SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Modalidades Ventilatórias Convencionais e Parâmetros iniciais
de admissão em UTI.

Valéria Serejo Cunha Cavalcante

Manaus – AM
Outubro de 2013.
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Valéria Serejo Cunha Cavalcante

Modalidades Ventilatórias Convencionais e Parâmetros iniciais
de admissão em UTI.

Trabalho apresentado ao Prof. Dr.
Daniel Xavier, da disciplina Estágio em Terapia
Intensiva, do Curso de Fisioterapia Intensiva
Neonatal e Pediátrica.

Manaus – AM
Outubro de 2013.
2
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

SUMÁRIO
Introdução .............................................................................................4
Definição de Ventilação Mecânica Invasiva ................................................5
Modos Ventilatórios Convencionais ...........................................................5
Modo Ventilatório VCV ...............................................................................6
Modo Ventilatório PCV ...............................................................................7
Ventilação Mandatória Intermitente- SIMV................................................7
Parâmetros Inicias de Admissão em UTI em VM.......................................10
Conclusão ..................................................................................................13
Referência Bibliográfica .............................................................................14

3
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

1- Introdução

Durante o decorrer do trabalho iremos falar a respeito das Modalidades
Ventilatórias Convencionais utilizadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e os
parâmetros iniciais de ajustes no momento da admissão do paciente , permitindo
assim; identificarmos as principais modalidades quanto sua classificação e
características de cada modo ventilatório.

4
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

2- Ventilação Mecânica Invasiva

É um método de suporte ventilatório e não uma terapia curativa, visando aliviar a
dificuldade respiratória.
Objetivos:
Melhorar das trocas gasosas:
Reverter a Hipoxemia
Atenuar a acidose respiratória
Atenuar a dificuldade respiratória:
Diminuir o consumo de oxigênio relacionado a respiração;
Reverter à fadiga muscular respiratória

3- Modalidades Ventilatórias Convencionais

É o processo pelo qual o ventilador pulmonar mecânico determina,seja parcial
ou totalmente, como e quando os ciclos respiratórios mecânicos são ofertados ao
paciente. O modo determina substancialmente o padrão respiratório do paciente
durante a ventilação mecânica.
Modos convencionais de ventilação mecânica:
1234-

A/C, VCV – Assistido/controlador com ciclagem volume.
A/C, PCV – Assitido/controlado com pressão constante, ciclado a tempo.
PSV – Ventilação com pressão de suporte.
SIMV – Ventilação mandatória intermitente sincronizada.

5
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

3.1 -Modo Ventilatório com Controle de Volume - VCV A/C
Ventilação assisto-controlada a volume é um modo de ventilação no qual o
ventilador libera uma pressão positiva para um volume corrente pré-determinado. Ela
será assistida em resposta ao esforço do paciente ou controlada para uma frequência
pré-determinada caso o paciente não apresente nenhum esforço respiratório. O modo
controlado é iniciado por tempo e o assistido é por pressão ou fluxo (formas mais
comum de disparo).
Então, um nível de sensibilidade, uma frequência respiratória mínima, uma taxa e
curva de fluxo inspiratório e um volume corrente devem ser programados. A pressão
de pico varia de acordo com as mudanças das impedâncias do sistema respiratório
(pressões elástica e resistiva do SR) e do esforço respiratório do paciente.

INDICAÇÃO
Este modo ventilatório é geralmente utilizado como de suporte ventilatório
inicial na maioria dos casos admitidos na UTI em virtude de podermos assegurar a
ventilação alveolar. Alguns profissionais preferem os modos mistos ou espontâneos
como SIMV com PSV ou mesmo PSV isolada, nestes casos o paciente deve estar com o
"drive" ventilatório preservado e uma monitorização ventilatória constante deve ser
mantida.
6
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

3.2 -Modo Ventilatório Assisto-controlada- PCV:
Ventilação assisto-controlada por pressão - PCV é um modo ventilatório que
delibera uma inspiração para uma pressão pré-determinada em resposta ao esforço do
paciente (ventilação assistida)ou mediante uma frequência respiratória (FR)
programada, caso o paciente não apresente esforço respiratório (ventilação
controlada).
Este modo pode ser iniciado por tempo (controlado), em função da FR ajustada, ou
por pressão / fluxo (assistido), em função do esforço inspiratório do paciente, que é
percebido pela sensibilidade do respirador. Em ambos, uma FR mínima, uma
sensibilidade e um tempo inspiratório devem ser programados.

3.3 - Modo Ventilatório PSV (Ventilação por Pressão de Suporte)
Consiste no oferecimento de nível pré-determinado de pressão positiva e
constante nas vias aéreas do paciente, aplicada apenas durante a fase inspiratória,
após o ventilador “reconhecer” o início de uma inspiração espontânea.
Ciclagem do ventilador acontece por fluxo.
A fase inspiratória termina quando o cai a 25% do pico máximo no início da
inspiração.
O modo PSV costuma ser usado no pré-desmame, onde se reduz a PS gradualmente
avaliando-se a capacidade do paciente se adaptar a níveis cada vez mais baixos até que
um valor mínimo seja atingido, habitualmente entre 7 a 10cmh2o.

3.4 - Ventilação Mandatória Intermitente (SIMV)
Combina os modos A/C com períodos de ventilação espontânea.Nos intervalos das
respirações mandatórias, o paciente pode iniciar respirações espontâneas, cujos
volumes dependem do grau de esforço respiratório do indivíduo.

7
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Em intervalos regulares o ventilador libera um volume ou uma pressão
previamente determinados. Fora destes ciclos o paciente ventila através do circuito do
ventilador.

3.4.1 - Vantagens do modo Ventilatório SIMV:
Melhora sincronismo paciente- ventilador;
Menor necessidade de sedação
Menor índice de alcalose respiratória
Manutenção da resistência muscular possibilitada pela respiração espontânea.

8
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Características dos Modos Ventilatórios Convencionais

Tabela 1. Principais características dos modos ventilatórios básicos.

Características dos modos VCV / PCV /PSV e SIMV

9
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Parâmetros iniciais de Admissão em UTI

A modalidade inicial da ventilação mecânica deve ser preferencialmente assitidocontrolada.
Os parâmetrosdeverão ser ajustados inicialmente como protocolo a seguir:
* FiO2 : 100%. (Recomenda-se que no início do suporte ventilatório seja ofertado o
valor máximo deconcentração de oxigênio, que posteriormente deverá ser adequado
de acordo com o quadro do paciente, reduzindoFiO2 mais segura, em torno de 50%
objetivando uma concentração deO2suficiente para manter uma SpO2 >90%.).

O Volume Corrente dependerá também do conhecimento da doença de base podendo
variar como nos casos de SARA, DPOC:

10
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Pressão Inspiratória :

PEEP :

Pressão Controlada = 15
Ajuste da Frequência respiratória (FR) :
Ajustada de acordo com a doença de base e interação do paciente.
FR – manter a relação I : E de 1: 2
Usar de 12 a 14 irpm em geral.Desenvolvimento de Auto- PEEP
Monitorizar a PaCO2 pela gasometria arterial.

Fluxo:
Velocidade com que determinado volume de gás é movimentado em um período de
tempo.
11
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Fluxo inspiratório:40-60l/min ou manter a relação I/E desejada .
Relação I;E
Ventilação Espontânea – 1 : 1,5 – 1 : 2


Dependerão do VC, FR e Fluxo Inspiratório

Sensibilidade:
Utilizada na modalidade A/C, SIMV, PSV; .Esforço do paciente para deflagrar o
ventilador.
Pode ser a Pressão ou Fluxo:
Pressão: - 0,5 a – 2,0 cmH2O
Fluxo: 04 a 06 l/min
(+ sensível)

12
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Conclusão:
A ventilação mecânica invasiva é um suporte ventilatório que visa melhorar a
condição respiratória ou insuficiência respiratória, contribuindo para a melhora das
trocas gasosas e facilitando e atenuando a dificuldade respiratória.
E dentro da ventilação mecânica temos os modos ventilatórios convencionais:
A/C, VCV – Assistido/controlador com ciclagem volume, A/C, PCV –
Assitido/controlado com pressão constante, ciclado a tempo,PSV – Ventilação com
pressão de suporte e SIMV – Ventilação mandatória intermitente sincronizada.
Cada um desses modos ventilatórios será utilizado de forma com o aspecto
respiratório do paciente e os parâmetros gasométricos quanto a participação do
paciente no ciclo respiratório e ventilador mecânico e o ventilador mecânico terá
alguns ajustes iniciais de Fio2, FR,VC,Peep,Fluxo,Sensibilidade..possibilitando um
melhor suporte ventilatório.

13
Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica

Bibliografia:
1- Chatburn RL. Classification of Ventilator Modes: Update and Proposal for
Implementation. RespiratoryCare, 2007; 52(3): 301-323.
2- II Consenso Brasileirode Ventilação Mecânica;
3- Sarmento.George. Fisioterapia em UTI, São Paulo : Ed. Atheneu, 2010.
4- http://www.xlung.net/manual-de-vm/modos-ventilatorios-basicos
5- Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
Sandra Regina
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
resenfe2013
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Felipe Patrocínio
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometriaFisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Pedro Henrique
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoMarcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Fisioterapia hospitalar icc
Fisioterapia hospitalar   iccFisioterapia hospitalar   icc
Fisioterapia hospitalar icc
Eder Laudelino Polizel
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
resenfe2013
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
José Alexandre Pires de Almeida
 

Mais procurados (20)

Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica BásicaVentilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometriaFisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoMarcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
 
Fisioterapia hospitalar icc
Fisioterapia hospitalar   iccFisioterapia hospitalar   icc
Fisioterapia hospitalar icc
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
Monitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterialMonitorização da oxigenação arterial
Monitorização da oxigenação arterial
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
 

Semelhante a Modos ventilatórios

Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
JooSouza139
 
Liga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia IntensivaLiga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia Intensiva
Fabiano Cabral de Andrade
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
RenataFernandez12
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
JooSouza139
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
Daniel Valente
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdfAula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
willian ribeiro
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
José Alexandre Pires de Almeida
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
Carlos Lima
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
LAEC UNIVAG
 
Curso 42 i ib
Curso 42 i ibCurso 42 i ib
Curso 42 i ib
Multiperfileventos
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
Roberto Mendes
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
Lázaro Inácio Araújo Rodrigues
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 

Semelhante a Modos ventilatórios (20)

Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
 
Liga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia IntensivaLiga de Terapia Intensiva
Liga de Terapia Intensiva
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdfAula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
Aula 05 - Posições terapêuticas e traqueo -.pdf
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
 
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizadoLaec   liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
Laec liga acadêmica de emergências clínicas - rcp 2015 atualizado
 
Curso 42 i ib
Curso 42 i ibCurso 42 i ib
Curso 42 i ib
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
A C L S e B L S Recomendações
A C L S e  B L S  RecomendaçõesA C L S e  B L S  Recomendações
A C L S e B L S Recomendações
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
 

Modos ventilatórios

  • 1. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Modalidades Ventilatórias Convencionais e Parâmetros iniciais de admissão em UTI. Valéria Serejo Cunha Cavalcante Manaus – AM Outubro de 2013.
  • 2. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Valéria Serejo Cunha Cavalcante Modalidades Ventilatórias Convencionais e Parâmetros iniciais de admissão em UTI. Trabalho apresentado ao Prof. Dr. Daniel Xavier, da disciplina Estágio em Terapia Intensiva, do Curso de Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica. Manaus – AM Outubro de 2013. 2
  • 3. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica SUMÁRIO Introdução .............................................................................................4 Definição de Ventilação Mecânica Invasiva ................................................5 Modos Ventilatórios Convencionais ...........................................................5 Modo Ventilatório VCV ...............................................................................6 Modo Ventilatório PCV ...............................................................................7 Ventilação Mandatória Intermitente- SIMV................................................7 Parâmetros Inicias de Admissão em UTI em VM.......................................10 Conclusão ..................................................................................................13 Referência Bibliográfica .............................................................................14 3
  • 4. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica 1- Introdução Durante o decorrer do trabalho iremos falar a respeito das Modalidades Ventilatórias Convencionais utilizadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e os parâmetros iniciais de ajustes no momento da admissão do paciente , permitindo assim; identificarmos as principais modalidades quanto sua classificação e características de cada modo ventilatório. 4
  • 5. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica 2- Ventilação Mecânica Invasiva É um método de suporte ventilatório e não uma terapia curativa, visando aliviar a dificuldade respiratória. Objetivos: Melhorar das trocas gasosas: Reverter a Hipoxemia Atenuar a acidose respiratória Atenuar a dificuldade respiratória: Diminuir o consumo de oxigênio relacionado a respiração; Reverter à fadiga muscular respiratória 3- Modalidades Ventilatórias Convencionais É o processo pelo qual o ventilador pulmonar mecânico determina,seja parcial ou totalmente, como e quando os ciclos respiratórios mecânicos são ofertados ao paciente. O modo determina substancialmente o padrão respiratório do paciente durante a ventilação mecânica. Modos convencionais de ventilação mecânica: 1234- A/C, VCV – Assistido/controlador com ciclagem volume. A/C, PCV – Assitido/controlado com pressão constante, ciclado a tempo. PSV – Ventilação com pressão de suporte. SIMV – Ventilação mandatória intermitente sincronizada. 5
  • 6. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica 3.1 -Modo Ventilatório com Controle de Volume - VCV A/C Ventilação assisto-controlada a volume é um modo de ventilação no qual o ventilador libera uma pressão positiva para um volume corrente pré-determinado. Ela será assistida em resposta ao esforço do paciente ou controlada para uma frequência pré-determinada caso o paciente não apresente nenhum esforço respiratório. O modo controlado é iniciado por tempo e o assistido é por pressão ou fluxo (formas mais comum de disparo). Então, um nível de sensibilidade, uma frequência respiratória mínima, uma taxa e curva de fluxo inspiratório e um volume corrente devem ser programados. A pressão de pico varia de acordo com as mudanças das impedâncias do sistema respiratório (pressões elástica e resistiva do SR) e do esforço respiratório do paciente. INDICAÇÃO Este modo ventilatório é geralmente utilizado como de suporte ventilatório inicial na maioria dos casos admitidos na UTI em virtude de podermos assegurar a ventilação alveolar. Alguns profissionais preferem os modos mistos ou espontâneos como SIMV com PSV ou mesmo PSV isolada, nestes casos o paciente deve estar com o "drive" ventilatório preservado e uma monitorização ventilatória constante deve ser mantida. 6
  • 7. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica 3.2 -Modo Ventilatório Assisto-controlada- PCV: Ventilação assisto-controlada por pressão - PCV é um modo ventilatório que delibera uma inspiração para uma pressão pré-determinada em resposta ao esforço do paciente (ventilação assistida)ou mediante uma frequência respiratória (FR) programada, caso o paciente não apresente esforço respiratório (ventilação controlada). Este modo pode ser iniciado por tempo (controlado), em função da FR ajustada, ou por pressão / fluxo (assistido), em função do esforço inspiratório do paciente, que é percebido pela sensibilidade do respirador. Em ambos, uma FR mínima, uma sensibilidade e um tempo inspiratório devem ser programados. 3.3 - Modo Ventilatório PSV (Ventilação por Pressão de Suporte) Consiste no oferecimento de nível pré-determinado de pressão positiva e constante nas vias aéreas do paciente, aplicada apenas durante a fase inspiratória, após o ventilador “reconhecer” o início de uma inspiração espontânea. Ciclagem do ventilador acontece por fluxo. A fase inspiratória termina quando o cai a 25% do pico máximo no início da inspiração. O modo PSV costuma ser usado no pré-desmame, onde se reduz a PS gradualmente avaliando-se a capacidade do paciente se adaptar a níveis cada vez mais baixos até que um valor mínimo seja atingido, habitualmente entre 7 a 10cmh2o. 3.4 - Ventilação Mandatória Intermitente (SIMV) Combina os modos A/C com períodos de ventilação espontânea.Nos intervalos das respirações mandatórias, o paciente pode iniciar respirações espontâneas, cujos volumes dependem do grau de esforço respiratório do indivíduo. 7
  • 8. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Em intervalos regulares o ventilador libera um volume ou uma pressão previamente determinados. Fora destes ciclos o paciente ventila através do circuito do ventilador. 3.4.1 - Vantagens do modo Ventilatório SIMV: Melhora sincronismo paciente- ventilador; Menor necessidade de sedação Menor índice de alcalose respiratória Manutenção da resistência muscular possibilitada pela respiração espontânea. 8
  • 9. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Características dos Modos Ventilatórios Convencionais Tabela 1. Principais características dos modos ventilatórios básicos. Características dos modos VCV / PCV /PSV e SIMV 9
  • 10. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Parâmetros iniciais de Admissão em UTI A modalidade inicial da ventilação mecânica deve ser preferencialmente assitidocontrolada. Os parâmetrosdeverão ser ajustados inicialmente como protocolo a seguir: * FiO2 : 100%. (Recomenda-se que no início do suporte ventilatório seja ofertado o valor máximo deconcentração de oxigênio, que posteriormente deverá ser adequado de acordo com o quadro do paciente, reduzindoFiO2 mais segura, em torno de 50% objetivando uma concentração deO2suficiente para manter uma SpO2 >90%.). O Volume Corrente dependerá também do conhecimento da doença de base podendo variar como nos casos de SARA, DPOC: 10
  • 11. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Pressão Inspiratória : PEEP : Pressão Controlada = 15 Ajuste da Frequência respiratória (FR) : Ajustada de acordo com a doença de base e interação do paciente. FR – manter a relação I : E de 1: 2 Usar de 12 a 14 irpm em geral.Desenvolvimento de Auto- PEEP Monitorizar a PaCO2 pela gasometria arterial. Fluxo: Velocidade com que determinado volume de gás é movimentado em um período de tempo. 11
  • 12. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Fluxo inspiratório:40-60l/min ou manter a relação I/E desejada . Relação I;E Ventilação Espontânea – 1 : 1,5 – 1 : 2  Dependerão do VC, FR e Fluxo Inspiratório Sensibilidade: Utilizada na modalidade A/C, SIMV, PSV; .Esforço do paciente para deflagrar o ventilador. Pode ser a Pressão ou Fluxo: Pressão: - 0,5 a – 2,0 cmH2O Fluxo: 04 a 06 l/min (+ sensível) 12
  • 13. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Conclusão: A ventilação mecânica invasiva é um suporte ventilatório que visa melhorar a condição respiratória ou insuficiência respiratória, contribuindo para a melhora das trocas gasosas e facilitando e atenuando a dificuldade respiratória. E dentro da ventilação mecânica temos os modos ventilatórios convencionais: A/C, VCV – Assistido/controlador com ciclagem volume, A/C, PCV – Assitido/controlado com pressão constante, ciclado a tempo,PSV – Ventilação com pressão de suporte e SIMV – Ventilação mandatória intermitente sincronizada. Cada um desses modos ventilatórios será utilizado de forma com o aspecto respiratório do paciente e os parâmetros gasométricos quanto a participação do paciente no ciclo respiratório e ventilador mecânico e o ventilador mecânico terá alguns ajustes iniciais de Fio2, FR,VC,Peep,Fluxo,Sensibilidade..possibilitando um melhor suporte ventilatório. 13
  • 14. Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde Fisioterapia Intensiva Neonatal e Pediátrica Bibliografia: 1- Chatburn RL. Classification of Ventilator Modes: Update and Proposal for Implementation. RespiratoryCare, 2007; 52(3): 301-323. 2- II Consenso Brasileirode Ventilação Mecânica; 3- Sarmento.George. Fisioterapia em UTI, São Paulo : Ed. Atheneu, 2010. 4- http://www.xlung.net/manual-de-vm/modos-ventilatorios-basicos 5- Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica 14