SlideShare uma empresa Scribd logo
Avaliação
Neurológica
Revisão da Anatomia
Encéfalo: constituído por 3 fossas, que são:
 Anterior: hemisférios cerebrais frontais;
 Média: lobos parietal, temporal e
occiptal;
 Posterior: tronco cerebral e bulbo
(tronco=mesencéfalo e ponte).
 O exame neurológico faz parte da
anamnese e do exame físico geral do
paciente;
 Durante a anamnese devem ser
observadas as condições do meio
ambiente do paciente, de seus
comportamentos emocional, físico e
cognitivo.
 Em algumas situações é necessária a
presença de algum membro da família ou
amigo, que possa responder as perguntas.
O Exame Neurológico
 A avaliação neurológica compreende 5
etapas:
 Função cerebral
 Nervos cranianos
 Sistema motor
 Sistema sensitivo
 Reflexos
Função cerebral
 Observar aspecto e comportamento do
indivíduo, seu modo de se vestir e sua
higiene pessoal. A postura, os gestos, a
expressão facial e atividade motora; o
discurso (a fala é coerente?). O indivíduo
está responsivo e alerta, ou sonolento e
torporoso?
Nervos cranianos
 São doze, e podem ser avaliados de
acordo com sua função: olfato, acuidade
visual, sensação facial, mastigação, etc.
Sistema motor
 Avaliar tônus e força muscular,
coordenação e equilíbrio.
Sistema sensitivo
 Muito complexo, e exige a colaboração do
paciente. A avaliação envolve testes de
sensibilidade tátil, dor superficial,
sensibilidade vibratória e propriocepção.
 Importante durante a avaliação que o
indivíduo permaneça com os olhos
fechados.
Reflexos
 Permite que o examinador avalie arcos
reflexos involuntários, que dependem da
presença de receptores aferentes de
estiramento. Os reflexos comuns que
podem ser testados incluem o bíceps, o
braquiradial, o tríceps, a região patelar e o
calcanhar.
Avaliação da Consciência
 Percepção do indivíduo consigo mesmo e
com o meio ambiente em que vive.
 Significa que o mesmo responde às
perguntas e/ou comandos de forma clara,
objetiva e orientada.
 O nível de consciência expressa o grau de
alerta comportamental do indivíduo, o
estado de alerta e vigília.
Avaliação do conteúdo da Consciência
 Necessária capacidade cognitiva
preservada para a maior parte do exame;
 No conteúdo são realizadas as seguintes
avaliações: atenção e concentração,
memória, estado afetivo, linguagem,
raciocínio e orientação.
Orientação
 É a consciência de tempo, espaço e
pessoa. Pode-se fazer algumas perguntas
sobre identificação pessoal, nome,
profissão, etc.
 Na avaliação temporal: perguntar mês, dia
da semana, dia do mês.
 Na avaliação espacial: perguntar sobre o
local onde o paciente se encontra, o
endereço de sua casa, etc.
 Elementos básicos para a avaliação do
nível de consciência:
 Perceptividade: corresponde a respostas
complexas, como gestos e palavras, ou mais
simples, como piscamento à ameaça.
 Reatividade: relacionada com mecanismos
presentes desde o nascimento, como visão,
audição, reação de despertar, reação de
orientação e reações focais e gerais à dor.
Estímulos
 Auditivos: inicialmente tom de voz normal,
se não houver resposta elevar tonalidade.
Na presença de respostas, avaliar o grau
de orientação do paciente.
 Táteis: podem ser aplicados junto aos
auditivos para despertar o paciente. Se não
ocorrer resposta, estímulos dolorosos
devem ser aplicados.
Cont.
 Dolorosos: método mais indicado é a
aplicação de uma compressão
perpendicularmente ao leito ungueal
proximal (mãos ou pés), com a ajuda de
instrumentos (caneta, lápis ou a própria
unha).
 Outras áreas: região supra orbital, músculo
trapézio e esterno.
 Estímulos intensos e repetidos podem
causar lesões na pele, hematomas ou outros
traumatismos locais e psicológicos.
Alterações no Nível de Consciência
 Rebaixamento do nível de consciência é o
parâmetro mais sensível de insuficiência
encefálica.
 Pode ter início com pequena confusão
mental, com dificuldade de elaboração de
frases e armazenamento de informações,
podendo chegar à sonolência até o coma.
Alterações mais comuns
 Letargia ou sonolência: paciente acorda ao
estímulo auditivo, está orientado no tempo,
espaço e pessoa, responde lenta e
vagarosamente ao estímulo verbal, à
elaboração de processos mentais e à
atividade motora.
 Cessado o estímulo verbal, retorna ao
estado de sonolência.
 Estado confusional agudo ou delirium:
sintomas de início agudo, de caráter
flutuante e com intervalos de lucidez.
 Pode apresentar um ou + sintomas:
inatenção aos estímulos, diminuição da
capacidade de concentração,
desorganização e incoerência do
pensamento, desorientação em relação ao
lugar e ao tempo, distúrbios de memória,
rebaixamento do nível de consciência
(sonolência), entre outros.
 Obnubilação: paciente muito sonolento, ou
seja, necessita ser estimulado intensamente,
com associação de estímulo auditivo mais
intenso e estímulo tátil.
 Pode responder a comandos simples (p. ex.:
quando solicitado para colocar a língua para
fora da boca).
 Responde apropriadamente ao estímulo
doloroso.
 Estupor ou torpor: mais sonolento, não
responsivo, necessitando de estimulação
dolorosa para responder.
 Responde apropriadamente ao estímulo
doloroso, apresenta resposta com sons
incompreensíveis e/ou com abertura
ocular.
 Coma: estado em que o indivíduo não
demonstra conhecimento de si próprio e do
meio ambiente, com ausência do nível de
alerta, ou seja, inconsciente, não interagindo
com o meio e com os estímulos externos,
permanecendo com os olhos fechados,
como em um sono profundo.
 Neste estado o paciente apresenta apenas
respostas de reatividade.
Escala de Coma de Glasgow
Avaliação Pontuação
1. Abertura ocular Espontânea 4 pontos
Por Estimulo Verbal 3 pontos
Por Estimulo A Dor 2 pontos
Sem Resposta 1 ponto
2. Resposta verbal Orientado 5 pontos
Confuso (Mas ainda responde) 4 pontos
Resposta Inapropriada 3 pontos
Sons Incompreensíveis 2 pontos
Sem Resposta 1 ponto
3. Resposta motora Obedece Ordens 6 pontos
Localiza Dor 5 pontos
Reage a dor mas não localiza 4 pontos
Flexão anormal – Decorticação 3 pontos
Extensão anormal - Decerebração 2 pontos
Sem Resposta 1 ponto
Escala de Coma de Glasgow
Coma Score
Grave < 8
Moderado 9 – 12
Leve >12
Classificação do paciente
A escala de coma serve para classificar os pacientes
em coma.
Escala de Coma de Glasgow
Escala de Coma de Glasgow
Em que ano
estamos?
2002 1972
Solta!Almoço!Não
Hugh! Ahrr!
Escala de Coma de Glasgow
Considerações
 Quando a pontuação for inferior ou igual 8,
faz-se necessário a avaliação dos demais
parâmetros:
 Pupilas
 Motricidade ocular
 Padrão respiratório
 Padrão motor
Exame pupilar
 Avaliar diâmetro, simetria, assimetria e
reflexo fotomotor;
 Comparar uma pupila à outra;
 Diâmetro normal: em média 3,5mm;
 O diâmetro pode ser medido com uma
régua ou por pupilômetro.
Exame da movimentação ocular
extrínseca
 Realizado em pacientes em coma;
 Avaliados os movimentos dos nervos
cranianos (oculomotor, troclear e
abducente);
 Avaliação realizada em 5 etapas:
 Movimentos oculares espontâneos;
 Manobra dos olhos de boneca
 Manobra vestíbulo-ocular;
 Reflexo córneopalpebral;
 Pálpebras.
Avaliação da força muscular
 Motricidade: capacidade de contração e
relaxamento do músculo esquelético,
controlada por fibras do sistema piramidal,
extrapiramidal e cerebelar.
Sistema piramidal
 Responsável pela motricidade voluntária e
integra os movimentos que exigem
habilidade, movimentos delicados ou
complicados.
Sistema extrapiramidal
 Responsável pela manutenção do tono
muscular e pelo controle dos movimentos
corporais, principalmente a deambulação.
 A lesão extrapiramidal não causa ausência
de força motora, mas leva a um aumento
no tono muscular, a alterações na postura
e na marcha, à lentidão ou abolição dos
movimentos involuntários.
Sistema cerebelar
 Responsável pela movimentação
automática, involuntária e por correções e
modulações dos movimentos voluntários.
 Proporciona um movimento mais preciso e
coordenado;
 A lesão no sistema cerebelar conduz a
alterações na coordenação, na marcha, no
equilíbrio, como também reduz o tônus
muscular.
 A avaliação motora é realizada para
identificar o grau de incapacidade e/ou de
dependência do paciente em realizar um
movimento ou de movimentar-se.
 Durante a avaliação da força muscular,
observa-se: a postura, o tono muscular, os
reflexos, os tipos de movimentos e a
coordenação dos grupos musculares.
Drenos e Catéteres Cerebrais
 Comum em pacientes neurológicos na UTI;
 Uso de cateteres em região cefálica ou
lombar;
 Necessário equipe de enfermagem
conhecer os diversos tipos de cateteres,
sua função e indicação.
Espaço Subgaleal
 Espaço virtual situado logo acima da tábua
óssea externa do crânio e fáscia pericrânia,
sendo um local freqüente de hematomas
em TCE.
 Geralmente são utilizados em PO, do tipo
suctor, e servem para evitar coleções de
sangue ou serosanguinolentas neste
espaço.
Espaço Epidural
 Espaço virtual entre a duramater e a tábua
óssea interna do crânio, onde ocorrem os
hematomas epidurais ou extradurais no
TCE.
 Pode ser usado em PO, do tipo suctor,
para evitar coleções serosangüinolentas;
 As coleções podem levar à óbito, dada a
gravidade dos hematomas epidurais.
Espaço Subdural
 Espaço situado imediatamente abaixo da
duramater, e abriga os chamados hematomas
subdurais, que podem ser pós-traumáticos ou
pós ruptura de malformações vasculares do SN
ou espontâneos.
 O dreno é utilizado em PO de hematomas
subdurais crônicos, com uso de cateteres
maleáveis e delicados, conectados a sistemas de
drenagem ventricular externa.
 Cont.
 Nestes casos, a drenagem se faz por ação
da gravidade, sendo importante manter a
bolsa coletora em nível abaixo da cabeça
do paciente;
 Também não deve permitir a entrada de ar
no sistema, o que levaria ao acúmulo de ar
no espaço subdural, condição conhecida
como pneumoencéfalo, ocasionando
aumento na PIC e exigir que seja feita
cirurgia de urgência.
 Cont.
 Cateteres lombares podem ser colocados
no espaço subdural, porém em coluna
espinhal lombar. São também conhecidos
como drenagens ou derivações lombares;
 Indicados para diminuir a pressão do LCR
acima do local de sua introdução, para
tratar fístulas liquóricas espontâneas ou
adquiridas de coluna espinhal ou cefálica;
 Pode ainda ser utilizado para
administração de fármacos.
Sistema Ventricular
 Estruturas cavitárias profundas do SN, revestidas
por epitélio e plexo coróide (estrutura
especializada em produzir LCR);
 LCR: produzido por células epiteliais do plexo
coróide do III e IV ventrículos, indo para espaço
subaracnóide pelos forames específicos;
 LCR é reabsorvido pelas granulações
aracnoideas, junto aos seios venosos do
encéfalo.
LCR
 O volume total de LCR no adulto é de
cerca de 150ml, com produção contínua,
sendo a cada 8h, aproximadamente, este
total é renovado.
Derivações Ventriculares Externas - DVE
 O sistema fechado de drenagem de LCR
consiste em uma cateterização cirúrgica do
sistema ventricular, exteriorização do
cateter pela pele e acoplamento do mesmo
a um sistema coletor (bolsa de drenagem).
Indicações
 Utilizado no controle do volume e da
pressão liquórica, por intermédio da
drenagem temporária externa de LCR,
quando não houver indicação de sistema
de derivação interna permanente (DVP –
derivação ventrículo-atrial ou peritoneal).
Indicações mais comuns
 Hidrocefalia por meningite;
 Hidrocefalia por sangramento intraventricular (no AVE
hemorrágico hipertensivo ou por ruptura de
aneurisma cerebral ou outra formação cérebro-
vascular);
 Em PO de neurocirurgia quando pode haver
hidrocefalia pós-op;
 Qualquer forma de hidrocefalia aguda, com rápida e
progressiva deterioração neurológica, pela facilidade
e rapidez do procedimento;
 Acoplar sistema transdutor para monitorização da
PIC;
Aspectos Técnicos
 O sistema de drenagem externa consiste
em uma bolsa coletora + extensão, que
permite a drenagem do LCR sem contato
com o meio exterior.
 Vários modelos, que basicamente são
compostos por:
 Cateter proximal ou ventricular
 Sistema de tubagem (extensão)
 Bolsa coletora
Aspectos técnicos
 Cateter de aproximadamente 23cm, de silicone e
radiopaco;
 Sistema de tubagem possui conexão macho do tipo
luer-lock em uma extremidade, para adaptar ao
cateter ventricular;
 Na outra extremidade: torneira de 3 vias, em que
se pode adaptar uma conexão com transdutor para
aferição da PIC;
 Bolsa coletora descartável e exclusiva para
drenagem de LCR;
 A maioria possui câmara de gotejamento;
 Cont.
 Bolsa possui escala em mmHg ou em cm H2O;
 Drenagem do LCR é feita contra um gradiente de
pressão hdrostática, ou seja, depende da altura em
que se coloca a bolsa coletora aberta;
 PIC normal=20mmHg, colocar bolsa ao nível do
forame de Monroe;
 A orelha pode corresponder mais
aproximadamente a este elemento;
 Podem haver variações individuais, para mais ou
menos, de acordo com o tipo de patologia;
 Cuidados imprescindíveis devem ser tomados
quando da mudança de decúbito, alteração da
altura da cabeceira e transporte do paciente, para
se evitar a hipo ou hiperdrenagem de LCR.
Monitorização da PIC
 O volume craniano de um adulto é de,
aproximadamente, 1900ml e é ocupado
com 80% de cérebro, 10% de sangue e
10% de LCR.
 O volume dos componentes deve ser
compensado se houver aumento de um
dos componentes ou aparecimento de
outro elemento “que ocupe espaço”,pois o
crânio é uma caixa inextensível.
Efeitos da PIC sobre o fluxo sangüíneo
cerebral
 O fluxo sangüíneo cerebral (FSC) é = à
relação entre a pressão de perfusão cerebral
(PPC) e a resistência vascular cerebral
(RVC).
 O fluxo sangüíneo cerebral é mantido
estável à custa de adaptações da RVC, que
é modificada por mecanismos de auto-
regulação.
 Para efeitos práticos, a pressão no interior
das veias cerebrais é igual à PIC;
 A pressão venosa cerebral deve ser
mantida pouco acima da PIC, para impedir
o colapso das veias;
 Quando a PIC sobe, a pressão nas veias
cerebrais de paredes finas aumenta na
mesma proporção. Isto ocorre para evitar o
colapso das veias e consequente
interrupção do fluxo sangüíneo cerebral.
 Por isso, a PPC, que consiste na diferença
entre a pressão arterial e a venosa, tem
valor aproximado da diferença entre as
pressões arterial e intracraniana.
 Estas relações podem ser sistematizadas
na seguinte equação:
PPC= PAM – PIC
 Deve-se ficar atento à gasometria arterial:
 CO2= vasodilatador cerebral
 O2 e pH altos= vasoconstricção
Considerações básicas para a
monitorização da PIC
 O procedimento deverá causar lesão ou irritação
mínima às estruturas intracranianas;
 O risco de infecção deverá ser mínimo;
 Manter a conexão entre o sistema ventricular ou
subaracnoideo e os sistemas transdutores sem
nenhum vazamento de líquido;
 O equipamento deverá ser de fácil manuseio,
confiável e de simples adaptação para o pessoal de
enfermagem.
Indicações de monitorização da PIC
 Pacientes sem abertura ocular, ausência de resposta
verbal e postura motora inadequada (pacientes com
Glasgow≤ 7);
 Pacientes com estudo tomográfico de lesão expansiva e
com resposta motora de descerebração e/ou
decorticação;
 Pacientes com lesões difusas, para seguimento de
tratamento da HIC e alterações das medidas
terapêuticas (swelling);
 Pacientes politraumatizados, com alteração do nível de
consciência;
 Seguimento após procedimentos neurocirúrgicos para
tratamento de lesões expansivas intracranianas.
Contra-indicações (relativas)
 Pacientes conscientes;
 Pacientes com coagulopatias,
frequentemente observadas em pacientes
politraumatizados graves.
Considerações
 A monitorização da PIC permite uma
abordagem terapêutica adequada;
 Elevações da PIC podem ocorrer com a
tosse, espirro, durante aspiração de
secreções, rotação excessiva da cabeça
(por compressão unilateral da jugular),
cadarços fixadores de TOT (por compressão
da jugular bilateral).
Complicações
 Infecção superficial no local da inserção
(pouco frequente);
 Meningite, encefalite e ventriculite (graves);
 Hemorragia intracerebral ou intraventricular.
 Atualmente pode-se considerar que a
monitorização da PIC diminui a mortalidade e a
morbidade, facilita a orientação terapêutica,
melhora o prognóstico e os riscos do procedimento
não excedem os benefícios.
Pressão de Perfusão Cerebral
PPC = PAM – PIC
 PPC normal: 70 mmHg
 PPC abaixo de 60-70: aumento de
mortalidade e seqüelas neurológicas.
 Monitorização: saturação venosa do bulbo
jugular.
Extração Cerebral de Oxigênio
 A ECO2 identifica o grau de acoplamento
entre o consumo e a oferta de O2.
 A ECO2 é calculada através da equação:
ECO2=Sata O2- Satj O2
Valores normais= entre 24 à 42%
 O aumento destes valores significa maior
extração, e portanto indicando uma
situação anóxica-isquêmica.
 Cuidados:
 manter o cateter bulbo jugular EXCLUSIVO para
coleta de sg, e com identificação em local
visível;
 Manter infusão contínua de SF 0,9% em BI de 5
à 10ml/h, para manutenção da permeabilidade.
Fluxo Sangüíneo Cerebral
 Cérebro: 750 ml de sangue/min => 15% do DC e 20% do
consumo de O2 cerebral.
FSC normal: 50-60 ml/100g/min
 Se o FSC cai: diminui função neuronal e depois, há lesão
cerebral irreversível.
 Se o FSC aumenta: edema cerebral e áreas de hemorragia.
Temperatura
 30-40% do O2
consumido
pelo cérebro é
para manter a
integridade
celular.
 Declínio de
10°C ↓
consumo de
O2 em 50%.
Sedação
 Depressão
profunda da
atividade
cerebral.
 Diminui o
consumo de
O2.
Auto-regulação
 Mecanismos que mantém o FSC
constante mediante a flutuação da PAM.
 ↓ PPC = compensado por vasodilatação
 ↑ PPC = compensado por
vasoconstricção
O2
 PaO2<50 mmHg ↑ FSC por vasodilatação
 Pode haver hiperemia, edema, evoluir com
aumento da PIC e diminuir PPC, causando
isquemia e lesão neuronal secundária.
Avaliacao neurologica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
dapab
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
AVC
AVCAVC
Eletrocardiograma aula
Eletrocardiograma   aulaEletrocardiograma   aula
Eletrocardiograma aula
Fabio Sampaio
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017
pauloalambert
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
Euripedes Barbosa
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
dapab
 
Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
PCare Fisioterapia
 

Mais procurados (20)

Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Eletrocardiograma aula
Eletrocardiograma   aulaEletrocardiograma   aula
Eletrocardiograma aula
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017Exame físico geral 2017
Exame físico geral 2017
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Trauma raquimedular
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 

Destaque

Livreto de dimensionamento
Livreto de dimensionamentoLivreto de dimensionamento
Livreto de dimensionamento
Maize Alves
 
dst
dstdst
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Direção Regional de Educação
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
RaphaelBalza
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
C O M A
C O M AC O M A
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
Lucimar Campos
 
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
GINGER
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
robsonlopes
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
Sonia Nieves Matias
 
Coma
ComaComa
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
GENARO CHANCO MENDOZA
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
Facultad de Medicina y Nutrición UJED
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
Karla Martinez Pinto
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 
Escala RASS
Escala RASSEscala RASS
Escalas de sedación
Escalas de sedaciónEscalas de sedación
Escalas de sedación
Fernanda Silva Lizardi
 
Escala Glasgow
Escala GlasgowEscala Glasgow
Escala Glasgow
DR. CARLOS Azañero
 
Sedantes
SedantesSedantes
Sedantes
pamelacoaquira
 

Destaque (20)

Livreto de dimensionamento
Livreto de dimensionamentoLivreto de dimensionamento
Livreto de dimensionamento
 
dst
dstdst
dst
 
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
C O M A
C O M AC O M A
C O M A
 
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
 
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
 
Coma
ComaComa
Coma
 
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Escala RASS
Escala RASSEscala RASS
Escala RASS
 
Escalas de sedación
Escalas de sedaciónEscalas de sedación
Escalas de sedación
 
Escala Glasgow
Escala GlasgowEscala Glasgow
Escala Glasgow
 
Sedantes
SedantesSedantes
Sedantes
 

Semelhante a Avaliacao neurologica

2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
ThatyMicaelly
 
03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx
ssuser51d27c1
 
Semiologia i aula 8 -semiologia neurológica i
Semiologia i   aula 8 -semiologia neurológica iSemiologia i   aula 8 -semiologia neurológica i
Semiologia i aula 8 -semiologia neurológica i
adrianomedico
 
Avaliação..rn
Avaliação..rnAvaliação..rn
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
Lampsi
 
Avaliação paciente grave
Avaliação paciente graveAvaliação paciente grave
Avaliação paciente grave
PatriciaZen
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
glauciacorreaperes
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
glauciacorreaperes
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
neuroligaunivasf
 
Avaliação do estado mental
Avaliação  do estado mentalAvaliação  do estado mental
Avaliação do estado mental
Elaine Bedin
 
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORESFUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
Leonardo Faria
 
167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Neurociência afetiva
Neurociência afetivaNeurociência afetiva
Neurociência afetiva
Caio Maximino
 
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alteraçõesFunções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Caio Maximino
 
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de NeuropsicologiaSlides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Teresa Andrade
 
Hemiplegia do adulto intervenção da to 1
Hemiplegia do adulto   intervenção da to 1Hemiplegia do adulto   intervenção da to 1
Hemiplegia do adulto intervenção da to 1
KsiaMaximiano
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
Gustavo Henrique
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Natha Fisioterapia
 

Semelhante a Avaliacao neurologica (20)

2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
 
03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx03 neurologico.pptx
03 neurologico.pptx
 
Semiologia i aula 8 -semiologia neurológica i
Semiologia i   aula 8 -semiologia neurológica iSemiologia i   aula 8 -semiologia neurológica i
Semiologia i aula 8 -semiologia neurológica i
 
Avaliação..rn
Avaliação..rnAvaliação..rn
Avaliação..rn
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
 
Avaliação paciente grave
Avaliação paciente graveAvaliação paciente grave
Avaliação paciente grave
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Avaliação do estado mental
Avaliação  do estado mentalAvaliação  do estado mental
Avaliação do estado mental
 
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORESFUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
FUNÇÕES CORTIIAS SUPERIORES
 
167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser167682767 apostila-acupuntura-laser
167682767 apostila-acupuntura-laser
 
Neurociência afetiva
Neurociência afetivaNeurociência afetiva
Neurociência afetiva
 
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alteraçõesFunções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alterações
 
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de NeuropsicologiaSlides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
Slides de Apoio para a Unidade Curricular de Neuropsicologia
 
Hemiplegia do adulto intervenção da to 1
Hemiplegia do adulto   intervenção da to 1Hemiplegia do adulto   intervenção da to 1
Hemiplegia do adulto intervenção da to 1
 
Fundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológicaFundamentos da avaliação neurológica
Fundamentos da avaliação neurológica
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 

Último

4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 

Último (8)

4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 

Avaliacao neurologica

  • 2. Revisão da Anatomia Encéfalo: constituído por 3 fossas, que são:  Anterior: hemisférios cerebrais frontais;  Média: lobos parietal, temporal e occiptal;  Posterior: tronco cerebral e bulbo (tronco=mesencéfalo e ponte).
  • 3.  O exame neurológico faz parte da anamnese e do exame físico geral do paciente;  Durante a anamnese devem ser observadas as condições do meio ambiente do paciente, de seus comportamentos emocional, físico e cognitivo.  Em algumas situações é necessária a presença de algum membro da família ou amigo, que possa responder as perguntas.
  • 4. O Exame Neurológico  A avaliação neurológica compreende 5 etapas:  Função cerebral  Nervos cranianos  Sistema motor  Sistema sensitivo  Reflexos
  • 5. Função cerebral  Observar aspecto e comportamento do indivíduo, seu modo de se vestir e sua higiene pessoal. A postura, os gestos, a expressão facial e atividade motora; o discurso (a fala é coerente?). O indivíduo está responsivo e alerta, ou sonolento e torporoso?
  • 6. Nervos cranianos  São doze, e podem ser avaliados de acordo com sua função: olfato, acuidade visual, sensação facial, mastigação, etc.
  • 7. Sistema motor  Avaliar tônus e força muscular, coordenação e equilíbrio.
  • 8. Sistema sensitivo  Muito complexo, e exige a colaboração do paciente. A avaliação envolve testes de sensibilidade tátil, dor superficial, sensibilidade vibratória e propriocepção.  Importante durante a avaliação que o indivíduo permaneça com os olhos fechados.
  • 9. Reflexos  Permite que o examinador avalie arcos reflexos involuntários, que dependem da presença de receptores aferentes de estiramento. Os reflexos comuns que podem ser testados incluem o bíceps, o braquiradial, o tríceps, a região patelar e o calcanhar.
  • 10. Avaliação da Consciência  Percepção do indivíduo consigo mesmo e com o meio ambiente em que vive.  Significa que o mesmo responde às perguntas e/ou comandos de forma clara, objetiva e orientada.  O nível de consciência expressa o grau de alerta comportamental do indivíduo, o estado de alerta e vigília.
  • 11. Avaliação do conteúdo da Consciência  Necessária capacidade cognitiva preservada para a maior parte do exame;  No conteúdo são realizadas as seguintes avaliações: atenção e concentração, memória, estado afetivo, linguagem, raciocínio e orientação.
  • 12. Orientação  É a consciência de tempo, espaço e pessoa. Pode-se fazer algumas perguntas sobre identificação pessoal, nome, profissão, etc.  Na avaliação temporal: perguntar mês, dia da semana, dia do mês.  Na avaliação espacial: perguntar sobre o local onde o paciente se encontra, o endereço de sua casa, etc.
  • 13.  Elementos básicos para a avaliação do nível de consciência:  Perceptividade: corresponde a respostas complexas, como gestos e palavras, ou mais simples, como piscamento à ameaça.  Reatividade: relacionada com mecanismos presentes desde o nascimento, como visão, audição, reação de despertar, reação de orientação e reações focais e gerais à dor.
  • 14. Estímulos  Auditivos: inicialmente tom de voz normal, se não houver resposta elevar tonalidade. Na presença de respostas, avaliar o grau de orientação do paciente.  Táteis: podem ser aplicados junto aos auditivos para despertar o paciente. Se não ocorrer resposta, estímulos dolorosos devem ser aplicados.
  • 15. Cont.  Dolorosos: método mais indicado é a aplicação de uma compressão perpendicularmente ao leito ungueal proximal (mãos ou pés), com a ajuda de instrumentos (caneta, lápis ou a própria unha).  Outras áreas: região supra orbital, músculo trapézio e esterno.  Estímulos intensos e repetidos podem causar lesões na pele, hematomas ou outros traumatismos locais e psicológicos.
  • 16. Alterações no Nível de Consciência  Rebaixamento do nível de consciência é o parâmetro mais sensível de insuficiência encefálica.  Pode ter início com pequena confusão mental, com dificuldade de elaboração de frases e armazenamento de informações, podendo chegar à sonolência até o coma.
  • 17. Alterações mais comuns  Letargia ou sonolência: paciente acorda ao estímulo auditivo, está orientado no tempo, espaço e pessoa, responde lenta e vagarosamente ao estímulo verbal, à elaboração de processos mentais e à atividade motora.  Cessado o estímulo verbal, retorna ao estado de sonolência.
  • 18.  Estado confusional agudo ou delirium: sintomas de início agudo, de caráter flutuante e com intervalos de lucidez.  Pode apresentar um ou + sintomas: inatenção aos estímulos, diminuição da capacidade de concentração, desorganização e incoerência do pensamento, desorientação em relação ao lugar e ao tempo, distúrbios de memória, rebaixamento do nível de consciência (sonolência), entre outros.
  • 19.  Obnubilação: paciente muito sonolento, ou seja, necessita ser estimulado intensamente, com associação de estímulo auditivo mais intenso e estímulo tátil.  Pode responder a comandos simples (p. ex.: quando solicitado para colocar a língua para fora da boca).  Responde apropriadamente ao estímulo doloroso.
  • 20.  Estupor ou torpor: mais sonolento, não responsivo, necessitando de estimulação dolorosa para responder.  Responde apropriadamente ao estímulo doloroso, apresenta resposta com sons incompreensíveis e/ou com abertura ocular.
  • 21.  Coma: estado em que o indivíduo não demonstra conhecimento de si próprio e do meio ambiente, com ausência do nível de alerta, ou seja, inconsciente, não interagindo com o meio e com os estímulos externos, permanecendo com os olhos fechados, como em um sono profundo.  Neste estado o paciente apresenta apenas respostas de reatividade.
  • 22. Escala de Coma de Glasgow Avaliação Pontuação 1. Abertura ocular Espontânea 4 pontos Por Estimulo Verbal 3 pontos Por Estimulo A Dor 2 pontos Sem Resposta 1 ponto 2. Resposta verbal Orientado 5 pontos Confuso (Mas ainda responde) 4 pontos Resposta Inapropriada 3 pontos Sons Incompreensíveis 2 pontos Sem Resposta 1 ponto 3. Resposta motora Obedece Ordens 6 pontos Localiza Dor 5 pontos Reage a dor mas não localiza 4 pontos Flexão anormal – Decorticação 3 pontos Extensão anormal - Decerebração 2 pontos Sem Resposta 1 ponto
  • 23. Escala de Coma de Glasgow Coma Score Grave < 8 Moderado 9 – 12 Leve >12 Classificação do paciente A escala de coma serve para classificar os pacientes em coma.
  • 24. Escala de Coma de Glasgow
  • 25. Escala de Coma de Glasgow Em que ano estamos? 2002 1972 Solta!Almoço!Não Hugh! Ahrr!
  • 26. Escala de Coma de Glasgow
  • 27.
  • 28. Considerações  Quando a pontuação for inferior ou igual 8, faz-se necessário a avaliação dos demais parâmetros:  Pupilas  Motricidade ocular  Padrão respiratório  Padrão motor
  • 29. Exame pupilar  Avaliar diâmetro, simetria, assimetria e reflexo fotomotor;  Comparar uma pupila à outra;  Diâmetro normal: em média 3,5mm;  O diâmetro pode ser medido com uma régua ou por pupilômetro.
  • 30. Exame da movimentação ocular extrínseca  Realizado em pacientes em coma;  Avaliados os movimentos dos nervos cranianos (oculomotor, troclear e abducente);  Avaliação realizada em 5 etapas:  Movimentos oculares espontâneos;  Manobra dos olhos de boneca  Manobra vestíbulo-ocular;  Reflexo córneopalpebral;  Pálpebras.
  • 31. Avaliação da força muscular  Motricidade: capacidade de contração e relaxamento do músculo esquelético, controlada por fibras do sistema piramidal, extrapiramidal e cerebelar.
  • 32. Sistema piramidal  Responsável pela motricidade voluntária e integra os movimentos que exigem habilidade, movimentos delicados ou complicados.
  • 33. Sistema extrapiramidal  Responsável pela manutenção do tono muscular e pelo controle dos movimentos corporais, principalmente a deambulação.  A lesão extrapiramidal não causa ausência de força motora, mas leva a um aumento no tono muscular, a alterações na postura e na marcha, à lentidão ou abolição dos movimentos involuntários.
  • 34. Sistema cerebelar  Responsável pela movimentação automática, involuntária e por correções e modulações dos movimentos voluntários.  Proporciona um movimento mais preciso e coordenado;  A lesão no sistema cerebelar conduz a alterações na coordenação, na marcha, no equilíbrio, como também reduz o tônus muscular.
  • 35.  A avaliação motora é realizada para identificar o grau de incapacidade e/ou de dependência do paciente em realizar um movimento ou de movimentar-se.  Durante a avaliação da força muscular, observa-se: a postura, o tono muscular, os reflexos, os tipos de movimentos e a coordenação dos grupos musculares.
  • 36. Drenos e Catéteres Cerebrais  Comum em pacientes neurológicos na UTI;  Uso de cateteres em região cefálica ou lombar;  Necessário equipe de enfermagem conhecer os diversos tipos de cateteres, sua função e indicação.
  • 37. Espaço Subgaleal  Espaço virtual situado logo acima da tábua óssea externa do crânio e fáscia pericrânia, sendo um local freqüente de hematomas em TCE.  Geralmente são utilizados em PO, do tipo suctor, e servem para evitar coleções de sangue ou serosanguinolentas neste espaço.
  • 38. Espaço Epidural  Espaço virtual entre a duramater e a tábua óssea interna do crânio, onde ocorrem os hematomas epidurais ou extradurais no TCE.  Pode ser usado em PO, do tipo suctor, para evitar coleções serosangüinolentas;  As coleções podem levar à óbito, dada a gravidade dos hematomas epidurais.
  • 39. Espaço Subdural  Espaço situado imediatamente abaixo da duramater, e abriga os chamados hematomas subdurais, que podem ser pós-traumáticos ou pós ruptura de malformações vasculares do SN ou espontâneos.  O dreno é utilizado em PO de hematomas subdurais crônicos, com uso de cateteres maleáveis e delicados, conectados a sistemas de drenagem ventricular externa.
  • 40.  Cont.  Nestes casos, a drenagem se faz por ação da gravidade, sendo importante manter a bolsa coletora em nível abaixo da cabeça do paciente;  Também não deve permitir a entrada de ar no sistema, o que levaria ao acúmulo de ar no espaço subdural, condição conhecida como pneumoencéfalo, ocasionando aumento na PIC e exigir que seja feita cirurgia de urgência.
  • 41.  Cont.  Cateteres lombares podem ser colocados no espaço subdural, porém em coluna espinhal lombar. São também conhecidos como drenagens ou derivações lombares;  Indicados para diminuir a pressão do LCR acima do local de sua introdução, para tratar fístulas liquóricas espontâneas ou adquiridas de coluna espinhal ou cefálica;  Pode ainda ser utilizado para administração de fármacos.
  • 42. Sistema Ventricular  Estruturas cavitárias profundas do SN, revestidas por epitélio e plexo coróide (estrutura especializada em produzir LCR);  LCR: produzido por células epiteliais do plexo coróide do III e IV ventrículos, indo para espaço subaracnóide pelos forames específicos;  LCR é reabsorvido pelas granulações aracnoideas, junto aos seios venosos do encéfalo.
  • 43.
  • 44. LCR  O volume total de LCR no adulto é de cerca de 150ml, com produção contínua, sendo a cada 8h, aproximadamente, este total é renovado.
  • 45. Derivações Ventriculares Externas - DVE  O sistema fechado de drenagem de LCR consiste em uma cateterização cirúrgica do sistema ventricular, exteriorização do cateter pela pele e acoplamento do mesmo a um sistema coletor (bolsa de drenagem).
  • 46. Indicações  Utilizado no controle do volume e da pressão liquórica, por intermédio da drenagem temporária externa de LCR, quando não houver indicação de sistema de derivação interna permanente (DVP – derivação ventrículo-atrial ou peritoneal).
  • 47. Indicações mais comuns  Hidrocefalia por meningite;  Hidrocefalia por sangramento intraventricular (no AVE hemorrágico hipertensivo ou por ruptura de aneurisma cerebral ou outra formação cérebro- vascular);  Em PO de neurocirurgia quando pode haver hidrocefalia pós-op;  Qualquer forma de hidrocefalia aguda, com rápida e progressiva deterioração neurológica, pela facilidade e rapidez do procedimento;  Acoplar sistema transdutor para monitorização da PIC;
  • 48. Aspectos Técnicos  O sistema de drenagem externa consiste em uma bolsa coletora + extensão, que permite a drenagem do LCR sem contato com o meio exterior.  Vários modelos, que basicamente são compostos por:  Cateter proximal ou ventricular  Sistema de tubagem (extensão)  Bolsa coletora
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52. Aspectos técnicos  Cateter de aproximadamente 23cm, de silicone e radiopaco;  Sistema de tubagem possui conexão macho do tipo luer-lock em uma extremidade, para adaptar ao cateter ventricular;  Na outra extremidade: torneira de 3 vias, em que se pode adaptar uma conexão com transdutor para aferição da PIC;  Bolsa coletora descartável e exclusiva para drenagem de LCR;  A maioria possui câmara de gotejamento;
  • 53.  Cont.  Bolsa possui escala em mmHg ou em cm H2O;  Drenagem do LCR é feita contra um gradiente de pressão hdrostática, ou seja, depende da altura em que se coloca a bolsa coletora aberta;  PIC normal=20mmHg, colocar bolsa ao nível do forame de Monroe;  A orelha pode corresponder mais aproximadamente a este elemento;  Podem haver variações individuais, para mais ou menos, de acordo com o tipo de patologia;  Cuidados imprescindíveis devem ser tomados quando da mudança de decúbito, alteração da altura da cabeceira e transporte do paciente, para se evitar a hipo ou hiperdrenagem de LCR.
  • 54. Monitorização da PIC  O volume craniano de um adulto é de, aproximadamente, 1900ml e é ocupado com 80% de cérebro, 10% de sangue e 10% de LCR.  O volume dos componentes deve ser compensado se houver aumento de um dos componentes ou aparecimento de outro elemento “que ocupe espaço”,pois o crânio é uma caixa inextensível.
  • 55. Efeitos da PIC sobre o fluxo sangüíneo cerebral  O fluxo sangüíneo cerebral (FSC) é = à relação entre a pressão de perfusão cerebral (PPC) e a resistência vascular cerebral (RVC).  O fluxo sangüíneo cerebral é mantido estável à custa de adaptações da RVC, que é modificada por mecanismos de auto- regulação.
  • 56.  Para efeitos práticos, a pressão no interior das veias cerebrais é igual à PIC;  A pressão venosa cerebral deve ser mantida pouco acima da PIC, para impedir o colapso das veias;  Quando a PIC sobe, a pressão nas veias cerebrais de paredes finas aumenta na mesma proporção. Isto ocorre para evitar o colapso das veias e consequente interrupção do fluxo sangüíneo cerebral.
  • 57.  Por isso, a PPC, que consiste na diferença entre a pressão arterial e a venosa, tem valor aproximado da diferença entre as pressões arterial e intracraniana.  Estas relações podem ser sistematizadas na seguinte equação: PPC= PAM – PIC  Deve-se ficar atento à gasometria arterial:  CO2= vasodilatador cerebral  O2 e pH altos= vasoconstricção
  • 58. Considerações básicas para a monitorização da PIC  O procedimento deverá causar lesão ou irritação mínima às estruturas intracranianas;  O risco de infecção deverá ser mínimo;  Manter a conexão entre o sistema ventricular ou subaracnoideo e os sistemas transdutores sem nenhum vazamento de líquido;  O equipamento deverá ser de fácil manuseio, confiável e de simples adaptação para o pessoal de enfermagem.
  • 59. Indicações de monitorização da PIC  Pacientes sem abertura ocular, ausência de resposta verbal e postura motora inadequada (pacientes com Glasgow≤ 7);  Pacientes com estudo tomográfico de lesão expansiva e com resposta motora de descerebração e/ou decorticação;  Pacientes com lesões difusas, para seguimento de tratamento da HIC e alterações das medidas terapêuticas (swelling);  Pacientes politraumatizados, com alteração do nível de consciência;  Seguimento após procedimentos neurocirúrgicos para tratamento de lesões expansivas intracranianas.
  • 60. Contra-indicações (relativas)  Pacientes conscientes;  Pacientes com coagulopatias, frequentemente observadas em pacientes politraumatizados graves.
  • 61. Considerações  A monitorização da PIC permite uma abordagem terapêutica adequada;  Elevações da PIC podem ocorrer com a tosse, espirro, durante aspiração de secreções, rotação excessiva da cabeça (por compressão unilateral da jugular), cadarços fixadores de TOT (por compressão da jugular bilateral).
  • 62. Complicações  Infecção superficial no local da inserção (pouco frequente);  Meningite, encefalite e ventriculite (graves);  Hemorragia intracerebral ou intraventricular.  Atualmente pode-se considerar que a monitorização da PIC diminui a mortalidade e a morbidade, facilita a orientação terapêutica, melhora o prognóstico e os riscos do procedimento não excedem os benefícios.
  • 63. Pressão de Perfusão Cerebral PPC = PAM – PIC  PPC normal: 70 mmHg  PPC abaixo de 60-70: aumento de mortalidade e seqüelas neurológicas.  Monitorização: saturação venosa do bulbo jugular.
  • 64. Extração Cerebral de Oxigênio  A ECO2 identifica o grau de acoplamento entre o consumo e a oferta de O2.  A ECO2 é calculada através da equação: ECO2=Sata O2- Satj O2 Valores normais= entre 24 à 42%
  • 65.  O aumento destes valores significa maior extração, e portanto indicando uma situação anóxica-isquêmica.  Cuidados:  manter o cateter bulbo jugular EXCLUSIVO para coleta de sg, e com identificação em local visível;  Manter infusão contínua de SF 0,9% em BI de 5 à 10ml/h, para manutenção da permeabilidade.
  • 66. Fluxo Sangüíneo Cerebral  Cérebro: 750 ml de sangue/min => 15% do DC e 20% do consumo de O2 cerebral. FSC normal: 50-60 ml/100g/min  Se o FSC cai: diminui função neuronal e depois, há lesão cerebral irreversível.  Se o FSC aumenta: edema cerebral e áreas de hemorragia.
  • 67. Temperatura  30-40% do O2 consumido pelo cérebro é para manter a integridade celular.  Declínio de 10°C ↓ consumo de O2 em 50%.
  • 69. Auto-regulação  Mecanismos que mantém o FSC constante mediante a flutuação da PAM.  ↓ PPC = compensado por vasodilatação  ↑ PPC = compensado por vasoconstricção
  • 70. O2  PaO2<50 mmHg ↑ FSC por vasodilatação  Pode haver hiperemia, edema, evoluir com aumento da PIC e diminuir PPC, causando isquemia e lesão neuronal secundária.