SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
PNCEBT - Departamento de Defesa
MINISTÉRIO DAMINISTÉRIO DA
AGRICULTURA,AGRICULTURA,
PECUÁRIA EPECUÁRIA E
ABASTECIMENTOABASTECIMENTO
Secretaria de Defesa Agropecuária
Departamento de Defesa Animal
Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários
Programa Nacional de Controle e Erradicação
da Brucelose e da Tuberculose Animal
PNCEBT - Departamento de Defesa
PRESIDENTE DA REPÚBLICA
• Luiz Inácio Lula da Silva
MINISTRO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO
• Roberto Rodrigues
SECRETÁRIO EXECUTIVO
• José Amauri Dimarzio
SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA
• Maçao Tadano
DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL
• Jorge Caetano Júnior
COORDENADOR DE VIGILÂNCIA E PROGRAMAS SANITÁRIOS
• Jamil Gomes de Souza
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE
ANIMAL - PNCEBT
• José Ricardo Lôbo
• Ana Margarida Pantaleoni
• Vera Cecilia Ferreira de Figueiredo
PNCEBT - Departamento de Defesa
Andrey Pereira Lage Universidade Federal de Minas Gerais
Eliana Roxo Instituto Biológico de São Paulo
Ernst Eckehardt Muller Universidade Estadual de Londrina
Fernando Padilla Poester Consultor do LARA/MG - MAPA
João Crisostomo Mauad Cavalléro SSA/DFA/MS - MAPA
José Soares Ferreira Neto Universidade de São Paulo
Pedro Moacyr Pinto Coelho Mota LARA/MG - MAPA
Vitor Salvador Picão Gonçalves Universidade de Brasília
Material Elaborado pelo ComitêMaterial Elaborado pelo Comitê
Científico Consultivo do PNCEBTCientífico Consultivo do PNCEBT
PNCEBT - Departamento de Defesa
BRUCELOSEBRUCELOSE
BOVINABOVINA
PNCEBT - Departamento de Defesa
Temas AbordadosTemas Abordados
• Definição
• Etiologia
• Epidemiologia
• Importância
econômica
• Transmissão
• Patogenia
• Sinais clínicos
• Diagnóstico
• Controle
PNCEBT - Departamento de Defesa
Brucelose BovinaBrucelose Bovina
• DEFINIÇÃO
– Doença infecto-contagiosa provocada por
bactérias do Gênero Brucella.
– Caracteriza-se por provocar abortos
geralmente no terço final
da gestação, nascimento de bezerros
fracos, retenção de placenta, repetição de
cio e descargas uterinas com grande
eliminação da bactéria, podendo ainda
transmitir-se ao homem.
PNCEBT - Departamento de Defesa
– BOVINOS
Doença de Bang;
Aborto contagioso;
Aborto infeccioso.
• SINONÍMIA
– HOMEM
Febre ondulante;
Febre de Malta.
BruceloseBrucelose BovinaBovina
PNCEBT - Departamento de Defesa
EtiologiaEtiologia
B. melitensis - Bruce ⇒ 1887 - Malta - 3 biovares
B. abortus - Bang ⇒ 1897 - Dinamarca - 7 biovares
B. suis - Traum ⇒ 1914 - EUA - 5 biovares
B. ovis - Buddle ⇒ 1953 - Nova Zelândia
B. neotomae - Stoenner ⇒ 1957 – EUA
B. canis - Carmichael ⇒ 1968 - EUA
Ross et al. ⇒ 1994 - Escócia – isolamento em mamíferos marinhos
Proposta: “Brucella cetaceae” - isolamentos de cetáceos
“Brucella pinnipediae” - isolamentos de focas
PNCEBT - Departamento de Defesa
Brucella abortusBrucella abortus
ResistênciaResistência
• Luz solar direta 4 - 5 horas
• Solo seco 4 dias
• Solo úmido 66 dias
– a baixas temperaturas 151 - 185 dias
• Fezes 120 dias
• Dejetos a altas temperaturas 2 - 4 horas
• Esgoto 8 - 240/700 dias
• Água potável 5 - 114 dias
• Água poluída 30 - 150 dias
• Feto à sombra 180 dias
• Exsudato uterino 200 dias
Fonte: Wray, 1975.
PNCEBT - Departamento de Defesa
• Leite 17 dias
• Leite congelado > 800 dias
• Queijos até 6 meses
• Manteiga até 4 meses
• Iogurte até 96 dias
• Temperatura de 60ºC 10 minutos
• Temperatura de 71,7ºC 15 segundos
Brucella abortusBrucella abortus
ResistênciaResistência
PNCEBT - Departamento de Defesa
• DESINFETANTES
– Álcool 96o
GL
– Hipoclorito de sódio 5%
– Hipoclorito de cálcio 5%
– Formol 3%
– Fenol 5%
• CALOR
– Autoclavação: 120o
C por 20 minutos
– Pasteurização lenta: 65o
C por 30 minutos
– Pasteurização rápida: 72 a 74o
C por 15-20 segundos
– Fervura
Fonte: WHO/VPH/84.4.
Brucella abortusBrucella abortus
DestruiçãoDestruição
PNCEBT - Departamento de Defesa
• DISTRIBUIÇÃO
– Mundial
 Maior prevalência em países em
desenvolvimento.
 Erradicada ou em erradicação em
alguns países desenvolvidos.
EpidemiologiaEpidemiologia
PNCEBT - Departamento de Defesa
• DISTRIBUIÇÃO
– Brasil
– 1975 -- Último estudo nacional oficial:
Região Norte 4,1%
Região Nordeste 2,5%
Região Centro-Oeste 6,8%
Região Sudeste 7,5%
Região Sul 4,0%
Fonte: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO.
Diagnóstico de Saúde Animal, 1977.
EpidemiologiaEpidemiologia
PNCEBT - Departamento de Defesa
Brucelose - % Animais Reagentes
Norte 9,53
Nordeste 3,74
Centro-Oeste 2,59
Sudeste 1,02
Sul 0,76
Total 2,75
Fonte: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO.
Boletim de Defesa Sanitária Animal. V. 29, n. 1-4. 1996.
• DISTRIBUIÇÃO
EpidemiologiaEpidemiologia
PNCEBT - Departamento de Defesa
B. abortus: biovares 1,2 e 3 B. suis: biovar 1
B. ovis B. canis
Brucelose
Brucelas confirmadas no Brasil
até 1985
Fonte: Carrillo,1990.
PNCEBT - Departamento de Defesa
Importância EconômicaImportância Econômica
• PERDAS PARA A PECUÁRIA
 Aborto
 Repetição de cio
 Bezerros fracos
 Diminuição na produção de leite
 Redução do tempo de vida produtiva
 Custos de reposição de animais
 Limitação na comercialização de animais
PNCEBT - Departamento de Defesa
Cadeia deCadeia de TransmissãoTransmissão
• Fonte de Infecção
– Animais infectados
• Vias de Eliminação
– Feto e anexos fetais, secreções vaginais, leite,
sêmen, fezes e urina
• Vias de Transmissão
– Água, pastagem e fômites contaminados
– Sêmen
– Leite e derivados crus
PNCEBT - Departamento de Defesa
• Porta de Entrada
– Oro-faríngea
– Mucosas (conjuntiva, respiratória e genital)
– Pele com solução de continuidade
• Suscetíveis
– Mamíferos domésticos e silvestres
– Homem
Cadeia de TransmissãoCadeia de Transmissão
PNCEBT - Departamento de Defesa
Oral
Conjuntiva ocular
Genital
Pele lesada
Respiratória
Linfonodo regional
• Hemática
• Linfática
Linfonodos
Baço
Fígado
Sistema reprodutivo
Útero
Úbere
Articulações
Porta de Entrada
PatogeniaPatogenia
Disseminação
PNCEBT - Departamento de Defesa
Aborto
Bezerros fracos
Natimortos
Tropismo pelo útero gestante e
placenta
Placentite necrótica
Doença na FêmeaDoença na Fêmea
Retenção de placenta
Endometrite
Infertilidade
PNCEBT - Departamento de Defesa
Inflamação aguda sistema reprodutivo
Orquite uni ou bilateral
(pus, fibrose ou necrose),
Epididimite,Vesiculite
Infertilidade
Testículo
Epidídimo
Vesículas seminais
Ampolas seminais
Cronificação
(assintomática)
Doença no MachoDoença no Macho
PNCEBT - Departamento de Defesa
• DIRETOS
– Presença do agente etiológico:
 Isolamento do agente em meio de
cultura e identificação bioquímica
 Detecção de DNA (PCR)
• INDIRETOS
– Pesquisa de anticorpos específicos
Métodos de DiagnósticoMétodos de Diagnóstico
da Brucelose Bovinada Brucelose Bovina
PNCEBT - Departamento de Defesa
Equipamentos de biossegurança nível 3
para pesquisa de Brucella sp
Diagnóstico da BruceloseDiagnóstico da Brucelose
BovinaBovina
PNCEBT - Departamento de Defesa
Diagnóstico BacteriológicoDiagnóstico Bacteriológico
da Bruceloseda Brucelose
• Meio de Farrell: agar triptose + soro (5%) + antibióticos
(Polimixina B, Bacitracina, Cicloheximide, Nistatina, Ácido Nalidíxico,
Vancomicina).
• MATERIAL
– Da vaca : linfonodos (parotídeo, pré-escapular, bronquial, ilíaco
interno, supra-mamário) cotilédone, suabe vaginal,
baço, leite.
– Do feto : linfonodo bronquial, conteúdo estomacal, baço,
fígado, pulmão, suabe retal.
PNCEBT - Departamento de Defesa
Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da
BruceloseBrucelose
• Reação antígeno-anticorpo em resposta à infecção.
• Infecção por brucelas lisas induzem anticorpos
anti-brucelas lisas:
– reação cruzada entre: B. abortus, B. melitensis
e B. suis.
• Infecção por brucelas rugosas induzem anticorpos
anti-brucelas rugosas:
– reação cruzada entre: B. canis e B. ovis.
• Principal antígeno envolvido: Lipopolissacarídeo.
PNCEBT - Departamento de Defesa
 Fácil execução e interpretação
 Rapidez na obtenção dos resultados
 Baixo custo
(triagem e algumas confirmatórias)
 Provas padronizadas internacionalmente
Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da
BruceloseBrucelose
PNCEBT - Departamento de Defesa
0
50
100
150
200
250
0 5 12
Tempo em meses
TítulodeAnticorposemUI
IgG1
IgM
IgA
IgG2
• Título de anticorpos em bovinos infectados com
Brucella abortus ao longo do tempo.
Fonte: Adaptado de Nielsen et al., 1996.
Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da
BruceloseBrucelose
PNCEBT - Departamento de Defesa
• Título de anticorpos em bezerras vacinadas entre
3 e 8 meses de idade com Brucella abortus amostra B19.
0
50
100
150
200
250
0 2 4 5 8 10 12
Tempo em meses
TítulodeAnticorposemUI
IgG1
IgM
IgA
IgG2
Fonte: Adaptado de Nielsen et al., 1996.
Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da
BruceloseBrucelose
PNCEBT - Departamento de Defesa
Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose
(Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT)
Teste de triagem diagnóstica:Teste de triagem diagnóstica:
Teste do Antígeno Acidificado Tamponado (AAT)
(Rosa de Bengala)(Rosa de Bengala)
Teste confirmatório de diagnóstico:Teste confirmatório de diagnóstico:
Teste do 2-Mercaptoetanol (2-ME)
(2-Mercaptoetanol + Soroaglutinação Lenta)(2-Mercaptoetanol + Soroaglutinação Lenta)
Teste de referência para trânsito internacional:Teste de referência para trânsito internacional:
Teste de Fixação de Complemento (FC)
Teste para vigilância epidemiológica:Teste para vigilância epidemiológica:
Teste do Anel em Leite (TAL)
PNCEBT - Departamento de Defesa
Teste do Antígeno Acidificado Tamponado
positivonegativoReação positiva
Teste do Anel em Leite
Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose
(Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT)
PNCEBT - Departamento de Defesa
Teste do 2-Mercaptoetanol
1:50 1:100 1:2001:25
positivo negativo positivo
Teste de Fixação de Complemento
Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose
(Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT)
PNCEBT - Departamento de Defesa
Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas com idadeInterpretação do teste do 2-ME para fêmeas com idade
igual ou superior a 24 meses, que foram vacinadasigual ou superior a 24 meses, que foram vacinadas
entre três e oito meses de idade.entre três e oito meses de idade.
2-ME
SAL
NR 25I 25 50I 50 100I 100 200I 200
NR -
25I - -
25 - - +
50I - - + +
50 - - + + +
100I - - + + + +
100 Inc Inc + + + + +
200I Inc Inc + + + + + +
200 Inc Inc + + + + + + +
2-ME: 2-mercaptoetanol SAL: soro-aglutinação lenta NR: não reagiu I: reação incompleta Inc: reação inconclusiva
PNCEBT - Departamento de Defesa
Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas nãoInterpretação do teste do 2-ME para fêmeas não
vacinadas e machos com mais de 8 meses.vacinadas e machos com mais de 8 meses.
2-ME
SAL
NR 25I 25 50I 50 100I 100 200I 200
NR -
25I - -
25 - - +
50I - - + +
50 Inc Inc + + +
100I Inc Inc + + + +
100 Inc Inc + + + + +
200I Inc Inc + + + + + +
200 Inc Inc + + + + + + +
2-ME: 2-mercaptoetanol SAL: soro-aglutinação lenta NR: não reagiu I: reação incompleta Inc: reação inconclusiva
PNCEBT - Departamento de Defesa
Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose
• Vacina B19
 Amostra B19 B. abortus, lisa, viva atenuada
 Aplicação em bezerras entre 3 e 8 meses de
idade (preferencialmente até os 6 meses)
 Cuidados na aplicação
 Não pode ser usada fora das especificações
 Patogênica para o homem
PNCEBT - Departamento de Defesa
 É de reduzida virulência
 É estável e causa reações mínimas
 Protege cerca de 70% dos animais
 Imunidade por aproximadamente 7 anos
 Dose única
 Não tem ação curativa
 Vacinação de fêmeas entre 3 a 8 meses de idade
 Persistência de anticorpos em animais vacinados
acima de 8 meses de idade
Amostra B19 de B. abortus
Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose
PNCEBT - Departamento de Defesa
• Amostra rugosa viva atenuada de Brucella abortus
• Não interfere nas provas sorológicas oficiais
• Vacina oficial nos EUA e Chile
• Uso permitido, juntamente com B19, na Colômbia, México,
Costa Rica, Paraguai e Venezuela
• EUA: vacinação de bovinos entre 4 a 12 meses de idade
• Outros países: revacinação após 12 meses
• Proteção semelhante à B19
Fonte: OIE, 2004.
Vacina não Indutora de Anticorpos Aglutinantes
Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose
PNCEBT - Departamento de Defesa
Vacina não Indutora deVacina não Indutora de
Anticorpos AglutinantesAnticorpos Aglutinantes
 Permitirá aumentar a cobertura vacinal
 Recomendado o uso em:
– Fêmeas adultas que nunca foram vacinadas
– Falha na imunidade do rebanho (FOCO), com
eliminação dos animais reagentes ao teste, seguido
de vacinação dos restantes
– Situações de alto risco de infecção
– Vacinações estratégicas
PNCEBT - Departamento de Defesa
Vacina não Indutora deVacina não Indutora de
Anticorpos AglutinantesAnticorpos Aglutinantes
 Não deve ser utilizada em machos e fêmeas
prenhes
 Cuidados na aplicação
 Não pode ser usada fora das especificações
 Potencialmente patogênica para o homem
PNCEBT - Departamento de Defesa
Combate à Brucelose BovinaCombate à Brucelose Bovina
 Educação sanitária
 Vacinação
 Rotina de testes sorológicos
 Abate sanitário ou destruição dos animais reagentes
 Desinfecção das instalações e destruição
de restos placentários, fetos abortados e secreções
 Piquetes maternidade
 Quarentena de animais introduzidos no rebanho
 Exame de saúde das pessoas envolvidas
PNCEBT - Departamento de Defesa
Fotos gentilmente cedidas pelas
Instituições:
 LARA/MG/MAPA
 UFMG
 Instituto Biológico
PNCEBT - Departamento de Defesa
www.agricultura.gov.br
tub-bru@agricultura.gov.br
Obrigado por sua atenção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
AgroTalento
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
UFPEL
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonose
Fmodri3
 
Modelo laudo de necropsia p alunos
Modelo laudo de necropsia p alunosModelo laudo de necropsia p alunos
Modelo laudo de necropsia p alunos
Jamile Vitória
 
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia   clinica de ruminantesPolioencefalomalacia   clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
Pedro Augusto
 

Mais procurados (20)

Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Rinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos SuínosRinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos Suínos
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
 
Vacinação Animal
Vacinação AnimalVacinação Animal
Vacinação Animal
 
Informativo tuberculose zoonose
Informativo tuberculose   zoonoseInformativo tuberculose   zoonose
Informativo tuberculose zoonose
 
Febre aftosa
Febre aftosaFebre aftosa
Febre aftosa
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
FIV e FeLV
FIV e FeLVFIV e FeLV
FIV e FeLV
 
Tripanossomose bovina
Tripanossomose bovinaTripanossomose bovina
Tripanossomose bovina
 
Modelo laudo de necropsia p alunos
Modelo laudo de necropsia p alunosModelo laudo de necropsia p alunos
Modelo laudo de necropsia p alunos
 
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia   clinica de ruminantesPolioencefalomalacia   clinica de ruminantes
Polioencefalomalacia clinica de ruminantes
 
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021
 
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
10 doencas infecciosas.ppt-_modo_de_compatibilidade_
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 

Semelhante a Brucelose 01

Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009
UFPEL
 
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos LeiteirosNeosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Rural Pecuária
 

Semelhante a Brucelose 01 (20)

Zoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas iZoonoses bacterianas i
Zoonoses bacterianas i
 
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e EsclarecendoZika Vírus - O que sabemos?  Desmitificando e Esclarecendo
Zika Vírus - O que sabemos? Desmitificando e Esclarecendo
 
Neosporose em rebanhos bovinos leiteiros
Neosporose em rebanhos bovinos leiteirosNeosporose em rebanhos bovinos leiteiros
Neosporose em rebanhos bovinos leiteiros
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
 
Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009Apresentação sobre Enapave 2009
Apresentação sobre Enapave 2009
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza  Desmistificando e EsclarecendoArboviroses e Influenza  Desmistificando e Esclarecendo
Arboviroses e Influenza Desmistificando e Esclarecendo
 
Desmistificando o Zika e outras Arboviroses: O que é Boato? O que a Ciência j...
Desmistificando o Zika e outras Arboviroses: O que é Boato? O que a Ciência j...Desmistificando o Zika e outras Arboviroses: O que é Boato? O que a Ciência j...
Desmistificando o Zika e outras Arboviroses: O que é Boato? O que a Ciência j...
 
Palestra brucelose humana congresso 2015 jakobi
Palestra brucelose humana congresso 2015 jakobiPalestra brucelose humana congresso 2015 jakobi
Palestra brucelose humana congresso 2015 jakobi
 
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose BovinaApresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
Apresentaçao XI encontro Med Vet UESC Tuberculose Bovina
 
Relato de caso- Clinica Medica veterinária- Maceração Fetal.
Relato de caso- Clinica Medica veterinária- Maceração Fetal.Relato de caso- Clinica Medica veterinária- Maceração Fetal.
Relato de caso- Clinica Medica veterinária- Maceração Fetal.
 
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...O Risco das Arboviroses e das DSTs:  Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e ...
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PECT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
 
HIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
HIV/AIDS - Temas Atuais em SaúdeHIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
HIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Prevencao Cura HIV Alexandre Barbosa Unesp SIC UNIP 2015
Prevencao Cura HIV Alexandre Barbosa Unesp SIC UNIP 2015Prevencao Cura HIV Alexandre Barbosa Unesp SIC UNIP 2015
Prevencao Cura HIV Alexandre Barbosa Unesp SIC UNIP 2015
 
Microcephaly and Zika in Brazil
Microcephaly and Zika in BrazilMicrocephaly and Zika in Brazil
Microcephaly and Zika in Brazil
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
Passado, Presente e Futuro das Tecnologias Reprodutivas no Brasil
Passado, Presente e Futuro das Tecnologias Reprodutivas no BrasilPassado, Presente e Futuro das Tecnologias Reprodutivas no Brasil
Passado, Presente e Futuro das Tecnologias Reprodutivas no Brasil
 
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos LeiteirosNeosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
Neosporose Em Rebanhos Bovinos Leiteiros
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 
Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)Aprendizagem (aula 1)
Aprendizagem (aula 1)
 

Último

fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 

Último (10)

TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 

Brucelose 01

  • 1. PNCEBT - Departamento de Defesa MINISTÉRIO DAMINISTÉRIO DA AGRICULTURA,AGRICULTURA, PECUÁRIA EPECUÁRIA E ABASTECIMENTOABASTECIMENTO Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Defesa Animal Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal
  • 2. PNCEBT - Departamento de Defesa PRESIDENTE DA REPÚBLICA • Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO • Roberto Rodrigues SECRETÁRIO EXECUTIVO • José Amauri Dimarzio SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA • Maçao Tadano DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL • Jorge Caetano Júnior COORDENADOR DE VIGILÂNCIA E PROGRAMAS SANITÁRIOS • Jamil Gomes de Souza PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL - PNCEBT • José Ricardo Lôbo • Ana Margarida Pantaleoni • Vera Cecilia Ferreira de Figueiredo
  • 3. PNCEBT - Departamento de Defesa Andrey Pereira Lage Universidade Federal de Minas Gerais Eliana Roxo Instituto Biológico de São Paulo Ernst Eckehardt Muller Universidade Estadual de Londrina Fernando Padilla Poester Consultor do LARA/MG - MAPA João Crisostomo Mauad Cavalléro SSA/DFA/MS - MAPA José Soares Ferreira Neto Universidade de São Paulo Pedro Moacyr Pinto Coelho Mota LARA/MG - MAPA Vitor Salvador Picão Gonçalves Universidade de Brasília Material Elaborado pelo ComitêMaterial Elaborado pelo Comitê Científico Consultivo do PNCEBTCientífico Consultivo do PNCEBT
  • 4. PNCEBT - Departamento de Defesa BRUCELOSEBRUCELOSE BOVINABOVINA
  • 5. PNCEBT - Departamento de Defesa Temas AbordadosTemas Abordados • Definição • Etiologia • Epidemiologia • Importância econômica • Transmissão • Patogenia • Sinais clínicos • Diagnóstico • Controle
  • 6. PNCEBT - Departamento de Defesa Brucelose BovinaBrucelose Bovina • DEFINIÇÃO – Doença infecto-contagiosa provocada por bactérias do Gênero Brucella. – Caracteriza-se por provocar abortos geralmente no terço final da gestação, nascimento de bezerros fracos, retenção de placenta, repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, podendo ainda transmitir-se ao homem.
  • 7. PNCEBT - Departamento de Defesa – BOVINOS Doença de Bang; Aborto contagioso; Aborto infeccioso. • SINONÍMIA – HOMEM Febre ondulante; Febre de Malta. BruceloseBrucelose BovinaBovina
  • 8. PNCEBT - Departamento de Defesa EtiologiaEtiologia B. melitensis - Bruce ⇒ 1887 - Malta - 3 biovares B. abortus - Bang ⇒ 1897 - Dinamarca - 7 biovares B. suis - Traum ⇒ 1914 - EUA - 5 biovares B. ovis - Buddle ⇒ 1953 - Nova Zelândia B. neotomae - Stoenner ⇒ 1957 – EUA B. canis - Carmichael ⇒ 1968 - EUA Ross et al. ⇒ 1994 - Escócia – isolamento em mamíferos marinhos Proposta: “Brucella cetaceae” - isolamentos de cetáceos “Brucella pinnipediae” - isolamentos de focas
  • 9. PNCEBT - Departamento de Defesa Brucella abortusBrucella abortus ResistênciaResistência • Luz solar direta 4 - 5 horas • Solo seco 4 dias • Solo úmido 66 dias – a baixas temperaturas 151 - 185 dias • Fezes 120 dias • Dejetos a altas temperaturas 2 - 4 horas • Esgoto 8 - 240/700 dias • Água potável 5 - 114 dias • Água poluída 30 - 150 dias • Feto à sombra 180 dias • Exsudato uterino 200 dias Fonte: Wray, 1975.
  • 10. PNCEBT - Departamento de Defesa • Leite 17 dias • Leite congelado > 800 dias • Queijos até 6 meses • Manteiga até 4 meses • Iogurte até 96 dias • Temperatura de 60ºC 10 minutos • Temperatura de 71,7ºC 15 segundos Brucella abortusBrucella abortus ResistênciaResistência
  • 11. PNCEBT - Departamento de Defesa • DESINFETANTES – Álcool 96o GL – Hipoclorito de sódio 5% – Hipoclorito de cálcio 5% – Formol 3% – Fenol 5% • CALOR – Autoclavação: 120o C por 20 minutos – Pasteurização lenta: 65o C por 30 minutos – Pasteurização rápida: 72 a 74o C por 15-20 segundos – Fervura Fonte: WHO/VPH/84.4. Brucella abortusBrucella abortus DestruiçãoDestruição
  • 12. PNCEBT - Departamento de Defesa • DISTRIBUIÇÃO – Mundial  Maior prevalência em países em desenvolvimento.  Erradicada ou em erradicação em alguns países desenvolvidos. EpidemiologiaEpidemiologia
  • 13. PNCEBT - Departamento de Defesa • DISTRIBUIÇÃO – Brasil – 1975 -- Último estudo nacional oficial: Região Norte 4,1% Região Nordeste 2,5% Região Centro-Oeste 6,8% Região Sudeste 7,5% Região Sul 4,0% Fonte: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. Diagnóstico de Saúde Animal, 1977. EpidemiologiaEpidemiologia
  • 14. PNCEBT - Departamento de Defesa Brucelose - % Animais Reagentes Norte 9,53 Nordeste 3,74 Centro-Oeste 2,59 Sudeste 1,02 Sul 0,76 Total 2,75 Fonte: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. Boletim de Defesa Sanitária Animal. V. 29, n. 1-4. 1996. • DISTRIBUIÇÃO EpidemiologiaEpidemiologia
  • 15. PNCEBT - Departamento de Defesa B. abortus: biovares 1,2 e 3 B. suis: biovar 1 B. ovis B. canis Brucelose Brucelas confirmadas no Brasil até 1985 Fonte: Carrillo,1990.
  • 16. PNCEBT - Departamento de Defesa Importância EconômicaImportância Econômica • PERDAS PARA A PECUÁRIA  Aborto  Repetição de cio  Bezerros fracos  Diminuição na produção de leite  Redução do tempo de vida produtiva  Custos de reposição de animais  Limitação na comercialização de animais
  • 17. PNCEBT - Departamento de Defesa Cadeia deCadeia de TransmissãoTransmissão • Fonte de Infecção – Animais infectados • Vias de Eliminação – Feto e anexos fetais, secreções vaginais, leite, sêmen, fezes e urina • Vias de Transmissão – Água, pastagem e fômites contaminados – Sêmen – Leite e derivados crus
  • 18. PNCEBT - Departamento de Defesa • Porta de Entrada – Oro-faríngea – Mucosas (conjuntiva, respiratória e genital) – Pele com solução de continuidade • Suscetíveis – Mamíferos domésticos e silvestres – Homem Cadeia de TransmissãoCadeia de Transmissão
  • 19. PNCEBT - Departamento de Defesa Oral Conjuntiva ocular Genital Pele lesada Respiratória Linfonodo regional • Hemática • Linfática Linfonodos Baço Fígado Sistema reprodutivo Útero Úbere Articulações Porta de Entrada PatogeniaPatogenia Disseminação
  • 20. PNCEBT - Departamento de Defesa Aborto Bezerros fracos Natimortos Tropismo pelo útero gestante e placenta Placentite necrótica Doença na FêmeaDoença na Fêmea Retenção de placenta Endometrite Infertilidade
  • 21. PNCEBT - Departamento de Defesa Inflamação aguda sistema reprodutivo Orquite uni ou bilateral (pus, fibrose ou necrose), Epididimite,Vesiculite Infertilidade Testículo Epidídimo Vesículas seminais Ampolas seminais Cronificação (assintomática) Doença no MachoDoença no Macho
  • 22. PNCEBT - Departamento de Defesa • DIRETOS – Presença do agente etiológico:  Isolamento do agente em meio de cultura e identificação bioquímica  Detecção de DNA (PCR) • INDIRETOS – Pesquisa de anticorpos específicos Métodos de DiagnósticoMétodos de Diagnóstico da Brucelose Bovinada Brucelose Bovina
  • 23. PNCEBT - Departamento de Defesa Equipamentos de biossegurança nível 3 para pesquisa de Brucella sp Diagnóstico da BruceloseDiagnóstico da Brucelose BovinaBovina
  • 24. PNCEBT - Departamento de Defesa Diagnóstico BacteriológicoDiagnóstico Bacteriológico da Bruceloseda Brucelose • Meio de Farrell: agar triptose + soro (5%) + antibióticos (Polimixina B, Bacitracina, Cicloheximide, Nistatina, Ácido Nalidíxico, Vancomicina). • MATERIAL – Da vaca : linfonodos (parotídeo, pré-escapular, bronquial, ilíaco interno, supra-mamário) cotilédone, suabe vaginal, baço, leite. – Do feto : linfonodo bronquial, conteúdo estomacal, baço, fígado, pulmão, suabe retal.
  • 25. PNCEBT - Departamento de Defesa Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da BruceloseBrucelose • Reação antígeno-anticorpo em resposta à infecção. • Infecção por brucelas lisas induzem anticorpos anti-brucelas lisas: – reação cruzada entre: B. abortus, B. melitensis e B. suis. • Infecção por brucelas rugosas induzem anticorpos anti-brucelas rugosas: – reação cruzada entre: B. canis e B. ovis. • Principal antígeno envolvido: Lipopolissacarídeo.
  • 26. PNCEBT - Departamento de Defesa  Fácil execução e interpretação  Rapidez na obtenção dos resultados  Baixo custo (triagem e algumas confirmatórias)  Provas padronizadas internacionalmente Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da BruceloseBrucelose
  • 27. PNCEBT - Departamento de Defesa 0 50 100 150 200 250 0 5 12 Tempo em meses TítulodeAnticorposemUI IgG1 IgM IgA IgG2 • Título de anticorpos em bovinos infectados com Brucella abortus ao longo do tempo. Fonte: Adaptado de Nielsen et al., 1996. Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da BruceloseBrucelose
  • 28. PNCEBT - Departamento de Defesa • Título de anticorpos em bezerras vacinadas entre 3 e 8 meses de idade com Brucella abortus amostra B19. 0 50 100 150 200 250 0 2 4 5 8 10 12 Tempo em meses TítulodeAnticorposemUI IgG1 IgM IgA IgG2 Fonte: Adaptado de Nielsen et al., 1996. Diagnóstico Sorológico daDiagnóstico Sorológico da BruceloseBrucelose
  • 29. PNCEBT - Departamento de Defesa Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose (Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT) Teste de triagem diagnóstica:Teste de triagem diagnóstica: Teste do Antígeno Acidificado Tamponado (AAT) (Rosa de Bengala)(Rosa de Bengala) Teste confirmatório de diagnóstico:Teste confirmatório de diagnóstico: Teste do 2-Mercaptoetanol (2-ME) (2-Mercaptoetanol + Soroaglutinação Lenta)(2-Mercaptoetanol + Soroaglutinação Lenta) Teste de referência para trânsito internacional:Teste de referência para trânsito internacional: Teste de Fixação de Complemento (FC) Teste para vigilância epidemiológica:Teste para vigilância epidemiológica: Teste do Anel em Leite (TAL)
  • 30. PNCEBT - Departamento de Defesa Teste do Antígeno Acidificado Tamponado positivonegativoReação positiva Teste do Anel em Leite Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose (Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT)
  • 31. PNCEBT - Departamento de Defesa Teste do 2-Mercaptoetanol 1:50 1:100 1:2001:25 positivo negativo positivo Teste de Fixação de Complemento Diagnóstico Sorológico da BruceloseDiagnóstico Sorológico da Brucelose (Provas Oficiais PNCEBT)(Provas Oficiais PNCEBT)
  • 32. PNCEBT - Departamento de Defesa Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas com idadeInterpretação do teste do 2-ME para fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses, que foram vacinadasigual ou superior a 24 meses, que foram vacinadas entre três e oito meses de idade.entre três e oito meses de idade. 2-ME SAL NR 25I 25 50I 50 100I 100 200I 200 NR - 25I - - 25 - - + 50I - - + + 50 - - + + + 100I - - + + + + 100 Inc Inc + + + + + 200I Inc Inc + + + + + + 200 Inc Inc + + + + + + + 2-ME: 2-mercaptoetanol SAL: soro-aglutinação lenta NR: não reagiu I: reação incompleta Inc: reação inconclusiva
  • 33. PNCEBT - Departamento de Defesa Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas nãoInterpretação do teste do 2-ME para fêmeas não vacinadas e machos com mais de 8 meses.vacinadas e machos com mais de 8 meses. 2-ME SAL NR 25I 25 50I 50 100I 100 200I 200 NR - 25I - - 25 - - + 50I - - + + 50 Inc Inc + + + 100I Inc Inc + + + + 100 Inc Inc + + + + + 200I Inc Inc + + + + + + 200 Inc Inc + + + + + + + 2-ME: 2-mercaptoetanol SAL: soro-aglutinação lenta NR: não reagiu I: reação incompleta Inc: reação inconclusiva
  • 34. PNCEBT - Departamento de Defesa Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose • Vacina B19  Amostra B19 B. abortus, lisa, viva atenuada  Aplicação em bezerras entre 3 e 8 meses de idade (preferencialmente até os 6 meses)  Cuidados na aplicação  Não pode ser usada fora das especificações  Patogênica para o homem
  • 35. PNCEBT - Departamento de Defesa  É de reduzida virulência  É estável e causa reações mínimas  Protege cerca de 70% dos animais  Imunidade por aproximadamente 7 anos  Dose única  Não tem ação curativa  Vacinação de fêmeas entre 3 a 8 meses de idade  Persistência de anticorpos em animais vacinados acima de 8 meses de idade Amostra B19 de B. abortus Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose
  • 36. PNCEBT - Departamento de Defesa • Amostra rugosa viva atenuada de Brucella abortus • Não interfere nas provas sorológicas oficiais • Vacina oficial nos EUA e Chile • Uso permitido, juntamente com B19, na Colômbia, México, Costa Rica, Paraguai e Venezuela • EUA: vacinação de bovinos entre 4 a 12 meses de idade • Outros países: revacinação após 12 meses • Proteção semelhante à B19 Fonte: OIE, 2004. Vacina não Indutora de Anticorpos Aglutinantes Vacinação contra BruceloseVacinação contra Brucelose
  • 37. PNCEBT - Departamento de Defesa Vacina não Indutora deVacina não Indutora de Anticorpos AglutinantesAnticorpos Aglutinantes  Permitirá aumentar a cobertura vacinal  Recomendado o uso em: – Fêmeas adultas que nunca foram vacinadas – Falha na imunidade do rebanho (FOCO), com eliminação dos animais reagentes ao teste, seguido de vacinação dos restantes – Situações de alto risco de infecção – Vacinações estratégicas
  • 38. PNCEBT - Departamento de Defesa Vacina não Indutora deVacina não Indutora de Anticorpos AglutinantesAnticorpos Aglutinantes  Não deve ser utilizada em machos e fêmeas prenhes  Cuidados na aplicação  Não pode ser usada fora das especificações  Potencialmente patogênica para o homem
  • 39. PNCEBT - Departamento de Defesa Combate à Brucelose BovinaCombate à Brucelose Bovina  Educação sanitária  Vacinação  Rotina de testes sorológicos  Abate sanitário ou destruição dos animais reagentes  Desinfecção das instalações e destruição de restos placentários, fetos abortados e secreções  Piquetes maternidade  Quarentena de animais introduzidos no rebanho  Exame de saúde das pessoas envolvidas
  • 40. PNCEBT - Departamento de Defesa Fotos gentilmente cedidas pelas Instituições:  LARA/MG/MAPA  UFMG  Instituto Biológico
  • 41. PNCEBT - Departamento de Defesa www.agricultura.gov.br tub-bru@agricultura.gov.br Obrigado por sua atenção