SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Atuação da Fisioterapia no paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica
A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neuromuscular de caráter degenerativo
e de causa desconhecida, que compromete tanto o Sistema Nervoso Central quanto o
Periférico. Esta afecção é caracterizada pela morte seletiva de um grupo de neurônios motores
da medula, do tronco cerebral e das vias cortico-espinhais e cortico-bulbares. A insuficiência
respiratória progressiva é a principal causa de morte nos pacientes acometidos (BANDEIRA;
QUADROS; ALMEIDA; CALDEIRA, 2010).
A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é considerada a doença de características mais
devastadoras entre todas. Seu diagnóstico é carregado de fatalismo e seu estudo tem sido
objeto de trabalho de um grande número de pesquisadores em todo mundo (XEREZ, 2008).
O fisioterapeuta deve atender às necessidades individuais de cada paciente, considerando-se o
grau de força muscular dos membros superiores e inferiores, o tônus muscular, o padrão da
marcha e o gasto de energia necessário para a realização de determinadas atividades.
Demonstraram que o uso de órteses em pacientes com comprometimento da função
respiratória requer maior dispêndio de energia do que a sua não utilização (FACCHINETTI;
ORSINI; LIMA, 2009).
Apesar dos benefícios relacionados à prática de exercícios mencionados nos estudos
anteriores, ambos excluem os pacientes em estágios mais avançados da doença e que
possivelmente apresentariam algum tipo de limitação para a realização dos exercícios
(FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009).
Com a falta de movimentos nos membros inferiores, o risco de Trombose venosa profunda
aumenta. São recomendadas medidas gerais, como elevação dos MMII, fisioterapia e uso de
meio elástica (XEREZ, 2008).
Apesar do prognóstico reservado dos pacientes com ELA, um programa de exercícios de
fortalecimento pode ser um componente essencial do tratamento; Variáveis como estágio da
doença, intensidade e carga dos exercícios devem ser consideradas antes da elaboração de um
plano de tratamento e frequentemente revisadas; A prática regular de exercícios de carga e
intensidade moderadas pode resultar em melhora do déficit motor, da capacidade funcional e
da qualidade de vida. É possível que o uso da ventilação não invasiva durante a realização dos
exercícios permita uma maior tolerância à prática de atividades físicas e, por isso, reduza as
complicações associadas à imobilidade, atenuando-se desta forma a taxa de progressão da
doença (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009).
A fisiopatologia da insuficiência respiratória nas doenças neuromusculares é complexa e pode
envolver inúmeros fatores associados ou não. Alterações no controle da ventilação,
aparecimento de sinais de fadiga muscular respiratória, alterações nas propriedades mecânicas
do sistema respiratório, mudanças na troca gasosa, especialmente no período noturno, e a
disfunção do trato respiratório superior são algumas possibilidades. Para quantificar estas
modificações respiratórias os estudos acerca do uso da VNI na ELA verificam: as trocas
gasosas e o equilíbrio ácido básico, por meio da gasometria arterial, a Saturação Periférica de
Oxigênio (SpO2), através da oximetria, a força dos músculos ventilatórios, utilizando a
manovacuometria, e a mensuração dos volumes, capacidades e índices integrados, por meio
da espirometria. Vale ressaltar que a indicação da VNI nos portadores de ELA vem sendo
indicada quando há uma redução de 50% do valor predito para Capacidade Vital Forçada
(CVF) (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS;
NASCIMENTO, 2008).
Ensinar ao paciente e seus cuidadores as técnicas de movimentos expiratórios assistidos
usando a tosse assistida manualmente, também pode ser feita pelo fisioterapeuta (XEREZ,
2008).
A degeneração dos neurônios motores inferiores e superiores, atingindo a medula espinhal, o
tronco encefálico e o córtex motor resultam na definição da ELA como doença do neurônio
motor. No momento que os músculos ventilatórios são comprometidos os indivíduos
apresentam restrições pulmonares, caracterizadas por redução da Capacidade Vital (CV) e do
Volume Corrente (VC) com, consequente, insuficiência respiratória crônica (PRESTO;
ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008).
É sabido que não há uma terapia curativa para ELA. Porém, os efeitos das intervenções
refletem na melhoria da qualidade de vida e o aumento da sobrevida. Um exemplo é a
deterioração da função ventilatória, um importante fator de impacto na qualidade de vida e
sobrevivência destes doentes. A melhora desta qualidade se reflete após o tratamento dos
distúrbios do sono com suporte ventilatório não invasivo durante o período noturno na fase
inicial da doença (BANDEIRA; QUADROS; ALMEIDA; CALDEIRA, 2010).
A utilização da VNI nos pacientes com ELA tem sido empregada nos últimos anos com o
objetivo de corrigir a insuficiência respiratória e, por conseguinte, melhorar a qualidade de
vida e prolongar a sobrevivência destes indivíduos. Entretanto, algumas dúvidas ainda
existem quanto ao prolongamento da vida após o uso de VNI nas fases iniciais do
acometimento respiratório (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS;
MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008).
O uso de ventilação mecânica não invasiva durante o exercício aeróbico permitiu uma maior
tolerância à realização da atividade física. Tal recurso permitiu que os pacientes que
realizaram o exercício aeróbico, mesmo em um estágio mais avançado da doença,
desfrutassem dos benefícios resultantes da prática de exercícios demonstrados neste estudo
através de um retardo na progressão da doença e de um melhor desempenho nos testes da
função respiratória (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009).
A fisioterapia respiratória parece melhorar a qualidade de vida e reduzir as complicações
respiratórias causadas pela retenção de secreção e perda da capacidade de tosse (PRESTO;
ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008).
Referências
BANDEIRA, Fabricio Marinho; QUADROS, Nadja Nara C.; ALMEIDA, Karlo Josefo; CALDEIRA, Rafaela.
Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) em
Brasília. Artigo Cientifico (Rev Neurocienc 2010;18(2):133-138). Brasília, 2010. Disponível em:
http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2010/RN1802/412%20original.pdf. Acesso em: 24/05/2013.
FACCHINETTI, Livia D.; ORSINI, Marco; LIMA, Marco Antonio. Os riscos do exercício excessivo na
Esclerose Lateral Amiotrófica: atualização da literatura. Artigo Cientifico (Rev Bras Neurol, 45 (3): 33-38,
2009). Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2009/v45n3/a33-38.pdf.
Acesso em: 24/05/2013.
PRESTO, Bruno; ORSINI, Marco; PRESTO, Luciana; CALHEIROS, Mirian; FREITAS, Marcos; MELLO,
Mariana; REIS, Carlos; NASCIMENTO, Osvaldo. Ventilação Não-Invasiva e Fisioterapia Respiratória para
pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica. Artigo Cientifico (Rev Neurocienc 2008:in press). Rio de
Janeiro, 2008. Disponível em:
http://www.todosporela.org.br/site/downloads/5996deb2f4c5f5e755567a425e335bfb.pdf. Acesso em:
24/05/2013.
XEREZ, Denise R. Reabilitação na Esclerose Lateral Amiotrofica: revisão da literatura. Artigo Cientifico
(ACTA FISIATR 2008; 15(3): 182 – 188). Rio de Janeiro, 2008. Disponível em:
http://todosporela.org.br/site/downloads/ee63006941780db5ab3d929d906408bd.pdf. Acesso em 25/05/2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurançanuiashrl
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motorapauloalambert
 
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbulaAula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbulaHamilton Nobrega
 
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdfLivro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdfKelvia Bailarina
 
Esclerose lateral amiotrófica (ela)
Esclerose lateral amiotrófica (ela)Esclerose lateral amiotrófica (ela)
Esclerose lateral amiotrófica (ela)Margarete Sgarabotto
 
Cotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoCotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoparaiba1974
 
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoMarcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoCaio Veloso da Costa, ICU-PT
 

Mais procurados (20)

Cintura Escapular
Cintura EscapularCintura Escapular
Cintura Escapular
 
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de VidaDesenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
 
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbulaAula 07   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
Aula 07 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - tíbia e fíbula
 
Neuropatias Periféricas
Neuropatias PeriféricasNeuropatias Periféricas
Neuropatias Periféricas
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
 
Aula técnica de higiene das mãos
Aula  técnica de higiene das mãosAula  técnica de higiene das mãos
Aula técnica de higiene das mãos
 
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdfLivro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
Livro completo _cinesiologia_e_biomecanica-1-1.pdf
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Imobilismo
ImobilismoImobilismo
Imobilismo
 
Esclerose lateral amiotrófica (ela)
Esclerose lateral amiotrófica (ela)Esclerose lateral amiotrófica (ela)
Esclerose lateral amiotrófica (ela)
 
Reflexos
Reflexos Reflexos
Reflexos
 
Cotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraçoCotovelo e antebraço
Cotovelo e antebraço
 
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoMarcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Anatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervosoAnatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervoso
 

Destaque

Destaque (17)

Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Doença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar IntersticialDoença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar Intersticial
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonarCorrelação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
Correlação entre pressão intra abdominal elevada e a reexpansão pulmonar
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 

Semelhante a Esclerose lateral amiotrófica (ELA)

Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotrófica
Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotróficaInfluência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotrófica
Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotróficaNelson Henrique
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoadrianomedico
 
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...LEIDIANE ROCHA ROCHA CAVALCANTE
 
Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisãoNatan Pires
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De ArtigoAmiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De ArtigoFisioterapeuta
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososNatha Fisioterapia
 
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...JONATAN ARANA
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoadrianomedico
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Ana Oliveira
 
Banner enfisema pulmonar SAE 2015
Banner enfisema pulmonar SAE 2015Banner enfisema pulmonar SAE 2015
Banner enfisema pulmonar SAE 2015luzienne moraes
 
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fração
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fraçãoBiologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fração
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fraçãoTaryhk macedo
 
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconioses
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconiosesAvaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconioses
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconiosesadrianomedico
 
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososBenefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososMárcio Borges
 
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptx
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptxESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptx
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptxVernicaPiresdaSilva
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Evelyn Feitosa
 

Semelhante a Esclerose lateral amiotrófica (ELA) (20)

A importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
A importância da fisioterapia motora em pacientes críticosA importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
A importância da fisioterapia motora em pacientes críticos
 
Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotrófica
Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotróficaInfluência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotrófica
Influência da ventilação mecânica não invasiva na esclerose lateral amiotrófica
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
8ª aula lesões esportivas
8ª aula   lesões esportivas8ª aula   lesões esportivas
8ª aula lesões esportivas
 
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...
A ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA REABILITAÇÃO DE IDOSOS EM HEMODIÁLISE DECORRENT...
 
Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisão
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De ArtigoAmiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
Efeitos Fisiológicos da Eletroestimulação e Ciclo Ergômetro nos Pacientes Crí...
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
 
Palestra SVV Cref
Palestra SVV CrefPalestra SVV Cref
Palestra SVV Cref
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
 
Hidro na reumato
Hidro na reumatoHidro na reumato
Hidro na reumato
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Banner enfisema pulmonar SAE 2015
Banner enfisema pulmonar SAE 2015Banner enfisema pulmonar SAE 2015
Banner enfisema pulmonar SAE 2015
 
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fração
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fraçãoBiologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fração
Biologia de sistemas aplicada à insuficiência cardíaca com fração
 
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconioses
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconiosesAvaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconioses
Avaliação da disfunção e da incapacidade nas pneumoconioses
 
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososBenefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
 
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptx
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptxESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptx
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA(ELA).pptx
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (12)

Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatórios
 
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE ONCOLÓGICO DA FCECON
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE  ONCOLÓGICO DA FCECONRELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE  ONCOLÓGICO DA FCECON
RELATO DE CASO: REALIZAÇÃO DA POSIÇÃO PRONA EM PACIENTE ONCOLÓGICO DA FCECON
 

Esclerose lateral amiotrófica (ELA)

  • 1. Atuação da Fisioterapia no paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neuromuscular de caráter degenerativo e de causa desconhecida, que compromete tanto o Sistema Nervoso Central quanto o Periférico. Esta afecção é caracterizada pela morte seletiva de um grupo de neurônios motores da medula, do tronco cerebral e das vias cortico-espinhais e cortico-bulbares. A insuficiência respiratória progressiva é a principal causa de morte nos pacientes acometidos (BANDEIRA; QUADROS; ALMEIDA; CALDEIRA, 2010). A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é considerada a doença de características mais devastadoras entre todas. Seu diagnóstico é carregado de fatalismo e seu estudo tem sido objeto de trabalho de um grande número de pesquisadores em todo mundo (XEREZ, 2008). O fisioterapeuta deve atender às necessidades individuais de cada paciente, considerando-se o grau de força muscular dos membros superiores e inferiores, o tônus muscular, o padrão da marcha e o gasto de energia necessário para a realização de determinadas atividades. Demonstraram que o uso de órteses em pacientes com comprometimento da função respiratória requer maior dispêndio de energia do que a sua não utilização (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009). Apesar dos benefícios relacionados à prática de exercícios mencionados nos estudos anteriores, ambos excluem os pacientes em estágios mais avançados da doença e que possivelmente apresentariam algum tipo de limitação para a realização dos exercícios (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009). Com a falta de movimentos nos membros inferiores, o risco de Trombose venosa profunda aumenta. São recomendadas medidas gerais, como elevação dos MMII, fisioterapia e uso de meio elástica (XEREZ, 2008). Apesar do prognóstico reservado dos pacientes com ELA, um programa de exercícios de fortalecimento pode ser um componente essencial do tratamento; Variáveis como estágio da doença, intensidade e carga dos exercícios devem ser consideradas antes da elaboração de um plano de tratamento e frequentemente revisadas; A prática regular de exercícios de carga e intensidade moderadas pode resultar em melhora do déficit motor, da capacidade funcional e da qualidade de vida. É possível que o uso da ventilação não invasiva durante a realização dos exercícios permita uma maior tolerância à prática de atividades físicas e, por isso, reduza as complicações associadas à imobilidade, atenuando-se desta forma a taxa de progressão da doença (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009). A fisiopatologia da insuficiência respiratória nas doenças neuromusculares é complexa e pode envolver inúmeros fatores associados ou não. Alterações no controle da ventilação, aparecimento de sinais de fadiga muscular respiratória, alterações nas propriedades mecânicas do sistema respiratório, mudanças na troca gasosa, especialmente no período noturno, e a disfunção do trato respiratório superior são algumas possibilidades. Para quantificar estas modificações respiratórias os estudos acerca do uso da VNI na ELA verificam: as trocas gasosas e o equilíbrio ácido básico, por meio da gasometria arterial, a Saturação Periférica de Oxigênio (SpO2), através da oximetria, a força dos músculos ventilatórios, utilizando a manovacuometria, e a mensuração dos volumes, capacidades e índices integrados, por meio da espirometria. Vale ressaltar que a indicação da VNI nos portadores de ELA vem sendo indicada quando há uma redução de 50% do valor predito para Capacidade Vital Forçada (CVF) (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008). Ensinar ao paciente e seus cuidadores as técnicas de movimentos expiratórios assistidos usando a tosse assistida manualmente, também pode ser feita pelo fisioterapeuta (XEREZ, 2008).
  • 2. A degeneração dos neurônios motores inferiores e superiores, atingindo a medula espinhal, o tronco encefálico e o córtex motor resultam na definição da ELA como doença do neurônio motor. No momento que os músculos ventilatórios são comprometidos os indivíduos apresentam restrições pulmonares, caracterizadas por redução da Capacidade Vital (CV) e do Volume Corrente (VC) com, consequente, insuficiência respiratória crônica (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008). É sabido que não há uma terapia curativa para ELA. Porém, os efeitos das intervenções refletem na melhoria da qualidade de vida e o aumento da sobrevida. Um exemplo é a deterioração da função ventilatória, um importante fator de impacto na qualidade de vida e sobrevivência destes doentes. A melhora desta qualidade se reflete após o tratamento dos distúrbios do sono com suporte ventilatório não invasivo durante o período noturno na fase inicial da doença (BANDEIRA; QUADROS; ALMEIDA; CALDEIRA, 2010). A utilização da VNI nos pacientes com ELA tem sido empregada nos últimos anos com o objetivo de corrigir a insuficiência respiratória e, por conseguinte, melhorar a qualidade de vida e prolongar a sobrevivência destes indivíduos. Entretanto, algumas dúvidas ainda existem quanto ao prolongamento da vida após o uso de VNI nas fases iniciais do acometimento respiratório (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008). O uso de ventilação mecânica não invasiva durante o exercício aeróbico permitiu uma maior tolerância à realização da atividade física. Tal recurso permitiu que os pacientes que realizaram o exercício aeróbico, mesmo em um estágio mais avançado da doença, desfrutassem dos benefícios resultantes da prática de exercícios demonstrados neste estudo através de um retardo na progressão da doença e de um melhor desempenho nos testes da função respiratória (FACCHINETTI; ORSINI; LIMA, 2009). A fisioterapia respiratória parece melhorar a qualidade de vida e reduzir as complicações respiratórias causadas pela retenção de secreção e perda da capacidade de tosse (PRESTO; ORSINI; PRESTO; CALHEIROS; FREITAS; MELLO; REIS; NASCIMENTO, 2008). Referências BANDEIRA, Fabricio Marinho; QUADROS, Nadja Nara C.; ALMEIDA, Karlo Josefo; CALDEIRA, Rafaela. Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) em Brasília. Artigo Cientifico (Rev Neurocienc 2010;18(2):133-138). Brasília, 2010. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2010/RN1802/412%20original.pdf. Acesso em: 24/05/2013. FACCHINETTI, Livia D.; ORSINI, Marco; LIMA, Marco Antonio. Os riscos do exercício excessivo na Esclerose Lateral Amiotrófica: atualização da literatura. Artigo Cientifico (Rev Bras Neurol, 45 (3): 33-38, 2009). Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2009/v45n3/a33-38.pdf. Acesso em: 24/05/2013. PRESTO, Bruno; ORSINI, Marco; PRESTO, Luciana; CALHEIROS, Mirian; FREITAS, Marcos; MELLO, Mariana; REIS, Carlos; NASCIMENTO, Osvaldo. Ventilação Não-Invasiva e Fisioterapia Respiratória para pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica. Artigo Cientifico (Rev Neurocienc 2008:in press). Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.todosporela.org.br/site/downloads/5996deb2f4c5f5e755567a425e335bfb.pdf. Acesso em: 24/05/2013. XEREZ, Denise R. Reabilitação na Esclerose Lateral Amiotrofica: revisão da literatura. Artigo Cientifico (ACTA FISIATR 2008; 15(3): 182 – 188). Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://todosporela.org.br/site/downloads/ee63006941780db5ab3d929d906408bd.pdf. Acesso em 25/05/2013.