SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Wandick Rocha
wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/
Práticas Tributárias, Fiscais
e Escrituração Eletrônica
a) Conceito;
b) Geração;
c) Contribuinte;
d) Geração e Envio.
AULA 11 – NFS-e
O que é NFS-e?
NFS-e
 Documento de existência exclusivamente
digital que servirá para registrar as
operações de prestação de serviços sujeitos
ao ISSQN, gerada e armazenada
eletronicamente através de sistema
disponibilizado pelas prefeituras.
 A emissão da NFS-e é de responsabilidade
do prestador dos serviços que deverá
documentar as suas operações.
 A validade jurídica da NFS-e poderá ser
garantida através de certificação digital.
Objetivo da NFS-e
 O objetivo do desenvolvimento da NFS-e é a
implantação de um modelo nacional de
documento fiscal eletrônico que substitua a
atual emissão em papel.
 Este documento visa racionalizar e
padronizar as obrigações tributárias e que
deverá ser adotado pelos municípios.
Objetivo da NFS-e
 O objetivo do desenvolvimento da NFS-e é a
implantação de um modelo nacional de
documento fiscal eletrônico que substitua a
atual emissão em papel.
 Visa racionalizar e padronizar as obrigações
tributárias e que deverá ser adotado pelos
municípios.
RPS – Recibo Provisório
de Serviços
 Registro provisório de serviço é um
documento de posse e responsabilidade do
contribuinte, que deverá ser gerado
manualmente ou por alguma aplicação
local, possuindo uma numeração sequencial
crescente.
Processo de Envio do RPS
 O envio de RPS à secretaria para geração
da NFS-e será feito em lotes, ou seja, vários
RPS agrupados para gerar uma NFS-e para
cada um deles.
 Como comprovante de envio de lote de RPS,
o contribuinte receberá um número de
protocolo de recebimento.
 Depois de processado, gerará um resultado
que estará disponível ao contribuinte.
Processo de Envio do RPS
 O resultado poderá ser as NFS-e
correspondentes ou a lista de erros
encontrados no lote.
 A numeração dos lotes de RPS é de
responsabilidade do contribuinte, devendo
ser única e distinta para cada lote.
 Um RPS pode ser enviado com o status de
cancelado gerando uma NFS-e cancelada.
 Um RPS já convertido em NFS-e não pode
ser reenviado.
Geração da NFS-e
 NFS-e contém campos que reproduzem as
informações enviadas pelo contribuinte e
outros que são de responsabilidade do
Fisco.
 Uma vez gerada, a NFS-e não pode mais ser
alterada, admitindo-se, unicamente por
iniciativa do contribuinte, ser cancelada ou
substituída, hipótese esta em que deverá ser
mantido o vínculo entre a nota substituída e
a nova.
Geração da NFS-e
 A NFS-e deve conter a identificação dos
serviços em conformidade com os itens da
Lista de Serviços (anexo LC-116/2003).
 É possível descrever vários serviços numa
mesma NFS-e, desde que relacionados a um
único item da Lista, de mesma alíquota e
para o mesmo tomador de serviço.
 A identificação do prestador de serviços será
feita pelo CNPJ, que pode ser conjugado
com a Inscrição Municipal.
Fluxo da NFS-e
Benefícios da NFS-e
Padroniza e melhora a qualidade das
informações;
Racionaliza custos;
Maior eficácia;
Aumento da competitividade das empresas
brasileiras pela racionalização das
obrigações acessórias;
Dispensa da emissão e guarda de
documentos.
Economia de papel. em papel
Premissas da NFS-e
 Documenta uma prestação de serviço;
 Existência exclusivamente digital (emissão
e armazenamento);
 Validade jurídica garantida pela assinatura
digital do emitente;
 Somente será gerada através dos serviços
informatizados disponibilizados pelas
Secretarias Municipais de Fazenda.
Contribuinte da NFS-e
 É o prestador do serviço, pessoa jurídica
ou autônomo, responsável por todas as
informações referentes para o
preenchimento e envio da NFS-e.
 O objetivo principal é a arrecadação do
ISSQN pelo sujeito Passivo (contribuinte
prestador do serviço) de acordo com as
alíquotas municipais para cada serviço .
a) Conceito;
b) Emissão;
c) Obrigação;
d) Vantagens;
e) Denegação, Concessão e Aprovação;
f) Cancelamento.
AULA 12 – CF-e / CT-e
O que é CF-e?
CF-e
 O Cupom Fiscal é um documento de
natureza fiscal que equivale à Nota Fiscal
de Venda ao Consumidor, diferenciando-se
por obrigatoriamente ter que ser emitido
por Impressora Fiscal especial,
denominada Emissor de Cupom Fiscal.
 Com o cupom fiscal, o consumidor tem a
sua compra devidamente formalizada.
 São obrigadas à emissão de cupom fiscal
empresas de varejo que faturem mais que
R$120.000,00 ao ano.
Emissor do Cupom Fiscal – ECF
 Equipamento automatizado que emite
cupons e outros documentos fiscais,
registrando os dados relativos à
quantidade, descrição e valor das
mercadorias ou serviços prestados.
 O ECF é um equipamento de automação
comercial sujeito às regras estabelecidas
na legislação do ICMS.
Sistema Autenticador e
Transmissor do CF-e (SAT-CF-e)
 Tem por finalidade documentar
eletronicamente as operações comerciais
do varejo dos contribuintes.
 Irá substituir o atual equipamento Emissor
de Cupom Fiscal (ECF).
 Será o equipamento responsável por gerar
e autenticar, por meio de Certificado Digital
Cupom Fiscal Eletrônico – SAT (CF-e-SAT)
e transmiti-lo SEFAZ, via Internet.
Sistema Autenticador e
Transmissor do CF-e (SAT-CF-e)
 Tem por finalidade documentar
eletronicamente as operações comerciais
do varejo dos contribuintes.
 Irá substituir o atual equipamento Emissor
de Cupom Fiscal (ECF).
 Será o equipamento responsável por gerar
e autenticar, por meio de Certificado Digital
Cupom Fiscal Eletrônico – SAT (CF-e-SAT)
e transmiti-lo SEFAZ, via Internet.
Extrato do CF-e
 O extrato do CF-e é uma representação
gráfica simplificada do documento
eletrônico, servindo para controle das
aquisições pelo consumidor.
 Nele existe a chave de acesso que
possibilita a consulta do documento
eletrônico no site da SEFAZ.
 o Extrato do CF-e não é um documento
fiscal.
O que é CT-e?
CT-e
 Documento de existência apenas digital,
emitido e armazenado eletronicamente,
com o intuito de documentar, para fins
fiscais, uma prestação de serviço de
transporte de cargas realizada por qualquer
modal de transporte (Rodoviário, Aéreo,
Ferroviário, Aquaviário e Dutoviário).
 Sua validade jurídica é garantida pela
assinatura digital do emitente (garantia de
autoria e de integridade) e pela recepção e
autorização de uso, pelo Fisco.
DACT-e
 O Documento Auxiliar do Conhecimento de
Transporte Eletrônico é uma representação
simplificada do CT-e.
 Tem as seguintes funções:
Chave numérica (Chave de Acesso);
Acompanhar a mercadoria em trânsito;
Auxiliar na escrituração das operações
documentadas por CT-e.
Características do DACT-e
 Deve ser impresso pelo vendedor antes da
circulação da mercadoria;
 Poderá ser utilizado para transitar com as
mercadorias após a concessão da
Autorização de Uso do CT-e;
 Utilizar papel A4 e ter informações legíveis;
 Impressão de informações complementares;
 Poderá ser modificado o leiaute preservando
os campos obrigatórios do CT-e.
Vantagens do CT-e
 Redução de custos de impressão e
arquivamento do documento fiscal;
 Economia de Papel;
 Redução de sonegação de impostos;
 Gerenciamento Eletrônico de Documentos;
 Simplificação de obrigações acessórias;
 Redução de tempo de parada de
caminhões em Postos Fiscais de Fronteira;
 Incentivo a uso de relacionamentos
eletrônicos com clientes (B2B).
Emissão do CT-e
 Estar credenciada para emitir CT-e junto à
SEFAZ em que está estabelecida;
 Possuir certificado digital (e-CNPJ);
 Possuir acesso à internet;
 Adaptar o seu sistema de faturamento para
emitir o CT-e ou utilizar o "Emissor de CT-e",
para os casos de empresa de pequeno porte;
 Testar seus sistemas;
 Obter a autorização da SSEFAZ para
emissão de CT-e em ambiente de produção.
Fluxo de Emissão do CT-e
Substituição dos
Documentos Fiscais
 Conhecimento de Transporte Rodoviário de
Cargas – modelo 8;
 Conhecimento de Transporte Aquaviário de
Cargas – modelo 9;
 Conhecimento Aéreo – modelo 10;
 Conhecimento de Transporte Ferroviário de
Cargas – modelo 11;
 Nota Fiscal de Serviço de Transporte
Ferroviário de Cargas – modelo 27.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Nilton Maciel
 
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas FiscaisSPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
Marcelo Ribeiro
 
Webaula1
Webaula1Webaula1
Webaula1
dygos2
 
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPEDUma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Eliton Luiz de Assis
 
Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
Palmieres Mota
 
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
Antônio Júnior
 
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPEDNFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
Professor Edgar Madruga
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MGSPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
Professor Edgar Madruga
 
Pacote do governo
Pacote do governoPacote do governo
Pacote do governo
Renata Santana Santos
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
JOSÉ ROBERTO CASTANHEIRA CAMARGO
 
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-ESINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
denisfiscal
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
Roberto Dias Duarte
 
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
Jose Adriano Pinto
 
Apresentação sped
Apresentação spedApresentação sped
Apresentação sped
Hebert Lopes
 
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio TonelliApresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Roberto Dias Duarte
 
Documentos fiscais
Documentos fiscaisDocumentos fiscais
Documentos fiscais
Valéria Lins
 
TOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
TOTVS Gestão Contábil – SPED ContábilTOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
TOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
TOTVS Connect
 
Novidades tributárias para 2017 e 2018
Novidades tributárias para 2017 e 2018Novidades tributárias para 2017 e 2018
Novidades tributárias para 2017 e 2018
Renata Santana Santos
 
Nota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônicaNota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônica
Rafhael Sena
 
NFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal EletronicaNFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal Eletronica
Vemartin IT Consulting
 

Mais procurados (20)

Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração DigitalSped - Sistema Publico de Escrituração Digital
Sped - Sistema Publico de Escrituração Digital
 
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas FiscaisSPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
SPED - Os Desafios dos Novos Paradigmas Fiscais
 
Webaula1
Webaula1Webaula1
Webaula1
 
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPEDUma visão abrangente e direta sobre o SPED
Uma visão abrangente e direta sobre o SPED
 
Manual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronicaManual nota fiscal eletronica
Manual nota fiscal eletronica
 
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
10 Dicas para Lançamento de Notas Fiscais
 
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPEDNFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
NFE Nota Fiscal Eletronica - SPED
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MGSPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ MG
 
Pacote do governo
Pacote do governoPacote do governo
Pacote do governo
 
Palestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal EletronicaPalestra Nota Fiscal Eletronica
Palestra Nota Fiscal Eletronica
 
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-ESINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
SINTESE DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E
 
Apresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED FiscalApresentação sobre SPED Fiscal
Apresentação sobre SPED Fiscal
 
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
SPED - EFD-Contribuições - Novo Guia Prático 1.15
 
Apresentação sped
Apresentação spedApresentação sped
Apresentação sped
 
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio TonelliApresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
Apresentação SPED Contábil - Márcio Tonelli
 
Documentos fiscais
Documentos fiscaisDocumentos fiscais
Documentos fiscais
 
TOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
TOTVS Gestão Contábil – SPED ContábilTOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
TOTVS Gestão Contábil – SPED Contábil
 
Novidades tributárias para 2017 e 2018
Novidades tributárias para 2017 e 2018Novidades tributárias para 2017 e 2018
Novidades tributárias para 2017 e 2018
 
Nota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônicaNota fiscal eletrônica
Nota fiscal eletrônica
 
NFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal EletronicaNFe Nota Fiscal Eletronica
NFe Nota Fiscal Eletronica
 

Destaque

Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e TransmissãoCFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
DinizSoft Sistemas de Informática Ltda ME
 
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360ºPalestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Danilo Ferreira
 
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo BattistellaFórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
decision-it
 
Apostila tributaria
Apostila tributariaApostila tributaria
Apostila tributaria
Alex Guedes
 
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2GPalestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Decision IT
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
Fernanda Moreira
 
Aula 6 excel
Aula 6 excelAula 6 excel
Aula 6 excel
Elielso Dias
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
osatoas
 
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Keziah Silva Pinto
 
aCartilha controle interno
aCartilha controle internoaCartilha controle interno
aCartilha controle interno
UFES
 
Aula 10 excel
Aula 10 excelAula 10 excel
Aula 10 excel
Elielso Dias
 
Aula 14 excel
Aula 14 excelAula 14 excel
Aula 14 excel
Elielso Dias
 
Aula 5 excel
Aula 5 excelAula 5 excel
Aula 5 excel
Elielso Dias
 
Ação Ordinária de Restituição de Indébito
Ação Ordinária de Restituição de IndébitoAção Ordinária de Restituição de Indébito
Ação Ordinária de Restituição de Indébito
Consultor JRSantana
 
Aula 13 excel
Aula 13  excelAula 13  excel
Aula 13 excel
Elielso Dias
 
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e AnulatoriaTRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
Consultor JRSantana
 
Slides professores
Slides professoresSlides professores
Slides professores
Elielso Dias
 

Destaque (20)

Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
Práticas Tributárias - Aulas 1 e 2
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
 
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
Práticas Tributárias - Aulas 5 e 6
 
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e TransmissãoCFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
CFE-SAT - Cupom Fiscal Eletrônico - Sistema de Autenticação e Transmissão
 
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360ºPalestraspedfiscalicmsipivisão360º
Palestraspedfiscalicmsipivisão360º
 
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo BattistellaFórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
Fórum SPED POA - Documentos Fiscais Eletrônicos - Eduardo Battistella
 
Apostila tributaria
Apostila tributariaApostila tributaria
Apostila tributaria
 
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2GPalestra Eduardo Battistella - NF-e2G
Palestra Eduardo Battistella - NF-e2G
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
 
Aula 6 excel
Aula 6 excelAula 6 excel
Aula 6 excel
 
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamentalApostila controle-interno-e-auditoria-governamental
Apostila controle-interno-e-auditoria-governamental
 
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
Slides direitoconstitucionaltributário aula 1
 
aCartilha controle interno
aCartilha controle internoaCartilha controle interno
aCartilha controle interno
 
Aula 10 excel
Aula 10 excelAula 10 excel
Aula 10 excel
 
Aula 14 excel
Aula 14 excelAula 14 excel
Aula 14 excel
 
Aula 5 excel
Aula 5 excelAula 5 excel
Aula 5 excel
 
Ação Ordinária de Restituição de Indébito
Ação Ordinária de Restituição de IndébitoAção Ordinária de Restituição de Indébito
Ação Ordinária de Restituição de Indébito
 
Aula 13 excel
Aula 13  excelAula 13  excel
Aula 13 excel
 
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e AnulatoriaTRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
TRIBUTARIO: Inicial – Acao Declaratoria e Anulatoria
 
Slides professores
Slides professoresSlides professores
Slides professores
 

Semelhante a Práticas Tributárias - Aulas 11 e 12

MXM-Faturamento
MXM-FaturamentoMXM-Faturamento
MXM-Faturamento
MXMSistemas
 
Nfs-e de Vitoria
Nfs-e  de VitoriaNfs-e  de Vitoria
Nfs-e de Vitoria
Monitoria Contabil S/C
 
Projeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-eProjeto nacional NF-e
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MGProjeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
Fernando Oliveira
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
ARScaramel
 
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronicaG2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
NeoGrid Software S/A
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
MXMSistemas
 
Sped28maio2007
Sped28maio2007Sped28maio2007
Sped28maio2007
Ediane Oliveira
 
Sped28maio2007
Sped28maio2007Sped28maio2007
Sped28maio2007
Ediane Oliveira
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
Acecon Solutions
 
SEF/MG: SPED FISCAL
SEF/MG: SPED FISCALSEF/MG: SPED FISCAL
SEF/MG: SPED FISCAL
Roberto Dias Duarte
 
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
Roberto Dias Duarte
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PASPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
Professor Edgar Madruga
 
Vantagens da nf e
Vantagens da nf eVantagens da nf e
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFeDiferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Vemartin IT Consulting
 
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
Roberto Dias Duarte
 
Apresentação Cicluss SPED NFe
Apresentação Cicluss SPED NFeApresentação Cicluss SPED NFe
Apresentação Cicluss SPED NFe
Eliton Luiz de Assis
 
O Papel do Contador na éra do SPED
O Papel do Contador na éra do SPEDO Papel do Contador na éra do SPED
O Papel do Contador na éra do SPED
Ricardo Satin, MSc, ITIL, CSM, PMP
 
SPED / NF-e
SPED / NF-eSPED / NF-e
SPED / NF-e
GrupoFortesServicos
 
ApresentaçãO Sped 2009 2
ApresentaçãO Sped 2009 2ApresentaçãO Sped 2009 2
ApresentaçãO Sped 2009 2
Jorge Campos
 

Semelhante a Práticas Tributárias - Aulas 11 e 12 (20)

MXM-Faturamento
MXM-FaturamentoMXM-Faturamento
MXM-Faturamento
 
Nfs-e de Vitoria
Nfs-e  de VitoriaNfs-e  de Vitoria
Nfs-e de Vitoria
 
Projeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-eProjeto nacional NF-e
Projeto nacional NF-e
 
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MGProjeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
Projeto Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Montes Claros - MG
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
 
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronicaG2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
G2KA NFS-e - Nota Fiscal de Servicos eletronica
 
MXM-EFD
MXM-EFDMXM-EFD
MXM-EFD
 
Sped28maio2007
Sped28maio2007Sped28maio2007
Sped28maio2007
 
Sped28maio2007
Sped28maio2007Sped28maio2007
Sped28maio2007
 
Nota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal EletrônicaNota Fiscal Eletrônica
Nota Fiscal Eletrônica
 
SEF/MG: SPED FISCAL
SEF/MG: SPED FISCALSEF/MG: SPED FISCAL
SEF/MG: SPED FISCAL
 
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
#SPED: NF-e: SEF/MG: Apresentação
 
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PASPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
SPED: APRESENTAÇÃO SPED FISCAL ICMS/IPI SEFAZ PA
 
Vantagens da nf e
Vantagens da nf eVantagens da nf e
Vantagens da nf e
 
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFeDiferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
Diferenças entre SAT x NFCe X ECF e NFe
 
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
Curso sobre SPED, Itabira - 20-11-2009
 
Apresentação Cicluss SPED NFe
Apresentação Cicluss SPED NFeApresentação Cicluss SPED NFe
Apresentação Cicluss SPED NFe
 
O Papel do Contador na éra do SPED
O Papel do Contador na éra do SPEDO Papel do Contador na éra do SPED
O Papel do Contador na éra do SPED
 
SPED / NF-e
SPED / NF-eSPED / NF-e
SPED / NF-e
 
ApresentaçãO Sped 2009 2
ApresentaçãO Sped 2009 2ApresentaçãO Sped 2009 2
ApresentaçãO Sped 2009 2
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
Wandick Rocha de Aquino
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
Wandick Rocha de Aquino
 
Sped
SpedSped
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
Wandick Rocha de Aquino
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
Wandick Rocha de Aquino
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Wandick Rocha de Aquino
 
Liderança
LiderançaLiderança
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Wandick Rocha de Aquino
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
Wandick Rocha de Aquino
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
Wandick Rocha de Aquino
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Wandick Rocha de Aquino
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino (20)

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
 
Sped
SpedSped
Sped
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
 

Último

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Práticas Tributárias - Aulas 11 e 12

  • 2. a) Conceito; b) Geração; c) Contribuinte; d) Geração e Envio. AULA 11 – NFS-e
  • 3. O que é NFS-e?
  • 4. NFS-e  Documento de existência exclusivamente digital que servirá para registrar as operações de prestação de serviços sujeitos ao ISSQN, gerada e armazenada eletronicamente através de sistema disponibilizado pelas prefeituras.  A emissão da NFS-e é de responsabilidade do prestador dos serviços que deverá documentar as suas operações.  A validade jurídica da NFS-e poderá ser garantida através de certificação digital.
  • 5. Objetivo da NFS-e  O objetivo do desenvolvimento da NFS-e é a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico que substitua a atual emissão em papel.  Este documento visa racionalizar e padronizar as obrigações tributárias e que deverá ser adotado pelos municípios.
  • 6. Objetivo da NFS-e  O objetivo do desenvolvimento da NFS-e é a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico que substitua a atual emissão em papel.  Visa racionalizar e padronizar as obrigações tributárias e que deverá ser adotado pelos municípios.
  • 7. RPS – Recibo Provisório de Serviços  Registro provisório de serviço é um documento de posse e responsabilidade do contribuinte, que deverá ser gerado manualmente ou por alguma aplicação local, possuindo uma numeração sequencial crescente.
  • 8. Processo de Envio do RPS  O envio de RPS à secretaria para geração da NFS-e será feito em lotes, ou seja, vários RPS agrupados para gerar uma NFS-e para cada um deles.  Como comprovante de envio de lote de RPS, o contribuinte receberá um número de protocolo de recebimento.  Depois de processado, gerará um resultado que estará disponível ao contribuinte.
  • 9. Processo de Envio do RPS  O resultado poderá ser as NFS-e correspondentes ou a lista de erros encontrados no lote.  A numeração dos lotes de RPS é de responsabilidade do contribuinte, devendo ser única e distinta para cada lote.  Um RPS pode ser enviado com o status de cancelado gerando uma NFS-e cancelada.  Um RPS já convertido em NFS-e não pode ser reenviado.
  • 10. Geração da NFS-e  NFS-e contém campos que reproduzem as informações enviadas pelo contribuinte e outros que são de responsabilidade do Fisco.  Uma vez gerada, a NFS-e não pode mais ser alterada, admitindo-se, unicamente por iniciativa do contribuinte, ser cancelada ou substituída, hipótese esta em que deverá ser mantido o vínculo entre a nota substituída e a nova.
  • 11. Geração da NFS-e  A NFS-e deve conter a identificação dos serviços em conformidade com os itens da Lista de Serviços (anexo LC-116/2003).  É possível descrever vários serviços numa mesma NFS-e, desde que relacionados a um único item da Lista, de mesma alíquota e para o mesmo tomador de serviço.  A identificação do prestador de serviços será feita pelo CNPJ, que pode ser conjugado com a Inscrição Municipal.
  • 13. Benefícios da NFS-e Padroniza e melhora a qualidade das informações; Racionaliza custos; Maior eficácia; Aumento da competitividade das empresas brasileiras pela racionalização das obrigações acessórias; Dispensa da emissão e guarda de documentos. Economia de papel. em papel
  • 14. Premissas da NFS-e  Documenta uma prestação de serviço;  Existência exclusivamente digital (emissão e armazenamento);  Validade jurídica garantida pela assinatura digital do emitente;  Somente será gerada através dos serviços informatizados disponibilizados pelas Secretarias Municipais de Fazenda.
  • 15. Contribuinte da NFS-e  É o prestador do serviço, pessoa jurídica ou autônomo, responsável por todas as informações referentes para o preenchimento e envio da NFS-e.  O objetivo principal é a arrecadação do ISSQN pelo sujeito Passivo (contribuinte prestador do serviço) de acordo com as alíquotas municipais para cada serviço .
  • 16. a) Conceito; b) Emissão; c) Obrigação; d) Vantagens; e) Denegação, Concessão e Aprovação; f) Cancelamento. AULA 12 – CF-e / CT-e
  • 17. O que é CF-e?
  • 18. CF-e  O Cupom Fiscal é um documento de natureza fiscal que equivale à Nota Fiscal de Venda ao Consumidor, diferenciando-se por obrigatoriamente ter que ser emitido por Impressora Fiscal especial, denominada Emissor de Cupom Fiscal.  Com o cupom fiscal, o consumidor tem a sua compra devidamente formalizada.  São obrigadas à emissão de cupom fiscal empresas de varejo que faturem mais que R$120.000,00 ao ano.
  • 19. Emissor do Cupom Fiscal – ECF  Equipamento automatizado que emite cupons e outros documentos fiscais, registrando os dados relativos à quantidade, descrição e valor das mercadorias ou serviços prestados.  O ECF é um equipamento de automação comercial sujeito às regras estabelecidas na legislação do ICMS.
  • 20. Sistema Autenticador e Transmissor do CF-e (SAT-CF-e)  Tem por finalidade documentar eletronicamente as operações comerciais do varejo dos contribuintes.  Irá substituir o atual equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF).  Será o equipamento responsável por gerar e autenticar, por meio de Certificado Digital Cupom Fiscal Eletrônico – SAT (CF-e-SAT) e transmiti-lo SEFAZ, via Internet.
  • 21. Sistema Autenticador e Transmissor do CF-e (SAT-CF-e)  Tem por finalidade documentar eletronicamente as operações comerciais do varejo dos contribuintes.  Irá substituir o atual equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF).  Será o equipamento responsável por gerar e autenticar, por meio de Certificado Digital Cupom Fiscal Eletrônico – SAT (CF-e-SAT) e transmiti-lo SEFAZ, via Internet.
  • 22. Extrato do CF-e  O extrato do CF-e é uma representação gráfica simplificada do documento eletrônico, servindo para controle das aquisições pelo consumidor.  Nele existe a chave de acesso que possibilita a consulta do documento eletrônico no site da SEFAZ.  o Extrato do CF-e não é um documento fiscal.
  • 23. O que é CT-e?
  • 24. CT-e  Documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, uma prestação de serviço de transporte de cargas realizada por qualquer modal de transporte (Rodoviário, Aéreo, Ferroviário, Aquaviário e Dutoviário).  Sua validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente (garantia de autoria e de integridade) e pela recepção e autorização de uso, pelo Fisco.
  • 25. DACT-e  O Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico é uma representação simplificada do CT-e.  Tem as seguintes funções: Chave numérica (Chave de Acesso); Acompanhar a mercadoria em trânsito; Auxiliar na escrituração das operações documentadas por CT-e.
  • 26. Características do DACT-e  Deve ser impresso pelo vendedor antes da circulação da mercadoria;  Poderá ser utilizado para transitar com as mercadorias após a concessão da Autorização de Uso do CT-e;  Utilizar papel A4 e ter informações legíveis;  Impressão de informações complementares;  Poderá ser modificado o leiaute preservando os campos obrigatórios do CT-e.
  • 27. Vantagens do CT-e  Redução de custos de impressão e arquivamento do documento fiscal;  Economia de Papel;  Redução de sonegação de impostos;  Gerenciamento Eletrônico de Documentos;  Simplificação de obrigações acessórias;  Redução de tempo de parada de caminhões em Postos Fiscais de Fronteira;  Incentivo a uso de relacionamentos eletrônicos com clientes (B2B).
  • 28. Emissão do CT-e  Estar credenciada para emitir CT-e junto à SEFAZ em que está estabelecida;  Possuir certificado digital (e-CNPJ);  Possuir acesso à internet;  Adaptar o seu sistema de faturamento para emitir o CT-e ou utilizar o "Emissor de CT-e", para os casos de empresa de pequeno porte;  Testar seus sistemas;  Obter a autorização da SSEFAZ para emissão de CT-e em ambiente de produção.
  • 29. Fluxo de Emissão do CT-e
  • 30. Substituição dos Documentos Fiscais  Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas – modelo 8;  Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas – modelo 9;  Conhecimento Aéreo – modelo 10;  Conhecimento de Transporte Ferroviário de Cargas – modelo 11;  Nota Fiscal de Serviço de Transporte Ferroviário de Cargas – modelo 27.