SlideShare uma empresa Scribd logo
Tema
Zootecnia dos suínos da
categoria engorda
Introdução
• A producao de animais para o consum e para o comercio no
cenário atual, é uma forma sustentavel para agro-pecuario para
render fundos e garantir a seguranca alimentar;
• Muitos produtores de animais estao preocupando-se cada vez
mais com segurança alimentar, restrição a uso de
antimicrobianos, proteção ambiental e conceitos de bem estar
animal.
• Nos processos produtivos actuais e dos próximos anos,
seguramente não haverá espaço para uma gestão amadora, sendo
necessária uma análise minuciosa dos dados zootécnicos, a
extrapolação econômica dos mesmos, e acima de tudo uma visão
global de todo processo de produção interno e externo.
Conceitos básicos
• Categoria é classificar, indicar uma qualidade ou um
atributo a algo.
• Engorda é uma categoria de animais que a sua finalidade
destina-se para abate ou para serem comercializados.
• Suinicultura é a criação de suínos para a produção de
alimentos e derivados.
• Pecuária é a actividade de exploração animal.
• Zootécnica é uma ciência que visa desenvolver e
aprimorar as potencialidades dos animais domésticos e
domesticáveis, com finalidade de incrementar sua
produção como fonte alimentar e outras finalidades.
Planeamento da actividade
• Para se implantar um projecto de criação de suínos devem ser
considerados desde a capacidade de investimento do produtor
e a viabilidade económica do negócio até o nível de
produtividade que se deseja atingir e o manejo a ser adoptado.
• Além disso, o bem-estar animal e a ambiência constituem
outros factores indispensáveis.
• O aumento da escala de produção e a migração da actividade
para regiões de clima mais quente também despertaram um
maior interesse na construção de instalações que amenizem as
condições climáticas menos favoráveis.
Característica de suínos da categoria engorda
• Os animais da categoria engorda devem apresentar para
o abate: Carcaças pesadas, com baixa deposição de
gorduras e alto rendimento de carne magra. Devem
serem animais grandes, chegando a atingir mais de um
metro de altura e 1,5 metros da nuca à raiz da cauda, de
pelagem preta, branca ou malhada, pele grossa e com
cerdas compridas, grossas e abundantes.
• A cabeça é comprida e espessa, com orelhas compridas,
largas e pendentes, face pouco desenvolvida e boca
grande. O pescoço é comprido e regularmente
musculado.
Tipo de suínos da categoria engorda
• Existem dois tipos de suínos: o tipo carne e o tipo banha
Tipo Banha
• Morfologicamente, o suíno tipo banha tem uma distribuição
harmónica entre as partes anterior e posterior.
• Tem “enrugamento de pele”, característica que permite a
expansão subcutânea para farta deposição de tecido adiposo.
Tipo Carne
• Teve seu melhoramento voltado à qualidade da carcaça. A
morfologia desse animal está centrada no grande volume
corporal nas regiões de cortes nobres (pernil e lombo). T
• em excelente desempenho produtivo e reprodutivo.
Característica de suínos da categoria engorda
• O tronco é comprido, com dorso arqueado, tórax alto,
achatado e pouco profundo, flanco largo e pouco
descido, garupa estreita descaída e pouco musculada,
ventre esgalgado. Os membros são compridos, ossudos
e pouco musculados, tendo um regular aprumo.
• As coxas são de bom comprimento e deficiente
espessura por serem pouco musculadas; os pés são bem
desenvolvidos. A cauda é grossa e de média inserção.
São animais de temperamento bastante dócil, vagarosos
e com movimentos pouco graciosos e elevada
prolificidade.
Alimentação para Suínos na Engorda
• os suínos se alimentam a fim de atender prioritariamente sua
necessidade energética e, assim sendo, a qualidade e
quantidade da energia consumida irão influenciar a deposição
de gordura e proteína na carcaça dos animais de diferentes
pesos.
• Ressalta-se que as exigências nutricionais dos suínos variam
em função da idade ou, mais freqüentemente, do peso animal,
ou seja, mudam conforme a fase de crescimento.
• Na avaliação da oportunidade de uso do ingrediente
alternativo, deve-se considerar os seguintes pontos específicos:
• Disponibilidade comercial;
• E a quantidade de nutrientes e energia.
Alimentação para Suínos na Engorda
• Disponibilidade comercial: é necessário um suprimento
quantitativamente atractivo e que justifique o esforço de
mudança de fórmulas de ração, pois pequenas quantidades em
geral associadas a sobras de pré-limpeza de cereais não
deveriam ser utilizadas, pois se corre o risco de causarem mais
problemas como alta fibra, sementes tóxicas, micotoxinas etc.
do que vantagens;
• Quantidade de nutrientes e energia: os ingredientes podem ser
mais ou menos densos energeticamente e estimativas de sua
energia podem ser obtidas após análises laboratoriais.
• Análises de composição proximal servem para indicar o
conteúdo de alguns nutrientes e são indispensáveis, se não
houver informação sobre os ingredientes.
Fazes da engordar do porco
• A engorda de um porco para o abate deve levar cerca de 5
meses, desde o nascimento do animal até a fase adulta.
• Há muitas maneiras para engordar um animal com a
quantidade máxima de peso no menor tempo.
• Quanto mais jovem for o porco no abate, mais tenra será sua
carne.
• Escolha uma raça de crescimento rápido e que apresente um
bom rendimento de carne
Influência da dieta de engorda e do peso no
abate do Porco
• A partir de um lote de 40 porcos com 7 meses de idade e
um peso médio de 70 kg PV constituíram-se 2 grupos de
20 animais cada.
• Um grupo foi engordado em montanheira e outro com um
alimento comercial seleccionado de um conjunto de
alimentos comerciais para engorda de porcos Alentejanos.
• A escolha teve por base o facto do teor e composição da
gordura bruta ser semelhante ao da bolota. Efectuaram-se
abates em cada lote de engorda aos 100 e 120 kg PV.
• Foram analisadas 4 carcaças de cada grupo abatido num
total de 16.
Influência da dieta de engorda e do peso no
abate do Porco
• Procedeu-se ao estudo dos seguintes parâmetros: peso e
rendimento de carcaça, peso das principais peças de corte,
área do lombo e espessura da gordura subcutânea dorsal,
e ainda da composição do tecido do membro posterior
direito.
• Os porcos engordados em montanheira apresentaram
maior (P=0,05) rendimento de carcaça (78,48 vs 75,03%)
e uma tendência para um maior peso ponderal e em
percentagem de peças gordas: banhas (2,61 vs 2,39kg;
6,02 vs 5,61%) e manta (engloba toucinho, entremeada e
gordura abdominal) (15,56 vs. 14,06kg; 35,84 vs33,11%).
Conclusão
• A demanda de alimentos para atender às necessidades da
população mundial requer produção intensiva de proteína de
origem animal e das demais fontes de nutrientes, respeitando
cada vez mais as questões sociais, de meio ambiente e
segurança alimentar.
• Os aditivos antimicrobianos (antibióticos e quimioterápicos)
têm sido utilizados desde a década de 50 e são os promotores
do crescimento de uso mais generalizado na produção animal.
• Os animais de engorda devem apresentar para o abate:
Carcaças pesadas, com baixa deposição de gorduras e alto
rendimento de carne magra. As matrizes modernas são
produtos de selecção direccionada onde os parâmetros de
produção e de reprodução são consideradas conjuntamente.
Obrigado pela atenção
Duvidas e sugestões!!
Trabalho executado por:
Frederico Maculuve
E
IvaristoMboa
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Michel Oliveira
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
Amanda Souza
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Hugomar Elicker
 
Ovinos
OvinosOvinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Tiago Maboni Derlan
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
Lucas Camilo
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeosCriação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Renato de Paula
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
Felisberto Fmuandissa
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
ThonJovita
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
André Ferreira
 

Mais procurados (20)

NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeosCriação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 

Destaque

Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
Med. Veterinária 2011
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Silvano Rodrigues
 
Cortes de Carcaça
Cortes de CarcaçaCortes de Carcaça
Cortes de Carcaça
Agricultura Sao Paulo
 
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
AgriPoint
 
Física para Zootecnia - TERMOLOGIA
Física para Zootecnia - TERMOLOGIAFísica para Zootecnia - TERMOLOGIA
Física para Zootecnia - TERMOLOGIA
IFRS - Campus Sertão
 
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas GeraisFaemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
Rural Pecuária
 
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODEZootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Bruno Anacleto
 
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento globalProdução de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
BeefPoint
 
Suinos
SuinosSuinos
Suinos
gepaunipampa
 
Mudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e PecuáriaMudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e Pecuária
Agricultura Sao Paulo
 
Bruna rocha livro digital, zootecnia
Bruna rocha livro digital, zootecniaBruna rocha livro digital, zootecnia
Bruna rocha livro digital, zootecnia
telepic2014
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
Thiago Silverio
 
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagensInstituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Rural Pecuária
 
Projeto minha profissão zootecnia
Projeto minha profissão   zootecniaProjeto minha profissão   zootecnia
Projeto minha profissão zootecnia
Ste Escola Bernardino
 
Seminario de avicultura4
Seminario de avicultura4Seminario de avicultura4
Seminario de avicultura4
vagno_jr
 
Uso da consanguinidade em equinos
Uso da consanguinidade em equinosUso da consanguinidade em equinos
Uso da consanguinidade em equinos
Karynne Chaves
 
Apicultura zootecnia i davi guimaraes
Apicultura zootecnia i davi guimaraesApicultura zootecnia i davi guimaraes
Apicultura zootecnia i davi guimaraes
Davi Guimarães
 
Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2
Bhanny2
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos AlternativosFitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
Ecommerce School - Cursos de Ecommerce e Redes Sociais
 

Destaque (20)

Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
 
Cortes de Carcaça
Cortes de CarcaçaCortes de Carcaça
Cortes de Carcaça
 
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
15 - ultrassonografia de carcaca - selecao e confinamento - ana carolina wide...
 
Física para Zootecnia - TERMOLOGIA
Física para Zootecnia - TERMOLOGIAFísica para Zootecnia - TERMOLOGIA
Física para Zootecnia - TERMOLOGIA
 
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas GeraisFaemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
Faemg divulga o estudo sobre o Diagnóstico da Pecuária de Corte em Minas Gerais
 
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODEZootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
 
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento globalProdução de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
Produção de metano em bovinos e sua contribuição para o aquecimento global
 
Suinos
SuinosSuinos
Suinos
 
Mudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e PecuáriaMudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e Pecuária
 
Bruna rocha livro digital, zootecnia
Bruna rocha livro digital, zootecniaBruna rocha livro digital, zootecnia
Bruna rocha livro digital, zootecnia
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
 
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagensInstituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
Instituto de Zootecnia de São Paulo: Controle de carrapatos nas pastagens
 
Projeto minha profissão zootecnia
Projeto minha profissão   zootecniaProjeto minha profissão   zootecnia
Projeto minha profissão zootecnia
 
Seminario de avicultura4
Seminario de avicultura4Seminario de avicultura4
Seminario de avicultura4
 
Uso da consanguinidade em equinos
Uso da consanguinidade em equinosUso da consanguinidade em equinos
Uso da consanguinidade em equinos
 
Apicultura zootecnia i davi guimaraes
Apicultura zootecnia i davi guimaraesApicultura zootecnia i davi guimaraes
Apicultura zootecnia i davi guimaraes
 
Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2Fisiologia respiratória em aves 2
Fisiologia respiratória em aves 2
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos AlternativosFitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
Fitoterapia Veterinaria - Tratamentos Alternativos
 

Semelhante a Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa

Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Moicano Jason
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Celtaagro
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
LarissaFerreira258
 
Tipificação de carcaça
Tipificação de carcaçaTipificação de carcaça
Tipificação de carcaça
Antonio Marchi
 
Tipificação de carcaça
Tipificação de carcaçaTipificação de carcaça
Tipificação de carcaça
Antonio Marchi
 
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da GuabiManual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Sérgio Amaral
 
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptxApresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
GernimoDaElizabethNi
 
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
ANCP Ribeirão Preto
 
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leiteMelhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
Karynne Chaves
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
Carls Tavares
 
Distribuição de suínos .pptx
Distribuição de suínos .pptxDistribuição de suínos .pptx
Distribuição de suínos .pptx
GernimoDaElizabethNi
 
Projeto coleção cartilhas boi a pasto
Projeto coleção cartilhas boi a pastoProjeto coleção cartilhas boi a pasto
Projeto coleção cartilhas boi a pasto
boiapasto
 
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economicaintrodução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
cleber16
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
O uso de animais para a vida
O uso de animais para a vidaO uso de animais para a vida
O uso de animais para a vida
Jhonnys Max
 
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
fabianomarin1
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
JulioGarcia972475
 
Pré-abate e Abate de animais.pptx
Pré-abate e Abate de animais.pptxPré-abate e Abate de animais.pptx
Pré-abate e Abate de animais.pptx
GiulianeSantos2
 

Semelhante a Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa (20)

Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
 
Tipificação de carcaça
Tipificação de carcaçaTipificação de carcaça
Tipificação de carcaça
 
Tipificação de carcaça
Tipificação de carcaçaTipificação de carcaça
Tipificação de carcaça
 
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da GuabiManual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
Manual de Confinamento de Bovinos de Corte da Guabi
 
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptxApresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
 
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
 
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leiteMelhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
Melhoramento animal,caracteristicas exteriores do bovino de leite
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
Distribuição de suínos .pptx
Distribuição de suínos .pptxDistribuição de suínos .pptx
Distribuição de suínos .pptx
 
Projeto coleção cartilhas boi a pasto
Projeto coleção cartilhas boi a pastoProjeto coleção cartilhas boi a pasto
Projeto coleção cartilhas boi a pasto
 
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economicaintrodução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
O uso de animais para a vida
O uso de animais para a vidaO uso de animais para a vida
O uso de animais para a vida
 
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
 
Pré-abate e Abate de animais.pptx
Pré-abate e Abate de animais.pptxPré-abate e Abate de animais.pptx
Pré-abate e Abate de animais.pptx
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa

  • 1. Tema Zootecnia dos suínos da categoria engorda
  • 2. Introdução • A producao de animais para o consum e para o comercio no cenário atual, é uma forma sustentavel para agro-pecuario para render fundos e garantir a seguranca alimentar; • Muitos produtores de animais estao preocupando-se cada vez mais com segurança alimentar, restrição a uso de antimicrobianos, proteção ambiental e conceitos de bem estar animal. • Nos processos produtivos actuais e dos próximos anos, seguramente não haverá espaço para uma gestão amadora, sendo necessária uma análise minuciosa dos dados zootécnicos, a extrapolação econômica dos mesmos, e acima de tudo uma visão global de todo processo de produção interno e externo.
  • 3. Conceitos básicos • Categoria é classificar, indicar uma qualidade ou um atributo a algo. • Engorda é uma categoria de animais que a sua finalidade destina-se para abate ou para serem comercializados. • Suinicultura é a criação de suínos para a produção de alimentos e derivados. • Pecuária é a actividade de exploração animal. • Zootécnica é uma ciência que visa desenvolver e aprimorar as potencialidades dos animais domésticos e domesticáveis, com finalidade de incrementar sua produção como fonte alimentar e outras finalidades.
  • 4. Planeamento da actividade • Para se implantar um projecto de criação de suínos devem ser considerados desde a capacidade de investimento do produtor e a viabilidade económica do negócio até o nível de produtividade que se deseja atingir e o manejo a ser adoptado. • Além disso, o bem-estar animal e a ambiência constituem outros factores indispensáveis. • O aumento da escala de produção e a migração da actividade para regiões de clima mais quente também despertaram um maior interesse na construção de instalações que amenizem as condições climáticas menos favoráveis.
  • 5. Característica de suínos da categoria engorda • Os animais da categoria engorda devem apresentar para o abate: Carcaças pesadas, com baixa deposição de gorduras e alto rendimento de carne magra. Devem serem animais grandes, chegando a atingir mais de um metro de altura e 1,5 metros da nuca à raiz da cauda, de pelagem preta, branca ou malhada, pele grossa e com cerdas compridas, grossas e abundantes. • A cabeça é comprida e espessa, com orelhas compridas, largas e pendentes, face pouco desenvolvida e boca grande. O pescoço é comprido e regularmente musculado.
  • 6. Tipo de suínos da categoria engorda • Existem dois tipos de suínos: o tipo carne e o tipo banha Tipo Banha • Morfologicamente, o suíno tipo banha tem uma distribuição harmónica entre as partes anterior e posterior. • Tem “enrugamento de pele”, característica que permite a expansão subcutânea para farta deposição de tecido adiposo. Tipo Carne • Teve seu melhoramento voltado à qualidade da carcaça. A morfologia desse animal está centrada no grande volume corporal nas regiões de cortes nobres (pernil e lombo). T • em excelente desempenho produtivo e reprodutivo.
  • 7. Característica de suínos da categoria engorda • O tronco é comprido, com dorso arqueado, tórax alto, achatado e pouco profundo, flanco largo e pouco descido, garupa estreita descaída e pouco musculada, ventre esgalgado. Os membros são compridos, ossudos e pouco musculados, tendo um regular aprumo. • As coxas são de bom comprimento e deficiente espessura por serem pouco musculadas; os pés são bem desenvolvidos. A cauda é grossa e de média inserção. São animais de temperamento bastante dócil, vagarosos e com movimentos pouco graciosos e elevada prolificidade.
  • 8. Alimentação para Suínos na Engorda • os suínos se alimentam a fim de atender prioritariamente sua necessidade energética e, assim sendo, a qualidade e quantidade da energia consumida irão influenciar a deposição de gordura e proteína na carcaça dos animais de diferentes pesos. • Ressalta-se que as exigências nutricionais dos suínos variam em função da idade ou, mais freqüentemente, do peso animal, ou seja, mudam conforme a fase de crescimento. • Na avaliação da oportunidade de uso do ingrediente alternativo, deve-se considerar os seguintes pontos específicos: • Disponibilidade comercial; • E a quantidade de nutrientes e energia.
  • 9. Alimentação para Suínos na Engorda • Disponibilidade comercial: é necessário um suprimento quantitativamente atractivo e que justifique o esforço de mudança de fórmulas de ração, pois pequenas quantidades em geral associadas a sobras de pré-limpeza de cereais não deveriam ser utilizadas, pois se corre o risco de causarem mais problemas como alta fibra, sementes tóxicas, micotoxinas etc. do que vantagens; • Quantidade de nutrientes e energia: os ingredientes podem ser mais ou menos densos energeticamente e estimativas de sua energia podem ser obtidas após análises laboratoriais. • Análises de composição proximal servem para indicar o conteúdo de alguns nutrientes e são indispensáveis, se não houver informação sobre os ingredientes.
  • 10. Fazes da engordar do porco • A engorda de um porco para o abate deve levar cerca de 5 meses, desde o nascimento do animal até a fase adulta. • Há muitas maneiras para engordar um animal com a quantidade máxima de peso no menor tempo. • Quanto mais jovem for o porco no abate, mais tenra será sua carne. • Escolha uma raça de crescimento rápido e que apresente um bom rendimento de carne
  • 11. Influência da dieta de engorda e do peso no abate do Porco • A partir de um lote de 40 porcos com 7 meses de idade e um peso médio de 70 kg PV constituíram-se 2 grupos de 20 animais cada. • Um grupo foi engordado em montanheira e outro com um alimento comercial seleccionado de um conjunto de alimentos comerciais para engorda de porcos Alentejanos. • A escolha teve por base o facto do teor e composição da gordura bruta ser semelhante ao da bolota. Efectuaram-se abates em cada lote de engorda aos 100 e 120 kg PV. • Foram analisadas 4 carcaças de cada grupo abatido num total de 16.
  • 12. Influência da dieta de engorda e do peso no abate do Porco • Procedeu-se ao estudo dos seguintes parâmetros: peso e rendimento de carcaça, peso das principais peças de corte, área do lombo e espessura da gordura subcutânea dorsal, e ainda da composição do tecido do membro posterior direito. • Os porcos engordados em montanheira apresentaram maior (P=0,05) rendimento de carcaça (78,48 vs 75,03%) e uma tendência para um maior peso ponderal e em percentagem de peças gordas: banhas (2,61 vs 2,39kg; 6,02 vs 5,61%) e manta (engloba toucinho, entremeada e gordura abdominal) (15,56 vs. 14,06kg; 35,84 vs33,11%).
  • 13. Conclusão • A demanda de alimentos para atender às necessidades da população mundial requer produção intensiva de proteína de origem animal e das demais fontes de nutrientes, respeitando cada vez mais as questões sociais, de meio ambiente e segurança alimentar. • Os aditivos antimicrobianos (antibióticos e quimioterápicos) têm sido utilizados desde a década de 50 e são os promotores do crescimento de uso mais generalizado na produção animal. • Os animais de engorda devem apresentar para o abate: Carcaças pesadas, com baixa deposição de gorduras e alto rendimento de carne magra. As matrizes modernas são produtos de selecção direccionada onde os parâmetros de produção e de reprodução são consideradas conjuntamente.
  • 14. Obrigado pela atenção Duvidas e sugestões!! Trabalho executado por: Frederico Maculuve E IvaristoMboa Fim