SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
MONITORIZAÇÃO
HEMODINÂMICA

 Francisco Nascimento
    Cardiologista – SBC
    Intensivista - AMIB
Porquê monitorar ?

Para evitar a disóxia tissular e progressão
da falência orgânica com ressuscitação
agressiva precoce.
A disfunção orgânica múltipla leva a uma
inadequada oferta de O2 , aumentando a
demanda de metabólica tissular e da
microcirculação.
Instabilidade Hemodinâmica
            Definir: beira do leito

     Lembrar:
     Lembrar: A falência circulatória aguda é uma
     complicação sistêmica de uma doença de base

     Sinais físicos são importantes alertas :
1.   Hipotensão
2.   Extremidades frias
3.   Cianose periférica
4.   Alteração de nível de consciência
5.   Alteração de débito urinário
Fleury ,R. Choque.
Pinsk&Payen,Functional Hemodinamic
           Monitoring/Springer/2005
MECANISMOS HEMODINÂMICOS




            Braunwald E , Heart Disease , Saunders
CHOQUE : ETIOLOGIA
  Achados Hemodinâmicos




Pinsk&Payen,Functional Hemodinamic Monitoring/Springer/2005
Variáveis Hemodinâmicas




Chest 2007 -132-
2020/2029-Pinsky
Opções para medida de Débito
Cardíaco (invasivas e não invasivas)

Ecocardiografia                Termodiluição
Doppler esofagiano             Transpulmonar
Débito Cardíaco pela           (PICCO)
medida de CO2                  Bioimpedância
(NICCO)                        CAP
Diluição de Lítio e
análise de curva de
PA (LIDCO)
                       Critical Care Clinics,23 ,2007 ,Marik & Baram
Considerações e Recomendações para
           o uso de CAP
Medida de PVC, PAP, PCAP. Cálculo do DC, IC , RVS,
RVP, parâmetros oxihemodinâmicos.
Os estudos não mostraram melhora no “outcome” nos
pacientes críticos.
Indicação deve ser individualizada (riscos x benefícios).
Hoje a HAP / SARA é “gold standard”.
O uso rotineiro em idosos em grandes cirurgias não foi
comprovado .
Cuidado nos pacientes com BRE ( uso de MPP ).
A diversidade de interpretações nas variáveis pelos
médicos , levam à decisões errôneas.


                                                Uptodate 2008
Complicações do Cateter de Artéria
           Pulmonar

Arritmias ( venticulares e BAVT)
Trombose
Infecção (na inserção e no manuseio)
Ruptura do balão (“overinflantion”)
Infarto Pulmonar
Acotovelamento do cateter
Complicações durante a inserção
Lactato – retrata a perfusão tissular




                  Pinsky/Payen-Func Hemod Monit / Springer,2005
Saturação Venosa (SvO2)




       Applied Physiology in Intensive Care 2006 Pinsky & al.
Applied Physiology in Intensive Care 2006 Pinsky & al.
Applied Physiology in Intensive Care
                  2006 Pinsky & al.
Pressão Venosa Central




              Pinsky, Functional Hemodynamic
                              Monitoring ,2005
Pinsky, Functional Hemodynamic Monitoring ,2005
MAS… O QUE NÓS FAZEMOS
AQUI ???




  Nossa experiência em monitorização e controle
             hemodinâmico no CTI .
Por quê LIDCO ??
Contraindications for use of the PulseCO™
          Autocorrelation Algorithm
The performance of the software may be compromised in the
                   following patient groups:
            Patients with aortic valve regurgitation
 Following aortic reconstruction - a recalibration is required
  Patients being treated with an intra aortic balloon pump
     Patients with highly damped peripheral arterial lines
Patients with pronounced peripheral arterial vasoconstriction
Analysis of the respiratory changes in the preload parameters
 of: SPV, PPV% and SVV% is compromised in patients with
                       cardiac arrythmias
Nossa rotina:
               rotina:

Avaliação gasométrica
Avaliação do lactato
Em caso de sepse - PreSep – EGDT
PVC , Débito Urinário (1 ml/kg/h)
LIDCO
Optmização hemodinâmica
(volume , aminas, CH)
CONCLUSÕES

Taquicardia nunca é bom .
Hipotensão é sempre patológico.
PVC é elevada na doença .
Edema periférico é um problema
cosmético.
Acreditar em IC e DC.
MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA PARA EVITAR DISÓXIA TISSULAR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaresenfe2013
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíacaresenfe2013
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicagalegoo
 
Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)joao rodrigo
 
Monitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagemMonitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagemJosiane Guimarães
 
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxssuser51d27c1
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicactisaolucascopacabana
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascularresenfe2013
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar resenfe2013
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasiljudicleia silva
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 

Mais procurados (20)

Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 
Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)Pressão intra abdominal (pia)
Pressão intra abdominal (pia)
 
Monitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagemMonitorização para tec de enfermagem
Monitorização para tec de enfermagem
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
 
Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamica
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Choque
Choque Choque
Choque
 

Destaque

Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa utiElisama Cruz
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativasRLCR
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativasgalegoo
 
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo Clínico
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo ClínicoBalanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo Clínico
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo ClínicoDiego Barcelos
 
Seleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para EquoterapiaSeleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para EquoterapiaEquo Saúde Minas
 
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiRodrigo Biondi
 
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocxUm mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocxEstela Sales
 
Electrofisiología y EKG/ECG
Electrofisiología y EKG/ECGElectrofisiología y EKG/ECG
Electrofisiología y EKG/ECGMD Rage
 
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]Santy D
 
FWAE avaliação unidade 4 - Curso de Choque
FWAE   avaliação unidade 4 - Curso de ChoqueFWAE   avaliação unidade 4 - Curso de Choque
FWAE avaliação unidade 4 - Curso de ChoqueAmanda Brasil
 
Técnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RMTécnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RMFabiano Ladislau
 

Destaque (19)

Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
HEMODINÂMICA
HEMODINÂMICAHEMODINÂMICA
HEMODINÂMICA
 
Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012Aula margarete nóbrega 2012
Aula margarete nóbrega 2012
 
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIASHEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativas
 
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo Clínico
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo ClínicoBalanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo Clínico
Balanço hídrico – revisão sistematizada da literatura para um Protocolo Clínico
 
Seleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para EquoterapiaSeleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para Equoterapia
 
Artigo bioterra v16_n2_07
Artigo bioterra v16_n2_07Artigo bioterra v16_n2_07
Artigo bioterra v16_n2_07
 
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
 
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocxUm mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
 
Equoterapiatcc
EquoterapiatccEquoterapiatcc
Equoterapiatcc
 
Electrofisiología y EKG/ECG
Electrofisiología y EKG/ECGElectrofisiología y EKG/ECG
Electrofisiología y EKG/ECG
 
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]
Oxitocinapresentacion1 100423234254-phpapp02.ppt [recuperado]
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Falhas na raquianestesia 2015
Falhas na raquianestesia 2015Falhas na raquianestesia 2015
Falhas na raquianestesia 2015
 
FWAE avaliação unidade 4 - Curso de Choque
FWAE   avaliação unidade 4 - Curso de ChoqueFWAE   avaliação unidade 4 - Curso de Choque
FWAE avaliação unidade 4 - Curso de Choque
 
Técnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RMTécnicas Avançadas em Neuro RM
Técnicas Avançadas em Neuro RM
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 

Semelhante a MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA PARA EVITAR DISÓXIA TISSULAR

ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãogisa_legal
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaPaulo Sérgio
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodctisaolucascopacabana
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Fabricio Mendonca
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaresenfe2013
 
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância USP J A Granzotti
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância  USP J A GranzottiIcc Insuficiência Cardíaca na Infância  USP J A Granzotti
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância USP J A GranzottiJoão Antônio Granzotti
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Fabricio Mendonca
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPaulo Sérgio
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosAroldo Gavioli
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadactisaolucascopacabana
 
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - ManejoEdema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - ManejoEl Nino Cansado
 
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônicaAtualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônicaLeila Viana
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Carlos Volponi Lovatto
 

Semelhante a MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA PARA EVITAR DISÓXIA TISSULAR (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensão
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância USP J A Granzotti
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância  USP J A GranzottiIcc Insuficiência Cardíaca na Infância  USP J A Granzotti
Icc Insuficiência Cardíaca na Infância USP J A Granzotti
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultosSuporte avançado de vida em cardiologia em adultos
Suporte avançado de vida em cardiologia em adultos
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
 
Fisiologia Cardiovascular
Fisiologia CardiovascularFisiologia Cardiovascular
Fisiologia Cardiovascular
 
Choques
ChoquesChoques
Choques
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
Estratificação da Lesão Renal Aguda
Estratificação da Lesão Renal AgudaEstratificação da Lesão Renal Aguda
Estratificação da Lesão Renal Aguda
 
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - ManejoEdema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
 
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônicaAtualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica
Atualização da diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações. Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
Fibrilação atrial - aspectos práticos e atualizações.
 

Mais de Rodrigo Biondi

Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na UtiRodrigo Biondi
 
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãOSepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãORodrigo Biondi
 
SíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental AbdominalSíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental AbdominalRodrigo Biondi
 
Insuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática AgudaInsuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática AgudaRodrigo Biondi
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Rodrigo Biondi
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesRodrigo Biondi
 
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoDistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoRodrigo Biondi
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarRodrigo Biondi
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosRodrigo Biondi
 
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoRodrigo Biondi
 

Mais de Rodrigo Biondi (17)

Pcr Academicos 2009
Pcr Academicos 2009Pcr Academicos 2009
Pcr Academicos 2009
 
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
 
SedaçãO Em Cti
SedaçãO Em CtiSedaçãO Em Cti
SedaçãO Em Cti
 
Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009
 
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãOSepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
 
SíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental AbdominalSíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental Abdominal
 
MonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO NeuroMonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO Neuro
 
Manejo Da Via Aérea
Manejo Da Via AéreaManejo Da Via Aérea
Manejo Da Via Aérea
 
Insuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática AgudaInsuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática Aguda
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2
 
Embolia Pulmonar
Embolia PulmonarEmbolia Pulmonar
Embolia Pulmonar
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
 
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSicoDistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
DistúRbio HidroeletrolíTico E áCido BáSico
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
 

Último

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 

Último (10)

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 

MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA PARA EVITAR DISÓXIA TISSULAR

  • 1. MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA Francisco Nascimento Cardiologista – SBC Intensivista - AMIB
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Porquê monitorar ? Para evitar a disóxia tissular e progressão da falência orgânica com ressuscitação agressiva precoce. A disfunção orgânica múltipla leva a uma inadequada oferta de O2 , aumentando a demanda de metabólica tissular e da microcirculação.
  • 6. Instabilidade Hemodinâmica Definir: beira do leito Lembrar: Lembrar: A falência circulatória aguda é uma complicação sistêmica de uma doença de base Sinais físicos são importantes alertas : 1. Hipotensão 2. Extremidades frias 3. Cianose periférica 4. Alteração de nível de consciência 5. Alteração de débito urinário
  • 8.
  • 9. Pinsk&Payen,Functional Hemodinamic Monitoring/Springer/2005
  • 10.
  • 11. MECANISMOS HEMODINÂMICOS Braunwald E , Heart Disease , Saunders
  • 12. CHOQUE : ETIOLOGIA Achados Hemodinâmicos Pinsk&Payen,Functional Hemodinamic Monitoring/Springer/2005
  • 13. Variáveis Hemodinâmicas Chest 2007 -132- 2020/2029-Pinsky
  • 14. Opções para medida de Débito Cardíaco (invasivas e não invasivas) Ecocardiografia Termodiluição Doppler esofagiano Transpulmonar Débito Cardíaco pela (PICCO) medida de CO2 Bioimpedância (NICCO) CAP Diluição de Lítio e análise de curva de PA (LIDCO) Critical Care Clinics,23 ,2007 ,Marik & Baram
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Considerações e Recomendações para o uso de CAP Medida de PVC, PAP, PCAP. Cálculo do DC, IC , RVS, RVP, parâmetros oxihemodinâmicos. Os estudos não mostraram melhora no “outcome” nos pacientes críticos. Indicação deve ser individualizada (riscos x benefícios). Hoje a HAP / SARA é “gold standard”. O uso rotineiro em idosos em grandes cirurgias não foi comprovado . Cuidado nos pacientes com BRE ( uso de MPP ). A diversidade de interpretações nas variáveis pelos médicos , levam à decisões errôneas. Uptodate 2008
  • 22. Complicações do Cateter de Artéria Pulmonar Arritmias ( venticulares e BAVT) Trombose Infecção (na inserção e no manuseio) Ruptura do balão (“overinflantion”) Infarto Pulmonar Acotovelamento do cateter Complicações durante a inserção
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Lactato – retrata a perfusão tissular Pinsky/Payen-Func Hemod Monit / Springer,2005
  • 27.
  • 28. Saturação Venosa (SvO2) Applied Physiology in Intensive Care 2006 Pinsky & al.
  • 29. Applied Physiology in Intensive Care 2006 Pinsky & al.
  • 30. Applied Physiology in Intensive Care 2006 Pinsky & al.
  • 31. Pressão Venosa Central Pinsky, Functional Hemodynamic Monitoring ,2005
  • 32. Pinsky, Functional Hemodynamic Monitoring ,2005
  • 33. MAS… O QUE NÓS FAZEMOS AQUI ??? Nossa experiência em monitorização e controle hemodinâmico no CTI .
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Contraindications for use of the PulseCO™ Autocorrelation Algorithm The performance of the software may be compromised in the following patient groups: Patients with aortic valve regurgitation Following aortic reconstruction - a recalibration is required Patients being treated with an intra aortic balloon pump Patients with highly damped peripheral arterial lines Patients with pronounced peripheral arterial vasoconstriction Analysis of the respiratory changes in the preload parameters of: SPV, PPV% and SVV% is compromised in patients with cardiac arrythmias
  • 41. Nossa rotina: rotina: Avaliação gasométrica Avaliação do lactato Em caso de sepse - PreSep – EGDT PVC , Débito Urinário (1 ml/kg/h) LIDCO Optmização hemodinâmica (volume , aminas, CH)
  • 42. CONCLUSÕES Taquicardia nunca é bom . Hipotensão é sempre patológico. PVC é elevada na doença . Edema periférico é um problema cosmético. Acreditar em IC e DC.