SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO: ENFERMAGEM EM CLIENTES DE ALTA
COMPLEXIDADE EM CTI

DISCIPLINA: ASSISTÊNCIA AO CLIENTE COMPLEXO II

BLOCO: NEUROINTENSIVISMO

PROFESSOR: RODRIGO FRANCISCO DE JESUS

ALUNA: DANIELLE BÁRBARA DUARTE DE ARAUJO


AVALIAÇÃO
Prezado aluno,
 As respostas só serão aceitas se forem anexadas na avaliação as referências
bibliográfica utilizada. Bons estudos!
 1) Diferencie a Escala de Ramsay e a Escala de RASS (indicações, diferenças de
pontuação, vantagens e desvantagens de utilização). - 1 PONTO

Escala de Ramsay, é um tipo de escala subjetiva utilizada para avaliar o grau
de sedação em pacientes, visando evitar a sedação insuficiente (o paciente pode sentir
dores) ou demasiadamente excessiva (colocando-o em risco de morte).

Ela compreende valores que vão de 1 a 6, atribuídos observando as respostas dadas pelo
paciente após estímulos e podem ser:

   Grau 1: paciente ansioso, agitado;
   Grau 2: cooperativo, orientado, tranqüilo;
   Grau 3: sonolento, atendendo aos comandos;
   Grau 4: dormindo, responde rapidamente ao estímulo glabelar ou ao estímulo
    sonoro vigoroso;
   Grau 5: dormindo, responde lentamente ao estímulo glabelar ou ao estímulo sonoro
    vigoroso;
   Grau 6: dormindo, sem resposta;


A escala de RASS, como é chamada, varia de +4 a -5, conforme abaixo: +4 Agressivo:
Violento; perigoso. +3 Muito agitado: Conduta agressiva; remoção de tubos ou
cateteres. +2 Agitado: Movimentos sem coordenação freqüentes. +1 Inquieto Ansioso,
mas sem movimentos agressivos ou vigorosos. 0 Alerto, calmo-1 Sonolento Não se
encontra totalmente alerta, mas tem o despertar sustentado ao som da voz (> 10 seg).-2
Sedação leve: Acorda rapidamente e faz contato visual com o som da voz (<10 seg).-3
Sedação moderada: Movimento ou abertura dos olhos ao som da voz (mas sem contato
visual).-4 Sedação profunda: Não responde ao som da voz, mas movimenta ou abre os
olhos com estimulação física.
2) Determine 3 diagnósticos de Enfermagem (taxonomia NANDA) que podem ser
estabelecidos em um paciente vítima de TCE na fase aguda da reabilitação. (Para cada
rótulo, citar algumas características definidoras e os fatores que podem estar
relacionados)- 1,5 PONTO

  1- Perfusão Tissular ineficaz
   Cerebrais:

     Anormalidade na fala;
     Fraqueza de extremidades;
     Dificuldades na deglutição;
   2- Ansiedade
    Afetivas:

     Apreensivo;
     Irritabilidade;
     Preocupado
  3- Mobilidade física
    Capacidade limitada para desempenhar as habilidades motoras finas:

     Dor;
     Enrijecimento das articulações;
     Força muscular diminuída;


3) Monte uma prescrição de enfermagem de 10 itens baseados nos cuidados ao paciente
neurológico sob monitorização da PIC vítima de um AVE hemorrágico.- 1,5 PONTO
1- Monitorar a pressão intracraniana e checar seu sistema , garantindo a precisão da
leitura.
2- Manter o paciente com a cabeça elevada em 30°.
3- Avaliar presença ou ausência de movimentos involuntários, como convulsões,
espasmos, decorticação e descerebração.
4- Avaliar nível de sedação utilizando escala preconizada pela instituição de saúde
(escala de Ramsay).
5- Trocar diariamente o curativo de inserção do cateter de monitorização.
6- Avaliar sinais e sintomas de infecção, principalmente associados ao cateter de
monitorização.
7- Avaliar o paciente quanto ao risco de desenvolver úlcera por pressão.
8- Utilizar métodos de prevenção de trombose venosa profunda.
9- Controlar rigorosamente eliminação vesicointestinal.
10- Acompanhar resultados de exames laboratoriais e imagem.


4) Descreve as características e a importância dos seguintes exames para o diagnóstico
das doenças neurológicas: TC de Crânio; Ressonância Magnética do crânio;
Arteriografia cerebral; Eletroencefalograma; Doppler Transcraniano- 1,5 PONTO


Tomografia Computadorizada de Crânio
Descrição: As TC possibilita a utilização de um feixe estreito de raio X para escanear a
cabeça em camadas sucessivas. As imagens fornecem visualizações transversais do
cérebro, com diferenças evidenciáveis nas densidades tissulares do crânio, córtex,
estruturas subcorticais e ventrículos. O imageamento por TC pode ter estimulação por
contraste intravenoso.
Importância: As lesões no cérebro são percebidas como variações na densidade tissular
que se distinguem do tecido cerebral normal circunvizinho. As anormalidades do tecido
indicam possíveis massas tumorais, infarto cerebral, deslocamento dos ventrículos e
atrofia cortical.

Ressonância Magnética
Descrição: A RM utiliza um campo magnético poderoso para obter imagens de
diferentes área do corpo. Esse exame diagnóstico envolve a alteração dos íons
hidrogênio no corpo. O paciente é colocado em um campo magnético, fazendo com que
os núcleos de hidrogênio (prótons) dentro do corpo se alinhem como pequenos
magnetos nesse campo. Em combinação com os pulsos de radiofreqüência, os prótons
emitem sinais, os quais são convertidos em imagens.
Importância: A RM apresenta o potencial para identificar uma anormalidade cerebral
de forma mais precoce e mais clara que outros exames diagnósticos. Ela pode fornecer
informações sobre as alterações químicas dentro das células e ajudando a diagnosticar
tumores, extensão da doença no cérebro e na medula espinhal.

Arteriografia Cerebral
Descrição: A arteriografia é realizada introduzindo-se um cateter através da artéria
femoral na virilha e subindo até o vaso desejado. De forma alternativa, pode ser
efetuada a punção direta da artéria carótida ou vertebral, bem como a injeção retrógada
de um agente de contraste dentro da artéria braquial.
Importância: É um instrumento valioso para pesquisar a doença vascular, aneurismas e
malformações arteriovenosas. Com freqüência, ela é realizada antes da craniotomia para
avaliar a patência e a adequação da circulação cerebral e para determinar o sítio,
tamanho e natureza dos processos patológicos.

Eletroencefalograma
Descrição: O EEG representa um registro da atividade elétrica gerada no cérebro. É
obtido através de eletrodos aplicados no couro cabeludo ou por meio de microeletrodos
posicionados dentro do tecido cerebral. Proporciona uma avaliação fisiológica da
atividade cerebral.
Importância: O EEG é um exame útil para diagnosticar e avaliar os distúrbios
convulsivos, coma ou síndrome cerebral orgânica. Tumores, abscessos cerebrais,
coágulos sanguíneos e infecção podem provocar padrões anormais na atividade elétrica.
O EEG também é empregado para fazer uma determinação de morte cerebral.

Doppler Transcraniano
Descrição: O DTC utiliza as mesmas técnicas não-invasivas que os estudos do fluxo
carotídeo, mas registra as velocidades do fluxo sanguíneo dos vasos intracranianos. As
velocidades do fluxo da artéria basal podem ser medidas através de áreas finas dos ossos
temporal e occipital do crânio. Uma sonda de Doppler manual emite um feixe pulsado;
o sinal é refletido pelos eritrócitos em movimentos dentro dos vasos sanguíneos.
Importância: A sonografia transcraniana com Doppler é uma técnica não-invasiva
valiosa na avaliação do vasoespasmo (uma complicação que sucede à hemorragia
subaracnóide), do fluxo sanguíneo cerebral alterado encontrado na doença vascular
oclusiva ou acidente vascular cerebral, e de outra patologia cerebral.


5) Defina Delirium e a importância da utilização da Escala de CAM-ICU.- 1,5 PONTO
O Delirium é o distúrbio da consciência, cognição e percepção quepode acometer até
80% dos pacientes em ventilação mecânica. Os fatores de riscos incluem doenças
sistêmicas agudas, idade avançada, distúrbios cognitivos preexistentes, privação do
sono e certas medicações, como os fármacos com atividade anticolinérgica.

Atualmente utiliza-se o método de Avaliação CAM-ICU (ConfusionAssessmentMethod
in a IntensiveCare Unit) para diagnosticar o delirium em pacientes críticos. Com o
objetivo de identificá-lo em pacientes capazes de se comunicar verbalmente. É
importante relataro delirium, pode ser diagnosticado mesmo na presença de demência.
A utilização do método CAM-ICU exige apenas um rápido treinamento, já que o
formulário para diagnóstico é de fácil aplicação. Esta nova ferramenta permitiu,
portanto, uma rápida e acurada medida em pacientes críticos.
Para diagnóstico do delirium, é preciso associar a monitorização da sedação e do
delirium, através do método de duas etapas para avaliação da consciência. O primeiro
passo se refere à avaliação da sedação, que é quantificada pela escala de agitação e
sedação de Richmond (The Richmond AgitationandSedationScale- RASS). Se o
RASSfor superior a - 4 (-3 até +4), deve-se então seguir para o segundo passo, que é a
avaliação do delirium.
Referências Bibliográficas:

Revista Brasileira de Terapia Intensiva Vol. 18 nº 2, Abril- Junho, 2006 pág. 190.
Scielo

JERONIMO, Rosangela, A, SALA. Técnicas de UTI. 1ed. SÃO PAULO: Editora
Rideel, 2010.

SMELTZER, Suzane, C, BARE, G, Brenda. Brunner e Suddarth, Tratado de
enfermagem médico cirúrgica. 10ed. Vol 4. Editora Guanabara Koogan.

Fonte: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/neurology/1739489-escala-
richmond-agita%C3%A7%C3%A3o-seda%C3%A7%C3%A3o-
rass/#ixzz1QVWFmThN

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
mujaci
 
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction BlockMultifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Prune Mazer
 
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêuticaHidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
Claudionor Delgado
 
T C E - Anatomia
T C E - AnatomiaT C E - Anatomia
T C E - Anatomia
Marcio Assunção
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebralEgas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
librarian
 
Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?
Dr. Rafael Higashi
 
Macrsocopiado encéfalo embriologia- ii
Macrsocopiado encéfalo embriologia- iiMacrsocopiado encéfalo embriologia- ii
Macrsocopiado encéfalo embriologia- ii
Fernanda Carvalho
 
Tp fund. de sist. de informação
Tp fund. de sist. de informaçãoTp fund. de sist. de informação
Tp fund. de sist. de informação
giovannimusetti
 
Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01
adrianomedico
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
Dr. Rafael Higashi
 
Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)
Eliana Pereira Custodio
 
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálico
NadjadBarros
 
Do Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a DemênciaDo Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a Demência
ADEMEC Ambulatório de Desordens da Memória e do
 
Neuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológicaNeuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológica
Dr. Rafael Higashi
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
phlordello
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criança
Antonio Souto
 
Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)
anacarolsy
 

Mais procurados (18)

Traumatismo
TraumatismoTraumatismo
Traumatismo
 
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction BlockMultifocal Motor Neuropathy with conduction Block
Multifocal Motor Neuropathy with conduction Block
 
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêuticaHidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
Hidrocefalia de pressão normal idiopática na clínica fisioterapêutica
 
T C E - Anatomia
T C E - AnatomiaT C E - Anatomia
T C E - Anatomia
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
 
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebralEgas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
Egas Moniz e a leucotomia pré frontal e a angiografia cerebral
 
Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?
 
Macrsocopiado encéfalo embriologia- ii
Macrsocopiado encéfalo embriologia- iiMacrsocopiado encéfalo embriologia- ii
Macrsocopiado encéfalo embriologia- ii
 
Tp fund. de sist. de informação
Tp fund. de sist. de informaçãoTp fund. de sist. de informação
Tp fund. de sist. de informação
 
Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01Sindrome do túnel do carpo 01
Sindrome do túnel do carpo 01
 
Sinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologiaSinais e sintomas em neurologia
Sinais e sintomas em neurologia
 
Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)Traumatismo cranioencefálico (1)
Traumatismo cranioencefálico (1)
 
Traumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálicoTraumatismo crânio encefálico
Traumatismo crânio encefálico
 
Do Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a DemênciaDo Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a Demência
 
Neuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológicaNeuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológica
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
 
Trauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criançaTrauma cranioencefálico na criança
Trauma cranioencefálico na criança
 
Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)Consciência Anestésica (Final)
Consciência Anestésica (Final)
 

Destaque

Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
robsonlopes
 
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
GINGER
 
Coma
ComaComa
C O M A
C O M AC O M A
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
Sonia Nieves Matias
 
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
Lucimar Campos
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
RaphaelBalza
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Direção Regional de Educação
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
GENARO CHANCO MENDOZA
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
Nataniel Souza
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
Facultad de Medicina y Nutrición UJED
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
Karla Martinez Pinto
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 
Escala RASS
Escala RASSEscala RASS
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Escalas de sedación
Escalas de sedaciónEscalas de sedación
Escalas de sedación
Fernanda Silva Lizardi
 
Escala Glasgow
Escala GlasgowEscala Glasgow
Escala Glasgow
DR. CARLOS Azañero
 
Sedantes
SedantesSedantes
Sedantes
pamelacoaquira
 

Destaque (20)

Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
 
Escala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De GlasgowEscala De Coma De Glasgow
Escala De Coma De Glasgow
 
Coma
ComaComa
Coma
 
C O M A
C O M AC O M A
C O M A
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
 
Avaliação de dados vitais
 Avaliação de dados vitais Avaliação de dados vitais
Avaliação de dados vitais
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básicoEscala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
Escala de avaliação da consciência de carreira para 1º ciclo do ensino básico
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
ESCALA DE COMA GLASGOW 2011
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
 
Escala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgowEscala de coma de glasgow
Escala de coma de glasgow
 
Escala de glasgow
Escala de glasgowEscala de glasgow
Escala de glasgow
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Escala RASS
Escala RASSEscala RASS
Escala RASS
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Escalas de sedación
Escalas de sedaciónEscalas de sedación
Escalas de sedación
 
Escala Glasgow
Escala GlasgowEscala Glasgow
Escala Glasgow
 
Sedantes
SedantesSedantes
Sedantes
 

Semelhante a dst

Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliograficabainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
FranciscoTelesdeMace
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
neuroligaunivasf
 
Traumatismo craniano
Traumatismo cranianoTraumatismo craniano
Traumatismo craniano
Rafael Medeiros
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
LisaSilva37
 
Hpn dx demencias.completo.st
Hpn dx demencias.completo.stHpn dx demencias.completo.st
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdfEnfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
ThiagoTavares52632
 
Síncope
 Síncope Síncope
Síncope
Rafaella
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Larissa20088
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
adrianomedico
 
I curso neuroimagem demencias.st
I curso neuroimagem demencias.stI curso neuroimagem demencias.st
I curso neuroimagem demencias.st
ADEMEC Ambulatório de Desordens da Memória e do
 
Neuroftalmologia parte II
Neuroftalmologia parte IINeuroftalmologia parte II
Neuroftalmologia parte II
Diego Mascato
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
lilitha
 
Distrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénitaDistrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénita
Prune Mazer
 
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
Flávia Salame
 
2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
ThatyMicaelly
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
Priscila Ferro
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Renato Almeida
 
Morte Encefálica
Morte EncefálicaMorte Encefálica
Morte Encefálica
David Nordon
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
caduanselmi
 

Semelhante a dst (20)

Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliograficabainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
bainha de nervo optico estudo e revisao bibliografica
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Traumatismo craniano
Traumatismo cranianoTraumatismo craniano
Traumatismo craniano
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
 
Hpn dx demencias.completo.st
Hpn dx demencias.completo.stHpn dx demencias.completo.st
Hpn dx demencias.completo.st
 
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdfEnfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
Enfermagem na Clínica Médica Sis. Nervoso.pdf
 
Síncope
 Síncope Síncope
Síncope
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
 
I curso neuroimagem demencias.st
I curso neuroimagem demencias.stI curso neuroimagem demencias.st
I curso neuroimagem demencias.st
 
Neuroftalmologia parte II
Neuroftalmologia parte IINeuroftalmologia parte II
Neuroftalmologia parte II
 
Medicina Nuclear
Medicina NuclearMedicina Nuclear
Medicina Nuclear
 
Distrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénitaDistrofia muscular congénita
Distrofia muscular congénita
 
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
Artigo especial padrao tomograficos das ds interticiais.
 
2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf2-Exame neurológico.pdf
2-Exame neurológico.pdf
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
 
Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)Trauma crânio-encefálico (TCE)
Trauma crânio-encefálico (TCE)
 
Morte Encefálica
Morte EncefálicaMorte Encefálica
Morte Encefálica
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
 

dst

  • 1. UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO ESCOLA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO: ENFERMAGEM EM CLIENTES DE ALTA COMPLEXIDADE EM CTI DISCIPLINA: ASSISTÊNCIA AO CLIENTE COMPLEXO II BLOCO: NEUROINTENSIVISMO PROFESSOR: RODRIGO FRANCISCO DE JESUS ALUNA: DANIELLE BÁRBARA DUARTE DE ARAUJO AVALIAÇÃO Prezado aluno, As respostas só serão aceitas se forem anexadas na avaliação as referências bibliográfica utilizada. Bons estudos! 1) Diferencie a Escala de Ramsay e a Escala de RASS (indicações, diferenças de pontuação, vantagens e desvantagens de utilização). - 1 PONTO Escala de Ramsay, é um tipo de escala subjetiva utilizada para avaliar o grau de sedação em pacientes, visando evitar a sedação insuficiente (o paciente pode sentir dores) ou demasiadamente excessiva (colocando-o em risco de morte). Ela compreende valores que vão de 1 a 6, atribuídos observando as respostas dadas pelo paciente após estímulos e podem ser:  Grau 1: paciente ansioso, agitado;  Grau 2: cooperativo, orientado, tranqüilo;  Grau 3: sonolento, atendendo aos comandos;  Grau 4: dormindo, responde rapidamente ao estímulo glabelar ou ao estímulo sonoro vigoroso;  Grau 5: dormindo, responde lentamente ao estímulo glabelar ou ao estímulo sonoro vigoroso;  Grau 6: dormindo, sem resposta; A escala de RASS, como é chamada, varia de +4 a -5, conforme abaixo: +4 Agressivo: Violento; perigoso. +3 Muito agitado: Conduta agressiva; remoção de tubos ou cateteres. +2 Agitado: Movimentos sem coordenação freqüentes. +1 Inquieto Ansioso, mas sem movimentos agressivos ou vigorosos. 0 Alerto, calmo-1 Sonolento Não se
  • 2. encontra totalmente alerta, mas tem o despertar sustentado ao som da voz (> 10 seg).-2 Sedação leve: Acorda rapidamente e faz contato visual com o som da voz (<10 seg).-3 Sedação moderada: Movimento ou abertura dos olhos ao som da voz (mas sem contato visual).-4 Sedação profunda: Não responde ao som da voz, mas movimenta ou abre os olhos com estimulação física. 2) Determine 3 diagnósticos de Enfermagem (taxonomia NANDA) que podem ser estabelecidos em um paciente vítima de TCE na fase aguda da reabilitação. (Para cada rótulo, citar algumas características definidoras e os fatores que podem estar relacionados)- 1,5 PONTO 1- Perfusão Tissular ineficaz Cerebrais: Anormalidade na fala; Fraqueza de extremidades; Dificuldades na deglutição; 2- Ansiedade Afetivas: Apreensivo; Irritabilidade; Preocupado 3- Mobilidade física Capacidade limitada para desempenhar as habilidades motoras finas: Dor; Enrijecimento das articulações; Força muscular diminuída; 3) Monte uma prescrição de enfermagem de 10 itens baseados nos cuidados ao paciente neurológico sob monitorização da PIC vítima de um AVE hemorrágico.- 1,5 PONTO 1- Monitorar a pressão intracraniana e checar seu sistema , garantindo a precisão da leitura. 2- Manter o paciente com a cabeça elevada em 30°. 3- Avaliar presença ou ausência de movimentos involuntários, como convulsões, espasmos, decorticação e descerebração. 4- Avaliar nível de sedação utilizando escala preconizada pela instituição de saúde (escala de Ramsay). 5- Trocar diariamente o curativo de inserção do cateter de monitorização. 6- Avaliar sinais e sintomas de infecção, principalmente associados ao cateter de monitorização. 7- Avaliar o paciente quanto ao risco de desenvolver úlcera por pressão. 8- Utilizar métodos de prevenção de trombose venosa profunda.
  • 3. 9- Controlar rigorosamente eliminação vesicointestinal. 10- Acompanhar resultados de exames laboratoriais e imagem. 4) Descreve as características e a importância dos seguintes exames para o diagnóstico das doenças neurológicas: TC de Crânio; Ressonância Magnética do crânio; Arteriografia cerebral; Eletroencefalograma; Doppler Transcraniano- 1,5 PONTO Tomografia Computadorizada de Crânio Descrição: As TC possibilita a utilização de um feixe estreito de raio X para escanear a cabeça em camadas sucessivas. As imagens fornecem visualizações transversais do cérebro, com diferenças evidenciáveis nas densidades tissulares do crânio, córtex, estruturas subcorticais e ventrículos. O imageamento por TC pode ter estimulação por contraste intravenoso. Importância: As lesões no cérebro são percebidas como variações na densidade tissular que se distinguem do tecido cerebral normal circunvizinho. As anormalidades do tecido indicam possíveis massas tumorais, infarto cerebral, deslocamento dos ventrículos e atrofia cortical. Ressonância Magnética Descrição: A RM utiliza um campo magnético poderoso para obter imagens de diferentes área do corpo. Esse exame diagnóstico envolve a alteração dos íons hidrogênio no corpo. O paciente é colocado em um campo magnético, fazendo com que os núcleos de hidrogênio (prótons) dentro do corpo se alinhem como pequenos magnetos nesse campo. Em combinação com os pulsos de radiofreqüência, os prótons emitem sinais, os quais são convertidos em imagens. Importância: A RM apresenta o potencial para identificar uma anormalidade cerebral de forma mais precoce e mais clara que outros exames diagnósticos. Ela pode fornecer informações sobre as alterações químicas dentro das células e ajudando a diagnosticar tumores, extensão da doença no cérebro e na medula espinhal. Arteriografia Cerebral Descrição: A arteriografia é realizada introduzindo-se um cateter através da artéria femoral na virilha e subindo até o vaso desejado. De forma alternativa, pode ser efetuada a punção direta da artéria carótida ou vertebral, bem como a injeção retrógada de um agente de contraste dentro da artéria braquial. Importância: É um instrumento valioso para pesquisar a doença vascular, aneurismas e malformações arteriovenosas. Com freqüência, ela é realizada antes da craniotomia para avaliar a patência e a adequação da circulação cerebral e para determinar o sítio, tamanho e natureza dos processos patológicos. Eletroencefalograma Descrição: O EEG representa um registro da atividade elétrica gerada no cérebro. É obtido através de eletrodos aplicados no couro cabeludo ou por meio de microeletrodos
  • 4. posicionados dentro do tecido cerebral. Proporciona uma avaliação fisiológica da atividade cerebral. Importância: O EEG é um exame útil para diagnosticar e avaliar os distúrbios convulsivos, coma ou síndrome cerebral orgânica. Tumores, abscessos cerebrais, coágulos sanguíneos e infecção podem provocar padrões anormais na atividade elétrica. O EEG também é empregado para fazer uma determinação de morte cerebral. Doppler Transcraniano Descrição: O DTC utiliza as mesmas técnicas não-invasivas que os estudos do fluxo carotídeo, mas registra as velocidades do fluxo sanguíneo dos vasos intracranianos. As velocidades do fluxo da artéria basal podem ser medidas através de áreas finas dos ossos temporal e occipital do crânio. Uma sonda de Doppler manual emite um feixe pulsado; o sinal é refletido pelos eritrócitos em movimentos dentro dos vasos sanguíneos. Importância: A sonografia transcraniana com Doppler é uma técnica não-invasiva valiosa na avaliação do vasoespasmo (uma complicação que sucede à hemorragia subaracnóide), do fluxo sanguíneo cerebral alterado encontrado na doença vascular oclusiva ou acidente vascular cerebral, e de outra patologia cerebral. 5) Defina Delirium e a importância da utilização da Escala de CAM-ICU.- 1,5 PONTO O Delirium é o distúrbio da consciência, cognição e percepção quepode acometer até 80% dos pacientes em ventilação mecânica. Os fatores de riscos incluem doenças sistêmicas agudas, idade avançada, distúrbios cognitivos preexistentes, privação do sono e certas medicações, como os fármacos com atividade anticolinérgica. Atualmente utiliza-se o método de Avaliação CAM-ICU (ConfusionAssessmentMethod in a IntensiveCare Unit) para diagnosticar o delirium em pacientes críticos. Com o objetivo de identificá-lo em pacientes capazes de se comunicar verbalmente. É importante relataro delirium, pode ser diagnosticado mesmo na presença de demência. A utilização do método CAM-ICU exige apenas um rápido treinamento, já que o formulário para diagnóstico é de fácil aplicação. Esta nova ferramenta permitiu, portanto, uma rápida e acurada medida em pacientes críticos. Para diagnóstico do delirium, é preciso associar a monitorização da sedação e do delirium, através do método de duas etapas para avaliação da consciência. O primeiro passo se refere à avaliação da sedação, que é quantificada pela escala de agitação e sedação de Richmond (The Richmond AgitationandSedationScale- RASS). Se o RASSfor superior a - 4 (-3 até +4), deve-se então seguir para o segundo passo, que é a avaliação do delirium.
  • 5. Referências Bibliográficas: Revista Brasileira de Terapia Intensiva Vol. 18 nº 2, Abril- Junho, 2006 pág. 190. Scielo JERONIMO, Rosangela, A, SALA. Técnicas de UTI. 1ed. SÃO PAULO: Editora Rideel, 2010. SMELTZER, Suzane, C, BARE, G, Brenda. Brunner e Suddarth, Tratado de enfermagem médico cirúrgica. 10ed. Vol 4. Editora Guanabara Koogan. Fonte: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/neurology/1739489-escala- richmond-agita%C3%A7%C3%A3o-seda%C3%A7%C3%A3o- rass/#ixzz1QVWFmThN