SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Distúrbios
da
consciência
LUÍS FELIPE DE O. SIDNEY - RESIDENTE DE TERAPIA INTENSIVA – CEPETI - CURITIBA PR 11/09/19
Referência
Abraham Joseph Layon
Critical Care Medicine
Pulmonary and Critical Care Medicine
The Geisinger Health System
Danville, PA, USA
Temple University School of Medicine
Philadelphia, PA, USA
His special interests include burn therapy, sepsis, ethics, and outcomes
research
Andrea Gabrielli
Departments of Anesthesiology and Surgery
University of Florida College of Medicine
Gainesville, FL, USA
Diplomate of the Italian Board of General Surgery, the American Board of
Anesthesiology and holds a certificate of special qualifications in Critical Care
Medicine
member of the American Heart Association National Basic Life Support
Committee and the Educational Committee of the American Society of Critical
Care Anesthesiology
William Alan Friedman
Department of Neurological Surgery
University of Florida College of Medicine
Gainesville, FL, USA
Director of the Preston Wells Center for Brain Tumor Therapy at the University
of Florida. He is a Gubernatorial Appointee to the Florida Center for Brain
Tumor Research.
Referência de Imagens
Introdução
Alteração do estado mental é um fenômeno comumente encontrado na
Unidade de Terapia;
Pode ocorrem secundariamente a uma variedade de fatores neurológicos e não
neurológicos etiologias.
Apresentações e
descrições do
nível de
excitação
-Alerta
-Turvação da consciência
desatento sem franca confusão e sem desorientação. Esses indivíduos geralmente não são anosognosicos - eles
são ciente de seu déficit - o que difere de outras formas de mentação alterada. Este termo é comumente usado
para descrever indivíduos que usam certos medicamentos ou têm metabolismo leve distúrbios
-Estado Confusional
é semelhante ao turvação da consciência mas possui o recurso adicional de confusão adicional e / ou
desorientaçao. Esses indivíduos podem ser hipervigilantes e pode ser combativo
-Letargia
indivíduos que dormem espontaneamente a maior parte do dia. Esses indivíduos vão acordar com apenas leve
estimulação, mas também pode ser confuso. Eles podem facilmente deriva voltar a dormir se não for
estimulado
-Obnubilação
estado em que um indivíduo é menos responsivo estímulos do que os vistos em um estado sonolento. Estes os
pacientes geralmente não estão interessados em seu ambiente quando eles são despertados. Pacientes
obnubilados podem ser difíceis de despertar e pode exigir dor profunda para avaliar respostas
-Estupor
Esses indivíduos podem reagir à dor profunda, mas não interagem com o ambiente deles. Eles só podem fazer
caretas ou desenhar (corpo ou extremidade) longe da dor
-Coma
não apresenta abertura ocular e não emite sons sob estímulos e que freqüentemente também apresenta
comprometimento de reflexos dp tronco cerebral
Avaliação e Exame Físico na
UTI
Exame Cardíaco, Carotídeo e Pescoço/Cervical
-Sopros cardíaco e carotídeo
-Nodulações
Avaliação e
Exame Físico na
UTI
Exame Físico Pulmonar e Padrões Respiratórios
O exame pulmonar concentra-se tanto na ausculta e também nos
padrões gerais de respiração. pneumonia, pneumotórax e corpos
estranhos – todos pode resultar em um estado mental alterado
(presumivelmente por hipoxemia).
Padrões respiratórios anormais podem oferecer pistas para o
etiologia subjacente de uma mudança de estado mental.
Ocasionalmente, um padrão respiratório anormal pode ser
indicativo de dano no tronco cerebral
Avaliação e Exame Físico
na UTI
Exame Físico Abdominal
Ao considerar uma alteração estado mental, deve se concentrar na busca de
estigmas de doenças do fígado;
Esses estigmas podem incluir angiomas de aranha, ascites,
hepatomegalia, ou cabeça medusa.
O abdômen deve ser ausculta e palpada para avaliar sinais de intussuscepção,
obstrução do intestino delgado, isquemia intestinal, perfuração intestinal,
ou apendicite.
Procurar por cicatrizes revelando cirurgias prévias, pois podem oferecer pistas
importantes
etiologia e, principalmente, história prévia de transplante de órgãos
Avaliação e
Exame Físico na
UTI
Exame Físico Neurológico
-Escala de Coma de Glasgow
-Função Cortical Superior e Gânglios
da Base
-Nervos Cranianos
-Fundoscopia
-Motor
-Reflexos
Exames Complementares
Exames Laboratoriais
Exames de Imagem
Punção Lombar
EEG
Delírio
O delírio é um fenômeno extremamente comum em UTI
Delirium é definido como uma mudança flutuante aguda na consciência e cognição que se
desenvolve durante um breve período de tempo.
As causas do delirium podem incluir infecção, distúrbios metabólicos, medicamentos,
abstinência alcoólica e pós-operatório, especialmente na população idosa.
Se o tratamento da causa subjacente do delirium for encontrado cedo, pode ser resolvido mais
rapidamente.
Não existe tratamento específico para delirium, mas sim um abordagem para minimizar
aspectos físicos, médicos e emocionais, além de tratar o causa(s) subjacente (s).
Mutismo Acinético
A expressão mutismo acinético foi
empregada por Cairns e cols. para designar
um quadro clínico observado, em pleno
estado de desenvolvimento, numa menina de
14 anos, portadora de um cisto epidermóide
que distendia a cavidade do 3* ventrículo; a
doente jazia inerte no leito, sem atividade
espontânea de qualquer natureza, exceto
que os olhos seguiam o movimento de
objetos ou podia ser distraída por sons
ACORDAR ESTÁ
PRESENTE
“COMA VIGILE”
ESTADO “APÁLICO”
DEGENERAÇÃO
CORTICAL CEREBRAL
DIFUSA BILATERAL
PÓS ANOXIA,
ENCEFALITE, TRAUMA
CRANIOENCEFÁLICO,
TUMORES
Intoxicações
Sedativos
Cocaína e outros simpatomiméticos
Álcool
LSD
Narcóticos
Monóxido de Carbono
Distúrbios Metabólicos e Endócrinos
Cetoacidose
diabética
Encefalopatia
hepática
Hipercalcemia Hipercapnia
Hiperglicemia Hipernatremia Hipoglicemia Hiponatremia
Hipoxia Hipotireoidismo Uremia
Encefalopatia de
Wernicke
Encefalopatia Metabólica
NÃO PRODUZEM SINAIS FOCAIS
REATIVIDADE PUPILAR PRESERVADA
NÃO AFETAM O MOVIMENTO OCULAR
CONFUSÃO MENTAL > DELIRIO > TORPOR > COMA
Particularidades
HIPOGLICEMIA
Deficits
lateralizados,
postura extensora,
hipotermia e
convulsões
HEPÁTICA
Ascite,
Hipoalbuminemia,
Hiperbilirrbinemia,
Amônia
UREMIA
Tremores,
mioclonias,
convulsão, déficit
focal leve
HIPERCARBIA
Papiledema,
tremores,
mioclonias
Doença
Vascular
Encefálica
Neoplasias
lesões em massa de qualquer etiologia podem causar maior pressão sobre
outras partes do SRAA e,se suficientemente significativo, pode RNC
Qualquer neoplasia que comprometa o tronco cerebral ou tem um
efeito de massa significativo, de modo que ambos os
hemisférios cerebrais afetados podem causar uma alteração
da consciência.
Além desse fenômeno, neoplasias cerebrais, principalmente
quando cortical, pode causar irritação cortical e resultar
em convulsões
Síndrome da encefalopatia posterior
reversível (PRES)
A encefalopatia posterior reversível é uma síndrome aguda /
subaguda geralmente causada pela encefalopatia hipertensiva,
eclâmpsia, neurotoxicidade a ciclosporina-A, encefalopatia
urêmica e púrpura trombocitopênica trombótica..
A maioria dos pacientes apresenta elevação acentuada dos níveis
tensionais outros, níveis moderados ou normais.
Os sintomas são progressivos e compreendem cefaléia,
diminuição do nível de consciência, crises epilépticas e distúrbios
visuais.
A sintomatologia regride completamente se corrigidas em tempo
as causas determinantes, caso contrário, podem instalar-se
danos irreversíveis como a cegueira cortical e morte
Doença Desmielinizante
Raramente a doença desmielinizante pode causar uma alteração da consciência pois raramente
causa disfunção bilateral do SRA.
Normalmente, a doença desmielinizante afetará discretamente áreas do SNC e causam déficits
focais que não influenciam consciência, como fraqueza, perda sensorial, ataxia, perda central da
visão e diplopia.
Dois exemplos de doenças que podem causar alterações de consciência são:
Encefalomielite desmielinizante aguda (ADEM)
Esclerose múltipla (EM).
Infecções
Meningites:
comumente se apresenta com fotofobia, alteração estado mental, dor de cabeça, nucalgia,
convulsões e febre.
Pode ser causada por bactérias, vírus e fungos.
Encefalites:
pode se apresentar de forma semelhante à meningite, mas tem características do
envolvimento parenquimatoso, incluindo convulsões, alterações na consciência, perda de
memória e dor de cabeça.
Vírus mais comum: HSV
Mortalidade de até 70% se não tratada
EEG pode mostrar lentidão difusa ou periódica descargas epileptiformes lateralizadas.
Abcessos Cerebrais:
geralmente apresentam dores de cabeça e déficits neurológicos focais. Eles normalmente
não se manifestam com os achados comuns da infecção do SNC, como rigidez pescoço, dor
de cabeça, náusea, vômito, febre, letargia, fotofobia, ou edema do disco óptico. Podem
exercer efeito de massa e dependendo da localização exercera os sintomas.
Hipotensão
Intracraniana
A hipotensão intracraniana pode
ser espontânea ou associada com
trauma (incluindo fenestração do
saco dural por punção lombar);
A hipotensão intracraniana
espontânea é síndrome rara,
caracterizada pela diminuição
da pressão no líquido
cefalorraquidiano (LCR), nos
valores de 50 a 70 mm H2O, e
cefaléia postural.
O extravasamento do LCR do
SNC ocorre de modo
espontâneo devido a
rompimento de cisto perineural
ou de divertículo da aracnóide
É causada por uma hidrostática
insuficiente pressão para
manter o cérebro, tronco
cerebral e outros Tecido do SNC
suspenso acima do calvário
ósseo.
Quando isso ocorre, a base do
cérebro e do tronco cerebral
cede e repousam
frequentemente na base do
crânio, causando
ocasionalmente danos à essas
estruturas.
Esses pacientes quase todos
universalmente têm dores de
cabeça, mas também podem
apresentar letargia / estupor,
neuropatias cranianas, ou
mesmo como uma síndrome
discreta do tronco cerebral
Hipotensão
Intracraniana
O diagnóstico é feito pelo quadro
clínico da dor de cabeça postural
piorou por ficar em pé ou sentado.
A ressonância magnética pode
mostrar aprimoramento difuso dos
paquimeninges, “queda” de o
mesencéfalo e, às vezes, higromas
subdurais.
Tratamento com “blood patch”
geralmente é tentada primeiro e, se
malsucedida, um reparo cirúrgico
pode ser realizado.
Status
Epiléptico
Convulsivo
Definição prática: maior que 5 minutos
Definição
Crise convulsiva de duração maior que
30 min, ou crises reentrantes, sem
recuperação da consciência
Status
Epiléptico
Convulsivo
Causas
Descontinuação do tratamento para epilepsia
Síndrome de abstinência
Doença estrutural aguda
Doença estrutural antiga
Anormalidades metabólicas(disglicemias, encefalopatia
hepática, uremia, hiponatremia, hipocalcemia,
hipomagnesemia)
Drogas que reduzem o limiar convulsivo(Teofilina, imipenem,
penicilina G cristalina, quinolonas, metronidazol, flumazenil
Prognóstico: Mortalidade de até 20%
Mecanismo
Rabdomiólise
Acidose lática
Pneumonite aspirativa
Edema pulmonar neurogênico
Crise Psicogênica não-epiléptica
Status Epiléptico Não Convulsivo
“O estado epiléptico não-convulsivo (NCSE) é um estado de atividade convulsiva contínua por
pelo menos 30 minutos, com alterações cognitivas ou comportamentais, mas sem
manifestações clínicas convulsivas. Requer EEG para confirmação.”
Encefalopatias
Imunomediadas
Esses distúrbios têm uma apresentação extremamente variada, mas quase sempre tem
uma encefalopatia rapidamente progressiva com delírio sobreposto como um recurso.
Outras manifestações incluem convulsões, distúrbios do movimento, sintomas psiquiátricos
(mania, alucinações, paranóia). Muitos desses distúrbios tiveram recentemente
autoanticorpos descoberto, particularmente à membrana neuronal proteínas do canal.
Todos têm patogênese imunomediada e podem responder à terapia imuno-ativa como
encefalopatias associadas a anticorpos
Essas encefalopatias podem ser idiopáticas, natureza autoimune ou paraneoplásica.
Estado Minimamente Consciente
Alteração importante da consciência
Podem demonstrar interação limitada com o ambiente
.Fixar o olhar
.Obedecer comandos simples
.Sinalizar sim ou não
.Verbalização
Literatura mais ampla para paciente pós trauma
do que injuria hipoxica
-SÍNDROME DO CATIVEIRO (SÍNDROME DO ENCARCERAMENTO)
Tetraplegia e Paralisia dos Nervos Cranianos Inferiores
associado ou não com distúrbios da consciência. Poupa S.R..A
-LESÃO AXONAL DIFUSA
Geralmente a LAD é causada pela ação do movimento da cabeça
em aceleração-desaceleração, também conhecido como
efeito chicote (cabeça jogada para a frente e imediatamente para trás),
ou seja, lesões de alta velocidade com estiramento ou
chacoalhamento do tecido cerebral. Isso provoca desconexão
dos axônios e perda da consciência.
-ESTADO VEGETATIVO CRÔNICO OU PERSISTENTE
Paciente que sobrevivem por períodos prolongados após terem
sofrido TCE grave sem recuperarem qualquer
manifestação de atividade mental superior
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx

Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
japaforozero
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 

Semelhante a cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx (20)

Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
 
Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
 
Paralisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicadaParalisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicada
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
Epilepsia
Epilepsia Epilepsia
Epilepsia
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares Síndromes vestibulares
Síndromes vestibulares
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
 
Projeto famec criativa
Projeto famec criativaProjeto famec criativa
Projeto famec criativa
 
Epilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quintaEpilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quinta
 
Convulsao
ConvulsaoConvulsao
Convulsao
 
Aula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptxAula Sistema Nervoso.pptx
Aula Sistema Nervoso.pptx
 
Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome ExtrapiramidalExame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
 
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
Distúrbios paroxísticos não epilépticos(dpne)
 
Epilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsivaEpilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsiva
 
Doenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema NervosoDoenças do Sistema Nervoso
Doenças do Sistema Nervoso
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 
Atryo epilepsia
Atryo epilepsiaAtryo epilepsia
Atryo epilepsia
 

Mais de Marcio Domingues (10)

AH1Fibromialgia.pdf
AH1Fibromialgia.pdfAH1Fibromialgia.pdf
AH1Fibromialgia.pdf
 
FBM.pdf
FBM.pdfFBM.pdf
FBM.pdf
 
Apresentacao Institucional.ppt
Apresentacao Institucional.pptApresentacao Institucional.ppt
Apresentacao Institucional.ppt
 
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfguia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
 
Figado 2012.ppt [Modo de Compatibilidade].pdf
Figado 2012.ppt [Modo de Compatibilidade].pdfFigado 2012.ppt [Modo de Compatibilidade].pdf
Figado 2012.ppt [Modo de Compatibilidade].pdf
 
1 - Anamnese e historia clínica.pdf
1 - Anamnese e historia clínica.pdf1 - Anamnese e historia clínica.pdf
1 - Anamnese e historia clínica.pdf
 
H2020 wp1617-health en
H2020 wp1617-health enH2020 wp1617-health en
H2020 wp1617-health en
 
Landa brands ch1_rev
Landa brands ch1_revLanda brands ch1_rev
Landa brands ch1_rev
 
Gfat51
Gfat51Gfat51
Gfat51
 
Artigo9
Artigo9Artigo9
Artigo9
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 

Último (9)

Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 

cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx

  • 1. Distúrbios da consciência LUÍS FELIPE DE O. SIDNEY - RESIDENTE DE TERAPIA INTENSIVA – CEPETI - CURITIBA PR 11/09/19
  • 2. Referência Abraham Joseph Layon Critical Care Medicine Pulmonary and Critical Care Medicine The Geisinger Health System Danville, PA, USA Temple University School of Medicine Philadelphia, PA, USA His special interests include burn therapy, sepsis, ethics, and outcomes research Andrea Gabrielli Departments of Anesthesiology and Surgery University of Florida College of Medicine Gainesville, FL, USA Diplomate of the Italian Board of General Surgery, the American Board of Anesthesiology and holds a certificate of special qualifications in Critical Care Medicine member of the American Heart Association National Basic Life Support Committee and the Educational Committee of the American Society of Critical Care Anesthesiology William Alan Friedman Department of Neurological Surgery University of Florida College of Medicine Gainesville, FL, USA Director of the Preston Wells Center for Brain Tumor Therapy at the University of Florida. He is a Gubernatorial Appointee to the Florida Center for Brain Tumor Research.
  • 4. Introdução Alteração do estado mental é um fenômeno comumente encontrado na Unidade de Terapia; Pode ocorrem secundariamente a uma variedade de fatores neurológicos e não neurológicos etiologias.
  • 5. Apresentações e descrições do nível de excitação -Alerta -Turvação da consciência desatento sem franca confusão e sem desorientação. Esses indivíduos geralmente não são anosognosicos - eles são ciente de seu déficit - o que difere de outras formas de mentação alterada. Este termo é comumente usado para descrever indivíduos que usam certos medicamentos ou têm metabolismo leve distúrbios -Estado Confusional é semelhante ao turvação da consciência mas possui o recurso adicional de confusão adicional e / ou desorientaçao. Esses indivíduos podem ser hipervigilantes e pode ser combativo -Letargia indivíduos que dormem espontaneamente a maior parte do dia. Esses indivíduos vão acordar com apenas leve estimulação, mas também pode ser confuso. Eles podem facilmente deriva voltar a dormir se não for estimulado -Obnubilação estado em que um indivíduo é menos responsivo estímulos do que os vistos em um estado sonolento. Estes os pacientes geralmente não estão interessados em seu ambiente quando eles são despertados. Pacientes obnubilados podem ser difíceis de despertar e pode exigir dor profunda para avaliar respostas -Estupor Esses indivíduos podem reagir à dor profunda, mas não interagem com o ambiente deles. Eles só podem fazer caretas ou desenhar (corpo ou extremidade) longe da dor -Coma não apresenta abertura ocular e não emite sons sob estímulos e que freqüentemente também apresenta comprometimento de reflexos dp tronco cerebral
  • 6. Avaliação e Exame Físico na UTI Exame Cardíaco, Carotídeo e Pescoço/Cervical -Sopros cardíaco e carotídeo -Nodulações
  • 7. Avaliação e Exame Físico na UTI Exame Físico Pulmonar e Padrões Respiratórios O exame pulmonar concentra-se tanto na ausculta e também nos padrões gerais de respiração. pneumonia, pneumotórax e corpos estranhos – todos pode resultar em um estado mental alterado (presumivelmente por hipoxemia). Padrões respiratórios anormais podem oferecer pistas para o etiologia subjacente de uma mudança de estado mental. Ocasionalmente, um padrão respiratório anormal pode ser indicativo de dano no tronco cerebral
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Avaliação e Exame Físico na UTI Exame Físico Abdominal Ao considerar uma alteração estado mental, deve se concentrar na busca de estigmas de doenças do fígado; Esses estigmas podem incluir angiomas de aranha, ascites, hepatomegalia, ou cabeça medusa. O abdômen deve ser ausculta e palpada para avaliar sinais de intussuscepção, obstrução do intestino delgado, isquemia intestinal, perfuração intestinal, ou apendicite. Procurar por cicatrizes revelando cirurgias prévias, pois podem oferecer pistas importantes etiologia e, principalmente, história prévia de transplante de órgãos
  • 12. Avaliação e Exame Físico na UTI Exame Físico Neurológico -Escala de Coma de Glasgow -Função Cortical Superior e Gânglios da Base -Nervos Cranianos -Fundoscopia -Motor -Reflexos
  • 13. Exames Complementares Exames Laboratoriais Exames de Imagem Punção Lombar EEG
  • 14. Delírio O delírio é um fenômeno extremamente comum em UTI Delirium é definido como uma mudança flutuante aguda na consciência e cognição que se desenvolve durante um breve período de tempo. As causas do delirium podem incluir infecção, distúrbios metabólicos, medicamentos, abstinência alcoólica e pós-operatório, especialmente na população idosa. Se o tratamento da causa subjacente do delirium for encontrado cedo, pode ser resolvido mais rapidamente. Não existe tratamento específico para delirium, mas sim um abordagem para minimizar aspectos físicos, médicos e emocionais, além de tratar o causa(s) subjacente (s).
  • 15. Mutismo Acinético A expressão mutismo acinético foi empregada por Cairns e cols. para designar um quadro clínico observado, em pleno estado de desenvolvimento, numa menina de 14 anos, portadora de um cisto epidermóide que distendia a cavidade do 3* ventrículo; a doente jazia inerte no leito, sem atividade espontânea de qualquer natureza, exceto que os olhos seguiam o movimento de objetos ou podia ser distraída por sons ACORDAR ESTÁ PRESENTE “COMA VIGILE” ESTADO “APÁLICO” DEGENERAÇÃO CORTICAL CEREBRAL DIFUSA BILATERAL PÓS ANOXIA, ENCEFALITE, TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO, TUMORES
  • 16. Intoxicações Sedativos Cocaína e outros simpatomiméticos Álcool LSD Narcóticos Monóxido de Carbono
  • 17. Distúrbios Metabólicos e Endócrinos Cetoacidose diabética Encefalopatia hepática Hipercalcemia Hipercapnia Hiperglicemia Hipernatremia Hipoglicemia Hiponatremia Hipoxia Hipotireoidismo Uremia Encefalopatia de Wernicke
  • 18. Encefalopatia Metabólica NÃO PRODUZEM SINAIS FOCAIS REATIVIDADE PUPILAR PRESERVADA NÃO AFETAM O MOVIMENTO OCULAR CONFUSÃO MENTAL > DELIRIO > TORPOR > COMA
  • 21. Neoplasias lesões em massa de qualquer etiologia podem causar maior pressão sobre outras partes do SRAA e,se suficientemente significativo, pode RNC Qualquer neoplasia que comprometa o tronco cerebral ou tem um efeito de massa significativo, de modo que ambos os hemisférios cerebrais afetados podem causar uma alteração da consciência. Além desse fenômeno, neoplasias cerebrais, principalmente quando cortical, pode causar irritação cortical e resultar em convulsões
  • 22. Síndrome da encefalopatia posterior reversível (PRES) A encefalopatia posterior reversível é uma síndrome aguda / subaguda geralmente causada pela encefalopatia hipertensiva, eclâmpsia, neurotoxicidade a ciclosporina-A, encefalopatia urêmica e púrpura trombocitopênica trombótica.. A maioria dos pacientes apresenta elevação acentuada dos níveis tensionais outros, níveis moderados ou normais. Os sintomas são progressivos e compreendem cefaléia, diminuição do nível de consciência, crises epilépticas e distúrbios visuais. A sintomatologia regride completamente se corrigidas em tempo as causas determinantes, caso contrário, podem instalar-se danos irreversíveis como a cegueira cortical e morte
  • 23. Doença Desmielinizante Raramente a doença desmielinizante pode causar uma alteração da consciência pois raramente causa disfunção bilateral do SRA. Normalmente, a doença desmielinizante afetará discretamente áreas do SNC e causam déficits focais que não influenciam consciência, como fraqueza, perda sensorial, ataxia, perda central da visão e diplopia. Dois exemplos de doenças que podem causar alterações de consciência são: Encefalomielite desmielinizante aguda (ADEM) Esclerose múltipla (EM).
  • 24. Infecções Meningites: comumente se apresenta com fotofobia, alteração estado mental, dor de cabeça, nucalgia, convulsões e febre. Pode ser causada por bactérias, vírus e fungos. Encefalites: pode se apresentar de forma semelhante à meningite, mas tem características do envolvimento parenquimatoso, incluindo convulsões, alterações na consciência, perda de memória e dor de cabeça. Vírus mais comum: HSV Mortalidade de até 70% se não tratada EEG pode mostrar lentidão difusa ou periódica descargas epileptiformes lateralizadas. Abcessos Cerebrais: geralmente apresentam dores de cabeça e déficits neurológicos focais. Eles normalmente não se manifestam com os achados comuns da infecção do SNC, como rigidez pescoço, dor de cabeça, náusea, vômito, febre, letargia, fotofobia, ou edema do disco óptico. Podem exercer efeito de massa e dependendo da localização exercera os sintomas.
  • 25. Hipotensão Intracraniana A hipotensão intracraniana pode ser espontânea ou associada com trauma (incluindo fenestração do saco dural por punção lombar); A hipotensão intracraniana espontânea é síndrome rara, caracterizada pela diminuição da pressão no líquido cefalorraquidiano (LCR), nos valores de 50 a 70 mm H2O, e cefaléia postural. O extravasamento do LCR do SNC ocorre de modo espontâneo devido a rompimento de cisto perineural ou de divertículo da aracnóide É causada por uma hidrostática insuficiente pressão para manter o cérebro, tronco cerebral e outros Tecido do SNC suspenso acima do calvário ósseo. Quando isso ocorre, a base do cérebro e do tronco cerebral cede e repousam frequentemente na base do crânio, causando ocasionalmente danos à essas estruturas. Esses pacientes quase todos universalmente têm dores de cabeça, mas também podem apresentar letargia / estupor, neuropatias cranianas, ou mesmo como uma síndrome discreta do tronco cerebral
  • 26. Hipotensão Intracraniana O diagnóstico é feito pelo quadro clínico da dor de cabeça postural piorou por ficar em pé ou sentado. A ressonância magnética pode mostrar aprimoramento difuso dos paquimeninges, “queda” de o mesencéfalo e, às vezes, higromas subdurais. Tratamento com “blood patch” geralmente é tentada primeiro e, se malsucedida, um reparo cirúrgico pode ser realizado.
  • 27. Status Epiléptico Convulsivo Definição prática: maior que 5 minutos Definição Crise convulsiva de duração maior que 30 min, ou crises reentrantes, sem recuperação da consciência
  • 28. Status Epiléptico Convulsivo Causas Descontinuação do tratamento para epilepsia Síndrome de abstinência Doença estrutural aguda Doença estrutural antiga Anormalidades metabólicas(disglicemias, encefalopatia hepática, uremia, hiponatremia, hipocalcemia, hipomagnesemia) Drogas que reduzem o limiar convulsivo(Teofilina, imipenem, penicilina G cristalina, quinolonas, metronidazol, flumazenil Prognóstico: Mortalidade de até 20% Mecanismo Rabdomiólise Acidose lática Pneumonite aspirativa Edema pulmonar neurogênico
  • 30. Status Epiléptico Não Convulsivo “O estado epiléptico não-convulsivo (NCSE) é um estado de atividade convulsiva contínua por pelo menos 30 minutos, com alterações cognitivas ou comportamentais, mas sem manifestações clínicas convulsivas. Requer EEG para confirmação.”
  • 31. Encefalopatias Imunomediadas Esses distúrbios têm uma apresentação extremamente variada, mas quase sempre tem uma encefalopatia rapidamente progressiva com delírio sobreposto como um recurso. Outras manifestações incluem convulsões, distúrbios do movimento, sintomas psiquiátricos (mania, alucinações, paranóia). Muitos desses distúrbios tiveram recentemente autoanticorpos descoberto, particularmente à membrana neuronal proteínas do canal. Todos têm patogênese imunomediada e podem responder à terapia imuno-ativa como encefalopatias associadas a anticorpos Essas encefalopatias podem ser idiopáticas, natureza autoimune ou paraneoplásica.
  • 32. Estado Minimamente Consciente Alteração importante da consciência Podem demonstrar interação limitada com o ambiente .Fixar o olhar .Obedecer comandos simples .Sinalizar sim ou não .Verbalização Literatura mais ampla para paciente pós trauma do que injuria hipoxica
  • 33. -SÍNDROME DO CATIVEIRO (SÍNDROME DO ENCARCERAMENTO) Tetraplegia e Paralisia dos Nervos Cranianos Inferiores associado ou não com distúrbios da consciência. Poupa S.R..A -LESÃO AXONAL DIFUSA Geralmente a LAD é causada pela ação do movimento da cabeça em aceleração-desaceleração, também conhecido como efeito chicote (cabeça jogada para a frente e imediatamente para trás), ou seja, lesões de alta velocidade com estiramento ou chacoalhamento do tecido cerebral. Isso provoca desconexão dos axônios e perda da consciência. -ESTADO VEGETATIVO CRÔNICO OU PERSISTENTE Paciente que sobrevivem por períodos prolongados após terem sofrido TCE grave sem recuperarem qualquer manifestação de atividade mental superior