SlideShare uma empresa Scribd logo
Docente:
Hermenegildo Novela
DELEGAÇÃO DE GAZA
Disciplina de Gestão de Mudanças
nas Zonas Rurais
CURSO DE AGRO-PECUÁRIA
1
NOÇÕES DE DESENVOLVIMENTO
COMUNITÁRIO
o Desenvolvimento centrado nas pessoas;
o Garantia de acesso aos recursos;
o Ligação entre auto - ajuda e sustentabilidade;
o Empenhamento institucional para a interacçaõ;
o Organizações participativas;
o Fortalecimento da base económica dos pobres.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
2
Sábio é aquele que conhece os limites da
sua própria ignorância.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
3
O DESENVOLVIMENTO LOCAL E/OU
COMUNITÁRIO
o O desenvolvimento local ou comunitário é o esforço para
melhorar as condições de vida daqueles que habitam um
local (a comunidade e o seu espaço geográfico e cultural)
tomando em linha de conta a especificidade desse local.
o Distingue-se do desenvolvimento de uma população em
geral porque procura o desenvolvimento equilibrado e
integrado de uma comunidade, com o máximo respeito
pelos seus valores próprios e procurando tirar partido da
sua riqueza histórica.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
4
O desenvolvimento local, enquanto acção concertada que conduz a
uma tomada de consciência acerca das potencialidades locais,
promovendo, consequentemente, iniciativas geradoras de riqueza e
de emprego que correspondam a um plano local de
desenvolvimento integrado (desenvolvimento e consolidação da
democracia, desenvolvimento económico e social e inserção da
comunidade nas políticas macro-económicas), é, acima de tudo, a
concertação de estratégias e metodologias de acção que pretendem
alterar, para melhor, o contexto e o nível de vida das pessoas dessa
comunidade.
O DESENVOLVIMENTO LOCAL E/OU
COMUNITÁRIO
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
5
OBJECTIVOS DOS PROJECTOS DE
DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO
o Reforçar e valorizar o potencial humano de
determinada região;
o Fomentar a atracção e fixação de jovens e de
emprego qualificado;
o Melhorar o nível e qualidade do emprego;
o Melhorar a organização do mercado de
formação;
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
6
o Melhorar os níveis de escolaridade e de qualificação
da população residente, em particular dos jovens e
activos;
o Promover os jovens no mercado de trabalho e a
reconverter e reinserir profissionalmente
trabalhadores desempregados.
OBJECTIVOS DOS PROJECTOS DE
DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO CONT
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
7
o Os agentes promotores de desenvolvimento actuam
em estreita ligação com a Administração Central
(através das Direcções e Gabinetes específicos) e com
outros agentes de desenvolvimento, públicos e
privados, desempenhando importantes papéis no
planeamento e na execução de planos e acções em
áreas cruciais, como sejam o investimento (público e
privado), o ordenamento territorial (com especial
ênfase nas infra-estruturas de apoio às actividades
económicas), o emprego, as comunicações e a
cooperação, entre outras.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
8
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
9
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
10
— É importante que se de maior ênfase nas
pessoas tanto no âmbito global (quando se
buscam objetivos como redução da pobreza,
reforma económica ou desenvolvimento
sustentável), quanto no âmbito mais específico
da comunidade.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
11
NA PRÁTICA
o Se inicia com uma análise dos meios de vida das
pessoas e da forma como esses meios mudaram no
decorrer do tempo;
o Envolver as pessoas por inteiro e respeitar suas
opiniões;
o Centra-se no impacto que as diferentes políticas e
dispositivos institucionais têm sobre as pessoas e as
famílias e sobre as dimensões da pobreza, conforme a
definição das próprias pessoas, e não nos recursos ou
nos próprios resultados;
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
12
o Enfatizar a importância de se exercer influência
sobre essas políticas e disposições institucionais para
que promovam os interesses das populações carentes;
o Actuar de forma a apoiar as pessoas para que
alcancem seus próprios objectivos quanto aos seus
meios de vida, embora leve em consideração
questões de sustentabilidade;
NA PRÁTICA CONT.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
13
o A redução sustentável da pobreza só será alcançada se
o auxílio externo (o apoio de fora da família) actuar
com as pessoas de forma consistente, com suas próprias
estratégias de meios de vida, seus ambientes sociais e
sua capacidade de adaptação.
As pessoas, e não os recursos que utilizam ou os
governos que as servem, são a questão central.
NA PRÁTICA CONT.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
14
END!
Moçambicano não CONHECE O NOME DAS COISAS a
qualquer objecto chama coisa, CENA, negócio,
MERDA.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
15
SUSTENTABILIDADE NOS PROJECTOS
DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO
o Deve - se olhar primeiro para a dimensão de
sustentabilidade relacionada com apropriação
e adequação social dos projectos.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
16
AS INTERVENÇÕES PARAAPOIAREM O
DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO SÓ FAZEM SENTIDO
SE:
I.  Responderem aos problemas e desafios cruciais que
existem localmente;
II.  Ajudarem a “comunidade” a fazer o que de outro
modo esta não poderia fazer;
III. Forem adequadas cultural e socialmente; e
IV. Forem apropriados pelas comunidades.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
17
o Não há sustentabilidade no desenvolvimento
comunitário se a comunidade não apropriar e gerir o
processo de desenvolvimento comunitário. Ninguém,
por mais bem intencionado que seja, pode ir de fora
criar “desenvolvimento comunitário”.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
18
COMO É QUE A COMUNIDADE PODE
APROPRIAR E CONTROLAR O SEU PRÓPRIO
DESENVOLVIMENTO?
o  Por um lado, as dinâmicas de desenvolvimento local têm que
ser utilizadas - o que existe e como se interligam os processos
locais.
o  Em relação com este ponto, as acções de desenvolvimento
têm que estar relacionadas com as necessidades (procura) e as
possibilidades (oferta de capacidades).
o  Por outro lado, as intervenções “de fora”, se as houver, terão
que estar alinhadas como as dinâmicas “de dentro” ou serão
tratadas como algo “de fora” e marginalizadas.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
19
o Existe a dimensão da “sustentabilidade financeira e
económica, social e técnica.” Estes aspectos da
sustentabilidade de projectos locais (que,
g en er icamen te, s e p o d em d ef in ir co mo
sustentabilidade socioeconómica dos projectos) estão
estreitamente interligados e são, de facto, inseparáveis.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
20
o A sustentabilidade financeira significa que o que é feito tem
que criar mais recursos financeiros do que os que gasta
para a comunidade, para que esta possa sustentar e
reproduzir, ampliar ou diversificar o projecto.
o A sustentabilidade económica significa que as novas
dinâmicas económicas criadas por projectos - novos
padrões de procura, capacidades criadas, rendimento
gerado, novas exigências de infra-estrutura, etc. - são
reproduzíveis e são possíveis de satisfazer com os
processos de acumulação gerados na comunidade.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
21
o É evidente que não se pode prever e antecipar todas as
questões e resolvê-las de antemão; nem essa
dificuldade deve impedir a realização de projectos de
desenvolvimento.
o O que deve se considerar, no entanto, é que qualquer
projecto novo gera novas dinâmicas económicas na
comunidade, as quais podem gerar outras dinâmicas e
assim por diante.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
22
o O País está completamente cheio de projectos semi -
acabados, com ligações interrompidas, que morreram
no “fim do projecto”, porque a sustentabilidade das
dinâmicas económicas criadas não foi considerada - os
mercados, os preços, os sistemas de abastecimento e
transporte, etc.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
23
o A sustentabilidade social está relacionada com dois
aspectos:
I.  O realismo e aceitação social dos projectos e das
transformações sociais que tais projectos
inevitavelmente introduzem; e
II.  A possibilidade de reproduzir e continuar as
transformações sociais iniciadas pela introdução
de projectos.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
24
o A sustentabilidade técnica e tecnológica está
também ligada a dois aspectos:
I.  A capacidade de absorção, aprendizagem,
adaptação, domínio e inovação; e
II.  A capacidade de reproduzir e ampliar essa
capacidade técnica e tecnológica.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
25
A DIMENSÃO SUSTENTABILIDADE DAS
INTERVENÇÕES DOS AGENTES OU AGÊNCIAS.
o Existem quatro aspectos, estreitamente relacionados
entre si, na análise de sustentabilidade das
intervenções.
I.  Análise de custo-benefício;
II.  A legitimidade e apropriação da intervenção;
III. A sustentabilidade e legitimidade da agência/agente;
IV. A sustentabilidade e legitimidade do método de
intervenção.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
26
o Por melhor intencionada que a intervenção e o agente
sejam, o método pode ditar o fracasso da intervenção.
Por este País fora, há milhares de monumentos a
métodos insustentáveis e não legitimados (ou não
legitimáveis) de intervenções em forma de fracassos.
Dependência é a maior e mais dura forma de
pobreza que podemos ter.
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
27
Obrigado!
3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA
28
Ensinar alguém a contar é importante, mas o bom
mesmo é ensinar a alguém o que realmente conta.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Gmzr aula 3

Sociologia rural
Sociologia ruralSociologia rural
Sociologia rural
Etelvino Ângelo C. Mateus
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças
Fórum de Inovação | Inovação e mudançasFórum de Inovação | Inovação e mudanças
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Texto ead modulo 1 i
Texto ead   modulo 1 iTexto ead   modulo 1 i
Texto ead modulo 1 i
Karlla Costa
 
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programaticaPortugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
Miguel Toscano
 
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma MoedaDesenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
Henrique Santos
 
Anexo iv projeto educativo 13-16 (2)
Anexo iv   projeto educativo 13-16 (2)Anexo iv   projeto educativo 13-16 (2)
Anexo iv projeto educativo 13-16 (2)
AMG Sobrenome
 
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia CriativaComo criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
Ana Maria Magni Coelho
 
Aula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aulaAula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aula
Giovanna Ortiz
 
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
DenizecomZ
 
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
elpa12
 
Gife Jovens Urbanos
Gife Jovens UrbanosGife Jovens Urbanos
Gife Jovens Urbanos
Onda Cidada
 
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do TejoProjecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
golfinhos
 
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento SustentávelCiência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
fabrizioribeiro
 
Fatores condicionantes do progresso econômico e social
Fatores condicionantes do progresso econômico e  socialFatores condicionantes do progresso econômico e  social
Fatores condicionantes do progresso econômico e social
Fernando Alcoforado
 
5. 6. 7. planejamento participativo elementos de uma discussão preliminar
5. 6. 7. planejamento participativo   elementos de uma discussão preliminar5. 6. 7. planejamento participativo   elementos de uma discussão preliminar
5. 6. 7. planejamento participativo elementos de uma discussão preliminar
Claudio Lima
 
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuaçãoPolítica de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
CRESS-MG
 
Plano de governo Aramis Brito 20
Plano de governo Aramis Brito 20Plano de governo Aramis Brito 20
Plano de governo Aramis Brito 20
aramisbrito20
 
POLÍTICAS PÚBLICAS - DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS -  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS -  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS - DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
HenriqueLacerdaNiedd
 
61375 leonardo rosa bento
61375   leonardo rosa bento61375   leonardo rosa bento
61375 leonardo rosa bento
Gelson Pereira
 
Programa de governo do candidato João Campos
Programa de governo do candidato João CamposPrograma de governo do candidato João Campos
Programa de governo do candidato João Campos
politicaleiaja
 

Semelhante a Gmzr aula 3 (20)

Sociologia rural
Sociologia ruralSociologia rural
Sociologia rural
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças
Fórum de Inovação | Inovação e mudançasFórum de Inovação | Inovação e mudanças
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças
 
Texto ead modulo 1 i
Texto ead   modulo 1 iTexto ead   modulo 1 i
Texto ead modulo 1 i
 
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programaticaPortugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
Portugal 2020 - envelope financeiro e arquitectura programatica
 
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma MoedaDesenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
Desenvolvimento Comunitário vs. Educação: Duas Faces da mesma Moeda
 
Anexo iv projeto educativo 13-16 (2)
Anexo iv   projeto educativo 13-16 (2)Anexo iv   projeto educativo 13-16 (2)
Anexo iv projeto educativo 13-16 (2)
 
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia CriativaComo criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
Como criar um ambiente propício ao fortalecimento da Economia Criativa
 
Aula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aulaAula 18 cidades aula
Aula 18 cidades aula
 
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
Chamada pública 001 2013 - finanças solidárias 24 05 13
 
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
Paper icim formação cidadã port atualizado 281013
 
Gife Jovens Urbanos
Gife Jovens UrbanosGife Jovens Urbanos
Gife Jovens Urbanos
 
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do TejoProjecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
Projecto educativo do Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo
 
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento SustentávelCiência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável
 
Fatores condicionantes do progresso econômico e social
Fatores condicionantes do progresso econômico e  socialFatores condicionantes do progresso econômico e  social
Fatores condicionantes do progresso econômico e social
 
5. 6. 7. planejamento participativo elementos de uma discussão preliminar
5. 6. 7. planejamento participativo   elementos de uma discussão preliminar5. 6. 7. planejamento participativo   elementos de uma discussão preliminar
5. 6. 7. planejamento participativo elementos de uma discussão preliminar
 
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuaçãoPolítica de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
Política de desenvolvimento urbano: um campo de atuação
 
Plano de governo Aramis Brito 20
Plano de governo Aramis Brito 20Plano de governo Aramis Brito 20
Plano de governo Aramis Brito 20
 
POLÍTICAS PÚBLICAS - DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS -  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptxPOLÍTICAS PÚBLICAS -  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
POLÍTICAS PÚBLICAS - DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL - APLS.pptx
 
61375 leonardo rosa bento
61375   leonardo rosa bento61375   leonardo rosa bento
61375 leonardo rosa bento
 
Programa de governo do candidato João Campos
Programa de governo do candidato João CamposPrograma de governo do candidato João Campos
Programa de governo do candidato João Campos
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 
Dpp1
Dpp1Dpp1

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 

Último

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 

Último (11)

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 

Gmzr aula 3

  • 1. Docente: Hermenegildo Novela DELEGAÇÃO DE GAZA Disciplina de Gestão de Mudanças nas Zonas Rurais CURSO DE AGRO-PECUÁRIA 1
  • 2. NOÇÕES DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO o Desenvolvimento centrado nas pessoas; o Garantia de acesso aos recursos; o Ligação entre auto - ajuda e sustentabilidade; o Empenhamento institucional para a interacçaõ; o Organizações participativas; o Fortalecimento da base económica dos pobres. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 2
  • 3. Sábio é aquele que conhece os limites da sua própria ignorância. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 3
  • 4. O DESENVOLVIMENTO LOCAL E/OU COMUNITÁRIO o O desenvolvimento local ou comunitário é o esforço para melhorar as condições de vida daqueles que habitam um local (a comunidade e o seu espaço geográfico e cultural) tomando em linha de conta a especificidade desse local. o Distingue-se do desenvolvimento de uma população em geral porque procura o desenvolvimento equilibrado e integrado de uma comunidade, com o máximo respeito pelos seus valores próprios e procurando tirar partido da sua riqueza histórica. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 4
  • 5. O desenvolvimento local, enquanto acção concertada que conduz a uma tomada de consciência acerca das potencialidades locais, promovendo, consequentemente, iniciativas geradoras de riqueza e de emprego que correspondam a um plano local de desenvolvimento integrado (desenvolvimento e consolidação da democracia, desenvolvimento económico e social e inserção da comunidade nas políticas macro-económicas), é, acima de tudo, a concertação de estratégias e metodologias de acção que pretendem alterar, para melhor, o contexto e o nível de vida das pessoas dessa comunidade. O DESENVOLVIMENTO LOCAL E/OU COMUNITÁRIO 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 5
  • 6. OBJECTIVOS DOS PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO o Reforçar e valorizar o potencial humano de determinada região; o Fomentar a atracção e fixação de jovens e de emprego qualificado; o Melhorar o nível e qualidade do emprego; o Melhorar a organização do mercado de formação; 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 6
  • 7. o Melhorar os níveis de escolaridade e de qualificação da população residente, em particular dos jovens e activos; o Promover os jovens no mercado de trabalho e a reconverter e reinserir profissionalmente trabalhadores desempregados. OBJECTIVOS DOS PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO CONT 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 7
  • 8. o Os agentes promotores de desenvolvimento actuam em estreita ligação com a Administração Central (através das Direcções e Gabinetes específicos) e com outros agentes de desenvolvimento, públicos e privados, desempenhando importantes papéis no planeamento e na execução de planos e acções em áreas cruciais, como sejam o investimento (público e privado), o ordenamento territorial (com especial ênfase nas infra-estruturas de apoio às actividades económicas), o emprego, as comunicações e a cooperação, entre outras. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 8
  • 11. — É importante que se de maior ênfase nas pessoas tanto no âmbito global (quando se buscam objetivos como redução da pobreza, reforma económica ou desenvolvimento sustentável), quanto no âmbito mais específico da comunidade. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 11
  • 12. NA PRÁTICA o Se inicia com uma análise dos meios de vida das pessoas e da forma como esses meios mudaram no decorrer do tempo; o Envolver as pessoas por inteiro e respeitar suas opiniões; o Centra-se no impacto que as diferentes políticas e dispositivos institucionais têm sobre as pessoas e as famílias e sobre as dimensões da pobreza, conforme a definição das próprias pessoas, e não nos recursos ou nos próprios resultados; 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 12
  • 13. o Enfatizar a importância de se exercer influência sobre essas políticas e disposições institucionais para que promovam os interesses das populações carentes; o Actuar de forma a apoiar as pessoas para que alcancem seus próprios objectivos quanto aos seus meios de vida, embora leve em consideração questões de sustentabilidade; NA PRÁTICA CONT. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 13
  • 14. o A redução sustentável da pobreza só será alcançada se o auxílio externo (o apoio de fora da família) actuar com as pessoas de forma consistente, com suas próprias estratégias de meios de vida, seus ambientes sociais e sua capacidade de adaptação. As pessoas, e não os recursos que utilizam ou os governos que as servem, são a questão central. NA PRÁTICA CONT. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 14
  • 15. END! Moçambicano não CONHECE O NOME DAS COISAS a qualquer objecto chama coisa, CENA, negócio, MERDA. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 15
  • 16. SUSTENTABILIDADE NOS PROJECTOS DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO o Deve - se olhar primeiro para a dimensão de sustentabilidade relacionada com apropriação e adequação social dos projectos. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 16
  • 17. AS INTERVENÇÕES PARAAPOIAREM O DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO SÓ FAZEM SENTIDO SE: I.  Responderem aos problemas e desafios cruciais que existem localmente; II.  Ajudarem a “comunidade” a fazer o que de outro modo esta não poderia fazer; III. Forem adequadas cultural e socialmente; e IV. Forem apropriados pelas comunidades. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 17
  • 18. o Não há sustentabilidade no desenvolvimento comunitário se a comunidade não apropriar e gerir o processo de desenvolvimento comunitário. Ninguém, por mais bem intencionado que seja, pode ir de fora criar “desenvolvimento comunitário”. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 18
  • 19. COMO É QUE A COMUNIDADE PODE APROPRIAR E CONTROLAR O SEU PRÓPRIO DESENVOLVIMENTO? o  Por um lado, as dinâmicas de desenvolvimento local têm que ser utilizadas - o que existe e como se interligam os processos locais. o  Em relação com este ponto, as acções de desenvolvimento têm que estar relacionadas com as necessidades (procura) e as possibilidades (oferta de capacidades). o  Por outro lado, as intervenções “de fora”, se as houver, terão que estar alinhadas como as dinâmicas “de dentro” ou serão tratadas como algo “de fora” e marginalizadas. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 19
  • 20. o Existe a dimensão da “sustentabilidade financeira e económica, social e técnica.” Estes aspectos da sustentabilidade de projectos locais (que, g en er icamen te, s e p o d em d ef in ir co mo sustentabilidade socioeconómica dos projectos) estão estreitamente interligados e são, de facto, inseparáveis. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 20
  • 21. o A sustentabilidade financeira significa que o que é feito tem que criar mais recursos financeiros do que os que gasta para a comunidade, para que esta possa sustentar e reproduzir, ampliar ou diversificar o projecto. o A sustentabilidade económica significa que as novas dinâmicas económicas criadas por projectos - novos padrões de procura, capacidades criadas, rendimento gerado, novas exigências de infra-estrutura, etc. - são reproduzíveis e são possíveis de satisfazer com os processos de acumulação gerados na comunidade. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 21
  • 22. o É evidente que não se pode prever e antecipar todas as questões e resolvê-las de antemão; nem essa dificuldade deve impedir a realização de projectos de desenvolvimento. o O que deve se considerar, no entanto, é que qualquer projecto novo gera novas dinâmicas económicas na comunidade, as quais podem gerar outras dinâmicas e assim por diante. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 22
  • 23. o O País está completamente cheio de projectos semi - acabados, com ligações interrompidas, que morreram no “fim do projecto”, porque a sustentabilidade das dinâmicas económicas criadas não foi considerada - os mercados, os preços, os sistemas de abastecimento e transporte, etc. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 23
  • 24. o A sustentabilidade social está relacionada com dois aspectos: I.  O realismo e aceitação social dos projectos e das transformações sociais que tais projectos inevitavelmente introduzem; e II.  A possibilidade de reproduzir e continuar as transformações sociais iniciadas pela introdução de projectos. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 24
  • 25. o A sustentabilidade técnica e tecnológica está também ligada a dois aspectos: I.  A capacidade de absorção, aprendizagem, adaptação, domínio e inovação; e II.  A capacidade de reproduzir e ampliar essa capacidade técnica e tecnológica. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 25
  • 26. A DIMENSÃO SUSTENTABILIDADE DAS INTERVENÇÕES DOS AGENTES OU AGÊNCIAS. o Existem quatro aspectos, estreitamente relacionados entre si, na análise de sustentabilidade das intervenções. I.  Análise de custo-benefício; II.  A legitimidade e apropriação da intervenção; III. A sustentabilidade e legitimidade da agência/agente; IV. A sustentabilidade e legitimidade do método de intervenção. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 26
  • 27. o Por melhor intencionada que a intervenção e o agente sejam, o método pode ditar o fracasso da intervenção. Por este País fora, há milhares de monumentos a métodos insustentáveis e não legitimados (ou não legitimáveis) de intervenções em forma de fracassos. Dependência é a maior e mais dura forma de pobreza que podemos ter. 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 27
  • 28. Obrigado! 3/1/16 HERMENEGILDO NOVELA 28 Ensinar alguém a contar é importante, mas o bom mesmo é ensinar a alguém o que realmente conta.