SlideShare uma empresa Scribd logo
Mobilização precoce em pacientes críticos
O imobilismo, característico nos pacientes críticosdas unidades de terapia
intensiva (UTIs) acomete diversos órgãos e sistemas do organismo,
ocasionando um prolongamento da internação e limitações funcionais
querepercutem por algum tempo após a alta hospitalar, afetando a qualidade
de vida e a reintegração do indivíduo a sociedade. A fisioterapia se faz
importante nesse momento crítico através da intervenção precoce que auxilia
na redução dos efeitos adversos da imobilidade.
Nas últimas duas décadas, ocorreram avanços na terapia intensiva bem como
na ventilação mecânica (VM), o que resultou no aumento da sobrevida dos
pacientes críticos. No entanto, alguns pacientes desenvolvem a necessidade
de VM prolongada (VMP), mostrando-se frequentemente descondicionados
devido a insuficiência respiratória precipitada pela doença subjacente, efeitos
adversos das medicações e período de imobilização prolongado.
Na unidade de terapia intensiva (UTI) é comum os pacientes permanecerem
restritos ao leito, acarretando inatividade, imobilidade e disfunção severa do
sistema
osteomioarticular.Essas
alterações
atuam
como
fatores
predisponentes para polineuropatia e/ou miopatia do doente crítico,
acarretando aumento de duas a cinco vezes no tempo de permanência da VM
e no desmame ventilatório.
Estudos
eletrofisiológicos
dos
membros
revelam
anormalidades
neuromusculares difusas em 50% dos pacientes internados na UTI após 5 a 7
dias de VM, tendo como principal sinal clínico o descondicionamento físico,
devido à fraqueza muscular.
A mobilização dos pacientes críticos restritos ao leito, associada a um
posicionamento preventivo de contraturas articulares na UTI, pode ser
considerada um mecanismo de reabilitação precoce com importantes efeitos
acerca das várias etapas do transporte de oxigênio, procurando manter a força
muscular e a mobilidade articular, e melhorando a função pulmonar e o
desempenho do sistema respiratório. Tudo isso poderá facilitar o desmame da
VM, reduzir o tempo de permanência na UTI e, consequentemente, a
permanência hospitalar, além de promover melhora na qualidade de vida após
a alta hospitalar.
É um procedimento viável e seguro, que promove aumento da força muscular,
aumentando assim a resistência do paciente e melhora do quadro respiratório e
motor. A mobilização precoce inclui atividades terapêuticas progressivas, tais
como, exercícios motores na cama, sedestação à beira leito, ortostatismo,
transferência para a cadeira e deambulação.
Além das condições prévias, alguns fatores contribuem para a fraqueza
muscular, sendo eles inflamação sistêmica, uso de medicamentos como
corticoides relaxantes musculares, sedativos, hiperglicemia, sepse,
desnutrição, nutrição parenteral, hiperosmolaridade, imobilidade prolongada e
duração da ventilação mecânica.
O sistema musculoesquelético é projetado para se manter em movimento. São
necessários apenas sete dias de repouso no leito para reduzir a força muscular
em 30%, com uma perda adicional de 20% da força restante a cada semana
(SIBINELLI et al.,2012). O desenvolvimento de fraqueza generalizada
relacionada ao paciente crítico é uma complicação significante e comum em
muitos indivíduos admitidos em uma UTI, incidindo em 30 a 60% dos pacientes
internados na unidade de terapia intensiva. Múltiplos fatores podem contribuir
para ocorrência desta condição, dentre eles destacam-se a permanência da
ventilação mecânica (VM ) e a imobilidade prolongada (SILVA et al., 2010).
Pedroso et al. (2010) em seurelato de caso, analisou dois indivíduos do sexo
feminino submetidos a VM prolongada, estáveis hemodinamicamente, sem
presença de cardiopatia grave. Durante a intervenção realizou-se treino
muscular esquelético em duas fases. A primeira compreendia o período entre a
internação e fase de desmame (exercícios passivos nas articulações dos
membros superiores e inferiores, 10 repetições por 30 minutos), a segunda o
período entre o fim dodesmame e a alta hospitalar (exercícios passivos, ativoassistidos, ativos e ativos resistidos, conforme a evolução do paciente, durante
30 min. Em séries de 10 repetições). Ao final do estudo houve melhora da força
muscular e amplitude articular, se fazendo importante o treino muscular em
pacientes críticos.
No estudo prospectivo, randomizado e controlado de Burtin et al. (2009), 90
pacientes foram selecionados, sendo 45 para o grupo intervenção e 45 para o
grupo controle. O objetivo do estudo consistia em avaliar se, sessões diárias de
exercícios no leito usando cicloergômetro em MMII, seria seguro e eficaz na
prevenção ou diminuição da perda da performance funcional do exercício,
funcionalidade e força de quadríceps. O tratamento do grupo controle baseavase em fisioterapia respiratória e mobilizações ativas ou passivas nos MMSS e
MMII, a depender do grau de sedação do paciente, realizadas cinco vezes por
semana. A deambulação foi iniciada assim que considerada segura e
adequada. Já o grupo intervenção, recebeu adicionalmente, sessões diárias de
exercícios com ouso do cicloergômetro de MMII, passivo ou ativo, em seis
níveis de resistência de forma gradativa, com duração de 20 minutos. Os
pacientes sedados realizavam a atividade em uma frequência de 20 ciclos/min.
enquanto aqueles que eram capazes de auxiliar realizavam duas sessões com
duração de 10 minutos ou mais quando necessário. A cada sessão, uma nova
avaliação era feita na tentativa de aumentar a resistência, de acordo com a
tolerância do paciente. Ao final houve uma melhora significativa no grupo
intervenção quando comparado ao grupo controle, observando um aumento na
recuperação da funcionalidade, maior aumento da força de quadríceps, maior
independência na deambulação e melhor status funcional.
A mobilização precoce é um procedimento seguro e viável, importante por
apresentar resultados favoráveis na prevenção da fraqueza muscular
generalizada adquirida pelo paciente crítico, reduzindo o tempo na ventilação
mecânica e prevenindo limitações funcionais decorrentes do imobilismo.
A fisioterapia motora precoce em pacientes críticos pode ser realizada
diariamente utilizando desde posicionamento funcional, exercícios terapêuticos
progressivos, sedestação com membros pendentes, ortostatismo, transferência
do leito para a poltrona, deambulação, até o uso de protocolos mais elaborados
que empreguem cicloergômetro e eletroestimulação; apresentando essas
intervenções respostas positivas que mantém o foco na funcionalidade e
qualidade de vida no sujeito sob terapia intensiva.
A mobilização precoce é uma área nova e com poucas evidências até o
momento. No entanto, recentes estudos tem confirmado que a mobilização em
pacientes ventilados mecanicamente ou não, tem sido seguro e viável,
diminuindo o tempo de internação na UTI, que é o principal objetivo da
fisioterapia, fazer o paciente retornar a funcionalidade e independência do
mesmo.
Referências:
Disponível em:
http://blogs.unigranrio.com.br/unigranfisio/2012/06/20/a-importancia-da-mobilizacaoprecoce-na-uti/
http://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/CBS/article/viewFile/324/198
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2012000200013&script=sci_arttext
http://revistas.unijorge.edu.br/fisioscience/pdf/2012Artigo55_68.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
Universidade Norte do Paraná
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
José Alexandre Pires de Almeida
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e III
Monique Migliorini
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Janderson Physios
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
Universidade Norte do Paraná
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Nay Ribeiro
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Mariana Artuni Rossi
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
Avaliação Respiratória
Avaliação RespiratóriaAvaliação Respiratória
Avaliação Respiratória
resenfe2013
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 

Mais procurados (20)

Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e III
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Avaliação Respiratória
Avaliação RespiratóriaAvaliação Respiratória
Avaliação Respiratória
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 

Semelhante a Mobilização precoce em pacientes críticos

tanto faz
tanto faztanto faz
tanto faz
Aj-power-people
 
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
JONATAN ARANA
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumoCd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Aj-power-people
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
felipethoaldo
 
Força
ForçaForça
Força
rodrigo_aqua
 
Fases da rcv
Fases da rcvFases da rcv
Fases da rcv
Marcela Mihessen
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Roberto Mendes
 
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amibFisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Géssyca Thayza
 
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
vanialcoimbra
 
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina BotulínicaReabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
adonems
 
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptxcepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
EDINILZASOUZA2
 
REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
 REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
ManuelaLima58
 
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de ReabilitaçãoEnfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
Belmiro Rocha
 
03
0303
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Ana Oliveira
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Melissa Louyse Duarte
 
ações musculares.pdf
ações musculares.pdfações musculares.pdf
ações musculares.pdf
Luciana Rossi
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Fabio Motta
 

Semelhante a Mobilização precoce em pacientes críticos (20)

tanto faz
tanto faztanto faz
tanto faz
 
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
 
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumoCd onlinetrabalhovisualizarresumo
Cd onlinetrabalhovisualizarresumo
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
 
Força
ForçaForça
Força
 
Fases da rcv
Fases da rcvFases da rcv
Fases da rcv
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
 
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amibFisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
 
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
Apresenta%C7%C3 O Oral Complexidade Assistencial Tema Livre Tard~1
 
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina BotulínicaReabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
 
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptxcepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
cepeti-mobilizacao-precoceem-uti-45ade643.pptx
 
REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
 REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
REABILITAÇÃO DOS PACIENTES COM AMPUTAÇÃO EM MMII.pdf
 
Enfermagem de Reabilitação
Enfermagem de ReabilitaçãoEnfermagem de Reabilitação
Enfermagem de Reabilitação
 
03
0303
03
 
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
 
ações musculares.pdf
ações musculares.pdfações musculares.pdf
ações musculares.pdf
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
 

Mobilização precoce em pacientes críticos

  • 1. Mobilização precoce em pacientes críticos O imobilismo, característico nos pacientes críticosdas unidades de terapia intensiva (UTIs) acomete diversos órgãos e sistemas do organismo, ocasionando um prolongamento da internação e limitações funcionais querepercutem por algum tempo após a alta hospitalar, afetando a qualidade de vida e a reintegração do indivíduo a sociedade. A fisioterapia se faz importante nesse momento crítico através da intervenção precoce que auxilia na redução dos efeitos adversos da imobilidade. Nas últimas duas décadas, ocorreram avanços na terapia intensiva bem como na ventilação mecânica (VM), o que resultou no aumento da sobrevida dos pacientes críticos. No entanto, alguns pacientes desenvolvem a necessidade de VM prolongada (VMP), mostrando-se frequentemente descondicionados devido a insuficiência respiratória precipitada pela doença subjacente, efeitos adversos das medicações e período de imobilização prolongado. Na unidade de terapia intensiva (UTI) é comum os pacientes permanecerem restritos ao leito, acarretando inatividade, imobilidade e disfunção severa do sistema osteomioarticular.Essas alterações atuam como fatores predisponentes para polineuropatia e/ou miopatia do doente crítico, acarretando aumento de duas a cinco vezes no tempo de permanência da VM e no desmame ventilatório. Estudos eletrofisiológicos dos membros revelam anormalidades neuromusculares difusas em 50% dos pacientes internados na UTI após 5 a 7 dias de VM, tendo como principal sinal clínico o descondicionamento físico, devido à fraqueza muscular. A mobilização dos pacientes críticos restritos ao leito, associada a um posicionamento preventivo de contraturas articulares na UTI, pode ser considerada um mecanismo de reabilitação precoce com importantes efeitos acerca das várias etapas do transporte de oxigênio, procurando manter a força muscular e a mobilidade articular, e melhorando a função pulmonar e o desempenho do sistema respiratório. Tudo isso poderá facilitar o desmame da VM, reduzir o tempo de permanência na UTI e, consequentemente, a permanência hospitalar, além de promover melhora na qualidade de vida após a alta hospitalar. É um procedimento viável e seguro, que promove aumento da força muscular, aumentando assim a resistência do paciente e melhora do quadro respiratório e motor. A mobilização precoce inclui atividades terapêuticas progressivas, tais como, exercícios motores na cama, sedestação à beira leito, ortostatismo, transferência para a cadeira e deambulação. Além das condições prévias, alguns fatores contribuem para a fraqueza muscular, sendo eles inflamação sistêmica, uso de medicamentos como corticoides relaxantes musculares, sedativos, hiperglicemia, sepse, desnutrição, nutrição parenteral, hiperosmolaridade, imobilidade prolongada e duração da ventilação mecânica.
  • 2. O sistema musculoesquelético é projetado para se manter em movimento. São necessários apenas sete dias de repouso no leito para reduzir a força muscular em 30%, com uma perda adicional de 20% da força restante a cada semana (SIBINELLI et al.,2012). O desenvolvimento de fraqueza generalizada relacionada ao paciente crítico é uma complicação significante e comum em muitos indivíduos admitidos em uma UTI, incidindo em 30 a 60% dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva. Múltiplos fatores podem contribuir para ocorrência desta condição, dentre eles destacam-se a permanência da ventilação mecânica (VM ) e a imobilidade prolongada (SILVA et al., 2010). Pedroso et al. (2010) em seurelato de caso, analisou dois indivíduos do sexo feminino submetidos a VM prolongada, estáveis hemodinamicamente, sem presença de cardiopatia grave. Durante a intervenção realizou-se treino muscular esquelético em duas fases. A primeira compreendia o período entre a internação e fase de desmame (exercícios passivos nas articulações dos membros superiores e inferiores, 10 repetições por 30 minutos), a segunda o período entre o fim dodesmame e a alta hospitalar (exercícios passivos, ativoassistidos, ativos e ativos resistidos, conforme a evolução do paciente, durante 30 min. Em séries de 10 repetições). Ao final do estudo houve melhora da força muscular e amplitude articular, se fazendo importante o treino muscular em pacientes críticos. No estudo prospectivo, randomizado e controlado de Burtin et al. (2009), 90 pacientes foram selecionados, sendo 45 para o grupo intervenção e 45 para o grupo controle. O objetivo do estudo consistia em avaliar se, sessões diárias de exercícios no leito usando cicloergômetro em MMII, seria seguro e eficaz na prevenção ou diminuição da perda da performance funcional do exercício, funcionalidade e força de quadríceps. O tratamento do grupo controle baseavase em fisioterapia respiratória e mobilizações ativas ou passivas nos MMSS e MMII, a depender do grau de sedação do paciente, realizadas cinco vezes por semana. A deambulação foi iniciada assim que considerada segura e adequada. Já o grupo intervenção, recebeu adicionalmente, sessões diárias de exercícios com ouso do cicloergômetro de MMII, passivo ou ativo, em seis níveis de resistência de forma gradativa, com duração de 20 minutos. Os pacientes sedados realizavam a atividade em uma frequência de 20 ciclos/min. enquanto aqueles que eram capazes de auxiliar realizavam duas sessões com duração de 10 minutos ou mais quando necessário. A cada sessão, uma nova avaliação era feita na tentativa de aumentar a resistência, de acordo com a tolerância do paciente. Ao final houve uma melhora significativa no grupo intervenção quando comparado ao grupo controle, observando um aumento na recuperação da funcionalidade, maior aumento da força de quadríceps, maior independência na deambulação e melhor status funcional. A mobilização precoce é um procedimento seguro e viável, importante por apresentar resultados favoráveis na prevenção da fraqueza muscular generalizada adquirida pelo paciente crítico, reduzindo o tempo na ventilação mecânica e prevenindo limitações funcionais decorrentes do imobilismo.
  • 3. A fisioterapia motora precoce em pacientes críticos pode ser realizada diariamente utilizando desde posicionamento funcional, exercícios terapêuticos progressivos, sedestação com membros pendentes, ortostatismo, transferência do leito para a poltrona, deambulação, até o uso de protocolos mais elaborados que empreguem cicloergômetro e eletroestimulação; apresentando essas intervenções respostas positivas que mantém o foco na funcionalidade e qualidade de vida no sujeito sob terapia intensiva. A mobilização precoce é uma área nova e com poucas evidências até o momento. No entanto, recentes estudos tem confirmado que a mobilização em pacientes ventilados mecanicamente ou não, tem sido seguro e viável, diminuindo o tempo de internação na UTI, que é o principal objetivo da fisioterapia, fazer o paciente retornar a funcionalidade e independência do mesmo.