SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Wandick Rocha
wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/
Práticas de Tributárias, Fiscais
e Escrituração Eletrônica
a) Abrangência da escrituração eletrônica;
b) FCONT;
c) CT-e;
d) e-LALUR;
e) EFD Social;
f) Central de Balanços.
AULA 9 – SPED
Qual é a abrangência da
escrituração eletrônica?
Abrangência da
Escrituração Eletrônica
• SPED Contábil;
• FCONT;
• SPED Fiscal;
• EFD PIS/COFINS;
• NF-e;
• NFS-e;
• CT-e;
• Central de Balanços;
• e-LALUR;
• EFD-Social.
Controle Fiscal Contábil
de Transição - FCONT
• FCONT é uma escrituração das contas
patrimoniais e de resultado, em partidas
dobradas, que considera os métodos e
critérios contábeis vigentes.
• Em relação a estes mesmos lançamentos
contábeis, a empresa deverá efetuar os
lançamentos utilizando os métodos e
critérios contábeis aplicáveis à legislação
tributária.
Controle Fiscal Contábil
de Transição - FCONT
O programa gerador de escrituração
possibilitará:
Criar ou importar o arquivo com o leiaute do
FCONT definido em legislação;
Validar do conteúdo da escrituração e indicar
dos erros e advertências;
Editar via digitação os registros criados ou
importados;
Geração do arquivo FCONT para assinatura e
transmissão ao SPED;
Assinar do arquivo gerado por certificado digital;
Comandar a transmissão do arquivo ao SPED.
CT-e
Conhecimento de Transporte Eletrônico é
um documento de existência digital, emitido
e armazenado eletronicamente, com o
intuito de documentar, para fins fiscais, uma
prestação de serviço de transporte de
cargas realizada por qualquer modal de
transporte.
Sua validade jurídica é garantida pela
assinatura digital do emitente e pela
recepção e autorização de uso, pelo fisco.
Vantagens do CT-e
Redução de custos de impressão do
documento fiscal;
Redução de custos de aquisição de papel;
Redução de custos de armazenagem de
documentos fiscais;
GED - Gerenciamento Eletrônico de
Documentos;
Simplificação de obrigações acessórias;
Redução de tempo de parada de caminhões
em Postos Fiscais de Fronteira;
Incentivo a uso do B2B.
Vantagens do CT-e – Emitentes
Redução de custos de impressão do
documento fiscal;
Redução de custos de aquisição de papel;
Redução de custos de armazenagem de
documentos fiscais;
GED - Gerenciamento Eletrônico de
Documentos;
Simplificação de obrigações acessórias;
Redução de tempo de parada de caminhões
em Postos Fiscais de Fronteira;
Incentivo a uso do B2B.
Vantagens do CT-e – Tomadores
Eliminação de digitação de Conhecimentos
na recepção das Prestações de serviços de
Transporte Recebidas;
Redução de erros de escrituração;
GED - Gerenciamento Eletrônico de
Documentos;
Incentivo a uso B2B.
Vantagens do CT-e – Sociedade
Redução do consumo de papei;
Incentivo ao comércio eletrônico e ao uso de
novas tecnologias;
Padronização dos relacionamentos
eletrônicos entre empresas;
Surgimento de oportunidades de negócios e
empregos na prestação de serviços ligados
ao CT-e.
Vantagens do CT-e – Contabilistas
Facilitação e simplificação da Escrituração
Fiscal e contábil;
GED - Gerenciamento Eletrônico de
Documentos;
Oportunidades de serviços e consultoria
ligados CT-e.
Vantagens do CT-e – Fisco
Aumento na confiabilidade;
Melhoria no processo de controle fiscal;
Intercâmbio e compartilhamento de
informações entre os fiscos;
Redução de custos no processo de controle;
Diminuição da sonegação;
Aumento da arrecadação;
GED - Gerenciamento Eletrônico de
Documentos;
Suporte aos projetos de escrituração.
Gerenciamento Eletrônico
de Documentos
GED é um conjunto de tecnologias que
permite a uma empresa gerenciar seus
documentos em forma digital.
Esses documentos podem ser das mais
diversas origens, tais como papel,
microfilme, imagem, som, planilhas
eletrônicas, arquivos de texto, etc.
Benefícios do GED
Velocidade e precisão na localização de
documentos;
Controle no processo de negócio;
Qualidade no atendimento ao cliente;
Agilidade em transações entre empresas;
Melhoria no processo de tomada de
decisões;
Redução de custos com cópias;
Melhor aproveitamento de espaço físico;
Evita extravio ou falsificação de documentos.
LALUR
Livro de Apuração do Lucro Real, é um livro
fiscal, sendo obrigatório somente para as
empresas tributadas pelo imposto de renda
na modalidade de Lucro Real, conforme
previsão contida no Regulamento do Imposto
de Renda.
Sua função é ajustar os demonstrativos
contábeis à declaração do imposto de renda
com adições e exclusões ao lucro líquido do
período-base, apurando-se a base de cálculo
do imposto de renda.
e-LALUR
O objetivo do sistema é eliminar a
redundância de informações existentes na
escrituração contábil, no LALUR e na DIPJ.
O funcionamento do sistema permite:
Digitação e importação das adições,
exclusões e compensações;
 Cálculo dos tributos;
Verificação de pendências;
Assinatura do livro;
Transmissão e visualização pela Internet.
EFD-Social
O projeto está em fase de estudos na
Receita Federal e nos demais entes públicos
interessados, tendo como objetivo abranger
a escrituração da folha de pagamento e, em
uma segunda fase, o Livro Registro de
Empregados.
Central de Balanços
A Central de Balanços brasileira é um projeto
integrante do SPED em fase inicial de
desenvolvimento, que deverá reunir
demonstrativos contábeis e uma série de
informações econômico-financeiras públicas
das empresas envolvidas no projeto.
As informações coletadas serão mantidas
em um repositório e publicadas em diversos
níveis de agregação.
Central de Balanços
Os dados serão utilizados para:
Geração de estatísticas;
Análises nacionais e internacionais (por setor
econômico, forma jurídica e porte das
empresas);
Análises de risco creditício;
Estudos econômicos, contábeis e
financeiros.
Central de Balanços
A Central tem como objetivo:
Captação de dados contábeis e financeiros
(notadamente as demonstrações contábeis);
Agregação desses dados;
Disponibilização à sociedade, em meio
magnético, dos dados originais e agregados.
a) Informações Gerais;
b) Arquivo Digital;
c) Autorização do Uso;
d) Resultado da Autorização;
e) DANFE.
AULA 10 – NF-e
O que é NF-e?
Conceito de NF-e
Documento de existência apenas digital,
emitido e armazenado eletronicamente, com
o intuito de documentar, para fins fiscais,
uma operação de circulação de mercadorias
ou uma prestação de serviços, ocorrida
entre as partes, e cuja validade jurídica é
garantida pela assinatura digital do
remetente (garantia de autoria e de
integridade) e pela recepção, pelo Fisco, do
documento eletrônico, antes da ocorrência
do Fato Gerador.
Emissão da NF-e
Substitui Nota Fiscal Modelo 1 e 1A;
Assinatura Digital Padrão ICP Brasil;
Arquivo digital elaborado padrão XML;
Numeração sequenciada em ordem
crescente e identificador de números;
Responsabilidade do Contribuinte pela
guarda da NF-e pelo prazo decadencial;
Emissão DANF-e – documento auxiliar da
Nota Fiscal Eletrônica para acompanhar
trânsito.
Envio da NF-e
Emissor da NF-e gera um arquivo eletrônico,
assinado digitalmente com informações
fiscais da operação comercial.
Documento eletrônico é enviado através da
Internet para SEFAZ que devolverá a
Autorização de Uso, sem a qual não há o
trânsito da mercadoria.
A NF-e também será enviada para a Receita
Federal, que servirá de repositório nacional
de todas as notas eletrônicas emitidas
(Ambiente Nacional).
Processo de Envio da NF-e
Etapa 1 - Habilitação do contribuinte como
emissor de NF-e;
Etapa 2 - Emissão e Transmissão da NF-e;
Etapa 3 - Consulta da NF-e;
Etapa 4 - Envio da NF-e à Receita Federal e
à Secretaria de Fazenda do destino;
Etapa 5 - Confirmação de Recebimento da
NF-e pelo destinatário.
Vantagem da NF-e – Emissor
Redução de custos de aquisição de papel;
Redução de custos de impressão do
documento fiscal;
Redução de custos de armazenagem de
documentos fiscais;
Simplificação de obrigações acessórias
(dispensa de AIDF);
Redução de tempo de parada de caminhões
em Postos Fiscais de Fronteira;
Incentivo ao uso de relacionamentos
eletrônicos com clientes (B2B).
Vantagem da NF-e – Receptor
Eliminação de digitação de notas fiscais na
recepção de mercadorias;
Planejamento de logística de entrega pela
recepção antecipada da informação da
NF-e;
Redução de erros de escrituração devido a
erros de digitação de notas fiscais;
Incentivo ao uso de relacionamentos
eletrônicos com fornecedores (B2B);
Vantagem da NF-e – Fisco
Informação em tempo real, antes da
ocorrência do fato gerador;
Cruzamento eletrônico de informações;
Aprimoramento dos controles fiscais;
Facilita a auditoria dos tributos;
Dificulta a sonegação de impostos;
Aumento da arrecadação.
Arquivo Digital da NF-e
A NF-e é o arquivo XML assinado
digitalmente com a autorização de uso.
Devem ser armazenados, no mesmo
formato que foram transmitidos e
autorizados.
Esses bancos de dados são importantes
para as questões operacionais da empresa.
Autorização da NF-e
A empresa emissora de NF-e gera um
arquivo eletrônico contendo informações
fiscais da operação comercial, assinado
digitalmente pelo emitente para garantir a
integridade dos dados e a autoria do
emissor.
Este arquivo eletrônico da NF-e será então
transmitido pela Internet para a SEFAZ que
fará uma pré-validação do arquivo e
devolverá uma Autorização de Uso.
Validações da SEFAZ
Na recepção da NF-e pela SEFAZ é feita
uma validação para fins de autorização de
uso, sendo validados:
Assinatura digital;
Formato de campos;
Numeração da NF-e;
Emitente autorizado.
Resultado da Autorização da NF-e
Após a análise dos documentos, a
administração tributária deixará o emitente
ciente em relação aos resultados.
Rejeição do arquivo da NF-e;
Denegação da autorização de uso da NF-e;
Concessão da autorização de uso da NF-e.
Rejeição do Arquivo da NF-e
Na rejeição, o número da nota poderá ser
reutilizado, pois é como se a nota nunca
tivesse existido, pois não possui validade
jurídica.
A rejeição pode ocorrer por:
Falhas na recepção;
Erros no processamento;
Erros no preenchimento;
Erros no leiaute do arquivo;
Duplicidade do número do CT-e.
Denegação da Autorização da NF-e
A denegação é o processo em que a
Secretaria de Fazenda não autoriza a
realização da operação.
O número da nota não pode mais ser
utilizado, pois a nota possui validade
jurídica, mas o Fisco entendeu que ela não
está apta a acobertar a operação a que se
refere.
A denegação pode ocorrer por
irregularidade fiscal do emitente e do
destinatário.
Concessão da Autorização da NF-e
A mercadoria somente poderá circular
quando houver autorização de uso da NF-e
e o DANF-e correspondente.
A concessão sendo aprovada não permitirá
nenhuma alteração da NF-e.
O emitente receberá, via Internet, um
número de protocolo com as informações
pertinentes. Esse documento poderá ser
autenticado mediante assinatura digital
gerada pela administração tributária.
Concessão da Autorização da NF-e
A mercadoria somente poderá circular
quando houver autorização de uso da NF-e
e o DANF-e correspondente.
A concessão sendo aprovada não permitirá
nenhuma alteração da NF-e.
O emitente receberá, via Internet, um
número de protocolo com as informações
pertinentes. Esse documento poderá ser
autenticado mediante assinatura digital
gerada pela administração tributária.
DANF-e – Documento Auxiliar da NF-e
É uma representação simplificada da NF-e
com as seguintes funções:
Conter a chave numérica com 44 posições
para consulta das informações da NF-e
(Chave de Acesso);
Acompanhar a mercadoria em trânsito,
fornecendo informações básicas sobre a
operação;
Auxiliar na escrituração das operações
documentadas por NF-e.
DANF-e – Documento Auxiliar da NF-e
Não substitui a Nota Fiscal;
Representação simplificada da NF-e;
Contém chave de acesso para consulta da
NF-e;
Apenas para acompanhar trânsito da
mercadoria Impresso em apenas 1 via em
papel A4;
Possui código de barras unidimensional
com chave de acesso.
Características do DANF-e
Refletir exatamente o conteúdo NF-e;
Impresso pelo vendedor antes da circulação
mercadoria;
Somente poderá ser utilizado para transitar
com as mercadorias após a concessão da
Autorização de Uso da respectiva NF-e;
Impresso em uma única cópia para
acompanhar o trânsito de mercadorias;
Deverá ser impresso em papel comum,
exceto papel jornal, no tamanho mínimo A4,
com dados legíveis.
Armazenamento da NF-e
O emitente e o destinatário deverão manter
em arquivo digital da NF-e pelo prazo
estabelecido na legislação para a guarda dos
documentos fiscais, devendo ser
apresentadas à administração tributária,
quando solicitado.
A utilização de uma central de
armazenamento de dados é necessária
para preservar as informações geradas e
disponibilizadas de forma rápida e segura.
Cancelamento da NF-e
A NF-e não poderá ser cancelada em prazo
superior a 24 horas, contando-se do
momento em que foi concedida a respectiva
Autorização de Uso da NF-e e desde que
não tenha ocorrido a circulação da
mercadoria ou a prestação do serviço.
Nos casos em que a operação não tenha
sido realizada e o cancelamento não tenha
sido transmitido no prazo referido acima, a
correção deve ser realizada através da
emissão de NF-e de estorno.
Antes e Depois da NF-e

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
Palmieres Mota
 
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
Antônio Júnior
 
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas FiscaisSPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
Marcelo Ribeiro
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
Fernando Salles
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
JOSÉ ROBERTO CASTANHEIRA CAMARGO
 
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-ESINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
denisfiscal
 
Documentos fiscais
Documentos fiscaisDocumentos fiscais
Documentos fiscais
Valéria Lins
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MGSPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
Professor Edgar Madruga
 
Webaula1
Webaula1Webaula1
Webaula1
dygos2
 
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPEDNFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
Professor Edgar Madruga
 
Nota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônicaNota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônica
Rafhael Sena
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
Roberto Dias Duarte
 
Apresentação sped
Apresentação spedApresentação sped
Apresentação sped
Hebert Lopes
 
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
Jose Adriano Pinto
 
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio TonelliApresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Roberto Dias Duarte
 
NFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal EletronicaNFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal Eletronica
Vemartin IT Consulting
 
Pacote do governo
Pacote do governoPacote do governo
Pacote do governo
Renata Santana Santos
 
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPEDUma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Eliton Luiz de Assis
 
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFBApresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
Roberto Dias Duarte
 
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
Infofisco
 

Mais procurados (20)

Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
 
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
 
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas FiscaisSPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
 
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-ESINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
 
Documentos fiscais
Documentos fiscaisDocumentos fiscais
Documentos fiscais
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MGSPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
 
Webaula1
Webaula1Webaula1
Webaula1
 
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPEDNFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
 
Nota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônicaNota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônica
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
 
Apresentação sped
Apresentação spedApresentação sped
Apresentação sped
 
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
 
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio TonelliApresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
 
NFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal EletronicaNFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal Eletronica
 
Pacote do governo
Pacote do governoPacote do governo
Pacote do governo
 
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPEDUma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
 
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFBApresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
Apresentação sobre EFD PIS/COFINS - RFB
 
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
Curso Sped Fiscal (ICMS/IPI)
 

Destaque

Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo BattistellaFórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
decision-it
 
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2GPalestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Decision IT
 
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360ºPalestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Danilo Ferreira
 
Apostila tributaria
Apostila tributariaApostila tributaria
Apostila tributaria
Alex Guedes
 
A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário
Betânia Costa
 
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spfFisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
David Azevedo
 
Aula 6 excel
Aula 6 excelAula 6 excel
Aula 6 excel
Elielso Dias
 
Pp Al 1.3
Pp Al 1.3Pp Al 1.3
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
osatoas
 
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Keziah Silva Pinto
 
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhaisFicha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
Fisica-Quimica
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
aCartilha controle interno
aCartilha controle internoaCartilha controle interno
aCartilha controle interno
UFES
 
Ficha1 fis 11-unid 1
Ficha1 fis 11-unid 1Ficha1 fis 11-unid 1
Ficha1 fis 11-unid 1
Fisica-Quimica
 
Aula 10 excel
Aula 10 excelAula 10 excel
Aula 10 excel
Elielso Dias
 
Psa 1 gps
Psa 1   gpsPsa 1   gps
Psa 1 gps
Fisica-Quimica
 
Ficha 5 fis-11-unid 2
Ficha 5 fis-11-unid 2Ficha 5 fis-11-unid 2
Ficha 5 fis-11-unid 2
Fisica-Quimica
 

Destaque (20)

Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
 
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo BattistellaFórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
 
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2GPalestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
 
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360ºPalestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
 
Apostila tributaria
Apostila tributariaApostila tributaria
Apostila tributaria
 
A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário A questão da prova no Planejamento Tributário
A questão da prova no Planejamento Tributário
 
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spfFisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
Fisico Quimica v1_2011 v1_2011_resolucao_spf
 
Aula 6 excel
Aula 6 excelAula 6 excel
Aula 6 excel
 
Pp Al 1.3
Pp Al 1.3Pp Al 1.3
Pp Al 1.3
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
 
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
 
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhaisFicha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
Ficha 7 fis-11-unid 2-livro 11 f-carlos fiolhais
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
aCartilha controle interno
aCartilha controle internoaCartilha controle interno
aCartilha controle interno
 
Ficha1 fis 11-unid 1
Ficha1 fis 11-unid 1Ficha1 fis 11-unid 1
Ficha1 fis 11-unid 1
 
Aula 10 excel
Aula 10 excelAula 10 excel
Aula 10 excel
 
Psa 1 gps
Psa 1   gpsPsa 1   gps
Psa 1 gps
 
Ficha 5 fis-11-unid 2
Ficha 5 fis-11-unid 2Ficha 5 fis-11-unid 2
Ficha 5 fis-11-unid 2
 

Semelhante a Práticas Tributárias - Aulas 9 e 10

Projeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-eProjeto nacional NF-e
Fisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
Fisco Na Era Digital Risco A Serem EvitadosFisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
Fisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
Rafhael Sena
 
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
Roberto Dias Duarte
 
SPED / NF-e
SPED / NF-eSPED / NF-e
SPED / NF-e
GrupoFortesServicos
 
Fisco na era digital risco a serem evitados
Fisco na era digital risco a serem evitadosFisco na era digital risco a serem evitados
Fisco na era digital risco a serem evitados
Rafhael Sena
 
Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?
Gabriela Bornhausen Branco
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
MXMSistemas
 
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
dygos2
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
Acecon Solutions
 
MXM-Faturamento
MXM-FaturamentoMXM-Faturamento
MXM-Faturamento
MXMSistemas
 
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digitalCont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
Rafhael Sena
 
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de SupermercadosPalestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
Roberto Dias Duarte
 
Vantagens da nf e
Vantagens da nf eVantagens da nf e
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
andreza_aso
 
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
Moldes ABM
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PASPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
Professor Edgar Madruga
 
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
Roberto Dias Duarte
 
Nfe Sped Mod
Nfe Sped ModNfe Sped Mod
Nfe Sped Mod
gustavofreitas
 
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
Wandick Rocha de Aquino
 
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
Roberto Dias Duarte
 

Semelhante a Práticas Tributárias - Aulas 9 e 10 (20)

Projeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-eProjeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-e
 
Fisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
Fisco Na Era Digital Risco A Serem EvitadosFisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
Fisco Na Era Digital Risco A Serem Evitados
 
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
 
SPED / NF-e
SPED / NF-eSPED / NF-e
SPED / NF-e
 
Fisco na era digital risco a serem evitados
Fisco na era digital risco a serem evitadosFisco na era digital risco a serem evitados
Fisco na era digital risco a serem evitados
 
Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
 
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
Curso de EDF - Rodrigo 09/10/2011
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
 
MXM-Faturamento
MXM-FaturamentoMXM-Faturamento
MXM-Faturamento
 
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digitalCont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
Cont@ador.com_Quebrando paradigmas na era digital
 
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de SupermercadosPalestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
Palestra sobre SPED para AMIS - Associação Mineira de Supermercados
 
Vantagens da nf e
Vantagens da nf eVantagens da nf e
Vantagens da nf e
 
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
Guia pratico da_efd_versao_2_0_4
 
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
GRV Software NFe Moldes ABM Fev2010
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PASPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
 
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
NF-e 2.0 para Escritórios Contábeis 2.0
 
Nfe Sped Mod
Nfe Sped ModNfe Sped Mod
Nfe Sped Mod
 
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
Práticas Financeiras e Contábeis Aulas 11 e 12
 
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
Wandick Rocha de Aquino
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
Wandick Rocha de Aquino
 
Sped
SpedSped
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
Wandick Rocha de Aquino
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
Wandick Rocha de Aquino
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Wandick Rocha de Aquino
 
Liderança
LiderançaLiderança
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Wandick Rocha de Aquino
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
Wandick Rocha de Aquino
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
Wandick Rocha de Aquino
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Wandick Rocha de Aquino
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino (20)

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
 
Sped
SpedSped
Sped
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 

Práticas Tributárias - Aulas 9 e 10

  • 2. a) Abrangência da escrituração eletrônica; b) FCONT; c) CT-e; d) e-LALUR; e) EFD Social; f) Central de Balanços. AULA 9 – SPED
  • 3. Qual é a abrangência da escrituração eletrônica?
  • 4. Abrangência da Escrituração Eletrônica • SPED Contábil; • FCONT; • SPED Fiscal; • EFD PIS/COFINS; • NF-e; • NFS-e; • CT-e; • Central de Balanços; • e-LALUR; • EFD-Social.
  • 5. Controle Fiscal Contábil de Transição - FCONT • FCONT é uma escrituração das contas patrimoniais e de resultado, em partidas dobradas, que considera os métodos e critérios contábeis vigentes. • Em relação a estes mesmos lançamentos contábeis, a empresa deverá efetuar os lançamentos utilizando os métodos e critérios contábeis aplicáveis à legislação tributária.
  • 6. Controle Fiscal Contábil de Transição - FCONT O programa gerador de escrituração possibilitará: Criar ou importar o arquivo com o leiaute do FCONT definido em legislação; Validar do conteúdo da escrituração e indicar dos erros e advertências; Editar via digitação os registros criados ou importados; Geração do arquivo FCONT para assinatura e transmissão ao SPED; Assinar do arquivo gerado por certificado digital; Comandar a transmissão do arquivo ao SPED.
  • 7. CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico é um documento de existência digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, uma prestação de serviço de transporte de cargas realizada por qualquer modal de transporte. Sua validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente e pela recepção e autorização de uso, pelo fisco.
  • 8. Vantagens do CT-e Redução de custos de impressão do documento fiscal; Redução de custos de aquisição de papel; Redução de custos de armazenagem de documentos fiscais; GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Simplificação de obrigações acessórias; Redução de tempo de parada de caminhões em Postos Fiscais de Fronteira; Incentivo a uso do B2B.
  • 9. Vantagens do CT-e – Emitentes Redução de custos de impressão do documento fiscal; Redução de custos de aquisição de papel; Redução de custos de armazenagem de documentos fiscais; GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Simplificação de obrigações acessórias; Redução de tempo de parada de caminhões em Postos Fiscais de Fronteira; Incentivo a uso do B2B.
  • 10. Vantagens do CT-e – Tomadores Eliminação de digitação de Conhecimentos na recepção das Prestações de serviços de Transporte Recebidas; Redução de erros de escrituração; GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Incentivo a uso B2B.
  • 11. Vantagens do CT-e – Sociedade Redução do consumo de papei; Incentivo ao comércio eletrônico e ao uso de novas tecnologias; Padronização dos relacionamentos eletrônicos entre empresas; Surgimento de oportunidades de negócios e empregos na prestação de serviços ligados ao CT-e.
  • 12. Vantagens do CT-e – Contabilistas Facilitação e simplificação da Escrituração Fiscal e contábil; GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Oportunidades de serviços e consultoria ligados CT-e.
  • 13. Vantagens do CT-e – Fisco Aumento na confiabilidade; Melhoria no processo de controle fiscal; Intercâmbio e compartilhamento de informações entre os fiscos; Redução de custos no processo de controle; Diminuição da sonegação; Aumento da arrecadação; GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Suporte aos projetos de escrituração.
  • 14. Gerenciamento Eletrônico de Documentos GED é um conjunto de tecnologias que permite a uma empresa gerenciar seus documentos em forma digital. Esses documentos podem ser das mais diversas origens, tais como papel, microfilme, imagem, som, planilhas eletrônicas, arquivos de texto, etc.
  • 15. Benefícios do GED Velocidade e precisão na localização de documentos; Controle no processo de negócio; Qualidade no atendimento ao cliente; Agilidade em transações entre empresas; Melhoria no processo de tomada de decisões; Redução de custos com cópias; Melhor aproveitamento de espaço físico; Evita extravio ou falsificação de documentos.
  • 16. LALUR Livro de Apuração do Lucro Real, é um livro fiscal, sendo obrigatório somente para as empresas tributadas pelo imposto de renda na modalidade de Lucro Real, conforme previsão contida no Regulamento do Imposto de Renda. Sua função é ajustar os demonstrativos contábeis à declaração do imposto de renda com adições e exclusões ao lucro líquido do período-base, apurando-se a base de cálculo do imposto de renda.
  • 17. e-LALUR O objetivo do sistema é eliminar a redundância de informações existentes na escrituração contábil, no LALUR e na DIPJ. O funcionamento do sistema permite: Digitação e importação das adições, exclusões e compensações;  Cálculo dos tributos; Verificação de pendências; Assinatura do livro; Transmissão e visualização pela Internet.
  • 18. EFD-Social O projeto está em fase de estudos na Receita Federal e nos demais entes públicos interessados, tendo como objetivo abranger a escrituração da folha de pagamento e, em uma segunda fase, o Livro Registro de Empregados.
  • 19. Central de Balanços A Central de Balanços brasileira é um projeto integrante do SPED em fase inicial de desenvolvimento, que deverá reunir demonstrativos contábeis e uma série de informações econômico-financeiras públicas das empresas envolvidas no projeto. As informações coletadas serão mantidas em um repositório e publicadas em diversos níveis de agregação.
  • 20. Central de Balanços Os dados serão utilizados para: Geração de estatísticas; Análises nacionais e internacionais (por setor econômico, forma jurídica e porte das empresas); Análises de risco creditício; Estudos econômicos, contábeis e financeiros.
  • 21. Central de Balanços A Central tem como objetivo: Captação de dados contábeis e financeiros (notadamente as demonstrações contábeis); Agregação desses dados; Disponibilização à sociedade, em meio magnético, dos dados originais e agregados.
  • 22. a) Informações Gerais; b) Arquivo Digital; c) Autorização do Uso; d) Resultado da Autorização; e) DANFE. AULA 10 – NF-e
  • 23. O que é NF-e?
  • 24. Conceito de NF-e Documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, uma operação de circulação de mercadorias ou uma prestação de serviços, ocorrida entre as partes, e cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital do remetente (garantia de autoria e de integridade) e pela recepção, pelo Fisco, do documento eletrônico, antes da ocorrência do Fato Gerador.
  • 25. Emissão da NF-e Substitui Nota Fiscal Modelo 1 e 1A; Assinatura Digital Padrão ICP Brasil; Arquivo digital elaborado padrão XML; Numeração sequenciada em ordem crescente e identificador de números; Responsabilidade do Contribuinte pela guarda da NF-e pelo prazo decadencial; Emissão DANF-e – documento auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica para acompanhar trânsito.
  • 26. Envio da NF-e Emissor da NF-e gera um arquivo eletrônico, assinado digitalmente com informações fiscais da operação comercial. Documento eletrônico é enviado através da Internet para SEFAZ que devolverá a Autorização de Uso, sem a qual não há o trânsito da mercadoria. A NF-e também será enviada para a Receita Federal, que servirá de repositório nacional de todas as notas eletrônicas emitidas (Ambiente Nacional).
  • 27. Processo de Envio da NF-e Etapa 1 - Habilitação do contribuinte como emissor de NF-e; Etapa 2 - Emissão e Transmissão da NF-e; Etapa 3 - Consulta da NF-e; Etapa 4 - Envio da NF-e à Receita Federal e à Secretaria de Fazenda do destino; Etapa 5 - Confirmação de Recebimento da NF-e pelo destinatário.
  • 28.
  • 29. Vantagem da NF-e – Emissor Redução de custos de aquisição de papel; Redução de custos de impressão do documento fiscal; Redução de custos de armazenagem de documentos fiscais; Simplificação de obrigações acessórias (dispensa de AIDF); Redução de tempo de parada de caminhões em Postos Fiscais de Fronteira; Incentivo ao uso de relacionamentos eletrônicos com clientes (B2B).
  • 30. Vantagem da NF-e – Receptor Eliminação de digitação de notas fiscais na recepção de mercadorias; Planejamento de logística de entrega pela recepção antecipada da informação da NF-e; Redução de erros de escrituração devido a erros de digitação de notas fiscais; Incentivo ao uso de relacionamentos eletrônicos com fornecedores (B2B);
  • 31. Vantagem da NF-e – Fisco Informação em tempo real, antes da ocorrência do fato gerador; Cruzamento eletrônico de informações; Aprimoramento dos controles fiscais; Facilita a auditoria dos tributos; Dificulta a sonegação de impostos; Aumento da arrecadação.
  • 32. Arquivo Digital da NF-e A NF-e é o arquivo XML assinado digitalmente com a autorização de uso. Devem ser armazenados, no mesmo formato que foram transmitidos e autorizados. Esses bancos de dados são importantes para as questões operacionais da empresa.
  • 33. Autorização da NF-e A empresa emissora de NF-e gera um arquivo eletrônico contendo informações fiscais da operação comercial, assinado digitalmente pelo emitente para garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. Este arquivo eletrônico da NF-e será então transmitido pela Internet para a SEFAZ que fará uma pré-validação do arquivo e devolverá uma Autorização de Uso.
  • 34. Validações da SEFAZ Na recepção da NF-e pela SEFAZ é feita uma validação para fins de autorização de uso, sendo validados: Assinatura digital; Formato de campos; Numeração da NF-e; Emitente autorizado.
  • 35. Resultado da Autorização da NF-e Após a análise dos documentos, a administração tributária deixará o emitente ciente em relação aos resultados. Rejeição do arquivo da NF-e; Denegação da autorização de uso da NF-e; Concessão da autorização de uso da NF-e.
  • 36. Rejeição do Arquivo da NF-e Na rejeição, o número da nota poderá ser reutilizado, pois é como se a nota nunca tivesse existido, pois não possui validade jurídica. A rejeição pode ocorrer por: Falhas na recepção; Erros no processamento; Erros no preenchimento; Erros no leiaute do arquivo; Duplicidade do número do CT-e.
  • 37. Denegação da Autorização da NF-e A denegação é o processo em que a Secretaria de Fazenda não autoriza a realização da operação. O número da nota não pode mais ser utilizado, pois a nota possui validade jurídica, mas o Fisco entendeu que ela não está apta a acobertar a operação a que se refere. A denegação pode ocorrer por irregularidade fiscal do emitente e do destinatário.
  • 38. Concessão da Autorização da NF-e A mercadoria somente poderá circular quando houver autorização de uso da NF-e e o DANF-e correspondente. A concessão sendo aprovada não permitirá nenhuma alteração da NF-e. O emitente receberá, via Internet, um número de protocolo com as informações pertinentes. Esse documento poderá ser autenticado mediante assinatura digital gerada pela administração tributária.
  • 39. Concessão da Autorização da NF-e A mercadoria somente poderá circular quando houver autorização de uso da NF-e e o DANF-e correspondente. A concessão sendo aprovada não permitirá nenhuma alteração da NF-e. O emitente receberá, via Internet, um número de protocolo com as informações pertinentes. Esse documento poderá ser autenticado mediante assinatura digital gerada pela administração tributária.
  • 40. DANF-e – Documento Auxiliar da NF-e É uma representação simplificada da NF-e com as seguintes funções: Conter a chave numérica com 44 posições para consulta das informações da NF-e (Chave de Acesso); Acompanhar a mercadoria em trânsito, fornecendo informações básicas sobre a operação; Auxiliar na escrituração das operações documentadas por NF-e.
  • 41. DANF-e – Documento Auxiliar da NF-e Não substitui a Nota Fiscal; Representação simplificada da NF-e; Contém chave de acesso para consulta da NF-e; Apenas para acompanhar trânsito da mercadoria Impresso em apenas 1 via em papel A4; Possui código de barras unidimensional com chave de acesso.
  • 42. Características do DANF-e Refletir exatamente o conteúdo NF-e; Impresso pelo vendedor antes da circulação mercadoria; Somente poderá ser utilizado para transitar com as mercadorias após a concessão da Autorização de Uso da respectiva NF-e; Impresso em uma única cópia para acompanhar o trânsito de mercadorias; Deverá ser impresso em papel comum, exceto papel jornal, no tamanho mínimo A4, com dados legíveis.
  • 43. Armazenamento da NF-e O emitente e o destinatário deverão manter em arquivo digital da NF-e pelo prazo estabelecido na legislação para a guarda dos documentos fiscais, devendo ser apresentadas à administração tributária, quando solicitado. A utilização de uma central de armazenamento de dados é necessária para preservar as informações geradas e disponibilizadas de forma rápida e segura.
  • 44. Cancelamento da NF-e A NF-e não poderá ser cancelada em prazo superior a 24 horas, contando-se do momento em que foi concedida a respectiva Autorização de Uso da NF-e e desde que não tenha ocorrido a circulação da mercadoria ou a prestação do serviço. Nos casos em que a operação não tenha sido realizada e o cancelamento não tenha sido transmitido no prazo referido acima, a correção deve ser realizada através da emissão de NF-e de estorno.
  • 45. Antes e Depois da NF-e