SlideShare uma empresa Scribd logo
Monitorização
Neurológica em UTI
Alterações no Nível de
               Consciência
   Rebaixamento do nível de consciência é o
    parâmetro mais sensível de insuficiência
    encefálica.

   Escalas preditivas para avaliação do
    paciente consciente e inconsciente.
Alterações mais comuns
   Letargia ou sonolência: paciente acorda ao estímulo
    auditivo, está orientado no tempo, espaço e pessoa,
    responde lenta.

   Estado confusional agudo ou delirium: sintomas de
    início agudo, de caráter flutuante e com intervalos de
    lucidez.

   Obnubilação: paciente muito sonolento, ou seja,
    necessita ser estimulado intensamente, com
    associação de estímulo auditivo mais intenso e estímulo
    tátil.
Alterações mais comuns
   Estupor ou torpor: mais sonolento, não
    responsivo, necessitando de estimulação
    dolorosa para responder.



   Coma: Neste estado o paciente apresenta
    apenas respostas de reatividade
Escala de Coma de Glasgow
                     Avaliação                         Pontuação
1. Abertura ocular   Espontânea                        4 pontos
                     Por Estimulo Verbal               3 pontos
                     Por Estimulo A Dor                2 pontos
                     Sem Resposta                      1 ponto

2. Resposta verbal   Orientado                         5 pontos
                     Confuso (Mas ainda responde)      4 pontos
                     Resposta Inapropriada             3 pontos
                     Sons Incompreensíveis             2 pontos
                     Sem Resposta                      1 ponto
3. Resposta motora   Obedece Ordens                    6 pontos
                     Localiza Dor                      5 pontos
                     Reage a dor mas não localiza      4 pontos
                     Flexão anormal – Decorticação     3 pontos
                     Extensão anormal - Decerebração   2 pontos
                     Sem Resposta                      1 ponto
Escala de Coma de Glasgow
Escala de Coma de Glasgow

Em que ano
 estamos?
                           Solta!Almoço!Não
                                              Hugh! Ahrr!


             2002   1972
Escala de Coma de Glasgow
Exame pupilar
 Avaliar diâmetro, simetria, assimetria e
 reflexo fotomotor;

     Comparar uma pupila à outra;
     Diâmetro normal: em média 3,5mm;
     O diâmetro pode ser medido com uma régua
      ou por pupilômetro.
1. Normais – Isocoria (= igualdade das pupilas)
2. Dilatadas – Midriáse
3. Contraídas – Miose
4. Assimétricas – Anisocoria
Avaliação da força muscular

 Motricidade: capacidade de contração e
 relaxamento do músculo esquelético,
 controlada por fibras do sistema
 piramidal, extrapiramidal e cerebelar.
Sistema piramidal
 Responsável pela motricidade voluntária e
 integra os movimentos que exigem
 habilidade, movimentos delicados ou
 complicados.
Sistema extrapiramidal
 Responsável pela manutenção do tono
  muscular e pelo controle dos movimentos
  corporais, principalmente a deambulação.
 A lesão extrapiramidal não causa
  ausência de força motora, mas leva a um
  aumento no tono muscular, a alterações
  na postura e na marcha, à lentidão ou
  abolição dos movimentos involuntários.
Sistema cerebelar
 Responsável pela movimentação
  automática, involuntária e por correções e
  modulações dos movimentos voluntários.
 Proporciona um movimento mais preciso
  e coordenado;
 A lesão no sistema cerebelar conduz a
  alterações na coordenação, na marcha,
  no equilíbrio, como também reduz o tônus
  muscular.
Monitorização Neurológica em UTI

  Objetivos primários da Neuro-ICU:

  • 1- Manter fluxo sanguíneo cerebral fisiológico;

  • 2- Oxigenação cerebral adequada;

  • 3- Reduzir danos neurológicos secundários;
Doutrina de Monroe-Kelie
                        Crânio
  MASSA
ENCEFALICA           LÍQUOR   SANGUE   HEMATOMA
       Água
intra/extracelular




                Doutrina de Monroe-Kelie
Monitorização Neurológica em UTI
   PIC > 20mmHg = Hipertensão intracraniana
                          moderada ≥ 40 > grave

• Diversos autores encontraram melhores outcomes PIC<= 15mmHg

• Uso de cateteres intraventriculares ou intraparenquimatosos




             Brock M.; University of Hannover.
Pressão de Perfusão Cerebral
         PPC = PAM – PIC

PPC normal: 70 mmHg

PPC abaixo de 60-70: aumento de
 mortalidade e seqüelas neurológicas.
Monitorização Neurológica em UTI

 Pressão Perfusão
      Cerebral
PPC = PAM – PIC (Pv)

Objetivos:

1- Manter FCS adequado
   com PPC 60-70mmHg
2- Reduzir probabilidade
   de isquemia cerebral
Fluxo Sangüíneo Cerebral

   Cérebro: 750 ml de sangue/min => 15% do DC e 20% do
    consumo de O2 cerebral.

        FSC normal: 50-60 ml/100g/min

 Se o FSC cai: diminui função neuronal e depois, há lesão
  cerebral irreversível.
 Se o FSC aumenta: edema cerebral e áreas de hemorragia.
Fluxo Sanguíneo Cerebral
     FLUXO SANGUINEO CEREBRAL
Tipo de Onda de PIC
   Normal           Aumentada
Monitorização Neurológica em UTI
       Utilizar cateteres intraventriculares/
                 intraparenquimatos;


   Vantagens no intraventricular:

           • tratar hipertensão intracraniana
             atráves de retirada de LCR
           • Dosagens de lactato/piruvato –
             acompanhamento isquemia;
           • Dificuldades qdo edema cerebral
             com colabamento de ventriculos
           • Pico de taxa de infecção até o 5 dia
             após mantem um platô taxa 1,7%/d
Tratamento da HIC
Conduta Inicial UTI
Monitorização – PaCO2
 Alterações no FSC
O2

 PaO2<50 mmHg    ↑ FSC por vasodilatação

 Pode haver hiperemia, edema, evoluir
 com aumento da PIC e diminuir PPC,
 causando isquemia e lesão neuronal
 secundária.
Monitorização BIS
      BIS
Monitorização Neurológica em UTI
             BIS
Hipotermia na UTI - Indução
   Diminuição do
    Metabolismo
    Neurológico;

   Diminuição Lesão
    Secundária;
Lesão Neurológica
Tipos de Lesão Neurológica – Área Penumbra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
rozenaisna
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
resenfe2013
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
dapab
 
Choque
Choque   Choque
Choque
ivanaferraz
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Emergências clínicas
Emergências clínicasEmergências clínicas
Emergências clínicas
DiegoAugusto86
 
AVC
AVCAVC
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
Zeca Ribeiro
 
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
ctisaolucascopacabana
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
ctisaolucascopacabana
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Choque
Choque Choque
Choque
resenfe2013
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDA
Fernanda Marinho
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
Joyce Wadna
 
Balanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdfBalanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdf
FrancielleConstantin
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
Alexandre Donha
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
Euripedes Barbosa
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
Quézia Barcelar
 

Mais procurados (20)

Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Choque
Choque   Choque
Choque
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Emergências clínicas
Emergências clínicasEmergências clínicas
Emergências clínicas
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
 
AVC Isquemico
AVC IsquemicoAVC Isquemico
AVC Isquemico
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDA
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Cetoacidose Diabética
Cetoacidose DiabéticaCetoacidose Diabética
Cetoacidose Diabética
 
Balanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdfBalanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdf
 
Politrauma
PolitraumaPolitrauma
Politrauma
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 

Destaque

Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico
Acidente Vascular Cerebral HemorrágicoAcidente Vascular Cerebral Hemorrágico
Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico
Erion Junior de Andrade
 
Hsa montes
Hsa montesHsa montes
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Treinamento da Musculatura Ventilatória
Treinamento da Musculatura VentilatóriaTreinamento da Musculatura Ventilatória
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
galegoo
 
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicosVentilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no NeurointensivismoVentilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
Lucimar Campos
 
C O M A
C O M AC O M A
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
RaphaelBalza
 
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Direção Regional de Educação
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
Coma
ComaComa
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
GINGER
 
dst
dstdst
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
robsonlopes
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
Sonia Nieves Matias
 
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
GENARO CHANCO MENDOZA
 

Destaque (20)

Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico
Acidente Vascular Cerebral HemorrágicoAcidente Vascular Cerebral Hemorrágico
Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico
 
Hsa montes
Hsa montesHsa montes
Hsa montes
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Treinamento da Musculatura Ventilatória
Treinamento da Musculatura VentilatóriaTreinamento da Musculatura Ventilatória
Treinamento da Musculatura Ventilatória
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicosVentilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
Ventilação mecânica invasiva em pacientes neurocirúrgicos
 
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no NeurointensivismoVentilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
Ventilação Mecânica no Trauma Cranioencefálico e no Neurointensivismo
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
 
C O M A
C O M AC O M A
C O M A
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
 
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Coma
ComaComa
Coma
 
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
 
dst
dstdst
dst
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
 
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
 

Semelhante a Neurointensivismo

2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
ThatyMicaelly
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
janinemagalhaes
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
janinemagalhaes
 
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdfCURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
AdrianoFreitasNaturo
 
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptxcepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
Marcio Domingues
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
Nataniel Souza
 
Incoordenação, desequilíbrio e tontura
Incoordenação, desequilíbrio e tonturaIncoordenação, desequilíbrio e tontura
Incoordenação, desequilíbrio e tontura
Marcus César Petindá Fonseca
 
Paralisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicadaParalisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicada
Rhayon Guandeline
 
03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx
ssuser51d27c1
 
Síndrome de west
Síndrome de westSíndrome de west
18 sono vigilia
18 sono vigilia18 sono vigilia
18 sono vigilia
argeropulos1
 
Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
japaforozero
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
Solange Leite
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criança
Antonio Souto
 
Avaliação paciente grave
Avaliação paciente graveAvaliação paciente grave
Avaliação paciente grave
PatriciaZen
 
Sistema nervoso autônomo reduzido
Sistema nervoso autônomo reduzidoSistema nervoso autônomo reduzido
Sistema nervoso autônomo reduzido
neuroliga-nortemineira
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
Lampsi
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Coma
ComaComa
Cartilha digital-do-sono
Cartilha digital-do-sono Cartilha digital-do-sono
Cartilha digital-do-sono
Nivaldo Torres
 

Semelhante a Neurointensivismo (20)

2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdfCURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
CURSO TÉCNICO PARTE II.pdf
 
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptxcepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
 
Incoordenação, desequilíbrio e tontura
Incoordenação, desequilíbrio e tonturaIncoordenação, desequilíbrio e tontura
Incoordenação, desequilíbrio e tontura
 
Paralisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicadaParalisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicada
 
03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx
 
Síndrome de west
Síndrome de westSíndrome de west
Síndrome de west
 
18 sono vigilia
18 sono vigilia18 sono vigilia
18 sono vigilia
 
Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criança
 
Avaliação paciente grave
Avaliação paciente graveAvaliação paciente grave
Avaliação paciente grave
 
Sistema nervoso autônomo reduzido
Sistema nervoso autônomo reduzidoSistema nervoso autônomo reduzido
Sistema nervoso autônomo reduzido
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Coma
ComaComa
Coma
 
Cartilha digital-do-sono
Cartilha digital-do-sono Cartilha digital-do-sono
Cartilha digital-do-sono
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 

Neurointensivismo

  • 2. Alterações no Nível de Consciência  Rebaixamento do nível de consciência é o parâmetro mais sensível de insuficiência encefálica.  Escalas preditivas para avaliação do paciente consciente e inconsciente.
  • 3. Alterações mais comuns  Letargia ou sonolência: paciente acorda ao estímulo auditivo, está orientado no tempo, espaço e pessoa, responde lenta.  Estado confusional agudo ou delirium: sintomas de início agudo, de caráter flutuante e com intervalos de lucidez.  Obnubilação: paciente muito sonolento, ou seja, necessita ser estimulado intensamente, com associação de estímulo auditivo mais intenso e estímulo tátil.
  • 4. Alterações mais comuns  Estupor ou torpor: mais sonolento, não responsivo, necessitando de estimulação dolorosa para responder.  Coma: Neste estado o paciente apresenta apenas respostas de reatividade
  • 5. Escala de Coma de Glasgow Avaliação Pontuação 1. Abertura ocular Espontânea 4 pontos Por Estimulo Verbal 3 pontos Por Estimulo A Dor 2 pontos Sem Resposta 1 ponto 2. Resposta verbal Orientado 5 pontos Confuso (Mas ainda responde) 4 pontos Resposta Inapropriada 3 pontos Sons Incompreensíveis 2 pontos Sem Resposta 1 ponto 3. Resposta motora Obedece Ordens 6 pontos Localiza Dor 5 pontos Reage a dor mas não localiza 4 pontos Flexão anormal – Decorticação 3 pontos Extensão anormal - Decerebração 2 pontos Sem Resposta 1 ponto
  • 6. Escala de Coma de Glasgow
  • 7. Escala de Coma de Glasgow Em que ano estamos? Solta!Almoço!Não Hugh! Ahrr! 2002 1972
  • 8. Escala de Coma de Glasgow
  • 9. Exame pupilar  Avaliar diâmetro, simetria, assimetria e reflexo fotomotor;  Comparar uma pupila à outra;  Diâmetro normal: em média 3,5mm;  O diâmetro pode ser medido com uma régua ou por pupilômetro.
  • 10. 1. Normais – Isocoria (= igualdade das pupilas) 2. Dilatadas – Midriáse 3. Contraídas – Miose 4. Assimétricas – Anisocoria
  • 11. Avaliação da força muscular  Motricidade: capacidade de contração e relaxamento do músculo esquelético, controlada por fibras do sistema piramidal, extrapiramidal e cerebelar.
  • 12. Sistema piramidal  Responsável pela motricidade voluntária e integra os movimentos que exigem habilidade, movimentos delicados ou complicados.
  • 13.
  • 14. Sistema extrapiramidal  Responsável pela manutenção do tono muscular e pelo controle dos movimentos corporais, principalmente a deambulação.  A lesão extrapiramidal não causa ausência de força motora, mas leva a um aumento no tono muscular, a alterações na postura e na marcha, à lentidão ou abolição dos movimentos involuntários.
  • 15. Sistema cerebelar  Responsável pela movimentação automática, involuntária e por correções e modulações dos movimentos voluntários.  Proporciona um movimento mais preciso e coordenado;  A lesão no sistema cerebelar conduz a alterações na coordenação, na marcha, no equilíbrio, como também reduz o tônus muscular.
  • 16. Monitorização Neurológica em UTI Objetivos primários da Neuro-ICU: • 1- Manter fluxo sanguíneo cerebral fisiológico; • 2- Oxigenação cerebral adequada; • 3- Reduzir danos neurológicos secundários;
  • 17. Doutrina de Monroe-Kelie Crânio MASSA ENCEFALICA LÍQUOR SANGUE HEMATOMA Água intra/extracelular Doutrina de Monroe-Kelie
  • 18. Monitorização Neurológica em UTI  PIC > 20mmHg = Hipertensão intracraniana moderada ≥ 40 > grave • Diversos autores encontraram melhores outcomes PIC<= 15mmHg • Uso de cateteres intraventriculares ou intraparenquimatosos Brock M.; University of Hannover.
  • 19. Pressão de Perfusão Cerebral PPC = PAM – PIC PPC normal: 70 mmHg PPC abaixo de 60-70: aumento de mortalidade e seqüelas neurológicas.
  • 20. Monitorização Neurológica em UTI Pressão Perfusão Cerebral PPC = PAM – PIC (Pv) Objetivos: 1- Manter FCS adequado com PPC 60-70mmHg 2- Reduzir probabilidade de isquemia cerebral
  • 21. Fluxo Sangüíneo Cerebral  Cérebro: 750 ml de sangue/min => 15% do DC e 20% do consumo de O2 cerebral. FSC normal: 50-60 ml/100g/min  Se o FSC cai: diminui função neuronal e depois, há lesão cerebral irreversível.  Se o FSC aumenta: edema cerebral e áreas de hemorragia.
  • 22. Fluxo Sanguíneo Cerebral FLUXO SANGUINEO CEREBRAL
  • 23. Tipo de Onda de PIC  Normal  Aumentada
  • 24. Monitorização Neurológica em UTI  Utilizar cateteres intraventriculares/ intraparenquimatos;  Vantagens no intraventricular: • tratar hipertensão intracraniana atráves de retirada de LCR • Dosagens de lactato/piruvato – acompanhamento isquemia; • Dificuldades qdo edema cerebral com colabamento de ventriculos • Pico de taxa de infecção até o 5 dia após mantem um platô taxa 1,7%/d
  • 27. Monitorização – PaCO2  Alterações no FSC
  • 28. O2  PaO2<50 mmHg ↑ FSC por vasodilatação  Pode haver hiperemia, edema, evoluir com aumento da PIC e diminuir PPC, causando isquemia e lesão neuronal secundária.
  • 31. Hipotermia na UTI - Indução  Diminuição do Metabolismo Neurológico;  Diminuição Lesão Secundária;
  • 32. Lesão Neurológica Tipos de Lesão Neurológica – Área Penumbra