SlideShare uma empresa Scribd logo
LANÇAMENTO DE NOTAS.
O intuito deste pequeno manual é a padronização dos lançamentos fiscais em nosso sistema e
mostrar a importância do lançador. Um trabalho só é bem sucedido se executado por pessoas
que saibam da sua grande importância no processo.
O Lançador.
É a pessoa que tem a capacidade de análise do processo de entradas e emissão de notas
fiscais. É um filtro para evitar erros, falhas, autuações e multas. Sua importância é grande
devido sua responsabilidade.
O Cenário
Nos últimos anos a Receita Federal e os Estados da União fortaleceram a fiscalização sobre as
empresas a fim de evitar a sonegação e também para aumentar a arrecadação. Foram
lançados vários programas para escrituração fiscal eletrônica, que permitem ao governo, em
tempo real, ter acesso as informações fiscais das empresas, como os SPEDs, a Nota Fiscal
Eletrônica, o E-SOCIAL, entre outros.
A Receita Federal possui uma plataforma virtual por onde passam todas as informações das
notas fiscais, no momento da emissão e também na hora que a nota é escriturada pelo
LANÇADOR. Caso exista alguma divergência, o sistema tributário nacional irá apontar as
inconsistências e serão tomadas medidas para correção e punição às empresas envolvidas
(Autuações, Multas, Processos).
Objetivo
Nosso principal objetivo é instruir para evitar perdas financeiras e de credibilidade da nossa
empresa. Tornar o processo confiável, rápido e eficaz visando melhoria contínua e integração
entre os setores.
Bons lançamentos!
Antônio Júnior.
10 DICAS PARA LANÇAR UMA NOTA NO SISTEMA.
1 – Não Lance uma nota fiscal eletrônica manualmente.
Atualmente nosso sistema está integrado com a Receita Federal, por este motivo, na hora do
lançamento, caso a nota não conste em nosso banco de dados, pode ser um indício de alguma
irregularidade com a nota do fornecedor. Se lançarmos uma nota fiscal que não estiver
validada pela Receita e importada por nosso sistema, colocamos em risco de multas e
autuações a empresa.
2 – Certifique-se que todas as Alíquotas e Impostos retidos estejam iguais no sistema e na
nota.
Este é o principal motivo de autuações por parte da Receita. A nota deve ser lançada com as
mesmas alíquotas e valores constantes no documento fiscal, caso o sistema esteja divergente o
departamento fiscal deverá ser notificado imediatamente para proceder as parametrizações
necessárias.
3 – Lance sempre os mesmos produtos destacados nas notas obedecendo sempre as
descrições
É importantíssimo que o lançamento de produto esteja correto, assim o estoque não ficará
errado. Um produto trocado causa problemas nos setores de Estoque, Compras, Vendas, Fiscal,
Contábil e Financeiro. Exemplo: se ao invés de Laranja for lançado Banana, o custo ficará
diferente, o setor de compras vai deixar de comprar Bananas, pois o estoque estará alto e
comprará ainda mais laranjas porque o estoque estará baixo, como o produto é perecível o
mesmo poderá estragar, trazendo prejuízo para a empresa.
4 – Use sempre as mesmas Unidades de Medida destacadas.
É obrigatório que as unidades de medidas lançadas no sistema estejam iguais aos da nota
fiscal, caso tenha que ter ajustes, estes deverão ser feitos internamente pelos setores
responsáveis. Lembre-se que a escrituração em nosso sistema deve ser um espelho fiel do
documento fiscal. Se a Unidade e Medida for CX, deve-se lançar CX. Se PC deve ser lançado PC e
assim por diante.
5 – Confira as mercadorias recebidas com as destacadas na nota no exato momento do
recebimento.
A conferência da nota deve ser feita no momento da entrega da mercadoria, e em caso de
divergência contate imediatamente o fornecedor para que proceda a troca da nota, assim
evitaremos problemas com quantidades diferentes e validade dos produtos.
6 – Ao receber uma nota lance-a no sistema imediatamente.
O prazo de validade de uma nota fiscal eletrônica é de 24 horas. Quando lançamos uma nota
imediatamente o estoque fica correto, os impostos são recolhidos em tempo hábil e o setor
financeiro tem condições de programar os pagamentos evitando atrasos, multas e protestos de
títulos. Também melhora nosso relacionamento com os fornecedores em futuras compras.
7- Ao efetuar uma devolução com nota, certifique que os impostos estão iguais ao da nota
fiscal de origem.
É exigência da Receita Federal que ao efetuarmos uma operação de devolução de produtos a
operação fiscal seja igual ao da nota fiscal de origem, mesmo que esta tributação esteja
incorreta. Em casos em que nosso sistema não tenha os parâmetros necessários a nota fiscal
deverá ser rejeitada com os motivos descritos no verso.
8 – Ao receber uma nota sempre confira os dados cadastrais do destinatário.
Fazendo isto teremos a certeza que a nota fiscal realmente é para nossa empresa. Embora seja
algo muito simples, este erro é muito comum.
9- Não aceite notas fiscais ilegíveis ou rasuradas.
Uma nota ilegível ou rasurada pode ser considerada pela Receita como uma fraude, em casos
assim, a empresa recebedora da mercadoria estará sujeita a mesma punição que a empresa
infratora, já que será considerada cúmplice por causa da omissão.
10 – Confira se CFOP está de acordo com o CST.
O CST deve sempre corresponder ao CFOP conforme quadro abaixo com as principais
operações destacadas nas notas:
CST CFOP ALÍQUOTA ICMS
000 - 040 - 041 5101, 5102, 5949 7% - 12% e 18%
010 - 070 5401, 5403 7% - 12% e 18%
060 5405 7% - 12% e 18%
DADOS RELEVANTES DAS NOTAS FISCAIS
Número da Nota Fiscal
O número da nota fiscal é tão importante como a placa de carro, pois este número é o registro
numérico da operação comercial ou não comercial que envolva ao menos uma pessoa jurídica.
A numeração deve ser escriturada de forma fiel e deve constar no corpo da nota fiscal de
forma legível, sem rasuras e em local destacado.
Número de Série
É o controle do seqüencial numérico da nota fiscal, deve ser escriturado conforme é
apresentado.
Chave de Acesso
É uma seqüência numérica de 44 dígitos que codifica várias informações cadastrais e fiscais
contidas no documento.
Protocolo de Autorização
É uma autenticação da Receita Estadual para garantir a legalidade e também o padrão de uma
nota fiscal eletrônica. Esta autenticação não é uma conferência ou garantia que a nota esteja
correta, mas um registro da operação fiscal.
Natureza de Operação
A Natureza da Operação (NOP) e o Código Fiscal de Operações e Prestação (CFOP) é a
finalidade comercial ou não comercial entre a empresa remetente e seus destinatários.
Sempre devem corresponder entre si (NOP x CFOP) conforme a tabela disponibilizada pela
Secretaria de Receita Fazendária Estadual.
Data de Emissão e Data de Saída
Servem para determinar o início e o fim dos prazos comerciais previstos na legislação, como:
Garantias, Validades, Cancelamentos, ECT.
Unidades de Medida
Estão no corpo da nota fiscal e devem ser escriturados conforme consta no documento sem
que haja alteração, assim como os campos de valores e quantidades.
Frete, Desconto e Outras Despesas Acessórias
Devem ser informados nos campos designados e também compõem a base de cálculo do
ICMS.
Dados adicionais
É o campo que constam informações legais da operação e outras informações gerais.
PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CLASSIFICAÇÃO
As operações fiscais determinam os impostos conforme o destino que a mercadoria irá receber
pelo seu comprador.
Consumo
São materiais que não estão envolvidos com o nosso produto final, mas são fundamentais para
o funcionamento da empresa, exemplo: Materiais de escritório, produtos de limpeza,
materiais para manutenção, utensílios de cozinha, entre outros.
Ativo Imobilizado
São Máquinas e equipamentos que a empresa adquire com a finalidade de manter sua
operação em funcionamento, Exemplo: Veículos, máquinas impressoras, equipamentos
eletrônicos, entre outras.
Matéria Prima
São produtos que a empresa utiliza para produção do seu produto final.
Mercadoria para Revenda
São mercadorias cuja finalidade é sua revenda ao consumidor final sem a alteração de sua
característica ou preparação.
PRINCIPAIS IMPOSTOS DESTACADOS EM NOTA FISCAL
ICMS
ICMS é a sigla de Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e prestação
de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, e é um imposto
estadual, e cada estado possui uma tabela de alíquotas própria.
O ICMS está presente na Constituição Federal de 1988, e somente os governos dos estados
podem instituí-lo ou alterá-lo. O objetivo do ICMS é apenas fiscal, e o principal fato gerador é a
circulação de mercadoria, até mesmo as que iniciam no exterior. O ICMS incide sobre diversos
tipos de serviços, como telecomunicação, transporte intermunicipal e interestadual,
importação e prestação de alguns serviços, e etc.
Todas as etapas de circulação de mercadorias e em toda prestação de serviço estão sujeitas ao
ICMS, devendo haver emissão da nota fiscal. Em alguns estados, o ICMS é a maior fonte de
recursos financeiros. (Fonte: http://www.significados.com.br/icms/)
Na nota fiscal o ICMS é apresentado com Base de Cálculo, Alíquota e CST (Código da Situação
Tributária)
O CST indica como o ICMS deverá ser cobrado ou pago conforme a tabela abaixo:
Para fins de lançamento sempre temos que observar se os valores e alíquotas estão corretos
para garantir as informações e evitar multas.
Exemplo:
Valor do produto: 180,00 x Alíquota: 18% = Valor a pagar: 32,40.
IPI
O imposto incide sobre produtos industrializados, nacionais e estrangeiros, obedecidas as
especificações constantes da Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados–
TIPI (Lei n° 4.502, de 30 novembro de 1964, art. 1°, e Decreto-lei n° 34, de 18 de novembro de
1996, art. 1°).
O campo de incidência do IPI abrange todos os produtos com alíquota, ainda que zero,
relacionados na TIPI, excluídos aqueles a que corresponde a notação "NT" (não tributado).
Produto industrializado é o resultante de qualquer operação que modifique a natureza, o
funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto, ou o aperfeiçoe
para consumo, sendo irrelevantes, para caracterizar a operação como industrialização, o
processo utilizado para obtenção do produto e a localização e condições das instalações ou
equipamentos empregados, tais como:
a) transformação - operação exercida sobre a matéria-prima ou produto intermediário, que
resulta na obtenção de espécie nova;
b) beneficiamento – operação que modifica, aperfeiçoa ou, de qualquer forma, altera o
funcionamento, a utilização, o acabamento ou a aparência do produto;
c) montagem – operação que consiste na reunião de produtos, peças ou partes e da qual
resulta novo produto ou unidade autônoma, ainda que sob a mesma classificação fiscal;
d) acondicionamento ou recondicionamento – operação que altera a apresentação do
produto, pela colocação da embalagem, ainda que em substituição da original, salvo quando a
embalagem colocada se destine apenas ao transporte da mercadoria;
e) renovação ou recondicionamento – operação exercida sobre produto usado ou parte
remanescente do produto deteriorado ou inutilizado, que renova ou restaura o produto para
utilização.
Nas operações de notas fiscais, normalmente, o IPI é destacado seu valor e alíquota, sendo a
sua base sempre igual ao valor total de cada produto. Deve ser escriturado fielmente sem
erros na composição de seus valores.
ICMS ST
Normalmente constante nas notas de compra o ICMS ST é uma antecipação do ICMS cobrado
do consumidor final.
Sabemos que o ICMS é o imposto sobre a circulação de mercadorias, ou seja, é cobrado todas
as vezes que exista circulação (troca de propriedade). Com a intenção de fiscalizar ainda mais
as operações com direito a crédito de imposto os governos antecipam a cobrança do
consumidor final para evitar prejuízos com impostos não recolhidos.
O ICMS ST deve ser escriturado e conferido com a nota fiscal, pois assim o seu emitente fica
responsável pela cobrança e repasse ao fisco.
CARTA DE CORREÇÃO – (CC-e)
É permitida a utilização de CC-e para regularização de erro ocorrido na emissão de documento
fiscal, desde que o erro NÃO esteja relacionado com:
I – as variáveis que determinam o valor do imposto tais como: base de cálculo, alíquota,
diferença de preço, quantidade, valor da operação ou da prestação.
II – a correção de dados cadastrais que implique mudanças do remetente ou do destinatário;
III – a data de emissão ou de saída da mercadoria.
NOSSO CONTATO
antonio.tributario@gmail.com, telefone (11) 97344-9835

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interpretação e integração da legislação tributária artigos jusbrasil
Interpretação e integração da legislação tributária   artigos jusbrasilInterpretação e integração da legislação tributária   artigos jusbrasil
Interpretação e integração da legislação tributária artigos jusbrasil
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
Fernanda Moreira
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Fernanda Moreira
 
Lançamento tributário 2012-1
Lançamento tributário   2012-1Lançamento tributário   2012-1
Lançamento tributário 2012-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Betânia Costa
 
Value Added Tax (VAT)
Value Added Tax (VAT)Value Added Tax (VAT)
Value Added Tax (VAT)
Tasmi Turin
 
Imposto sobre valor acrescentado
Imposto sobre valor acrescentadoImposto sobre valor acrescentado
Imposto sobre valor acrescentado
Universidade Pedagogica
 
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro CatundaConsignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
Fabiana Del Padre Tomé
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscal
D S Correia Silva
 
Direito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
Direito TributáRio E Sistema Fiscal AngolanoDireito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
Direito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
Ngouabi Salvador
 
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINSDefinição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Edgar Gonçalves
 
Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)
Pamela1209
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
Jessica Namba
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
Olavo Valente
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
Roberto Dias Duarte
 
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Nilton Maciel
 
Ibet validade, vigência e eficácia
Ibet validade, vigência e eficáciaIbet validade, vigência e eficácia
Ibet validade, vigência e eficácia
Heitor Carvalho
 
Apresentação do trabalho lucro real
Apresentação do trabalho   lucro realApresentação do trabalho   lucro real
Apresentação do trabalho lucro real
Carlos Moura
 
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Aula dr. clélio chiesa   04-06-14Aula dr. clélio chiesa   04-06-14
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Fernanda Moreira
 

Mais procurados (20)

Interpretação e integração da legislação tributária artigos jusbrasil
Interpretação e integração da legislação tributária   artigos jusbrasilInterpretação e integração da legislação tributária   artigos jusbrasil
Interpretação e integração da legislação tributária artigos jusbrasil
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
 
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10Imposto sobre a renda p.f.   logo ibet - out.10
Imposto sobre a renda p.f. logo ibet - out.10
 
Lançamento tributário 2012-1
Lançamento tributário   2012-1Lançamento tributário   2012-1
Lançamento tributário 2012-1
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
 
Value Added Tax (VAT)
Value Added Tax (VAT)Value Added Tax (VAT)
Value Added Tax (VAT)
 
Imposto sobre valor acrescentado
Imposto sobre valor acrescentadoImposto sobre valor acrescentado
Imposto sobre valor acrescentado
 
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro CatundaConsignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
Consignação em pagamento e repetição do indébito - Camila Vergueiro Catunda
 
Gestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscalGestão de departamento fiscal
Gestão de departamento fiscal
 
Direito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
Direito TributáRio E Sistema Fiscal AngolanoDireito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
Direito TributáRio E Sistema Fiscal Angolano
 
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINSDefinição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
 
Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)
 
6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário6 - Crédito Tributário
6 - Crédito Tributário
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
 
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
 
Ibet validade, vigência e eficácia
Ibet validade, vigência e eficáciaIbet validade, vigência e eficácia
Ibet validade, vigência e eficácia
 
Apresentação do trabalho lucro real
Apresentação do trabalho   lucro realApresentação do trabalho   lucro real
Apresentação do trabalho lucro real
 
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
Aula dr. clélio chiesa   04-06-14Aula dr. clélio chiesa   04-06-14
Aula dr. clélio chiesa 04-06-14
 

Destaque

Escrita fiscal 01
Escrita fiscal 01Escrita fiscal 01
Escrita fiscal 01
Rafael Brandão
 
Apostila de contabilização de processos entradas e saídas
Apostila de contabilização de processos   entradas e saídasApostila de contabilização de processos   entradas e saídas
Apostila de contabilização de processos entradas e saídas
William Soares
 
Curso de escrita fiscal
Curso de escrita fiscalCurso de escrita fiscal
Curso de escrita fiscal
Carlos Rocha
 
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscaisApostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
Lucas Santos
 
Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
Palmieres Mota
 
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
IOB News
 
Departamento fiscal
Departamento fiscalDepartamento fiscal
Departamento fiscal
HS CONTÁBIL LTDA
 
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviçoPop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
Graciele Soares
 
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
Lucas Gheller
 
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
Unichristus Centro Universitário
 
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
MRV Engenharia
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 3
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 3Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 3
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 3
Força Aérea Brasileira
 
Auditoria interna e o controle interno
Auditoria interna e o controle internoAuditoria interna e o controle interno
Auditoria interna e o controle interno
Universidade Pedagogica
 
Apostila escrita fiscal 03
Apostila escrita fiscal 03Apostila escrita fiscal 03
Apostila escrita fiscal 03
profcontabil
 
Lançamentos contábeis parte 1
Lançamentos contábeis parte 1Lançamentos contábeis parte 1
Lançamentos contábeis parte 1
William Rodrigues
 
Controlo interno
Controlo internoControlo interno
Controlo interno
Portal_do_Estudante_aud
 
Treinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagarTreinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagar
B&R Consultoria Empresarial
 
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo BrasileiroNFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
Roberto Dias Duarte
 
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, satNota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
Michael Belmonte
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federais
Fernandinhaparisi
 

Destaque (20)

Escrita fiscal 01
Escrita fiscal 01Escrita fiscal 01
Escrita fiscal 01
 
Apostila de contabilização de processos entradas e saídas
Apostila de contabilização de processos   entradas e saídasApostila de contabilização de processos   entradas e saídas
Apostila de contabilização de processos entradas e saídas
 
Curso de escrita fiscal
Curso de escrita fiscalCurso de escrita fiscal
Curso de escrita fiscal
 
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscaisApostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
Apostila treinamento de escrita fiscal icms e ipi cursos fiscais
 
Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
 
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
Manual Prático de Operações Fiscais e Contábeis (ICMS, IPI, ISS, PIS, COFINS)...
 
Departamento fiscal
Departamento fiscalDepartamento fiscal
Departamento fiscal
 
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviçoPop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
Pop 010-r01-emissão de nota fiscal eletrônica de serviço
 
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
Rotinas Administrativas (Contabilidade) 1
 
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
Curso online gratuito Nota Fiscal Eletrônica
 
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
MRV Engenharia: Book Relações Humanas 2014
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 3
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 3Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 3
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 3
 
Auditoria interna e o controle interno
Auditoria interna e o controle internoAuditoria interna e o controle interno
Auditoria interna e o controle interno
 
Apostila escrita fiscal 03
Apostila escrita fiscal 03Apostila escrita fiscal 03
Apostila escrita fiscal 03
 
Lançamentos contábeis parte 1
Lançamentos contábeis parte 1Lançamentos contábeis parte 1
Lançamentos contábeis parte 1
 
Controlo interno
Controlo internoControlo interno
Controlo interno
 
Treinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagarTreinamento de gestão de contas a pagar
Treinamento de gestão de contas a pagar
 
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo BrasileiroNFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
NFC-e: Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final e o Varejo Brasileiro
 
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, satNota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, Cupom fiscal eletrônico, nfce, cfe, sat
 
Aula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federaisAula introdução tributos federais
Aula introdução tributos federais
 

Semelhante a 10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais

Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/CofinsEscrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
jnmoura
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
JOSÉ ROBERTO CASTANHEIRA CAMARGO
 
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciaisCurso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Professor Edgar Madruga
 
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPITOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Connect
 
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
IOB News
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
simuladocontabil
 
Mastersaf Legis Center
Mastersaf Legis CenterMastersaf Legis Center
Mastersaf Legis Center
Acecon Solutions
 
Mudanças no Setor Varejistas
Mudanças no Setor VarejistasMudanças no Setor Varejistas
Mudanças no Setor Varejistas
Adriano Monteiro
 
112 Mat Capa
112 Mat Capa112 Mat Capa
112 Mat Capa
Adriano Monteiro
 
Mudanças no Varejo 2010
Mudanças no Varejo 2010Mudanças no Varejo 2010
Mudanças no Varejo 2010
Adriano Monteiro
 
Mudanças no Setor Varejista
Mudanças no Setor VarejistaMudanças no Setor Varejista
Mudanças no Setor Varejista
Adriano Monteiro
 
Estudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdfEstudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdf
GeraodeconhecimentoN
 
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdf
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdfPequena apostila de contabilidade tributária.pdf
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdf
MartesonCasteloBranc1
 
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA 9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
Excelência Contadores e Consultores ltda
 
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFeDiferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Vemartin IT Consulting
 
[Ebook]guia ir descomplicado
[Ebook]guia ir descomplicado[Ebook]guia ir descomplicado
[Ebook]guia ir descomplicado
Fabiana Arthur
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
MXMSistemas
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Nuno Couceiro
 
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscalCompliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
Quirius. Seu parceiro fiscal.
 
Temas polemicos do Icms
Temas polemicos do IcmsTemas polemicos do Icms
Temas polemicos do Icms
UseSoft Do Brasil Informática
 

Semelhante a 10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais (20)

Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/CofinsEscrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
Escrituração Fiscal Digital - Pis/Cofins
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
 
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciaisCurso sped fiscal   artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
Curso sped fiscal artigo crc - o sped e os riscos de interpretações parciais
 
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPITOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
TOTVS Gestão Fiscal – SPED Fiscal ICMS.IPI
 
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
2º Estudo IOB de Riscos Fiscais
 
Contabilidade gerencial prof
Contabilidade gerencial  profContabilidade gerencial  prof
Contabilidade gerencial prof
 
Mastersaf Legis Center
Mastersaf Legis CenterMastersaf Legis Center
Mastersaf Legis Center
 
Mudanças no Setor Varejistas
Mudanças no Setor VarejistasMudanças no Setor Varejistas
Mudanças no Setor Varejistas
 
112 Mat Capa
112 Mat Capa112 Mat Capa
112 Mat Capa
 
Mudanças no Varejo 2010
Mudanças no Varejo 2010Mudanças no Varejo 2010
Mudanças no Varejo 2010
 
Mudanças no Setor Varejista
Mudanças no Setor VarejistaMudanças no Setor Varejista
Mudanças no Setor Varejista
 
Estudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdfEstudo_exercicios_CRC.pdf
Estudo_exercicios_CRC.pdf
 
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdf
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdfPequena apostila de contabilidade tributária.pdf
Pequena apostila de contabilidade tributária.pdf
 
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA 9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
 
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFeDiferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
 
[Ebook]guia ir descomplicado
[Ebook]guia ir descomplicado[Ebook]guia ir descomplicado
[Ebook]guia ir descomplicado
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
 
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
Apresentação sobre impostos Jan 2013 2
 
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscalCompliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
Compliance Fiscal: 5 erros mais comuns na geração de um arquivo SPED fiscal
 
Temas polemicos do Icms
Temas polemicos do IcmsTemas polemicos do Icms
Temas polemicos do Icms
 

10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais

  • 1. LANÇAMENTO DE NOTAS. O intuito deste pequeno manual é a padronização dos lançamentos fiscais em nosso sistema e mostrar a importância do lançador. Um trabalho só é bem sucedido se executado por pessoas que saibam da sua grande importância no processo. O Lançador. É a pessoa que tem a capacidade de análise do processo de entradas e emissão de notas fiscais. É um filtro para evitar erros, falhas, autuações e multas. Sua importância é grande devido sua responsabilidade. O Cenário Nos últimos anos a Receita Federal e os Estados da União fortaleceram a fiscalização sobre as empresas a fim de evitar a sonegação e também para aumentar a arrecadação. Foram lançados vários programas para escrituração fiscal eletrônica, que permitem ao governo, em tempo real, ter acesso as informações fiscais das empresas, como os SPEDs, a Nota Fiscal Eletrônica, o E-SOCIAL, entre outros. A Receita Federal possui uma plataforma virtual por onde passam todas as informações das notas fiscais, no momento da emissão e também na hora que a nota é escriturada pelo LANÇADOR. Caso exista alguma divergência, o sistema tributário nacional irá apontar as inconsistências e serão tomadas medidas para correção e punição às empresas envolvidas (Autuações, Multas, Processos). Objetivo Nosso principal objetivo é instruir para evitar perdas financeiras e de credibilidade da nossa empresa. Tornar o processo confiável, rápido e eficaz visando melhoria contínua e integração entre os setores. Bons lançamentos! Antônio Júnior.
  • 2. 10 DICAS PARA LANÇAR UMA NOTA NO SISTEMA. 1 – Não Lance uma nota fiscal eletrônica manualmente. Atualmente nosso sistema está integrado com a Receita Federal, por este motivo, na hora do lançamento, caso a nota não conste em nosso banco de dados, pode ser um indício de alguma irregularidade com a nota do fornecedor. Se lançarmos uma nota fiscal que não estiver validada pela Receita e importada por nosso sistema, colocamos em risco de multas e autuações a empresa. 2 – Certifique-se que todas as Alíquotas e Impostos retidos estejam iguais no sistema e na nota. Este é o principal motivo de autuações por parte da Receita. A nota deve ser lançada com as mesmas alíquotas e valores constantes no documento fiscal, caso o sistema esteja divergente o departamento fiscal deverá ser notificado imediatamente para proceder as parametrizações necessárias. 3 – Lance sempre os mesmos produtos destacados nas notas obedecendo sempre as descrições É importantíssimo que o lançamento de produto esteja correto, assim o estoque não ficará errado. Um produto trocado causa problemas nos setores de Estoque, Compras, Vendas, Fiscal, Contábil e Financeiro. Exemplo: se ao invés de Laranja for lançado Banana, o custo ficará diferente, o setor de compras vai deixar de comprar Bananas, pois o estoque estará alto e comprará ainda mais laranjas porque o estoque estará baixo, como o produto é perecível o mesmo poderá estragar, trazendo prejuízo para a empresa. 4 – Use sempre as mesmas Unidades de Medida destacadas. É obrigatório que as unidades de medidas lançadas no sistema estejam iguais aos da nota fiscal, caso tenha que ter ajustes, estes deverão ser feitos internamente pelos setores responsáveis. Lembre-se que a escrituração em nosso sistema deve ser um espelho fiel do documento fiscal. Se a Unidade e Medida for CX, deve-se lançar CX. Se PC deve ser lançado PC e assim por diante. 5 – Confira as mercadorias recebidas com as destacadas na nota no exato momento do recebimento. A conferência da nota deve ser feita no momento da entrega da mercadoria, e em caso de divergência contate imediatamente o fornecedor para que proceda a troca da nota, assim evitaremos problemas com quantidades diferentes e validade dos produtos. 6 – Ao receber uma nota lance-a no sistema imediatamente. O prazo de validade de uma nota fiscal eletrônica é de 24 horas. Quando lançamos uma nota imediatamente o estoque fica correto, os impostos são recolhidos em tempo hábil e o setor
  • 3. financeiro tem condições de programar os pagamentos evitando atrasos, multas e protestos de títulos. Também melhora nosso relacionamento com os fornecedores em futuras compras. 7- Ao efetuar uma devolução com nota, certifique que os impostos estão iguais ao da nota fiscal de origem. É exigência da Receita Federal que ao efetuarmos uma operação de devolução de produtos a operação fiscal seja igual ao da nota fiscal de origem, mesmo que esta tributação esteja incorreta. Em casos em que nosso sistema não tenha os parâmetros necessários a nota fiscal deverá ser rejeitada com os motivos descritos no verso. 8 – Ao receber uma nota sempre confira os dados cadastrais do destinatário. Fazendo isto teremos a certeza que a nota fiscal realmente é para nossa empresa. Embora seja algo muito simples, este erro é muito comum. 9- Não aceite notas fiscais ilegíveis ou rasuradas. Uma nota ilegível ou rasurada pode ser considerada pela Receita como uma fraude, em casos assim, a empresa recebedora da mercadoria estará sujeita a mesma punição que a empresa infratora, já que será considerada cúmplice por causa da omissão. 10 – Confira se CFOP está de acordo com o CST. O CST deve sempre corresponder ao CFOP conforme quadro abaixo com as principais operações destacadas nas notas: CST CFOP ALÍQUOTA ICMS 000 - 040 - 041 5101, 5102, 5949 7% - 12% e 18% 010 - 070 5401, 5403 7% - 12% e 18% 060 5405 7% - 12% e 18% DADOS RELEVANTES DAS NOTAS FISCAIS Número da Nota Fiscal O número da nota fiscal é tão importante como a placa de carro, pois este número é o registro numérico da operação comercial ou não comercial que envolva ao menos uma pessoa jurídica.
  • 4. A numeração deve ser escriturada de forma fiel e deve constar no corpo da nota fiscal de forma legível, sem rasuras e em local destacado. Número de Série É o controle do seqüencial numérico da nota fiscal, deve ser escriturado conforme é apresentado. Chave de Acesso É uma seqüência numérica de 44 dígitos que codifica várias informações cadastrais e fiscais contidas no documento. Protocolo de Autorização É uma autenticação da Receita Estadual para garantir a legalidade e também o padrão de uma nota fiscal eletrônica. Esta autenticação não é uma conferência ou garantia que a nota esteja correta, mas um registro da operação fiscal. Natureza de Operação A Natureza da Operação (NOP) e o Código Fiscal de Operações e Prestação (CFOP) é a finalidade comercial ou não comercial entre a empresa remetente e seus destinatários. Sempre devem corresponder entre si (NOP x CFOP) conforme a tabela disponibilizada pela Secretaria de Receita Fazendária Estadual. Data de Emissão e Data de Saída
  • 5. Servem para determinar o início e o fim dos prazos comerciais previstos na legislação, como: Garantias, Validades, Cancelamentos, ECT. Unidades de Medida Estão no corpo da nota fiscal e devem ser escriturados conforme consta no documento sem que haja alteração, assim como os campos de valores e quantidades. Frete, Desconto e Outras Despesas Acessórias Devem ser informados nos campos designados e também compõem a base de cálculo do ICMS. Dados adicionais É o campo que constam informações legais da operação e outras informações gerais.
  • 6. PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CLASSIFICAÇÃO As operações fiscais determinam os impostos conforme o destino que a mercadoria irá receber pelo seu comprador. Consumo São materiais que não estão envolvidos com o nosso produto final, mas são fundamentais para o funcionamento da empresa, exemplo: Materiais de escritório, produtos de limpeza, materiais para manutenção, utensílios de cozinha, entre outros. Ativo Imobilizado São Máquinas e equipamentos que a empresa adquire com a finalidade de manter sua operação em funcionamento, Exemplo: Veículos, máquinas impressoras, equipamentos eletrônicos, entre outras. Matéria Prima São produtos que a empresa utiliza para produção do seu produto final. Mercadoria para Revenda São mercadorias cuja finalidade é sua revenda ao consumidor final sem a alteração de sua característica ou preparação. PRINCIPAIS IMPOSTOS DESTACADOS EM NOTA FISCAL ICMS ICMS é a sigla de Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação, e é um imposto estadual, e cada estado possui uma tabela de alíquotas própria. O ICMS está presente na Constituição Federal de 1988, e somente os governos dos estados podem instituí-lo ou alterá-lo. O objetivo do ICMS é apenas fiscal, e o principal fato gerador é a circulação de mercadoria, até mesmo as que iniciam no exterior. O ICMS incide sobre diversos tipos de serviços, como telecomunicação, transporte intermunicipal e interestadual, importação e prestação de alguns serviços, e etc.
  • 7. Todas as etapas de circulação de mercadorias e em toda prestação de serviço estão sujeitas ao ICMS, devendo haver emissão da nota fiscal. Em alguns estados, o ICMS é a maior fonte de recursos financeiros. (Fonte: http://www.significados.com.br/icms/) Na nota fiscal o ICMS é apresentado com Base de Cálculo, Alíquota e CST (Código da Situação Tributária) O CST indica como o ICMS deverá ser cobrado ou pago conforme a tabela abaixo: Para fins de lançamento sempre temos que observar se os valores e alíquotas estão corretos para garantir as informações e evitar multas. Exemplo: Valor do produto: 180,00 x Alíquota: 18% = Valor a pagar: 32,40. IPI O imposto incide sobre produtos industrializados, nacionais e estrangeiros, obedecidas as especificações constantes da Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados– TIPI (Lei n° 4.502, de 30 novembro de 1964, art. 1°, e Decreto-lei n° 34, de 18 de novembro de 1996, art. 1°). O campo de incidência do IPI abrange todos os produtos com alíquota, ainda que zero, relacionados na TIPI, excluídos aqueles a que corresponde a notação "NT" (não tributado). Produto industrializado é o resultante de qualquer operação que modifique a natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto, ou o aperfeiçoe para consumo, sendo irrelevantes, para caracterizar a operação como industrialização, o
  • 8. processo utilizado para obtenção do produto e a localização e condições das instalações ou equipamentos empregados, tais como: a) transformação - operação exercida sobre a matéria-prima ou produto intermediário, que resulta na obtenção de espécie nova; b) beneficiamento – operação que modifica, aperfeiçoa ou, de qualquer forma, altera o funcionamento, a utilização, o acabamento ou a aparência do produto; c) montagem – operação que consiste na reunião de produtos, peças ou partes e da qual resulta novo produto ou unidade autônoma, ainda que sob a mesma classificação fiscal; d) acondicionamento ou recondicionamento – operação que altera a apresentação do produto, pela colocação da embalagem, ainda que em substituição da original, salvo quando a embalagem colocada se destine apenas ao transporte da mercadoria; e) renovação ou recondicionamento – operação exercida sobre produto usado ou parte remanescente do produto deteriorado ou inutilizado, que renova ou restaura o produto para utilização. Nas operações de notas fiscais, normalmente, o IPI é destacado seu valor e alíquota, sendo a sua base sempre igual ao valor total de cada produto. Deve ser escriturado fielmente sem erros na composição de seus valores. ICMS ST Normalmente constante nas notas de compra o ICMS ST é uma antecipação do ICMS cobrado do consumidor final. Sabemos que o ICMS é o imposto sobre a circulação de mercadorias, ou seja, é cobrado todas as vezes que exista circulação (troca de propriedade). Com a intenção de fiscalizar ainda mais as operações com direito a crédito de imposto os governos antecipam a cobrança do consumidor final para evitar prejuízos com impostos não recolhidos. O ICMS ST deve ser escriturado e conferido com a nota fiscal, pois assim o seu emitente fica responsável pela cobrança e repasse ao fisco.
  • 9. CARTA DE CORREÇÃO – (CC-e) É permitida a utilização de CC-e para regularização de erro ocorrido na emissão de documento fiscal, desde que o erro NÃO esteja relacionado com: I – as variáveis que determinam o valor do imposto tais como: base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade, valor da operação ou da prestação. II – a correção de dados cadastrais que implique mudanças do remetente ou do destinatário; III – a data de emissão ou de saída da mercadoria. NOSSO CONTATO antonio.tributario@gmail.com, telefone (11) 97344-9835