SlideShare uma empresa Scribd logo
Alexandre Rosado
Outubro de 2016 | Curso de extensão DESU-INES
í
A construção do Roteiro
Como contarei minha história?
Um roteiro se inicia com uma ideia
geradora (uma imagem mental). A
partir dela, todo processo de criação
passa a ser direcionado e começa-se a
construir uma narrativa.
A dica é sair de uma ideia/conceito
muito abstrata e pensar em situações
humanas objetivas, cotidianas, que
envolvam algum conflito ou crise e que
se chegue a uma solução ou desfecho.
Um cão observa algo pela janela. Ele está triste.
Esta imagem pode gerar um história sobre a relação do cão com seu
dono, um possível abandono. Esta situação de crise pede uma solução.
Daí pode começar um bom roteiro.
Apresentação
(mundo comum)
Clímax
Desfecho
(retorno ao mundo comum)
Ponto de virada 2Ponto de virada 1
Conflito Conflito Conflito
PRIMEIRO ATO SEGUNDO ATO TERCEIRO ATO
A ESTRUTURA TÍPICA DE UM ROTEIRO
A jornada do herói
Exemplos de
tipos de
personagens
Herói
Mentor do
herói
Vilão ou
Sombra
Protagon
istas
Coadju
vantes
Identifique na sua história quem são os
personagens e qual papel eles exercem.
O personagem Luke Skywalker é um exemplo de protagonista no
filme Guerra nas Estrelas (Star Wars)
Outro exemplo de protagonista é Harry Potter, na série de filmes
Harry Potter.
O personagem Yoda é um exemplo de mentor no filme Guerra nas
Estrelas (Star Wars)
Outro exemplo de mentor é Dumbledore, na série de filmes Harry
Potter.
O personagem Darth Vader é um exemplo de vilão no filme
Guerra nas Estrelas (Star Wars)
Outro exemplo de vilão é Voldemort, na série de filmes Harry
Potter.
Os personagens R2D2 e C3PO são exemplos de coadjuvantes no
filme Guerra nas Estrelas (Star Wars)
Outros exemplos de coadjuvantes são Hermione e Ronald, na
série de filmes Harry Potter.
Perguntas essenciais para se começar o
roteiro:
1. Quem é o protagonista? (herói ou heroína)
2. Quem, ou o quê, é o seu antagonista?
(oposição ou sombra)
3. Qual é o conflito principal do personagem?
4. Qual é o conflito principal da história?
5. Quando, como e onde acontecem as ações?
Um roteiro deve descrever personagens em ações
concretas, do enredo ao argumento.
Agora pense na história que o seu grupo recebeu.
Após a leitura da história, tente responder:
1. Quem é o protagonista e o antagonista?
2. Qual o conflito principal do protagonista?
3. Qual o conflito principal da história?
4. Quando, como e onde acontecem as ações?
É necessário distinguir quatro fases da
construção de uma história e de um
roteiro:
1. Fábula: é a história em si, contada de
maneira linear e sintética.
2. Enredo: é a maneira como vamos contar a
história e apresentar os personagens.
3. Argumento: é o detalhamento do enredo,
incluindo no texto quando, onde e como
acontecerão as ações.
4. Escaleta: é a divisão do argumento em
cenas.
Podemos começar a contar a história
(fábula) do ponto que quisermos e na
ordem que quisermos (enredo) para
depois incluirmos os detalhes
(argumento) e dividirmos as cenas.
Porém precisamos, antes de tudo,
conhecer muito bem a fábula/história
para evitarmos lacunas no roteiro.
Qual a fábula (história linear) do seu livro?
Houve mudanças na ordem cronológica, formando um enredo?
Como posso transformar o argumento em sequencia de cenas?
Um roteiro se escreve com os
seguintes elementos:
1. Cabeçalho: número da cena; espaço onde
ocorre a ação; tempo
2. Descrição da cena: o que ocorre
imageticamente durante a ação do personagem e
ao seu redor
3. Personagem: sempre escrito em CAIXA ALTA.
4. Diálogos: as falas de cada personagem.
34 INT. QUARTO DE HOTEL DE CHARLOTTE - NOITE
De costas, Charlotte olha a grande janela.
John chega e lhe dá um beijo.
CHARLOTTE
Como foi hoje?
JOHN
Bom...Eu estou cansado.
Ele a abraça por um momento,
inclinando-se.
JOHN (CONT)
Eu tenho que encontrar Kelly para um
drinque lá embaixo. Ela quer conversar
sobre algo de foto.
CHARLOTTE
Ok. Talvez eu desça com você.
JOHN
Você quer vir?
CHARLOTTE
Claro.
JOHN
(não quer que ela vá)
Ok.
CUT TO:
CABEÇALHO
DESCRIÇÃO
PERSONAGEM
DIÁLOGO
SUGESTÃO
ou PENSAMENTO
TRANSIÇÃO
MODELO DE ROTEIRO
CABEÇALHO
DESCRIÇÃO DA CENA
TRANSIÇÃO
PERSONAGENS E DIÁLOGO
MODELO DE ROTEIRO
TRANSIÇÃO
PERSONAGENS E DIÁLOGO
ELEMENTO DO ROTEIRO EXPRESSÕES COMUNS
CABEÇALHO Tipo de localidade
INT. Interior
EXT. Exterior
A localidade
QUARTO DE HOTEL
CASA DE PRAIA - COZINHA
CALÇADA DA RUA
O tempo
DIA
NOITE
MANHÃ
TARDE
AMANHACER
ENTARDECER
ELEMENTO DO ROTEIRO EXPRESSÕES COMUNS
TRANSIÇÕES FADE IN. Transição de início, a imagem
começa escura e a cena vai se revelando até
ficar totalmente clara.
FADE OUT. Transição em que a imagem clara
se esvai até a tela ficar escura.
CUT TO (CORTA PARA). Transição “cortar
para” que indica um corte para outra cena.
THE END. Indica que a história acabou.
Para dar vida ao seu roteiro, após escrevê-lo e revisa-lo, você pode
criar um Storyboard. No storyboard desenha-se uma sequência de
quadros que dão a ideia geral de como o filme será gravado.
Os desenhos são rascunhos que servirão de guia para a filmagem.
Um Storyboard pode ser também acompanhado de um texto ao
lado de cada imagem. Estes textos são extraídos do roteiro e
complementam os desenhos com sentimentos e falas dos
personagens.
MODELO DE STORYBOARD
CENA: ____________________________
1
3
5
2
4
6
NOME DO PROJETO:_________________
O Storyboard serve, entre outras coisas,
para indicar visualmente:
1. Ângulo da câmera: de cima, de baixo, de
longe, de perto, geral, com detalhes.
2. Posição dos atores em cena.
3. Iluminação da cena.
4. Objetos principais que compõe a cena.
Os detalhes de um Storyboard devem ser
o suficiente para localizar a cena e seus
elementos.
Imagem inicial
geradora
(ideia)
Esboço de
ações
humanas
concretas
Criação dos
personagens
e suas
trajetórias
Junção de
“imagens” em
uma fábula
Elaboração do
enredo com
sequencia não
linear
Escrita do
argumento
detalhando ações
e personagens
Escaleta divide o
argumento em
cenas, sem os
diálogos.
Composição do
roteiro com
cenas, atuações,
efeitos, diálogos.
Se usamos uma história já existente, fazemos
uma adaptação para um roteiro.
Gravação
Como escolher o enquadramento e filmar
Enquadrar é decidir o que irá fazer
parte do filme em cada momento de
sua realização. O enquadramento
definirá o modo como o espectador
perceberá o mundo criado pelo filme.
São três elementos básicos do
enquadramento: o plano, o ângulo
e o lado do ângulo.
Os planos
a) O Plano Aberto (“Long shot”)
A câmera está distante do objeto, de modo que ele ocupa pequena
parte do cenário. Usado para ambientação.
b) O Plano Médio (“Medium shot”)
A câmera está a uma distância média do objeto, mas ainda tem espaço
a sua volta. Usado para posicionamento e movimentação.
c) O Plano Fechado (“Closed-up”)
A câmera está bem próxima do objeto, de modo que ele ocupa quase
todo cenário, sem deixar espaços a volta. Usado para intimidade e
expressão.
a) O Plano Geral (PG)
A câmera revela o cenário à frente, com a figura humana reduzida na
tela. Cenas exteriores e interiores de grande proporções.
b) O Plano de Conjunto (PC)
A câmera com ângulo visual aberto, mas as pessoas ocupam um
espaço maior na tela, permitindo reconhecer rostos.
c) O Plano Médio (PM)
A figura humana é enquadrada por inteiro, havendo um pouco de “ar”
sobre a cabeça e “chão” sob os pés.
d) O Plano Americano (PA)
A figura humana é enquadrada do joelho para cima.
e) O Meio Primeiro Plano
A figura humana é enquadrada da cintura para cima.
f) O Primeiro Plano
A figura humana é enquadrada do peito para cima. É chamado de
Close-up ou Close.
g) O Primeiríssimo Plano
A figura humana é enquadrada dos ombros para cima, chamado
também de Big Close-up ou Big Close.
h) O Plano Detalhe
A câmera enquadra uma parte do rosto ou do corpo. Usado também
para objetos pequenos que precisam ser enquadrados durante uma
cena.
Os ângulos
a) O Ângulo Normal
A câmera se encontra no nível dos olhos da pessoa.
b) O Ângulo Plongée (Câmera alta)
A câmera se encontra acima do nível dos olho e voltada para baixo.
c) O Ângulo Contra-Plongée (Câmera baixa)
A câmera se encontra abaixo do nível dos olho e voltada para cima.
Os lados do ângulo
a) O lado Frontal
Câmera em linha reta com o nariz da pessoa.
b) Câmera a 3/4
Câmera em 45 graus em relação ao nariz da pessoa.
c) De Perfil
Câmera em 90 graus em relação ao nariz da pessoa. Pode ser feito à
esquerda ou à direita da pessoa.
c) De Nuca
Câmera em linha reta com a nuca da pessoa.
Exemplos
Plano americano, contra-plongée, quase perfil.
Meio primeiro plano, contra-plongée, 3/4.
Primeiro plano, contra-plongée, 3/4.
Primeiríssimo plano, plongée, perfil.
Meio primeiro plano, plongée, perfil.
Primeiríssimo plano, normal, 3/4.
Montagem e finalização de vídeo
A pós-produção e sua importância
Depois de criarmos ou adaptarmos
uma história, escrevermos um roteiro
e gravarmos nossas cenas, chegamos
em nossa última fase de criação de um
vídeo digital.
A montagem e a finalização
compõe a fase da pós-produção. É
o momento em que aquilo que foi
imaginado deve ser concretizado.
1
2
3
A edição de vídeo (PÓS-PRODUÇÃO) pode ser comparada a uma
tesoura que corta e cola pedaços de papel.
Montamos pequenos trechos de vídeo em sequências, realizando
cortes e colagens sucessivas para contar nossas histórias.
Trecho 1 Trecho 2 Trecho 3...
Começo
do Trecho
Final
do Trecho
A LINHA DO TEMPO (TIMELINE)
Editar é, basicamente, retirar
pequenos trechos para que o público
assista somente o necessário,
aprimorando ritmo e dramaticidade.
A montagem pode contar a história
de maneira linear ou em sequências
paralelas (múltiplas narrativas
simultâneas).
Edição e
Montagem
Coerência
narrativa
Efeitos
visuais
Trilha
sonora
Transições
e cortes
Ritmo e
dramaticidade
Editor + Diretor
Elementos básicos de um editor
Conhecendo o software de edição
Edição não linear é aquela
realizada em computadores
(workstations) usando um editor de
vídeos (programa de computador) que
permite ordenar os trechos na ordem
desejada pelo editor.
Os vídeos são armazenados no HD e o
editor não altera os vídeos originais,
somente indica onde serão cortados e
que efeitos serão aplicados na geração
do vídeo final (renderização).
Exemplo de Editor de Vídeo
Adobe Premiere (software pago)
Exemplo de Editor de Vídeo
Shotcut (software gratuito)
Previsão do resultado final
Biblioteca de vídeos,
imagens e efeitos
Linha do tempo com
os trechos (timeline)
Pré-visualização dos trechos
e controle dos efeitos
PARTES DE UM EDITOR DE VÍDEO
Camadas de vídeo (V1, V2, V3, V4...)
Tempo (HH:MM:SS:QQ)
Camadas de áudio (A1, A2, A3, A4...)
Trecho de vídeo
TIMELINE EM PROFUNDIDADE
As camadas de uma timeline (linha do tempo) são como folhas que se
sobrepõe. Quando elas possuem transparências, permitem que a
camada abaixo seja vista.
Como fazer?
Alguns passos básicos
Primeiro corte é a sequência de
trechos editados (cortados), mas que
ainda não apresentam inserções de
efeitos visuais e sonoros (pós-produção
final).
O primeiro corte serve para ver se a
sequência narrativa corresponde ao
que foi imaginado no roteiro e
também para se ajustar, refinar, retirar
excessos antes da etapa final de edição
(o segundo corte).
Inserir vídeos e imagens na biblioteca
Arraste com o mouse o arquivo de vídeo para o seu PROJETO dentro
do Adobe Premiere.
Inserir vídeos e imagens na linha do tempo (timeline)
Arraste, agora, o vídeo que está em seu PROJETO para a LINHA DO
TEMPO no Adobe Premiere.
Realizar cortes secos no vídeo
Clique no trecho inserido na linha do tempo. Aperte a tecla “Espaço”
para iniciar a reprodução. Pause com “Espaço” o lugar de início e
aperte “Q”. Continue apertando “Espaço” e, quando chegar ao fim do
trecho, aperte “W”.
Espaço
Inserir efeitos nos vídeos
Vá em EFEITOS e selecione o ULTRA KEY. Arraste para o trecho de vídeo na
LINHA DO TEMPO do Adobe Premiere. Depois, configure no painel de efeitos.
1
2
1. Vídeo original
2. Vídeo com chroma
aplicado e imagem ao fundo
Inserir os créditos
Não se esqueça de anotar os nomes de todos os integrantes da equipe de
produção! Após isso, insira um TÍTULO com o texto dos créditos ao final do
vídeo, podendo regular sua posição no começo e no fim para efeito de rolagem.
21
3
Como exportar meu vídeo?
Agora que terminei, é hora de renderizar!
Há dois formatos básicos de PROPORÇÃO de vídeo.
As TVs clássicas usavam o formato 4:3 mais quadrado (fullscreen).
As TVs, monitores de computador e telas de cinema usam, atualmente,
o formato 16:9 mais retangular (widescreen).
Na hora de exportar o vídeo, é preciso definir a RESOLUÇÃO
(usamos aqui o padrão 16:9).
A resolução é medida em pontos. Um vídeo 1080p quer dizer que ele tem 1080
linhas de altura (1920 x 1080). Quanto mais linhas, maior o tamanho final do
arquivo de vídeo e mais “nítido” ele será.
Full HD
HD
As televisões vendidas atualmente, em sua maioria, suportam vídeos
até a resolução FULL HD – Full High Definition (1080p). Para internet, o
formato HD – High Definition (720p) é o mais comum atualmente.
Exportar arquivo de vídeo
Vá em ARQUIVO, depois em EXPORTAR e, por fim, em MÍDIA. Uma janela
solicitando os ajustes de tamanho e formato de arquivo aparecerá.
AVI, MPEG4 e Windows Media são os formatos mais comuns.
1
2
Passo a passo
da edição de vídeo:
1. Selecionar os trechos de vídeo a serem utilizados
na edição.
2. Editar cada trecho, fazendo os cortes de começo
(“Q” In) e fim (“W” Out).
3. Montar os trechos na sequência definida
previamente no roteiro (“contar a história”).
4. Aplicar os efeitos e transições nos trechos
(Chroma Key, Imagens, Fades).
5. Renderizar o vídeo em sua versão final para
exibição/publicação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
Erico Fileno
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Mauricio Mallet Duprat
 
Escrita guiao
Escrita guiaoEscrita guiao
Escrita guiao
Teresa Pombo
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Mauricio Mallet Duprat
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
Renata Trindade
 
Planos
PlanosPlanos
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
Fausto Coimbra
 
Como escrever um roteiro
Como escrever um roteiroComo escrever um roteiro
Como escrever um roteiro
Renata dos Passos
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
profealbattaiola
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
Marcio Duarte
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
Luciano Dias
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O Roteiro
Fernando
 
Roteiro VT
Roteiro VTRoteiro VT
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
profealbattaiola
 
Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01
Elizeu Nascimento Silva
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
Viviane Calasans
 
Conceitos básicos da produção audio visual
Conceitos básicos da produção audio visualConceitos básicos da produção audio visual
Conceitos básicos da produção audio visual
Francisco Machado
 

Mais procurados (20)

Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
 
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian TrombiniElementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
Elementos da narrativa - Professora Vivian Trombini
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
 
Escrita guiao
Escrita guiaoEscrita guiao
Escrita guiao
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
 
Planos
PlanosPlanos
Planos
 
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
 
Como escrever um roteiro
Como escrever um roteiroComo escrever um roteiro
Como escrever um roteiro
 
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro LiterárioAnimação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
Animação 1 - Roteiro (2) Roteiro Literário
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
Tipos de Documentários
Tipos de DocumentáriosTipos de Documentários
Tipos de Documentários
 
Aula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O RoteiroAula 6 - O Roteiro
Aula 6 - O Roteiro
 
Roteiro VT
Roteiro VTRoteiro VT
Roteiro VT
 
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / PersonagemAnimação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
Animação 1 - Roteiro (3) Documento de Criação de Narrativa / Personagem
 
Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
Conceitos básicos da produção audio visual
Conceitos básicos da produção audio visualConceitos básicos da produção audio visual
Conceitos básicos da produção audio visual
 

Destaque

Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESSProjeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacionalApresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacional
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação sobre profissional surdo
Apresentação sobre profissional surdoApresentação sobre profissional surdo
Apresentação sobre profissional surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - EstatísticasApresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdosPrograma inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Roteiro para filme publicitário
Roteiro para filme publicitárioRoteiro para filme publicitário
Roteiro para filme publicitário
Josué Brazil
 
Roteiro Para TV
Roteiro Para TVRoteiro Para TV
Roteiro Para TV
Neca Boullosa
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Capitulo2 eb
Capitulo2 ebCapitulo2 eb
Experimente Design Estrategicamente
Experimente Design EstrategicamenteExperimente Design Estrategicamente
Experimente Design Estrategicamente
Bruno Kaneoya
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
Rosi Whindson
 

Destaque (20)

Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Discussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme MetrópolisDiscussão sobre o filme Metrópolis
Discussão sobre o filme Metrópolis
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Módulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - FotografiaMódulo 2 - Fotografia
Módulo 2 - Fotografia
 
Módulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráficoMódulo 1 - Design gráfico
Módulo 1 - Design gráfico
 
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESSProjeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
 
Apresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacionalApresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacional
 
Apresentação sobre profissional surdo
Apresentação sobre profissional surdoApresentação sobre profissional surdo
Apresentação sobre profissional surdo
 
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - EstatísticasApresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
Apresentação do Laboratório de LIBRAS e específico de surdez - Estatísticas
 
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdosPrograma inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Roteiro para filme publicitário
Roteiro para filme publicitárioRoteiro para filme publicitário
Roteiro para filme publicitário
 
Roteiro Para TV
Roteiro Para TVRoteiro Para TV
Roteiro Para TV
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
Capitulo2 eb
Capitulo2 ebCapitulo2 eb
Capitulo2 eb
 
Experimente Design Estrategicamente
Experimente Design EstrategicamenteExperimente Design Estrategicamente
Experimente Design Estrategicamente
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
 

Semelhante a Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo

aula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
aula de produção de vídeo para o mercado da publicidadeaula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
aula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
R.A Gomes
 
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
TIP
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Isvaldo Souza
 
Planos narrativos
Planos narrativosPlanos narrativos
Planos narrativos
Wellington de Lelis
 
Oficina de roteiro
Oficina de roteiroOficina de roteiro
Oficina de roteiro
atovirtual
 
Roteiro 0007
Roteiro 0007Roteiro 0007
Roteiro 0007
Bruno G.
 
Roteiro 2ª parte
Roteiro 2ª parteRoteiro 2ª parte
Roteiro 2ª parte
Fernando
 
CCT0009 roteiropersonagensav1
CCT0009 roteiropersonagensav1CCT0009 roteiropersonagensav1
CCT0009 roteiropersonagensav1
Diego Moreau
 
GRIÃO TÉCNICO
GRIÃO TÉCNICO GRIÃO TÉCNICO
GRIÃO TÉCNICO
Karina Braz
 
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
Fernando
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Guião
GuiãoGuião
Vamos fazer um filme!!!
Vamos fazer um filme!!!Vamos fazer um filme!!!
Vamos fazer um filme!!!
Gilberto Campos
 
Palestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro CinemaPalestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro Cinema
Diego Moreau
 
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentarioGuia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Tihee
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
Laura Barcha
 
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
Fabio Lemes
 
Roteiro 0008
Roteiro 0008Roteiro 0008
Roteiro 0008
Bruno G.
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
UNIP. Universidade Paulista
 

Semelhante a Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo (20)

aula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
aula de produção de vídeo para o mercado da publicidadeaula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
aula de produção de vídeo para o mercado da publicidade
 
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
Carol Fioratti - Do Roteiro à Viabilização - TIP (13/07/2013)
 
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentaçãoRoteiro pedro pazelli slide apresentação
Roteiro pedro pazelli slide apresentação
 
Planos narrativos
Planos narrativosPlanos narrativos
Planos narrativos
 
Oficina de roteiro
Oficina de roteiroOficina de roteiro
Oficina de roteiro
 
Roteiro 0007
Roteiro 0007Roteiro 0007
Roteiro 0007
 
Roteiro 2ª parte
Roteiro 2ª parteRoteiro 2ª parte
Roteiro 2ª parte
 
CCT0009 roteiropersonagensav1
CCT0009 roteiropersonagensav1CCT0009 roteiropersonagensav1
CCT0009 roteiropersonagensav1
 
GRIÃO TÉCNICO
GRIÃO TÉCNICO GRIÃO TÉCNICO
GRIÃO TÉCNICO
 
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
aula 01 - Produção Em Tv - parte 1
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
 
Guião
GuiãoGuião
Guião
 
Vamos fazer um filme!!!
Vamos fazer um filme!!!Vamos fazer um filme!!!
Vamos fazer um filme!!!
 
Palestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro CinemaPalestra Roteiro Cinema
Palestra Roteiro Cinema
 
Guia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentarioGuia de como elaborar um projeto para documentario
Guia de como elaborar um projeto para documentario
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Aula criação de personagem
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
Plano de Aula - Trabalhando aspectos da língua inglesa com o filme Tropa De E...
 
Roteiro 0008
Roteiro 0008Roteiro 0008
Roteiro 0008
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
Utilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa BoardmakerUtilização do Programa Boardmaker
Utilização do Programa Boardmaker
 
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
Objetivos, Metas e Estratégias do IHA 2013-2014
 
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
Dispositivos móveis para a CAA: 20 anos de parceria! Profª Dra Miryam Pelosi...
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
 

Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo

  • 1. Alexandre Rosado Outubro de 2016 | Curso de extensão DESU-INES í
  • 2.
  • 3. A construção do Roteiro Como contarei minha história?
  • 4. Um roteiro se inicia com uma ideia geradora (uma imagem mental). A partir dela, todo processo de criação passa a ser direcionado e começa-se a construir uma narrativa. A dica é sair de uma ideia/conceito muito abstrata e pensar em situações humanas objetivas, cotidianas, que envolvam algum conflito ou crise e que se chegue a uma solução ou desfecho.
  • 5. Um cão observa algo pela janela. Ele está triste. Esta imagem pode gerar um história sobre a relação do cão com seu dono, um possível abandono. Esta situação de crise pede uma solução. Daí pode começar um bom roteiro.
  • 6. Apresentação (mundo comum) Clímax Desfecho (retorno ao mundo comum) Ponto de virada 2Ponto de virada 1 Conflito Conflito Conflito PRIMEIRO ATO SEGUNDO ATO TERCEIRO ATO A ESTRUTURA TÍPICA DE UM ROTEIRO A jornada do herói
  • 7. Exemplos de tipos de personagens Herói Mentor do herói Vilão ou Sombra Protagon istas Coadju vantes Identifique na sua história quem são os personagens e qual papel eles exercem.
  • 8. O personagem Luke Skywalker é um exemplo de protagonista no filme Guerra nas Estrelas (Star Wars) Outro exemplo de protagonista é Harry Potter, na série de filmes Harry Potter.
  • 9. O personagem Yoda é um exemplo de mentor no filme Guerra nas Estrelas (Star Wars) Outro exemplo de mentor é Dumbledore, na série de filmes Harry Potter.
  • 10. O personagem Darth Vader é um exemplo de vilão no filme Guerra nas Estrelas (Star Wars) Outro exemplo de vilão é Voldemort, na série de filmes Harry Potter.
  • 11. Os personagens R2D2 e C3PO são exemplos de coadjuvantes no filme Guerra nas Estrelas (Star Wars) Outros exemplos de coadjuvantes são Hermione e Ronald, na série de filmes Harry Potter.
  • 12. Perguntas essenciais para se começar o roteiro: 1. Quem é o protagonista? (herói ou heroína) 2. Quem, ou o quê, é o seu antagonista? (oposição ou sombra) 3. Qual é o conflito principal do personagem? 4. Qual é o conflito principal da história? 5. Quando, como e onde acontecem as ações? Um roteiro deve descrever personagens em ações concretas, do enredo ao argumento.
  • 13. Agora pense na história que o seu grupo recebeu. Após a leitura da história, tente responder: 1. Quem é o protagonista e o antagonista? 2. Qual o conflito principal do protagonista? 3. Qual o conflito principal da história? 4. Quando, como e onde acontecem as ações?
  • 14. É necessário distinguir quatro fases da construção de uma história e de um roteiro: 1. Fábula: é a história em si, contada de maneira linear e sintética. 2. Enredo: é a maneira como vamos contar a história e apresentar os personagens. 3. Argumento: é o detalhamento do enredo, incluindo no texto quando, onde e como acontecerão as ações. 4. Escaleta: é a divisão do argumento em cenas.
  • 15. Podemos começar a contar a história (fábula) do ponto que quisermos e na ordem que quisermos (enredo) para depois incluirmos os detalhes (argumento) e dividirmos as cenas. Porém precisamos, antes de tudo, conhecer muito bem a fábula/história para evitarmos lacunas no roteiro.
  • 16. Qual a fábula (história linear) do seu livro? Houve mudanças na ordem cronológica, formando um enredo? Como posso transformar o argumento em sequencia de cenas?
  • 17. Um roteiro se escreve com os seguintes elementos: 1. Cabeçalho: número da cena; espaço onde ocorre a ação; tempo 2. Descrição da cena: o que ocorre imageticamente durante a ação do personagem e ao seu redor 3. Personagem: sempre escrito em CAIXA ALTA. 4. Diálogos: as falas de cada personagem.
  • 18. 34 INT. QUARTO DE HOTEL DE CHARLOTTE - NOITE De costas, Charlotte olha a grande janela. John chega e lhe dá um beijo. CHARLOTTE Como foi hoje? JOHN Bom...Eu estou cansado. Ele a abraça por um momento, inclinando-se. JOHN (CONT) Eu tenho que encontrar Kelly para um drinque lá embaixo. Ela quer conversar sobre algo de foto. CHARLOTTE Ok. Talvez eu desça com você. JOHN Você quer vir? CHARLOTTE Claro. JOHN (não quer que ela vá) Ok. CUT TO: CABEÇALHO DESCRIÇÃO PERSONAGEM DIÁLOGO SUGESTÃO ou PENSAMENTO TRANSIÇÃO
  • 19. MODELO DE ROTEIRO CABEÇALHO DESCRIÇÃO DA CENA TRANSIÇÃO PERSONAGENS E DIÁLOGO
  • 21. ELEMENTO DO ROTEIRO EXPRESSÕES COMUNS CABEÇALHO Tipo de localidade INT. Interior EXT. Exterior A localidade QUARTO DE HOTEL CASA DE PRAIA - COZINHA CALÇADA DA RUA O tempo DIA NOITE MANHÃ TARDE AMANHACER ENTARDECER
  • 22. ELEMENTO DO ROTEIRO EXPRESSÕES COMUNS TRANSIÇÕES FADE IN. Transição de início, a imagem começa escura e a cena vai se revelando até ficar totalmente clara. FADE OUT. Transição em que a imagem clara se esvai até a tela ficar escura. CUT TO (CORTA PARA). Transição “cortar para” que indica um corte para outra cena. THE END. Indica que a história acabou.
  • 23. Para dar vida ao seu roteiro, após escrevê-lo e revisa-lo, você pode criar um Storyboard. No storyboard desenha-se uma sequência de quadros que dão a ideia geral de como o filme será gravado. Os desenhos são rascunhos que servirão de guia para a filmagem.
  • 24. Um Storyboard pode ser também acompanhado de um texto ao lado de cada imagem. Estes textos são extraídos do roteiro e complementam os desenhos com sentimentos e falas dos personagens.
  • 25. MODELO DE STORYBOARD CENA: ____________________________ 1 3 5 2 4 6 NOME DO PROJETO:_________________
  • 26. O Storyboard serve, entre outras coisas, para indicar visualmente: 1. Ângulo da câmera: de cima, de baixo, de longe, de perto, geral, com detalhes. 2. Posição dos atores em cena. 3. Iluminação da cena. 4. Objetos principais que compõe a cena. Os detalhes de um Storyboard devem ser o suficiente para localizar a cena e seus elementos.
  • 27. Imagem inicial geradora (ideia) Esboço de ações humanas concretas Criação dos personagens e suas trajetórias Junção de “imagens” em uma fábula Elaboração do enredo com sequencia não linear Escrita do argumento detalhando ações e personagens Escaleta divide o argumento em cenas, sem os diálogos. Composição do roteiro com cenas, atuações, efeitos, diálogos. Se usamos uma história já existente, fazemos uma adaptação para um roteiro.
  • 28. Gravação Como escolher o enquadramento e filmar
  • 29. Enquadrar é decidir o que irá fazer parte do filme em cada momento de sua realização. O enquadramento definirá o modo como o espectador perceberá o mundo criado pelo filme. São três elementos básicos do enquadramento: o plano, o ângulo e o lado do ângulo.
  • 31. a) O Plano Aberto (“Long shot”) A câmera está distante do objeto, de modo que ele ocupa pequena parte do cenário. Usado para ambientação.
  • 32. b) O Plano Médio (“Medium shot”) A câmera está a uma distância média do objeto, mas ainda tem espaço a sua volta. Usado para posicionamento e movimentação.
  • 33. c) O Plano Fechado (“Closed-up”) A câmera está bem próxima do objeto, de modo que ele ocupa quase todo cenário, sem deixar espaços a volta. Usado para intimidade e expressão.
  • 34. a) O Plano Geral (PG) A câmera revela o cenário à frente, com a figura humana reduzida na tela. Cenas exteriores e interiores de grande proporções.
  • 35. b) O Plano de Conjunto (PC) A câmera com ângulo visual aberto, mas as pessoas ocupam um espaço maior na tela, permitindo reconhecer rostos.
  • 36. c) O Plano Médio (PM) A figura humana é enquadrada por inteiro, havendo um pouco de “ar” sobre a cabeça e “chão” sob os pés.
  • 37. d) O Plano Americano (PA) A figura humana é enquadrada do joelho para cima.
  • 38. e) O Meio Primeiro Plano A figura humana é enquadrada da cintura para cima.
  • 39. f) O Primeiro Plano A figura humana é enquadrada do peito para cima. É chamado de Close-up ou Close.
  • 40. g) O Primeiríssimo Plano A figura humana é enquadrada dos ombros para cima, chamado também de Big Close-up ou Big Close.
  • 41. h) O Plano Detalhe A câmera enquadra uma parte do rosto ou do corpo. Usado também para objetos pequenos que precisam ser enquadrados durante uma cena.
  • 43. a) O Ângulo Normal A câmera se encontra no nível dos olhos da pessoa.
  • 44. b) O Ângulo Plongée (Câmera alta) A câmera se encontra acima do nível dos olho e voltada para baixo.
  • 45. c) O Ângulo Contra-Plongée (Câmera baixa) A câmera se encontra abaixo do nível dos olho e voltada para cima.
  • 46. Os lados do ângulo
  • 47. a) O lado Frontal Câmera em linha reta com o nariz da pessoa.
  • 48. b) Câmera a 3/4 Câmera em 45 graus em relação ao nariz da pessoa.
  • 49. c) De Perfil Câmera em 90 graus em relação ao nariz da pessoa. Pode ser feito à esquerda ou à direita da pessoa.
  • 50. c) De Nuca Câmera em linha reta com a nuca da pessoa.
  • 53. Meio primeiro plano, contra-plongée, 3/4.
  • 56. Meio primeiro plano, plongée, perfil.
  • 58. Montagem e finalização de vídeo A pós-produção e sua importância
  • 59. Depois de criarmos ou adaptarmos uma história, escrevermos um roteiro e gravarmos nossas cenas, chegamos em nossa última fase de criação de um vídeo digital. A montagem e a finalização compõe a fase da pós-produção. É o momento em que aquilo que foi imaginado deve ser concretizado.
  • 60. 1 2 3
  • 61. A edição de vídeo (PÓS-PRODUÇÃO) pode ser comparada a uma tesoura que corta e cola pedaços de papel. Montamos pequenos trechos de vídeo em sequências, realizando cortes e colagens sucessivas para contar nossas histórias.
  • 62. Trecho 1 Trecho 2 Trecho 3... Começo do Trecho Final do Trecho A LINHA DO TEMPO (TIMELINE)
  • 63. Editar é, basicamente, retirar pequenos trechos para que o público assista somente o necessário, aprimorando ritmo e dramaticidade. A montagem pode contar a história de maneira linear ou em sequências paralelas (múltiplas narrativas simultâneas).
  • 65. Elementos básicos de um editor Conhecendo o software de edição
  • 66. Edição não linear é aquela realizada em computadores (workstations) usando um editor de vídeos (programa de computador) que permite ordenar os trechos na ordem desejada pelo editor. Os vídeos são armazenados no HD e o editor não altera os vídeos originais, somente indica onde serão cortados e que efeitos serão aplicados na geração do vídeo final (renderização).
  • 67. Exemplo de Editor de Vídeo Adobe Premiere (software pago) Exemplo de Editor de Vídeo Shotcut (software gratuito)
  • 68. Previsão do resultado final Biblioteca de vídeos, imagens e efeitos Linha do tempo com os trechos (timeline) Pré-visualização dos trechos e controle dos efeitos PARTES DE UM EDITOR DE VÍDEO
  • 69. Camadas de vídeo (V1, V2, V3, V4...) Tempo (HH:MM:SS:QQ) Camadas de áudio (A1, A2, A3, A4...) Trecho de vídeo TIMELINE EM PROFUNDIDADE
  • 70. As camadas de uma timeline (linha do tempo) são como folhas que se sobrepõe. Quando elas possuem transparências, permitem que a camada abaixo seja vista.
  • 72. Primeiro corte é a sequência de trechos editados (cortados), mas que ainda não apresentam inserções de efeitos visuais e sonoros (pós-produção final). O primeiro corte serve para ver se a sequência narrativa corresponde ao que foi imaginado no roteiro e também para se ajustar, refinar, retirar excessos antes da etapa final de edição (o segundo corte).
  • 73. Inserir vídeos e imagens na biblioteca Arraste com o mouse o arquivo de vídeo para o seu PROJETO dentro do Adobe Premiere.
  • 74. Inserir vídeos e imagens na linha do tempo (timeline) Arraste, agora, o vídeo que está em seu PROJETO para a LINHA DO TEMPO no Adobe Premiere.
  • 75. Realizar cortes secos no vídeo Clique no trecho inserido na linha do tempo. Aperte a tecla “Espaço” para iniciar a reprodução. Pause com “Espaço” o lugar de início e aperte “Q”. Continue apertando “Espaço” e, quando chegar ao fim do trecho, aperte “W”. Espaço
  • 76. Inserir efeitos nos vídeos Vá em EFEITOS e selecione o ULTRA KEY. Arraste para o trecho de vídeo na LINHA DO TEMPO do Adobe Premiere. Depois, configure no painel de efeitos. 1 2
  • 77. 1. Vídeo original 2. Vídeo com chroma aplicado e imagem ao fundo
  • 78. Inserir os créditos Não se esqueça de anotar os nomes de todos os integrantes da equipe de produção! Após isso, insira um TÍTULO com o texto dos créditos ao final do vídeo, podendo regular sua posição no começo e no fim para efeito de rolagem. 21 3
  • 79. Como exportar meu vídeo? Agora que terminei, é hora de renderizar!
  • 80. Há dois formatos básicos de PROPORÇÃO de vídeo. As TVs clássicas usavam o formato 4:3 mais quadrado (fullscreen). As TVs, monitores de computador e telas de cinema usam, atualmente, o formato 16:9 mais retangular (widescreen).
  • 81. Na hora de exportar o vídeo, é preciso definir a RESOLUÇÃO (usamos aqui o padrão 16:9). A resolução é medida em pontos. Um vídeo 1080p quer dizer que ele tem 1080 linhas de altura (1920 x 1080). Quanto mais linhas, maior o tamanho final do arquivo de vídeo e mais “nítido” ele será. Full HD HD
  • 82. As televisões vendidas atualmente, em sua maioria, suportam vídeos até a resolução FULL HD – Full High Definition (1080p). Para internet, o formato HD – High Definition (720p) é o mais comum atualmente.
  • 83. Exportar arquivo de vídeo Vá em ARQUIVO, depois em EXPORTAR e, por fim, em MÍDIA. Uma janela solicitando os ajustes de tamanho e formato de arquivo aparecerá. AVI, MPEG4 e Windows Media são os formatos mais comuns. 1 2
  • 84. Passo a passo da edição de vídeo: 1. Selecionar os trechos de vídeo a serem utilizados na edição. 2. Editar cada trecho, fazendo os cortes de começo (“Q” In) e fim (“W” Out). 3. Montar os trechos na sequência definida previamente no roteiro (“contar a história”). 4. Aplicar os efeitos e transições nos trechos (Chroma Key, Imagens, Fades). 5. Renderizar o vídeo em sua versão final para exibição/publicação.