SlideShare uma empresa Scribd logo
Monitorização na beira do Leito
– Eletrocardiograma (ECG)
Enf. Andrey Vieira de Queiroga
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Abril / 2013
OBJETIVOS:
• Descrever os cuidados de enfermagem a beira do
leito em paciente monitorizado para realização do
eletrocardiograma;
• Detectar arritmias mais frequêntes, tais como:
taquicardia/bradicardia sinusal, bloqueio sinusal e
parada sinusal,Flutter atrial e fibrilação atrial,
taquicardia ventriculare e assistolia;
• Descrever os cuidados de enfermagem frente ao
paciente submetido a monitorização cardíaca
contínua.
INTRODUÇÃO:
• Um Eletrocardiograma (ECG) é um registro gráfico da atividade
elétrica do coração;
• A monitoração deste parâmetro fisiológico passou a ser amplamente
utilizada após o trabalho de Willem Einthoven que montou um
aparato não invasivo e mais preciso;
• A monitorização cardíaca é uma parte integral do manuseio de
pacientes fisiologicamente instáveis;
• O propósito da monitorização cardíaca à beira do leito é ajudar no
estabelecimento de um diagnóstico, guiar e otimizar a terapia e
promover informação diagnóstica;
• O ECG é utilizada de maneira rápida, segura e confiável;
IMPORTANCIA DA MONITORIZAÇÃO DO ECG
• A capacidade de detectar arritmias, em conjunto com desfibriladores cardíacos e
marca-passos, foi parcialmente responsável pela redução da mortalidade
ocorrida no final dos anos 60 (MELCO; MOSCATO, 2007);
• O ECG se popularizou e passou a ser utilizado em todas as unidades de
tratamento intensivo (TOBIN, 1997);
• O ECG é um dos métodos mais importantes no diagnóstico das cardiopatias e
também de outros estados mórbidos;
• O uso deste método de monitoração tem crescido, novos algoritmos lançados
tornam a detecção de parâmetros mais confiáveis;
• O ECG com 12 derivações são usados para diagnosticar as arritmias;
anormalidades da conduções; compartimentos cardíacos dilatadas e isquemia
ou IAM;
Materiais Utilizados no ECG:
Posicionament
o dos eletrodos
no paciente
Correlação entre as
derivações do plano
frontal
Posicionamento
dos eletrodos na
região precordial
PLANOS VERTICAIS
(MEMBROS)
PLANOS HORIZONTAIS
(PRECORDIAL)
Assistência de Enfermagem:
• Preparar e reunir todo o material necessário;
• Lavar as mãos:
• Explicar o procedimento e orientar o cliente quanto à
importância e o objetivo da monitorização;
• Realizar a tricotomia, caso necessário;
• Preparar a pele, secar e desengordurar com gaze umedecida
em éter;
• Passar solução de benjoim e aguardar até a secagem
completa;
• Retirar o blister de proteção do eletrodo e instalar conforme o
tipo de monitorização escolhido;
• Conectar o cabo de paciente e ligar o monitor, levando em
conta os parâmetros para o alarme;
• Anotar na solicitação do ECG: idade do paciente, sexo, PA,
altura, peso, sinais, sintomas e medicamentos em uso.
• Observar o padrão eletrocardiográfico que deve ter:
- Boa amplitude;
- Uma boa visão do complexo QRS, amplo e positivo, ou visão
ampla e positiva da onda P, dependendo do objetivo.
Em circunstâncias em que há alergia pelo eletrodo:
- Preparar a pele, secando com éter, e passar solução de benjoim, para
proteção da pele;
- Trocar a cada 12 horas ou 24 horas, os eletrodos, alternando o local;
- Usar eletrodo hipoalergênico;
- Proteger a pele com material que não seja alérgico, mantendo
somente a região do gel do eletrodo em contato direto com a pele.
(SILVA, 2010)
MONITORIZAÇÃO ELETROCARDIOGRÁFICA CONTÍNUA
• INDICAÇÃO: detectar anormalidades no ritmo e
frequência cardíaca.
• Divida em:
- Monitorização ligada por fios;
- Telemetria.
Cuidados da Enfermagem na monitorização contínua
• Promover informações sobre o equipamento e alarmes para o
paciente/família, com objetivo de proporcionar mais conforto e reduzir a
ansiedade;
• Informar ao paciente da possibilidade de movimentação no leito;
• Manter o cliente confortável;
• Explicar a importância do relato de qualquer tipo de dor ou desconforto,
com o objetivo de garantir uma intervenção adequada;
• Inserir a bateria, no caso de monitores de telemetria;
• Verificar o numero de conectores (3 ou 5);
• Ligar os alarmes e ajustar os parâmetros de acordo com as condições
clínicas do paciente.
MONITORIZAÇÃO CARDÍACA
• OBJETIVO: Consiste em controlar e avaliar
continuadamente a atividade elétrica (ritmo e frequência) do
coração, através de um equipamento, sendo possível também
a detecção de arritmias e pressão arterial.
• PERIODICIDADE: Durante todo o período que o paciente
com indicação de controle hídrico estiver internado, ou
instabilidade hemidinâmica.
• INDICAÇÃO: é instalada em pacientes que apresentam
instabilidade hemodinâmica, em pacientes submetidos à
cardioversão, e principalmente naqueles que sofreram
reversão pós parada cardíaca.
POSICIONAMENTO DOS
ELETRODOS NO TÓRAX
DO PACIENTE NA
MONITORIZAÇÃO NÃO -
INVASIVA
TELEMETRIA
• Desenvolvido para pacientes com arritmias
cardíacas que requerem monitoração
contínua de ECG;
• Oferece uma solução de monitoramento
flexível em unidades de cuidados semi-
intensivos, enfermarias e outras áreas de
terapia para pacientes cardíacos móveis
que requerem monitoramento constante;
• Na detecção de um evento de arritmia, o
sistema automaticamente liga para a
estação receptora e transmite o registro do
ECG.
• As baterias oferecem até 96 horas de
tempo de trabalho.
PRINCIPAIS ARRITMIAS:
BLOQUEIO SINOATRIAL
F: normal, varia com a pausa
R: regular
Formato QRS: ausente
Onda P: ausente
Relação P-QRS: +P q/ QRS
PARADA SINUSAL
F: normal, varia com a pausa
R: irregular
Formato QRS: ausente
Onda P: ausente
Relação P-QRS: +P q/ QRS
FLUTTER ATRIAL
F(A): 205 a 350; F(V): 4:1, 3:1 e 2:1
R(A): regular; R(V): reg. Ou irreg.
Formato QRS: normal
Onda P: identificável
FIBRILAÇÂO ATRIAL
F(A): 300 ª 600; F(V): 120 a 200
R: altamente irregular
Formato QRS: normal ou anormais
Onda P: não discernível e Rel. P-QRS: n:1
TAQUICARDIA VENTRICULAR
F(V): 100 a 200; F(A): depende do ritmo subjacente
R: geralmente são regulares
Formato QRS: bizarro e anormal
Onda P: difíceis de encontrar
Relação: difícil de determinar
Referências:
-MELCON, T.C; MOSCATO, L.A. Estudo do eletrocardiograma sob uma abordagem
matemática. São Paulo: EPUSP, 2007.
- LACELVA, C.R; MOURA JÚNIOR, D.F. Terapia intensiva – Enfermagem. São Paulo:
Editora Atheneu, 2009.
- SILVA, E.M.M. Monitorização cardíaca contínua à beira do leito. Disponível em:
http://www.walfredogurgel.rn.gov.br/content/aplicacao/sesap_hwg/servico/74%20monit
oriz..[1].pdf. Acesso em: 13/04/2013.
- SMELTZER, S.C; et al. Tratado de enfermagem médico-cirugica. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2009.
- TALBOT, L; MARQUARDT, M.M. Cuidados Críticos. 3º ed. Rio de Janeiro: Reichmann
& Affonso Editores, 2001.
- TOBIN, M.J. Principles and Practice of Intensive Care Monitoring. Mc Graw Hill.
1997.
Monitorização a beira do leito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
Quézia Barcelar
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
Fernando Dias
 
Uti
UtiUti
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Pressão Venosa Central
Pressão Venosa CentralPressão Venosa Central
Pressão Venosa Central
Andreutt Tabosa
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
Elisangela Oliveira
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 

Mais procurados (20)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Pressão Venosa Central
Pressão Venosa CentralPressão Venosa Central
Pressão Venosa Central
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Pai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumoPai, balao e swan ganz resumo
Pai, balao e swan ganz resumo
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 

Semelhante a Monitorização a beira do leito

Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
resenfe2013
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
AdmilsonSoares3
 
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.pptCardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
AndersonGuirao1
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalarRealizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
gisa_legal
 
Macetes para ECG
Macetes para ECGMacetes para ECG
Macetes para ECG
gisa_legal
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Gabriel Do Nascimento
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
Zeca Ribeiro
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
LENISECHIESACITOLIN
 
Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais
resenfe2013
 
O Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdfO Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdf
prof karla sao luis
 
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdfaularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
MarcelAzevedo5
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
Felipe Mago
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
EnfermagemUniavan
 
Arritmias oficial
Arritmias oficialArritmias oficial
Arritmias oficial
Sarah Sella Langer
 
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone CrispimReanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Coren-ms Conselho Reg Enfermagem
 
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptxAssistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
ssuser985fa4
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
neenahshare
 

Semelhante a Monitorização a beira do leito (20)

Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca ArtificialAssistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
Assistência de Enfermagem na Estimulação Cardíaca Artificial
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensivaENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
ENFERMAGEM EM Unidade de terapia intensiva
 
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.pptCardioversor desfibrilador implantavel.ppt
Cardioversor desfibrilador implantavel.ppt
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptxutieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
utieacon201swwd7parte2-170130105529.pptx
 
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalarRealizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
Realizacao e interpretacao do ecg no pre hospitalar
 
Macetes para ECG
Macetes para ECGMacetes para ECG
Macetes para ECG
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
 
Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais Pacientes com requisitos especiais
Pacientes com requisitos especiais
 
O Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdfO Marca Passo.pdf
O Marca Passo.pdf
 
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdfaularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
aularesidnciaave-avc-140916144947-phpapp01.pdf
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
Arritmias oficial
Arritmias oficialArritmias oficial
Arritmias oficial
 
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone CrispimReanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
Reanimação Cardiopulmonar - Enf. Simone Crispim
 
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptxAssistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
Assistência de enfermagem no acidente vascular cerebral.pptx
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
resenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
resenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
resenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
resenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
resenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
resenfe2013
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 

Último (7)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 

Monitorização a beira do leito

  • 1. Monitorização na beira do Leito – Eletrocardiograma (ECG) Enf. Andrey Vieira de Queiroga Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Abril / 2013
  • 2. OBJETIVOS: • Descrever os cuidados de enfermagem a beira do leito em paciente monitorizado para realização do eletrocardiograma; • Detectar arritmias mais frequêntes, tais como: taquicardia/bradicardia sinusal, bloqueio sinusal e parada sinusal,Flutter atrial e fibrilação atrial, taquicardia ventriculare e assistolia; • Descrever os cuidados de enfermagem frente ao paciente submetido a monitorização cardíaca contínua.
  • 3. INTRODUÇÃO: • Um Eletrocardiograma (ECG) é um registro gráfico da atividade elétrica do coração; • A monitoração deste parâmetro fisiológico passou a ser amplamente utilizada após o trabalho de Willem Einthoven que montou um aparato não invasivo e mais preciso; • A monitorização cardíaca é uma parte integral do manuseio de pacientes fisiologicamente instáveis; • O propósito da monitorização cardíaca à beira do leito é ajudar no estabelecimento de um diagnóstico, guiar e otimizar a terapia e promover informação diagnóstica; • O ECG é utilizada de maneira rápida, segura e confiável;
  • 4. IMPORTANCIA DA MONITORIZAÇÃO DO ECG • A capacidade de detectar arritmias, em conjunto com desfibriladores cardíacos e marca-passos, foi parcialmente responsável pela redução da mortalidade ocorrida no final dos anos 60 (MELCO; MOSCATO, 2007); • O ECG se popularizou e passou a ser utilizado em todas as unidades de tratamento intensivo (TOBIN, 1997); • O ECG é um dos métodos mais importantes no diagnóstico das cardiopatias e também de outros estados mórbidos; • O uso deste método de monitoração tem crescido, novos algoritmos lançados tornam a detecção de parâmetros mais confiáveis; • O ECG com 12 derivações são usados para diagnosticar as arritmias; anormalidades da conduções; compartimentos cardíacos dilatadas e isquemia ou IAM;
  • 6. Posicionament o dos eletrodos no paciente Correlação entre as derivações do plano frontal
  • 9. Assistência de Enfermagem: • Preparar e reunir todo o material necessário; • Lavar as mãos: • Explicar o procedimento e orientar o cliente quanto à importância e o objetivo da monitorização; • Realizar a tricotomia, caso necessário; • Preparar a pele, secar e desengordurar com gaze umedecida em éter; • Passar solução de benjoim e aguardar até a secagem completa;
  • 10. • Retirar o blister de proteção do eletrodo e instalar conforme o tipo de monitorização escolhido; • Conectar o cabo de paciente e ligar o monitor, levando em conta os parâmetros para o alarme; • Anotar na solicitação do ECG: idade do paciente, sexo, PA, altura, peso, sinais, sintomas e medicamentos em uso. • Observar o padrão eletrocardiográfico que deve ter: - Boa amplitude; - Uma boa visão do complexo QRS, amplo e positivo, ou visão ampla e positiva da onda P, dependendo do objetivo.
  • 11. Em circunstâncias em que há alergia pelo eletrodo: - Preparar a pele, secando com éter, e passar solução de benjoim, para proteção da pele; - Trocar a cada 12 horas ou 24 horas, os eletrodos, alternando o local; - Usar eletrodo hipoalergênico; - Proteger a pele com material que não seja alérgico, mantendo somente a região do gel do eletrodo em contato direto com a pele. (SILVA, 2010)
  • 12. MONITORIZAÇÃO ELETROCARDIOGRÁFICA CONTÍNUA • INDICAÇÃO: detectar anormalidades no ritmo e frequência cardíaca. • Divida em: - Monitorização ligada por fios; - Telemetria.
  • 13. Cuidados da Enfermagem na monitorização contínua • Promover informações sobre o equipamento e alarmes para o paciente/família, com objetivo de proporcionar mais conforto e reduzir a ansiedade; • Informar ao paciente da possibilidade de movimentação no leito; • Manter o cliente confortável; • Explicar a importância do relato de qualquer tipo de dor ou desconforto, com o objetivo de garantir uma intervenção adequada; • Inserir a bateria, no caso de monitores de telemetria; • Verificar o numero de conectores (3 ou 5); • Ligar os alarmes e ajustar os parâmetros de acordo com as condições clínicas do paciente.
  • 14. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA • OBJETIVO: Consiste em controlar e avaliar continuadamente a atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um equipamento, sendo possível também a detecção de arritmias e pressão arterial. • PERIODICIDADE: Durante todo o período que o paciente com indicação de controle hídrico estiver internado, ou instabilidade hemidinâmica. • INDICAÇÃO: é instalada em pacientes que apresentam instabilidade hemodinâmica, em pacientes submetidos à cardioversão, e principalmente naqueles que sofreram reversão pós parada cardíaca.
  • 15. POSICIONAMENTO DOS ELETRODOS NO TÓRAX DO PACIENTE NA MONITORIZAÇÃO NÃO - INVASIVA
  • 16.
  • 17. TELEMETRIA • Desenvolvido para pacientes com arritmias cardíacas que requerem monitoração contínua de ECG; • Oferece uma solução de monitoramento flexível em unidades de cuidados semi- intensivos, enfermarias e outras áreas de terapia para pacientes cardíacos móveis que requerem monitoramento constante; • Na detecção de um evento de arritmia, o sistema automaticamente liga para a estação receptora e transmite o registro do ECG. • As baterias oferecem até 96 horas de tempo de trabalho.
  • 19. BLOQUEIO SINOATRIAL F: normal, varia com a pausa R: regular Formato QRS: ausente Onda P: ausente Relação P-QRS: +P q/ QRS PARADA SINUSAL F: normal, varia com a pausa R: irregular Formato QRS: ausente Onda P: ausente Relação P-QRS: +P q/ QRS FLUTTER ATRIAL F(A): 205 a 350; F(V): 4:1, 3:1 e 2:1 R(A): regular; R(V): reg. Ou irreg. Formato QRS: normal Onda P: identificável FIBRILAÇÂO ATRIAL F(A): 300 ª 600; F(V): 120 a 200 R: altamente irregular Formato QRS: normal ou anormais Onda P: não discernível e Rel. P-QRS: n:1
  • 20. TAQUICARDIA VENTRICULAR F(V): 100 a 200; F(A): depende do ritmo subjacente R: geralmente são regulares Formato QRS: bizarro e anormal Onda P: difíceis de encontrar Relação: difícil de determinar
  • 21. Referências: -MELCON, T.C; MOSCATO, L.A. Estudo do eletrocardiograma sob uma abordagem matemática. São Paulo: EPUSP, 2007. - LACELVA, C.R; MOURA JÚNIOR, D.F. Terapia intensiva – Enfermagem. São Paulo: Editora Atheneu, 2009. - SILVA, E.M.M. Monitorização cardíaca contínua à beira do leito. Disponível em: http://www.walfredogurgel.rn.gov.br/content/aplicacao/sesap_hwg/servico/74%20monit oriz..[1].pdf. Acesso em: 13/04/2013. - SMELTZER, S.C; et al. Tratado de enfermagem médico-cirugica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. - TALBOT, L; MARQUARDT, M.M. Cuidados Críticos. 3º ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2001. - TOBIN, M.J. Principles and Practice of Intensive Care Monitoring. Mc Graw Hill. 1997.