SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA
1.GLÓRIA, Daniel; 2.SOUTO, Ketollen
A pneumonia associada à ventilação mecânica é uma síndrome infecciosa do
pulmão, freqüente, de grave evolução. A pneumonia hospitalar é aquela que ocorre 48
horas ou mais a partir da admissão hospitalar, em pacientes ainda não intubados.
Quando o paciente evolui desfavoravelmente e é encaminhado para internação na
unidade intensiva, com a indicação de intubação orotraqueal e instituição da ventilação
invasiva, poderão surgir indícios de infecção 48-72 horas após a intubação e o início da
ventilação mecânica, sendo conceituada como pneumonia relacionada à ventilação
mecânica.
Os pacientes intubados perdem a barreira natural entre a orofaringe e a traquéia,
eliminando o reflexo da tosse e promovendo o acúmulo de secreções contaminadas
acima do cuff,surgindo devido uma de equilíbrio entre os mecanismos de defesa do
indivíduo e o agente microbiano, devido ao tamanho do inóculo ou virulência do
microorganismo.
De acordo com o tempo de internação, as pneumonias poderão ser classificadas em
precoces, quando os indícios da infecção surgem até o quarto dia de intubação e
ventilação mecânica, ou tardia quando se inicia após o quinto dia de intubação e
ventilação mecânica, sendo
este fato de importância para se presumir o diagnóstico etiológico e iniciar um
tratamento adequado. As de inicio tardio são geralmente ocasionadas por patógenos
multirresistentes, o que aumenta a mortalidade e a morbidade. Pacientes que tem um
início precoce de pneumonia associada a ventilação mecânica geralmente são
ocasionados por patógenos sensíveis aos antibióticos tendo um melhor prognóstico.
A duração prolongada da VM em pacientes com IOT está associada a um aumento
da morbidade e mortalidade em UTI, apresentando um risco para sua ocorrência de 1 a
3% a cada dia de permanência em VM. A principal fonte de surtos de bactérias
multirresistentes são as UTI’s, devido ao excessivo consumo de antimicrobianos, uso
rotineiro de técnicas invasivas.
O fator de risco para a PN aumenta de seis a vinte vezes nos pacientes que
encontram-se em IOT e VM. A IOT é o fator de risco mais importante para o
surgimento da PAVM, pois pode se tornar um reservatório para a proliferação
bacteriana, aumentar a aderência e colonização bacteriana nas vias aéreas o que reduz a
atividade mucociliar e a tosse.
O diagnóstico desta patologia ainda é bastante controversa, devido a falta de
consenso entre os profissionais. Clinicamente suspeita-se de pneumonia associada a
ventilação mecânica quando o paciente sob este procedimento desenvolve um novo ou
progressivo infiltrado pulmonar associado a febre, leucocitose e secreção
traqueobrônquica purulenta. Porém, existem causas não infecciosas destes sintomas,
podendo confundir o diagnóstico, ou seja, para um melhor diagnóstico deve haver uma
junção entre a avaliação clínica e exames de lavado broncoalveolar e hemocultura, pois
a maioria dos erros resulta em prescrição desnecessária de antibióticos, falhas no
diagnóstico de pneumonia e no tratamento das infecções polimicrobianos ou por
patógenos resistentes.
A maioria dos casos a morte por pneumonia ocorre por uma antibioticoterapia
inadequada. Portanto, a escolha do antibiótico correto se torna uma estratégia
importante na redução da mortalidade desses pacientes. Para realizar uma
antibioticoterapia adequada deve-se considerar vários fatores além de uma simples
combinação de antibióticos com as bactérias, é preciso administrar o medicamento certo
na dose certa, prevenindo a ocorrência de patógenos multirresistentes, que está
relacionada à dois fatores importantes, o uso prévio da antibióticos e a duração da VM.
É importante usar a terapia empírica adequada o mais rápido possível, e é necessário o
conhecimento de quais patógenos estão presentes na UTI de cada hospital, assim como
sua sensibilidade, evitando-se o uso excessivo de antibióticos.
Devido a alta taxa de mortalidade da PAVM, programas de educação básica tem
reconhecido que a ocorrência de PAVM pode ser reduzida em 50% ou mais usando
várias intervenções para prevenir a colonização e a aspiração de secreções e de
conteúdo gástrico.
O crescimento da freqüência de microorganismos resistentes
representa um sério problema de saúde. A UTI é uma grande fonte de patógenos
resistentes. Sendo assim, a prevenção deve fazer parte de estratégias de manejo da
PAVM.
A partir do exposto, observou-se que a PAVM é uma patologia bastante incidente e
apresenta uma alta taxa de mortalidade em pacientes intubados internados em UTI’s.
Sendo assim, seu diagnóstico e tratamento devem ser precoces a fim de reduzir a
severidade da doença e melhorar seu prognóstico.
Todos os profissionais da área de saúde, inclusive os fisioterapeutas, que trabalham
com esses pacientes devem agir em concordância, adotando medidas de prevenção da
PAVM a fim de reduzir os riscos para a sua ocorrência, resultando em uma diminuição
da taxa de mortalidade de seus pacientes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoErivaldo Rosendo
 
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânicaAula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânicaProqualis
 
Suporte bã¡sico de vida em pediatria
Suporte bã¡sico de vida em pediatriaSuporte bã¡sico de vida em pediatria
Suporte bã¡sico de vida em pediatriaAnna Paula Bastos
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagempryloock
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaAna Hollanders
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emArquivo-FClinico
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxRafaela Amanso
 
Material Biologico
Material BiologicoMaterial Biologico
Material Biologiconutecs
 
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação MecânicaPrevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação MecânicaProqualis
 
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúdeIntroduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúdeMônica Santos Braga
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriewlukeni2015
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIFábio Falcão
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaAmanda Thomé
 
Manual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaManual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaLuana Morais
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfmauromaumau
 

Mais procurados (20)

Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânicaAula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
Aula sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
 
Suporte bã¡sico de vida em pediatria
Suporte bã¡sico de vida em pediatriaSuporte bã¡sico de vida em pediatria
Suporte bã¡sico de vida em pediatria
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Material Biologico
Material BiologicoMaterial Biologico
Material Biologico
 
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação MecânicaPrevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
Prevenção de Pneumonia Associada a Ventilação Mecânica
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúdeIntroduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
Introduçao o controle das infecções relacionadas a assitência à saúde
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrônicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
 
Higienização das mãos
Higienização das mãosHigienização das mãos
Higienização das mãos
 
Manual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaManual --traqueostomia
Manual --traqueostomia
 
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdfAULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
AULA - INFECÇÃO HOSPITALAR.pdf
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Acidente com material biologico
Acidente com material biologico Acidente com material biologico
Acidente com material biologico
 

Destaque

Destaque (17)

Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Doença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar IntersticialDoença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar Intersticial
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
 
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonarCorrelação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
 
Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 

Semelhante a Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)

Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresJonathan Sampaio
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934jhonas ramos
 
Pneumonia associada a Vm,
Pneumonia associada a Vm,Pneumonia associada a Vm,
Pneumonia associada a Vm,Luciane Santana
 
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxFabianoDoVale
 
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapiaIVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapiaLorena de Assis
 
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em criançasInfecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em criançasblogped1
 
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...Laped Ufrn
 
Programa de Educação em Saúde
Programa de Educação em SaúdePrograma de Educação em Saúde
Programa de Educação em Saúdenuiashrl
 
Infecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptxInfecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptxAdilelsonJnior
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDLiga De Pediatria Med Unicid
 
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]Gessyca Antonia
 
Manual trato respiratrio anvisa
Manual  trato respiratrio anvisaManual  trato respiratrio anvisa
Manual trato respiratrio anvisaresenfe2013
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacteriasEman Lemine
 
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemJoana Darc Calado
 

Semelhante a Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) (20)

Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Pneumonia Hospitalar
Pneumonia HospitalarPneumonia Hospitalar
Pneumonia Hospitalar
 
Infeccao em uti
Infeccao em utiInfeccao em uti
Infeccao em uti
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
Principaisinfecoeshospitalares 2-160823143934
 
Pneumonia associada a Vm,
Pneumonia associada a Vm,Pneumonia associada a Vm,
Pneumonia associada a Vm,
 
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptxINFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
INFECÇÃO COMPARTILHAR.pptx
 
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapiaIVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
 
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em criançasInfecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
 
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
 
Programa de Educação em Saúde
Programa de Educação em SaúdePrograma de Educação em Saúde
Programa de Educação em Saúde
 
Infecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptxInfecções Hospitalares.pptx
Infecções Hospitalares.pptx
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
 
Apresentação ITU.pdf
Apresentação ITU.pdfApresentação ITU.pdf
Apresentação ITU.pdf
 
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
2a.e 3a. aula_infecção_hospitalar[1]
 
Manual trato respiratrio anvisa
Manual  trato respiratrio anvisaManual  trato respiratrio anvisa
Manual trato respiratrio anvisa
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
 
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (13)

Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
A importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
A importância da fisioterapia motora em pacientes críticosA importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
A importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatórios
 
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE ONCOLÓGICO DA FCECON
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE  ONCOLÓGICO DA FCECONRELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE  ONCOLÓGICO DA FCECON
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE ONCOLÓGICO DA FCECON
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)

  • 1. PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA 1.GLÓRIA, Daniel; 2.SOUTO, Ketollen A pneumonia associada à ventilação mecânica é uma síndrome infecciosa do pulmão, freqüente, de grave evolução. A pneumonia hospitalar é aquela que ocorre 48 horas ou mais a partir da admissão hospitalar, em pacientes ainda não intubados. Quando o paciente evolui desfavoravelmente e é encaminhado para internação na unidade intensiva, com a indicação de intubação orotraqueal e instituição da ventilação invasiva, poderão surgir indícios de infecção 48-72 horas após a intubação e o início da ventilação mecânica, sendo conceituada como pneumonia relacionada à ventilação mecânica. Os pacientes intubados perdem a barreira natural entre a orofaringe e a traquéia, eliminando o reflexo da tosse e promovendo o acúmulo de secreções contaminadas acima do cuff,surgindo devido uma de equilíbrio entre os mecanismos de defesa do indivíduo e o agente microbiano, devido ao tamanho do inóculo ou virulência do microorganismo. De acordo com o tempo de internação, as pneumonias poderão ser classificadas em precoces, quando os indícios da infecção surgem até o quarto dia de intubação e ventilação mecânica, ou tardia quando se inicia após o quinto dia de intubação e ventilação mecânica, sendo este fato de importância para se presumir o diagnóstico etiológico e iniciar um tratamento adequado. As de inicio tardio são geralmente ocasionadas por patógenos multirresistentes, o que aumenta a mortalidade e a morbidade. Pacientes que tem um início precoce de pneumonia associada a ventilação mecânica geralmente são ocasionados por patógenos sensíveis aos antibióticos tendo um melhor prognóstico. A duração prolongada da VM em pacientes com IOT está associada a um aumento da morbidade e mortalidade em UTI, apresentando um risco para sua ocorrência de 1 a 3% a cada dia de permanência em VM. A principal fonte de surtos de bactérias multirresistentes são as UTI’s, devido ao excessivo consumo de antimicrobianos, uso rotineiro de técnicas invasivas. O fator de risco para a PN aumenta de seis a vinte vezes nos pacientes que encontram-se em IOT e VM. A IOT é o fator de risco mais importante para o surgimento da PAVM, pois pode se tornar um reservatório para a proliferação bacteriana, aumentar a aderência e colonização bacteriana nas vias aéreas o que reduz a atividade mucociliar e a tosse. O diagnóstico desta patologia ainda é bastante controversa, devido a falta de consenso entre os profissionais. Clinicamente suspeita-se de pneumonia associada a ventilação mecânica quando o paciente sob este procedimento desenvolve um novo ou
  • 2. progressivo infiltrado pulmonar associado a febre, leucocitose e secreção traqueobrônquica purulenta. Porém, existem causas não infecciosas destes sintomas, podendo confundir o diagnóstico, ou seja, para um melhor diagnóstico deve haver uma junção entre a avaliação clínica e exames de lavado broncoalveolar e hemocultura, pois a maioria dos erros resulta em prescrição desnecessária de antibióticos, falhas no diagnóstico de pneumonia e no tratamento das infecções polimicrobianos ou por patógenos resistentes. A maioria dos casos a morte por pneumonia ocorre por uma antibioticoterapia inadequada. Portanto, a escolha do antibiótico correto se torna uma estratégia importante na redução da mortalidade desses pacientes. Para realizar uma antibioticoterapia adequada deve-se considerar vários fatores além de uma simples combinação de antibióticos com as bactérias, é preciso administrar o medicamento certo na dose certa, prevenindo a ocorrência de patógenos multirresistentes, que está relacionada à dois fatores importantes, o uso prévio da antibióticos e a duração da VM. É importante usar a terapia empírica adequada o mais rápido possível, e é necessário o conhecimento de quais patógenos estão presentes na UTI de cada hospital, assim como sua sensibilidade, evitando-se o uso excessivo de antibióticos. Devido a alta taxa de mortalidade da PAVM, programas de educação básica tem reconhecido que a ocorrência de PAVM pode ser reduzida em 50% ou mais usando várias intervenções para prevenir a colonização e a aspiração de secreções e de conteúdo gástrico. O crescimento da freqüência de microorganismos resistentes representa um sério problema de saúde. A UTI é uma grande fonte de patógenos resistentes. Sendo assim, a prevenção deve fazer parte de estratégias de manejo da PAVM. A partir do exposto, observou-se que a PAVM é uma patologia bastante incidente e apresenta uma alta taxa de mortalidade em pacientes intubados internados em UTI’s. Sendo assim, seu diagnóstico e tratamento devem ser precoces a fim de reduzir a severidade da doença e melhorar seu prognóstico. Todos os profissionais da área de saúde, inclusive os fisioterapeutas, que trabalham com esses pacientes devem agir em concordância, adotando medidas de prevenção da PAVM a fim de reduzir os riscos para a sua ocorrência, resultando em uma diminuição da taxa de mortalidade de seus pacientes.