/uploads/chorus_i
mage/image/46725562/
windows10boxart.0.0.jpg
O crescimento da
internet (primórdios)
Mapa com os
primeiros locais com
computadores sendo
interligados em redes
de transferência de
dados e
comunicação. A
Arpanet no ano de
1970.
http://som.csudh.ed
u/fac/lpress/history/
arpamaps/f7dec197
0.jpg
O crescimento da
internet (primórdios)
Aqui podemos ver o
crescimento entre
1969 e 1977
http://www.allen-
riley.com/utopia/arp
anet.png
O crescimento da
internet (primórdios)
A Arpanet cresce e
12 anos depois, em
1982, já forma uma
complexa rede.
http://cdn2.vox-
cdn.com/assets/446
3451/G82Feb.jpg
Vamos assistir?
conheça o Vale do Silício
Visita ao Vale do Silício:
empresas LG e Netflix
“Conheça o Vale do Silício, o maior polo
mundial de tecnologia”
https://www.youtube.com/watch?v=UC
aldFdcOm0 (áudio em português /
necessidade de interpretação) 6:52
Vamos assistir?
conheça o Vale do Silício
Analisar os discursos
Modo de trabalho das empresas
visitadas: discurso da liberdade de
presença no trabalho e vínculo aos
projetos (presença e tempo no trabalho
relativizados).
A ideia de colaboração harmônica entre
funcionários e setores.
A relação com os problemas como
pontos de partida.
Crítica ao modelo de trabalho brasileiro
(CLT) – ideia de flexibilização do
trabalho.
Softwares livres
O software livre
conceito
Um software livre é
aquele em que seu
código pode ser
acessado e
modificado sem que
seja necessária a
permissão de um
proprietário,
permitindo a seu
usuário (ou
comunidade de
usuários) a liberdade
de execução e
adaptação às suas
necessidades.
O software livre
conceito
Um software livre é
licenciado através
de licenças livres,
que permitem a
intervenção e
modificação por
outras pessoas,
que se tornam
também autoras.
http://www.juventud
e.gov.pt/Eventos/Tec
nologia/PublishingIm
ages/licencas.JPG
O software livre
o que é um código fonte?
O código fonte é o
conjunto de palavras ou
símbolos escritos de
forma ordenada,
contendo instruções em
uma das linguagens de
programação
existentes, de maneira
lógica.
É através de um código
fonte que um programa
de computador é
construído.
O código fonte pode ser
aberto, acessível a
outras pessoas para
modificarem, ou
fechado, em linguagem
inacessível.
O software livre
linux
O software livre mais
conhecido é o sistema
operacional Linux,
criado por Linus
Torvalds em 1991 e
abraçado por uma
comunidade de
programadores que o
desenvolveu.
Eles pode ser copiado
livremente e adaptado
por seus usuários.
Existem várias
distribuições, entre elas
o Ubuntu Linux, hoje na
versão 15.10.
http://i1-
news.softpedia-
static.com/images/new
s2/Ubuntu-15-04-Gets-
Linux-Kernel-3-18-
467083-4.jpg
O software livre
Linux educacional
No Brasil o Governo
Federal criou o Linux
Educacional, distribuição
Linux voltada de modo
específico para as
escolas públicas,
contendo ferramentas
para professores e alunos
do ensino fundamental e
médio.
A versão 5.0 foi
desenvolvida pelo Centro
de Computação Científica
e Software Livre (C3SL)
da Universidade Federal
do Paraná (UFPR).
http://linuxeducacional.c
3sl.ufpr.br/
http://linuxeducacional.c
om/pluginfile.php/11126
/mod_book/chapter/5/i
mage020.png
O software livre
pacote de escritório
O LibreOffice é uma
suíte de aplicativos
equivalente ao
Microsoft Office, criada
em 2010. É
disponibilizada em
várias plataformas,
como Windows e Linux,
e trabalha com
formatos de arquivo
abertos. É compatível
com os arquivos criados
no Office da Microsoft.
https://pt.wikipedia.org
/wiki/LibreOffice
https://upload.wikimedi
a.org/wikipedia/commo
ns/3/34/LibreOffice_W
riter_3.3.png
O software livre
editor de imagem
O Gimp é um projeto
criado em 1995 por
Spencer Kimball e Peter
Mattis, quando
desenvolveram o
mesmo como um
projeto para a
faculdade. Está
disponível para diversas
plataformas, como
Windows e Linux.
Ele é uma alternativa ao
Adobe Photoshop e
serve para editoração
de imagens.
https://pt.wikipedia.org
/wiki/GIMP
http://images.pcworld.c
om/news/graphics/211
464-gimp-screen-
capture_900_original.jp
g
O software livre
editor de audio
O Audacity é um editor
de código aberto,
gratuito, criado em
2000, disponível em 50
idiomas e para várias
plataformas, como
Linux e Windows.
https://pt.wikipedia.org
/wiki/Audacity
http://cdn.portableapps
.com/AudacityPortable.
png
O software livre
editor de video
O Blender é um
software de código
aberto criado em 1998
pela Blender
Foundation. Ele serve
tanto para modelagem
3D quanto para edição
de video. Ele pode ser
instalado em diversas
plataformas, incluindo
Windows e Linux.
https://pt.wikipedia.org
/wiki/Blender
http://www.blendernati
on.com/wp-
content/uploads/2013/
11/BlenderScreenShot.
png
Vamos assistir?
Bill Gates e
Steve Jobs juntos
Entrevista com Bill Gates e Steve
Jobs
Nesta entrevista, ocorrida em 2007, os
dois principais empresários da
computação falam de sua história e de
suas concepções para seus produtos.
https://www.youtube.com/watch?v=pO
0AlZ2gjRA (legendas em português)
43:10
Leitura
para próxima aula
SELWYN, Neil (2011).
Em Defesa da Diferença Digital:
Uma Abordagem Crítica Sobre
os Desafios Curriculares da
Web 2.0.
In Dias, P. & Osório, A, (Orgs.)
(2011). Aprendizagem
(In)Formal na Web Social.
Braga: Centro de Competência
da Universidade do Minho.
Artigo completo disponível em
PDF
https://www.academia.edu/4098764/En_
defesa_da_diferenca_digtal_uma_abordag
em_critica_sobre_os_desafios_curriculares
_da_web_2.0

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha GabrielInovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Aula 01- web designer
Aula 01- web designerAula 01- web designer
Aula 01- web designer
Roney Sousa
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
Grazi Mendes Rangel
 
Aula 03 história da publicidade e propaganda
Aula 03   história da publicidade e propagandaAula 03   história da publicidade e propaganda
Aula 03 história da publicidade e propaganda
Elizeu Nascimento Silva
 
Lei de informática
Lei de informáticaLei de informática
Lei de informática
Danilo Câmara
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
Alan Vasconcelos
 
Ihc 01-conceitos básicos
Ihc 01-conceitos básicosIhc 01-conceitos básicos
Ihc 01-conceitos básicos
Eduardo Xavier
 
Presença digital
Presença digitalPresença digital
Presença digital
Janaina Spolidorio
 
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa QualitativaEstrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Felipe Silva
 
Pitch de vendas
Pitch de vendasPitch de vendas
Pitch de vendas
Guto Xavier
 
Métricas e Indicadores em Projetos Ágeis
Métricas e Indicadores em Projetos ÁgeisMétricas e Indicadores em Projetos Ágeis
Métricas e Indicadores em Projetos Ágeis
Vitor Pelizza
 
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaTecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Daniel Caixeta
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Aline Corso
 
Processos de designer
Processos de designerProcessos de designer
Processos de designer
Luciana de Oliveira
 
Toolkit de Design Thinking Echos
Toolkit de Design Thinking EchosToolkit de Design Thinking Echos
Toolkit de Design Thinking Echos
Colaborativismo
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Maristela Meireles
 
Интервью с пользователями
Интервью с пользователямиИнтервью с пользователями
Интервью с пользователями
Собака Павлова
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária i
Katia Manangão
 
Curso Scratch 2015
Curso Scratch 2015Curso Scratch 2015
Curso Scratch 2015
Pedro Henrique Cacique Braga
 
Usabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - DefiniçõesUsabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - Definições
Luiz Agner
 

Mais procurados (20)

Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha GabrielInovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
Inovacao e Criatividade, por Martha Gabriel
 
Aula 01- web designer
Aula 01- web designerAula 01- web designer
Aula 01- web designer
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
 
Aula 03 história da publicidade e propaganda
Aula 03   história da publicidade e propagandaAula 03   história da publicidade e propaganda
Aula 03 história da publicidade e propaganda
 
Lei de informática
Lei de informáticaLei de informática
Lei de informática
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
Ihc 01-conceitos básicos
Ihc 01-conceitos básicosIhc 01-conceitos básicos
Ihc 01-conceitos básicos
 
Presença digital
Presença digitalPresença digital
Presença digital
 
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa QualitativaEstrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
Estrutura de Procedimento da Pesquisa Qualitativa
 
Pitch de vendas
Pitch de vendasPitch de vendas
Pitch de vendas
 
Métricas e Indicadores em Projetos Ágeis
Métricas e Indicadores em Projetos ÁgeisMétricas e Indicadores em Projetos Ágeis
Métricas e Indicadores em Projetos Ágeis
 
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaTecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Processos de designer
Processos de designerProcessos de designer
Processos de designer
 
Toolkit de Design Thinking Echos
Toolkit de Design Thinking EchosToolkit de Design Thinking Echos
Toolkit de Design Thinking Echos
 
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de InovaçãoDesign Thinking e Ferramentas de Inovação
Design Thinking e Ferramentas de Inovação
 
Интервью с пользователями
Интервью с пользователямиИнтервью с пользователями
Интервью с пользователями
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária i
 
Curso Scratch 2015
Curso Scratch 2015Curso Scratch 2015
Curso Scratch 2015
 
Usabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - DefiniçõesUsabilidade, IHC - Definições
Usabilidade, IHC - Definições
 

Destaque

Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Destaque (7)

Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 

Semelhante a Cultura hacker: origem e ideário

Seminário A ética na sociedade
Seminário A ética na sociedadeSeminário A ética na sociedade
Seminário A ética na sociedade
Jorge Prado
 
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias DigitaisRedes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Elvis Fusco
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Dalton Martins
 
Cultura hacker e jornalismo digital 2017
Cultura hacker e jornalismo digital 2017Cultura hacker e jornalismo digital 2017
Cultura hacker e jornalismo digital 2017
Leonardo Foletto
 
Apresentacao final p&d
Apresentacao final p&dApresentacao final p&d
Apresentacao final p&d
Sagui Lab
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
Raul Campos Nascimento Nascimento
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
Raul Campos Nascimento Nascimento
 
Jornalismo (experimental) hacker
Jornalismo (experimental) hackerJornalismo (experimental) hacker
Jornalismo (experimental) hacker
Leonardo Foletto
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
Raul Campos Nascimento Nascimento
 
Tecnopolítica e contracultura
Tecnopolítica e contraculturaTecnopolítica e contracultura
Tecnopolítica e contracultura
Leonardo Foletto
 
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
Fernando Palma
 
Ética hacker
Ética hackerÉtica hacker
Ética hacker
Laís Berlatto
 
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
Profa Karen Borges
 
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includenteConstruindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Ricardo de Sampaio Dagnino
 
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_maliniGt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Maria Flores
 
Ambientes colaborativos
Ambientes colaborativosAmbientes colaborativos
Ambientes colaborativos
Ana Carolina Simionato
 
Ambientes Colaborativos
Ambientes ColaborativosAmbientes Colaborativos
Ambientes Colaborativos
Jaider Andrade Ferreira
 
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabrAnálise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
Tarcízio Silva
 
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Talita Moretto
 
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICATRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
marketinghacker
 

Semelhante a Cultura hacker: origem e ideário (20)

Seminário A ética na sociedade
Seminário A ética na sociedadeSeminário A ética na sociedade
Seminário A ética na sociedade
 
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias DigitaisRedes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
 
Cultura hacker e jornalismo digital 2017
Cultura hacker e jornalismo digital 2017Cultura hacker e jornalismo digital 2017
Cultura hacker e jornalismo digital 2017
 
Apresentacao final p&d
Apresentacao final p&dApresentacao final p&d
Apresentacao final p&d
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
 
Jornalismo (experimental) hacker
Jornalismo (experimental) hackerJornalismo (experimental) hacker
Jornalismo (experimental) hacker
 
Como as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundoComo as redes podem mudar o mundo
Como as redes podem mudar o mundo
 
Tecnopolítica e contracultura
Tecnopolítica e contraculturaTecnopolítica e contracultura
Tecnopolítica e contracultura
 
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
 
Ética hacker
Ética hackerÉtica hacker
Ética hacker
 
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
Makerspaces e FabLabs: o que isso tem a ver com computação ?
 
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includenteConstruindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
 
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_maliniGt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
 
Ambientes colaborativos
Ambientes colaborativosAmbientes colaborativos
Ambientes colaborativos
 
Ambientes Colaborativos
Ambientes ColaborativosAmbientes Colaborativos
Ambientes Colaborativos
 
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabrAnálise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
Análise de Redes em Mídias Sociais: Começando sem Erros #codabr
 
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
 
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICATRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - Fotografia
 
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 

Cultura hacker: origem e ideário

  • 2. Leitura pontos de discussão A ética do trabalho protestante e sua relação com os valores do capitalismo da revolução industrial. Os hackers subvertem esse modelo de trabalho clássico, em que a acumulação de capital é secundária e o foco está na motivação pela atividade desenvolvida no trabalho. Há uma diferença de hackers e crackers, os invasores e violadores de sistemas informáticos.
  • 3. Leitura pontos de discussão “O termo hacker, que Himanen resgata, surgiu, no início dos anos 1960, como a autodenominação utilizada por um grupo de jovens programadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), que tinham em comum o gosto pelos estudos, o apurado conhecimento de informática e o jeito passional de lidar com os negócios.” Jeito passional: trabalho obsessivo e por prazer (sem visar o dinheiro), ritmo próprio, crença em grandes realizações, união de forças. O “jeito hacker de ser” não se limitaria à informática.
  • 4. Cultura hacker 5 princípios (1) a colaboração comunitária como forma de resolução de problemas (2) a recusa de uma autoridade central e de hierarquias burocráticas de governos e grandes empresas (3) o julgamento pelo trabalho realizado e não por titulação acadêmica (4) o acesso ilimitado aos computadores, permitindo a criação de arte e coisas belas (5) a liberdade de acesso e compartilhamento de informações através da transparência dos dados disponibilizados
  • 5. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense pós-guerra A contracultura tem sua força nos anos 60 a partir de movimentos de contestação de padrões sociais estabelecidos, sendo difundida pelos meios de comunicação em massa. Após a 2ª Guerra Mundial, o mundo vive a tensão de um possível fim através do holocausto nuclear. http://www.myyearof mardigras.com/wp- content/uploads/201 3/06/nuclear_explosi on_by_theabp- d59sy3y.jpg
  • 6. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense Geração “Beat” Os movimentos de contestação das convenções da classe média, liderados por jovens poetas e escritores universitários nos anos 40 e 50 nos EUA, forneceu as bases do movimento hippie nos anos 60. A geração “Beat” desafiou a monotonia através do uso de drogas, música (jazz), sexo livre e longas viagens através dos EUA. Não conformidade e criatividade eram bases do movimento. https://pt.wikipedia.org/wiki/ Gera%C3%A7%C3%A3o_Beat
  • 7. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense movimento hippie A contracultura é liderada por jovens com espírito libertário através de uma cultura marginal e alternativa, visando a transformação de consciência, valores e comportamentos, sendo o movimento hippie considerado o seu auge. O símbolo hippie da paz é formado pelas letras N e D, criado em 1958 por Gerald Holtom, designer inglês. http://3.bp.blogspot.com/- d_kcd3inVog/U1UyUVKnrqI/AAA AAAAADV4/xT47aFvUx9k/s160 0/Se%CC%81maphore-Nuclear- Disarmament.gif
  • 8. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense movimento hippie Registros do festival de música Woodstock, símbolo do movimento da contracultura norte- americana, ocorrido em uma vila do estado americano de Nova Iorque em 1969, reunindo 450 mil pessoas durante três dias. http://www.hypeness.co m.br/2015/01/woodsto ck-fotos-ineditas- mostram-a-magia-do- festival-de- musica- mais-marcante-da- historia/ http://www.hypeness.co m.br/2013/09/veja- fotos-ineditas-festival- woodstock/
  • 9. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense movimento hippie Registros do festival de música Woodstock, símbolo do movimento da contracultura norte- americana, ocorrido em uma vila do estado americano de Nova Iorque em 1969, reunindo 450 mil pessoas durante três dias. http://www.hypeness.co m.br/2015/01/woodsto ck-fotos-ineditas- mostram-a-magia-do- festival-de- musica- mais-marcante-da- historia/ http://www.hypeness.co m.br/2013/09/veja- fotos-ineditas-festival- woodstock/
  • 10. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense modo de vida hippie dos anos 60 e 70 Participação coletiva e Modo de vida comunitário (socialismo anarquista) Liberdade política, sexual e de expressão criativa Comunhão com a natureza e não violência Contra os valores da classe média americana e o capitalismo em geral Arte musical e visual como difusão do movimento
  • 11. Origens da cultura hacker A contracultura estadunidense comunidades autossustentáveis As comunidades autossustentáveis se afastaram do modelo de consumo das grandes cidades. O cultivo dos próprios alimentos leva a um estilo próprio de alimentação: frutas, verduras e alimentos integrais. http://1.bp.blogspot.co m/_Ijk5FGQE5Sw/S7UV XAz5XaI/AAAAAAAAAS 4/NIVxkH9IZxU/s1600/ Peter+simon+COMMUN E+Dancing.jpg
  • 12. Origens da cultura hacker Os centros universitários de tecnologia O MIT é o Massachusetts Institute of Technology, uma instituição de pesquisa privada localizada na cidade de Cambridge no estado norte-americano de Massachusetts. Foi criada em 1861 face à crescente industrialização dos EUA, focando-se em ciência aplicada e engenharia. Do MIT já saíram mais de 70 prêmios Nobel. Atualmente 8 docentes premiados são docentes da instituição. http://i.huffpost.com/gen/ 1618084/images/o- MASSACHUSETTS- INSTITUTE-OF- TECHNOLOGY-facebook.jpg https://pt.wikipedia.org/wi ki/Instituto_de_Tecnologia_ de_Massachusetts
  • 13. Origens da cultura hacker Os centros universitários de tecnologia Há uma relação entre o modo de trabalhar dos intelectuais universitários e os princípios da cultura hacker, nascido nas universidades americanas. O trabalho criativo, a busca de inovações, o julgamento pela comunidade, o reconhecimento social pelo trabalho, o olhar para o objetivo a ser atingido são princípios intimamente ligados ao fazer acadêmico. Ao lado vemos acadêmicos trabalhando no MIT. http://mitadmissions.org /blogs/entry/a_halfcentu ry_of_hacking
  • 14. (1) Problema/lacuna de pesquisa (motivação) (2) Consulta aos pares e às pesquisas prévias (3) Realização da pesquisa (4) Discussão na comunidade acadêmica (argumentação) (5) Publicação da pesquisa à toda comunidade (abertura da solução temporária) Origens da cultura hacker hackers nos centros universitários: inspiração no modelo acadêmico de trabalho
  • 15. Origens da cultura hacker Os centros universitários de tecnologia A antítese do modelo hacker de trabalho livre seria a empresa Microsoft de Bill Gates (hoje comandada por outros CEOs), com o fechamento dos códigos fonte dos seus programas (Windows, Office), inacassíveis à comunidade de programadores, e a orientação do trabalho voltado ao lucro. Capa da Revista Time de 1995. http://content.time.com/ti me/covers/0,16641,1995 0605,00.html https://cdn1.vox- cdn.com/thumbor/ns4L8j7 sq0XG6afPsAsA6LInXOA=/ 0x53:1019x626/1600x90 0/cdn0.vox- cdn.com/uploads/chorus_i mage/image/46725562/ windows10boxart.0.0.jpg
  • 16. O crescimento da internet (primórdios) Mapa com os primeiros locais com computadores sendo interligados em redes de transferência de dados e comunicação. A Arpanet no ano de 1970. http://som.csudh.ed u/fac/lpress/history/ arpamaps/f7dec197 0.jpg
  • 17. O crescimento da internet (primórdios) Aqui podemos ver o crescimento entre 1969 e 1977 http://www.allen- riley.com/utopia/arp anet.png
  • 18. O crescimento da internet (primórdios) A Arpanet cresce e 12 anos depois, em 1982, já forma uma complexa rede. http://cdn2.vox- cdn.com/assets/446 3451/G82Feb.jpg
  • 19. Vamos assistir? conheça o Vale do Silício Visita ao Vale do Silício: empresas LG e Netflix “Conheça o Vale do Silício, o maior polo mundial de tecnologia” https://www.youtube.com/watch?v=UC aldFdcOm0 (áudio em português / necessidade de interpretação) 6:52
  • 20. Vamos assistir? conheça o Vale do Silício Analisar os discursos Modo de trabalho das empresas visitadas: discurso da liberdade de presença no trabalho e vínculo aos projetos (presença e tempo no trabalho relativizados). A ideia de colaboração harmônica entre funcionários e setores. A relação com os problemas como pontos de partida. Crítica ao modelo de trabalho brasileiro (CLT) – ideia de flexibilização do trabalho.
  • 22. O software livre conceito Um software livre é aquele em que seu código pode ser acessado e modificado sem que seja necessária a permissão de um proprietário, permitindo a seu usuário (ou comunidade de usuários) a liberdade de execução e adaptação às suas necessidades.
  • 23. O software livre conceito Um software livre é licenciado através de licenças livres, que permitem a intervenção e modificação por outras pessoas, que se tornam também autoras. http://www.juventud e.gov.pt/Eventos/Tec nologia/PublishingIm ages/licencas.JPG
  • 24. O software livre o que é um código fonte? O código fonte é o conjunto de palavras ou símbolos escritos de forma ordenada, contendo instruções em uma das linguagens de programação existentes, de maneira lógica. É através de um código fonte que um programa de computador é construído. O código fonte pode ser aberto, acessível a outras pessoas para modificarem, ou fechado, em linguagem inacessível.
  • 25. O software livre linux O software livre mais conhecido é o sistema operacional Linux, criado por Linus Torvalds em 1991 e abraçado por uma comunidade de programadores que o desenvolveu. Eles pode ser copiado livremente e adaptado por seus usuários. Existem várias distribuições, entre elas o Ubuntu Linux, hoje na versão 15.10. http://i1- news.softpedia- static.com/images/new s2/Ubuntu-15-04-Gets- Linux-Kernel-3-18- 467083-4.jpg
  • 26. O software livre Linux educacional No Brasil o Governo Federal criou o Linux Educacional, distribuição Linux voltada de modo específico para as escolas públicas, contendo ferramentas para professores e alunos do ensino fundamental e médio. A versão 5.0 foi desenvolvida pelo Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). http://linuxeducacional.c 3sl.ufpr.br/ http://linuxeducacional.c om/pluginfile.php/11126 /mod_book/chapter/5/i mage020.png
  • 27. O software livre pacote de escritório O LibreOffice é uma suíte de aplicativos equivalente ao Microsoft Office, criada em 2010. É disponibilizada em várias plataformas, como Windows e Linux, e trabalha com formatos de arquivo abertos. É compatível com os arquivos criados no Office da Microsoft. https://pt.wikipedia.org /wiki/LibreOffice https://upload.wikimedi a.org/wikipedia/commo ns/3/34/LibreOffice_W riter_3.3.png
  • 28. O software livre editor de imagem O Gimp é um projeto criado em 1995 por Spencer Kimball e Peter Mattis, quando desenvolveram o mesmo como um projeto para a faculdade. Está disponível para diversas plataformas, como Windows e Linux. Ele é uma alternativa ao Adobe Photoshop e serve para editoração de imagens. https://pt.wikipedia.org /wiki/GIMP http://images.pcworld.c om/news/graphics/211 464-gimp-screen- capture_900_original.jp g
  • 29. O software livre editor de audio O Audacity é um editor de código aberto, gratuito, criado em 2000, disponível em 50 idiomas e para várias plataformas, como Linux e Windows. https://pt.wikipedia.org /wiki/Audacity http://cdn.portableapps .com/AudacityPortable. png
  • 30. O software livre editor de video O Blender é um software de código aberto criado em 1998 pela Blender Foundation. Ele serve tanto para modelagem 3D quanto para edição de video. Ele pode ser instalado em diversas plataformas, incluindo Windows e Linux. https://pt.wikipedia.org /wiki/Blender http://www.blendernati on.com/wp- content/uploads/2013/ 11/BlenderScreenShot. png
  • 31. Vamos assistir? Bill Gates e Steve Jobs juntos Entrevista com Bill Gates e Steve Jobs Nesta entrevista, ocorrida em 2007, os dois principais empresários da computação falam de sua história e de suas concepções para seus produtos. https://www.youtube.com/watch?v=pO 0AlZ2gjRA (legendas em português) 43:10
  • 32. Leitura para próxima aula SELWYN, Neil (2011). Em Defesa da Diferença Digital: Uma Abordagem Crítica Sobre os Desafios Curriculares da Web 2.0. In Dias, P. & Osório, A, (Orgs.) (2011). Aprendizagem (In)Formal na Web Social. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho. Artigo completo disponível em PDF https://www.academia.edu/4098764/En_ defesa_da_diferenca_digtal_uma_abordag em_critica_sobre_os_desafios_curriculares _da_web_2.0